Apresentação de Marcelo Shei

1.811 visualizações

Publicada em

Instalações e sistemas de recirculação na produção de espécies ornamentais marinhas

Publicada em: Estilo de vida
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.811
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
133
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
74
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação de Marcelo Shei

  1. 1. Piscicultura Estuarina e Marinha Universidade Federal do Rio Grande Instalações e sistemas de recirculação na produção de espécies ornamentais marinhas Marcelo Shei, Dr. marceloshei@gmail.comsábado, 9 de junho de 2012
  2. 2. Conteúdo Introdução Sistemas de recirculação Estruturas de captação de água Preparação e distribuição de água Instalações para produção de organismos - alimento Tratamento e reúso de água Visita laboratório GIA 2sábado, 9 de junho de 2012
  3. 3. Estação Marinha de Aquicultura - EMA - FURG Universidade Federal do Rio Grandesábado, 9 de junho de 2012
  4. 4. Universidade Federal do Rio Grandesábado, 9 de junho de 2012
  5. 5. sábado, 9 de junho de 2012
  6. 6. Universidade Federal do Rio Grandesábado, 9 de junho de 2012
  7. 7. Universidade Federal do Rio Grandesábado, 9 de junho de 2012
  8. 8. Introduçãosábado, 9 de junho de 2012
  9. 9. Mercado  de  POM  teve  início  na  década  de  1930  no  Sri  Lanka. Grande  aumento  a  par>r  da  década  de  1980  -­‐  Desenvolvimento  tecnológico (Delbek, 2001; Lem, 2001) Fotos:  Ree)uliders  /  Steve Weastsábado, 9 de junho de 2012
  10. 10. Comércio mundial de organismos marinhos From Ocean to Aquarium The global trade in marine ornamental species Colette Wabnitz, Michelle Taylor, Edmund Green and Tries Razak Fotos:  Marcelo  Sheisábado, 9 de junho de 2012
  11. 11. Década  de  2000  mercado  que  movimentava  US$1  bilhão  /  ano. 70  %  -­‐  Equipamentos  e  insumos 30  %  -­‐  Animais. 10  %  -­‐  Espécies  marinhas Empregando  milhares  de  pessoas  ao  redor  do  mundo. (Delbek, 2001; Lem, 2001) Fotos:  From  Ocean  To  Aquarium  /  Pacific  Aqua  Farms  /  Nuno  Simõessábado, 9 de junho de 2012
  12. 12. Comércio mundial de organismos marinhos  20  -­‐  24  milhões  de  peixes  de  1.470  espécies   1,5  -­‐  2  milhões  de  aquários  marinhos  em  todo  o  mundo Wabinitz  et  al.,  2003 12sábado, 9 de junho de 2012
  13. 13. Invertebrados Mais de 500 espécies de invertebrados marinhos (sem os corais) 9 a 10 milhões de animais, sendo a maioria moluscos, anêmonas e camarões. 15% são representados Lysmata Heteractis Stenopussábado, 9 de junho de 2012
  14. 14. Corais Mais de 2.000 espécies de corais são acompanhados pelo CITES (Convention on International Trade in Endangered Species of Wild Fauna and Flora) Os principais paises exportadores são as Filipinas e a Indonésia Fotos Marcelo Shei Green & Shirley, 1999sábado, 9 de junho de 2012
  15. 15. A>vidade  complexa  que  envolve    coleta  e  transporte    em  45  países  (Wood,  2001)sábado, 9 de junho de 2012
  16. 16. sábado, 9 de junho de 2012
  17. 17. sábado, 9 de junho de 2012
  18. 18. sábado, 9 de junho de 2012
  19. 19. Aquicultura de espécies ornamentais marinhas: Sustenta o aumento do mercado Diminui o impacto sobre os recifes de corais Permite a reposição dos estoques naturaissábado, 9 de junho de 2012
  20. 20. Aquicultura Os sistemas tradicionais de produção exigem grandes quantidades de água limpa... Losordo & Timmons (2000)sábado, 9 de junho de 2012
