Ficha história

6.024 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Tecnologia
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.024
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
63
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
284
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ficha história

  1. 1. A Europa Cristã e o Islão nos séculos VI a IX<br />1. Quem eram os Germanos?<br />Os Germanos, a quem os Romanos chamavam Bárbaros (porque não tinham a mesma cultura que os Romanos, não falavam latim, não tinham os mesmos costumes, ...), invadiram a Europa, conduzindo à queda do Império Romano do Ocidente, em 476.<br />2. Identifica os povos bárbaros que invadiram a Europa no século V e as regiões conquistadas.<br />Os Ostrogodos invadiram a Península Itálica, os Francos a Gália, os Visigodos e os Suevos a Península Ibérica e os anglo-saxões a Britânia.<br />3. Quais foram as consequências políticas das invasões bárbaras?<br />O Império Romano do Ocidente desagregou-se e formaram-se novos reinos, iniciando-se um período que é costume designar-se Idade Média (do século V ao século XV): o dos Suevos e dos Visigodos na Península Ibérica; o dos Francos em França, o dos Anglo-Saxões na Grã-Bretanha, o dos Ostrogodos na Península Itálica e  dos Vândalos no Norte de África.<br />4. Descreve a importância da Igreja na época.<br />Nesta época, o prestígio da Igreja Católica aumentou, graças à cristianização dos bárbaros e ao facto de, muitas vezes, terem sido os bispos a organizar a defesa das cidades.<br />5. Descreve as consequências económicas das invasões bárbaras.<br />Devido às invasões bárbaras, vivia-se um clima de insegurança e de medo.<br />O clima de insegurança provocou a regressão económica: o comércio enfraqueceu, as cidades diminuíram de tamanho e perderam a sua importância, e a economia ruralizou-se, ou seja, a principal actividade económica passou a ser a agricultura. Em vez de uma economia mercantil, urbana e monetária, passa a existir uma economia de subsistência, isto é, as pessoas sobreviviam à custa daquilo que produziam. A posse da terra passa a ser sinónimo de poder e de riqueza.<br />6. Os povos que invadiram a Europa numa 2ª vaga (séculos IX a XI) foram os Vikings (todo o litoral da Europa), os Muçulmanos ( litoral da Europa Mediterrânica) e os Húngaros (Europa de leste)<br />7.As principais ideias do Islamismo são:<br />- Considerando-se portador da palavra de Deus (profeta), Maomé deu origem a uma nova religião monoteísta: o Islamismo (=submissão à vontade de Deus)<br />- O livro sagrado dos muçulmanos (= crentes) é o Alcorão.<br />- A religião assenta nos cinco pilares da fé (as obrigações religiosas que todos os Muçulmanos têm de cumprir, nomeadamente o jejum durante o Ramadão e a peregrinação à cidade de Meca)<br />- A Hégira consiste na fuga de Maomé de Meca para Medina.<br />8. Os califas (=chefes religiosos e políticos) iniciaram o movimento de expansão, formando um grande Império, que ia da Península Ibérica ao rio Indo, na Ásia, ocupando todo o Norte de África e o Médio Oriente. Em todo o Império, os muçulmanos desenvolveram uma vasta rede de rotas comerciais.<br />9.Os Muçulmanos, entre os séculos VII a IX, desenvolveram uma cultura extremamente rica e criativa, nomeadamente no domínio da ciência, da literatura e da arte. Foram eles os responsáveis pela numeração árabe e o aparecimento do número zero.<br />A sociedade europeia nos séculos IX a XII<br />2.1 A sociedade medieval estava dividida em três grupos sociais (sociedade tripartida), tendo cada um deles uma função específica: a nobreza defendia, o clero rezava pela protecção divina e o povo trabalhava para o sustento de todos<br />2.2 Havia um pequeno número de privilegiados porque possuíam a maior parte das terras e dispunha de muitos direitos e regalias, nomeadamente a isenção de impostos: era a nobreza e o clero.<br />O povo era o grupo de não-privilegiados, constituída sobretudo por camponeses (colonos e servos), que trabalhavam nas terras da nobreza e do clero. Pagavam impostos ao rei e rendas aos proprietários das terras.<br />2.3 Os domínios senhoriais estavam divididos em duas partes: a reserva (explorada directamente pelo senhor) e os mansos (exploradas pelos camponeses)<br />Em troca da exploração da terra, os camponeses estavam sujeitos a uma série de obrigações: rendas em dinheiro, em géneros e a prestação de corveias (trabalho gratuito na reserva do senhor)<br />2.4 Os camponeses estavam na total dependência dos proprietários das terras porque dependiam do trabalho da terra para a sua sobrevivência.<br />2.5 Entre os grupos privilegiados, havia relações de vassalagem, ou seja, laços de entreajuda e de dependência entre o senhor mais poderoso (o suserano) e os nobres menos poderosos (os vassalos)<br />2.6 O contrato de vassalagem celebrava-se através das seguintes cerimónias: homenagem (o vassalo colocava-se na dependência do senhor); o juramento de fidelidade e de obediência por parte do vassalo e a investidura, na qual o suserano recompensava o vassalo com um benefício (dinheiro, cargo ou terra)<br />2.7 Devido às relações de vassalagem entre nobre mais importantes e menos importantes, vai estabelecer-se uma hierarquia de dependências. À hierarquia ou cadeia de dependências é costume chamar-se pirâmide feudal. O rei é o suserano dos suseranos.<br />

×