EDUX - Monstros na Literatura Infantil

824 visualizações

Publicada em

Monstros Existem!
No EDUX de março falamos sobre Monstros e Monstruosidades, apresentando a Literatura Infantil como um caminho para falarmos sobre essa questão.

Publicada em: Educação
0 comentários
9 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
824
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
23
Comentários
0
Gostaram
9
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

EDUX - Monstros na Literatura Infantil

  1. 1. Monstros Existem Carolina  Sanches   #EDUX  
  2. 2. Responda rápido: o que é feio, malvado, duro de matar, tem origens escusas e é um absoluto sucesso?! Um monstro, claro.! (Um jornalista)!
  3. 3. Meu sobrinho costumava ter pesadelos com monstros…! Ele costumava sonhar com eles noite após noite e 
 gritava até parecer que sua cabeça ia explodir. 
 Ninguém conseguia acabar com isso.! Então falei pra ele que os monstros estavam lá porque não tinham para onde ir; assim, o que ele tinha de fazer era colocar uma caixinha debaixo da cama na qual eles podiam ficar. É só isso que eles querem, falei pra ele,
 um cantinho só pra eles.! Arrumei uma caixa velha de madeira para ele, escrevemos MONSTROS em letras vermelhas na tampa e ela foi para baixo da sua cama. Ele nunca mais teve esse pesadelo… Ele tinha o espaço dele e os monstros tinham o deles. A coisa se resume a isso.
 (Visibility, Boris Starling)! M O N S T R O S
  4. 4. Medo Atávico Criador e Criatura
  5. 5. Quais são os medos primários ! do ser humano?! Águas profundas Escuridão Ser devorado Altura Enterrado vivo
  6. 6. Medo de ser devorado. Porque, pior do que ser morto, é ser comido. Consciência que é carne.
  7. 7. "Talvez o homem seja a mais medrosa dentre todas as criaturas", disse uma vez Irineus Eibl-Eibesfeldt, antropólogo emérito do Instituto Max Planck de Fisiologia Comportamental de Seewiesen, Alemanha. "Por ter experimentado, durante muito tempo, os medos mais elementares, como o de ser devorado por seus predadores naturais, o homem, agora, sofre do medo da existência, fundamentado no seu intelecto", completou Eibesfeldt.
  8. 8. Aos poucos a humanidade construiu seu repertório de monstros. Não um caminho evolutivo, mas adaptativo.
  9. 9. Há quem diga que, pelo homem não precisar mais fugir de animais selvagens, ele reproduz artificialmente os desafios dos seus antepassados.
  10. 10. Monstros, tanto criaturas engendradas pelo homem, quanto os próprios seres humanos [...] (Julio Jeha) O Monstro define-se, em primeiro lugar, em oposição à humanidade.
  11. 11. Entre  as  metáforas  mais  comuns  que  usamos  para   nos  referir  ao  mal,  estão  o  crime,  o  pecado  e  a   monstruosidade  (ou  o  monstro).   Quando  o  mal  é  transposto  para  a  esfera  legal,   atribuímos-­‐lhe  o  caráter  de  transgressão  das  leis   sociais.  (Serial  Killers,  por  exemplo)   Quando  o  mal  aparece  no  domínio  religioso,  o   reconhecemos  como  uma  quebra  das  leis  divinas.   (Satã,  Inferno)   Quando  ele  ocorre  no  reino  estéJco  ou  moral,   damos-­‐lhe  o  nome  de  monstro  ou  monstruosidade.   Se  filósofos  e  teólogos  falham  ao  tentar  representar   o  mal,  então  escritores  talvez  sejam  capazes  de   tornar  o  indizível  visível.  
