ZELMA ALZARETH ALMEIDA
Revolta da vacina: Os Excluídos da “Belle Époque” no Rio de Janeiro de 1904.
O presente artigo anal...
levantada pelos negros que eram excluídos da sociedade e que era a maioria pertencente
das classes pobres. Somou-se a falt...
paisagem do centro da cidade para o lazer da burguesia, onde nada disso combinaria
com a população pobre que vivia nos cor...
de forma violenta, por conta própria. Foi à única revolta que teve êxito
baseado nos direitos dos cidadãos de não serem tr...
Rio de Janeiro contra o governo de Sérgio Cabral nos faz analisar sobre a exclusão
social e o que se tem feito de novo par...
Republica a Revolução de 1930. Organizadores: Jorge Ferreira e Marilia Lucilia
Delgado. Rio de Janeiro; civilização Brasil...
PEREIRA, Leonardo Afonso de M. As Barricadas da Saúde: Vacina e Protesto Popular
no Rio de Janeiro da Primeira República. ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Artigo

475 visualizações

Publicada em

movimentos sociais no rio de janeiro séc.XX-XXI

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
475
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Artigo

  1. 1. ZELMA ALZARETH ALMEIDA Revolta da vacina: Os Excluídos da “Belle Époque” no Rio de Janeiro de 1904. O presente artigo analisa a questão dos excluídos da Belle Époque que ao revoltar-se contra o governo da primeira República apresenta-se como componente Histórico determinante. A priori faz análise dos diversos fatores que levaram os participantes da Revolta da Vacina a fazer oposição ao governo republicano de forma tão violenta. A Revolta ocorrida entre 10 a 16 de novembro de 1904, com inúmeras manifestações por toda a cidade do Rio de Janeiro contra a lei da obrigatoriedade da vacina em protesto contra as medidas arbitrárias que o governo impôs a população. Esses protestos tiveram a participação de militares insatisfeitos com o comando da primeira República, Monarquistas, Intelectuais e Líderes Operários que deram total apoio a população que se rebelou contra o governo republicano e sua administração. Fazendo uma nova análise Histórica sobre as relações de poder do governo da primeira Republica em relação á população. Este artigo tem como tema central as causas que levou a população a rebelar-se contra o Governo da nova republica e sua forma de governar, assim como o descaso que tratava as camadas pobres. A maneira excludente que o governo republicano traçava seus projetos de reurbanização e saneamento na capital fez com que a população reagisse de forma violenta em busca de ter os seus direitos civis resguardados dando inicio á revolta da vacina ocorrida em Novembro de 1904. Neste período, a População do Rio de Janeiro teve um crescimento muito grande desde que veio a tornar-se capital; havia pessoas de diferentes crenças e culturas que viviam as constantes mudanças da cidade, estando elas insatisfeitas com o autoritarismo do governo republicano que vinha cometendo uma série de ações abusivas com o projeto de reurbanização do Rio de Janeiro priorizando apenas a elite, buscando afastar a camada pobre das ruas do centro da cidade. A Capital viria a ser uma versão da “Belle Époque” européia, com toda pompa e luxo para o deleite dos burgueses que ansiavam pelo progresso da cidade, o afastamento da camada pobre das ruas do centro da cidade seria necessária para os grandes negócios e o lazer sofisticado. A população assistia a tudo sem fazer nenhuma oposição. Entretanto, a partir do momento em que tornaram obrigatória a vacinação sem nenhuma orientação prévia de como seria a vacina, as pessoas começam a especular que a vacina seria uma manobra do governo para o extermínio da população pobre, hipótese ZELMA ALZARETH ALMEIDA É GRADUADA EM HISTÓRIA .