  21. 21. Aquicultura Os sistemas tradicionais de produção exigem grandes quantidades de água limpa... Assumindo que um viveiro tenha uma profundidade de 80 cm Losordo & Timmons (2000)sábado, 9 de junho de 2012
  22. 22. Aquicultura Os sistemas tradicionais de produção exigem grandes quantidades de água limpa... Assumindo que um viveiro tenha uma profundidade de 80 cm São necessários 8 milhões de L / hectare Losordo & Timmons (2000)sábado, 9 de junho de 2012
  23. 23. Aquicultura Os sistemas tradicionais de produção exigem grandes quantidades de água limpa... Assumindo que um viveiro tenha uma profundidade de 80 cm São necessários 8 milhões de L / hectare + evaporação, perda para o solo e trocas parciais Losordo & Timmons (2000)sábado, 9 de junho de 2012
  24. 24. Aquicultura Os sistemas tradicionais de produção exigem grandes quantidades de água limpa... Assumindo que um viveiro tenha uma profundidade de 80 cm São necessários 8 milhões de L / hectare + evaporação, perda para o solo e trocas parciais Espécie Sistema País Ton/ ha / ano m3 / kg Tilápia Viveiros Taiwan 174 21 Bagre do canal Viveiros EUA 3 64,7 Truta arco-íris Raceway EUA 150 210 Camarões peneídeos Viveiros Taiwan 4.2 - 11 11 - 21,34 Losordo & Timmons (2000)sábado, 9 de junho de 2012
  25. 25. Aquicultura tradicional Competição com outras recursos hídricos Impossível em áreas urbanas culturassábado, 9 de junho de 2012
  26. 26. Recirculação Aquicultura em recirculação refere-se ao método de produzir organismos aquáticos em altas densidades sob condições controladas. Esse método de produção minimiza a necessidade de água e espaço, expandindo as oportunidades para produzir pescados em regiões que originalmente não seriam adequadas para produção de pescados Densidades > 30 kg / m3 Blue Ridge Aquaculturesábado, 9 de junho de 2012
  27. 27. Sistemas  de  recirculação Produção de peixes marinhos a 500 km da costasábado, 9 de junho de 2012
  28. 28. Sistemas  de  recirculação Georgia Aquarium 30 milhões de litros a 400 km da costasábado, 9 de junho de 2012
  29. 29. Produção comercial de espécies tropicais em estruturas compactas 25sábado, 9 de junho de 2012
  30. 30. Criação de corais em região continentalsábado, 9 de junho de 2012
  31. 31. Sistemas  de  recirculação Melhora na manutenção da qualidade de água Diminuição da necessidade de trocas de água Manter espécies mais exigentes em laboratório 8sábado, 9 de junho de 2012
  32. 32. Sistemas  de  recirculação Tendo como meta cumprir as necessidades de qualidade de água tona-se necessário o tratamento da água quanto: Remoção de sólidos Controle de nitrogenados Equilíbrio dos parâmetros bióticos e abióticos Marcelo Sheisábado, 9 de junho de 2012
  33. 33. Isso pode ser alcançado através do “sistema de suporte a vida” Conjunto que inclui: Controle térmico Remoção de Sólidos Suspensos Skimmers Filtração biológica Inserção de O2 Esterelização Marcelo Okamotosábado, 9 de junho de 2012
  34. 34. Virginia Cobia Farmssábado, 9 de junho de 2012
  35. 35. Reprodutores de linguado Larvas e juvenissábado, 9 de junho de 2012
  36. 36. Filtração Mecânicasábado, 9 de junho de 2012
  37. 37. Filtração Mecânica A remoção dos sólidos suspensos é o objetivo primário em todo sistema de recirculação Influência direta: Quantidade de biofouling Consumo de O2 Desenvolvimento de patógenos Irritação / lesões nas brânquiassábado, 9 de junho de 2012
  38. 38. Todos dejetos são provenientes da alimentação* 80 % do alimento consumido será eventualmente excretado na forma líquida, sólida ou gasosa. (Hopkins & Manci, 1989)sábado, 9 de junho de 2012
