SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 54
Baixar para ler offline
Escola Bíblica Dominical
A Morte de Jesus
Lição 12
OEvangelhoSegundoLucas
“E, clamando Jesus com grande voz,
disse: Pai, nas tuas mãos entrego o meu
espírito. E, havendo dito isso, expirou” (Lc
23.46).
OEvangelhoSegundoLucas
Jesus não morreu como mártir ou herói,
mas como o Salvador da humanidade.
OEvangelhoSegundoLucas
Apresentar a causa primeira
que levou Jesus à cruz: os
nossos pecados.
OEvangelhoSegundoLucas
Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:
 I. Pontuar as aflições de Cristo de caráter
interno e externo.
 II. Explicar a dramaticidade do relato da
traição de Jesus.
 III. Relacionar os dois tipos de julgamentos de
Jesus, o religioso e o político.
 IV. Ensinar sobre o método e o significado da
crucificação e morte de Cristo.
OEvangelhoSegundoLucas
I. AS ÚLTIMAS ADVERTÊNCIAS E RECOMENDAÇÕES
1. Aflição interior.
2. Aflição exterior.
II – JESUS É TRAÍDO E PRESO
1. A ambição.
2. A negociação.
III – JULGAMENTO E CONDENAÇÃO DE JESUS
1. Na esfera religiosa.
2. Na esfera política.
IV – A CRUCIFICAÇÃO E A MORTE DE JESUS
1. O método.
2. O significado.
OEvangelhoSegundoLucas
Jesus Cristo foi crucificado e
morto pelos pecados de
toda a humanidade.
OEvangelhoSegundoLucas
Os momentos que antecederam à
prisão e julgamento de Jesus foram
extremamente difíceis e penosos para
Ele e seus seguidores. As autoridades
judaicas já haviam decidido, em
concílio, pela sua morte, e esperavam
apenas o momento oportuno para isso.
Não intentavam realizar o ato durante a
Páscoa, para não causar tumulto.
OEvangelhoSegundoLucas
Nesse momento surge Judas
Iscariotes, um dos doze discípulos,
com a proposta de entregar Jesus a
esses líderes. E foi o que ele fez.
Preso, Jesus logo é submetido a um
julgamento que o condenou e o
entregou para ser crucificado!
Pregado na cruz, Jesus, o homem
perfeito, sentiu as dores dos cravos e
o peso do pecado da humanidade.
OEvangelhoSegundoLucas
1. Aflição interior.
2. Aflição exterior.
OEvangelhoSegundoLucas
Sabendo que era chegada a
sua hora, Jesus trata de dar
as últimas advertências e
recomendações aos seus
discípulos. Todos os
evangelistas registram a
advertência que Jesus fez a
Pedro (Mt 26.31-35; Mc
14.27-31; Lc 22.31-34; Jo
13.36-38).
1. Aflição interior
OEvangelhoSegundoLucas
Faltava pouco para o Mestre
ser preso, e tanto Ele quanto
seus discípulos iriam passar
por um conflito interior sem
precedentes. Daí a
necessidade de estarem
preparados espiritualmente
para esse momento (Mt
26.41).
1. Aflição interior
OEvangelhoSegundoLucas
Pedro é avisado de que
Satanás o queria peneirar (Lc
22.31-34). No Monte das
Oliveiras, pouco antes de sua
prisão, Ele advertiu a todos
sobre a necessidade da
oração para suportar as
provações que se
avizinhavam (Lc 22.39-46).
1. Aflição interior
OEvangelhoSegundoLucas
Podemos falhar e muitas
vezes falhamos, entretanto,
não é por falta de aviso.
1. Aflição interior
OEvangelhoSegundoLucas
O texto de Lucas 22.35-38
tem chamado a atenção dos
estudiosos da Bíblia. Estaria
Jesus aqui pregando a luta
armada? Não! Isso pelo
simples fato de que o uso da
força como parte do seu
Reino é frontalmente
contrário aos seus ensinos
(Mt 5.9; 22.39).
2. Aflição exterior
OEvangelhoSegundoLucas
Jesus cita a profecia de
Isaías 53.12 como se
cumprindo naquele momento,
e os discípulos, solidários com
a sua missão, sofreriam as
suas consequências.
2. Aflição exterior
OEvangelhoSegundoLucas
Assim como o seu Mestre, eles também seriam afligidos
exteriormente com as consequências da prisão.
Deveriam, portanto, estar preparados para aquele
momento. Jesus seria contado com os malfeitores e
seus discípulos seriam identificados da mesma forma
(Mc 14.69).
2. Aflição exterior
OEvangelhoSegundoLucas
SINOPSE DO TÓPICO (1)
Antes de ser preso, Jesus
deu advertências e
recomendações para seus
discípulos, pois sabia das
aflições internas e externas
que eles padeceriam.
OEvangelhoSegundoLucas
A crucificação
Os cidadãos romanos, via de regra, não tinham
de enfrentar a crucificação, a menos que
fossem condenados por alta traição. A cruz
estava reservada para os não cidadãos
romanos, sujeitos das províncias em que eram
criminosos perigosos, líderes revolucionários e
escravos. Leia mais em Guia Cristão de Leitura
