SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 15
Baixar para ler offline
ESCOLAS PRIORITÁRIAS 
Página 1 de 15 
O PROFESSOR COORDENADOR DE APOIO À GESTÃO PEDAGÓGICA (PCAGP) 
ORIENTAÇÕES 
SÃO PAULO 
MAIO DE 2014 
DOCUMENTO ORIENTADOR CGEB 
Nº 05 DE 2014 
COORDENADORIA DE GESTÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA
ESCOLAS PRIORITÁRIAS 
Página 2 de 15 
Governador 
Geraldo Alckmin 
Vice-Governador 
Guilherme Afif Domingos 
Secretário da Educação 
Herman Voorwald 
Secretária Adjunta 
Cleide Eid Bauab Bochixio 
Chefe de Gabinete 
Fernando Padula Novaes 
Coordenadora de Gestão da Educação Básica 
Maria Elizabete da Costa 
Diretor do Departamento de Desenvolvimento Curricular e de Gestão da Educação Básica 
João Freitas da Silva 
Diretora do Centro de Projetos Especiais 
Rosemary de Oliveira Louback 
Organização – Equipe Escolas Prioritárias 
Geni Delmiro Galdino Soares 
Isaque Mitsuo Kobayashi 
Joicy Fernandes Romano 
Régia Vidal dos Santos 
Selma Denise Gaspar 
Diagramação – Assistência Técnica da CGEB 
Carolina Bessa Ferreira de Oliveira
ESCOLAS PRIORITÁRIAS 
Página 3 de 15
ESCOLAS PRIORITÁRIAS 
Página 4 de 15 
Sumário 
Introdução ...................................................................................................... 5 
1. O Plano de Ação Participativo (PAP) ........................................................ 9 
2. A Avaliação da Aprendizagem em Processo (AAP) ....................................12 
3. Otimização de recursos e materiais didáticos ...........................................13 
Considerações finais ......................................................................................14 
Referências ....................................................................................................15
ESCOLAS PRIORITÁRIAS 
Página 5 de 15 
Introdução 
Considerando o compromisso de reduzir a desigualdade de desempenho educacional existente em Unidades Escolares que apresentam condições operacionais adversas e a necessidade de estabelecer mecanismos de apoio à gestão pedagógica nas escolas que se encontram no rol das Escolas Prioritárias a Secretaria de Estado da Educação, por meio da Resolução SE nº 03/2013, de 19/01/2013, cria a função de PCAGP – Professor Coordenador de Apoio à Gestão Pedagógica. 
O exercício desse profissional tem por objetivo auxiliar na organização escolar, sendo que sua atuação deve estar centrada no desenvolvimento do processo de ensino e aprendizagem e norteada pelo Currículo Oficial, ou seja, pautada na necessidade de reflexão e busca de soluções acerca dos procedimentos didático-pedagógicos que consideram as potencialidades dos alunos e o alcance de bons resultados relacionados à construção de conhecimentos e de valores. 
Cabe lembrar que a democratização dos processos de gestão escolar estabelecidos na Constituição Federal e na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN nº 9.394/96) acentua a necessidade de uma gestão pedagógica, nas Unidades Escolares, movida por ações e esforços protagonizados de forma conjunta e solidária por seus membros, no sentido de mobilizar conhecimentos, habilidades e atitudes com vistas à promoção de experiências educacionais positivas e promissoras na formação de seus alunos. 
Portanto, cabe aos gestores afinar suas ações com as Políticas educacionais e diretrizes desta Secretaria e ao Professor Coordenador de Apoio à Gestão Pedagógica desenvolver suas competências considerando as atribuições específicas:  coordenar a elaboração, o desenvolvimento, o acompanhamento e a avaliação da Proposta Pedagógica, juntamente com professores e demais gestores da Unidade Escolar, em consonância com os princípios de uma gestão democrática participativa e das disposições curriculares, bem como dos objetivos e metas a serem atingidos;
ESCOLAS PRIORITÁRIAS 
Página 6 de 15 
 promover a integração horizontal e vertical do currículo, assegurando conteúdos e formas de operacionalização articuladas para os dois segmentos do Ensino Fundamental e para o Ensino Médio;  atuar colaborativamente com o Professor Coordenador do segmento correspondente aos Anos Iniciais e/ou Finais do Ensino Fundamental e/ou do Ensino Médio, orientando, acompanhando e intervindo, se necessário, nas atividades desenvolvidas pela coordenação;  tornar as ações de coordenação pedagógica um espaço dialógico e colaborativo de práticas gestoras e docentes, que assegurem: a) a participação proativa de todos os professores, nas horas de trabalho pedagógico coletivo, promovendo situações de orientação sobre práticas docentes, de acompanhamento e avaliação das propostas de trabalho programadas; b) a vivência de situações de ensino, de aprendizagem e de avaliação ajustadas aos conteúdos e às necessidades e possibilidades metodológicas utilizadas pelos professores; c) a otimização do uso de materiais didáticos, previamente selecionados e organizados, adequados às diferentes situações de ensino e de aprendizagem dos alunos; d) a divulgação e o intercâmbio de práticas docentes bem sucedidas e que façam uso de recursos tecnológicos e pedagógicos disponibilizados nas escolas; e) a participação, juntamente com os demais Professores Coordenadores e com os professores, na elaboração de atividades de recuperação, capazes de promover progressivos avanços de aprendizagem.
ESCOLAS PRIORITÁRIAS 
Página 7 de 15 
Para compreender melhor as atribuições inerentes à função do PCAGP, vale ressaltar algumas ações a serem desencadeadas:  Assegurar, e organizar de forma sistemática, espaços de reflexão sobre as questões pedagógicas com proposições coletivas para a elaboração /revisão da Proposta Pedagógica;  Verificar coerência entre a Proposta Pedagógica, o Plano de Ação Participativo (PAP) e o Plano de Gestão;  Analisar se as ações elencadas nos documentos estão sendo desenvolvidas e se estão de acordo com as necessidades da escola de forma a maximizar resultados positivos, ou necessitam de revisão;  Assegurar o diálogo entre as disciplinas do mesmo segmento e de segmentos diferentes (Ensino Fundamental e Ensino Médio);  Trabalhar em prol de um entendimento mais amplo de currículo escolar, bem como da concepção que o embasa;  Fortalecer os momentos de reflexão coletiva sobre o Currículo oficial, Proposta Pedagógica e Plano de Ação Participativo;  Fortalecer a concepção de Educação inclusiva na escola;  Proceder à análise qualitativa dos dados das avaliações internas e externas com vistas à organização de ações articuladas para a melhoria do processo de ensino e da aprendizagem e aperfeiçoamento das práticas, em especial com os resultados da Avaliação da Aprendizagem em Processo (AAP) e seus comentários e recomendações pedagógicas;  Estimular a participação proativa de todos os professores, nas atividades de Trabalho Pedagógico Coletivo, fortalecendo espaços formativos, promovendo situações de orientação sobre práticas pedagógicas, de acompanhamento e avaliação das propostas de trabalho programadas;
ESCOLAS PRIORITÁRIAS 
Página 8 de 15 
 Propor o uso de recursos e materiais didáticos adequados às diferentes situações de ensino e de aprendizagem dos alunos;  Acompanhar as atividades de recuperação e a articulação entre os professores coordenadores e professores, com vista a promover os progressivos avanços de aprendizagem. 
Para que as ações sejam desempenhadas com qualidade e determinem o alcance de bons resultados faz-se necessária a mobilização dos talentos, no sentido de garantir que a dinamicidade da realidade não seja um impeditivo para a projeção e organização de uma rotina escolar, assim como, assegurar que a responsabilidade por “fazer o melhor, em caráter transformador” seja compartilhada por todos. 
Para tanto, o Plano de Ação Participativo (PAP) tem se mostrado uma importante ferramenta ao envolver a equipe gestora da Escola, em conjunto com a comunidade escolar, na análise e identificação de problemas críticos e na proposição de ações dentro de sua governabilidade para superá-los.
ESCOLAS PRIORITÁRIAS 
Página 9 de 15 
1. O Plano de Ação Participativo (PAP) 
O PAP é uma ferramenta de planejamento estratégico, construída para todas as escolas, sobretudo para as escolas prioritárias, de forma a conferir a organização e celeridade necessária ao cumprimento das metas previstas no Programa Educação Compromisso – São Paulo, conforme previsto em seu Pilar 2 - Aprimorar as ações e a gestão pedagógica da Rede com foco no resultado dos alunos. Além desse principal objetivo, o PAP tem contribuído também para: 
 Mobilizar e aproximar a comunidade escolar do dia a dia da Escola, aumentando sua participação; 
 Proporcionar a revisita à Proposta Pedagógica da Escola, por parte dos gestores e professores, norteando o trabalho educacional; 
 Identificar problemas, formular ações e acompanhar sua execução. 
Com o envolvimento da equipe escolar, o PAP poderá contribuir para a concretização das mudanças diagnosticadas como necessárias pela própria Escola. 
Essa é uma tarefa a ser desempenhada pelo PCAGP, que deve contar com estreito apoio da Direção da Escola e da Supervisão de Ensino. 