  39. 39. 1 kg de ração Hipoteticamente.... Consumo de 400 g de O2 50 % sedimentáveis 300 g de sólidos 25 % suspensão 30 g de TANsábado, 9 de junho de 2012
  40. 40. Grande parte em SST Altamente dependente das especificações do alimento e alimentação Salmonídeos - 25 - 30 % Cat fish - 18 - 43 % Wimberly, 1990, Iwana, 1991sábado, 9 de junho de 2012
  41. 41. Composição Fezes + Ração + Flocos Bacterianos Bloom  de  algas  /  bactérias Matéria  par4culada Detritos  orgânicos/  inorgânicos Formação  de  par<culas,  agregados  e  detritos  sábado, 9 de junho de 2012
  42. 42. Características Maioria de partículas <100 μm Problemas <30 μm Fácil entupimento / comatação dos filtros Irritação das brânquias de peixes Aumento  da  turbidez  da  água Aqualidersábado, 9 de junho de 2012
  43. 43. Filtros sedimentadores Sedimentação centrífuga operado por bombeamento de água Quanto maior a diferença de densidade entre o sólido e o líquido, maior a eficiênciasábado, 9 de junho de 2012
  44. 44. Filtros sedimentadores Necessidade de forte bombeamento Melhores resultados com partículas > 70 μm Aquatic Ecosábado, 9 de junho de 2012
  45. 45. Filtros de mídia granulares FIltros de areia são os mais populares Capacidade de filtração ligada com a granulometria do substrato Remoção de partículas de até 40 μm em única passagemsábado, 9 de junho de 2012
  46. 46. Necessidade de retrolavagem Em água marinha e em condições anaeróbicas, pode ocorrer “cimentação” de partículassábado, 9 de junho de 2012
  47. 47. Bead Filters Saída Mídia plástica porosa de 2 - 4 mm Necessidade de retrolavagem Filtração mecânica - 80 micrometros Entrada Marcelo Sheisábado, 9 de junho de 2012
  48. 48. sábado, 9 de junho de 2012
  49. 49. Filtros de mídias porosas Filtro de saco Capsula hermeticamente fechada Variadas micragens, Facilmente lavável Marcelo Sheisábado, 9 de junho de 2012
  50. 50. Skimmers Marcelo Sheisábado, 9 de junho de 2012
  51. 51. Skimmers Remoção  de  sólidos  suspensos  e  orgânicos  dissolvidos  (proteínas) •Atenção  especial  para  sólidos  de  5  –  10  μm •Di^cil  filtração  ^sica  de  par_culas  desse  tamanho •Irritação  nas  brânquias  de  peixes  –  mortalidade  em  salmões RK2sábado, 9 de junho de 2012
  52. 52. Grande  troca  gasosa  e  oxigenaçao ReefCentralsábado, 9 de junho de 2012
  53. 53. sábado, 9 de junho de 2012
  54. 54. Remove  DOC  da  solução Adsorção  na  superCcie  de  bolhas  de  ar  em  uma  coluna  de  contato   Bolha  de  ar Lado  polar  (hidroClico) Molécula  surfactante Lado  não  polar  (hidrofóbico)sábado, 9 de junho de 2012
  55. 55. Formação  de  película  na  bolha Bolha  de  ar Aglomeração  na  parte  superior   Saída  para  o  copo  coletor Marcelo Shei Coluna  com  bolhas  de  ar  em  contato  com  a   águasábado, 9 de junho de 2012
  56. 56. Eficiência Tempo de contato das bolhas com a água Volume do cilindro / fluxo de água Altura da coluna de espuma Fotos: Marcelo Sheisábado, 9 de junho de 2012
  57. 57. Eficiência Menor  tamanho  de  bolhas Maior  tempo  de  contato  das  bolhas  /  água Menor  consumo  de  energia  das  bombas Não  liberar  bolhas  na  saídasábado, 9 de junho de 2012
  58. 58. Eficiência Menor  tamanho  de  bolhas Maior  tempo  de  contato  das  bolhas  /  água Menor  consumo  de  energia  das  bombas Não  liberar  bolhas  na  saídasábado, 9 de junho de 2012
