Re-design como solução de problema do implemento agrícola Hércules 5.0 da empresaSTARA.Fernandes Azevedo, Wendel, Designer...
Rauwers & Cia. Ltda.; que tinha como principal atividade a montagem e a manutenção demáquinas e implementos agrícolas impo...
Projeto de Produto:       De acordo com Lobach (2001) “Os produtos industriais são objetos destinados a cobrirdeterminadas...
Imagens da máquina-atual.                        Fonte: empresa STARA / depto. marketing.DIACRÔNICA / SINCRÔNICA       Con...
Análises: diacrônica e sincrônica.                                 Fonte: arquivo dos autores.ESTRUTURAL / FUNCIONAL / MOR...
Análises: estrutural, funcional e morfológica.                         Fonte: empresa STARA / depto. engenharia.Descrição ...
GERAÇÃO DE ALTERNATIVAS:       Os sketches foram desenhados manualmente e em softwares 3D, seguindo os métodosde Bonsiepe ...
Como pode ser visto nas gerações de alternativas, a carenagem é dividida em 2 partes,sendo a base fixa ao chassis e a part...
A metodologia utilizada foi a que melhor se adequou ao projeto devido a suasimplicidade e objetividade quanto às etapas ne...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Re design hércules stara - wendel azevedo e djonatan krüger

1.633 visualizações

Publicada em

Artigo desenvolvido na disciplina de 'Projeto V - Design de Produtos' no curso de Design da Ulbra, campus Carazinho. Foi realizado a proposta de re-design do implemento agrícola HÉRCULES 5.0, da empesa STARA.

Publicada em: Design, Negócios
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Re design hércules stara - wendel azevedo e djonatan krüger

