SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 40
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 28.02.2016 às 17h.Lição 8
Escola Bíblica Dominical
A morte para o verdadeiro cristão
Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que
não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra
da verdade. (2Tm 2.15)
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
“Porque para mim o viver é Cristo, e o
morrer é ganho” (Fp 1.21).
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
Para o crente, a morte não é o fim da
vida, mas o início de uma plena,
sublime e eterna comunhão com
Deus.
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:
 I. Conceituar técnica e biblicamente o evento da morte.
 II. Explicar a morte no Antigo e Novo Testamento.
 III. Saber que a morte, apesar dos pesares, é o início
da vida eterna.
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
I. O QUE É A MORTE
1. Conceito
2. O que as Escrituras dizem?
3. É a separação da alma do corpo
II – A VIDA APÓS A MORTE
1. O que diz o Antigo Testamento
2. O que diz o Novo Testamento
III – MORTE, O INÍCIO DA VIDA ETERNA
1. Esperança, apesar do luto
2. A morte de Cristo e a certeza da vida eterna
3. A morte: o desfrutar da vida eterna
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
Morte: Interrupção definitiva da
vida terrena.
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
1 Coríntios 15.51-57
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
Numa sociedade materialista, evita-se falar
sobre assuntos negativos. No entanto, a
morte é um fenômeno real que se abate
sobre os seres humanos de todas as idades,
classes sociais e religiões. Afinal de contas,
quem pensa em morrer? Há alguma virtude
na morte? Nos dias atuais, o desespero vem
tomando conta das pessoas, até mesmo das
que professam a fé cristã.
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
É uma pena que alguns púlpitos não estejam
preocupados em preparar as suas ovelhas,
através das Sagradas Escrituras, para
enfrentar essa realidade que pode chegar a
qualquer família, sem avisá-la ou pedir-lhe
licença. Por isso, nessa lição,
demonstraremos que Deus se preocupa com
a fragilidade e vicissitude humanas,
principalmente quando se trata de um tema
tão laborioso e delicado.
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
1. Conceito
2. O que as Escrituras dizem?
3. É a separação da alma do corpo
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
Não é tarefa fácil definir a
morte. Como fenômeno
natural, ela é discutida na
ciência, na religião e faz parte
de debates cotidianos, pois
atinge a todos (Sl 89.48; Ec
8.8).
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
1. Conceito
Anteriormente definida como
parada cardíaca e respiratória,
o consenso médico atual a
define como cessamento
clínico, cerebral ou cardíaco
irreversível do corpo
humano. No entanto, a
definição mais popular do
fenômeno é a “interrupção da
atividade elétrica no cérebro
como um todo”.
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
1. Conceito
A constatação de que a pessoa
entrou em óbito é o ponto de partida
para a permissão, ou não, pela
família, de doar órgãos.
“O salário do pecado é a morte”
(Rm 6.23). Deus não criou o
homem e a mulher para morrer.
O Senhor não planejou tal
realidade para o ser humano.
Mas, conforme descrito em
Romanos 6.23, a morte é
consequência da queda (Gn
3.1-24). O pecado roubou, em
parte, a vida eterna da
humanidade.
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
2. O que as Escrituras dizem?
Assim, a Bíblia demonstra que
a morte é a consequência
inevitável do pecado, e realça
esse fato como a separação
entre “alma” e “corpo” (Gn
35.18).
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
2. O que as Escrituras dizem?
A base bíblica para esse
entendimento está em Gênesis
35.18, quando da morte de
Raquel: “E aconteceu que,
saindo-se lhe a alma (porque
morreu)”. Tiago, o irmão do
Senhor, corrobora esse
pensamento quando ensina:
“Porque, assim como o corpo
sem o espírito [alma] está
morto, assim também a fé sem
obras é morta” (2.26).
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
3. É a separação da alma do corpo
Teologicamente e, segundo as
Escrituras, podemos afirmar
que a separação da “alma” do
“corpo” estabelece o fenômeno
natural e também espiritual que
denominamos morte. Mas, o
que acontece com a alma
após a separação do corpo?
Há vida após a morte? São
indagações que podemos fazer.
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
3. É a separação da alma do corpo
RESUMO DO TÓPICO (1)
Tecnicamente a morte é o cessamento clínico,
cerebral e cardíaco irreversível do organismo.
Biblicamente, porém, é a separação entre o corpo
e a alma.
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
1. O que diz o Antigo Testamento
2. O que diz o Novo Testamento
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
“Morrendo o homem,
porventura, tornará a viver?” (Jó
14.14a). Essa é uma pergunta
de interesse perene para todos
os seres humanos. Indagações
como: “Há vida após a morte?”,
“Existe consciência noutra vida?”
são questões existenciais não
muito resolvidas até mesmo
para alguns teólogos.
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
1. O que diz o Antigo Testamento
Entretanto, as Escrituras têm as
respostas a essas perguntas.
a) Sheol. Em Salmos 16.10 e
49.14,15, o termo hebraico é
“sheol”. Essa palavra aparece ao
longo de todo o Antigo Testamento.
É traduzido por “inferno” e
“sepultura”. Tais expressões
denotam a ideia de imortalidade da
alma e a esperança de se estar
diante de Deus após a experiência
da morte. Tal expectativa
representa o âmago das expressões
do salmista.
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
1. O que diz o Antigo Testamento
b) A esperança da ressurreição.
O patriarca Jó, após muito padecer,
expressou-se confiantemente: “E
depois que o meu corpo estiver
destruído e sem carne, verei a
Deus” (19.26 cf. vv.23-25,27). O
salmista expressou-se a esse
respeito da seguinte forma:
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
1. O que diz o Antigo Testamento
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
“Quanto a mim, feita a justiça,
verei a tua face; quando
despertar, ficarei satisfeito ao
ver a tua semelhança” (17.15
cf. 16.9-11). Os profetas Isaías
e Daniel expõem a esperança
da ressurreição como um
encontro irreversível com Deus
(Is 26.19; Dn 12.2).
1. O que diz o Antigo Testamento
Esses textos realçam a doutrina
da esperança na ressurreição do
corpo em glória e denotam,
inclusive, a alegria do crente em
se encontrar com o seu Deus
após a morte. Logo, podemos
afirmar categoricamente que o
Antigo Testamento, respalda,
inclusive com riqueza de
detalhes, que há vida e
consciência após a morte.
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
1. O que diz o Antigo Testamento
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
A base bíblica neotestamentária
da existência de vida
consciente após a morte e a
imortalidade da alma está
fundamentada exatamente na
pessoa de Jesus de Nazaré. Ele
foi quem trouxe luz, vida e
imortalidade ao homem que crê.
As evidências são abundantes
(Mt 10.28, Lc 23.43, Jo
11.25,26; 14.3; 2 Co 5.1).
2. O que diz o Novo Testamento
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
Essas porções bíblicas ensinam
claramente a sobrevivência da
alma humana fora do corpo,
seja a do crente ou a do não
crente, após a morte. Não
obstante, a redenção do corpo e
a alegre comunhão eterna com
Deus são resultados da plena e
bem-aventurada ressurreição e
transformação do corpo
corruptível em incorruptível (1
Co 15.1-58; 1 Ts 4.16; Fp
3.21).
2. O que diz o Novo Testamento
Definitivamente, e segundo as
Escrituras, o dom da vida para os
cristãos não é uma existência
finita, mas uma linda história de
comunhão com o Deus eterno.
Foi Ele quem implantou em nós,
através de Cristo Jesus, nosso
Senhor, a sua graça salvadora
enquanto estivermos em nossa
peregrinação terrena.
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
2. O que diz o Novo Testamento
RESUMO DO TÓPICO (2)
As Escrituras denotam o dom da vida
como uma existência infinita e, após o
evento da morte, o início de uma
história eterna de comunhão com
Deus.
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
1. Esperança, apesar do luto
2. A morte de Cristo e a certeza da vida eterna
3. A morte: o desfrutar da vida eterna
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
É natural que a experiência da separação de um ente
querido traga dor, angústia, tristeza e saudade. O luto
chega de forma inesperada na vida de qualquer pessoa. Mas
a promessa do Mestre de Nazaré ainda sobrepõe-se a
qualquer vicissitude existencial: “[...] quem crê em mim,
ainda que esteja morto, viverá” (Jo 11.25).
1. Esperança, apesar do luto
O Pai entregou seu Filho em
favor da humanidade, e assim o
fez simplesmente por amor (Jo
3.16). Esse ato amoroso
proporcionou a possibilidade de
escaparmos do juízo divino pelo
sangue precioso derramado por
Cristo Jesus. Isso leva-nos a
refletir que sem a morte de
Jesus não haveria ressurreição.
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
2. A morte de Cristo e a certeza da vida eterna
Logo, não haveria pregação do
Evangelho nem salvação. O
apóstolo Paulo tinha a
convicção de que a Cruz de
Cristo é o âmago do Evangelho
(1 Co 1.17), do novo
nascimento e da vida eterna.
Hoje só amamos o Senhor
porque Ele nos amou primeiro
(1 Jo 4.19). Por isso, pela sua
morte, e morte de cruz temos,
nEle, a vida eterna.
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
2. A morte de Cristo e a certeza da vida eterna
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
O fenômeno da
morte é para o
crente a prova da
fé vigorosa
revelada em sua
vida terrena. Essa
fé manifesta-se
numa consciência
de vitória apesar de
a morte mostrar-se
como uma aparente
derrota.
3. A morte: o desfrutar da vida eterna
O apóstolo Pedro lembra
dessa fé quando exorta-nos:
“[...] alegrai-vos no fato de
serdes participantes das
aflições de Cristo, para que
também na revelação da sua
glória vos regozijeis e
alegreis” (1 Pe 4.13).
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
3. A morte: o desfrutar da vida eterna
Para o crente a morte não é o
fim, mas o início de uma
extraordinária e plena vida
com Cristo. É a certeza de
que o seu “aguilhão” foi
retirado de uma vez por
todas, selando o passaporte
oficial para a vida eterna em
Jesus (1 Co 15.55; Os
13.14).
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
3. A morte: o desfrutar da vida eterna
Um dia nosso corpo será
plenamente arrebatado do poder da
morte (Rm 8.11; 1 Ts 4.16,17)!
RESUMO DO TÓPICO (3)
Apesar da dor e do luto, para o
cristão, a morte é o início do
desfrutar da vida eterna.
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
Conclusão:
Precisamos ter consciência de que a nossa vida é
semelhante à flor da erva. Ela se esvai
rapidamente. Todavia, tenhamos em mente que o
“viver é Cristo e o morrer é lucro”. Portanto, não
se prenda às questões passageiras e efêmeras.
Na peregrinação existencial, preencha sua mente
com o Evangelho.
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
Conclusão:
Assim, ao final de sua vida poderá jubiloso, entoar
o que o apóstolo Paulo declarou no final da sua
carreira: “Combati o bom combate, acabei a
carreira, guardei a fé. Desde agora, a coroa da
justiça me está guardada, a qual o Senhor,
justo juiz, me dará naquele Dia; e não somente
a mim, mas também a todos os que amarem a
sua vinda” (2 Tm 4.7,8). Em Cristo, tenha paz e
esperança, porque Ele é a ressurreição e a vida.
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
Estudo disponível no
www.facebook.com/EBDFrutosparaVida
Necessário baixar o aplicativo
slideshare para visualização
em smartphones e tablets
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ressurreição & reencarnação
Ressurreição & reencarnaçãoRessurreição & reencarnação
Ressurreição & reencarnaçãocaminhodaluz41
 