  59. 59. R Tabela de Seleção Modelo / Vazão c/120 Vazão c/ 90 Altura Dimensões diâmetro segundos de segundos de (mm) Motor de Base (mm) contato contato (mm) 300 3.180 L/h 4.240 L/h 2.000 ! cv 600 x 500 600 16.950 L/h 22.600 L/h 2.500 1/3 cv 900 x 800 900 38.000 L/h 50.800 L/h 3000 " cv 1200 x 100 1200 55.000 L/h 63.000 L/h 3500 1 cv 1400 x 1400bricasábado, 9 de junho de 2012
  60. 60. sábado, 9 de junho de 2012
  61. 61. sábado, 9 de junho de 2012
  62. 62. Filtração Biológicasábado, 9 de junho de 2012
  63. 63. Filtração Biológicasábado, 9 de junho de 2012
  64. 64. Filtros nitrificantes são usados comumente para remover NH4 e converte-la inicialmente para NO2 e posteriormente para NO3 Composto pela colonização de bactérias heterotróficas que utilizam a energia liberada na conversão do NH4 para o NO3 como forma de condução seu ciclo de vida Water Pollution Control Federation - EUAsábado, 9 de junho de 2012
  65. 65. Compostos por substratos artificiais que serão colonizados por bactériassábado, 9 de junho de 2012
  66. 66. 1 kg de ração Hipoteticamente.... Consumo de 400 g de O2 50 % sedimentáveis 300 g de sólidos 25 % suspensão 30 g de TANsábado, 9 de junho de 2012
  67. 67. Os filtros mais utilizados....sábado, 9 de junho de 2012
  68. 68. Dry Wet Passagem  rápida  de  água Água A mídia fica exposta ao ar O ar contém 210.000 ppm de oxigênio A água em super saturação contém 15 ppmsábado, 9 de junho de 2012
  69. 69. Não há necessidade de retrolavagemsábado, 9 de junho de 2012
  70. 70. sábado, 9 de junho de 2012
  71. 71. Filtros fluidizados Utilizam areia ou outro substrato de grande superfície específica O fluxo da água mantém o substrato em suspensão e com grande disponibilidade de O2sábado, 9 de junho de 2012
  72. 72. Grande área específica Alteração no fluxo de água pode: perder eficiência ou transbordar o substrato Pouca necessidade de manutenção Custom Aquaticsábado, 9 de junho de 2012
  73. 73. Filtro  de  Areia  fluidizada FAsábado, 9 de junho de 2012
  74. 74. sábado, 9 de junho de 2012
  75. 75. Superfície necessária para remoção de NH4 e NO2 1 m 2 = 0,3 g TAN / dia Cada bio ball = 32 mm diâmetro Área específica de superfície = 300 m 2 / m3 1 kg de ração = 30 g TAN AE = Tan produzida Tan removida / m2 dia 30 =100 m 2= 0,333 m 3 0,3 / m 2 diasábado, 9 de junho de 2012
  76. 76. Sistema  condicionado  clássico NO3 Filtro  biológico  em  equilíbrio  com  a   NH4-­‐ N  inorgânico energia  adicionada  ro>neiramente Nitrificação  melhor  parâmetro  para   determinação  de  quando  o  sistema  esta   NO2 condicionado  e  pronto  para  começar  a   receber  animais   Amônia  demora  cerca  de  2  semanas  para   reduzir,  usando  um  filtro  funcional  e  água   Tempo       quente  (>15  °C) Estabilização  do  sistema   O  nitrato  pode  entrar  em  declínio  com  o  uso   próximo  dos  3  meses  de   de  filtros  denitrificadores ciclagemsábado, 9 de junho de 2012
  77. 77. Dissimilação  /  denitrificação Bactérias  anaeróbicas  verdadeiras  ou  faculta>vas Redução  do  NO3-­‐  para    NH3,  NO2  e  N2 Denitrificação  reduz  nitrogênio  inorgânico  para  N2  completamente Ex:  Pseudomonas 72sábado, 9 de junho de 2012
  78. 78. sábado, 9 de junho de 2012
  79. 79. Filtro  mecânico retenção Biológico Fluxômetro Filtro X Nitrato X retençãosábado, 9 de junho de 2012
  80. 80. Remoção  de  NO3  em  aquário  marinho Redução  de  150  ppm  -­‐  15  ppm  em  três  meses 75sábado, 9 de junho de 2012
  81. 81. Esterilizaçãosábado, 9 de junho de 2012