  2. 2. levantada pelos negros que eram excluídos da sociedade e que era a maioria pertencente das classes pobres. Somou-se a falta de informação em relação á vacina, desrespeito para com a tradição familiar, a arbitrariamente do governo juntamente com os excessos para que a vacina fosse aplicada o estopim para que desencadeasse a revolta popular contra a vacina obrigatória, formando-se grupos de opositores a Republica como militares descontentes com o governo e alguns intelectuais, incentivando as “classes excluídas” a revoltar-se contra o governo republicano. A Sublevação iniciada por alguns líderes operários existentes naquela época, fez com que o povo fosse às ruas a queimar bondinhos, quebrar lojas, destruindo o patrimônio público dando inicio a uma verdadeira guerra civil. A Polícia, Marinha, e Exército foi às ruas para conter os manifestantes, tendo como saldo muitos mortos e centenas de feridos, os que foram presos eram muitas das vezes deportados para o Acre, onde mais tarde viriam a morrer de varíola pelas condições subumanas em que viviam. Depois de uma semana decretado estado de sítio na cidade a polícia conseguiu conter os manifestantes com as prisões e mortes dos principais agitadores. Em 16 de novembro a lei da obrigatoriedade da vacina foi revogada, decretado o estado de sitio na cidade a polícia aproveitou a oportunidade para limpar toda a cidade prendendo as pessoas indiscriminadamente pelas ruas, bastava estar malvestido, não ter trabalho, ou residência fixa para ser presos e deportados. Em dois de setembro de 1905, foram anistiados todos os participantes da revolta, os cadetes retornaram as fileiras militares, já os deportados para o acre esses cumpriram a missão de desaparecerem como desejava a elite Republicana. Aos poucos o cotidiano do Rio de Janeiro foi retomando sem a imposição do governo com a obrigatoriedade da vacinação, a vida recomeçava aos poucos, com todo o centro da cidade remodelado para a camada rica da cidade, e os populares se refugiando em habitações improvisadas nos morros do centro da cidade e no subúrbio carioca, a tão conhecida exclusão social havia mais uma vez saído vitoriosa como nos é pertinente até os dias atuais. – Os autores trabalhados neste artigo são: Nicolau Sevcenko, José Murilo de Carvalho, e Sidney Chalhoub. Nicolau Sevcenko aborda de uma maneira singular a questão política da exclusão da camada popular das reformas feitas na cidade, e de como o governo da primeira República desejava manter a parcela pobre da cidade afastada do grande centro, que ele iria transformar na Belle Epoque Carioca, aos moldes europeus, com seus cafés elegantes, seus prédios suntuosos e os lindos jardins, remodelando a ZELMA ALZARETH ALMEIDA É GRADUADA EM HISTÓRIA .
  3. 3. paisagem do centro da cidade para o lazer da burguesia, onde nada disso combinaria com a população pobre que vivia nos cortiços e ganhavam seu sustento pelas ruas da cidade. Em seu livro Sevcenko relata como os populares assistiam atônitos aos mandos e desmandos do governo da primeira república, em um dos capítulos de seu livro que relata sobre a Revolta da Vacina Sevcenko faz seguinte análise: A ação do governo não se fez somente contra seus alojamentos, suas roupas, seus pertences, sua família suas relações vicinais, seu cotidiano, seus hábitos, seus animais, suas formas de subsistência e de sobrevivência sua cultura. Tudo, enfim, é atingido pela nova disciplina espacial, física, social, ética e cultural imposta pelo governo reformador. Gesto oficial, autoritário, que se fazia, ao abrigo das leis, de edição que bloqueava qualquer direito ou garantia das pessoas atingidas. Gesto brutal, disciplinador, e discriminador, que separava claramente o espaço do privilégio e as fronteiras da exclusão e da opressão.1 O Autor faz uma abordagem marxista dando ênfase á reação popular contra as abusivas formas de impor o poder do governo republicano. A Revolta da vacina se constituiu em uma das principais demonstrações de resistência dos grupos populares do país contra a opressão, discriminação e o tratamento excludente a que eram submetidos pela administração pública nessa fase da história. O Segundo autor que faço referência é José Murilo de Carvalho nos remete a questão dos problemas políticos econômicos e sociais, que ocorreram na transição do império para a primeira república. O autor da ênfase a intenção dos participantes da revolta em que ela começou em nome da defesa dos direitos civis, e despertou o interesse geral, obtendo o apoio de militares insatisfeitos que buscavam derrubar o governo, empregados de emprego público acertando contas com as companhias, os produtores mal pagos também fizeram o mesmo com as fábricas e todos os cidadãos acertaram suas contas com o governo. Eram os mais diversificados grupos que agiam em oposição ao governo Republicano com as suas insatisfações variadas, para José Murilo de Carvalho foi “’á revolta fragmentada de uma sociedade fragmentada”, procurando explicar os motivos que teriam levado aos protestos Carvalho faz a seguinte análise em seu livro: Havia setores sociais interesses e insatisfações variadas que teriam se articulado de forma complexa e contraditória nos eventos que conduziam à revolta, a divisão social tinha resultado na alienação quase que completa da população em relação ao sistema político que não lhe abria espaços; mas havia certo tipo de pacto informal de que a população assistiria a tudo sem se manifestar desde que o estado não interferisse na vida do cotidiano dessas pessoas. Quando a população se vê invadida dentro desses limites ela reage 1 SEVCENKO, Nicolau. Revolta da Vacina: Mentes Insanas em Corpos Rebeldes. S.P: Cosac Naif, 2010(pág.82). ZELMA ALZARETH ALMEIDA É GRADUADA EM HISTÓRIA .