A Vida após a Morte na Bíblia
A Vida após a Morte na Bíblia A Vida após a Morte na Bíblia
A Vida após a Morte na Bíblia weleson fernandes
 
Vida apos a morte (Estudo Completo)
Vida apos a morte (Estudo Completo)Vida apos a morte (Estudo Completo)
Vida apos a morte (Estudo Completo)Rogerio Sena
 
Comentário: 5° Domingo da Quaresma - Ano A
Comentário: 5° Domingo da Quaresma - Ano AComentário: 5° Domingo da Quaresma - Ano A
Comentário: 5° Domingo da Quaresma - Ano AJosé Lima
 
Qual a posição da Bíblia a respeito do suicidio
Qual a posição da Bíblia a respeito do suicidioQual a posição da Bíblia a respeito do suicidio
Qual a posição da Bíblia a respeito do suicidioJuraci Rocha
 
Cenas Marcantes e a Ressurreição
Cenas Marcantes e a  RessurreiçãoCenas Marcantes e a  Ressurreição
Cenas Marcantes e a RessurreiçãoRamón Zazatt
 
Lição 7 - Ética Cristã e Doação de Órgãos
Lição 7 - Ética Cristã e Doação de ÓrgãosLição 7 - Ética Cristã e Doação de Órgãos
Lição 7 - Ética Cristã e Doação de ÓrgãosHamilton Souza
 
Pae ppt lição 10 a cura do paralítico de betesda
Pae ppt lição 10  a cura do paralítico de betesdaPae ppt lição 10  a cura do paralítico de betesda
Pae ppt lição 10 a cura do paralítico de betesdagoiano
 
A cura do homem mão mirrada
A cura do homem mão mirradaA cura do homem mão mirrada
A cura do homem mão mirradaSergio Menezes
 
