SlideShare uma empresa Scribd logo
CINE PREVENÇÃO: O CINEMA COMO FERRAMENTA DE ARTE
EDUCAÇÃO NA PREVENÇÃO À DST/AIDS EM
COMUNIDADES DA ZONA NORTE DO RECIFE- PE.
Especialização em Gestão de Projetos
Sociais
Discente: Wladimir Farias
Orientador: Felipe Moraes
Agenda
• Apresentação
• Marco Teórico
• Cine Prevenção
• Proposta para a 2ª Edição do Cine prevenção
Apresentação
• O objeto de estudo é compreender a
utilização do cinema como ferramenta para a
prevenção de HIV em comunidades da Zona
Norte do Recife, por uma ONG, o Grupo de
Apoio Mútuo Pé no Chão.
Método
• Estudo Qualitativo
– elementos implícitos nas atividades
• Estudo de Caso
– objeto de estudo bem delimitado
• Revisão de literatura, análise documental, 2
entrevistas com educadores e conversas in
loco com beneficiários.
O Grupo Pé no Chão
• O “Pé no Chão”
• Surgiu em 1994
• Atuação
• Pedagogia
Marco Teórico
Pedagogia Social de Rua e Crianças em situação
de Rua
“A Pedagogia Popular como prática social, na
medida em que se propõe a transformar,
produzir, criar e elaborar conhecimentos na
sociedade, dentro de relações sociais dadas”
GRACIANI (1997, p.28)
Arte Educação
“Arte educação não significa o treino para
alguém se tornar um artista, não significa a
aprendizagem de uma técnica, num dado
ramo das artes. Antes quer significar uma
educação que tenha a arte como uma de suas
principais aliadas. Uma educação que permita
uma maior sensibilidade para com o mundo
que cerca cada um de nós”
(DUARTE JR., 2002, p.12).
O HIV/ AIDS
• HIV e AIDS
• “No Brasil, foram registrados 66.114 casos de
AIDS entre jovens de 13 a 24 anos até junho
de 2009. Isso representa 11% dos casos
notificados no país, desde o início da
epidemia.”
<http://www.aids.gov.br/pagina/jovem>>
O Cine Prevenção
• Por que CINEMA?
• A questão do HIV/ AIDS nas comunidades
• Oficinas de audiovisual
• Aproximadamente 40 entrevistas
• Produção de vídeo
“Não existe entrevistado principal, todos que estão
no vídeo são principais.”
(Jocimar Borges)
O Cine Prevenção
O Cine Prevenção
Imagem captada do vídeo “Cine Prevenção”
O Cine Prevenção
Em 2010 a experiência foi sistematizada
pela UNICEF no livro “Tecendo Redes -
Uma experiência de prevenção de DST/AIDS
entre crianças em situação de rua.
O Cine Prevenção
• Pontos a melhorar
– Mais participantes
– Mais divulgação e distribuição
• Pontos positivos
– “São pessoas comuns falando para pessoas
comuns, são pessoas comuns falando para a
comunidade”
– Crianças e Jovens agindo de forma positiva
2ª Edição do Cine Prevenção
2ª EDIÇÃO DO CINE PREVENÇÃO
• Por que fazer uma 2ª edição?
– Prevenir o HIV/AIDS
– Educar profissionalmente
– Intervir na comunidade
– Divulgar o marketing social
2ª EDIÇÃO DO CINE PREVENÇÃO
1. Aspectos gerais do Projeto
2. Recursos humanos e recursos físicos
3. Monitoramento e avaliação
4. Comunicações
5. Qualidade do projeto
6. Indicadores de gestão
7. Alinhamento com as políticas públicas
8. Cronograma
9. Orçamento
10. Marco lógico
11. Parceiros
2ª EDIÇÃO DO CINE PREVENÇÃO
ATIVIDADES / DESCRIÇÃO
Mês 1 Mês 2 Mês 3 Mês 4 Mês 5 Mês 6 Mês 7 Mês 8 Mês 9 Mês 10
1
Planejamento técnico pedagógico
2
Realização de 04 oficinas educativas
em praças públicas
3
Oficina de Capacitação audiovisual e
mídias sociais
4 Projeção dos vídeos produzidos
5
Realização de intercâmbio das
atividades educativas do Cine
Prevenção
2ª EDIÇÃO DO CINE PREVENÇÃO
ATIVIDADES / DESCRIÇÃO TOTAL (R$)
1 Planejamento técnico pedagógico 44.000,00
2
Realização de 04 oficinas educativas em
praças públicas
2.600,00
3
Oficina de Capacitação audiovisual e mídias
sociais
-
4 Projeção dos vídeos produzidos 19.573,90
5
Realização de intercâmbio das atividades
educativas do Cine Prevenção
3.988,00
Reserva técnica financeira 5.000,00
VALOR TOTAL 75.161,90
2ª EDIÇÃO DO CINE PREVENÇÃO
DESCRIÇÃO SUMÁRIA
INDICADORES
VERIFICÁVEIS
MEIOS DE
VERIFICAÇÃO
PREMISSAS
(FATORES DE
RISCO)
Objetivo Geral Indicadores de impacto
O projeto tem como objetivo
proporcionar um ambiente para que as
doenças sexualmente transmissíveis
possam ser debatidas e esclarecidas à
parcela da população que não tem
acesso a informações de Saúde, criando
uma linguagem mais adequada e com
elementos comuns ao público receptor.
• Aumento no nível de
informação sobre DST/HIV
das pessoas que tiveram
contato.
• Conversas com
a Comunidade.
• Pesquisa
avaliação de
impacto com os
participantes no
projeto.
Objetivo do projeto Indicadores de efetividade
Promover a educação profissional de
Jovens/ Adolescentes em artes
visuais(cinema) a partir da temática de
prevenção, tratamento aos portadores de
DST/HIV/AIDS com intervenção nas
comunidades que os jovens habitam.
• 20 jovens capacitados e no
mínimo 10 trabalhando com
Artes visuais ou Arte
educação.
• Todos os jovens sem a contração de
DSTs ou aceitação do tratamento
por pelo menos 12 meses após o
término do projeto.
• Pesquisa
realizada pelo
assistente social
do Grupo Pé no
Chão.
• Que os participantes
não irão realizar
comportamentos de
risco para obtenção
de DSTs.
Considerações Finais
• Revisado os principais autores da área de
atuação do Pé no Chão
• Sistematizou uma experiência bem sucedida
• Entendi a necessidade do projeto já realizado
e propus melhorias
DÚVIDAS?

