A divulgação científica

203 visualizações

Publicada em

hoihouhihihihuuuuuuuuuuuuu ihihi ihi uihuhih ihihiuh ihiih hi iuh iuh iuh iuhiuhiui iuhii iuhi hihhiu ihihiuh ihu

Publicada em: Design
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
203
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A divulgação científica

  1. 1. A divulgação científica Regina Helena Porto Francisco Instituto de Química de São Carlos - USP Fundação Educacional de Barretos - SP A divulgação científica consiste no trabalho de bem compreender um fenômeno natural ou qualquer outro assunto estudado por profissionais das áreas de Ciências e fazer um relato em linguagem que possa ser compreendida pelo público leigo em geral. Este relato pode ser distribuído para a população na forma de livros, filmes, programas para rádio e televisão, textos e reportagens para jornais e revistas, matérias acessíveis via internet, cartilhas, folhetos, cartazes, exposições e atividades em Museus e Feiras de Ciências, etc. Atuando nesta área encontramos cientistas que escrevem livros explicando suas próprias pesquisas em linguagem acessível a não especialistas, e outros que, graças à sua formação, compreendem bem assuntos de pesquisas estudados por outras pessoas e os traduzem para público mais amplo, dirigindo-se principalmente à imprensa. Há também jornalistas que se dedicam a fazer esta interface entre cientistas, mídia e população. Reconhecendo a grande importância desta atividade, Einstein afirmou: "A comunidade dos pesquisadores é uma espécie de órgão do corpo da humanidade. Esse órgão produz uma substância essencial à vida, que deve ser fornecida a todas as partes do corpo, na falta da qual ele perecerá. Isso não quer dizer que cada ser humano deva ser atulhado de saberes eruditos e detalhados, como ocorre freqüentemente em nossas escolas, nas quais [o ensino das ciências] vai até o desgosto. Não se trata também do grande público decidir sobre questões estritamente científicas. Mas é necessário que cada ser humano que pensa tenha a possibilidade de participar com toda lucidez dos grandes problemas científicos de sua época, mesmo se sua posição social não lhe permite consagrar uma parte importante de seu tempo e de sua energia à reflexão científica. É somente quando cumpre essa importante missão que a ciência adquire, do ponto de vista social, o direito de existir." A. Einstein, Berliner Tageblatt, 20 de abril de 1924 Uma das funções mais importantes da divulgação científica é levar grandes parcelas da população a conhecer melhor a Natureza, esclarecendo causas de medos e superstições. Outra função igualmente importante é difundir as novidades da área científica, que circulam inicialmente em publicações muito especializadas, voltadas para profissionais da mesma área.
  2. 2. O conhecimento que se pode adquirir através destas atividades, dificilmente permitirá a alguém atuar profissionalmente na área, mas permite o acompanhamento de questões políticas nacionais e internacionais importantes, viabilizando a tomada de posição em questões como a legislação brasileira referente a bio-segurança e o Protocolo de Kioto. Ao executar tarefas de divulgação científica é preciso ter clara a distinção entre o que é Ciência e o que não faz parte dela, pois há várias áreas de conhecimento humano reconhecidamente importantes e que não constituem atividades científicas, como por exemplo: a literatura, a música, a religião e o estudo das línguas. Outra questão importante é a caracterização do público alvo, pois isto afeta a escolha do veículo de comunicação e também a linguagem a ser utilizada. O papel que se deseja ver desempenhado pelo público precisa ser previamente desenhado, pois pode variar desde a leitura isolada de um livro até a execução de experimentos simples em Museus de Ciências. Também a motivação do divulgador deve ser colocada com clareza, até para aumentar a eficiência da sua ação. Por exemplo, uma das campanhas de divulgação científica mais importantes no Brasil foi desencadeada pelo médico sanitarista Oswaldo Cruz que queria ensinar a importância da destruição de criadouros de mosquitos para combater surtos de febre amarela no Rio de Janeiro, então a capital do país. Esta campanha continua atual, agora para evitar epidemias de dengue. Há inúmeros exemplos muito bem sucedidos de atividades de divulgação científica no Brasil. Por exemplo, o trabalho de José Reis, colunista do jornal Folha de São Paulo por várias décadas, é sempre lembrado, pela sua importância, utilidade e persistência. Atualmente temos o médico Dráuzio Varella, que atua na televisão, escreveu vários livros e é colunista de jornal impresso. Na televisão há programas importantes e relativamente antigos como o Globo Ciência, o Globo Ecologia e extensa programação da TV Cultura de São Paulo. Entretanto o Brasil apresenta problemas tão numerosos e tão complexos que tornam gigantesca a tarefa de educar a população e por isso muitas outras atividades são, não só bem vindas, como extremamente necessárias. Abre-se aqui uma janela de oportunidades interessante tanto para pessoas com formação em Ciências que queiram se tornar comunicadores/educadores eficientes como para jornalistas que queiram aprender Ciências para melhor dialogarem com pesquisadores e em seguida difundir as descobertas científicas para a população. A Revista Eletrônica de Ciências do CDCC é parte deste esforço de desenvolvimento do processo nacional de educação. Aqui o objetivo mais importante é educar, viabilizando o aprendizado de conceitos e a compreensão de fenômenos naturais. O segundo objetivo é a difusão e propagação de novidades científicas.
  3. 3. Revista Eletrônica de Ciências - Número 29 - Outubro

×