Comentário: Domingo de pascoa
Comentário: Domingo de pascoaComentário: Domingo de pascoa
Comentário: Domingo de pascoaJosé Lima
 
Jornal A Voz Espírita - Edição do Bimestre Novembro/Dezembro de 2015 Nº 36
Jornal A Voz Espírita - Edição do Bimestre Novembro/Dezembro de 2015 Nº 36Jornal A Voz Espírita - Edição do Bimestre Novembro/Dezembro de 2015 Nº 36
Jornal A Voz Espírita - Edição do Bimestre Novembro/Dezembro de 2015 Nº 366º Conselho Espírita de Unificação
 
Sacrificio humano o Eterno aceita?
Sacrificio humano o Eterno aceita?Sacrificio humano o Eterno aceita?
Sacrificio humano o Eterno aceita?Efraim Ben Tzion
 
A doutrina da santificação
A doutrina da santificaçãoA doutrina da santificação
A doutrina da santificaçãoAntonio Ferreira
 
Reencarnação na Bíblia-seminário
Reencarnação na Bíblia-seminárioReencarnação na Bíblia-seminário
Reencarnação na Bíblia-semináriohome
 
O estado atual dos mortos
O estado atual dos mortosO estado atual dos mortos
O estado atual dos mortosEdleusa Silva
 

Mais procurados (20)

Ressurreição & reencarnação
Ressurreição & reencarnaçãoRessurreição & reencarnação
Ressurreição & reencarnação
 
A Vida após a Morte na Bíblia
A Vida após a Morte na Bíblia A Vida após a Morte na Bíblia
A Vida após a Morte na Bíblia
 
Vida apos a morte (Estudo Completo)
Vida apos a morte (Estudo Completo)Vida apos a morte (Estudo Completo)
Vida apos a morte (Estudo Completo)
 
Comentário: 5° Domingo da Quaresma - Ano A
Comentário: 5° Domingo da Quaresma - Ano AComentário: 5° Domingo da Quaresma - Ano A
Comentário: 5° Domingo da Quaresma - Ano A
 
Qual a posição da Bíblia a respeito do suicidio
Qual a posição da Bíblia a respeito do suicidioQual a posição da Bíblia a respeito do suicidio
Qual a posição da Bíblia a respeito do suicidio
 
(1) por que a alma não é imortal#
(1) por que a alma não é imortal#(1) por que a alma não é imortal#
(1) por que a alma não é imortal#
 
#########Mortalidade da alma celso brasil
#########Mortalidade da alma   celso brasil#########Mortalidade da alma   celso brasil
#########Mortalidade da alma celso brasil
 
BOLETIM PIB JOINVILLE - 25/08/2013
BOLETIM PIB JOINVILLE - 25/08/2013BOLETIM PIB JOINVILLE - 25/08/2013
BOLETIM PIB JOINVILLE - 25/08/2013
 
Cenas Marcantes e a Ressurreição
Cenas Marcantes e a  RessurreiçãoCenas Marcantes e a  Ressurreição
Cenas Marcantes e a Ressurreição
 
Reencarnação e Ressurreição
Reencarnação e RessurreiçãoReencarnação e Ressurreição
Reencarnação e Ressurreição
 
Lição 7 - Ética Cristã e Doação de Órgãos
Lição 7 - Ética Cristã e Doação de ÓrgãosLição 7 - Ética Cristã e Doação de Órgãos
Lição 7 - Ética Cristã e Doação de Órgãos
 
Lição 8 seicho no-ie
Lição 8 seicho no-ieLição 8 seicho no-ie
Lição 8 seicho no-ie
 
Pae ppt lição 10 a cura do paralítico de betesda
Pae ppt lição 10  a cura do paralítico de betesdaPae ppt lição 10  a cura do paralítico de betesda
Pae ppt lição 10 a cura do paralítico de betesda
 
A cura do homem mão mirrada
A cura do homem mão mirradaA cura do homem mão mirrada
A cura do homem mão mirrada
 
Comentário: Domingo de pascoa
Comentário: Domingo de pascoaComentário: Domingo de pascoa
Comentário: Domingo de pascoa
 
Jornal A Voz Espírita - Edição do Bimestre Novembro/Dezembro de 2015 Nº 36
Jornal A Voz Espírita - Edição do Bimestre Novembro/Dezembro de 2015 Nº 36Jornal A Voz Espírita - Edição do Bimestre Novembro/Dezembro de 2015 Nº 36
Jornal A Voz Espírita - Edição do Bimestre Novembro/Dezembro de 2015 Nº 36
 
Sacrificio humano o Eterno aceita?
Sacrificio humano o Eterno aceita?Sacrificio humano o Eterno aceita?
Sacrificio humano o Eterno aceita?
 
A doutrina da santificação
A doutrina da santificaçãoA doutrina da santificação
A doutrina da santificação
 
Reencarnação na Bíblia-seminário
Reencarnação na Bíblia-seminárioReencarnação na Bíblia-seminário
Reencarnação na Bíblia-seminário
 
O estado atual dos mortos
O estado atual dos mortosO estado atual dos mortos
O estado atual dos mortos
 

Destaque

Prorocanstva i tajne
Prorocanstva i tajneProrocanstva i tajne
Prorocanstva i tajnesrbenda
 
Кружок "Рукодельница"
Кружок "Рукодельница"Кружок "Рукодельница"
Кружок "Рукодельница"Nelli-RNV
 
exchang server 2007
exchang server 2007exchang server 2007
exchang server 2007mrzape
 
Lição 5 Os Dons Espirituais
Lição 5   Os Dons EspirituaisLição 5   Os Dons Espirituais
Lição 5 Os Dons EspirituaisWander Sousa
 
Presentación1REDES SOCIALES
Presentación1REDES SOCIALESPresentación1REDES SOCIALES
Presentación1REDES SOCIALESRosa Albán
 
Lição 35 o cuidado com a língua
Lição 35   o cuidado com a línguaLição 35   o cuidado com a língua
Lição 35 o cuidado com a línguaWander Sousa
 
Tugas pembuatan obat(tpo) Etabiotic
Tugas pembuatan obat(tpo) EtabioticTugas pembuatan obat(tpo) Etabiotic
Tugas pembuatan obat(tpo) EtabioticNovia Anwar
 
Demokrasi pada Era Reformasi
Demokrasi pada Era ReformasiDemokrasi pada Era Reformasi
Demokrasi pada Era ReformasiNovia Anwar
 