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Destaque (8)

Slide proeti
Slide proetiSlide proeti
Slide proeti
 
Plano de trabalho proeti
Plano de trabalho proetiPlano de trabalho proeti
Plano de trabalho proeti
 
Portfolio PROETI CARLOS CHAGAS
Portfolio PROETI CARLOS CHAGASPortfolio PROETI CARLOS CHAGAS
Portfolio PROETI CARLOS CHAGAS
 
Projeto Educação em Tempo Integral na Escola
Projeto Educação em Tempo Integral na EscolaProjeto Educação em Tempo Integral na Escola
Projeto Educação em Tempo Integral na Escola
 
O planejamento proeti para os professores
O planejamento proeti para os professoresO planejamento proeti para os professores
O planejamento proeti para os professores
 
Plano de ação + educação
Plano de ação + educaçãoPlano de ação + educação
Plano de ação + educação
 
Caderno de boas práticas tempo integral
Caderno de boas práticas tempo integralCaderno de boas práticas tempo integral
Caderno de boas práticas tempo integral
 
Projeto tempo integral 2015
Projeto tempo integral 2015Projeto tempo integral 2015
Projeto tempo integral 2015
 

Semelhante a Cine Prevenção

Maria aparecida dos santos lima dias
Maria aparecida dos santos lima diasMaria aparecida dos santos lima dias
Maria aparecida dos santos lima dias
equipetics
 
Projeto cinema no bairro para salvador
Projeto cinema no bairro para salvadorProjeto cinema no bairro para salvador
Projeto cinema no bairro para salvador
reinaldosantosI
 
Infancia &-consumo-2010
Infancia &-consumo-2010Infancia &-consumo-2010
Infancia &-consumo-2010
Renata Costa
 
Relatorio guia para agentes comunitarios de saude
Relatorio guia para agentes comunitarios de saudeRelatorio guia para agentes comunitarios de saude
Relatorio guia para agentes comunitarios de saude
Alinebrauna Brauna
 
A arte do real e a teoria crítica: algumas considerações
A arte do real e a teoria crítica: algumas consideraçõesA arte do real e a teoria crítica: algumas considerações
A arte do real e a teoria crítica: algumas considerações
Andréa Kochhann
 

Semelhante a Cine Prevenção (20)

Seminário inicial de Brotas de Macaúbas
Seminário inicial de Brotas de MacaúbasSeminário inicial de Brotas de Macaúbas
Seminário inicial de Brotas de Macaúbas
 
