Revisão 2

1.214 visualizações

Publicada em

Cursinho Vitoriano

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.214
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
191
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Revisão 2

  1. 1. CALENDÁRIO: PRÓXIMAS AULAS AULA DATA VESTIBULAR DATA Revisão 2 (Unesp, Ufpr, UEMA e Fatec) 28/10 11/11 UNESP 1ª Fase: 15/11 2ª Fase: 13/12 e 14/12 UFPR 1ª Fase: 08/11 Geografia e Literatura 04/11 UNICAMP 1ª Fase: 22/11 2ª Fase: 17, 18 e 19/01/16 Revisão 3 (Unicamp) 18/11 USP 1ª Fase: 29/11 2ª Fase: 10, 11 e 12/01/16 Revisão 4 (Usp e Ufsc) 25/11 FATEC 06/12 Revisão 5 (2ªs Fases e Famerp) 02/12 UFSC Fase única: 12,13 e 14/12 Revisão 6 (a confirmar) 09/12 Famerp 17, 18/12
  2. 2. REVISÃO 2 PARTE 1: 28/10 Unesp, UFPR, UEMA e Fatec
  3. 3. 1ªFASE Produção econômica Meio ambiente Economia no mundo globalizado População Geofísica (Clima, relevo, hidrografia) UEMA 2012 - 2015 Cartografia Meio ambiente ClimaGeomorfologia População Geopolítica/ Comércio Industrialização/ Urbanização UFPR 2012 - 2015
  4. 4. 1ªFASE Industrializa… Geopolítica /Atualida… Geofísica Agricultura População FATEC Cartografia Geofísica População Urbanização e Transportes Agropecuária Recursos minerais Industrialização Meio ambiente Geopolítica UNESP
  5. 5. CARTOGRAFIA (UNESP, 2015) Observe o mapa e a fotografia. A partir de conhecimentos cartográficos sobre orientação, localização e altimetria, é correto afirmar que a fotografia foi realizada a partir da posição (A) 2. (B) 5. (C) 3. (D) 4. (E) 1.
  6. 6. CARTOGRAFIA (UFPR, 2014) Para ir a um determinado local, um motorista consultou o aparelho de GPS (Sistema de Posicionamento Global), o qual indicou o caminho representado na figura a seguir. Sabendo que o maior segmento a ser percorrido no trajeto sugerido pelo GPS corresponde à distância de 345m, é correto afirmar que a distância total a ser percorrida é de e) 1410m e a escala utilizada é de 1:10000. a) 425m e a escala utilizada é de 1:1000. b) 705m e a escala utilizada é de 1:5000. c) 810m e a escala utilizada é de 1:2500. d) 810m e a escala utilizada é de 1:5000.
  7. 7. CARTOGRAFIA VAMOS LÁ... RESOLUÇÃO PARA QUEM PRESTA HUMANAS: E = D/d D = d x E 1. Encontrar a escala: E = 345m/6,9cm -> 345m/0,069m = 5000 Logo, a escala do mapa é de 1:5000 2. Somar as distâncias reais: 2,7 x 5000 = 13500cm -> 135m 2,9 x 5000 = 14500cm -> 145m 6,9 x 5000 = 34500cm -> 345m 1,6 x 5000 = 8000 -> 80m 135 + 145 + 345 + 80 = 705m OU (2,7 + 2,9 + 6,9 + 1,6) x 5000 = 70500 cm -> 705m
  8. 8. CARTOGRAFIA (UFPR, 2014) Para ir a um determinado local, um motorista consultou o aparelho de GPS (Sistema de Posicionamento Global), o qual indicou o caminho representado na figura a seguir. Sabendo que o maior segmento a ser percorrido no trajeto sugerido pelo GPS corresponde à distância de 345m, é correto afirmar que a distância total a ser percorrida é de e) 1410m e a escala utilizada é de 1:10000. a) 425m e a escala utilizada é de 1:1000. b) 705m e a escala utilizada é de 1:5000. c) 810m e a escala utilizada é de 1:2500. d) 810m e a escala utilizada é de 1:5000.
  9. 9. CARTOGRAFIA (UFPR, 2013) A figura a seguir corresponde ao recorte de uma carta topográfica, contendo um alinhamento tomado entre os pontos A e B. A respeito da figura apresentada, considere as seguintes afirmativas: 1. O alinhamento AB apresenta direção NW-SE e comprimento menor do que 2 km. 2. O alinhamento AB apresenta direção SW-NE e comprimento menor do que 4 km. 3. O alinhamento AB apresenta amplitude altimétrica menor do que 1000 m. 4. O alinhamento AB apresenta amplitude altimétrica maior do que 800 m. Assinale a alternativa correta. a) Somente a afirmativa 1 é verdadeira. b) Somente a afirmativa 2 é verdadeira. c) Somente as afirmativas 2 e 3 são verdadeiras. d) Somente as afirmativas 2 e 4 são verdadeiras. e) Somente as afirmativas 1, 3 e 4 são verdadeiras.