從台灣輸入公民軟體的香港經驗
從台灣輸入公民軟體的香港經驗從台灣輸入公民軟體的香港經驗
從台灣輸入公民軟體的香港經驗CODE4HK
 
Perspectiva a lo largo del tiempo de nuestra cooperativa y del movimiento aso...
Perspectiva a lo largo del tiempo de nuestra cooperativa y del movimiento aso...Perspectiva a lo largo del tiempo de nuestra cooperativa y del movimiento aso...
Perspectiva a lo largo del tiempo de nuestra cooperativa y del movimiento aso...Koynos Cooperativa Valenciana
 
Analisis Kebijakan Internasional
Analisis Kebijakan InternasionalAnalisis Kebijakan Internasional
Analisis Kebijakan InternasionalNovia Anwar
 
Biodiesel presentation1
Biodiesel presentation1Biodiesel presentation1
Biodiesel presentation1Bharat Pandey
 
Implementing innovation and commercialisation - Stuart Abbott, Zoë Prytherch ...
Implementing innovation and commercialisation - Stuart Abbott, Zoë Prytherch ...Implementing innovation and commercialisation - Stuart Abbott, Zoë Prytherch ...
Implementing innovation and commercialisation - Stuart Abbott, Zoë Prytherch ...HEA_AH
 
2013.11.07 Reporting Back
2013.11.07 Reporting Back2013.11.07 Reporting Back
2013.11.07 Reporting BackMAYDAY.US
 

Destaque (20)

Prorocanstva i tajne
Prorocanstva i tajneProrocanstva i tajne
Prorocanstva i tajne
 
Кружок "Рукодельница"
Кружок "Рукодельница"Кружок "Рукодельница"
Кружок "Рукодельница"
 
skydrive_ppt_doc
skydrive_ppt_docskydrive_ppt_doc
skydrive_ppt_doc
 
exchang server 2007
exchang server 2007exchang server 2007
exchang server 2007
 
sand_filter
sand_filtersand_filter
sand_filter
 
Lição 5 Os Dons Espirituais
Lição 5   Os Dons EspirituaisLição 5   Os Dons Espirituais
Lição 5 Os Dons Espirituais
 
Resep Bintang 7
Resep Bintang 7Resep Bintang 7
Resep Bintang 7
 
Presentación1REDES SOCIALES
Presentación1REDES SOCIALESPresentación1REDES SOCIALES
Presentación1REDES SOCIALES
 
Lição 35 o cuidado com a língua
Lição 35   o cuidado com a línguaLição 35   o cuidado com a língua
Lição 35 o cuidado com a língua
 
Tugas pembuatan obat(tpo) Etabiotic
Tugas pembuatan obat(tpo) EtabioticTugas pembuatan obat(tpo) Etabiotic
Tugas pembuatan obat(tpo) Etabiotic
 
Demokrasi pada Era Reformasi
Demokrasi pada Era ReformasiDemokrasi pada Era Reformasi
Demokrasi pada Era Reformasi
 
從台灣輸入公民軟體的香港經驗
從台灣輸入公民軟體的香港經驗從台灣輸入公民軟體的香港經驗
從台灣輸入公民軟體的香港經驗
 
Applying
Applying Applying
Applying
 
Perspectiva a lo largo del tiempo de nuestra cooperativa y del movimiento aso...
Perspectiva a lo largo del tiempo de nuestra cooperativa y del movimiento aso...Perspectiva a lo largo del tiempo de nuestra cooperativa y del movimiento aso...
Perspectiva a lo largo del tiempo de nuestra cooperativa y del movimiento aso...
 
Analisis Kebijakan Internasional
Analisis Kebijakan InternasionalAnalisis Kebijakan Internasional
Analisis Kebijakan Internasional
 
Production and cost
Production and costProduction and cost
Production and cost
 
Biodiesel presentation1
Biodiesel presentation1Biodiesel presentation1
Biodiesel presentation1
 
Work3-50
Work3-50Work3-50
Work3-50
 
Implementing innovation and commercialisation - Stuart Abbott, Zoë Prytherch ...
Implementing innovation and commercialisation - Stuart Abbott, Zoë Prytherch ...Implementing innovation and commercialisation - Stuart Abbott, Zoë Prytherch ...
Implementing innovation and commercialisation - Stuart Abbott, Zoë Prytherch ...
 
2013.11.07 Reporting Back
2013.11.07 Reporting Back2013.11.07 Reporting Back
2013.11.07 Reporting Back
 

Semelhante a A morte para o cristão

Lição 03 – a morte para o verdadeiro cristão
Lição 03  –  a morte para o verdadeiro cristãoLição 03  –  a morte para o verdadeiro cristão
Lição 03 – a morte para o verdadeiro cristãocledsondrumms
 
LIÇÃO 3 - A MORTE PARA O VERDADEIRO CRISTÃO
LIÇÃO 3 - A MORTE PARA O VERDADEIRO CRISTÃOLIÇÃO 3 - A MORTE PARA O VERDADEIRO CRISTÃO
LIÇÃO 3 - A MORTE PARA O VERDADEIRO CRISTÃOAilton da Silva
 
Estado IntermediáRio Da Alma
Estado IntermediáRio Da Alma   Estado IntermediáRio Da Alma
Estado IntermediáRio Da Alma lcsmbr
 
A MORTE PARA O VERDADEIRO CRISTÃO
A MORTE PARA O VERDADEIRO CRISTÃOA MORTE PARA O VERDADEIRO CRISTÃO
A MORTE PARA O VERDADEIRO CRISTÃORenderson Gonçalves
 
LIÇÃO 3 - A MORTE PARA O VERDADEIRO CRISTÃO
LIÇÃO 3 - A MORTE PARA O VERDADEIRO CRISTÃOLIÇÃO 3 - A MORTE PARA O VERDADEIRO CRISTÃO
LIÇÃO 3 - A MORTE PARA O VERDADEIRO CRISTÃORenderson Gonçalves
 
EBD Palavra e Vida.2T2015.Aula 9: Encarnação ou reencarnação?
EBD Palavra e Vida.2T2015.Aula 9: Encarnação ou reencarnação?EBD Palavra e Vida.2T2015.Aula 9: Encarnação ou reencarnação?
EBD Palavra e Vida.2T2015.Aula 9: Encarnação ou reencarnação?Andre Nascimento
 
FORMAÇÃO PARA PASTORAL DA ESPERANÇA.pptx
FORMAÇÃO PARA PASTORAL DA ESPERANÇA.pptxFORMAÇÃO PARA PASTORAL DA ESPERANÇA.pptx
FORMAÇÃO PARA PASTORAL DA ESPERANÇA.pptxMarianaPaulino10
 
ppt-licao08-jesusrestaurador 01Z.pptx
ppt-licao08-jesusrestaurador 01Z.pptxppt-licao08-jesusrestaurador 01Z.pptx
ppt-licao08-jesusrestaurador 01Z.pptxDigenesSoares3
 
eu creio na vida apos a morte
eu creio na vida apos a morte eu creio na vida apos a morte
eu creio na vida apos a morte Daniel Bento
 
