SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 42
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 07.02.2016 às 17h.Lição 6
Escola Bíblica Dominical
O Consolo de Deus em meio à aflição
Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que
não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra
da verdade. (2Tm 2.15)
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
“Bendito seja o Deus e Pai de nosso
Senhor Jesus Cristo, o Pai das
misericórdias e o Deus de toda
consolação” (2 Co 1.3).
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
As aflições nos ensinam a lidar com
as circunstâncias e a depender
inteiramente de Deus, nosso auxílio
e consolo.
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:
 I. Compreender que as aflições por que passamos nos
ensinam a lidar com as circunstâncias e a depender de
Deus, que nos ajuda e consola.
 II. Conscientizar se de que o crente fiel também
enfrenta lutas e tribulações.
 III. Saber que a confiança em Deus garante consolo e
vitória.
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
I. UMA SAUDAÇÃO ESPECIAL E INSPIRADORA (1.1,2)
1. Sua identificação pessoal e os destinatários (1.1)
2. O apostolado paulino e a vontade de Deus (1.1)
3. Sua saudação especial (v.2)
II – AFLIÇÃO E CONSOLO (1.3-7)
1. Paulo, sua fé e gratidão
2. O consolo divino e o consolo comunitário
3. A aflição na experiência cristã (vv.5,6)
III – AMARGURA E LIBERTAÇÃO (1.8-11)
1. Paulo enfrenta uma terrível tribulação (v.8)
2. Paulo confia em Deus para sua libertação (v.10)
3. Paulo confiou em Deus e foi liberto (v.11)
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
Consolação: Do grego paraklēsis;
alívio, conforto.
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
2 Coríntios 1.1-7
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
A Segunda Epístola aos Coríntios foi escrita
quase um ano depois da primeira carta, e
contém a apologética mais uniforme da
autoridade apostólica de Paulo. O apóstolo
achava-se contristado por causa da oposição
que lhe moviam os falsos irmãos. Afinal,
aquela igreja era fruto do seu trabalho
missionário (1 Co 4.14,15; 2 Co 10.13,14). A
carta também inclui alguns temas
doutrinários, como é o caso da morte e
ressurreição do crente (2 Co 5.1-10).
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
Neste texto, o apóstolo expõe o seu coração;
revela, de forma vívida, os sentimentos que
envolviam sua alma e sua fé. Ele confronta
as calúnias e a deslealdade dos falsos
irmãos, refutando suas atitudes carnais; bem
como enfrenta os falsos apóstolos, que
tinham por objetivo corromper a verdade do
evangelho de Cristo, a qual o apóstolo
pregava com toda sinceridade e dedicação.
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
1. Sua identificação pessoal e os destinatários (1.1)
2. O apostolado paulino e a vontade de Deus (1.1)
3. Sua saudação especial (v.2)
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
O apóstolo dos gentios,
como de praxe, inicia o texto
com o seu primeiro nome,
Paulo, seguindo uma forma
predominante na época em
que aparecia o nome do
autor, o nome do destinatário
e, finalmente, a saudação.
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
1. Sua identificação pessoal e os destinatários (1.1)
Em seguida, Paulo destaca o
seu apostolado, através do seu
poderoso e frutífero ministério
no seio da igreja, como alguém
que fora chamado e
autorizado a ser portador do
evangelho pelo próprio Jesus
(At 9.15). Já no versículo
primeiro ele enfatiza o fato de o
seu apostolado ser um
chamamento divino (v.1).
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
1. Sua identificação pessoal e os destinatários (1.1)
Nesta sua saudação à igreja de
Corinto, Paulo inclui Timóteo,
que cooperava com ele em
suas atividades missionárias.
Timóteo, um jovem obreiro, foi
um companheiro leal de Paulo
durante todo o seu ministério
(At 16.1-3; 17.14,15; 1 Co
4.17).
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
1. Sua identificação pessoal e os destinatários (1.1)
No texto de Atos 18.5 vemos
que Timóteo e Silas foram
enviados a Corinto para servir a
igreja. Posteriormente, Paulo
enviou o jovem pastor de Éfeso
a Corinto (1 Co 4.17; 16.10). A
despeito dos problemas que
essa igreja possuía, é digno de
menção a forma utilizada por
Paulo ao dirigir esta sua nova
carta a Corinto:
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
1. Sua identificação pessoal e os destinatários (1.1)
a) “À igreja de Deus que está em Corinto” (v.1).
Apesar dos falatórios dos rebeldes da igreja de Corinto
contra o apóstolo, ele tratou a igreja como um todo, como
parte da Igreja universal. Por isso, a denomina “igreja de
Deus”.
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
1. Sua identificação pessoal e os destinatários (1.1)
Não havia templos
construídos naqueles
primeiros tempos do
cristianismo; a igreja
reunia-se em casas
particulares ou ao ar livre.
Note que Paulo não está se
dirigindo a uma casa, mas
“à igreja de Deus que está
em Corinto”.
b) “[...] Todos os santos
que estão em toda a
Acaia” (v.1). Os romanos
haviam dividido a Grécia em
duas grandes províncias; ao
sul, Acaia e, ao norte,
Macedônia. Corinto era a
capital da Acaia ao sul, onde
residia o procônsul romano
(At 18.12).
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
1. Sua identificação pessoal e os destinatários (1.1)
O apóstolo acrescenta à sua
saudação um apêndice
tipicamente neotestamentário:
“os santos que estão em toda
a Acaia”. Os crentes são
tratados como “santos”
porque, independentemente
da sua estatura espiritual,
haviam sido separados da
vida mundana para formar
o povo de Deus, a Igreja.
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
1. Sua identificação pessoal e os destinatários (1.1)
Àqueles rebeldes que incitavam
os cristãos de Corinto contra seu
apostolado, Paulo não receou
identificar-se como tal, porque
esse título não resultou de uma
autoatribuição ou
autonomeação, mas foi-lhe
outorgado pela vontade de Deus,
que sabia quem era Paulo e, por
meio de sua soberania, o
chamou e o comissionou para
essa obra.
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
2. O apostolado paulino e a vontade de Deus (1.1)
No autêntico e bíblico ministério
cristão, só há lugar para os que
são chamados literalmente pelo
Senhor. Paulo explica seu
apostolado da parte de Jesus
Cristo usando a expressão “pela
vontade de Deus”, justamente
para enfatizar a origem de sua
vocação e de sua posição de
apóstolo (Gl 1.15).
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
2. O apostolado paulino e a vontade de Deus (1.1)
O apóstolo utiliza a palavra “paz”,
típica nas saudações dos judeus
(hb. shālôm), e a acrescenta à
graça que é charis, em grego. A
“graça” é a demonstração do favor
soberano de Deus mediante o ato