da Bíblia, CPAD, p. 94.
OEvangelhoSegundoLucas
1. A ambição
2. A negociação
A traição de Jesus é um dos
relatos mais dramáticos e
tristes que o Novo Testamento
registra. Jesus foi traído por
alguém que compartilhava da
sua intimidade (Sl 41.9).
Judas, conforme relata Lucas,
foi escolhido pelo próprio
Cristo para ser um dos seus
apóstolos (Lc 6.16).
1. A ambição
O que levou, portanto, Judas
a agir dessa forma? Os textos
paralelos sobre o relato da
traição mostram que Judas
era avarento, amava o
dinheiro e a ambição o levou
a entregar o Senhor (Jo 12.4-
6).
1. A ambição
Há muito, os líderes religiosos
procuravam uma
oportunidade para matar
Jesus, mas além de não
encontrá-la, eles ainda
temiam o povo (Mt 26.3-5; Lc
22.2). Lucas mostra que o
Diabo entra em cena para
afastar esse obstáculo (Lc
22.3-6).
2. A negociação
O terceiro Evangelho já havia
mostrado, por ocasião da
tentação, que o Diabo tinha se
apartado de Jesus até o
momento oportuno (Lc 4.13).
Sabendo que Judas estava
dominado pela ambição,
Satanás incita-o a procurar os
líderes religiosos para vender
Jesus (Lc 22.2-6).
2. A negociação
O preço foi acertado em 30
moedas de prata (Mt 26.15).
Quando o responsabiliza por
seu ato, a Escritura mostra
que Judas não estava
predestinado a ser o traidor
de Jesus (Mc 14.21). Ele o fez
porque não vigiou (Lc 6.13;
22.40).
2. A negociação
Quem não vigia termina vendendo ou
negociando a sua fé.
OEvangelhoSegundoLucas
SINOPSE DO TÓPICO (2)
A ambição de Judas fez com
que ele negociasse a prisão
do Mestre e, finalmente, o
traísse.
OEvangelhoSegundoLucas
1. Na esfera religiosa
2. Na esfera política.
OEvangelhoSegundoLucas
Os conflitos entre Jesus e
os líderes religiosos de
Israel começaram muito
cedo (Mc 3.6). As
libertações, as curas e
autoridade com que
transmitia a Palavra de
Deus fez com que as
multidões passassem a
seguir a Jesus (Lc 5.1).
1. Na esfera religiosa
OEvangelhoSegundoLucas
Essa popularidade entre as
massas provocou inveja e
ciúme dos líderes
religiosos que perdiam
espaço a cada dia (Jo
12.19). Para esses líderes,
alguma coisa deveria ser
feita e com esse intuito
reuniram o Sinédrio. A
decisão foi pela morte de
Jesus (Jo 11.47-57).
1. Na esfera religiosa
OEvangelhoSegundoLucas
O passo seguinte foi fazer
um processo formal contra
Jesus, onde Ele seria
falsamente acusado de
ser um sedicioso que fizera
Israel se desviar.
1. Na esfera religiosa
OEvangelhoSegundoLucas
Para os líderes religiosos, Jesus
era um herege, acusado de ter
blasfemado, e que deveria ser
tirado de cena a qualquer custo,
mesmo que fosse a morte.
Todavia, Israel nos dias de
Jesus estava sob a dominação
romana e os líderes judeus não
poderiam conquistar o seu
intento sem a aprovação do
Império (Jo 18.31).
2. Na esfera política
OEvangelhoSegundoLucas
Lucas deixa claro que a
acusação dos líderes judeus
feita a Jesus era tríplice:
desviar a nação; proibir
os judeus de pagarem
impostos a Roma e
afirmar que Ele, e não
César, era rei (Lc
23.2,5,14). Em outras
palavras, Jesus foi acusado
de sedição.
2. Na esfera política
OEvangelhoSegundoLucas
Desviar os judeus de sua fé não
era crime para Roma, mas a
sedição, fazer o povo se
levantar contra o império, era!
Jesus, portanto, estaria levando
os seus discípulos a uma
revolta política. Os romanos
não toleravam nenhuma forma
de levante contra o Estado e
estipulavam para esse tipo de
crime a pena capital.
2. Na esfera política
OEvangelhoSegundoLucas
SINOPSE DO TÓPICO (3)
O julgamento de Jesus deu-se
em duas esferas: a religiosa e a
política.
OEvangelhoSegundoLucas
1. O método
2. O significado.
OEvangelhoSegundoLucas
A pena capital imposta
pelo Império Romano aos
condenados se dava
através da crucificação. Os
pesquisadores são
unânimes em afirmar que
essa era a mais cruel e
dolorosa forma de
execução!
1. O método
OEvangelhoSegundoLucas
Josefo, historiador judeu,
informa que antes da
execução, os condenados
eram açoitados e
submetidos a todo tipo de
tortura e depois
crucificados do lado oposto
dos muros da cidade.
1. O método
OEvangelhoSegundoLucas
Cícero, historiador romano,
ao se referir à crucificação,
afirmou que não havia
palavra para descrever ato
tão horrendo. A mensagem
do Império Romano era
clara — isso aconteceria
com quem se levanta
contra o Estado.
1. O método
OEvangelhoSegundoLucas