ENFERMIDADE E LUTO
ENFERMIDADE E LUTOENFERMIDADE E LUTO
ENFERMIDADE E LUTOEnerliz
 
Você Já Tem A Vida Eterna
Você Já Tem A Vida EternaVocê Já Tem A Vida Eterna
Você Já Tem A Vida EternaCelinilson Sales
 
A AUTÊNTICA PÁSCOA .pdf.................
A AUTÊNTICA PÁSCOA .pdf.................A AUTÊNTICA PÁSCOA .pdf.................
A AUTÊNTICA PÁSCOA .pdf.................Nelson Pereira
 
A vida presente: inauguração da vida futura
A vida presente: inauguração da vida futuraA vida presente: inauguração da vida futura
A vida presente: inauguração da vida futuraJean Francesco
 

Semelhante a A morte para o cristão (20)

Lição 03 – a morte para o verdadeiro cristão
Lição 03  –  a morte para o verdadeiro cristãoLição 03  –  a morte para o verdadeiro cristão
Lição 03 – a morte para o verdadeiro cristão
 
LIÇÃO 3 - A MORTE PARA O VERDADEIRO CRISTÃO
LIÇÃO 3 - A MORTE PARA O VERDADEIRO CRISTÃOLIÇÃO 3 - A MORTE PARA O VERDADEIRO CRISTÃO
LIÇÃO 3 - A MORTE PARA O VERDADEIRO CRISTÃO
 
Estado IntermediáRio Da Alma
Estado IntermediáRio Da Alma   Estado IntermediáRio Da Alma
Estado IntermediáRio Da Alma
 
A MORTE PARA O VERDADEIRO CRISTÃO
A MORTE PARA O VERDADEIRO CRISTÃOA MORTE PARA O VERDADEIRO CRISTÃO
A MORTE PARA O VERDADEIRO CRISTÃO
 
LIÇÃO 3 - A MORTE PARA O VERDADEIRO CRISTÃO
LIÇÃO 3 - A MORTE PARA O VERDADEIRO CRISTÃOLIÇÃO 3 - A MORTE PARA O VERDADEIRO CRISTÃO
LIÇÃO 3 - A MORTE PARA O VERDADEIRO CRISTÃO
 
EBD Palavra e Vida.2T2015.Aula 9: Encarnação ou reencarnação?
EBD Palavra e Vida.2T2015.Aula 9: Encarnação ou reencarnação?EBD Palavra e Vida.2T2015.Aula 9: Encarnação ou reencarnação?
EBD Palavra e Vida.2T2015.Aula 9: Encarnação ou reencarnação?
 
3 lição
3 lição3 lição
3 lição
 
Escatologia 1
Escatologia 1Escatologia 1
Escatologia 1
 
FORMAÇÃO PARA PASTORAL DA ESPERANÇA.pptx
FORMAÇÃO PARA PASTORAL DA ESPERANÇA.pptxFORMAÇÃO PARA PASTORAL DA ESPERANÇA.pptx
FORMAÇÃO PARA PASTORAL DA ESPERANÇA.pptx
 
ppt-licao08-jesusrestaurador 01Z.pptx
ppt-licao08-jesusrestaurador 01Z.pptxppt-licao08-jesusrestaurador 01Z.pptx
ppt-licao08-jesusrestaurador 01Z.pptx
 
A Conversão
A ConversãoA Conversão
A Conversão
 
O Espiritismo à Luz da Bíblia.
O Espiritismo à Luz da Bíblia.O Espiritismo à Luz da Bíblia.
O Espiritismo à Luz da Bíblia.
 
eu creio na vida apos a morte
eu creio na vida apos a morte eu creio na vida apos a morte
eu creio na vida apos a morte
 
Cateq pt 22
Cateq pt 22Cateq pt 22
Cateq pt 22
 
lição 13 - Eu creio na vida após a morte
lição 13 - Eu creio na vida após a mortelição 13 - Eu creio na vida após a morte
lição 13 - Eu creio na vida após a morte
 
ENFERMIDADE E LUTO
ENFERMIDADE E LUTOENFERMIDADE E LUTO
ENFERMIDADE E LUTO
 
Você Já Tem A Vida Eterna
Você Já Tem A Vida EternaVocê Já Tem A Vida Eterna
Você Já Tem A Vida Eterna
 
A AUTÊNTICA PÁSCOA .pdf.................
A AUTÊNTICA PÁSCOA .pdf.................A AUTÊNTICA PÁSCOA .pdf.................
A AUTÊNTICA PÁSCOA .pdf.................
 
APOCALIPSE (AULA 03 - BÁSICO - IBADEP)
APOCALIPSE (AULA 03 - BÁSICO - IBADEP)APOCALIPSE (AULA 03 - BÁSICO - IBADEP)
APOCALIPSE (AULA 03 - BÁSICO - IBADEP)
 
A vida presente: inauguração da vida futura
A vida presente: inauguração da vida futuraA vida presente: inauguração da vida futura
A vida presente: inauguração da vida futura
 

Mais de Wander Sousa

Lição 40 O perigo das obras da carne
Lição 40   O perigo das obras da carneLição 40   O perigo das obras da carne
Lição 40 O perigo das obras da carneWander Sousa
 
Lição 39 Integridade em tempos de crise
Lição 39   Integridade em tempos de criseLição 39   Integridade em tempos de crise
Lição 39 Integridade em tempos de criseWander Sousa
 
Lição 38 Ídolos
Lição 38   ÍdolosLição 38   Ídolos
Lição 38 ÍdolosWander Sousa
 
Lição 37 O fruto do Espírito — a plenitude de Cristo na vida do crente
Lição 37   O fruto do Espírito — a plenitude de Cristo na vida do crenteLição 37   O fruto do Espírito — a plenitude de Cristo na vida do crente
Lição 37 O fruto do Espírito — a plenitude de Cristo na vida do crenteWander Sousa
 
Lição 36 as limitações dos discípulos
Lição 36   as limitações dos discípulosLição 36   as limitações dos discípulos
Lição 36 as limitações dos discípulosWander Sousa
 
Lição 34 O propósito da tentação
Lição 34   O propósito da tentaçãoLição 34   O propósito da tentação
Lição 34 O propósito da tentaçãoWander Sousa
 
Lição 33 Desafios de um casamento
Lição 33   Desafios de um casamentoLição 33   Desafios de um casamento
Lição 33 Desafios de um casamentoWander Sousa
 
Lição 32 Fé em meio às injustiças
Lição 32   Fé em meio às injustiçasLição 32   Fé em meio às injustiças
Lição 32 Fé em meio às injustiçasWander Sousa
 