GESTÃO DO EMPREENDIMENTO CULTURAL E CRIATIVO - AULA 2
GESTÃO DO EMPREENDIMENTO CULTURAL E CRIATIVO - AULA 2GESTÃO DO EMPREENDIMENTO CULTURAL E CRIATIVO - AULA 2
GESTÃO DO EMPREENDIMENTO CULTURAL E CRIATIVO - AULA 2
 
Maria aparecida dos santos lima dias
Maria aparecida dos santos lima diasMaria aparecida dos santos lima dias
Maria aparecida dos santos lima dias
 
Projeto Click Parafuso - Encontro Paranaense de Educação Ambiental 2017
Projeto Click Parafuso - Encontro Paranaense de Educação Ambiental 2017Projeto Click Parafuso - Encontro Paranaense de Educação Ambiental 2017
Projeto Click Parafuso - Encontro Paranaense de Educação Ambiental 2017
 
Projeto cinema no bairro para salvador
Projeto cinema no bairro para salvadorProjeto cinema no bairro para salvador
Projeto cinema no bairro para salvador
 
Eproinfo
EproinfoEproinfo
Eproinfo
 
Conexões: movimento social, educação popular e cinema
Conexões: movimento social, educação popular e cinema Conexões: movimento social, educação popular e cinema
Conexões: movimento social, educação popular e cinema
 
Freemind - Betina Grajcer
Freemind - Betina GrajcerFreemind - Betina Grajcer
Freemind - Betina Grajcer
 
Cartilha o audiovisual na escola
Cartilha   o audiovisual na escolaCartilha   o audiovisual na escola
Cartilha o audiovisual na escola
 
Infancia &-consumo-2010
Infancia &-consumo-2010Infancia &-consumo-2010
Infancia &-consumo-2010
 
Programa Cuida-te
Programa Cuida-tePrograma Cuida-te
Programa Cuida-te
 
Educação sexual
Educação sexualEducação sexual
Educação sexual
 
Instituto do Câncer infantil
Instituto do Câncer infantilInstituto do Câncer infantil
Instituto do Câncer infantil
 
Relatorio guia para agentes comunitarios de saude
Relatorio guia para agentes comunitarios de saudeRelatorio guia para agentes comunitarios de saude
Relatorio guia para agentes comunitarios de saude
 
Midia educacionais tv video
Midia educacionais tv videoMidia educacionais tv video
Midia educacionais tv video
 
Moc (1)
Moc (1)Moc (1)
Moc (1)
 
Quem tem medo da Dengue?
Quem tem medo da Dengue?Quem tem medo da Dengue?
Quem tem medo da Dengue?
 
Apresentação2 rp1
Apresentação2 rp1Apresentação2 rp1
Apresentação2 rp1
 
Projeto cine parque
Projeto cine parqueProjeto cine parque
Projeto cine parque
 
A arte do real e a teoria crítica: algumas considerações
A arte do real e a teoria crítica: algumas consideraçõesA arte do real e a teoria crítica: algumas considerações
A arte do real e a teoria crítica: algumas considerações
 

Mais de Wladimir Farias Tenorio Filho

Mais de Wladimir Farias Tenorio Filho (16)

Entregacontinua.pdf
Entregacontinua.pdfEntregacontinua.pdf
Entregacontinua.pdf
 
Análise do Dataset Dry beans
Análise do Dataset Dry beansAnálise do Dataset Dry beans
Análise do Dataset Dry beans
 
Curso gestão de projetos _ Gerenciamento das comunicações e das partes intere...
Curso gestão de projetos _ Gerenciamento das comunicações e das partes intere...Curso gestão de projetos _ Gerenciamento das comunicações e das partes intere...
Curso gestão de projetos _ Gerenciamento das comunicações e das partes intere...
 
Grupo de Estudo PMI-PE - Gerenciamento do Escopo
Grupo de Estudo PMI-PE - Gerenciamento do EscopoGrupo de Estudo PMI-PE - Gerenciamento do Escopo
Grupo de Estudo PMI-PE - Gerenciamento do Escopo
 
Palestra: Outras economias
Palestra: Outras economiasPalestra: Outras economias
Palestra: Outras economias
 
Cap 4 como padronizar sua área de trabalho wladimirfarias
Cap 4 como padronizar sua área de trabalho wladimirfariasCap 4 como padronizar sua área de trabalho wladimirfarias
Cap 4 como padronizar sua área de trabalho wladimirfarias
 
