Apresentação seminario entre povos primitivos 1

623 visualizações

Publicada em

povos primitivos

Publicada em: Dados e análise
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
623
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação seminario entre povos primitivos 1

  1. 1. • A Educação antes da Escola A educação entre os povos primitivos constitui a forma mais rudimentar do tradicionalismo pedagógico. Entre eles vamos encontrar as formas mais simples e elementares de educação, cujo objetivo era: “promover o ajustamento da criança ao seu ambiente físico e social por meio da aquisição de experiências de gerações passadas.” A educação possui uma estrutura muito simples, como veremos a seguir:
  2. 2. • 1. A educação através da imitação Nas civilizações primitivas a família é que desempenha o papel primordial na formação educativa das novas gerações até a puberdade. Uma das formas que a criança adquire conhecimento entre os povos primitivos é pela imitação. Nos primeiros anos de vida a imitação é inconsciente. Ex: Com uma pequena tora na água aprendem a se equilibrar e a remar. Mais tarde saberão manejar uma canoa. Numa segunda etapa a imitação torna-se consciente, quando se começa a exigir trabalhos das crianças. Ela vai aprendendo aos poucos a caçar e a pescar. Chefes de família eram os primeiros professores e em seguida os sacerdotes
  3. 3. • O homem primitivo não é um ser animalizado. • Não há educação sistemática, nem instituições escolares. • A escola teria surgido pela primeira vez entre os Incas e os Astecas. •Os povos possuem épocas próprias e lugares determinados para a realização da educação intencional. • A época preferida é a da puberdade dos educandos e quanto aos lugares há as chamadas casas dos homens dos povos primitivos. •Há uma preocupação clara pela formação das novas gerações, embora o objetivo imediato da educação seja a satisfação de necessidades materiais, relativas à alimentação, ao vestuário e ao abrigo. • As 3 formas fundamentais da educação: a educação física, a educação intelectual e a educação moral.
  4. 4. Educação física: • Dão grande liberdade às crianças que se aproveitam para o exercício dos seus jogos naturais. • O jogo e a imitação têm papel importante e considerável na educação primitiva. • As crianças de tribos guerreiras fazem espadas, arcos, escudos. • Nas pacíficas imitam as atividades de tecelagem, construção de cabanas, confecção de vasos e adornos, trabalhos no capo, a caça, a pesca e a navegação, aprendem a suportar a dor, a fome e as circunstancias difíceis.
  5. 5. Educação intelectual: •É prática e visa tornar a criança capaz de prover às suas necessidades individuais, mais tarde às da família e da comunidade. •Esta educação começa cedo conforme o sexo e a maneira de viver da tribo. •Os jovens aprendem a conhecer hábitos dos animais e peixes, a confeccionar instrumentos de caça e de pesca, a manejar armas e construir embarcações, a desenvolver sua agilidade física, aperfeiçoar sua acuidade sensorial. •Suas faculdades intelectuais se tornam precisas, ágeis e eficazes. •As mulheres são preparadas para o lar, criação dos filhos e auxiliar o marido nas ocupações. •Nos povos primitivos a memória se revela pronta, rica e fiel. Sua imaginação é exuberante e colorida. Sua inteligência é viva, engenhosa e inventiva.
  6. 6. Educação moral: •O senso moral dos primitivos se encontra mais ou menos obscurecido e desfigurado, mas sua alma guarda a marca indelével da lei natural. •Sua consciência é lúcida. •Eles compreendem o dever que possuem de transmitir aos descendentes preceitos morais e espirituais. •Esses preceitos se referem ao respeito aos pais e aos velhos, ao culto dos antepassados, ao sentimento da honra, à fidelidade à palavra empenhada, à obediência às autoridades legítimas. •O acontecimento de maior importância na educação dos povos primitivos é a iniciação da puberdade, que se reveste de um caráter de formação moral.