Lição 31 As consequências das escolhas precipitadas
Lição 31   As consequências das escolhas precipitadasLição 31   As consequências das escolhas precipitadas
Lição 31 As consequências das escolhas precipitadasWander Sousa
 
Dons Ministeriais | Três aulas
Dons Ministeriais | Três aulasDons Ministeriais | Três aulas
Dons Ministeriais | Três aulasWander Sousa
 
Lição 29 Os dons espirituais
Lição 29   Os dons espirituaisLição 29   Os dons espirituais
Lição 29 Os dons espirituaisWander Sousa
 
Lição 28 O poder da evangelização na família
Lição 28   O poder da evangelização na famíliaLição 28   O poder da evangelização na família
Lição 28 O poder da evangelização na famíliaWander Sousa
 
Lição 27 Jesus e a felicidade
Lição 27   Jesus e a felicidadeLição 27   Jesus e a felicidade
Lição 27 Jesus e a felicidadeWander Sousa
 
Lição 26 Os falsos profetas
Lição 26   Os falsos profetasLição 26   Os falsos profetas
Lição 26 Os falsos profetasWander Sousa
 
Lição 25 Cuidado com as pequenas coisas
Lição 25   Cuidado com as pequenas coisasLição 25   Cuidado com as pequenas coisas
Lição 25 Cuidado com as pequenas coisasWander Sousa
 
Lição 24 Desafios de um Casamento
Lição 24   Desafios de um CasamentoLição 24   Desafios de um Casamento
Lição 24 Desafios de um CasamentoWander Sousa
 
Lição 23 Depressão, a doença da alma
Lição 23   Depressão, a doença da almaLição 23   Depressão, a doença da alma
Lição 23 Depressão, a doença da almaWander Sousa
 
Lição 22 Terceira idade
Lição 22   Terceira idadeLição 22   Terceira idade
Lição 22 Terceira idadeWander Sousa
 
Lição 21 Rebelião
Lição 21   RebeliãoLição 21   Rebelião
Lição 21 RebeliãoWander Sousa
 
Lição 20 Renúncia
Lição 20   RenúnciaLição 20   Renúncia
Lição 20 RenúnciaWander Sousa
 

Mais de Wander Sousa (20)

Lição 40 O perigo das obras da carne
Lição 40   O perigo das obras da carneLição 40   O perigo das obras da carne
Lição 40 O perigo das obras da carne
 
Lição 39 Integridade em tempos de crise
Lição 39   Integridade em tempos de criseLição 39   Integridade em tempos de crise
Lição 39 Integridade em tempos de crise
 
Lição 38 Ídolos
Lição 38   ÍdolosLição 38   Ídolos
Lição 38 Ídolos
 
Lição 37 O fruto do Espírito — a plenitude de Cristo na vida do crente
Lição 37   O fruto do Espírito — a plenitude de Cristo na vida do crenteLição 37   O fruto do Espírito — a plenitude de Cristo na vida do crente
Lição 37 O fruto do Espírito — a plenitude de Cristo na vida do crente
 
Lição 36 as limitações dos discípulos
Lição 36   as limitações dos discípulosLição 36   as limitações dos discípulos
Lição 36 as limitações dos discípulos
 
Lição 34 O propósito da tentação
Lição 34   O propósito da tentaçãoLição 34   O propósito da tentação
Lição 34 O propósito da tentação
 
Lição 33 Desafios de um casamento
Lição 33   Desafios de um casamentoLição 33   Desafios de um casamento
Lição 33 Desafios de um casamento
 
Lição 32 Fé em meio às injustiças
Lição 32   Fé em meio às injustiçasLição 32   Fé em meio às injustiças
Lição 32 Fé em meio às injustiças
 
Lição 31 As consequências das escolhas precipitadas
Lição 31   As consequências das escolhas precipitadasLição 31   As consequências das escolhas precipitadas
Lição 31 As consequências das escolhas precipitadas
 
Dons Ministeriais | Três aulas
Dons Ministeriais | Três aulasDons Ministeriais | Três aulas
Dons Ministeriais | Três aulas
 
Lição 29 Os dons espirituais
Lição 29   Os dons espirituaisLição 29   Os dons espirituais
Lição 29 Os dons espirituais
 
Lição 28 O poder da evangelização na família
Lição 28   O poder da evangelização na famíliaLição 28   O poder da evangelização na família
Lição 28 O poder da evangelização na família
 
Lição 27 Jesus e a felicidade
Lição 27   Jesus e a felicidadeLição 27   Jesus e a felicidade
Lição 27 Jesus e a felicidade
 
Lição 26 Os falsos profetas
Lição 26   Os falsos profetasLição 26   Os falsos profetas
Lição 26 Os falsos profetas
 
Lição 25 Cuidado com as pequenas coisas
Lição 25   Cuidado com as pequenas coisasLição 25   Cuidado com as pequenas coisas
Lição 25 Cuidado com as pequenas coisas
 
Lição 24 Desafios de um Casamento
Lição 24   Desafios de um CasamentoLição 24   Desafios de um Casamento
Lição 24 Desafios de um Casamento
 
Lição 23 Depressão, a doença da alma
Lição 23   Depressão, a doença da almaLição 23   Depressão, a doença da alma
Lição 23 Depressão, a doença da alma
 
Lição 22 Terceira idade
Lição 22   Terceira idadeLição 22   Terceira idade
Lição 22 Terceira idade
 
Lição 21 Rebelião
Lição 21   RebeliãoLição 21   Rebelião
Lição 21 Rebelião
 
Lição 20 Renúncia
Lição 20   RenúnciaLição 20   Renúncia
Lição 20 Renúncia
 

Último

Gestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptx
Gestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptxGestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptx
Gestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptxSebastioFerreira34
 
07 - SINAIS DA VOLTA DE JESUS.ppt.IASD>JA
07 - SINAIS DA VOLTA DE JESUS.ppt.IASD>JA07 - SINAIS DA VOLTA DE JESUS.ppt.IASD>JA
07 - SINAIS DA VOLTA DE JESUS.ppt.IASD>JAhenrygabrielsilvarib
 
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns EsclarecedoresEvangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns EsclarecedoresAntonino Silva
 
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semanaLIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semanaWillemarSousa1
 
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptxLição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptxCelso Napoleon
 
10 Orações Para Honrar São José Operário
10 Orações Para Honrar São José Operário10 Orações Para Honrar São José Operário
10 Orações Para Honrar São José OperárioNilson Almeida
 
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica DominicalLIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica DominicalAmaroJunior21
 