Sem pretender abordar todas as possibilidades de acompanhamento do PAP, ressalta-se atenção e reflexão por parte do PCAGP, sobre três focos básicos: 
1. O PAP no dia a dia da Escola; 
2. Execução das ações planejadas no PAP; 
3. Mudanças na realidade escolar: avaliação dos resultados desejados e das metas estabelecidas.
ESCOLAS PRIORITÁRIAS 
Página 10 de 15 
Cabe ressaltar, que um bom Plano de Ação é flexível e está sujeito a modificações, assim, os aspectos contemplados podem ser alterados a qualquer tempo e devem ser fruto de reflexão e decisão do coletivo da Escola. Portanto, o replanejamento do PAP deverá ser o momento de engajar segmentos da comunidade escolar, os quais podem trazer novas contribuições e ideias importantes para a solução de problemas específicos. 
Além disso, o replanejamento do PAP é também uma oportunidade para acompanhar se as metas propostas e seus respectivos prazos são alcançáveis e relevantes, bem como se as ações estão atacando as causas dos problemas identificados. Caso perceba-se que o responsável pela ação não consegue viabilizá-la, por qualquer razão que seja, surge uma boa oportunidade para que se promova um diálogo voltado a pôr em prática a ação identificada como necessária pela própria comunidade. 
A forte mobilização da comunidade escolar para a elaboração e execução do PAP contribui para aumentar o vínculo e o sentimento de pertencimento à Escola por pais, mães, alunos, professores e funcionários. A comunidade sentirá a Escola como sendo sua na medida em que participa do diagnóstico de seus problemas e também seja corresponsabilizada pela manutenção dos espaços, pela disciplina interna, pelo desempenho de cada aluno, entre outros. 
Este reconhecimento da Escola pela comunidade, obtido por meio da participação, é essencial para a mitigação de eventuais conflitos e passo certeiro para a melhoria da qualidade de ensino. 
A forma como se dá a elaboração do PAP, assim como o seu replanejamento, impacta suas etapas posteriores. O PAP pode ser um instrumento interessante para incluir os diversos segmentos da Escola nos processos de reflexão, de diagnóstico, de identificação e priorização de problemas, de formulação de indicadores relevantes, de estabelecimento de metas bem qualificadas e, especialmente, de elaboração de ações eficientes na superação de seus problemas. Incluir a comunidade escolar na execução daquilo que foi planejado também é um caminho para aumentar sua participação em todas as etapas.
ESCOLAS PRIORITÁRIAS 
Página 11 de 15 
O PCAGP tem papel fundamental nessa ação, deve realizar intervenções necessárias e oferecer apoio à implementação das ações que a Escola elencou como prioridades e incrementar a qualidade e a eficácia do trabalho com vistas aos resultados desejados e às metas estabelecidas. Nesse sentido, deverá o PCAGP promover, em conjunto com a equipe gestora da Escola, a análise qualitativa dos dados das avaliações internas e externas com vistas à organização de ações articuladas para a melhoria do ensino e da aprendizagem e aperfeiçoamento das práticas.
ESCOLAS PRIORITÁRIAS 
Página 12 de 15 
2. A Avaliação da Aprendizagem em Processo (AAP) A Avaliação da Aprendizagem em Processo - AAP é instrumento orientador do trabalho de recuperação da aprendizagem, visa proporcionar intervenções mais rápidas e pontuais, a tempo de melhorar o aprendizado do aluno no mesmo semestre letivo. É um recurso avaliador que garante o acompanhamento multidisciplinar por todos os professores, de forma permanente e individualizada, assegurando a reorientação didática e metodológica às reais necessidades de aprendizagem dos alunos. Cabe ao PCAGP viabilizar a utilização dos resultados da Avaliação da Aprendizagem em Processo (AAP) e seus comentários e recomendações pedagógicas, com todos os professores da escola. Com base nos resultados do Sistema de Avaliação do Rendimento Escolar do Estado de São Paulo (SARESP), os educadores passam a contar com informações sobre as dificuldades apresentadas pelos alunos e podem buscar melhores estratégias de ensino. A partir desses resultados as equipes das escolas devem aprimorar seus projetos pedagógicos e refletir acerca dos caminhos para enfrentar os problemas identificados nas avaliações, com o objetivo de aprimorar a aprendizagem dos alunos. 
Cabe também ao PCAGP apoiar os gestores e a Escola a priorizar focos problemáticos e suas respectivas ações, identificando conjuntamente as atividades que terão maior impacto positivo no processo de ensino e aprendizagem. 
Os Supervisores de Ensino e os Professores Coordenadores do Núcleo Pedagógico deverão apoiar os gestores e a Escola quanto a reflexão e ação relacionada aos focos problemáticos, identificando, orientando e monitorando conjuntamente as atividades de forma a maximizar o impacto positivo no processo de ensino e aprendizagem pela adoção da óptica proativa. 
Para isso, sugere-se como ferramenta a Matriz GUT, sigla utilizada para resumir as palavras Gravidade, Urgência e Tendência – clique aqui para acessar o “Roteiro de acompanhamento do PAP para a Supervisão de Ensino”.
ESCOLAS PRIORITÁRIAS 
Página 13 de 15 
3. Otimização de recursos e materiais didáticos Com relação à otimização do uso de recursos e de materiais didáticos adequados às diferentes situações de ensino e de aprendizagem dos alunos, destacamos a importância da adesão, por parte das Escolas Prioritárias, aos Programas e Projetos da SEE/SP, que preveem recursos a serem empregados na melhoria da qualidade de ensino. Caberá à Unidade Escolar utilizar esses recursos, a fim de superar os entraves e alcançar melhores resultados, identificando e organizando propostas pedagógicas contemporâneas voltadas ao aprimoramento do processo de ensino e aprendizagem e que estejam em consonância com a sua realidade. A atividade de acompanhamento pedagógico, a ser executada pelo PCAGP, é de fundamental importância por ter o objetivo de garantir a implementação de Programas e Projetos de intervenção, como apoio às escolas consideradas prioritárias.
ESCOLAS PRIORITÁRIAS 
Página 14 de 15 
Considerações finais 
Tendo em vista a reorganização da Secretaria da Educação proposta pelo Decreto nº 57.141/2011, as Diretorias de Ensino passaram a ter um papel fundamental na descentralização das ações da Pasta. 
Com isto, solicita-se que as Diretorias de Ensino contemplem em seus Planos de Formação Continuada ações específicas de formação continuada voltadas ao PCAGP. Essas ações formativas e de acompanhamento devem contemplar o processo crítico- reflexivo que poderá ajudar na construção e na ressignificação dos processos identitários e profissionais desses educadores. 
Neste contexto, a CGEB está construindo indicadores para avaliar a função do PCAGP e seu impacto na melhoria dos resultados de desempenho dos alunos. 
Os desafios são crescentes, fazendo-se necessária uma atuação criativa e efetiva, no sentido de promover processos de organização, coordenação e mobilização com perspectivas promissoras de transformação das instituições e das práticas educacionais. Nessa tarefa, temos contado com o compromisso de todos com o que há de mais importante no espaço escolar: nossos alunos. E a cada dia nos unimos na busca de novas soluções. 
Mais do que nosso dever de educadores, é preciso garantir o direito de sucesso aos nossos alunos, não só no processo de alfabetização e letramento, mas também na oferta de melhor ensino e mais aprendizagem nos Anos Finais do Ensino Fundamental e no Ensino Médio, para que a formação para o exercício pleno da cidadania seja realidade.
ESCOLAS PRIORITÁRIAS 
Página 15 de 15 
Referências 
GROCHOSKA, Márcia Andréia. A auto-avaliação institucional como estratégia de gestão da escola de educação básica. Disponível em: http://www.rededosaber.sp.gov.br/portais/Portals/84/docs/artigo_autoavaliacao_1.pdf. Acesso em abril de 2014. SÃO PAULO. Governo do Estado: Secretaria da Educação. Introdução ao Plano de Ação Participativo. 2012. Disponível em: http://www.rededosaber.sp.gov.br/portais/Portals/84/docs/0_INTRODUCAO_PAP_2012. pdf . Acesso em abril de 2014. _________. Plano de Ação Participativo para as Escolas 2012: Fundamentação Teórica. Disponível em: http://www.rededosaber.sp.gov.br/portais/Portals/84/docs/PAP_OT_Fundamentacao_Teorica.pdf. Acesso em abril de 2014. _________. Roteiro de Acompanhamento do PAP para a Supervisão de Ensino. 2012. Disponível em: http://www.rededosaber.sp.gov.br/portais/Portals/84/docs/PAP_Roteiro_Acompanhamento_Supervisor_20120724.pdf. Acesso em abril de 2014. _________. Tutorial do Plano de Ação Participativo para as escolas 2012: volume 2 – apoio ao diagnóstico e à formulação de ações. Disponível em: http://www.rededosaber.sp.gov.br/portais/Portals/84/docs/pap_volume_2.pdf. Acesso em abril de 2014. _________. Documento Orientador CGEB nº 02 de 2014: Plano de Ação Escolas Prioritárias 2014. Disponível na “Biblioteca” da CGEB em: http://www.intranet.educacao.sp.gov.br. Acesso em abril de 2014.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Plano de Ação Pedagogo
Plano de Ação PedagogoPlano de Ação Pedagogo
Plano de Ação PedagogoCÉSAR TAVARES
 
