Comécio mundial e blocos econômicos

453 visualizações

Publicada em

Cursinho Vitoriano

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
453
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
207
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Comécio mundial e blocos econômicos

  1. 1. COMÉRCIO MUNDIAL e BLOCOS ECONÔMICOS Geografia – Aula 24 Profa. Aline Gomes
  2. 2. INTRODUÇÃO Colônias (XVI/XIX) Exploradas em função das necessidades dos colonizadores Divisão Internacional do Trabalho (DIT) O que é? São os papéis de cada país na produção e no comércio globais. DIT na 1ªRev. Industrial/2ªRev. Industrial Países industrializados produtores e exportadores Colônias/não-industrializados fornecedores de matéria-prima Nova DIT (Séc. XX) Produção e exportação distribuídas
  3. 3. CLASSIFICAÇÕES ONU dados estatísticos sobre a situação socioeconômica dos países Diferenças econômicas e de qualidade de vida passaram a ser quantificadas. (pós 2ªGM) DURANTE A GUERRA FRIA Primeiro mundo capitalistas industrializados Segundo mundo socialistas Terceiro mundo capitalistas “subdesenvolvidos” OUTRA CLASSIFICAÇÃO Norte desenvolvido/centro Sul subdesenvolvido/periferia/ “a periferia está no centro” (Milton Santos) Em desenvolvimento/emergentes*
  4. 4. CENÁRIO PRODUÇÃO EUA, Japão, Europa Ocidental 1950/60 Brasil, Argentina e México 1960/70 Coreia do Sul, Taiwan, Cingapura e Hong Kong 1980/90 China TRANSPORTES/COMUNICAÇÃO Avião, Navios de carga, Internet, etc. PRODUÇÃO + CIRCULAÇÃO = COMÉRCIO
  5. 5. INSTITUIÇÕES BANCO MUNDIAL (BM) FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL (FMI) ACORDO GERAL SOBRE TARIFAS E COMÉRCIO (GATT, 1947) ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO (1995) substituído
  6. 6. A RODADA URUGUAI Rodada: ciclo de negociações comerciais multilaterais entre vários países Início: 1986 (Uruguai), Conclusão: 1994 (Marrocos) RESULTADOS: Redução tarifária (ex. Nos países latino-americanos a redução foi de 35% em tarifas de importação. Normas para Propriedade Intelectual¹ e Patentes² Conferências ministeriais Criação da OMC ¹propriedade intelectual: Refere-se aos direitos que uma pessoa ou empresa tem como autora de livros, poesias, músicas, filmes, etc ²patente: Documento que atesta o direito a uma pessoa ou empresa a um invento (ex. fórmula de um medicamento).
  7. 7. PROTECIONISMO DISFARÇADO DEFESA COMERCIAL: Dumping, prática internacional em que são comercializadas mercadorias com preços muito baixos, às vezes até mesmo inferiores ao custo de produção com objetivo de eliminar concorrentes e conquistar mercados. Dumping social: aplicar condições trabalhistas precárias, barateando seus produtos. DEFESA TÉCNICA: o produto não possui todas as condições necessárias (ex. um brinquedo que pode machucar as crianças). DEFESA SANITÁRIA: quando a importação pode ser interrompida mediante acusação de doenças (ex. febre aftosa). Desenvolvidos: discurso neoliberal, prática protecionista
  8. 8. PROTECIONISMO DISFARÇADO DEFESA COMERCIAL: Dumping, prática internacional em que são comercializadas mercadorias com preços muito baixos, às vezes até mesmo inferiores ao custo de produção com objetivo de eliminar concorrentes e conquistar mercados. Dumping social: aplicar condições trabalhistas precárias, barateando seus produtos. DEFESA TÉCNICA: o produto não possui todas as condições necessárias (ex. um brinquedo que pode machucar as crianças). DEFESA SANITÁRIA: quando a importação pode ser interrompida mediante acusação de doenças (ex. febre aftosa). Desenvolvidos: discurso neoliberal, prática protecionista
  9. 9. RELEMBRANDO: NEOLIBERALISMO Na concepção neoliberal: - O Estado deve intervir pouco na economia, procurando eliminar barreiras ao comércio internacional, atrair investimentos estrangeiros, privatizar as empresas públicas, manter o equilíbrio fiscal e controlar a inflação; - Não é papel do Estado extrair petróleo ou minérios, nem participar de outro tipo de atividade econômica de produção; - Cabe ao Estado estimular a pesquisa tecnológica para apoias a iniciativa privada; - Os direitos trabalhistas devem ser revistos (e restringidos) - O sistemas de proteção social (seguro-desemprego, aposentadoria, etc) deve ser reestruturado de modo a contribuir para a redução do déficit público; - As despesas do Estado nos setores sociais (saúde, educação, etc) não devem ser muito altas.