  7. 7. • A iniciação representa a recepção solene dos adolescentes na comunidade dos adultos. • Os jovens nesta cerimônia são separados da comunidade e enviados a uma residência especial onde permanecem sob a vigilância dos anciãos da tribo. • São realizadas solenidades de caráter purificatório, depois ritos de iniciação. • Recebem novo nome, são submetidos a provas cruéis e brutais que servem para aferir a coragem e a resistência ao sofrimento. • Recebem instruções relativas ao matrimônio, às tradições sagradas da tribo, aos limites do território, à fidelidade ao chefe da nação. • Os jovens recebem conselhos sobre guerra, caça, pesca, artes manuais. • Exortam-nos a combater com coragem, proteger os fracos e defender os humildes. • As noções religiosas: transmitem às novas gerações variam com o tipo de civilização. os jovens iniciados nessas cerimônias aprendem os métodos de capturar animais, as artes de acender fogo, preparar alimentos, etc.
  8. 8. As cerimônias têm: A evolução do hominídeo para o homem apresenta as seguintes fases: Australopithecus: (de 5 milhões a 1 milhão de anos atrás). • Caçador • lasca a pedra, • constrói abrigos.
  9. 9. Pitecanthropus (de 2 milhões a 200 mil anos atrás) • com um cérebro pouco desenvolvido; • vive da colheita e da caça; • se alimenta de modo misto; • pule a pedra nas duas faces; • é um pronto-artesão • conhece o fogo • vive imerso numa condição de fragilidade e de medo;
  10. 10. Homem de Neanderthal (de 200 mil a 40 mil anos atrás) • aperfeiçoa as armas; • desenvolve um culto dos mortos; •cria até um gosto estético (visível nas pinturas), que deve transmitir o seu ainda simples saber técnico.
  11. 11. Homo sapiens • que já tem características atuais: • possui a linguagem; • elabora múltiplas técnicas, educa os seus “filhotes”; • vive da caça; • é nômade; • é “artista” (arte naturalista e animalista); • está impregnado de cultura mágica, dotado de cultos e crenças; • vive dentro da “mentalidade primitiva” marcada pela participação mística dos seres e pelo raciocínio concreto, ligado a conceitos-imagens e pré-lógico, intuitivo e não-argumentativo.
  12. 12. A educação dos jovens, nesta fase, torna-se o instrumento central para a sobrevivência do grupo e a atividade fundamental para realizar a transmissão e o desenvolvimento da cultura. No filhote dos animais superiores já existe uma disposição para acolher esta transmissão, fixada biologicamente e marcada pelo jogo-imitação. Todos os filhotes brincam com os adultos e nessa relação se realiza um adestramento, se aprendem técnicas de defesa e de ataque, de controle do território, de ritualização dos instintos. Isso ocorre – e num nível enormemente mais complexo – também com o homem primitivo, que através da imitação, ensina ou aprende o uso das armas, a caça e a colheita, o uso da linguagem, o culto dos mortos, as técnicas de transformação e domínio do meio ambiente.
  13. 13. Depois desta fase, entra-se (cerca de 8 ou 10 mil anos atrás) na época do Neolítico, na qual se assiste a uma verdadeira e própria revolução cultural. Nascem, as primeiras civilizações agrícolas: os grupos humanos se tornam sedentários, cultivam os campos e criam animais, aperfeiçoam e enriquecem as técnicas (para fabricar vasos, para tecer, para arar), cria-se uma divisão do trabalho cada vez mais nítida entre homem e mulher e um domínio sobre a mulher por parte do homem, depois de uma fase que exalta a feminilidade no culto da Grande Mãe (findo com o advento do treinamento, visto como “conquista masculina”).
  14. 14. A revolução neolítica é também uma revolução educativa: •fixa uma divisão educativa paralela à divisão do trabalho (entre homem e mulher, entre especialistas do sagrado e da defesa e grupos de produtores); •fixa o papel - chave da família na reprodução das infra-estruturas culturais: •papel sexual, papéis sociais, competências elementares, introjeção da autoridade; •produz o incremento dos locais de aprendizagem e de adestramento específicos (nas diversas oficinas artesanais ou algo semelhante; nos campos; no adestramento; nos rituais; na arte) que, embora ocorram sempre por imitação e segundo processos de participação ativa no exercício de uma atividade, tendem depois a especializar-se, dando vida a momentos ou locais cada vez mais específicos para a aprendizagem. Depois, são a linguagem e as técnicas (linguagem mágica e técnicas pragmáticas) que regulam – de maneira cada vez mais separada – os modelos de educação.
  15. 15. Fontes: • hhttp://www.monografias.brasilescola.com/educacao/a-educacao-antes- escola.html - Gabriele Gonçalves • www.pedagogia.com.br/historia/primitivo.php
  16. 16. Equipe: Alexandre Antônio Costa Fernando Ladeia Núbia Solange     Professor Flávio Ribeiro

×