  82. 82. Ultra-violeta Radiação  UV-­‐C  =  253.7  nm Efeito  Letal  em  tecidos  vivos. Fig. 2 Passagem de água, expondo os organismos suspensos a radiação UV-Csábado, 9 de junho de 2012
  83. 83. 8 DNA antes de ser submetido à ação da luz ultravioleta de comprimento de onda C, Fig. 4. À direita, observamos a ocorrência do dano fotoquímico no DNA Fig. 3sábado, 9 de junho de 2012
  84. 84. Instalação check valve By pass true union ball valve ball valve Último estágio de filtração true union ball valve Sempre com um fluxo conhecido Note: Before gluing pipe or a reducer bushing into the UVs union or socket, remove the quartz sleeve assembly to prevent glue from dripping onto the quartz sleeve. Use Teflon tape on all threaded connections. (fluxômetro) 25 Dosagem de tempo de funcionamento Troca periódica da lâmpadasábado, 9 de junho de 2012
  85. 85. MANUAL DE INSTALACION, OPERACIÓN Y MANTENCION UNIDAD DE FILTRACION Y DESINFECCIÓN F6 (N) 1. Descripción de la unidad (Esquema) VERSION 1.0-2011 16 1. Manómetro. 11. Splash boot 20. Interruptor 2. Porta manómetro 12. Conector de cuatro Pines 21. Dos tee de pvc 3. Tapa AF 94 N con orificio 13. Lámpara germicida 22. Válvula de alimentación 4. O´ring 14. Contra tapa UV 23. Válvula de descarga 5. Tapón catridge 15. Sello de goma (gasket) 24. Válvula de by-pass 6. Filtro catridge 16. Tapa UV 25. Dos codos 7. Goma asiento 17.Tubo de cuarzo 26. Tres uniones americanas 8. Stand pipe 18. Carcasa UV-40 28. Porta fusible 9. Carcasa AF-94 N 19. Caja eléctrica de alimentación _______________________________________________________________________________________________________________ SISTEMAS DE PURIFICACION BIO LIGHT S.A. www.biolight .clsábado, 9 de junho de 2012
  86. 86. sábado, 9 de junho de 2012
  87. 87. sábado, 9 de junho de 2012
  88. 88. Dose de UV para inativação em única passagem (μWs/cm2/s) Dosagem UV Microorganismo Aspergillus niger 330.000 Coeficiente de pureza (Escobal, 1996) Bacillus subtilis (esporos) 22.000 Chlorella vugaris 22.000 Clostridium tetani 22.000 H = 9,2 x (V/F) Dysentery bacilli 4.200 Fungos 45.000 H = tempo (h) Tanque com 800 L Icthyophthirius sp. (tomito) 336.000 9,2 = Coeficiente para 99,99 % Fluxo de 650 L/h Mycobacterium tuberculosis 10.000 V = Volume tanque F = Fluxo coeficiente: 11,32 h Ovos de nemátodos Paramecio (protozoário) 92.000 200.000 Salmonella sp. 10.000 Staphylococcus aureaus 6.600 Streptococcus lactis 8.800 Dose alvo 30.000 μW-cm 2/s Trichodina nigra 159.000 Trichodina sp. 35.000 Potência UV E. coli (coliformes) 6.600 Herpes da carpa 4.000 IHNV - vírus da infecção hipodermal e 30.000 necrose hematopoiéticasábado, 9 de junho de 2012
  89. 89. Ozônio –Oxidante  mais  potente –Gás  Instável –Odor  caracterís>co –Produção:  O2  +  Descarga  Elétrica Controle  indireto  pelo  ORP   –Poderoso  Oxidante –Extremamente  Tóxico –Finalidade  –  Grandes  vantagens  x  Risco  de  u>lizaçãosábado, 9 de junho de 2012
  90. 90. Descarga coronasábado, 9 de junho de 2012
  91. 91. Aplicaçãosábado, 9 de junho de 2012
  92. 92. sábado, 9 de junho de 2012
  93. 93. Inserção de O2 na águasábado, 9 de junho de 2012
  94. 94. Inserção de O2 na água O oxigênio dissolvido é a primeira variável limitante em um sistema de produção Sistemas de recirculação - Baixos níveis de fotossíntese e pouca troca de água A incorporação de altas [ ]`s de O2, possibilitam o aumento de densidade de peixes, diminuindo o tamanho dos tanques e a circulação de águasábado, 9 de junho de 2012