Manual de orientação técnico pedagógica
Manual de orientação técnico pedagógicaManual de orientação técnico pedagógica
Manual de orientação técnico pedagógicasemecti
 
C:\Documents And Settings\Genyjl\Desktop\Proposta SupervisãO Escolar
C:\Documents And Settings\Genyjl\Desktop\Proposta SupervisãO EscolarC:\Documents And Settings\Genyjl\Desktop\Proposta SupervisãO Escolar
C:\Documents And Settings\Genyjl\Desktop\Proposta SupervisãO EscolarJúlio César Rocha
 
O papel do Coordenador Pedagógico na formação continuada dos professores em s...
O papel do Coordenador Pedagógico na formação continuada dos professores em s...O papel do Coordenador Pedagógico na formação continuada dos professores em s...
O papel do Coordenador Pedagógico na formação continuada dos professores em s...Portal QEdu
 
Plano Anual de Ação da Orientação Escolar
Plano Anual de Ação da Orientação Escolar Plano Anual de Ação da Orientação Escolar
Plano Anual de Ação da Orientação Escolar LOCIMAR MASSALAI
 
Angela proposta coordenação 2012
Angela proposta coordenação 2012Angela proposta coordenação 2012
Angela proposta coordenação 2012Angela Silva
 
Edleide e jô plano de ação (direção) cosma ramos - marcolândia pi
Edleide e jô plano de ação  (direção) cosma ramos - marcolândia piEdleide e jô plano de ação  (direção) cosma ramos - marcolândia pi
Edleide e jô plano de ação (direção) cosma ramos - marcolândia piMauricioCosta1
 
Plano de-ac3a7c3a3o-modelo-01
Plano de-ac3a7c3a3o-modelo-01Plano de-ac3a7c3a3o-modelo-01
Plano de-ac3a7c3a3o-modelo-01Eveline Sol
 
Os desafios do coordenador pedagógico
Os desafios do coordenador pedagógicoOs desafios do coordenador pedagógico
Os desafios do coordenador pedagógicoLuciene Chagas
 
Quadros atribuicoes-regiao-coordenador-pedagogico[1]
Quadros atribuicoes-regiao-coordenador-pedagogico[1]Quadros atribuicoes-regiao-coordenador-pedagogico[1]
Quadros atribuicoes-regiao-coordenador-pedagogico[1]Sme Otacílio Costa
 
Plano de Ação Pedagogo
Plano de Ação PedagogoPlano de Ação Pedagogo
Plano de Ação PedagogoCÉSAR TAVARES
 
Atualizado formação continuada dos gestores na educação infantil
Atualizado  formação continuada dos gestores na educação infantilAtualizado  formação continuada dos gestores na educação infantil
Atualizado formação continuada dos gestores na educação infantilUAB -Polo de Primavera do Leste
 
Material para capacitação suportes pedagógicos 2011
Material para capacitação suportes pedagógicos 2011Material para capacitação suportes pedagógicos 2011
Material para capacitação suportes pedagógicos 2011Sme Otacílio Costa
 