  10. 10. GEOMORFOLOGIA (UNESP, 2015) Analise o trecho da canção “Tempo rei”, de Gilberto Gil. Não me iludo Tudo permanecerá do jeito que tem sido Transcorrendo Transformando Tempo e espaço navegando todos os sentidos Pães de Açúcar Corcovados Fustigados pela chuva e pelo eterno vento Água mole Pedra dura Tanto bate que não restará nem pensamento Tempo rei, ó, tempo rei, ó, tempo rei Transformai as velhas formas do viver (www.gilbertogil.com.br) O trecho faz alusão direta a dois processos geomorfológicos: (A) meteorização e subsidência. (B) assoreamento e fraturamento. (C) erosão e esculpimento. (D) lixiviação e escarpamento. (E) abrasão e soerguimento.
  11. 11. GEOMORFOLOGIA Analise o perfil a seguir. Assinale a alternativa que contém o nome das unidades do relevo numeradas por 1 e 2. a) 1 – Planície Residual Norte-Amazônica; 2 – Depressão Residual Sul-Amazônica. b) 1 – Planaltos Residuais Norte- Amazônicos; 2 – Depressão Marginal Sul- Amazônica. c) 1 – Planaltos Residuais Venezuelanos; 2 – Planaltos Residuais Sul-Amazônicos. d) 1 – Depressão Norte-Amazônica; 2 – Depressão Limítrofe Sul-Amazônica. e) 1 – Planaltos Residuais Norte-Amazônicos; 2 – Depressão Periférica Sul-Amazônica.
  12. 12. GEOMORFOLOGIA Depressão Periférica: estabelecidas nas regiões de contato entre estruturas sedimentares e cristalinas. Depressão Interplanáltica: estabelecidas em áreas mais baixas em relação aos planaltos que as circundam. Depressão Marginal: margeiam as bordas de bacias sedimentares, esculpidas em estruturas cristalinas.
  13. 13. GEOMORFOLOGIA (UNICAMP, 2010)Observe a figura abaixo e responda às questões: a) No perfil geológico-geomorfológico do Estado de São Paulo aparece representado o relevo de cuestas. O que é um relevo de cuestas e quais as suas principais características? b) O Rio Tietê tem suas nascentes no município de Salesópolis, no reverso da Serra do Mar, a aproximadamente 50 km do litoral, e tem a sua foz no rio Paraná. Quando adentra a Bacia Sedimentar do Paraná, o Rio Tietê corre concordante ao mergulho das rochas desta bacia. Por que, apesar de nascer próximo ao litoral, o Rio Tietê é afluente do Rio Paraná? Como são denominados os rios que têm o mesmo comportamento que o Rio Tietê no trecho da Bacia Sedimentar do Paraná?
  14. 14. GEOMORFOLOGIA a) Forma de relevo escarpado que divide uma depressão de um planalto em áreas de rochas sedimentares. É uma forma de relevo assimétrico, com um front escarpado e reverso suave, resultado de erosão diferencial. Ocorre em áreas de bacias sedimentares. b) Isso ocorre porque as cotas altimétricas a oeste são menores se comparadas com as das cristas da Serra do Mar, o que condiciona o fluxo do rio em direção ao interior do Estado. Os rios que têm o mesmo comportamento do rio Tietê são rios de drenagem endorréica.
  15. 15. GEOMORFOLOGIA (UEMA) Analise a imagem abaixo. Trata-se da Pedra da Tartaruga, situada no Parque Nacional de Sete Cidades-PI, que retrata o resultado do processo da desagregação de uma rocha. Nela, os minerais constituintes se dilatam quando aquecidos e se contraem quando resfriados. Seus principais agentes de intemperismos são a variação de temperatura e a cristalização que ocorrem nas áreas de grande amplitude térmica, desérticas e semiáridas. O que caracterizou essa modelagem da Pedra da Tartaruga foi o intemperismo a) cratônico. b) biológico. c) químico. d) fluvial. e) físico.