Contabilidade básica - conceitos introdutórios
Contabilidade básica - conceitos introdutóriosContabilidade básica - conceitos introdutórios
Contabilidade básica - conceitos introdutórios
 
Capítulo 3: Como gerenciar para melhorar os resultados
Capítulo 3: Como gerenciar para melhorar os resultadosCapítulo 3: Como gerenciar para melhorar os resultados
Capítulo 3: Como gerenciar para melhorar os resultados
 
Capítulo 2 arrumando a casa
Capítulo 2 arrumando a casaCapítulo 2 arrumando a casa
Capítulo 2 arrumando a casa
 
Assertividade
AssertividadeAssertividade
Assertividade
 
Capitulo 1: Entenda seu trabalho. livro Gerenciamento da rotina do trabalho d...
Capitulo 1: Entenda seu trabalho. livro Gerenciamento da rotina do trabalho d...Capitulo 1: Entenda seu trabalho. livro Gerenciamento da rotina do trabalho d...
Capitulo 1: Entenda seu trabalho. livro Gerenciamento da rotina do trabalho d...
 
Anais V SEMEAP - O CINEMA COMO EXPERIÊNCIA DE ARTE EDUCAÇÃO NA PREVENÇÃO À D...
Anais V SEMEAP - O CINEMA COMO EXPERIÊNCIA DE ARTE  EDUCAÇÃO NA PREVENÇÃO À D...Anais V SEMEAP - O CINEMA COMO EXPERIÊNCIA DE ARTE  EDUCAÇÃO NA PREVENÇÃO À D...
Anais V SEMEAP - O CINEMA COMO EXPERIÊNCIA DE ARTE EDUCAÇÃO NA PREVENÇÃO À D...
 
Plan. estr.grupo pé no chão
Plan. estr.grupo pé no chãoPlan. estr.grupo pé no chão
Plan. estr.grupo pé no chão
 
Mercado de trabalho v04
Mercado de trabalho v04Mercado de trabalho v04
Mercado de trabalho v04
 
Mst e o estado brasileiro vfinal
Mst e o estado brasileiro vfinalMst e o estado brasileiro vfinal
Mst e o estado brasileiro vfinal
 
Apresentação trapeiros
Apresentação trapeirosApresentação trapeiros
Apresentação trapeiros
 

Último

O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
LisaneWerlang
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
edjailmax
 

Último (20)

Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptxATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
 
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na IgrejaJunho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40
 
hereditariedade é variabilidade genetic
hereditariedade é variabilidade  genetichereditariedade é variabilidade  genetic
hereditariedade é variabilidade genetic
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
 
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdfEvangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
 
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfmanual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 

