EDUX - Quem Sou Eu?

639 visualizações

Publicada em

Falamos sobre a questão da Identidade e como a Literatura Infantil pode ajudar no processo de autoconhecimento.

#autoconhecimento #LiteraturaInfantil #Educadores #Leitura

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
639
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

EDUX - Quem Sou Eu?

  1. 1. QUEM SOU EU? Carolina  Sanches   Escher  
  2. 2. Por  que  esse  tema?   No  mundo  contemporâneo,   qual  é  o  espaço  do  eu  e  do   outro?  Qual  é  a  medida  da   liberdade  individual?  E  do   respeito  ao  próximo,  com   todas  as  suas  diferenças?  É   possível  construir  uma   idenDdade  sem  levar  a   alteridade  -­‐  o  outro  -­‐  em   conta?  
  3. 3. Com  quem  dialogo?   Michel  Maffesoli   Alain  de  BoKon   Luc  Ferry   Andre  Comte   Sponville  
  4. 4. Com  quem  dialogo?   Zygmunt  Bauman   Paul  Ricoeur   Todos  abordam  o  conceito  idenDdade  pelas  vias  de  sua  construção  mediada  numa   perspecDva  filosófico-­‐histórico-­‐cultural.    É  na  perspecDva  de  um  estudo  de  como  se  dá   a  idenDdade  em  relação  com  o  outro.  
  5. 5. Imagine que você tenha um barco inteiro de madeira. Aí você vai lá e troca uma de suas tábuas por uma de alumínio. O barco é o mesmo, só que agora tem um pedaço de alumínio.
  6. 6. Mas vamos supor que você tenha gostado da ideia e vá substituindo toda a madeira por alumínio, parte por parte. Ao final dessa reforma você terá um barco de alumínio e não mais um de madeira. Você terá outro barco.
  7. 7. Mas quando foi que o barco de madeira deixou de ser de madeira e virou o barco de alumínio? Na última peça substituída? Na primeira? Imediatamente depois da metade?
  8. 8. Agora imagine que alguém estava passando e viu todas aquelas peças de madeira que você jogou fora e resolveu construir um barco de madeira com elas. Ih, e agora? Qual é o barco de verdade? São 2?
  9. 9. De onde veio essa ideia? Teseu
  10. 10. E  você?  Mesma  coisa  que  o  barco?   Agora imagine você há 7 anos. Nesse periodo, todas as suas células foram substituídas (dizem) lentamente por outras novas. Hoje não existe mais nenhuma célula daquelas que formavam seu corpo, 7 anos atrás.
  11. 11. Você é o mesmo? Se não tem mais nada de você de 7 anos atrás, você não é outro?
  12. 12. Impermanência   “Nós  somos  feitos  da  poeira  de  estrelas”,   lembrava  Carl  Sagan  
  13. 13. DEFINIR  É  LIMITAR   Oscar  Wilde   Retrato  de  Dorian  Gray  
  14. 14. Dicionário   IdenDdade  sf.  1.  Qualidade  de  idênDco.  2.  Os  caracteres  próprios  e   exclusivos  de  uma  pessoa:  nome,  idade,  estado,  profissão,  sexo,   etc”.   IdenDficação:  “ato  ou  efeito  de  indenDficar-­‐se;  reconhecimento  de   uma  coisa  ou  de  um  indivíduo  com  os  próprios  (Aurélio,  2000,   371)”.     E  melhor  ainda  é  o  conceito  de  idenDficar:  “Perceber  afinidades,   ou  comparDlhar  senDmentos  ou  idéias  com  alguém”.  
  15. 15. Falar  em  idenDdade  é  referir-­‐ se  ao  processo  de  como  ela  se   constrói  –  que  se  dá  em  meio   à  idenDficação.  ParDndo  da   premissa  de  que  alguém  só  é   na  medida  em  que  se   encontra  com  outro   ocasionando,  destarte   naquele  que  se  constrói  e  se   torna,  marca  para  a   elaboração  do  seu  eu.  
  16. 16. Janela  de  Johari   Eu  sei  e     os  outros  sabem   Só  os  outros  sabem   Só  eu  sei   Nem  eu  sei  e  nem  os   outros  sabem   A   U   T   O   C   O   N   H   E   C   I   M   E   N   T   O   MulDplicidade  
  17. 17. Para  Bauman,  uma  idenDdade  fixa,   coesa,  seria  como  uma  camisa-­‐de-­‐ força,  uma  repressão,  pois  limita  a   liberdade  de  escolha  
  18. 18. Infográfico  
  19. 19. A  ficção  é  uma  necessidade   coDdiana.  Cada  um,  para  exisDr,   conta-­‐se  uma  história  
  20. 20. Dobras  do  EU  
  21. 21. •  O  que  é  múlDplo  é,  ao  mesmo  tempo,  o  que   tem  muitos  elementos  e  o  que  está  “dobrado   de  muitas  maneiras”(Deleuze).   É  essa  mulDplicidade  do  eu  que  permite   compreender  a  irrupção  do  afeto,  a   importância  das  emoções,  as  lógicas   diferentes  que  o  animam  e  a  disponibilidade   para  perceber  que  o  percurso  não  é  reDlíneo.  

×