  12. 12. Características dos Monstros na Literatura! •  Incredulidade  –  Alguém  vê  o  monstro,  avisa  as   pessoas  e  geralmente  é  ignorada.  Eles  só  se   convencem  quando  o  monstro  faz  a  sua   aparição  pública.  Apego  à  realidade,   dificuldade  de  aceitar  o  extraordinário.   •  Descontrole  –  Geralmente  Ficção  CienWfica.   Medo  da  Tecnologia,  revolta  dos  robôs,   cyborgues,  naves,  máquinas,  etc.  Perda  do   controla  do  seu  próprio  invento.  
  13. 13. Características dos Monstros na Literatura! •  Mascaramento  –  Muitas  vezes  a  perfeição  da   máscara  humaniza  o  monstro  e  neutraliza  o   horror.  Apenas  quando  a  máscara  e  a   deformidade  ]sica  são  alinhadas  com  a   deformidade  moral,  a  cena  é  apavorante.     •  Longevidade  –  Uma  vida  longa  é  desejável,   mas  a  extrema  longevidade  inquieta.    
  14. 14. Características dos Monstros na Literatura! •  RelaJvismo  –  Forma  extrema  de  alteridade,  o   monstro  é  sempre  definido  a  parJr  de  uma   comunidade  de  não-­‐monstros.  Não  há   monstros  entre  iguais.     •  GiganJsmo  –  A  figura  do  gigante  é   frequentemente  associada  à  maldade,  à   estupidez  e  ao  egoísmo.      
  15. 15. Características dos Monstros na Literatura! •  Agarramento  –  O  medo  que  senJmos  do   estranho  tem  origem  no  medo  de  ser  agarrado.  A   víJma  agarrada  pelo  monstro  é  imediatamente   presa  da  morte.  O  agarramento  tem  uma  enorme   carga  de  perveridade.   •  Ubiquidade  –  O  deslocamento  é  um  atributo   clássico  dos  monstros,  que  nunca  está  onde   acreditamos  que  esteja.  O  monstro  domina  por   estar  em  toda  parte:  ele  pode  vir  de  qualquer   lado,  em  silêncio,  de  repente.  E  pode  parJr  como   se  nunca  Jvesse  exisJdo.      
  16. 16. Características dos Monstros na Literatura! •  Unicidade  –  Monstros  únicos,  raros,  existência   única,  irrepeWvel.     •  Invisibilidade  –  Quem  não  se  deixa  ver  tem  o   poder.  Ele  se  desloca  sem  nenhuma  restrição   de  tempo  ou  espaço.  Tem  o  domínio  absoluto   dos  seres  visíveis.  Os  fantasmas  gozam  desse   privilégio:  vêem  e  nunca  são  vistos.  
  17. 17. Características dos Monstros na Literatura! •  Voracidade  –  Toma  tudo  o  que  vê  pela  frente.     •  Concretude  –  O  fantasma  é  a  negação  do   monstro,  cuja  essência  reside  na   materialidade.  Os  monstros  são   excessivamente  concretos.  Eles  se  apresentam   peludos,  cheios  de  dentes,  garras.      
  18. 18. Monstros e Literatura Infantil! Medo   Eu  &  o  Monstro   Eu-­‐Monstro  
  19. 19. “Os homens precisam de monstros para se tornarem humanos. (…) O monstro não passa de uma barreira, impensável e sempre pensada, nos limbos da razão (…) São os nossos guardiões e é necessário produzi-los apenas em número suficiente para nos ajudar a pensar e a manter a nossa humanidade em nós. Sob pena de já não sabermos muito bem o que faz de nós seres humanos.”
  20. 20. O nosso lado obscuro deixa de ser tão tenebroso e assustador, quando o encaramos e concordamos em conviver com ele, aceitando-o como parte integrante de nosso psiquismo.
  21. 21. Crianças e os Monstros!
  22. 22. Crianças e os Monstros!
  23. 23. Crianças e os Monstros!
  24. 24. Crianças e os Monstros!
  25. 25. heps://vimeo.com/9054542   Crianças e os Monstros!
  26. 26. hep://www.shareswf.com/game/288/monstru%C3%A1rio-­‐ crian%C3%A7as-­‐de-­‐l%C3%A1-­‐e-­‐de-­‐c%C3%A1  

×