  4. 4. de forma violenta, por conta própria. Foi à única revolta que teve êxito baseado nos direitos dos cidadãos de não serem tratados arbitrariamente pelo governo.2 Outro autor que busquei referências sobre a revolta foi Sidney Chalhoub ele apresenta um debate sobre o que ele denomina “Ideologia da Higiene”, abordando o mundo pouco conhecido dos cortiços e dos populares. Segundo Chalhoub, os governantes da capital desejavam por um fim nessas habitações que se concentravam no centro da cidade, e que esses moradores eram vistos pela sociedade fluminense como malfeitores, carregadores de vícios e perigosos para a sociedade, motivo pelo qual deviam manter-se afastados das ruas do centro da capital do Rio de Janeiro local onde a burguesia iria desfrutar de ares europeus desejados pela elite carioca, com a realização do projeto de reurbanização da cidade. Chalhoub retrata diversificadas questões da época fala sobre a febre amarela, a vacina antivariólica, sobre a cultura africana no Brasil e suas mais variadas resistências á escravidão relacionando cada um desses tópicos com a exclusão social na cidade do Rio de Janeiro que nos é pertinente até hoje. Em sua obra Chalhoub toma como ponto de partida a cidade do Rio de Janeiro relatando à resistência da população negra em solidificar a cultura africana no Brasil, e das suas formas de resistência a escravidão e lutas contra a exclusão social vivida depois de 1888 quando ocorreu à abolição da escravatura. Sidney Chalhoub relata que a falta de confiança nos médicos e o apego á religião africana também foram fatores preponderantes para a resistência a vacina. O autor faz um apanhado de fatores em que viviam os participantes da revolta em seu contexto político e social. as causas que levaram a camada excluída da população a se revoltar-se com as políticas da nova República, mostrando o quanto a revolta da vacina foi um dos episódios mais significativos do contexto da época, onde vários grupos da sociedade estavam em total discordância com este governo e estando dispostos a não mais aceitar o autoritarismo dessa elite republicana, traçando um comparativo ao momento atual onde também existem vários grupos que estão em total desacordo com o governo do estado do Rio de Janeiro do séc.XXI, em uma sociedade que também passa por profundas mudanças. As manifestações populares que tem atualmente ganhado destaque nas capas de jornais e revistas e páginas de redes sociais, relativo ás recentes manifestações acontecidas no 2 CARVALHO, José Murilo de. Os Bestializados: O Rio de Janeiro e a República que não Foi. São Paulo: Companhia das Letras,1987. ZELMA ALZARETH ALMEIDA É GRADUADA EM HISTÓRIA .
  5. 5. Rio de Janeiro contra o governo de Sérgio Cabral nos faz analisar sobre a exclusão social e o que se tem feito de novo para que possamos incluir cada vez mais a população pobre, e fazer questionamentos sobre o que podemos realizar para que os programas sociais do governo que mais excluem do que incluem possam fazer realmente algum resultado a médio e longo prazo para que toda a população sinta-se incluída e participante das melhorias de um Rio de Janeiro cada vez melhor. Como o presente artigo mostra as revoltas populares não é algo recente na história do Rio de Janeiro, e é recorrente a busca do entendimento do bloco que dividem as várias classes sociais da nossa cidade maravilhosa. Em um ambiente de inúmeros conflitos e valores desrespeitados, a adoção da vacina obrigatória contra a varíola foi o estopim para desencadear a Revolta Urbana em que o Rio de Janeiro foi cenário, algo que acontece novamente com as inúmeras obras inacabadas na cidade, arbitrariedades cometidas pela policia pacificadora, escândalos de desvios de dinheiro público entre outros revoltam cada dia mais a população. Atualmente o projeto do Porto Maravilha, implantação das UPPS, dentre outros; buscam a ordem pública e a reorganização do espaço urbano no Rio de Janeiro e também é alvo de muitas críticas, onde inúmeros projetos e licitações destas obras são considerados também arbitrários e superfaturados desencadeando a revolta de grande parte da população. Assim como na primeira república os pobres, negros e os ”favelados3” fazem parte da população excluída da cidade alvo de constantes programas sociais desenvolvidos pelos representantes do governo da cidade, onde nada de concreto e efetivo é feito por esta população marginalizada, discriminada que vive sempre na busca por melhor organização do bloco social que divide as camadas da sociedade. Como nos é recorrente a então exclusão social é vista até os dias atuais, onde poucos possuem muito e a grande maioria da população permanece pobre, excluída e escondida em suas moradias precárias nas comunidades da cidade ou da Baixada Fluminense. BIBLIOGRAFIA: BENCHIMOL, Jaime. A Reforma Urbana e a Revolta da Vacina no Rio de Janeiro. IN: O Brasil Republicano: O tempo do Liberalismo Excludente, da Proclamação da 3 Favelados: rotulação denominada para as pessoas que vivem nas comunidades no entorno da cidade do Rio de Janeiro. ZELMA ALZARETH ALMEIDA É GRADUADA EM HISTÓRIA .