  16. 16. GEOMORFOLOGIA (Fatec, 2015) A Teoria da Tectônica de Placas afirma que a crosta terrestre, mais precisamente a litosfera, está fracionada em um determinado número de placas tectônicas rígidas, que se deslocam com movimentos horizontais. Em faixas de contato onde ocorrem choques entre as placas tectônicas, uma placa submerge sob outra placa. Esse fenômeno, conhecido como subducção ocorre em bordas (A) destrutivas, quando a pressão entre as placas tectônicas faz com que uma delas mergulhe debaixo da outra. (B) divergentes, em decorrência de erupções vulcânicas que colaboram com a deformação e ruptura das placas tectônicas. (C) construtivas, devido à ação de forças, verticais ou inclinadas, sobre as placas tectônicas que as fraturam, gerando as falhas. (D) conservativas, pois uma placa tectônica, ao deslizar ao longo de outra, provoca o desmoronamento do assoalho oceânico. (E) transformantes, em função do movimento lateral da litosfera, que provoca o rebaixamento e o soerguimento das placas tectônicas.
  17. 17. Subducção Destrutivas Construtivas
  18. 18. HIDROGRAFIA (FATEC, 2014) Observe os mapas: Podemos relacionar corretamente esses mapas a um projeto que tem suscitado calorosas discussões sobre (A) a construção da usina de Belo Monte junto à Bacia hidrográfica I. (B) a transposição do principal rio da Bacia hidrográfica III. (C) sistemas de agricultura de irrigação junto à Bacia hidrográfica II. (D) a mais nova usina hidrelétrica construída junto à Bacia hidrográfica IV. (E) a construção da usina de Belo Monte no rio Xingu, na Bacia hidrográfica II
  19. 19. DINÂMICA CLIMÁTICA (UFPR) O estudo dos climas compõe um importante capitulo da ciência, e seu conhecimento é de suma importância para a organização e desenvolvimento das sociedades humanas. Os climas da Terra expressam, devido às suas diferenças, aspectos geográficos particulares. Nesse sentido, é correto afirmar: a) Os elementos do clima (temperatura, umidade e pressão atmosférica) apresentam diferenciações espaciais devido à influência dos fatores geográficos (latitude, longitude, altitude e maritimidade). b) Os climas da Terra são definidos tanto por fatores astronômicos quanto por fatores estáticos, como as mudanças climáticas globais, dentro das quais sobressaem-se eventos catastróficos, como as tsunamis. c) A circulação atmosférica da Terra é definida pela atuação das massas de ar, cuja dinâmica é controlada pela atuação do El Niño e do La Niña, eventos que resultam, respectivamente, do menor e do maior fluxo de calor nas águas do Oceano Pacífico. d) A diferenciação geográfica dos climas da Terra decorre da interação entre os elementos e fatores geográficos do clima, tanto estáticos quanto dinâmicos. As mudanças climáticas globais indicam alterações nos climas do planeta, em escala secular (temporal) e global (geográfica), embora seja no âmbito das áreas urbano-industriais que os efeitos das atividades humanas sobre o clima sejam mais perceptíveis. e) Os climas do Brasil apresentam, em sua totalidade, aspectos flagrantes de tropicalidade, expressos nas elevadas amplitudes térmicas diárias e sazonais, notadamente na porção mais ao norte do país. Nessa região – Domínio Amazônico –, na qual são registrados os mais fortes contrastes térmicos e pluviométricos do território nacional, a exuberância da floresta e o expressivo caudal dos rios atestam essa característica climática.
  20. 20. DINÂMICA CLIMÁTICA (UNESP, 2015) Analise a imagem de satélite meteorológico e os mapas de precipitação, pressão atmosférica e umidade relativa do ar no território brasileiro, captados às 12 horas do dia 27 de outubro de 2010, para responder às questões 4 e 5.
  21. 21. (UNESP, 2015) Considerando conhecimentos sobre a dinâmica atmosférica, é correto afirmar que os números 1, 2 e 3 na imagem de satélite correspondem, respectivamente, a DINÂMICA CLIMÁTICA (A) massa de ar frio, zona de convergência do Atlântico Sul e massa de ar quente. (B) massa de ar quente, frente fria e massa de ar quente. (C) massa de ar frio, frente fria e massa de ar quente. (D) massa de ar quente, zona de convergência do Atlântico Sul e massa de ar frio. (E) massa de ar quente, frente fria e massa de ar frio
  22. 22. DINÂMICA CLIMÁTICA (UNESP, 2015) A partir da análise dos mapas, é correto afirmar que, na área identificada pelo número 2 na imagem de satélite, a dinâmica atmosférica proporcionou (A) chuvas. (B) estiagem. (C) elevação da temperatura na superfície. (D) elevação da pressão atmosférica. (E) diminuição da umidade relativa do ar.