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus: Verdadeira Pureza , ...
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus:  Verdadeira Pureza , ...Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus:  Verdadeira Pureza , ...
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus: Verdadeira Pureza , ...silvana30986
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pão
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pãoSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pão
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pãoRicardo Azevedo
 
2024 - PPT_Sermֶo 01 - Quartas de Poder - PT.pptx
2024 - PPT_Sermֶo 01 - Quartas de Poder - PT.pptx2024 - PPT_Sermֶo 01 - Quartas de Poder - PT.pptx
2024 - PPT_Sermֶo 01 - Quartas de Poder - PT.pptxhenrygabrielsilvarib
 
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 EGÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 EMicheleRosa39
 

Último (12)

Gestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptx
Gestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptxGestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptx
Gestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptx
 
07 - SINAIS DA VOLTA DE JESUS.ppt.IASD>JA
07 - SINAIS DA VOLTA DE JESUS.ppt.IASD>JA07 - SINAIS DA VOLTA DE JESUS.ppt.IASD>JA
07 - SINAIS DA VOLTA DE JESUS.ppt.IASD>JA
 
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns EsclarecedoresEvangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
 
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semanaLIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
 
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptxLição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
 
10 Orações Para Honrar São José Operário
10 Orações Para Honrar São José Operário10 Orações Para Honrar São José Operário
10 Orações Para Honrar São José Operário
 
Fluido Cósmico Universal e Perispírito.ppt
Fluido Cósmico Universal e Perispírito.pptFluido Cósmico Universal e Perispírito.ppt
Fluido Cósmico Universal e Perispírito.ppt
 
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica DominicalLIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
 
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus: Verdadeira Pureza , ...
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus:  Verdadeira Pureza , ...Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus:  Verdadeira Pureza , ...
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus: Verdadeira Pureza , ...
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pão
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pãoSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pão
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pão
 
2024 - PPT_Sermֶo 01 - Quartas de Poder - PT.pptx
2024 - PPT_Sermֶo 01 - Quartas de Poder - PT.pptx2024 - PPT_Sermֶo 01 - Quartas de Poder - PT.pptx
2024 - PPT_Sermֶo 01 - Quartas de Poder - PT.pptx
 
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 EGÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
 

