O slideshow foi denunciado.
Seu SlideShare está sendo baixado. ×

Aula 1 - 1° capítulo - Gestão, Gestores e Organizações.pdf

Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Carregando em…3
×

Confira estes a seguir

1 de 75 Anúncio
Anúncio

Mais Conteúdo rRelacionado

Mais recentes (20)

Anúncio

Aula 1 - 1° capítulo - Gestão, Gestores e Organizações.pdf

  1. 1. UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE Disciplina: Introdução a Gestão Tema I: Introdução à Gestão das Organizações
  2. 2. 1º capítulo: Conceito de Gestão, Gestores e Organização
  3. 3. Objectivos da aula ♣ Introduzir o conceito de Gestão; ♣ Analisar as funções da Gestão; ♣ Identificar os níveis de Gestão; ♣ Apresentar as tarefas do gestor;
  4. 4. Objectivos da aula ♣ Arrolar as aptidões/habilidades do gestor; ♣ Enumerar os papéis desempenhados pelos gestores; ♣ Visualizar a empresa e a organização.
  5. 5. Gestão: conceito, funções, níveis e importância
  6. 6. Conceito de Gestão Processo de coordenação e integração de recursos, tendente à consecução dos objectivos estabelecidos, através do desempenho das actividades de: ♣planeamento, organização, direcção e controlo.
  7. 7. Processo de trabalho com e através dos outros, a fim de se atingir eficazmente objectivos organizacionais traçados, utilizando-se eficientemente os recursos escassos, num contexto em constante mutação.
  8. 8. Processo levado a cabo por uma ou mais pessoas, de coordenação das actividades de transformação de inputs em outputs, com o objectivo de atingir determinados resultados, não obteníveis por uma pessoa agindo sozinha.
  9. 9. Processo de coordenação e integração de actividades, através do planeamento, organização, direcção e controlo, tendente a assegurar a consecução dos objectivos definidos, através de pessoas, de forma eficaz e eficiente.
  10. 10. Eficácia & Eficiência Eficácia refere-se ao grau de cumprimento dos objectivos fixados. Eficiência refere-se a relação entre os recursos usados na produção e os resultados gerados, buscando a redução do custo unitário.
  11. 11. Medidas de desempenho Genéricas EFICÁCIA (FINS) Medida de grau de consecução dos objectivos DESEMPENHO EFICIÊNCIA (MEIOS) Medida do nível de utilização dos recursos
  12. 12. Assim: O desempenho global da Org. pode ser determinado com recurso a estas duas medidas genéricas, mas sempre tendo em conta os objectivos pretendidos.
  13. 13. Funções da Gestão Os elementos constituinte do processo de gestão também designados funções da gestão, articulam-se com vista a assegurar a consecução da missão da organização.
  14. 14. PLANEAMENTO DIRECÇÃO CONTROLO ORGANIZAÇÃO MISSÃO DA ORGANIZAÇÃO
  15. 15. Planeamento: Processo de determinar com antecedência o que deve ser feito e como fazê-lo.
  16. 16. Organização: Estabelecer relações formais entre as pessoas, e entre estas e os recursos, para atingir os objectivos propostos.
  17. 17. Direcção: Processo de determinar, afectar ou influenciar o comportamento dos outros (motivação, liderança e comunicação).
  18. 18. Controlo: Processo de comparação do actual desempenho da organização com standards estabelecidos, apontando as eventuais acções correctivas.
  19. 19. Níveis da Gestão ♣ Institucional ♣ Intermédio ♣ Operacional
  20. 20. Nível institucional: ♣ Componente estratégica (selecção dos recursos para o rumo a seguir); ♣ Formulação de políticas gerais.
  21. 21. Nível intermediário: ♣ Componente táctica (uso de recursos CP e elaboração de planos/programas específicos por área/função);
  22. 22. Nível intermediário: ♣ Responsabilidade dos directores de divisão/área/função/departamento /etc.
  23. 23. Nível operacional: ♣ Componente técnica (execução de rotinas e procedimentos); ♣ Executado pelos supervisores, chefes de serviço/secção, etc.
  24. 24. Gestores de Topo Gestores Intermédios Gestores de 1ª linha Trabalhadores em geral Trabalhadores em geral - restantes integrantes da empresa que concorrem para a sua sobrevivência. Níveis hierárquicos: Santos (2008) Pessoal não administrativo (Pereira, 2004).
  25. 25. Importância da Gestão ♣ Garante que as pessoas enquanto funcionárias de uma organização executem as suas funções com o maior zelo possível e respeito pelos consumidores.
  26. 26. ♣ Assegura que os produtos e serviços criados pelas organizações satisfaçam as necessidades e os interesses dos consumidores. ♣ Permite as pessoas integrar e coordenar o trabalho de outras na execução das funções de gestão.
  27. 27. ♣ Há quem defenda que a gestão constitui a chave para a resolução dos maiores problemas que ainda afligem a sociedade: pobreza, fome, doença e a guerra.
  28. 28. ♣ Peter Drucker defende não haver países desenvolvidos e subdesenvolvidos, apenas países que sabem gerir a tecnologia existente e os seus recursos disponíveis e potenciais; e países que não o sabem fazer.
  29. 29. Por outras palavras, Peter Drucker defende que existem países bem geridos (os países desenvolvidos) e países sub-geridos (os países subdesenvolvidos)
  30. 30. Gestor:conceito, papéis e habilidades
  31. 31. O Gestor ♣ É o membro da organização que integra e coordena o trabalho de outros membros e que desempenha, com maior ou menor grau de autonomia, um conjunto de actividades de planeamento, organização, direcção e controlo.
  32. 32. ♣ É todo o indivíduo que conduz um grupo de pessoas na realização de tarefas capazes de contribuir para o alcance dos objectivos da organização…
  33. 33. …independentemente do nível hierárquico em que esteja situado, do tipo de formação profissional ou do tipo de organização em que esteja actuando, empresarial ou não.
  34. 34. Funções do Gestor por níveis Fonte: Teixeira (2013)
  35. 35. Papéis do Gestor Henry Mintzberg (1960) desenvolveu um estudo relativo ao quotidiano dos gestores, na esperança de concluir que estes processavam a informação sistemática e cuidadosamente antes de tomar as decisões.
  36. 36. Contudo, concluiu que: ♣ maior parte dos gestores decidia por instinto; ♣ eram constantemente interrompidos, o que prejudicava a cuidada ponderação, análise e processamento da informação;
  37. 37. ♣ desenvolviam uma grande variedade de tarefas, pouco padronizadas e de curta duração; ♣ metade das tarefas, quando individualizadas, não duravam mais de nove minutos;
  38. 38. ♣ os gestores assumiam 10 papéis diferentes, mas muito inter-relacionados; ♣ a partir das afinidades entre os papéis, agrupo-os em três categorias de comportamentos de gestão.
  39. 39. PAPÉIS INTERPESSOAIS PAPÉIS DECISÓRIOS PAPÉIS INFORMACIONAIS ♣ Símbolo/Repr esentante ♣ Líder ♣ Elemento de ligação ♣ Empreendedor ♣ Solucionador de problemas ♣ Alocador de recursos ♣ Negociador ♣ Monitor ♣ Disseminador ♣ Porta-voz
  40. 40. Habilidades do Gestor Robert L. Katz (1955), defende que para ser eficiente e eficaz, o gestor deve possuir e desenvolver continuamente várias aptidões, essencialmente três, nomeadamente:
  41. 41. Habilidades Conceptuais: ♣ capacidade de pensar e conceptualizar situações abstractas; ♣ ver a organização como um todo (um sistema); ♣ visualizar e antecipar alterações do meio envolvente.
  42. 42. Habilidades Técnicas: ♣ dominar conhecimentos especializados técnicos relativos a área funcional; ♣ estas perdem relevância a medida que os gestores vão subindo na hierarquia organizacional, dando espaço as habilidades conceptuais.
  43. 43. Habilidades humanas: ♣ competências para se relacionar e trabalhar bem com as pessoas, individualmente ou em grupo; ♣ são fundamentais a nível da gestão do topo como da 1ª linha; ♣ permitem gerar confiança necessária aos subrd.
  44. 44. Aptidões do Gestor por níveis Fonte: Teixeira (2013)
  45. 45. Empresa & Organização
  46. 46. Partindo do pressuposto de que o ser humano é um animal social, a Empresa, é com certeza, uma das invenções mais importantes do homem e, ao mesmo tempo, uma das funções mais fundamentais da sociedade.
  47. 47. As empresas respondem a necessidade de interacção do homem com outros seres humanos e empresas. ♣ Assim, a empresa pode ser vista como um organismo ou organização social ou como um sistema aberto.
  48. 48. Empresa como Organização Social
  49. 49. Organização: É uma entidade social formada por duas ou mais pessoas que trabalham de forma coordenada em determinado ambiente externo visando um objectivo colectivo - envolve a divisão de tarefas e atribuição de responsabilidades.