  95. 95. Injetores tipo Venturi Grande volume de gás injetado Necessidade de forte bombeamento Fácil supersaturação Marcelo Sheisábado, 9 de junho de 2012
  96. 96. Lavadores de gasessábado, 9 de junho de 2012
  97. 97. Cones de Oxigênio Entrada de água à 1.8 m/s Bolhas 0,3 m/s Pressurização > dissolução do gás Saída de água 0,15 m/s AquaSonicsábado, 9 de junho de 2012
  98. 98. Necessidade de grande fluxo Muito eficaz para altas densidades Blue Ridgesábado, 9 de junho de 2012
  99. 99. Controle  térmicosábado, 9 de junho de 2012
  100. 100. Temperatura Temperatura Taxa  metabólica Consumo  de  O2 Crescimento Consumo  de  alimentos 95sábado, 9 de junho de 2012
  101. 101. Temperatura A  temperatura  e  a  taxa  metabólica Temperatura Letal  superior Intervalo  apropriado Letal  inferior A=vidade  metabólica 96sábado, 9 de junho de 2012
  102. 102. Temperatura Consumo  de  copépodes  /  animal Sheng   et   al   (2006)   Effects   of   food,   temperature   and   light   intensity   on   the   feeding   behavior   of   three-­‐spot   juvenile   seahorses,   Hippocampus   trimaculatus   Leach.   Aquaculture 97sábado, 9 de junho de 2012
  103. 103. Temperatura Peso inicial: 50 mg Período de 30 dias TABELA 1. Comprimento, peso e taxa de crescimento específico diário de juvenis de A. ocellaris criados em diferentes temperaturas. Comprimento Peso Crescimento (cm) (mg) específico diário 25°C 1,93 120 2,92 29°C 2,24 200 4,62 33°C 2,12 170 4,08 Lins,  et  al.,  2009 98sábado, 9 de junho de 2012
  104. 104. Controle  térmico Aquecimento Resistências  blindadas 99sábado, 9 de junho de 2012
  105. 105. MT-8 5 60,000 230/3 20.5 30/60 52 x 34 x 62 470 lbs 7,891 MT-9 71/2 90,000 230/3 31.0 60/120 54 x 37 x 69 830 lbs 11,378 MT-10 10 120,000 230/3 40.1 60/120 54 x 37 x 69 900 lbs 13,212 Bombas  de  calor *Larger sizes and additional voltage options available. BOMBAS DE CALOR Heat Pumps Bombas de calor elétricas são a forma mais eficiente para o condicionamento térmico da Forma  mais  eficiente  para   heat and cool! They água. condicionamento  térmico   If da   need to heat and cool your water in the same you As Bombas de Calor Plaspiral foram projetadas para operar continuamente com água doce ou season, get a heat pump to do it—automatically! água Just set the electronic dial to the desired temperature marinha pois possuem condensador em material termoplástico e Titânio. and these heat pumps will heat or cool to within UV ±1ºF of the setpoint. LED indicators show which Todos os aparelhos possuem função de resfriamento e aquecimento simultâneo com mode is in operation. termostato digital de precisão decimal integrado. Possibilidade  de  aquecimento   Like all Aqua Logic chillers, these are suitable for both ® * Degelo de alta eficiência através de ciclo e  resfriamento  simultâneos and salt water. They feature titanium helix coils fresh reverso. and powder-coated shrouds. 2" PVC slip, in and * Auto diagnóstico através de lâmpadas de indicação de estado. out fittings on 2–10 hp; 3" PVC slip on larger units. * Pintura eletrostática. 230V models listed; 460V also available. We offer these * Máquinas trifásicas com proteção de falta e heat pumps with water temperature operating ranges inversão de fase e subtensão. Plaspiral Plásticos 2010 between 45 and 85ºF (7 to 24ºC); you must specify HP5 Fácil instalação e operação Bomba de calor T 120. desired temperature operating range when ordering. 100sábado, 9 de junho de 2012 Units will not work efficiently when air temperature Garantia integral de 1 ano.