Cine Prevenção

  • 1. CINE PREVENÇÃO: O CINEMA COMO FERRAMENTA DE ARTE EDUCAÇÃO NA PREVENÇÃO À DST/AIDS EM COMUNIDADES DA ZONA NORTE DO RECIFE- PE. Especialização em Gestão de Projetos Sociais Discente: Wladimir Farias Orientador: Felipe Moraes
  • 2. Agenda • Apresentação • Marco Teórico • Cine Prevenção • Proposta para a 2ª Edição do Cine prevenção
  • 3. Apresentação • O objeto de estudo é compreender a utilização do cinema como ferramenta para a prevenção de HIV em comunidades da Zona Norte do Recife, por uma ONG, o Grupo de Apoio Mútuo Pé no Chão.
  • 4. Método • Estudo Qualitativo – elementos implícitos nas atividades • Estudo de Caso – objeto de estudo bem delimitado • Revisão de literatura, análise documental, 2 entrevistas com educadores e conversas in loco com beneficiários.
  • 5. O Grupo Pé no Chão • O “Pé no Chão” • Surgiu em 1994 • Atuação • Pedagogia
  • 7. Pedagogia Social de Rua e Crianças em situação de Rua “A Pedagogia Popular como prática social, na medida em que se propõe a transformar, produzir, criar e elaborar conhecimentos na sociedade, dentro de relações sociais dadas” GRACIANI (1997, p.28)
  • 8. Arte Educação “Arte educação não significa o treino para alguém se tornar um artista, não significa a aprendizagem de uma técnica, num dado ramo das artes. Antes quer significar uma educação que tenha a arte como uma de suas principais aliadas. Uma educação que permita uma maior sensibilidade para com o mundo que cerca cada um de nós” (DUARTE JR., 2002, p.12).
  • 9. O HIV/ AIDS • HIV e AIDS • “No Brasil, foram registrados 66.114 casos de AIDS entre jovens de 13 a 24 anos até junho de 2009. Isso representa 11% dos casos notificados no país, desde o início da epidemia.” <http://www.aids.gov.br/pagina/jovem>>
  • 11. • Por que CINEMA? • A questão do HIV/ AIDS nas comunidades • Oficinas de audiovisual • Aproximadamente 40 entrevistas • Produção de vídeo “Não existe entrevistado principal, todos que estão no vídeo são principais.” (Jocimar Borges) O Cine Prevenção
  • 12. O Cine Prevenção Imagem captada do vídeo “Cine Prevenção”
  • 13. O Cine Prevenção Em 2010 a experiência foi sistematizada pela UNICEF no livro “Tecendo Redes - Uma experiência de prevenção de DST/AIDS entre crianças em situação de rua.
  • 14. O Cine Prevenção • Pontos a melhorar – Mais participantes – Mais divulgação e distribuição • Pontos positivos – “São pessoas comuns falando para pessoas comuns, são pessoas comuns falando para a comunidade” – Crianças e Jovens agindo de forma positiva
  • 15. 2ª Edição do Cine Prevenção
  • 16. 2ª EDIÇÃO DO CINE PREVENÇÃO • Por que fazer uma 2ª edição? – Prevenir o HIV/AIDS – Educar profissionalmente – Intervir na comunidade – Divulgar o marketing social
  • 17. 2ª EDIÇÃO DO CINE PREVENÇÃO 1. Aspectos gerais do Projeto 2. Recursos humanos e recursos físicos 3. Monitoramento e avaliação 4. Comunicações 5. Qualidade do projeto 6. Indicadores de gestão 7. Alinhamento com as políticas públicas 8. Cronograma 9. Orçamento 10. Marco lógico 11. Parceiros
  • 18. 2ª EDIÇÃO DO CINE PREVENÇÃO ATIVIDADES / DESCRIÇÃO Mês 1 Mês 2 Mês 3 Mês 4 Mês 5 Mês 6 Mês 7 Mês 8 Mês 9 Mês 10 1 Planejamento técnico pedagógico 2 Realização de 04 oficinas educativas em praças públicas 3 Oficina de Capacitação audiovisual e mídias sociais 4 Projeção dos vídeos produzidos 5 Realização de intercâmbio das atividades educativas do Cine Prevenção
  • 19. 2ª EDIÇÃO DO CINE PREVENÇÃO ATIVIDADES / DESCRIÇÃO TOTAL (R$) 1 Planejamento técnico pedagógico 44.000,00 2 Realização de 04 oficinas educativas em praças públicas 2.600,00 3 Oficina de Capacitação audiovisual e mídias sociais - 4 Projeção dos vídeos produzidos 19.573,90 5 Realização de intercâmbio das atividades educativas do Cine Prevenção 3.988,00 Reserva técnica financeira 5.000,00 VALOR TOTAL 75.161,90
  • 20. 2ª EDIÇÃO DO CINE PREVENÇÃO DESCRIÇÃO SUMÁRIA INDICADORES VERIFICÁVEIS MEIOS DE VERIFICAÇÃO PREMISSAS (FATORES DE RISCO) Objetivo Geral Indicadores de impacto O projeto tem como objetivo proporcionar um ambiente para que as doenças sexualmente transmissíveis possam ser debatidas e esclarecidas à parcela da população que não tem acesso a informações de Saúde, criando uma linguagem mais adequada e com elementos comuns ao público receptor. • Aumento no nível de informação sobre DST/HIV das pessoas que tiveram contato. • Conversas com a Comunidade. • Pesquisa avaliação de impacto com os participantes no projeto. Objetivo do projeto Indicadores de efetividade Promover a educação profissional de Jovens/ Adolescentes em artes visuais(cinema) a partir da temática de prevenção, tratamento aos portadores de DST/HIV/AIDS com intervenção nas comunidades que os jovens habitam. • 20 jovens capacitados e no mínimo 10 trabalhando com Artes visuais ou Arte educação. • Todos os jovens sem a contração de DSTs ou aceitação do tratamento por pelo menos 12 meses após o término do projeto. • Pesquisa realizada pelo assistente social do Grupo Pé no Chão. • Que os participantes não irão realizar comportamentos de risco para obtenção de DSTs.
  • 21. Considerações Finais • Revisado os principais autores da área de atuação do Pé no Chão • Sistematizou uma experiência bem sucedida • Entendi a necessidade do projeto já realizado e propus melhorias