  10. 10. BLOCOS ECONÔMICOS: MODALIDADES Zona de livre-comércio: redução ou eliminação de tarifas aduaneiras. (ex. Nafta) União aduaneira: + mesmas tarifas de importação/exportação fora do bloco (TEC: Tarifa Externa Comum) (ex. Mercosul) Mercado comum: + livre circulação de pessoas, mercadorias, capitais e serviços (ex. União Europeia) União Econômica e Monetária: + ex. zona do euro.
  11. 11. UNIÃO EUROPEIA 1944 BENELUX (Bélgica, Holanda, Luxemburgo) 1952 Comunidade Europeia do Carvão e do Aço – CECA (Bélgica, Holanda, Luxemburgo, França, Alemanha e Itália) 1957 Comunidade Econômica Europeia – CEE 1993 União Europeia *Tratado de Lisboa (2007)
  12. 12. Para ler a notícia: http://brasil.elpais.com/brasi l/2015/10/18/internacional/1 445192200_838960.html
  13. 13. NAFTA 1994 Acordo de Livre-Comércio da América do Norte (NAFTA) Estados Unidos, Canadá e México 440 milhões de habitantes PIB 18 trilhões (2011) Abolição total das tarifas aduaneiras (de importação) em 2015 A disparidade socioeconômica e seus resultados: México: Maquiladoras, agricultura sofre concorrência. Apesar de ter sofrido com a crise de 2008, o México teve ganhos econômicos com o acordo, entretanto os prejuízos sociais foram graves.
  14. 14. APEC 1989 Consultivo 1993 Formalizado Congrega 2,5 bilhões – 58 % Riqueza 47% do Comércio Planetário Criação de uma Área de Livre Comércio / Objetivado melhorar a competitividade de seus produtos com vista a conquista mais mercados fora dessa região a partir de 2020
  15. 15. Para ler a notícia: http://g1.globo.com/econ omia/noticia/2015/10/neg ociacoes-sobre-livre- comercio-no-pacifico- alcancam-acordo- historico- 20151005105508656188.htm
  16. 16. MERCOSUL 1991 Tratado de Assunção Membros: Brasil, Argentina, Uruguai, Paraguai e Venezuela Associados: Bolívia, Chile, Peru, Colômbia e Equador 40% da população latino-americana e mais da metade de todo valor produzido. ATENÇÃO: Bolívia, Peru, Colômbia e Equador também fazem parte da Comunidade Andina das Nações.
  17. 17. Para ler a notícia: http://www.bbc.com/portugu ese/noticias/2014/05/140529_ putin_acordo_economico_fn
  18. 18. G-8 O G-8 é formado pelos sete países mais industrializados do mundo – Itália, França, Alemanha, Grã-Bretanha, Canadá, Estados Unidos e Japão – mais a Rússia. Inicialmente criado como um fórum para assuntos econômicos e de comércio, a política passou a fazer parte da agenda do grupo no fim dos anos 70. Nas últimas reuniões foram discutidos temas como ajuda aos países em desenvolvimento, segurança global, o processo de paz no Oriente Médio e a reconstrução do Iraque. Os membros do G-8 podem concordar em políticas e estabelecer objetivos, mas o cumprimento deles é voluntário.
  19. 19. G 20 O G-20 é um fórum informal que promove debate aberto e construtivo entre países industrializados e emergentes sobre assuntos-chave relacionados à estabilidade econômica global. No ano de 2015, a Turquia assumiu a presidência do Grupo. O norte das ações será obter um crescimento econômico forte e inclusivo, por meio de ações coletivas. A agenda do G-20 em 2015 está organizada em três pilares: fortalecer a recuperação econômica e o potencial de crescimento: aprimorar a cooperação macroeconômica, explorar formas de expandir os investimentos, melhorar a geração e a qualidade dos empregos e apoiar o sistema multilateral de comércio internacional; incrementar a resiliência: garantir a estabilidade do sistema financeiro, a eficiência da arquitetura financeira internacional, o bom funcionamento do sistema tributário internacional e um bom ambiente de negócios. apoiar a sustentabilidade: discutir questões relacionadas ao desenvolvimento, à sustentabilidade energética e ao financiamento de ações para combater a mudança climática.
  20. 20. COMÉCIO MUNDIAL e BLOCOS ECONÔMICOS

×