  1. 1. Re-design como solução de problema do implemento agrícola Hércules 5.0 da empresaSTARA.Fernandes Azevedo, Wendel, Designer. ULBRA – Carazinho.Halley Krüger, Djonatan, Designer. ULBRA – Carazinho.RESUMOO presente artigo trata do projeto de re-design de um implemento agrícola, tendo as técnicasde mescraí e métodos de Bonsiepe como principais referências para criação. Tendo em vista anecessidade de solucionar uma falha técnica referente às entradas de ar da carenagem doimplemento e somando a necessidade de um apelo estético diferenciado no mercado deimplementos e máquinas agrícolas em geral.PALAVRAS-CHAVERe-design; auto-propelido; projeto de produto.INTRODUÇÃO Este artigo é resultado de um estudo de caso realizado na empresa Stara, localizada nacidade de Não-Me-Toque / RS e apresentado como requerimento para avaliação de grau 2 nadisciplina de projeto de produtos, no curso de design, da ULBRA - Universidade Luterana doBrasil – campus de Carazinho - RS. Neste estudo, pretendeu-se desenvolver melhorias nacarenagem dianteira do distribuidor auto-propelido Hércules 5.0. O tema central do projeto foi o re-design da carenagem dianteira do implemento,visando solucionar falhas técnicas e proporcionar um design inovador, que se destaque frenteaos seus concorrentes. A problemática do projeto se refere a dois pontos: superaquecimento do motor devidoà carenagem que não possibilita refrigeração adequada e design pouco atrativo, similar aosencontrados nos distribuidores concorrentes.APRESENTAÇÃO DA EMPRESA De acordo com informações adquiridas no site da empresa, a mesma iniciou suasatividades no ano de 1953 na cidade de Não-Me-Toque / RS, quando Johannes BernardusStapelbroek e Gerrit Jan Rauwers, fundaram uma ferraria com o nome de Stapelbroek,
  2. 2. Rauwers & Cia. Ltda.; que tinha como principal atividade a montagem e a manutenção demáquinas e implementos agrícolas importados. Em 1960 essa sociedade foi desfeita por acordo, fazendo surgir a Stapelbroek & Cia.Ltda. Foi a partir desse momento então, que Johannes Bernardus Stapelbroek e os filhosJohannes e Harrie começaram a fabricar máquinas agrícolas. Esse é o início da tradição daStara em criar soluções para os agricultores, uma tradição que se mantém ativa até os diasatuais. Atualmente a empresa STARA está presente nos 5 continentes. Sua missão é manteressa presença no cenário internacional e também ser líder na América latina nos seguimentosem que atuar. Seus objetivos (Visão 2015) são: "Fornecer soluções inteligentes para oagronegócio, atendendo o mercado global com excelência em produtos e serviços,proporcionando satisfação aos clientes, orgulho aos colaboradores e rentabilidade aosacionistas" (STARA, 2011).METODOLOGIA Para a realização desse projeto, foram utilizadas metodologias projetuais de design,bem como levantamento bibliográfico e estudo de caso. Ao que se refere à metodologia projetual foram utilizados as referencias de Baxter(1998) e Bonsiepe (1986), conforme organograma abaixo. Organograma para aplicação de metodologia projetual. Fonte: os autores.
  3. 3. Projeto de Produto: De acordo com Lobach (2001) “Os produtos industriais são objetos destinados a cobrirdeterminadas necessidades e são produzidos de forma idêntica para um grande número depessoas”. Ainda segundo Lobach (2001), uma das definições para o termo design, é a de quedesign compreende a concretização de uma idéia em forma de projetos. Para um melhor entendimento do que é realmente um problema de design, segundo adefinição de Archer (1967, apud Munari, 1998) “O problema de design resulta de umanecessidade”. Por essa definição, entende-se que dentre outros fatores, um produto tem umproblema de design a partir do momento em que se têm uma necessidade para ser suprida. Baxter (1998) complementa essa definição, onde diz que a análise do problema servepara conhecer suas causas básicas e ajuda na elaboração do problema e definição de metas eobjetivos. Segundo Bonsiepe (1986) “A metodologia não tem finalidade em si mesma, é só umaajuda no processo projetual, dando uma orientação no procedimento do processo e oferecendotécnicas e métodos que podem ser usados em certas etapas”.Problema: A carroceria dianteira do distribuidor auto-propelido HÉRCULES 5.0 da empresaSTARA, proporciona pouca refrigeração para o motor, durante o trabalho. Em certascondições de uso, o produto em questão, sofre com superaquecimento do motor, devido àspoucas e ineficientes entradas de ar da carenagem. As jornadas excessivas de trabalho,somadas a temperaturas elevadas no local de uso, agravam essa condição.Coleta de Dados: O auto-propelido Hércules, pesa aproximadamente 5mil kg, tem capacidade de cargapara 7, 640 kg. Suas dimensões aproximadas são 8,670 m de comprimento e 2,842 m delargura. O motor que equipa a máquina é um MWM turbo diesel com 6 cilindros, que podegerar até 185cv de potência. O Hércules 5.0, vem equipado com piloto automático, GPS econtrolador Topper 4500. A identidade visual do produto segue os padrões da empresa Stara,onde na carenagem dianteira predomina a cor laranja com adesivos e demais detalhes nascores verde e branco.