salvífico de Jesus no Calvário. Essa
graça especial promoveu a paz que
não havia entre Deus e o homem
(Rm 5.1; Ef 2.14-17).
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
3. Sua saudação especial (v.2)
Por isso, a Igreja é o conjunto
universal de judeus e gentios,
redimidos pelo sangue de
Jesus, onde não pode haver
discriminação alguma.
Graça e paz são dádivas, tanto
do Pai como do Filho.
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
3. Sua saudação especial (v.2)
RESUMO DO TÓPICO (1)
Para os rebeldes que incitavam os cristãos de
Corinto contra o apostolado de Paulo, ele não
receou identificar-se como tal, porque esse título
não resultou de uma autonomeação, mas foi-lhe
outorgado pela vontade de Deus e, portanto, está
diretamente relacionado à soberania do Eterno,
que sabia quem era Paulo e, por isso, o chamou e
o comissionou para essa obra.
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
1. Paulo, sua fé e gratidão
2. O consolo divino e o consolo comunitário
3. A aflição na experiência cristã (vv.5,6)
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
A seguir, o apóstolo agradece a Deus usando a seguinte
expressão: “Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor
Jesus Cristo”. Tal forma de expressar-se fala de sua
gratidão a Deus e também comunica uma riqueza
doutrinária.
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
1. Paulo, sua fé e gratidão
Deus é aqui revelado como "o
Pai das misericórdias",
indicando que esse Deus
Todo-Poderoso é aquEle que
nos perdoa. Suas
misericórdias são expressões
do seu caráter justo e santo,
que pune o erro, mas se
compadece do pecador
arrependido (Sl 103.13-18).
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
1. Paulo, sua fé e gratidão
Deus Pai não é apenas um
Deus que se compadece de
nós em nossas tribulações,
mas aquEle que alivia nossos
sofrimentos com o bálsamo
da consolação do seu Espírito
(At 9.31), pois é o "Deus de
toda consolação" (2 Co 1.3).
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
2. O consolo divino e o consolo comunitário
A força da palavra
"consolação" (gr. paraklēsis),
neste versículo, está no termo
grego paraklētos ("advogado",
"consolador"), utilizado no
Novo Testamento em relação
à Pessoa do Espírito Santo
como “o outro consolador”,
prometido por Jesus antes de
ascender aos céus (Jo 14.16;
16.13,14).
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
2. O consolo divino e o consolo comunitário
No versículo 4, Paulo dá
testemunho do consolo divino,
afirmando que Deus “nos
consola em toda a nossa
tribulação”, em uma clara
referência às suas várias lutas
vividas naqueles dias ante as
perseguições e calúnias que
sofrera.
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
2. O consolo divino e o consolo comunitário
Na sequência, o apóstolo esclarece
que o consolo que recebemos de
Deus, em meio aos sofrimentos, serve
de bênçãos para nós mesmos e para
os outros, uma vez que aprendemos a
lidar com as circunstâncias e nos
tornamos canais de consolo divino
para os outros. Na verdade, a Bíblia
fala-nos aqui da responsabilidade do
crente em relação aos seus irmãos em
Cristo, quando enfrentam tribulações,
lutas, sofrimentos e dificuldades.
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
2. O consolo divino e o consolo comunitário
Aflição é uma palavra bíblica que
anula o falso conceito da Teologia da
Prosperidade, segundo a qual o
crente santo e fiel não passa por
dificuldades (Jo 16.33). Os
sofrimentos e provações que
enfrentamos produzem perseverança
e esperança (Rm 5.3,4). As aflições
são inevitáveis em nossa vida,
porém, o consolo divino - bem
como o apoio dos nossos irmãos -
vem como um rio caudaloso trazendo
refrigério e descanso.
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
3. A aflição na experiência cristã (vv.5,6)
RESUMO DO TÓPICO (2)
Deus Pai não é apenas um Deus que
se compadece de nós em nossas
tribulações, mas aquEle que alivia
nossos sofrimentos com o bálsamo da
consolação do seu Espírito, pois é o
“Deus de toda a consolação”.
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
1. Paulo enfrenta uma terrível tribulação (v.8)
2. Paulo confia em Deus para sua libertação (v.10)
3. Paulo confiou em Deus e foi liberto (v.11)
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
O apóstolo passou por uma
tribulação esmagadora na Ásia;
talvez em Éfeso, a capital da
província (At 19.22-28). Nenhum
servo de Deus está livre dessas
experiências. Ameaças de morte
não faltaram em todo o
ministério paulino. O que chama
a atenção no texto é que a
aflição sofrida foi tão forte que
Paulo a considerou algo
superioras suas forças.
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
1. Paulo enfrenta uma terrível tribulação (v.8)
A despeito da tenacidade desse
homem, sua estrutura
emocional era humana e
limitada, e ele parecia não
encontrar saída para escapar ao
problema. Entretanto, Paulo
entendeu que essa era uma
prova em que ele deveria confiar,
não em suas próprias forças,
mas em Deus que “ressuscita os
mortos” (v.9).
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
1. Paulo enfrenta uma terrível tribulação (v.8)
O texto diz: “o qual nos livrou de
tão grande morte e livrará; em
quem esperamos que também
nos livrará ainda”. A expressão
“tão grande morte” indica que o
seu fim parecia-lhe inevitável,
mas Deus o livrara. A experiência
dava-lhe consolo e ânimo para,
em todas as situações, crer e
esperar em um Deus que é
também o nosso Pai amoroso.
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
2. Paulo confia em Deus para sua libertação (v.10)
O apóstolo agradece a Deus pelo
livramento e apela à igreja de
Corinto que ore e interceda pelos
seus ministros. Assim, ela
também terá motivos para
glorificar ao Senhor pelo
livramento que dará aos seus
servos. Não existem limites para
o poder da oração
intercessória em nome de
Jesus.
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
3. Paulo confiou em Deus e foi liberto (v.11)
RESUMO DO TÓPICO (3)
Paulo enfrenta uma terrível
tribulação, mas confia em Deus
e recebe o livramento.
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
Conclusão:
Nesta lição, aprendemos que o cristão passa por
muitas aflições, mas o Senhor sempre o ajuda a
enfrentá-las. Ele está conosco, antes, durante e
após as provações. O Senhor Jesus Cristo não
nos desampara nunca (Mt 28.20).
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
Estudo disponível no
www.facebook.com/EBDFrutosparaVida
Necessário baixar o aplicativo
slideshare para visualização
em smartphones e tablets
Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lição 9 - É preciso buscar Crescimento Espiritual
Lição 9 - É preciso buscar Crescimento EspiritualLição 9 - É preciso buscar Crescimento Espiritual
Lição 9 - É preciso buscar Crescimento EspiritualÉder Tomé
 
Combate Espiritual,Armadura de Deus - Espada do Espírito, a palavra de Deus
Combate Espiritual,Armadura de Deus - Espada do Espírito, a palavra de DeusCombate Espiritual,Armadura de Deus - Espada do Espírito, a palavra de Deus
Combate Espiritual,Armadura de Deus - Espada do Espírito, a palavra de DeusMichel Plattiny
 
estudo biblico
estudo biblicoestudo biblico
estudo biblicovalmarques
 
Lição 5 - Fruto do Espírito: o Eu Crucificado
Lição 5 - Fruto do Espírito: o Eu CrucificadoLição 5 - Fruto do Espírito: o Eu Crucificado
Lição 5 - Fruto do Espírito: o Eu CrucificadoÉder Tomé
 
Lição 12 - A Igreja de Filadélfia um modelo para os nossos dias
Lição 12 - A Igreja de Filadélfia um modelo para os nossos diasLição 12 - A Igreja de Filadélfia um modelo para os nossos dias
Lição 12 - A Igreja de Filadélfia um modelo para os nossos diasÉder Tomé
 
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de Fé
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de FéLição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de Fé
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de FéÉder Tomé
 
A disciplina na igreja (hb 12.11)
A disciplina na igreja (hb 12.11)A disciplina na igreja (hb 12.11)
A disciplina na igreja (hb 12.11)Ederson Tribst
 
A Epistola de Tiago
A Epistola de TiagoA Epistola de Tiago
A Epistola de TiagoUEPB
 
Lição 11 – Cultivando a Convicção Cristã.pptx
Lição 11 – Cultivando a Convicção Cristã.pptxLição 11 – Cultivando a Convicção Cristã.pptx
Lição 11 – Cultivando a Convicção Cristã.pptxCelso Napoleon
 
Lição 6 – frutos da maturidade cristã
Lição 6 – frutos da maturidade cristãLição 6 – frutos da maturidade cristã
Lição 6 – frutos da maturidade cristãJoanilson França Garcia
 
Carta a igreja pérgamo
Carta a igreja pérgamoCarta a igreja pérgamo
Carta a igreja pérgamoIcm Bela Vista
 
Lição 11 - O Sacerdócio de Cristo e o Levítico
Lição 11 - O Sacerdócio de Cristo e o LevíticoLição 11 - O Sacerdócio de Cristo e o Levítico
Lição 11 - O Sacerdócio de Cristo e o LevíticoÉder Tomé
 
Apresentação evangelismo
Apresentação evangelismoApresentação evangelismo
Apresentação evangelismoInes Pozzagnolo
 

Mais procurados (20)

A armadura de_deus_completa
A armadura de_deus_completaA armadura de_deus_completa
A armadura de_deus_completa
 
Carta à Igreja de Tiatira no Apocalipse
Carta à Igreja de Tiatira no ApocalipseCarta à Igreja de Tiatira no Apocalipse
Carta à Igreja de Tiatira no Apocalipse
 
Lição 9 - É preciso buscar Crescimento Espiritual
Lição 9 - É preciso buscar Crescimento EspiritualLição 9 - É preciso buscar Crescimento Espiritual
Lição 9 - É preciso buscar Crescimento Espiritual
 
Combate Espiritual,Armadura de Deus - Espada do Espírito, a palavra de Deus
Combate Espiritual,Armadura de Deus - Espada do Espírito, a palavra de DeusCombate Espiritual,Armadura de Deus - Espada do Espírito, a palavra de Deus
Combate Espiritual,Armadura de Deus - Espada do Espírito, a palavra de Deus
 
estudo biblico
estudo biblicoestudo biblico
estudo biblico
 
Lição 5 - Fruto do Espírito: o Eu Crucificado
Lição 5 - Fruto do Espírito: o Eu CrucificadoLição 5 - Fruto do Espírito: o Eu Crucificado
Lição 5 - Fruto do Espírito: o Eu Crucificado
 
Carta à Igreja de Pérgamo no Apocalipse
Carta à Igreja de Pérgamo no ApocalipseCarta à Igreja de Pérgamo no Apocalipse
Carta à Igreja de Pérgamo no Apocalipse
 
8. tribunal de cristo
8. tribunal de cristo8. tribunal de cristo
8. tribunal de cristo
 
Lição 12 - A Igreja de Filadélfia um modelo para os nossos dias
Lição 12 - A Igreja de Filadélfia um modelo para os nossos diasLição 12 - A Igreja de Filadélfia um modelo para os nossos dias
Lição 12 - A Igreja de Filadélfia um modelo para os nossos dias
 
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de Fé
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de FéLição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de Fé
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de Fé
 
Estudo biblico 22
Estudo biblico 22Estudo biblico 22
Estudo biblico 22
 
As 7 igrejas da asia 2
As 7 igrejas da asia 2As 7 igrejas da asia 2
As 7 igrejas da asia 2
 
Batismo nas águas
Batismo nas águasBatismo nas águas
Batismo nas águas
 
A disciplina na igreja (hb 12.11)
A disciplina na igreja (hb 12.11)A disciplina na igreja (hb 12.11)
A disciplina na igreja (hb 12.11)
 
A Epistola de Tiago
A Epistola de TiagoA Epistola de Tiago
A Epistola de Tiago
 
Lição 11 – Cultivando a Convicção Cristã.pptx
Lição 11 – Cultivando a Convicção Cristã.pptxLição 11 – Cultivando a Convicção Cristã.pptx
Lição 11 – Cultivando a Convicção Cristã.pptx
 
Lição 6 – frutos da maturidade cristã
Lição 6 – frutos da maturidade cristãLição 6 – frutos da maturidade cristã
Lição 6 – frutos da maturidade cristã
 
Carta a igreja pérgamo
Carta a igreja pérgamoCarta a igreja pérgamo
Carta a igreja pérgamo
 
Lição 11 - O Sacerdócio de Cristo e o Levítico
Lição 11 - O Sacerdócio de Cristo e o LevíticoLição 11 - O Sacerdócio de Cristo e o Levítico
Lição 11 - O Sacerdócio de Cristo e o Levítico
 
Apresentação evangelismo
Apresentação evangelismoApresentação evangelismo
Apresentação evangelismo
 

Destaque

Lição 24 Desafios de um Casamento
Lição 24   Desafios de um CasamentoLição 24   Desafios de um Casamento
Lição 24 Desafios de um CasamentoWander Sousa
 
New Housing New York: Built Project South Bronx (Bloomberg + EPA + AIA Propos...
New Housing New York: Built Project South Bronx (Bloomberg + EPA + AIA Propos...New Housing New York: Built Project South Bronx (Bloomberg + EPA + AIA Propos...
New Housing New York: Built Project South Bronx (Bloomberg + EPA + AIA Propos...Makrand Bhoot
 
從台灣輸入公民軟體的香港經驗
從台灣輸入公民軟體的香港經驗從台灣輸入公民軟體的香港經驗
從台灣輸入公民軟體的香港經驗CODE4HK
 
exchang server 2007
exchang server 2007exchang server 2007
exchang server 2007mrzape
 
Perspectiva a lo largo del tiempo de nuestra cooperativa y del movimiento aso...
Perspectiva a lo largo del tiempo de nuestra cooperativa y del movimiento aso...Perspectiva a lo largo del tiempo de nuestra cooperativa y del movimiento aso...
Perspectiva a lo largo del tiempo de nuestra cooperativa y del movimiento aso...Koynos Cooperativa Valenciana
 
Tugas pembuatan obat(tpo) Etabiotic
Tugas pembuatan obat(tpo) EtabioticTugas pembuatan obat(tpo) Etabiotic
Tugas pembuatan obat(tpo) EtabioticNovia Anwar
 
Analisis Kebijakan Internasional
Analisis Kebijakan InternasionalAnalisis Kebijakan Internasional
Analisis Kebijakan InternasionalNovia Anwar
 
Prorocanstva i tajne
Prorocanstva i tajneProrocanstva i tajne
Prorocanstva i tajnesrbenda
 
Lição 17 Os efeitos do mundanismo na família
Lição 17   Os efeitos do mundanismo na famíliaLição 17   Os efeitos do mundanismo na família
Lição 17 Os efeitos do mundanismo na famíliaWander Sousa
 
Demokrasi pada Era Reformasi
Demokrasi pada Era ReformasiDemokrasi pada Era Reformasi
Demokrasi pada Era ReformasiNovia Anwar
 
Lição 35 o cuidado com a língua
Lição 35   o cuidado com a línguaLição 35   o cuidado com a língua
Lição 35 o cuidado com a línguaWander Sousa
 
Introduction to Creating Websites
Introduction to Creating WebsitesIntroduction to Creating Websites
Introduction to Creating WebsitesJustin Clune
 
Implementing innovation and commercialisation - Stuart Abbott, Zoë Prytherch ...
Implementing innovation and commercialisation - Stuart Abbott, Zoë Prytherch ...Implementing innovation and commercialisation - Stuart Abbott, Zoë Prytherch ...
Implementing innovation and commercialisation - Stuart Abbott, Zoë Prytherch ...HEA_AH
 

Destaque (20)

Lição 24 Desafios de um Casamento
Lição 24   Desafios de um CasamentoLição 24   Desafios de um Casamento
Lição 24 Desafios de um Casamento
 
7th april map discussion
7th april map discussion7th april map discussion
7th april map discussion
 
arthimatic progressions
arthimatic progressionsarthimatic progressions
arthimatic progressions
 
New Housing New York: Built Project South Bronx (Bloomberg + EPA + AIA Propos...
New Housing New York: Built Project South Bronx (Bloomberg + EPA + AIA Propos...New Housing New York: Built Project South Bronx (Bloomberg + EPA + AIA Propos...
New Housing New York: Built Project South Bronx (Bloomberg + EPA + AIA Propos...
 
從台灣輸入公民軟體的香港經驗
從台灣輸入公民軟體的香港經驗從台灣輸入公民軟體的香港經驗
從台灣輸入公民軟體的香港經驗
 
exchang server 2007
exchang server 2007exchang server 2007
exchang server 2007
 
Perspectiva a lo largo del tiempo de nuestra cooperativa y del movimiento aso...
Perspectiva a lo largo del tiempo de nuestra cooperativa y del movimiento aso...Perspectiva a lo largo del tiempo de nuestra cooperativa y del movimiento aso...
Perspectiva a lo largo del tiempo de nuestra cooperativa y del movimiento aso...
 
Tugas pembuatan obat(tpo) Etabiotic
Tugas pembuatan obat(tpo) EtabioticTugas pembuatan obat(tpo) Etabiotic
Tugas pembuatan obat(tpo) Etabiotic
 
Analisis Kebijakan Internasional
Analisis Kebijakan InternasionalAnalisis Kebijakan Internasional
Analisis Kebijakan Internasional
 
report_present
report_presentreport_present
report_present
 
Prorocanstva i tajne
Prorocanstva i tajneProrocanstva i tajne
Prorocanstva i tajne
 
Meteor Day Talk
Meteor Day TalkMeteor Day Talk
Meteor Day Talk
 
Lição 17 Os efeitos do mundanismo na família
Lição 17   Os efeitos do mundanismo na famíliaLição 17   Os efeitos do mundanismo na família
Lição 17 Os efeitos do mundanismo na família
 
Demokrasi pada Era Reformasi
Demokrasi pada Era ReformasiDemokrasi pada Era Reformasi
Demokrasi pada Era Reformasi
 
Lição 35 o cuidado com a língua
Lição 35   o cuidado com a línguaLição 35   o cuidado com a língua
Lição 35 o cuidado com a língua
 
Introduction to Creating Websites
Introduction to Creating WebsitesIntroduction to Creating Websites
Introduction to Creating Websites
 
Production and cost
Production and costProduction and cost
Production and cost
 
Applying
Applying Applying
Applying
 
Resep Bintang 7
Resep Bintang 7Resep Bintang 7
Resep Bintang 7
 
Implementing innovation and commercialisation - Stuart Abbott, Zoë Prytherch ...
Implementing innovation and commercialisation - Stuart Abbott, Zoë Prytherch ...Implementing innovation and commercialisation - Stuart Abbott, Zoë Prytherch ...
Implementing innovation and commercialisation - Stuart Abbott, Zoë Prytherch ...
 

Semelhante a Lição 6 O consolo de Deus em meio à aflição

IBADEP BASICO - EPISTOLAS PAULINAS E GERAIS AULA2 - 1 e 2 CORINTIOS
IBADEP BASICO -  EPISTOLAS PAULINAS E GERAIS  AULA2 - 1 e 2 CORINTIOSIBADEP BASICO -  EPISTOLAS PAULINAS E GERAIS  AULA2 - 1 e 2 CORINTIOS
IBADEP BASICO - EPISTOLAS PAULINAS E GERAIS AULA2 - 1 e 2 CORINTIOSRubens Sohn
 
Lição 14 Cura Divina
Lição 14   Cura DivinaLição 14   Cura Divina
Lição 14 Cura DivinaWander Sousa
 
Lição 1 E deu dons aos homens
Lição 1   E deu dons aos homensLição 1   E deu dons aos homens
Lição 1 E deu dons aos homensIsmael Isidio
 
AS VIRTUDES DOS SALVOS EM CRISTO – Lição 05 – Escola Dominical
AS VIRTUDES DOS SALVOS EM CRISTO – Lição 05 – Escola DominicalAS VIRTUDES DOS SALVOS EM CRISTO – Lição 05 – Escola Dominical
AS VIRTUDES DOS SALVOS EM CRISTO – Lição 05 – Escola Dominicalyosseph2013
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 2 - AÇÃO DE GRAÇAS PELA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 2 - AÇÃO DE GRAÇAS PELA IGREJA DE CORINTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 2 - AÇÃO DE GRAÇAS PELA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 2 - AÇÃO DE GRAÇAS PELA IGREJA DE CORINTONatalino das Neves Neves
 
1estudo-powerpoint-140725161434-phpapp02 (1).pdf
1estudo-powerpoint-140725161434-phpapp02 (1).pdf1estudo-powerpoint-140725161434-phpapp02 (1).pdf
1estudo-powerpoint-140725161434-phpapp02 (1).pdfTiago Silva
 
A Igreja em Corinto: Realidade espiritual x Vivência diária
A Igreja em Corinto: Realidade espiritual x Vivência diáriaA Igreja em Corinto: Realidade espiritual x Vivência diária
A Igreja em Corinto: Realidade espiritual x Vivência diáriaDaniel Junior
 
1 Coríntios (1º Estudo)
1 Coríntios (1º Estudo)1 Coríntios (1º Estudo)
1 Coríntios (1º Estudo)Daniel Junior
 
LIÇÃO 2 JOVENS AÇÃO DE GRAÇAS PELA IGREJA DE CORINTO .pptx
LIÇÃO 2 JOVENS AÇÃO DE GRAÇAS PELA IGREJA DE CORINTO .pptxLIÇÃO 2 JOVENS AÇÃO DE GRAÇAS PELA IGREJA DE CORINTO .pptx
LIÇÃO 2 JOVENS AÇÃO DE GRAÇAS PELA IGREJA DE CORINTO .pptxKARINEVONEYVIEIRABAR
 
Preleção_JOVENS_Lição 2 - Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_JOVENS_Lição 2 - Ação de Graças pela Igreja de CorintoPreleção_JOVENS_Lição 2 - Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_JOVENS_Lição 2 - Ação de Graças pela Igreja de CorintoPastor Natalino Das Neves
 
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoPreleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoNatalino das Neves Neves
 
Estudo - 1 Tessalonicenses ( Comentário de Moody )
Estudo - 1 Tessalonicenses ( Comentário de Moody )Estudo - 1 Tessalonicenses ( Comentário de Moody )
Estudo - 1 Tessalonicenses ( Comentário de Moody )ibpcursos
 
Lição 5 Os Dons Espirituais
Lição 5   Os Dons EspirituaisLição 5   Os Dons Espirituais
Lição 5 Os Dons EspirituaisWander Sousa
 
comentario biblico-1 tessalonicenses (moody)
comentario biblico-1 tessalonicenses (moody)comentario biblico-1 tessalonicenses (moody)
comentario biblico-1 tessalonicenses (moody)leniogravacoes
 
Aula de gálatas e romanos 04-05-2015
Aula de gálatas e romanos   04-05-2015Aula de gálatas e romanos   04-05-2015
Aula de gálatas e romanos 04-05-2015Francilene Santos
 

Semelhante a Lição 6 O consolo de Deus em meio à aflição (20)

IBADEP BASICO - EPISTOLAS PAULINAS E GERAIS AULA2 - 1 e 2 CORINTIOS
IBADEP BASICO -  EPISTOLAS PAULINAS E GERAIS  AULA2 - 1 e 2 CORINTIOSIBADEP BASICO -  EPISTOLAS PAULINAS E GERAIS  AULA2 - 1 e 2 CORINTIOS
IBADEP BASICO - EPISTOLAS PAULINAS E GERAIS AULA2 - 1 e 2 CORINTIOS
 
Lição 1ª A igreja de Deus
Lição 1ª A igreja de DeusLição 1ª A igreja de Deus
Lição 1ª A igreja de Deus
 
Lição 14 Cura Divina
Lição 14   Cura DivinaLição 14   Cura Divina
Lição 14 Cura Divina
 
Lição 1 E deu dons aos homens
Lição 1   E deu dons aos homensLição 1   E deu dons aos homens
Lição 1 E deu dons aos homens
 
AS VIRTUDES DOS SALVOS EM CRISTO – Lição 05 – Escola Dominical
AS VIRTUDES DOS SALVOS EM CRISTO – Lição 05 – Escola DominicalAS VIRTUDES DOS SALVOS EM CRISTO – Lição 05 – Escola Dominical
AS VIRTUDES DOS SALVOS EM CRISTO – Lição 05 – Escola Dominical
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 2 - AÇÃO DE GRAÇAS PELA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 2 - AÇÃO DE GRAÇAS PELA IGREJA DE CORINTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 2 - AÇÃO DE GRAÇAS PELA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 2 - AÇÃO DE GRAÇAS PELA IGREJA DE CORINTO
 
008 corintios 2º
008 corintios 2º008 corintios 2º
008 corintios 2º
 
1estudo-powerpoint-140725161434-phpapp02 (1).pdf
1estudo-powerpoint-140725161434-phpapp02 (1).pdf1estudo-powerpoint-140725161434-phpapp02 (1).pdf
1estudo-powerpoint-140725161434-phpapp02 (1).pdf
 
A Igreja em Corinto: Realidade espiritual x Vivência diária
A Igreja em Corinto: Realidade espiritual x Vivência diáriaA Igreja em Corinto: Realidade espiritual x Vivência diária
A Igreja em Corinto: Realidade espiritual x Vivência diária
 
1 Coríntios (1º Estudo)
1 Coríntios (1º Estudo)1 Coríntios (1º Estudo)
1 Coríntios (1º Estudo)
 
escola sabatina 11
escola sabatina 11escola sabatina 11
escola sabatina 11
 
LIÇÃO 2 JOVENS AÇÃO DE GRAÇAS PELA IGREJA DE CORINTO .pptx
LIÇÃO 2 JOVENS AÇÃO DE GRAÇAS PELA IGREJA DE CORINTO .pptxLIÇÃO 2 JOVENS AÇÃO DE GRAÇAS PELA IGREJA DE CORINTO .pptx
LIÇÃO 2 JOVENS AÇÃO DE GRAÇAS PELA IGREJA DE CORINTO .pptx
 
Preleção_JOVENS_Lição 2 - Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_JOVENS_Lição 2 - Ação de Graças pela Igreja de CorintoPreleção_JOVENS_Lição 2 - Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_JOVENS_Lição 2 - Ação de Graças pela Igreja de Corinto
 
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoPreleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
 
Estudo - 1 Tessalonicenses ( Comentário de Moody )
Estudo - 1 Tessalonicenses ( Comentário de Moody )Estudo - 1 Tessalonicenses ( Comentário de Moody )
Estudo - 1 Tessalonicenses ( Comentário de Moody )
 
Lição 5 Os Dons Espirituais
Lição 5   Os Dons EspirituaisLição 5   Os Dons Espirituais
Lição 5 Os Dons Espirituais
 
comentario biblico-1 tessalonicenses (moody)
comentario biblico-1 tessalonicenses (moody)comentario biblico-1 tessalonicenses (moody)
comentario biblico-1 tessalonicenses (moody)
 
Lição 07 artigo
Lição 07   artigoLição 07   artigo
Lição 07 artigo
 
Aula de gálatas e romanos 04-05-2015
Aula de gálatas e romanos   04-05-2015Aula de gálatas e romanos   04-05-2015
Aula de gálatas e romanos 04-05-2015
 
Aulas 01 04-cristao_frutifero2013
Aulas 01 04-cristao_frutifero2013Aulas 01 04-cristao_frutifero2013
Aulas 01 04-cristao_frutifero2013
 

Mais de Wander Sousa

Lição 40 O perigo das obras da carne
Lição 40   O perigo das obras da carneLição 40   O perigo das obras da carne
Lição 40 O perigo das obras da carneWander Sousa
 
Lição 39 Integridade em tempos de crise
Lição 39   Integridade em tempos de criseLição 39   Integridade em tempos de crise
Lição 39 Integridade em tempos de criseWander Sousa
 
Lição 38 Ídolos
Lição 38   ÍdolosLição 38   Ídolos
Lição 38 ÍdolosWander Sousa
 
Lição 37 O fruto do Espírito — a plenitude de Cristo na vida do crente
Lição 37   O fruto do Espírito — a plenitude de Cristo na vida do crenteLição 37   O fruto do Espírito — a plenitude de Cristo na vida do crente
Lição 37 O fruto do Espírito — a plenitude de Cristo na vida do crenteWander Sousa
 
Lição 36 as limitações dos discípulos
Lição 36   as limitações dos discípulosLição 36   as limitações dos discípulos
Lição 36 as limitações dos discípulosWander Sousa
 
Lição 34 O propósito da tentação
Lição 34   O propósito da tentaçãoLição 34   O propósito da tentação
Lição 34 O propósito da tentaçãoWander Sousa
 
Lição 33 Desafios de um casamento
Lição 33   Desafios de um casamentoLição 33   Desafios de um casamento
Lição 33 Desafios de um casamentoWander Sousa
 
Lição 32 Fé em meio às injustiças
Lição 32   Fé em meio às injustiçasLição 32   Fé em meio às injustiças
Lição 32 Fé em meio às injustiçasWander Sousa
 
Lição 31 As consequências das escolhas precipitadas
Lição 31   As consequências das escolhas precipitadasLição 31   As consequências das escolhas precipitadas
Lição 31 As consequências das escolhas precipitadasWander Sousa
 
Dons Ministeriais | Três aulas
Dons Ministeriais | Três aulasDons Ministeriais | Três aulas
Dons Ministeriais | Três aulasWander Sousa
 
Lição 29 Os dons espirituais
Lição 29   Os dons espirituaisLição 29   Os dons espirituais
Lição 29 Os dons espirituaisWander Sousa
 
Lição 28 O poder da evangelização na família
Lição 28   O poder da evangelização na famíliaLição 28   O poder da evangelização na família
Lição 28 O poder da evangelização na famíliaWander Sousa
 
Lição 27 Jesus e a felicidade
Lição 27   Jesus e a felicidadeLição 27   Jesus e a felicidade
Lição 27 Jesus e a felicidadeWander Sousa
 
Lição 26 Os falsos profetas
Lição 26   Os falsos profetasLição 26   Os falsos profetas
Lição 26 Os falsos profetasWander Sousa
 
Lição 25 Cuidado com as pequenas coisas
Lição 25   Cuidado com as pequenas coisasLição 25   Cuidado com as pequenas coisas
Lição 25 Cuidado com as pequenas coisasWander Sousa
 
Lição 23 Depressão, a doença da alma
Lição 23   Depressão, a doença da almaLição 23   Depressão, a doença da alma
Lição 23 Depressão, a doença da almaWander Sousa
 
Lição 22 Terceira idade
Lição 22   Terceira idadeLição 22   Terceira idade
Lição 22 Terceira idadeWander Sousa
 
Lição 21 Rebelião
Lição 21   RebeliãoLição 21   Rebelião
Lição 21 RebeliãoWander Sousa
 
Lição 20 Renúncia
Lição 20   RenúnciaLição 20   Renúncia
Lição 20 RenúnciaWander Sousa
 
Lição 19 Imoralidade
Lição 19   ImoralidadeLição 19   Imoralidade
Lição 19 ImoralidadeWander Sousa
 

Mais de Wander Sousa (20)

Lição 40 O perigo das obras da carne
Lição 40   O perigo das obras da carneLição 40   O perigo das obras da carne
Lição 40 O perigo das obras da carne
 
Lição 39 Integridade em tempos de crise
Lição 39   Integridade em tempos de criseLição 39   Integridade em tempos de crise
Lição 39 Integridade em tempos de crise
 
Lição 38 Ídolos
Lição 38   ÍdolosLição 38   Ídolos
Lição 38 Ídolos
 
Lição 37 O fruto do Espírito — a plenitude de Cristo na vida do crente
Lição 37   O fruto do Espírito — a plenitude de Cristo na vida do crenteLição 37   O fruto do Espírito — a plenitude de Cristo na vida do crente
Lição 37 O fruto do Espírito — a plenitude de Cristo na vida do crente
 
Lição 36 as limitações dos discípulos
Lição 36   as limitações dos discípulosLição 36   as limitações dos discípulos
Lição 36 as limitações dos discípulos
 
Lição 34 O propósito da tentação
Lição 34   O propósito da tentaçãoLição 34   O propósito da tentação
Lição 34 O propósito da tentação
 
Lição 33 Desafios de um casamento
Lição 33   Desafios de um casamentoLição 33   Desafios de um casamento
Lição 33 Desafios de um casamento
 
Lição 32 Fé em meio às injustiças
Lição 32   Fé em meio às injustiçasLição 32   Fé em meio às injustiças
Lição 32 Fé em meio às injustiças
 
Lição 31 As consequências das escolhas precipitadas
Lição 31   As consequências das escolhas precipitadasLição 31   As consequências das escolhas precipitadas
Lição 31 As consequências das escolhas precipitadas
 
Dons Ministeriais | Três aulas
Dons Ministeriais | Três aulasDons Ministeriais | Três aulas
Dons Ministeriais | Três aulas
 
Lição 29 Os dons espirituais
Lição 29   Os dons espirituaisLição 29   Os dons espirituais
Lição 29 Os dons espirituais
 
Lição 28 O poder da evangelização na família
Lição 28   O poder da evangelização na famíliaLição 28   O poder da evangelização na família
Lição 28 O poder da evangelização na família
 
Lição 27 Jesus e a felicidade
Lição 27   Jesus e a felicidadeLição 27   Jesus e a felicidade
Lição 27 Jesus e a felicidade
 
Lição 26 Os falsos profetas
Lição 26   Os falsos profetasLição 26   Os falsos profetas
Lição 26 Os falsos profetas
 
Lição 25 Cuidado com as pequenas coisas
Lição 25   Cuidado com as pequenas coisasLição 25   Cuidado com as pequenas coisas
Lição 25 Cuidado com as pequenas coisas
 
Lição 23 Depressão, a doença da alma
Lição 23   Depressão, a doença da almaLição 23   Depressão, a doença da alma
Lição 23 Depressão, a doença da alma
 
Lição 22 Terceira idade
Lição 22   Terceira idadeLição 22   Terceira idade
Lição 22 Terceira idade
 
Lição 21 Rebelião
Lição 21   RebeliãoLição 21   Rebelião
Lição 21 Rebelião
 
Lição 20 Renúncia
Lição 20   RenúnciaLição 20   Renúncia
Lição 20 Renúncia
 
Lição 19 Imoralidade
Lição 19   ImoralidadeLição 19   Imoralidade
Lição 19 Imoralidade
 

Último

Material sobre o jubileu e o seu significado
Material sobre o jubileu e o seu significadoMaterial sobre o jubileu e o seu significado
Material sobre o jubileu e o seu significadofreivalentimpesente
 
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semanaLIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semanaWillemarSousa1
 
Gestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptx
Gestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptxGestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptx
Gestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptxSebastioFerreira34
 
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 EGÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 EMicheleRosa39
 
10 Orações Para Honrar São José Operário
10 Orações Para Honrar São José Operário10 Orações Para Honrar São José Operário
10 Orações Para Honrar São José OperárioNilson Almeida
 
O Livro de Yashar e Jaser - Impressao.pdf
O Livro de Yashar e Jaser - Impressao.pdfO Livro de Yashar e Jaser - Impressao.pdf
O Livro de Yashar e Jaser - Impressao.pdfSUELLENBALTARDELEU
 
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus: Verdadeira Pureza , ...
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus:  Verdadeira Pureza , ...Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus:  Verdadeira Pureza , ...
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus: Verdadeira Pureza , ...silvana30986
 
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptxLição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptxCelso Napoleon
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pão
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pãoSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pão
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pãoRicardo Azevedo
 

Último (10)

Material sobre o jubileu e o seu significado
Material sobre o jubileu e o seu significadoMaterial sobre o jubileu e o seu significado
Material sobre o jubileu e o seu significado
 
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semanaLIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
 
Fluido Cósmico Universal e Perispírito.ppt
Fluido Cósmico Universal e Perispírito.pptFluido Cósmico Universal e Perispírito.ppt
Fluido Cósmico Universal e Perispírito.ppt
 
Gestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptx
Gestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptxGestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptx
Gestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptx
 
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 EGÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
 
10 Orações Para Honrar São José Operário
10 Orações Para Honrar São José Operário10 Orações Para Honrar São José Operário
10 Orações Para Honrar São José Operário
 
O Livro de Yashar e Jaser - Impressao.pdf
O Livro de Yashar e Jaser - Impressao.pdfO Livro de Yashar e Jaser - Impressao.pdf
O Livro de Yashar e Jaser - Impressao.pdf
 
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus: Verdadeira Pureza , ...
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus:  Verdadeira Pureza , ...Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus:  Verdadeira Pureza , ...
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus: Verdadeira Pureza , ...
 
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptxLição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pão
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pãoSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pão
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pão
 

Lição 6 O consolo de Deus em meio à aflição

  • 1. Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 07.02.2016 às 17h.Lição 6 Escola Bíblica Dominical O Consolo de Deus em meio à aflição
  • 2. Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade. (2Tm 2.15) Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
  • 3. “Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai das misericórdias e o Deus de toda consolação” (2 Co 1.3). Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
  • 4. As aflições nos ensinam a lidar com as circunstâncias e a depender inteiramente de Deus, nosso auxílio e consolo. Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
  • 5. Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:  I. Compreender que as aflições por que passamos nos ensinam a lidar com as circunstâncias e a depender de Deus, que nos ajuda e consola.  II. Conscientizar se de que o crente fiel também enfrenta lutas e tribulações.  III. Saber que a confiança em Deus garante consolo e vitória. Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
  • 6. I. UMA SAUDAÇÃO ESPECIAL E INSPIRADORA (1.1,2) 1. Sua identificação pessoal e os destinatários (1.1) 2. O apostolado paulino e a vontade de Deus (1.1) 3. Sua saudação especial (v.2) II – AFLIÇÃO E CONSOLO (1.3-7) 1. Paulo, sua fé e gratidão 2. O consolo divino e o consolo comunitário 3. A aflição na experiência cristã (vv.5,6) III – AMARGURA E LIBERTAÇÃO (1.8-11) 1. Paulo enfrenta uma terrível tribulação (v.8) 2. Paulo confia em Deus para sua libertação (v.10) 3. Paulo confiou em Deus e foi liberto (v.11) Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
  • 7. Consolação: Do grego paraklēsis; alívio, conforto. Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
  • 8. 2 Coríntios 1.1-7 Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
  • 9. A Segunda Epístola aos Coríntios foi escrita quase um ano depois da primeira carta, e contém a apologética mais uniforme da autoridade apostólica de Paulo. O apóstolo achava-se contristado por causa da oposição que lhe moviam os falsos irmãos. Afinal, aquela igreja era fruto do seu trabalho missionário (1 Co 4.14,15; 2 Co 10.13,14). A carta também inclui alguns temas doutrinários, como é o caso da morte e ressurreição do crente (2 Co 5.1-10). Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
  • 10. Neste texto, o apóstolo expõe o seu coração; revela, de forma vívida, os sentimentos que envolviam sua alma e sua fé. Ele confronta as calúnias e a deslealdade dos falsos irmãos, refutando suas atitudes carnais; bem como enfrenta os falsos apóstolos, que tinham por objetivo corromper a verdade do evangelho de Cristo, a qual o apóstolo pregava com toda sinceridade e dedicação. Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
  • 11. Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
  • 12. 1. Sua identificação pessoal e os destinatários (1.1) 2. O apostolado paulino e a vontade de Deus (1.1) 3. Sua saudação especial (v.2) Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
  • 13. O apóstolo dos gentios, como de praxe, inicia o texto com o seu primeiro nome, Paulo, seguindo uma forma predominante na época em que aparecia o nome do autor, o nome do destinatário e, finalmente, a saudação. Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP 1. Sua identificação pessoal e os destinatários (1.1)
  • 14. Em seguida, Paulo destaca o seu apostolado, através do seu poderoso e frutífero ministério no seio da igreja, como alguém que fora chamado e autorizado a ser portador do evangelho pelo próprio Jesus (At 9.15). Já no versículo primeiro ele enfatiza o fato de o seu apostolado ser um chamamento divino (v.1). Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP 1. Sua identificação pessoal e os destinatários (1.1)
  • 15. Nesta sua saudação à igreja de Corinto, Paulo inclui Timóteo, que cooperava com ele em suas atividades missionárias. Timóteo, um jovem obreiro, foi um companheiro leal de Paulo durante todo o seu ministério (At 16.1-3; 17.14,15; 1 Co 4.17). Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP 1. Sua identificação pessoal e os destinatários (1.1)
  • 16. No texto de Atos 18.5 vemos que Timóteo e Silas foram enviados a Corinto para servir a igreja. Posteriormente, Paulo enviou o jovem pastor de Éfeso a Corinto (1 Co 4.17; 16.10). A despeito dos problemas que essa igreja possuía, é digno de menção a forma utilizada por Paulo ao dirigir esta sua nova carta a Corinto: Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP 1. Sua identificação pessoal e os destinatários (1.1)
  • 17. a) “À igreja de Deus que está em Corinto” (v.1). Apesar dos falatórios dos rebeldes da igreja de Corinto contra o apóstolo, ele tratou a igreja como um todo, como parte da Igreja universal. Por isso, a denomina “igreja de Deus”. Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP 1. Sua identificação pessoal e os destinatários (1.1) Não havia templos construídos naqueles primeiros tempos do cristianismo; a igreja reunia-se em casas particulares ou ao ar livre. Note que Paulo não está se dirigindo a uma casa, mas “à igreja de Deus que está em Corinto”.
  • 18. b) “[...] Todos os santos que estão em toda a Acaia” (v.1). Os romanos haviam dividido a Grécia em duas grandes províncias; ao sul, Acaia e, ao norte, Macedônia. Corinto era a capital da Acaia ao sul, onde residia o procônsul romano (At 18.12). Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP 1. Sua identificação pessoal e os destinatários (1.1)
  • 19. O apóstolo acrescenta à sua saudação um apêndice tipicamente neotestamentário: “os santos que estão em toda a Acaia”. Os crentes são tratados como “santos” porque, independentemente da sua estatura espiritual, haviam sido separados da vida mundana para formar o povo de Deus, a Igreja. Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP 1. Sua identificação pessoal e os destinatários (1.1)
  • 20. Àqueles rebeldes que incitavam os cristãos de Corinto contra seu apostolado, Paulo não receou identificar-se como tal, porque esse título não resultou de uma autoatribuição ou autonomeação, mas foi-lhe outorgado pela vontade de Deus, que sabia quem era Paulo e, por meio de sua soberania, o chamou e o comissionou para essa obra. Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP 2. O apostolado paulino e a vontade de Deus (1.1)
  • 21. No autêntico e bíblico ministério cristão, só há lugar para os que são chamados literalmente pelo Senhor. Paulo explica seu apostolado da parte de Jesus Cristo usando a expressão “pela vontade de Deus”, justamente para enfatizar a origem de sua vocação e de sua posição de apóstolo (Gl 1.15). Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP 2. O apostolado paulino e a vontade de Deus (1.1)
  • 22. O apóstolo utiliza a palavra “paz”, típica nas saudações dos judeus (hb. shālôm), e a acrescenta à graça que é charis, em grego. A “graça” é a demonstração do favor soberano de Deus mediante o ato salvífico de Jesus no Calvário. Essa graça especial promoveu a paz que não havia entre Deus e o homem (Rm 5.1; Ef 2.14-17). Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP 3. Sua saudação especial (v.2)
  • 23. Por isso, a Igreja é o conjunto universal de judeus e gentios, redimidos pelo sangue de Jesus, onde não pode haver discriminação alguma. Graça e paz são dádivas, tanto do Pai como do Filho. Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP 3. Sua saudação especial (v.2)
  • 24. RESUMO DO TÓPICO (1) Para os rebeldes que incitavam os cristãos de Corinto contra o apostolado de Paulo, ele não receou identificar-se como tal, porque esse título não resultou de uma autonomeação, mas foi-lhe outorgado pela vontade de Deus e, portanto, está diretamente relacionado à soberania do Eterno, que sabia quem era Paulo e, por isso, o chamou e o comissionou para essa obra. Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
  • 25. 1. Paulo, sua fé e gratidão 2. O consolo divino e o consolo comunitário 3. A aflição na experiência cristã (vv.5,6) Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
  • 26. A seguir, o apóstolo agradece a Deus usando a seguinte expressão: “Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo”. Tal forma de expressar-se fala de sua gratidão a Deus e também comunica uma riqueza doutrinária. Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP 1. Paulo, sua fé e gratidão
  • 27. Deus é aqui revelado como "o Pai das misericórdias", indicando que esse Deus Todo-Poderoso é aquEle que nos perdoa. Suas misericórdias são expressões do seu caráter justo e santo, que pune o erro, mas se compadece do pecador arrependido (Sl 103.13-18). Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP 1. Paulo, sua fé e gratidão
  • 28. Deus Pai não é apenas um Deus que se compadece de nós em nossas tribulações, mas aquEle que alivia nossos sofrimentos com o bálsamo da consolação do seu Espírito (At 9.31), pois é o "Deus de toda consolação" (2 Co 1.3). Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP 2. O consolo divino e o consolo comunitário
  • 29. A força da palavra "consolação" (gr. paraklēsis), neste versículo, está no termo grego paraklētos ("advogado", "consolador"), utilizado no Novo Testamento em relação à Pessoa do Espírito Santo como “o outro consolador”, prometido por Jesus antes de ascender aos céus (Jo 14.16; 16.13,14). Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP 2. O consolo divino e o consolo comunitário
  • 30. No versículo 4, Paulo dá testemunho do consolo divino, afirmando que Deus “nos consola em toda a nossa tribulação”, em uma clara referência às suas várias lutas vividas naqueles dias ante as perseguições e calúnias que sofrera. Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP 2. O consolo divino e o consolo comunitário
  • 31. Na sequência, o apóstolo esclarece que o consolo que recebemos de Deus, em meio aos sofrimentos, serve de bênçãos para nós mesmos e para os outros, uma vez que aprendemos a lidar com as circunstâncias e nos tornamos canais de consolo divino para os outros. Na verdade, a Bíblia fala-nos aqui da responsabilidade do crente em relação aos seus irmãos em Cristo, quando enfrentam tribulações, lutas, sofrimentos e dificuldades. Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP 2. O consolo divino e o consolo comunitário
  • 32. Aflição é uma palavra bíblica que anula o falso conceito da Teologia da Prosperidade, segundo a qual o crente santo e fiel não passa por dificuldades (Jo 16.33). Os sofrimentos e provações que enfrentamos produzem perseverança e esperança (Rm 5.3,4). As aflições são inevitáveis em nossa vida, porém, o consolo divino - bem como o apoio dos nossos irmãos - vem como um rio caudaloso trazendo refrigério e descanso. Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP 3. A aflição na experiência cristã (vv.5,6)
  • 33. RESUMO DO TÓPICO (2) Deus Pai não é apenas um Deus que se compadece de nós em nossas tribulações, mas aquEle que alivia nossos sofrimentos com o bálsamo da consolação do seu Espírito, pois é o “Deus de toda a consolação”. Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
  • 34. 1. Paulo enfrenta uma terrível tribulação (v.8) 2. Paulo confia em Deus para sua libertação (v.10) 3. Paulo confiou em Deus e foi liberto (v.11) Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
  • 35. O apóstolo passou por uma tribulação esmagadora na Ásia; talvez em Éfeso, a capital da província (At 19.22-28). Nenhum servo de Deus está livre dessas experiências. Ameaças de morte não faltaram em todo o ministério paulino. O que chama a atenção no texto é que a aflição sofrida foi tão forte que Paulo a considerou algo superioras suas forças. Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP 1. Paulo enfrenta uma terrível tribulação (v.8)
  • 36. A despeito da tenacidade desse homem, sua estrutura emocional era humana e limitada, e ele parecia não encontrar saída para escapar ao problema. Entretanto, Paulo entendeu que essa era uma prova em que ele deveria confiar, não em suas próprias forças, mas em Deus que “ressuscita os mortos” (v.9). Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP 1. Paulo enfrenta uma terrível tribulação (v.8)
  • 37. O texto diz: “o qual nos livrou de tão grande morte e livrará; em quem esperamos que também nos livrará ainda”. A expressão “tão grande morte” indica que o seu fim parecia-lhe inevitável, mas Deus o livrara. A experiência dava-lhe consolo e ânimo para, em todas as situações, crer e esperar em um Deus que é também o nosso Pai amoroso. Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP 2. Paulo confia em Deus para sua libertação (v.10)
  • 38. O apóstolo agradece a Deus pelo livramento e apela à igreja de Corinto que ore e interceda pelos seus ministros. Assim, ela também terá motivos para glorificar ao Senhor pelo livramento que dará aos seus servos. Não existem limites para o poder da oração intercessória em nome de Jesus. Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP 3. Paulo confiou em Deus e foi liberto (v.11)
  • 39. RESUMO DO TÓPICO (3) Paulo enfrenta uma terrível tribulação, mas confia em Deus e recebe o livramento. Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
  • 40. Conclusão: Nesta lição, aprendemos que o cristão passa por muitas aflições, mas o Senhor sempre o ajuda a enfrentá-las. Ele está conosco, antes, durante e após as provações. O Senhor Jesus Cristo não nos desampara nunca (Mt 28.20). Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
  • 41. Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP
  • 42. Estudo disponível no www.facebook.com/EBDFrutosparaVida Necessário baixar o aplicativo slideshare para visualização em smartphones e tablets Av. Mariana Caligiori Ronchetti, 1051 – São Paulo - SP