  106. 106. Dimensionamento  bombas  de  calor Volume 120.000 L 4 º C para aquecer / dia. Equação: Volume x diferença térmica / dia = kcal necessária / dia. 120.000 x 4 = 480.000 kcal Modelo T120 = 29.000 kcal / h 480.000 / 29.000 = 16 h de funcionamento / dia Duas máquinas = 8 h / dia 101sábado, 9 de junho de 2012
  107. 107. Tabela de Seleção MODELO T 45 T80 T 120 T 145 45.000 Btus 80.000 Btus 120.000 Btus 145.000 Btus Potência 9.000 Kcal/h 20.000 Kcal/h 29.000 Kcal/h 35.000 Kcal/h Consumo 2,4 Kw/h 3,8 Kw/h 5,2 Kw/h 6,2 Kw/h 220 bifásico 220 bifásico 220 trifásico Tensão 220 bifásico 220 trifásico 220 trifásico 380 trifásico 380 trifásico 380 trifásico Peso 50 Kg 95 Kg 125 Kg 140 Kg Dimensões (mm) Comp. (C) 655 575 765 765 Largura (L) 470 575 765 765 Altura (H) 600 900 950 950 102sábado, 9 de junho de 2012
  108. 108. Resfriamento Chiller Precisão  decimal Serpen=na  em  =tânio 103sábado, 9 de junho de 2012
  109. 109. Controle  da  temperatura Outros  métodos Aumentar  o  volume  do  sistema   Soma  de  2.500  litros  em  um   aquário  de  6.000  l 104sábado, 9 de junho de 2012
  110. 110. Serpen>na  subterrânea Perda  de  calorsábado, 9 de junho de 2012
  111. 111. Sistema montadosábado, 9 de junho de 2012
  112. 112. Caixa  de  circulação  -­‐  SUMP Evita  o  manejo  no  tanque  e  estresse  dos  animais Marcelo Sheisábado, 9 de junho de 2012
  113. 113. sábado, 9 de junho de 2012
  114. 114. sábado, 9 de junho de 2012
  115. 115. sábado, 9 de junho de 2012
  116. 116. Marcelo Sheisábado, 9 de junho de 2012
  117. 117. Blue Ridge Blue Ridgesábado, 9 de junho de 2012
  118. 118. Aplicação.....sábado, 9 de junho de 2012
  119. 119. Maturação Menor estresse de manejo Estabilidade dos parâmetros de qualidade de água Possibilidade de inverter estações do ano Reprodução ao longo de todo o ano 114sábado, 9 de junho de 2012
  120. 120. Maturação Sistema padrão para reprodutores de peixes ornamentais marinhos 1 Filtração mecânica inicial 2 Skimmer 3 UV - esterelização 4 4 Filtro biológico 2 3 1 Wittenrich, 2007sábado, 9 de junho de 2012
  121. 121. Palhaços  e  gobies  -­‐  FURGsábado, 9 de junho de 2012
  122. 122. Desovantes  pelágicossábado, 9 de junho de 2012
  123. 123. Coletor  de  ovos 118sábado, 9 de junho de 2012
  124. 124. Aplicação em incubação de ovos Esterelização da água Parasitas Bio segurança Specific pathogen free Marcelo Sheisábado, 9 de junho de 2012
  125. 125. sábado, 9 de junho de 2012
  126. 126. Aplicação durante a larvicultura Larvas livres de patógenos específicos Remoção de alimento-vivo “velho” Marcelo Sheisábado, 9 de junho de 2012
  127. 127. Marcelo Sheisábado, 9 de junho de 2012
  128. 128. sábado, 9 de junho de 2012
  129. 129. sábado, 9 de junho de 2012
  130. 130. Fotos Ricardo Caladosábado, 9 de junho de 2012
  131. 131. Sistemas de engorda Tanques de 50 - 300 L Fotos: Orafarm / VT Marcelo Sheisábado, 9 de junho de 2012
  132. 132. 127sábado, 9 de junho de 2012