  4. 4. Imagens da máquina-atual. Fonte: empresa STARA / depto. marketing.DIACRÔNICA / SINCRÔNICA Conforme descrição de Bonsiepe (1984), análises diacrônicas tem por objetivoReconhecer o desenvolvimento histórico do produto e as sincrônicas, conhecer o universoatual do segmento onde o mesmo está inserido.
  5. 5. Análises: diacrônica e sincrônica. Fonte: arquivo dos autores.ESTRUTURAL / FUNCIONAL / MORFOLÓGICA: Ainda conforme Bonsiepe (1984), as análises estruturais, funcionais e morfológicas,são de grande importância para entendermos e conhecermos melhor o produto em questão. A análise estrutural serve para compreender o tipo das peças empregadas na carroceriada máquina. A análise funcional serve para compreendermos as características de uso de umproduto, o que inclui as funções técnicas por exemplo. A análise morfológica nos ajuda a compreender, por exemplo, a sua composição,partindo de elementos geométricos.
  6. 6. Análises: estrutural, funcional e morfológica. Fonte: empresa STARA / depto. engenharia.Descrição dos itens enumerados:01 – A carenagem dianteira apresenta uma forma geral, que remete a um retângulo comângulos e cantos arredondados. Os vincos (entradas de ar laterais) são curvilíneos. A gradedianteira tem filetes retos, dispostos horizontalmente.02 – O capo é basculante e serve para proteger o motor.03 e 04 – As laterais são fixos junto à base e servem para proteger o motor também.05 – A base é fixa junto ao chassi. Serve como suporte para as demais peças e também paraproteger o motor de eventuais objetos, pedras e terra, que venham do chão.06 – A grade não é fixa, ela é um fechamento frontal que pode ser removido. Sua função éoferecer refrigeração ao motor e também proteger que objetos como pedras por exemplo,atinjam o motor.
  7. 7. GERAÇÃO DE ALTERNATIVAS: Os sketches foram desenhados manualmente e em softwares 3D, seguindo os métodosde Bonsiepe e técnicas como Mescraí de Baxter, onde buscam analogias, servem paraaumentar variedade de soluções utilizando casos similares em outras áreas, na natureza, ousubmetendo os componentes a transformações. Por exemplo: utilizar em diferentes maneiras,adaptar casos paralelos, modificar, aumentar, reduzir, inverter e combinar. A seguir, uma imagem com as gerações feitas manualmente e colorizada em softwaregráfico e outra feita em softwares de CAD, próprios para projetos 3D. Geração de alternativas. Fonte: os autores. Geração de alternativas. Fonte: os autores.
  8. 8. Como pode ser visto nas gerações de alternativas, a carenagem é dividida em 2 partes,sendo a base fixa ao chassis e a parte superior, basculante. A carenagem é feita no materialplástico injetável e as grades são de telas de metal. O material escolhido para os faróis, foi oled, devido a sua durabilidade, baixo custo e menor consumo de energia, além de ser maiseficiente.PROJETO FINAL: Com o re-design da carenagem dianteira, os problemas apresentados foramsolucionados. O novo projeto apresenta mais e maiores entradas de ar, o que faz com o que omotor receba maior refrigeração e não sofra com superaquecimento. Outro objetivo atingidofoi o de oferecer um produto com visual diferenciado, mais arrojado e utilizando novastecnologias, como é o caso dos faróis. Projeto final. Fonte: os autores.CONSIDERAÇÕES FINAIS: A finalidade do presente trabalho foi apresentar uma solução para o problema desuperaquecimento do motor do auto-propelido Hércules 5.0 da empresa Stara. Com o problema já bem especificado, foram feitos estudos sobre a atual carroceria damáquina, bem como análises sobre máquinas concorrentes e similares.
  9. 9. A metodologia utilizada foi a que melhor se adequou ao projeto devido a suasimplicidade e objetividade quanto às etapas necessárias para o re-design de um produto. Além de solucionar o problema, o projeto de re-design apresentado, oferece à empresauma possibilidade de se diferenciar dos demais concorrentes devido ao seu design moderno earrojado.REFERÊNCIAS:BAXTER, Mike. Projeto de Produto: Guia prático para o design de novos produtos. SãoPaulo: Edgard Blücher, 1998.BONSIEPE, Gui e outros. Metodologia Experimental: Desenho Industrial. Brasília: CNPq /Coordenação Editorial, 1986.LÖBACH, Bernd. Design Industrial: Bases para a configuração dos produtos industriais.São Paulo: Edgard Blücher, 2001.MUNARI, Bruno. Das coisas nascem coisas / Bruno Munari; tradução [de] José Manuel deVasconcelos. Lisboa: Ed. 70, 2004. 388p., il. (Arte e comunicação; 16).STARA. Não me toque - RS. Disponível em: <http://www.stara.com.br> Acesso em: 15 jun.2011.

×