  23. 23. DINÂMICA CLIMÁTICA (UNESP, 2014) Leia as notícias. As fortes chuvas na região litorânea do Nordeste causam problemas a moradores de pelo menos quatro capitais. Maceió, Recife e João Pessoa sofrem com transtornos e ruas alagadas nesta quarta-feira [03.07.2013]. Natal ainda se recupera da maior chuva do ano, registrada nessa terça-feira. (http://noticias.uol.com.br) As fortes chuvas que atingem Salvador desde a madrugada provocaram alagamentos em diversas ruas da capital baiana nesta quarta-feira [03.07.2013]. Segundo a Defesa Civil do município, da meia-noite até o meio-dia foram registradas 31 solicitações de emergência, incluindo 14 deslizamentos de terra. [...] De acordo com a Climatempo, entre 1h e 8h, o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) registrou quase 37 milímetros de chuva acumulados em Salvador, com rajadas de vento atingindo 40 km/h. (http://noticias.terra.com.br) A maior incidência de chuvas entre os meses de maio e julho no Nordeste brasileiro pode ser explicada pela ocorrência de alguns fenômenos atmosféricos, como (A) a atuação dos ventos alísios e a formação de áreas de alta pressão atmosférica. (B) a atuação dos ventos alísios e a ação de frentes frias. (C) a atuação de frentes frias e a formação de tornados. (D) a atuação da zona de convergência do Atlântico Norte e a formação de tornados. (E) a atuação da zona de convergência do Atlântico Norte e a formação de áreas de alta pressão atmosférica.
  24. 24. DINÂMICA CLIMÁTICA O Grupo de Trabalho em Previsão Climática Sazonal, vinculado ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação do governo brasileiro, previu para 2015 chuvas acima da média para o Sul do país e abaixo da média para o Norte e o Nordeste. Esse quadro climático possivelmente é decorrente da continuidade do fenômeno El Niño. Esse fenômeno ocorre principalmente em função de alterações anormais nas águas superficiais e subsuperficiais do (A) Oceano Índico Tropical, quando em processo de aquecimento. (B) Oceano Pacífico Tropical, quando em processo de resfriamento. (C) Oceano Pacífico Tropical, quando em processo de aquecimento. (D) Oceano Atlântico Tropical, quando em processo de resfriamento. (E) Oceano Atlântico Tropical, quando em processo de aquecimento.
  25. 25. DINÂMICA CLIMÁTICA
  26. 26. FONTES DE ENERGIA O uso do álcool combustível é antigo no Brasil. Desde o início do século XX, o país já usava o produto extraído da cana-de-açúcar para fins energéticos. Com o pré-sal em alta, o açúcar caro lá fora e os canaviais em crise, o biocombustível brasileiro derrapa quando o mundo mais precisa de energia verde. (Martha San Juan França. O etanol na encruzilhada. Unesp Ciência, maio de 2012. Adaptado.) A partir da leitura do texto e de seus conhecimentos, pode-se afirmar que, no Brasil, (A) em 1900, iniciaram-se experiências com motores a combustão, em alguns casos movidos a etanol, provocando o aumento da exportação brasileira desse biocombustível. (B) dos séculos XVI a XVIII, os engenhos de açúcar se expandiram pela região Nordeste, constituindo a principal atividade econômica. (C) com a desativação do Proálcool em 2001, descartou-se a perspectiva do etanol se consolidar no mercado brasileiro como fonte renovável de energia. (D) em 1960, a primeira crise do petróleo elevou o preço do barril e a importação consumiu quase metade das divisas obtidas com a exportação nacional. (E) a chegada ao mercado dos carros com motor flex provocou aumento significativo da produção de etanol, tornando o país autossuficiente.
  27. 27. POPULAÇÃO (UEMA, 2015) A imagem a seguir apresenta um dos estágios da transição demográfica no Brasil, ou seja, o processo de passagem de altas taxas para o de baixas taxas de natalidade e de mortalidade, iniciado no período pós II Guerra Mundial. A transição demográfica é um fenômeno que pode ser explicado pelas seguintes características: a) inserção de estrangeiros no mercado de trabalho, introdução de programas de vacinação em massa, difusão geral do saneamento básico. b) aumento do fluxo de saída de homens para o exterior, elevada produtividade da economia e avanços na tecnologia médica. c) urbanização, entrada da mulher no mercado de trabalho e uso de métodos contraceptivos. d) redução da desigualdade social, melhores condições de saneamento no campo, urbanização com igualitária distribuição de renda. e) urbanização, revolução médico-sanitária no campo, oferta abundante de emprego.

×