Plano de ação coordenação pedagógica 2013 ec10
Plano de ação coordenação pedagógica 2013 ec10Plano de ação coordenação pedagógica 2013 ec10
Plano de ação coordenação pedagógica 2013 ec10QUEDMA SILVA
 
PPP EC10 2018 publicado
PPP EC10 2018  publicadoPPP EC10 2018  publicado
PPP EC10 2018 publicadoQUEDMA SILVA
 
Plano de ação omc escolar
Plano de ação omc escolarPlano de ação omc escolar
Plano de ação omc escolarCÉSAR TAVARES
 
Coordenador Pedagógico
Coordenador PedagógicoCoordenador Pedagógico
Coordenador PedagógicoNailson Rocha
 
Janete projeto do coordenador
Janete projeto do coordenadorJanete projeto do coordenador
Janete projeto do coordenadorNethy Marques
 

Mais procurados (20)

Plano de Ação Pedagogo
Plano de Ação PedagogoPlano de Ação Pedagogo
Plano de Ação Pedagogo
 
Manual de orientação técnico pedagógica
Manual de orientação técnico pedagógicaManual de orientação técnico pedagógica
Manual de orientação técnico pedagógica
 
C:\Documents And Settings\Genyjl\Desktop\Proposta SupervisãO Escolar
C:\Documents And Settings\Genyjl\Desktop\Proposta SupervisãO EscolarC:\Documents And Settings\Genyjl\Desktop\Proposta SupervisãO Escolar
C:\Documents And Settings\Genyjl\Desktop\Proposta SupervisãO Escolar
 
Plano do coordenador
Plano do coordenadorPlano do coordenador
Plano do coordenador
 
O papel do Coordenador Pedagógico na formação continuada dos professores em s...
O papel do Coordenador Pedagógico na formação continuada dos professores em s...O papel do Coordenador Pedagógico na formação continuada dos professores em s...
O papel do Coordenador Pedagógico na formação continuada dos professores em s...
 
Plano Anual de Ação da Orientação Escolar
Plano Anual de Ação da Orientação Escolar Plano Anual de Ação da Orientação Escolar
Plano Anual de Ação da Orientação Escolar
 
Angela proposta coordenação 2012
Angela proposta coordenação 2012Angela proposta coordenação 2012
Angela proposta coordenação 2012
 
Edleide e jô plano de ação (direção) cosma ramos - marcolândia pi
Edleide e jô plano de ação  (direção) cosma ramos - marcolândia piEdleide e jô plano de ação  (direção) cosma ramos - marcolândia pi
Edleide e jô plano de ação (direção) cosma ramos - marcolândia pi
 
Plano de-ac3a7c3a3o-modelo-01
Plano de-ac3a7c3a3o-modelo-01Plano de-ac3a7c3a3o-modelo-01
Plano de-ac3a7c3a3o-modelo-01
 
Os desafios do coordenador pedagógico
Os desafios do coordenador pedagógicoOs desafios do coordenador pedagógico
Os desafios do coordenador pedagógico
 
Quadros atribuicoes-regiao-coordenador-pedagogico[1]
Quadros atribuicoes-regiao-coordenador-pedagogico[1]Quadros atribuicoes-regiao-coordenador-pedagogico[1]
Quadros atribuicoes-regiao-coordenador-pedagogico[1]
 
Plano de gestão CHAPA 1
Plano de gestão CHAPA 1Plano de gestão CHAPA 1
Plano de gestão CHAPA 1
 
Plano de Ação Pedagogo
Plano de Ação PedagogoPlano de Ação Pedagogo
Plano de Ação Pedagogo
 
Atualizado formação continuada dos gestores na educação infantil
Atualizado  formação continuada dos gestores na educação infantilAtualizado  formação continuada dos gestores na educação infantil
Atualizado formação continuada dos gestores na educação infantil
 
Material para capacitação suportes pedagógicos 2011
Material para capacitação suportes pedagógicos 2011Material para capacitação suportes pedagógicos 2011
Material para capacitação suportes pedagógicos 2011
 
Plano de ação coordenação pedagógica 2013 ec10
Plano de ação coordenação pedagógica 2013 ec10Plano de ação coordenação pedagógica 2013 ec10
Plano de ação coordenação pedagógica 2013 ec10
 
PPP EC10 2018 publicado
PPP EC10 2018  publicadoPPP EC10 2018  publicado
PPP EC10 2018 publicado
 
Plano de ação omc escolar
Plano de ação omc escolarPlano de ação omc escolar
Plano de ação omc escolar
 
Coordenador Pedagógico
Coordenador PedagógicoCoordenador Pedagógico
Coordenador Pedagógico
 
Janete projeto do coordenador
Janete projeto do coordenadorJanete projeto do coordenador
Janete projeto do coordenador
 

Semelhante a Escolas prioritárias orientações apoio gestão

PLANO_DE_CURSO_2022_ANOS_FINAIS.pdf
PLANO_DE_CURSO_2022_ANOS_FINAIS.pdfPLANO_DE_CURSO_2022_ANOS_FINAIS.pdf
PLANO_DE_CURSO_2022_ANOS_FINAIS.pdfAntonio Burnat
 
Gestão escolar i papel do pcp
Gestão escolar i   papel do pcpGestão escolar i   papel do pcp
Gestão escolar i papel do pcpValdir Almeida
 
Orientações matemática para planejamento escolar de Matemática
Orientações matemática para planejamento escolar de MatemáticaOrientações matemática para planejamento escolar de Matemática
Orientações matemática para planejamento escolar de MatemáticaSEDUC-TO
 
PROJETO INTERDISCIPLINAR SOBRE GESTÃO DEMOCRÁTICA
PROJETO INTERDISCIPLINAR SOBRE GESTÃO DEMOCRÁTICAPROJETO INTERDISCIPLINAR SOBRE GESTÃO DEMOCRÁTICA
PROJETO INTERDISCIPLINAR SOBRE GESTÃO DEMOCRÁTICALidia Carvalho
 
83539926 proposta-coordenacao
83539926 proposta-coordenacao83539926 proposta-coordenacao
83539926 proposta-coordenacaoEduardo Lopes
 
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015jeffcezanne
 
Plano Anual de Ação da Direção Escolar
Plano Anual de Ação da Direção Escolar Plano Anual de Ação da Direção Escolar
Plano Anual de Ação da Direção Escolar LOCIMAR MASSALAI
 
PROFESSORES INICIANTES E EXPERIENTES E APRENDIZAGENS DA DOCÊNCIA NUM GRUPO CO...
PROFESSORES INICIANTES E EXPERIENTES E APRENDIZAGENS DA DOCÊNCIA NUM GRUPO CO...PROFESSORES INICIANTES E EXPERIENTES E APRENDIZAGENS DA DOCÊNCIA NUM GRUPO CO...
PROFESSORES INICIANTES E EXPERIENTES E APRENDIZAGENS DA DOCÊNCIA NUM GRUPO CO...ProfessorPrincipiante
 
Documento Orientador 2022 AI.pdf
Documento Orientador 2022 AI.pdfDocumento Orientador 2022 AI.pdf
Documento Orientador 2022 AI.pdfRenata Duarte
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 

Semelhante a Escolas prioritárias orientações apoio gestão (20)

Documento orientador planejamento
Documento orientador planejamentoDocumento orientador planejamento
Documento orientador planejamento
 
PLANO_DE_CURSO_2022_ANOS_FINAIS.pdf
PLANO_DE_CURSO_2022_ANOS_FINAIS.pdfPLANO_DE_CURSO_2022_ANOS_FINAIS.pdf
PLANO_DE_CURSO_2022_ANOS_FINAIS.pdf
 
64470 olimpio camargo prof 2014630 (1)
64470 olimpio camargo prof 2014630 (1)64470 olimpio camargo prof 2014630 (1)
64470 olimpio camargo prof 2014630 (1)
 
Caderno5
Caderno5Caderno5
Caderno5
 
Supervisor Escolar
Supervisor EscolarSupervisor Escolar
Supervisor Escolar
 
Gestão escolar i papel do pcp
Gestão escolar i   papel do pcpGestão escolar i   papel do pcp
Gestão escolar i papel do pcp
 
Orientações matemática para planejamento escolar de Matemática
Orientações matemática para planejamento escolar de MatemáticaOrientações matemática para planejamento escolar de Matemática
Orientações matemática para planejamento escolar de Matemática
 
Pap1
Pap1Pap1
Pap1
 
PROJETO INTERDISCIPLINAR SOBRE GESTÃO DEMOCRÁTICA
PROJETO INTERDISCIPLINAR SOBRE GESTÃO DEMOCRÁTICAPROJETO INTERDISCIPLINAR SOBRE GESTÃO DEMOCRÁTICA
PROJETO INTERDISCIPLINAR SOBRE GESTÃO DEMOCRÁTICA
 
PlanodeacaodoCoordenador.pdf
PlanodeacaodoCoordenador.pdfPlanodeacaodoCoordenador.pdf
PlanodeacaodoCoordenador.pdf
 
83539926 proposta-coordenacao
83539926 proposta-coordenacao83539926 proposta-coordenacao
83539926 proposta-coordenacao
 
20 pea-2013-2016
20 pea-2013-201620 pea-2013-2016
20 pea-2013-2016
 
O conceito de gestão escolar
O conceito de gestão escolarO conceito de gestão escolar
O conceito de gestão escolar
 
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
 
Formador de formadores
Formador de formadoresFormador de formadores
Formador de formadores
 
Formador de formadores
Formador de formadoresFormador de formadores
Formador de formadores
 
Plano Anual de Ação da Direção Escolar
Plano Anual de Ação da Direção Escolar Plano Anual de Ação da Direção Escolar
Plano Anual de Ação da Direção Escolar
 
PROFESSORES INICIANTES E EXPERIENTES E APRENDIZAGENS DA DOCÊNCIA NUM GRUPO CO...
PROFESSORES INICIANTES E EXPERIENTES E APRENDIZAGENS DA DOCÊNCIA NUM GRUPO CO...PROFESSORES INICIANTES E EXPERIENTES E APRENDIZAGENS DA DOCÊNCIA NUM GRUPO CO...
PROFESSORES INICIANTES E EXPERIENTES E APRENDIZAGENS DA DOCÊNCIA NUM GRUPO CO...
 
Documento Orientador 2022 AI.pdf
Documento Orientador 2022 AI.pdfDocumento Orientador 2022 AI.pdf
Documento Orientador 2022 AI.pdf
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 

Mais de Wilson Barbieri

MMR - MÉTODO DE MELHORIA DE RESULTADOS
MMR - MÉTODO DE MELHORIA DE RESULTADOSMMR - MÉTODO DE MELHORIA DE RESULTADOS
MMR - MÉTODO DE MELHORIA DE RESULTADOSWilson Barbieri
 
MMR - MÉTODO DE MELHORIA DE RESULTADOS
MMR - MÉTODO DE MELHORIA DE RESULTADOSMMR - MÉTODO DE MELHORIA DE RESULTADOS
MMR - MÉTODO DE MELHORIA DE RESULTADOSWilson Barbieri
 
Informativo abril edição 1
Informativo abril edição 1Informativo abril edição 1
Informativo abril edição 1Wilson Barbieri
 
Informativo 8 e 9 de dezembro de 2018
Informativo 8 e 9 de dezembro de 2018Informativo 8 e 9 de dezembro de 2018
Informativo 8 e 9 de dezembro de 2018Wilson Barbieri
 
Informativo 15 e 16 de dezembro de 2018
Informativo 15 e 16 de dezembro de 2018Informativo 15 e 16 de dezembro de 2018
Informativo 15 e 16 de dezembro de 2018Wilson Barbieri
 
Informativo 01 e 02 de dezembro de 2018
Informativo 01 e 02 de dezembro de 2018Informativo 01 e 02 de dezembro de 2018
Informativo 01 e 02 de dezembro de 2018Wilson Barbieri
 
Aconteceu na escola maio 2018
Aconteceu na escola maio 2018Aconteceu na escola maio 2018
Aconteceu na escola maio 2018Wilson Barbieri
 
Informativo 24 e 25 de novembro 2018
Informativo 24 e 25 de novembro 2018Informativo 24 e 25 de novembro 2018
Informativo 24 e 25 de novembro 2018Wilson Barbieri
 
Informativo 17 e 18 de novembro de 2018
Informativo 17 e 18 de novembro de 2018Informativo 17 e 18 de novembro de 2018
Informativo 17 e 18 de novembro de 2018Wilson Barbieri
 
Informativo 10 e 11 de novembro de 2018
Informativo 10 e 11 de novembro de 2018Informativo 10 e 11 de novembro de 2018
Informativo 10 e 11 de novembro de 2018Wilson Barbieri
 
Informativo 13 e 14 de outubro
Informativo 13 e 14 de outubroInformativo 13 e 14 de outubro
Informativo 13 e 14 de outubroWilson Barbieri
 
Informativo 20 e 21 de outubro de 2018
Informativo 20 e 21 de outubro de 2018Informativo 20 e 21 de outubro de 2018
Informativo 20 e 21 de outubro de 2018Wilson Barbieri
 
Informativo 29 e 30 de setembro 2018
Informativo 29 e 30 de setembro 2018Informativo 29 e 30 de setembro 2018
Informativo 29 e 30 de setembro 2018Wilson Barbieri
 
Informativo 15 e 16 de setembro 2018
Informativo 15 e 16 de setembro 2018Informativo 15 e 16 de setembro 2018
Informativo 15 e 16 de setembro 2018Wilson Barbieri
 
Informativo 22 e 23 de setembro 2018
Informativo 22 e 23 de setembro 2018Informativo 22 e 23 de setembro 2018
Informativo 22 e 23 de setembro 2018Wilson Barbieri
 
Informativo 08 e 09 de setembro de 2018
Informativo 08 e 09 de setembro de 2018Informativo 08 e 09 de setembro de 2018
Informativo 08 e 09 de setembro de 2018Wilson Barbieri
 

Mais de Wilson Barbieri (20)

grandezas2.ppsx
grandezas2.ppsxgrandezas2.ppsx
grandezas2.ppsx
 
3ª REUNIÃO MMR 2020
3ª REUNIÃO MMR 20203ª REUNIÃO MMR 2020
3ª REUNIÃO MMR 2020
 
Mmr reuniao 2
Mmr reuniao 2 Mmr reuniao 2
Mmr reuniao 2
 
MMR - MÉTODO DE MELHORIA DE RESULTADOS
MMR - MÉTODO DE MELHORIA DE RESULTADOSMMR - MÉTODO DE MELHORIA DE RESULTADOS
MMR - MÉTODO DE MELHORIA DE RESULTADOS
 
MMR - MÉTODO DE MELHORIA DE RESULTADOS
MMR - MÉTODO DE MELHORIA DE RESULTADOSMMR - MÉTODO DE MELHORIA DE RESULTADOS
MMR - MÉTODO DE MELHORIA DE RESULTADOS
 
Informativo abril edição 1
Informativo abril edição 1Informativo abril edição 1
Informativo abril edição 1
 
Portfolio 2018
Portfolio 2018 Portfolio 2018
Portfolio 2018
 
Informativo 8 e 9 de dezembro de 2018
Informativo 8 e 9 de dezembro de 2018Informativo 8 e 9 de dezembro de 2018
Informativo 8 e 9 de dezembro de 2018
 
Informativo 15 e 16 de dezembro de 2018
Informativo 15 e 16 de dezembro de 2018Informativo 15 e 16 de dezembro de 2018
Informativo 15 e 16 de dezembro de 2018
 
Informativo 01 e 02 de dezembro de 2018
Informativo 01 e 02 de dezembro de 2018Informativo 01 e 02 de dezembro de 2018
Informativo 01 e 02 de dezembro de 2018
 
Aconteceu na escola maio 2018
Aconteceu na escola maio 2018Aconteceu na escola maio 2018
Aconteceu na escola maio 2018
 
Informativo 24 e 25 de novembro 2018
Informativo 24 e 25 de novembro 2018Informativo 24 e 25 de novembro 2018
Informativo 24 e 25 de novembro 2018
 
Informativo 17 e 18 de novembro de 2018
Informativo 17 e 18 de novembro de 2018Informativo 17 e 18 de novembro de 2018
Informativo 17 e 18 de novembro de 2018
 
Informativo 10 e 11 de novembro de 2018
Informativo 10 e 11 de novembro de 2018Informativo 10 e 11 de novembro de 2018
Informativo 10 e 11 de novembro de 2018
 
Informativo 13 e 14 de outubro
Informativo 13 e 14 de outubroInformativo 13 e 14 de outubro
Informativo 13 e 14 de outubro
 
Informativo 20 e 21 de outubro de 2018
Informativo 20 e 21 de outubro de 2018Informativo 20 e 21 de outubro de 2018
Informativo 20 e 21 de outubro de 2018
 
Informativo 29 e 30 de setembro 2018
Informativo 29 e 30 de setembro 2018Informativo 29 e 30 de setembro 2018
Informativo 29 e 30 de setembro 2018
 
Informativo 15 e 16 de setembro 2018
Informativo 15 e 16 de setembro 2018Informativo 15 e 16 de setembro 2018
Informativo 15 e 16 de setembro 2018
 
Informativo 22 e 23 de setembro 2018
Informativo 22 e 23 de setembro 2018Informativo 22 e 23 de setembro 2018
Informativo 22 e 23 de setembro 2018
 
Informativo 08 e 09 de setembro de 2018
Informativo 08 e 09 de setembro de 2018Informativo 08 e 09 de setembro de 2018
Informativo 08 e 09 de setembro de 2018
 

Último

trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 

Último (20)

trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 

Escolas prioritárias orientações apoio gestão

  • 1. ESCOLAS PRIORITÁRIAS Página 1 de 15 O PROFESSOR COORDENADOR DE APOIO À GESTÃO PEDAGÓGICA (PCAGP) ORIENTAÇÕES SÃO PAULO MAIO DE 2014 DOCUMENTO ORIENTADOR CGEB Nº 05 DE 2014 COORDENADORIA DE GESTÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA
  • 2. ESCOLAS PRIORITÁRIAS Página 2 de 15 Governador Geraldo Alckmin Vice-Governador Guilherme Afif Domingos Secretário da Educação Herman Voorwald Secretária Adjunta Cleide Eid Bauab Bochixio Chefe de Gabinete Fernando Padula Novaes Coordenadora de Gestão da Educação Básica Maria Elizabete da Costa Diretor do Departamento de Desenvolvimento Curricular e de Gestão da Educação Básica João Freitas da Silva Diretora do Centro de Projetos Especiais Rosemary de Oliveira Louback Organização – Equipe Escolas Prioritárias Geni Delmiro Galdino Soares Isaque Mitsuo Kobayashi Joicy Fernandes Romano Régia Vidal dos Santos Selma Denise Gaspar Diagramação – Assistência Técnica da CGEB Carolina Bessa Ferreira de Oliveira
  • 4. ESCOLAS PRIORITÁRIAS Página 4 de 15 Sumário Introdução ...................................................................................................... 5 1. O Plano de Ação Participativo (PAP) ........................................................ 9 2. A Avaliação da Aprendizagem em Processo (AAP) ....................................12 3. Otimização de recursos e materiais didáticos ...........................................13 Considerações finais ......................................................................................14 Referências ....................................................................................................15
  • 5. ESCOLAS PRIORITÁRIAS Página 5 de 15 Introdução Considerando o compromisso de reduzir a desigualdade de desempenho educacional existente em Unidades Escolares que apresentam condições operacionais adversas e a necessidade de estabelecer mecanismos de apoio à gestão pedagógica nas escolas que se encontram no rol das Escolas Prioritárias a Secretaria de Estado da Educação, por meio da Resolução SE nº 03/2013, de 19/01/2013, cria a função de PCAGP – Professor Coordenador de Apoio à Gestão Pedagógica. O exercício desse profissional tem por objetivo auxiliar na organização escolar, sendo que sua atuação deve estar centrada no desenvolvimento do processo de ensino e aprendizagem e norteada pelo Currículo Oficial, ou seja, pautada na necessidade de reflexão e busca de soluções acerca dos procedimentos didático-pedagógicos que consideram as potencialidades dos alunos e o alcance de bons resultados relacionados à construção de conhecimentos e de valores. Cabe lembrar que a democratização dos processos de gestão escolar estabelecidos na Constituição Federal e na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN nº 9.394/96) acentua a necessidade de uma gestão pedagógica, nas Unidades Escolares, movida por ações e esforços protagonizados de forma conjunta e solidária por seus membros, no sentido de mobilizar conhecimentos, habilidades e atitudes com vistas à promoção de experiências educacionais positivas e promissoras na formação de seus alunos. Portanto, cabe aos gestores afinar suas ações com as Políticas educacionais e diretrizes desta Secretaria e ao Professor Coordenador de Apoio à Gestão Pedagógica desenvolver suas competências considerando as atribuições específicas:  coordenar a elaboração, o desenvolvimento, o acompanhamento e a avaliação da Proposta Pedagógica, juntamente com professores e demais gestores da Unidade Escolar, em consonância com os princípios de uma gestão democrática participativa e das disposições curriculares, bem como dos objetivos e metas a serem atingidos;
  • 6. ESCOLAS PRIORITÁRIAS Página 6 de 15  promover a integração horizontal e vertical do currículo, assegurando conteúdos e formas de operacionalização articuladas para os dois segmentos do Ensino Fundamental e para o Ensino Médio;  atuar colaborativamente com o Professor Coordenador do segmento correspondente aos Anos Iniciais e/ou Finais do Ensino Fundamental e/ou do Ensino Médio, orientando, acompanhando e intervindo, se necessário, nas atividades desenvolvidas pela coordenação;  tornar as ações de coordenação pedagógica um espaço dialógico e colaborativo de práticas gestoras e docentes, que assegurem: a) a participação proativa de todos os professores, nas horas de trabalho pedagógico coletivo, promovendo situações de orientação sobre práticas docentes, de acompanhamento e avaliação das propostas de trabalho programadas; b) a vivência de situações de ensino, de aprendizagem e de avaliação ajustadas aos conteúdos e às necessidades e possibilidades metodológicas utilizadas pelos professores; c) a otimização do uso de materiais didáticos, previamente selecionados e organizados, adequados às diferentes situações de ensino e de aprendizagem dos alunos; d) a divulgação e o intercâmbio de práticas docentes bem sucedidas e que façam uso de recursos tecnológicos e pedagógicos disponibilizados nas escolas; e) a participação, juntamente com os demais Professores Coordenadores e com os professores, na elaboração de atividades de recuperação, capazes de promover progressivos avanços de aprendizagem.
  • 7. ESCOLAS PRIORITÁRIAS Página 7 de 15 Para compreender melhor as atribuições inerentes à função do PCAGP, vale ressaltar algumas ações a serem desencadeadas:  Assegurar, e organizar de forma sistemática, espaços de reflexão sobre as questões pedagógicas com proposições coletivas para a elaboração /revisão da Proposta Pedagógica;  Verificar coerência entre a Proposta Pedagógica, o Plano de Ação Participativo (PAP) e o Plano de Gestão;  Analisar se as ações elencadas nos documentos estão sendo desenvolvidas e se estão de acordo com as necessidades da escola de forma a maximizar resultados positivos, ou necessitam de revisão;  Assegurar o diálogo entre as disciplinas do mesmo segmento e de segmentos diferentes (Ensino Fundamental e Ensino Médio);  Trabalhar em prol de um entendimento mais amplo de currículo escolar, bem como da concepção que o embasa;  Fortalecer os momentos de reflexão coletiva sobre o Currículo oficial, Proposta Pedagógica e Plano de Ação Participativo;  Fortalecer a concepção de Educação inclusiva na escola;  Proceder à análise qualitativa dos dados das avaliações internas e externas com vistas à organização de ações articuladas para a melhoria do processo de ensino e da aprendizagem e aperfeiçoamento das práticas, em especial com os resultados da Avaliação da Aprendizagem em Processo (AAP) e seus comentários e recomendações pedagógicas;  Estimular a participação proativa de todos os professores, nas atividades de Trabalho Pedagógico Coletivo, fortalecendo espaços formativos, promovendo situações de orientação sobre práticas pedagógicas, de acompanhamento e avaliação das propostas de trabalho programadas;
  • 8. ESCOLAS PRIORITÁRIAS Página 8 de 15  Propor o uso de recursos e materiais didáticos adequados às diferentes situações de ensino e de aprendizagem dos alunos;  Acompanhar as atividades de recuperação e a articulação entre os professores coordenadores e professores, com vista a promover os progressivos avanços de aprendizagem. Para que as ações sejam desempenhadas com qualidade e determinem o alcance de bons resultados faz-se necessária a mobilização dos talentos, no sentido de garantir que a dinamicidade da realidade não seja um impeditivo para a projeção e organização de uma rotina escolar, assim como, assegurar que a responsabilidade por “fazer o melhor, em caráter transformador” seja compartilhada por todos. Para tanto, o Plano de Ação Participativo (PAP) tem se mostrado uma importante ferramenta ao envolver a equipe gestora da Escola, em conjunto com a comunidade escolar, na análise e identificação de problemas críticos e na proposição de ações dentro de sua governabilidade para superá-los.
  • 9. ESCOLAS PRIORITÁRIAS Página 9 de 15 1. O Plano de Ação Participativo (PAP) O PAP é uma ferramenta de planejamento estratégico, construída para todas as escolas, sobretudo para as escolas prioritárias, de forma a conferir a organização e celeridade necessária ao cumprimento das metas previstas no Programa Educação Compromisso – São Paulo, conforme previsto em seu Pilar 2 - Aprimorar as ações e a gestão pedagógica da Rede com foco no resultado dos alunos. Além desse principal objetivo, o PAP tem contribuído também para:  Mobilizar e aproximar a comunidade escolar do dia a dia da Escola, aumentando sua participação;  Proporcionar a revisita à Proposta Pedagógica da Escola, por parte dos gestores e professores, norteando o trabalho educacional;  Identificar problemas, formular ações e acompanhar sua execução. Com o envolvimento da equipe escolar, o PAP poderá contribuir para a concretização das mudanças diagnosticadas como necessárias pela própria Escola. Essa é uma tarefa a ser desempenhada pelo PCAGP, que deve contar com estreito apoio da Direção da Escola e da Supervisão de Ensino. Sem pretender abordar todas as possibilidades de acompanhamento do PAP, ressalta-se atenção e reflexão por parte do PCAGP, sobre três focos básicos: 1. O PAP no dia a dia da Escola; 2. Execução das ações planejadas no PAP; 3. Mudanças na realidade escolar: avaliação dos resultados desejados e das metas estabelecidas.
  • 10. ESCOLAS PRIORITÁRIAS Página 10 de 15 Cabe ressaltar, que um bom Plano de Ação é flexível e está sujeito a modificações, assim, os aspectos contemplados podem ser alterados a qualquer tempo e devem ser fruto de reflexão e decisão do coletivo da Escola. Portanto, o replanejamento do PAP deverá ser o momento de engajar segmentos da comunidade escolar, os quais podem trazer novas contribuições e ideias importantes para a solução de problemas específicos. Além disso, o replanejamento do PAP é também uma oportunidade para acompanhar se as metas propostas e seus respectivos prazos são alcançáveis e relevantes, bem como se as ações estão atacando as causas dos problemas identificados. Caso perceba-se que o responsável pela ação não consegue viabilizá-la, por qualquer razão que seja, surge uma boa oportunidade para que se promova um diálogo voltado a pôr em prática a ação identificada como necessária pela própria comunidade. A forte mobilização da comunidade escolar para a elaboração e execução do PAP contribui para aumentar o vínculo e o sentimento de pertencimento à Escola por pais, mães, alunos, professores e funcionários. A comunidade sentirá a Escola como sendo sua na medida em que participa do diagnóstico de seus problemas e também seja corresponsabilizada pela manutenção dos espaços, pela disciplina interna, pelo desempenho de cada aluno, entre outros. Este reconhecimento da Escola pela comunidade, obtido por meio da participação, é essencial para a mitigação de eventuais conflitos e passo certeiro para a melhoria da qualidade de ensino. A forma como se dá a elaboração do PAP, assim como o seu replanejamento, impacta suas etapas posteriores. O PAP pode ser um instrumento interessante para incluir os diversos segmentos da Escola nos processos de reflexão, de diagnóstico, de identificação e priorização de problemas, de formulação de indicadores relevantes, de estabelecimento de metas bem qualificadas e, especialmente, de elaboração de ações eficientes na superação de seus problemas. Incluir a comunidade escolar na execução daquilo que foi planejado também é um caminho para aumentar sua participação em todas as etapas.
  • 11. ESCOLAS PRIORITÁRIAS Página 11 de 15 O PCAGP tem papel fundamental nessa ação, deve realizar intervenções necessárias e oferecer apoio à implementação das ações que a Escola elencou como prioridades e incrementar a qualidade e a eficácia do trabalho com vistas aos resultados desejados e às metas estabelecidas. Nesse sentido, deverá o PCAGP promover, em conjunto com a equipe gestora da Escola, a análise qualitativa dos dados das avaliações internas e externas com vistas à organização de ações articuladas para a melhoria do ensino e da aprendizagem e aperfeiçoamento das práticas.
  • 12. ESCOLAS PRIORITÁRIAS Página 12 de 15 2. A Avaliação da Aprendizagem em Processo (AAP) A Avaliação da Aprendizagem em Processo - AAP é instrumento orientador do trabalho de recuperação da aprendizagem, visa proporcionar intervenções mais rápidas e pontuais, a tempo de melhorar o aprendizado do aluno no mesmo semestre letivo. É um recurso avaliador que garante o acompanhamento multidisciplinar por todos os professores, de forma permanente e individualizada, assegurando a reorientação didática e metodológica às reais necessidades de aprendizagem dos alunos. Cabe ao PCAGP viabilizar a utilização dos resultados da Avaliação da Aprendizagem em Processo (AAP) e seus comentários e recomendações pedagógicas, com todos os professores da escola. Com base nos resultados do Sistema de Avaliação do Rendimento Escolar do Estado de São Paulo (SARESP), os educadores passam a contar com informações sobre as dificuldades apresentadas pelos alunos e podem buscar melhores estratégias de ensino. A partir desses resultados as equipes das escolas devem aprimorar seus projetos pedagógicos e refletir acerca dos caminhos para enfrentar os problemas identificados nas avaliações, com o objetivo de aprimorar a aprendizagem dos alunos. Cabe também ao PCAGP apoiar os gestores e a Escola a priorizar focos problemáticos e suas respectivas ações, identificando conjuntamente as atividades que terão maior impacto positivo no processo de ensino e aprendizagem. Os Supervisores de Ensino e os Professores Coordenadores do Núcleo Pedagógico deverão apoiar os gestores e a Escola quanto a reflexão e ação relacionada aos focos problemáticos, identificando, orientando e monitorando conjuntamente as atividades de forma a maximizar o impacto positivo no processo de ensino e aprendizagem pela adoção da óptica proativa. Para isso, sugere-se como ferramenta a Matriz GUT, sigla utilizada para resumir as palavras Gravidade, Urgência e Tendência – clique aqui para acessar o “Roteiro de acompanhamento do PAP para a Supervisão de Ensino”.
  • 13. ESCOLAS PRIORITÁRIAS Página 13 de 15 3. Otimização de recursos e materiais didáticos Com relação à otimização do uso de recursos e de materiais didáticos adequados às diferentes situações de ensino e de aprendizagem dos alunos, destacamos a importância da adesão, por parte das Escolas Prioritárias, aos Programas e Projetos da SEE/SP, que preveem recursos a serem empregados na melhoria da qualidade de ensino. Caberá à Unidade Escolar utilizar esses recursos, a fim de superar os entraves e alcançar melhores resultados, identificando e organizando propostas pedagógicas contemporâneas voltadas ao aprimoramento do processo de ensino e aprendizagem e que estejam em consonância com a sua realidade. A atividade de acompanhamento pedagógico, a ser executada pelo PCAGP, é de fundamental importância por ter o objetivo de garantir a implementação de Programas e Projetos de intervenção, como apoio às escolas consideradas prioritárias.
  • 14. ESCOLAS PRIORITÁRIAS Página 14 de 15 Considerações finais Tendo em vista a reorganização da Secretaria da Educação proposta pelo Decreto nº 57.141/2011, as Diretorias de Ensino passaram a ter um papel fundamental na descentralização das ações da Pasta. Com isto, solicita-se que as Diretorias de Ensino contemplem em seus Planos de Formação Continuada ações específicas de formação continuada voltadas ao PCAGP. Essas ações formativas e de acompanhamento devem contemplar o processo crítico- reflexivo que poderá ajudar na construção e na ressignificação dos processos identitários e profissionais desses educadores. Neste contexto, a CGEB está construindo indicadores para avaliar a função do PCAGP e seu impacto na melhoria dos resultados de desempenho dos alunos. Os desafios são crescentes, fazendo-se necessária uma atuação criativa e efetiva, no sentido de promover processos de organização, coordenação e mobilização com perspectivas promissoras de transformação das instituições e das práticas educacionais. Nessa tarefa, temos contado com o compromisso de todos com o que há de mais importante no espaço escolar: nossos alunos. E a cada dia nos unimos na busca de novas soluções. Mais do que nosso dever de educadores, é preciso garantir o direito de sucesso aos nossos alunos, não só no processo de alfabetização e letramento, mas também na oferta de melhor ensino e mais aprendizagem nos Anos Finais do Ensino Fundamental e no Ensino Médio, para que a formação para o exercício pleno da cidadania seja realidade.
  • 15. ESCOLAS PRIORITÁRIAS Página 15 de 15 Referências GROCHOSKA, Márcia Andréia. A auto-avaliação institucional como estratégia de gestão da escola de educação básica. Disponível em: http://www.rededosaber.sp.gov.br/portais/Portals/84/docs/artigo_autoavaliacao_1.pdf. Acesso em abril de 2014. SÃO PAULO. Governo do Estado: Secretaria da Educação. Introdução ao Plano de Ação Participativo. 2012. Disponível em: http://www.rededosaber.sp.gov.br/portais/Portals/84/docs/0_INTRODUCAO_PAP_2012. pdf . Acesso em abril de 2014. _________. Plano de Ação Participativo para as Escolas 2012: Fundamentação Teórica. Disponível em: http://www.rededosaber.sp.gov.br/portais/Portals/84/docs/PAP_OT_Fundamentacao_Teorica.pdf. Acesso em abril de 2014. _________. Roteiro de Acompanhamento do PAP para a Supervisão de Ensino. 2012. Disponível em: http://www.rededosaber.sp.gov.br/portais/Portals/84/docs/PAP_Roteiro_Acompanhamento_Supervisor_20120724.pdf. Acesso em abril de 2014. _________. Tutorial do Plano de Ação Participativo para as escolas 2012: volume 2 – apoio ao diagnóstico e à formulação de ações. Disponível em: http://www.rededosaber.sp.gov.br/portais/Portals/84/docs/pap_volume_2.pdf. Acesso em abril de 2014. _________. Documento Orientador CGEB nº 02 de 2014: Plano de Ação Escolas Prioritárias 2014. Disponível na “Biblioteca” da CGEB em: http://www.intranet.educacao.sp.gov.br. Acesso em abril de 2014.