A morte para o cristão

  • 1. Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 28.02.2016 às 17h.Lição 8 Escola Bíblica Dominical A morte para o verdadeiro cristão
  • 2. Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade. (2Tm 2.15) Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
  • 3. “Porque para mim o viver é Cristo, e o morrer é ganho” (Fp 1.21). Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
  • 4. Para o crente, a morte não é o fim da vida, mas o início de uma plena, sublime e eterna comunhão com Deus. Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
  • 5. Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:  I. Conceituar técnica e biblicamente o evento da morte.  II. Explicar a morte no Antigo e Novo Testamento.  III. Saber que a morte, apesar dos pesares, é o início da vida eterna. Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
  • 6. I. O QUE É A MORTE 1. Conceito 2. O que as Escrituras dizem? 3. É a separação da alma do corpo II – A VIDA APÓS A MORTE 1. O que diz o Antigo Testamento 2. O que diz o Novo Testamento III – MORTE, O INÍCIO DA VIDA ETERNA 1. Esperança, apesar do luto 2. A morte de Cristo e a certeza da vida eterna 3. A morte: o desfrutar da vida eterna Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
  • 7. Morte: Interrupção definitiva da vida terrena. Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
  • 8. 1 Coríntios 15.51-57 Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
  • 9. Numa sociedade materialista, evita-se falar sobre assuntos negativos. No entanto, a morte é um fenômeno real que se abate sobre os seres humanos de todas as idades, classes sociais e religiões. Afinal de contas, quem pensa em morrer? Há alguma virtude na morte? Nos dias atuais, o desespero vem tomando conta das pessoas, até mesmo das que professam a fé cristã. Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
  • 10. É uma pena que alguns púlpitos não estejam preocupados em preparar as suas ovelhas, através das Sagradas Escrituras, para enfrentar essa realidade que pode chegar a qualquer família, sem avisá-la ou pedir-lhe licença. Por isso, nessa lição, demonstraremos que Deus se preocupa com a fragilidade e vicissitude humanas, principalmente quando se trata de um tema tão laborioso e delicado. Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
  • 11. 1. Conceito 2. O que as Escrituras dizem? 3. É a separação da alma do corpo Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
  • 12. Não é tarefa fácil definir a morte. Como fenômeno natural, ela é discutida na ciência, na religião e faz parte de debates cotidianos, pois atinge a todos (Sl 89.48; Ec 8.8). Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP 1. Conceito
  • 13. Anteriormente definida como parada cardíaca e respiratória, o consenso médico atual a define como cessamento clínico, cerebral ou cardíaco irreversível do corpo humano. No entanto, a definição mais popular do fenômeno é a “interrupção da atividade elétrica no cérebro como um todo”. Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP 1. Conceito A constatação de que a pessoa entrou em óbito é o ponto de partida para a permissão, ou não, pela família, de doar órgãos.
  • 14. “O salário do pecado é a morte” (Rm 6.23). Deus não criou o homem e a mulher para morrer. O Senhor não planejou tal realidade para o ser humano. Mas, conforme descrito em Romanos 6.23, a morte é consequência da queda (Gn 3.1-24). O pecado roubou, em parte, a vida eterna da humanidade. Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP 2. O que as Escrituras dizem?
  • 15. Assim, a Bíblia demonstra que a morte é a consequência inevitável do pecado, e realça esse fato como a separação entre “alma” e “corpo” (Gn 35.18). Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP 2. O que as Escrituras dizem?
  • 16. A base bíblica para esse entendimento está em Gênesis 35.18, quando da morte de Raquel: “E aconteceu que, saindo-se lhe a alma (porque morreu)”. Tiago, o irmão do Senhor, corrobora esse pensamento quando ensina: “Porque, assim como o corpo sem o espírito [alma] está morto, assim também a fé sem obras é morta” (2.26). Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP 3. É a separação da alma do corpo
  • 17. Teologicamente e, segundo as Escrituras, podemos afirmar que a separação da “alma” do “corpo” estabelece o fenômeno natural e também espiritual que denominamos morte. Mas, o que acontece com a alma após a separação do corpo? Há vida após a morte? São indagações que podemos fazer. Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP 3. É a separação da alma do corpo
  • 18. RESUMO DO TÓPICO (1) Tecnicamente a morte é o cessamento clínico, cerebral e cardíaco irreversível do organismo. Biblicamente, porém, é a separação entre o corpo e a alma. Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
  • 19. 1. O que diz o Antigo Testamento 2. O que diz o Novo Testamento Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
  • 20. “Morrendo o homem, porventura, tornará a viver?” (Jó 14.14a). Essa é uma pergunta de interesse perene para todos os seres humanos. Indagações como: “Há vida após a morte?”, “Existe consciência noutra vida?” são questões existenciais não muito resolvidas até mesmo para alguns teólogos. Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP 1. O que diz o Antigo Testamento Entretanto, as Escrituras têm as respostas a essas perguntas.
  • 21. a) Sheol. Em Salmos 16.10 e 49.14,15, o termo hebraico é “sheol”. Essa palavra aparece ao longo de todo o Antigo Testamento. É traduzido por “inferno” e “sepultura”. Tais expressões denotam a ideia de imortalidade da alma e a esperança de se estar diante de Deus após a experiência da morte. Tal expectativa representa o âmago das expressões do salmista. Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP 1. O que diz o Antigo Testamento
  • 22. b) A esperança da ressurreição. O patriarca Jó, após muito padecer, expressou-se confiantemente: “E depois que o meu corpo estiver destruído e sem carne, verei a Deus” (19.26 cf. vv.23-25,27). O salmista expressou-se a esse respeito da seguinte forma: Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP 1. O que diz o Antigo Testamento
  • 23. Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP “Quanto a mim, feita a justiça, verei a tua face; quando despertar, ficarei satisfeito ao ver a tua semelhança” (17.15 cf. 16.9-11). Os profetas Isaías e Daniel expõem a esperança da ressurreição como um encontro irreversível com Deus (Is 26.19; Dn 12.2). 1. O que diz o Antigo Testamento
  • 24. Esses textos realçam a doutrina da esperança na ressurreição do corpo em glória e denotam, inclusive, a alegria do crente em se encontrar com o seu Deus após a morte. Logo, podemos afirmar categoricamente que o Antigo Testamento, respalda, inclusive com riqueza de detalhes, que há vida e consciência após a morte. Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP 1. O que diz o Antigo Testamento
  • 25. Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP A base bíblica neotestamentária da existência de vida consciente após a morte e a imortalidade da alma está fundamentada exatamente na pessoa de Jesus de Nazaré. Ele foi quem trouxe luz, vida e imortalidade ao homem que crê. As evidências são abundantes (Mt 10.28, Lc 23.43, Jo 11.25,26; 14.3; 2 Co 5.1). 2. O que diz o Novo Testamento
  • 26. Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP Essas porções bíblicas ensinam claramente a sobrevivência da alma humana fora do corpo, seja a do crente ou a do não crente, após a morte. Não obstante, a redenção do corpo e a alegre comunhão eterna com Deus são resultados da plena e bem-aventurada ressurreição e transformação do corpo corruptível em incorruptível (1 Co 15.1-58; 1 Ts 4.16; Fp 3.21). 2. O que diz o Novo Testamento
  • 27. Definitivamente, e segundo as Escrituras, o dom da vida para os cristãos não é uma existência finita, mas uma linda história de comunhão com o Deus eterno. Foi Ele quem implantou em nós, através de Cristo Jesus, nosso Senhor, a sua graça salvadora enquanto estivermos em nossa peregrinação terrena. Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP 2. O que diz o Novo Testamento
  • 28. RESUMO DO TÓPICO (2) As Escrituras denotam o dom da vida como uma existência infinita e, após o evento da morte, o início de uma história eterna de comunhão com Deus. Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
  • 29. 1. Esperança, apesar do luto 2. A morte de Cristo e a certeza da vida eterna 3. A morte: o desfrutar da vida eterna Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
  • 30. Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP É natural que a experiência da separação de um ente querido traga dor, angústia, tristeza e saudade. O luto chega de forma inesperada na vida de qualquer pessoa. Mas a promessa do Mestre de Nazaré ainda sobrepõe-se a qualquer vicissitude existencial: “[...] quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá” (Jo 11.25). 1. Esperança, apesar do luto
  • 31. O Pai entregou seu Filho em favor da humanidade, e assim o fez simplesmente por amor (Jo 3.16). Esse ato amoroso proporcionou a possibilidade de escaparmos do juízo divino pelo sangue precioso derramado por Cristo Jesus. Isso leva-nos a refletir que sem a morte de Jesus não haveria ressurreição. Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP 2. A morte de Cristo e a certeza da vida eterna
  • 32. Logo, não haveria pregação do Evangelho nem salvação. O apóstolo Paulo tinha a convicção de que a Cruz de Cristo é o âmago do Evangelho (1 Co 1.17), do novo nascimento e da vida eterna. Hoje só amamos o Senhor porque Ele nos amou primeiro (1 Jo 4.19). Por isso, pela sua morte, e morte de cruz temos, nEle, a vida eterna. Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP 2. A morte de Cristo e a certeza da vida eterna
  • 33. Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP O fenômeno da morte é para o crente a prova da fé vigorosa revelada em sua vida terrena. Essa fé manifesta-se numa consciência de vitória apesar de a morte mostrar-se como uma aparente derrota. 3. A morte: o desfrutar da vida eterna
  • 34. O apóstolo Pedro lembra dessa fé quando exorta-nos: “[...] alegrai-vos no fato de serdes participantes das aflições de Cristo, para que também na revelação da sua glória vos regozijeis e alegreis” (1 Pe 4.13). Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP 3. A morte: o desfrutar da vida eterna
  • 35. Para o crente a morte não é o fim, mas o início de uma extraordinária e plena vida com Cristo. É a certeza de que o seu “aguilhão” foi retirado de uma vez por todas, selando o passaporte oficial para a vida eterna em Jesus (1 Co 15.55; Os 13.14). Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP 3. A morte: o desfrutar da vida eterna Um dia nosso corpo será plenamente arrebatado do poder da morte (Rm 8.11; 1 Ts 4.16,17)!
  • 36. RESUMO DO TÓPICO (3) Apesar da dor e do luto, para o cristão, a morte é o início do desfrutar da vida eterna. Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
  • 37. Conclusão: Precisamos ter consciência de que a nossa vida é semelhante à flor da erva. Ela se esvai rapidamente. Todavia, tenhamos em mente que o “viver é Cristo e o morrer é lucro”. Portanto, não se prenda às questões passageiras e efêmeras. Na peregrinação existencial, preencha sua mente com o Evangelho. Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
  • 38. Conclusão: Assim, ao final de sua vida poderá jubiloso, entoar o que o apóstolo Paulo declarou no final da sua carreira: “Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé. Desde agora, a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, justo juiz, me dará naquele Dia; e não somente a mim, mas também a todos os que amarem a sua vinda” (2 Tm 4.7,8). Em Cristo, tenha paz e esperança, porque Ele é a ressurreição e a vida. Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
  • 39. Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
  • 40. Estudo disponível no www.facebook.com/EBDFrutosparaVida Necessário baixar o aplicativo slideshare para visualização em smartphones e tablets Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP