Projeto nossa escola por um mundo melhor

4.861 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.861
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
16
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Projeto nossa escola por um mundo melhor

  1. 1. NOSSA ESCOLA POR UM MUNDO MELHOR<br />PROJETO INTERDISCIPLNAR DE EDUCAÇÃO INFANTIL<br />
  2. 2. COMPONENTES DO GRUPO<br />Ana Cláudia Ferreira<br />Aurea Fintelman<br />Adriana Barreira<br />Magali Odília Silva de Oliveira<br />Regina CoeliFogli<br />Washington L. R.Silva<br />
  3. 3. Turma e.i 12 composta por 23 alunos<br />Faixa Etária: 5 anos.<br /> Espaço e rotina: sala de aula espaçosa, composta por mesas grandes com quatro cadeiras, mas pouco arejada. Somente metade das lâmpadas estão acesas, as outras apresentam problemas nas instalações elétricas. Grande parte dos alunos moram em áreas carentes, com pais com pouca ou nenhuma escolaridade, tendo contato diariamente com boca de fumo, jovens armados e invasões de grupos rivais ou da polícia. Tiroteios atualmente não são frequentes.<br />
  4. 4. Mural contra a violência. Após o fato ocorrido em Realengo o assunto violência retornou em todas as classes. Com isso professores trabalharam a auto estima dos alunos, além do respeito, solidariedade , amor carinho e amizade. A turma observada durante toda semana no momento da rodinha era incentivada a debater o assunto participando informalmente e opinando sobre as questões levantadas pela professora.<br />
  5. 5. Em sala de aula a professora incentivava a exposição oral dos alunos, propondo alguns questionamentos: “O que vocês acham que significa a palavra violência?”, “Como você deve agir, se alguém for violento contigo?”, “O que a professora deve fazer quando algum aluno faz algo de errado?” Ela bate? Não!! (ela expressa seu desagravo através da linguagem). Ela também aproveitou para falar sobre a dor física (causada pela violência), e outros sentimentos como tristeza, chateação e trabalhou seus antônimos.<br />
  6. 6. A professora pediu que as crianças fizessem um auto retrato demonstrasse como se sentem quando não há violência e assinassem os nomes. Os desenhos foram expostos no mural.<br />
  7. 7. No recreio, no pátio da escola, os alunos foram incentivados a participarem de brincadeiras menos agressivas e coletivas ( bolas, cordas, tênis, bolinhas de gude ), respeitando as regras e enfocando a socialização. Após, o recreio, para a volta a calma, a professora conta uma história sobre respeito e o preconceito, bulling, além da diversidade: “Na minha escola todo mundo é igual” e depois os alunos cantam a música “Fazer o bem” de Bia Bedran.<br />
  8. 8. As crianças sentadas no chão e a professora na cadeira mostrando um álbum seriado. A professora inicia o dia contando a história “troca-troca” e isso aconteceu porque uma mãe da turma doou alguns brinquedos na véspera, (no momento da saída) que eram do seu filho e que ele não brincavam mais, então ela aproveitou a oportunidade para falar sobre solidariedade, a troca, a doação, entre outros valores.<br />
  9. 9. Após a história cada aluno fez seu desenho individual para colocar na porta da sala ( do lado de fora ), com o título “Aqui estuda uma turma feliz!”<br />Foi percebido que o tempo todo há o resgate a auto estima, ajuda, solidariedade, carinho e respeito e mostrar a eles que essas atitudes devem acontecer também na casa de cada um deles.<br />
  10. 10. Hoje o horário do pátio foi dividido em dois momentos. No primeiro, as crianças foram incentivadas a participarem de brincadeiras e jogos coletivos infantis que incluem a socialização e nos remetem a verdadeira infância, onde a professora aproveitou para abordar sobre como eram as brincadeiras no passado, na época de seus pais e avós: “Meus pintinhos venham cá”, “Corre Cutia”, Escravos de Jó” e depois em um segundo momento eles puderam brincar livremente com bola de futebol, raquete, bolinhas de gude e corda. Na volta do recreio eles opinaram sobre a atividade no pátio direcionada as brincadeiras infantis e ficou claro de que todos gostaram muito, depois a professora falou da importância das palavras: “Desculpa, obrigada, por favor...” e colocou a música da Eliana “Palavrinhas Mágicas.”<br />
  11. 11. CONSIDERAÇÕES FINAIS DO GRUPO<br /> Aproveitando o tema gerador da escola, que será trabalhado durante todo o ano, a professora nos relatou que logo na primeira semana de aula sentiu a necessidade por conta da agressividade entre os alunos de confeccionar regras de convivência juntos. E o que nós observamos é que quando algum aluno a quebra, há uma discussão para que juntos encontrem solução para o problema. A turma no geral apresenta um bom comportamento e participam ativamente das atividades propostas.<br />O que os alunos conhecem como violência cotidiana levou a sugestões para tentar combatê-la com hábitos que contribuam para a boa convivência e uma vida saudável e pacífica. Os tópicos foram reunidos em um cartaz que fica exposto na parede da sala.Toda escola participa do projeto “Nossa escola por um mundo melhor” e isso pode ser visto em trabalhos espalhados por toda escola. O subtema “Gentileza gera Gentileza” também tem sido muito debatido pelos alunos e professores, que contaram a vida do Profeta e o que ele pregava, em forma de história, desde as séries iniciais, além de desenvolver todo o significado do que é ser gentil. Acreditamos que essa escola tem realizado, na medida do possível, um consistente trabalho de ética e valores, e isso se reflete na baixa evasão e repetência, não tendo até o presente momento nenhum aluno expulso.<br /> O tema gerador nunca deixa de ser abordado, pois acredita-se que de que falar de violência e respeito, deve ser um trabalho diário e o fato ocorrido na escola de Realengo veio de encontro a tudo o que é falado diariamente na escola.<br />

×