  6. 6. Republica a Revolução de 1930. Organizadores: Jorge Ferreira e Marilia Lucilia Delgado. Rio de Janeiro; civilização Brasileira -2003, Volume 1. BENCHIMOL, Jaime L. Pereira Passos: Um Hassmann Tropical. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura, Turismo e Esportes-Divisão de Editoração, 1992. (Biblioteca Cultural, vol. 11). BUENO, Eduardo. Á Sua Saúde- A Vigilância Sanitária na História do Brasil. Brasilia: ANVISA, 2005. BARRETO, Afonso Henrique de Lima. Diário Íntimo. S.P: Brasiliense, 1956. CARVALHO, José Murilo de. Os Bestializados: O Rio de Janeiro e A República que não Foi. São Paulo; Companhia das Letras, 1987. CARVALHO, José Murilo de. Pontos e Bordados: Escritos de História e Política. Belo Horizonte: UFMG, 1998. CARVALHO, José Murilo de. A Formação das Almas: O Imaginário Político da Primeira República no Brasil. S.P; Companhia das Letras, 1990. CHALHOUB, Sidney. Cidade Febril: Cortiços e Epidemias na Corte Imperial. São Paulo: Companhia das Letras. 1999. CHALHOUB, Sidney. Trabalho, Lar e Botequim: O Cotidiano dos Trabalhadores no Rio de Janeiro da Belle Époque. 2ª Edição S.P: Unicamp, 2001. CARONE, Edgard. A Primeira República (1889-1930) / São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1969. FAUSTO, Boris. Trabalho Urbano e Conflito Social. São Paulo: Difel, 1977. FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. São Paulo: Graal, 1979. JANOTTI, Maria de Lourdes M. Os Subversivos da República. São Paulo: Brasiliense, 1986. MEIHY, J.C & BERTOLLI FILHO, Claudio. A Revolta da Vacina. São Paulo: Editora Ática. 1995, (Coleção Guerras e Revoluções Brasileiras, vol.5). ZELMA ALZARETH ALMEIDA É GRADUADA EM HISTÓRIA .
  7. 7. PEREIRA, Leonardo Afonso de M. As Barricadas da Saúde: Vacina e Protesto Popular no Rio de Janeiro da Primeira República. São Paulo; Editora Fundação Perseu Abramo, 2002. ROCHA, Oswaldo Porto. A Era das Demolições: Cidade do Rio de Janeiro (18701920). Rio de Janeiro, 2ª edição Biblioteca Nacional Carioca, 1995. RIO, João do. A Alma Encantadora das Ruas. 3ª edição, Rio de Janeiro: Biblioteca Carioca, 1995. SEVCENKO, Nicolau. A Revolta da Vacina: Mentes Insanas em Corpos Rebeldes. São Paulo: Cosac Naif, 2010. SEVCENKO, Nicolau. (org.) História da Vida Privada no Brasil República: da Belle Epoque á Era do Rádio. São Paulo Companhia das Letras; 1998. SEVCENKO, Nicolau. Literatura como Missão: Tensões Sociais e Criação Cultural da Primeira República. S.P: Brasiliense, 1983. ZELMA ALZARETH ALMEIDA É GRADUADA EM HISTÓRIA .

×