  50. 50. ♣ São unidades ou agrupamentos humanos intencionalmente construídas e reconstruídas, a fim de atingirem objectivos específicos.
  51. 51. ♣ É o meio mais eficiente de satisfazer um grande nº de necessidades humanas.
  52. 52. ♣Constitui um organismo social vivo e sujeito a mudanças e nunca uma unidade pronta e acabada.
  53. 53. Razões que explicam a existência das Organização: Razões sociais: as pessoas são seres gregários e organizam-se pela necessidade de relacionamento com outras pessoas.
  54. 54. Razões materiais: o desenvolvimento de uma actividade conduz ao aumento da habilidade na execução de tarefas, redução do tempo necessário para alcançar um objectivo, acumulação do conhecimento, armazenamento e passagem para os vindouros.
  55. 55. Efeito de sinergia: efeito multiplicador da actividade dos seus membros – actuando conjuntamente ao invés de isoladamente.
  56. 56. De realçar que: As empresas distinguem-se das demais organizações sociais pelas seguintes características:
  57. 57. ♣ são geralmente orientadas para o lucro; ♣ assumem riscos; ♣ são geridas segundo uma filosofia de negócios;
  58. 58. ♣ são avaliadas sob ponto de vista contabilístico; ♣ devem ser reconhecidas como negócios pelas demais organizações; ♣ constituem propriedade privada.
  59. 59. Tal não significa que as empresas não possam prosseguir outros objectivos, como a satisfação das necessidades de outros stakeholders (empregados e comunidade) em que se encontra inserida.
  60. 60. Empresa como Sistema Aberto
  61. 61. Um Sistema pode definir-se como: ♣Um conjunto de elementos ou partes – subsistemas;
  62. 62. ♣ Dinamicamente inter-relacionados, formando uma rede de comunicação e relações, em função da dependência recíproca entre eles;
  63. 63. ♣ Desenvolvendo uma actividade ou função que é a operação, actividade ou processo do sistema;
  64. 64. ♣ Para atingir um ou mais objectivos/propósitos que constituem a própria finalidade para o qual o sistema foi criado.
  65. 65. ♣ Quando se fala em natureza sistémica, refere-se ao funcionamento global, total e integrado no qual o todo é maior (ou diferente) que a soma das partes.
  66. 66. Os sistemas podem ser abertos ou fechados: ♣ Sistema aberto: apresenta muitas entradas e saídas em relação ao ambiente (afecta e é afectada por factores externos ao sistema).
  67. 67. ♣ Sistema fechado: tem pouquíssimas entradas e saídas em relação ao ambiente (não afecta e nem é afectada por factores externos ao sistema).
  68. 68. As funções da empresa ♣ função Produção ♣ função Financeira ♣ função Mercadológica ♣ função de Recursos Humanos
  69. 69. Recursos das empresa Para seu funcionamento, a empresa dispõe de recursos (escassos), que devem ser distribuídos e utilizados com eficiência pelos gestores.
  70. 70. ♣ recursos físicos ou materiais; ♣ recursos financeiros; ♣ recursos humanos; ♣ recursos mercadológicos; ♣ recursos administrativos.
  71. 71. Objectivos das empresa São situações futuras que a empresa deseja alcançar. São influenciados pelo ambiente, mas também constituem uma força que causa impacto no ambiente.
  72. 72. Deve se ter em conta que: ♣ Mudanças ambientais podem provocar mudanças de objectivos. ♣ É a partir da determinação dos objectivos que as organizações estabelecem sua missão (razão de existência).
  73. 73. ♣ sem um objectivo claramente definido, a organização pode se assemelhar a uma bússola defeituosa na qual o norte não é apontado. ♣ os autores divergem em relação ao lucro como sendo ou não o objectivo final de uma empresa.
  74. 74. Papel dos objectivos: ♣ apresentam uma situação futura; ♣ constituem uma fonte de legitimidade; ♣ servem de padrões de avaliação do rendimento e eficiência da empresa; ♣ servem de unidade de medida (produtividade).
  75. 75. ♣ CHIAVENATO, I. (2007). Administração – Teoria, Processo e Prática. 4ª Edição. Editora Elsevier: São Paulo. ♣ PEREIRA, Ana Maris (2004). Introdução à Administração. 3ª Edição. Editora Pearson: São Paulo. ♣ SANTOS, António J. R. (2008). Gestão Estratégica – Conceitos, modelos e instrumentos. Editora Escolar: Portugal. ♣ TEIXEIRA, Sebastião (2013). Gestão das Organizações. 3ª Edição. Lisboa: Editora Escolar. Referência Bibliográfica

×