  133. 133. 128sábado, 9 de junho de 2012
  134. 134. 129sábado, 9 de junho de 2012
  135. 135. Sistemas de captação de águasábado, 9 de junho de 2012
  136. 136. Praias  com  ampla  variação FURG  -­‐  RS Laboratóriosábado, 9 de junho de 2012
  137. 137. 132sábado, 9 de junho de 2012
  138. 138. 133sábado, 9 de junho de 2012
  139. 139. Praias  mais  abrigadas  e  com  pouca  variação  entre  marés IO  -­‐  USP  -­‐  São  SebasZão Lab  Estaleirinho  -­‐  SC Laboratóriosábado, 9 de junho de 2012
  140. 140. 135sábado, 9 de junho de 2012
  141. 141. sábado, 9 de junho de 2012
  142. 142. Tratamento de águasábado, 9 de junho de 2012
  143. 143. Águra bruta Recircula Laboratório Cloro UV Reservatório Ozônio FA BAGsábado, 9 de junho de 2012
  144. 144. Virginia Tech - EUA Marcelo Okamotosábado, 9 de junho de 2012
  145. 145. Condicionamento térmico Oxigenaçãosábado, 9 de junho de 2012
  146. 146. Caixa de mistura / salinizaçãosábado, 9 de junho de 2012
  147. 147. Cisternas  para  preparação  de  água  salgada Um  sistema  enche  com  água  doce  tratada  e  o  outro  reserva  água  salgada,  operando  de  forma  alternada. A  bomba  de  recirculação  pode  enviar  água  para  qualquer  lugar  do  prédio.   Chegada   de   água   doce   Chegada   de   água   doce   tratada tratada Saída  de  água  para  o   sistema X X X X X X Reservatório Reservatório Caixa  de  mistura X X X X Bomba  recirculante Bomba  recirculantesábado, 9 de junho de 2012
  148. 148. sábado, 9 de junho de 2012
  149. 149. Produção de organismos - alimentosábado, 9 de junho de 2012
  150. 150. Produção de Microalgas: Produtor primário: Organismos ricos em vitaminas e ácidos graxos, de fácil obtenção e alta produtividade Necessidade de cuidados constantessábado, 9 de junho de 2012
  151. 151. 146sábado, 9 de junho de 2012
  152. 152. Cul>vo  de  ro_feros Pasta de microalgas Elimina a necessidade do cultivo de fitoplâncton Maior segurança na produção de rotíferos Demanda  de  grande  quan4dade  de  fitoplâncton Cul4vo  de  diferentes  volumes Necessidade  de  cuidados  constantessábado, 9 de junho de 2012
  153. 153. Cul>vo  de  ro_feros Cultivo estático com microalgas vivas - 100 organismos / mL Cultivo estático com pasta de microalgas - 400 organismos / mL Sistema de recirculação com pasta de microalgas e O2 - 1300 organismos / mLsábado, 9 de junho de 2012
  154. 154. sábado, 9 de junho de 2012
  155. 155. sábado, 9 de junho de 2012
  156. 156. Tratamento  e  reúso  de  águasábado, 9 de junho de 2012
  157. 157. Tratamento  e  reúso  de  água Reservatório  de   Tanques   água  nova receptores Reservatório   Reservatório   Sujo limpo FA FD SK O 3 Reservatório  de  diluição  -­‐  esgotosábado, 9 de junho de 2012
  158. 158. Ferramentas  para  desenhosábado, 9 de junho de 2012
  159. 159. 154sábado, 9 de junho de 2012
  160. 160. 155sábado, 9 de junho de 2012
  161. 161. Referênciassábado, 9 de junho de 2012
  162. 162. Agradecimentossábado, 9 de junho de 2012

×