Jesus, portanto, sofreu os
horrores da cruz. De acordo
com os Evangelhos, Ele foi
açoitado, escarnecido,
ridicularizado,
blasfemado, torturado,
forçado a levar a cruz e
por fim crucificado (Jo
19.1-28).
1. O método
OEvangelhoSegundoLucas
Para muitos críticos, Jesus
não passou de um mártir
como foram tantos outros
líderes judeus que viveram
antes dEle. Todavia, a
teologia lucana depõe
contra essa ideia.
2. O significado
OEvangelhoSegundoLucas
O que se espera da morte
de um mártir não pode
ser encontrado na
narrativa da morte de
Jesus. Para Lucas, Jesus
morreu vicariamente
pela humanidade.
2. O significado
OEvangelhoSegundoLucas
A relação que Lucas faz
do relato da paixão com a
narrativa do Servo
Sofredor de Isaías 53
mostra isso. O Servo
sofredor, Jesus, justifica a
muitos.
2. O significado
OEvangelhoSegundoLucas
O caráter universal da
salvação presente em
Isaías 53 aparece
também em Lucas. Jesus,
portanto, é o Servo
Sofredor que se humilha
até à morte de cruz, mas
é exaltado e glorificado
por Deus pela obra que
realizou.
2. O significado
OEvangelhoSegundoLucas
SINOPSE DO TÓPICO (4)
O método usado para matar
Jesus foi a crucificação,
denotando que o Senhor morreu
vicariamente pela humanidade.
OEvangelhoSegundoLucas
A figura de um cordeiro ou cabrito sacrificado
como parte do drama da salvação e da redenção
remonta à Páscoa (Êx 12.1-13). Deus veria o
sangue aspergido e ‘passaria por cima’ daqueles
que eram protegidos por sua marca. Quando o
crente do Antigo Testamento colocava as suas
mãos no sacrifício, o significado era muito mais
que identificação (isto é: ‘Meu sacrifício’). Era um
substituto sacrificial (isto é: ‘Sacrifico isto em meu
lugar’).
OEvangelhoSegundoLucas
Embora não se deva forçar demais as comparações, a
figura é claramente transferida a Cristo no Novo
Testamento. João Batista apresentou-o, anunciando:
‘Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do
mundo’ (Jo 1.29). Em Atos 8, Filipe aplica às boas
novas a respeito de Jesus a profecia de Isaías que diz
que o Servo seria levado como um cordeiro ao
matadouro (Is 53.7). Paulo se refere a Cristo como
‘nossa páscoa’ (1Co 5.7). Pedro afirma que fomos
redimidos ‘com o precioso sangue de Cristo, como de
um cordeiro imaculado e incontaminado’ (1Pe 1.19)”
(HORTON, Stanley (Ed). Teologia Sistemática: Uma
perspectiva pentecostal 1ª Edição. RJ: CPAD, 1996,
p.352).
OEvangelhoSegundoLucas
Conclusão
É um fato histórico que Jesus foi condenado
pelos líderes religiosos e executado pelas leis
romanas. Todavia, devemos lembrar de que a
causa primeira que levou Jesus de fato à cruz
foram os nossos pecados (Is 53.5). O apóstolo
Paulo também destaca esse fato: “Àquele que
não conheceu pecado, o fez pecado por nós;
para que, nele, fôssemos feitos justiça de Deus”
(2Co 5.21). A cruz resolveu o problema do
pecado, e todos nós finalmente pudemos
desfrutar a paz com Deus (Rm 5.1). Deus seja
louvado.
OEvangelhoSegundoLucas
Perguntas
Pedro é avisado de que Satanás o queria
peneirar (Lc 22.31-34). No Monte das
Oliveiras, pouco antes de sua prisão, Ele
advertiu a todos sobre a necessidade da
oração para suportar as provações que se
avizinhavam (Lc 22.39-46).
Conforme a lição, que alerta Jesus fez aos discípulos
antes de ser traído?
OEvangelhoSegundoLucas
Perguntas
Através de Judas, os líderes religiosos
compraram Jesus (Lc 22.2-6) pelo preço de 30
moedas de prata (Mt 26.15). Quanto à
condenação capital, o acusaram injustamente
de sedição.
Qual foi a forma que os líderes acharam para,
injustamente, entregar Jesus?
OEvangelhoSegundoLucas
Perguntas
Religiosa e política.
Quais são as duas esferas nas quais se deu a traição
de Jesus?
OEvangelhoSegundoLucas
Perguntas
A pena capital imposta pelo Império Romano
aos condenados se dava através da
crucificação.
Qual era o método usado pelos romanos para
executar os condenados?
OEvangelhoSegundoLucas
Perguntas
Resposta livre.
O que a crucificação de Jesus representa para você?
OEvangelhoSegundoLucas
Estudo disponível no
Facebook
www.facebook.com/EBDFrutosparaVida
Necessário baixar o
aplicativo slideshare para
visualização em
smartphones e tablets
OEvangelhoSegundoLucas
Próxima aula
Lição 13
A Ressurreição de Jesus
Convide alguém para estudar
conosco!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

4ª Aula - O Tribunal de Cristo
4ª Aula - O Tribunal de Cristo4ª Aula - O Tribunal de Cristo
4ª Aula - O Tribunal de CristoRODRIGO FERREIRA
 
Lição 02 - Doutrina dos Anjos
Lição 02 - Doutrina dos AnjosLição 02 - Doutrina dos Anjos
Lição 02 - Doutrina dos AnjosCoop. Fabio Silva
 
Lição 1 - Lucas e seu Evangelho
Lição 1 - Lucas e seu EvangelhoLição 1 - Lucas e seu Evangelho
Lição 1 - Lucas e seu EvangelhoÉder Tomé
 
Slides apologética o que é e qual suas funções
Slides   apologética o que é e qual suas funçõesSlides   apologética o que é e qual suas funções
Slides apologética o que é e qual suas funçõesAbdias Barreto
 
O chifre pequeno de daniel 7 e a primeira besta de apocalipse 13
O chifre pequeno de daniel 7 e a primeira besta de apocalipse 13O chifre pequeno de daniel 7 e a primeira besta de apocalipse 13
O chifre pequeno de daniel 7 e a primeira besta de apocalipse 13Diego Fortunatto
 
Lição 8 - A Igreja de Cristo
Lição 8 - A Igreja de CristoLição 8 - A Igreja de Cristo
Lição 8 - A Igreja de CristoErberson Pinheiro
 
Introdução Bíblica
Introdução BíblicaIntrodução Bíblica
Introdução BíblicaViva a Igreja
 
Lição 11 - A Ressurreição de Jesus Cristo
Lição 11 - A Ressurreição de Jesus CristoLição 11 - A Ressurreição de Jesus Cristo
Lição 11 - A Ressurreição de Jesus CristoÉder Tomé
 
Aula02 cristologia
Aula02 cristologiaAula02 cristologia
Aula02 cristologiaDanilo Lemos
 
Lição 11 - O governo do anticristo e o falso profeta
Lição 11 - O governo do anticristo e o falso profetaLição 11 - O governo do anticristo e o falso profeta
Lição 11 - O governo do anticristo e o falso profetaSergio Silva
 

Mais procurados (20)

4ª Aula - O Tribunal de Cristo
4ª Aula - O Tribunal de Cristo4ª Aula - O Tribunal de Cristo
4ª Aula - O Tribunal de Cristo
 
Cristologia aula02
Cristologia aula02Cristologia aula02
Cristologia aula02
 
Ressurreição
RessurreiçãoRessurreição
Ressurreição
 
Lição 02 - Doutrina dos Anjos
Lição 02 - Doutrina dos AnjosLição 02 - Doutrina dos Anjos
Lição 02 - Doutrina dos Anjos
 
Apostila de bibliologia
Apostila de bibliologiaApostila de bibliologia
Apostila de bibliologia
 
Quem é jesus power point
Quem é jesus power pointQuem é jesus power point
Quem é jesus power point
 
A Doutrina de Cristo
A Doutrina de CristoA Doutrina de Cristo
A Doutrina de Cristo
 
Lição 1 - Lucas e seu Evangelho
Lição 1 - Lucas e seu EvangelhoLição 1 - Lucas e seu Evangelho
Lição 1 - Lucas e seu Evangelho
 
Slides apologética o que é e qual suas funções
Slides   apologética o que é e qual suas funçõesSlides   apologética o que é e qual suas funções
Slides apologética o que é e qual suas funções
 
Lição 12 a morte de jesus
Lição 12 a morte de jesusLição 12 a morte de jesus
Lição 12 a morte de jesus
 
O chifre pequeno de daniel 7 e a primeira besta de apocalipse 13
O chifre pequeno de daniel 7 e a primeira besta de apocalipse 13O chifre pequeno de daniel 7 e a primeira besta de apocalipse 13
O chifre pequeno de daniel 7 e a primeira besta de apocalipse 13
 
Lição 8 - A Igreja de Cristo
Lição 8 - A Igreja de CristoLição 8 - A Igreja de Cristo
Lição 8 - A Igreja de Cristo
 
Doutrina do Pecado
Doutrina do Pecado Doutrina do Pecado
Doutrina do Pecado
 
Introdução Bíblica
Introdução BíblicaIntrodução Bíblica
Introdução Bíblica
 
Lição 11 - A Ressurreição de Jesus Cristo
Lição 11 - A Ressurreição de Jesus CristoLição 11 - A Ressurreição de Jesus Cristo
Lição 11 - A Ressurreição de Jesus Cristo
 
O poder da palavra de Deus
O poder da palavra de DeusO poder da palavra de Deus
O poder da palavra de Deus
 
5. O Evangelho de Lucas
5. O Evangelho de Lucas5. O Evangelho de Lucas
5. O Evangelho de Lucas
 
Aula02 cristologia
Aula02 cristologiaAula02 cristologia
Aula02 cristologia
 
Lição 11 - O governo do anticristo e o falso profeta
Lição 11 - O governo do anticristo e o falso profetaLição 11 - O governo do anticristo e o falso profeta
Lição 11 - O governo do anticristo e o falso profeta
 
O espirito santo de deus
O  espirito  santo  de  deusO  espirito  santo  de  deus
O espirito santo de deus
 

Destaque

PaixãO E Morte
PaixãO E  MortePaixãO E  Morte
PaixãO E Mortejcsa.media
 
Lição 12 a morte de jesus
Lição 12   a morte de jesusLição 12   a morte de jesus
Lição 12 a morte de jesusRegio Davis
 
A Morte de Jesus - Licão 12 - 2º Trimestre / 2015
A Morte de Jesus - Licão 12 - 2º Trimestre / 2015A Morte de Jesus - Licão 12 - 2º Trimestre / 2015
A Morte de Jesus - Licão 12 - 2º Trimestre / 2015Pr. Andre Luiz
 
Via-Sacra da Campanha da Fraternidade 2011
Via-Sacra da Campanha da Fraternidade 2011Via-Sacra da Campanha da Fraternidade 2011
Via-Sacra da Campanha da Fraternidade 2011Bernadetecebs .
 
O Plano de Deus é Consumado
O Plano de Deus é ConsumadoO Plano de Deus é Consumado
O Plano de Deus é ConsumadoRogério Nunes
 
18º Encontro Paixao-morte-ressurreição e ascensão de Jesus
18º Encontro  Paixao-morte-ressurreição e ascensão de Jesus18º Encontro  Paixao-morte-ressurreição e ascensão de Jesus
18º Encontro Paixao-morte-ressurreição e ascensão de JesusCatequese Anjos dos Céus
 
Meditacoes da Via Sacra
Meditacoes da Via SacraMeditacoes da Via Sacra
Meditacoes da Via SacraJMVSobreiro
 
Os mandamentos da Igreja
Os mandamentos da IgrejaOs mandamentos da Igreja
Os mandamentos da Igrejamarquione ban
 
Escatologia Bíblica - IC Boa Esperança
Escatologia Bíblica - IC Boa EsperançaEscatologia Bíblica - IC Boa Esperança
Escatologia Bíblica - IC Boa EsperançaJoel Medeiros
 
Dízimo e ofertas mordomia cristã (culto de doutrina)
Dízimo e ofertas   mordomia cristã (culto de doutrina)Dízimo e ofertas   mordomia cristã (culto de doutrina)
Dízimo e ofertas mordomia cristã (culto de doutrina)jonasfreitasdejesus
 
Dízimos, Ofertas e Primícias
Dízimos, Ofertas e PrimíciasDízimos, Ofertas e Primícias
Dízimos, Ofertas e PrimíciasKaryn Martins
 

Destaque (18)

PaixãO E Morte
PaixãO E  MortePaixãO E  Morte
PaixãO E Morte
 
Comocristofoicrucificado
Comocristofoicrucificado Comocristofoicrucificado
Comocristofoicrucificado
 
Lição 12 a morte de jesus
Lição 12   a morte de jesusLição 12   a morte de jesus
Lição 12 a morte de jesus
 
A Morte de Jesus - Licão 12 - 2º Trimestre / 2015
A Morte de Jesus - Licão 12 - 2º Trimestre / 2015A Morte de Jesus - Licão 12 - 2º Trimestre / 2015
A Morte de Jesus - Licão 12 - 2º Trimestre / 2015
 
Crucificacao ok Grupo de Estudo Bíblico
Crucificacao ok Grupo de Estudo BíblicoCrucificacao ok Grupo de Estudo Bíblico
Crucificacao ok Grupo de Estudo Bíblico
 
Via-Sacra da Campanha da Fraternidade 2011
Via-Sacra da Campanha da Fraternidade 2011Via-Sacra da Campanha da Fraternidade 2011
Via-Sacra da Campanha da Fraternidade 2011
 
O Plano de Deus é Consumado
O Plano de Deus é ConsumadoO Plano de Deus é Consumado
O Plano de Deus é Consumado
 
18º Encontro Paixao-morte-ressurreição e ascensão de Jesus
18º Encontro  Paixao-morte-ressurreição e ascensão de Jesus18º Encontro  Paixao-morte-ressurreição e ascensão de Jesus
18º Encontro Paixao-morte-ressurreição e ascensão de Jesus
 
Meditacoes da Via Sacra
Meditacoes da Via SacraMeditacoes da Via Sacra
Meditacoes da Via Sacra
 
A Modestia
A ModestiaA Modestia
A Modestia
 
Os mandamentos da Igreja
Os mandamentos da IgrejaOs mandamentos da Igreja
Os mandamentos da Igreja
 
Via sacra do amor
Via sacra do amorVia sacra do amor
Via sacra do amor
 
Via Sacra
Via SacraVia Sacra
Via Sacra
 
Escatologia Bíblica - IC Boa Esperança
Escatologia Bíblica - IC Boa EsperançaEscatologia Bíblica - IC Boa Esperança
Escatologia Bíblica - IC Boa Esperança
 
LIÇÃO 12 - A MORTE DE JESUS
LIÇÃO 12 - A MORTE DE JESUSLIÇÃO 12 - A MORTE DE JESUS
LIÇÃO 12 - A MORTE DE JESUS
 
Dízimo e ofertas mordomia cristã (culto de doutrina)
Dízimo e ofertas   mordomia cristã (culto de doutrina)Dízimo e ofertas   mordomia cristã (culto de doutrina)
Dízimo e ofertas mordomia cristã (culto de doutrina)
 
Dízimos e Ofertas.pps
Dízimos e Ofertas.ppsDízimos e Ofertas.pps
Dízimos e Ofertas.pps
 
Dízimos, Ofertas e Primícias
Dízimos, Ofertas e PrimíciasDízimos, Ofertas e Primícias
Dízimos, Ofertas e Primícias
 

Semelhante a A Morte de Jesus na Cruz

A morte de jesus final Irmão JIN
A morte de jesus final Irmão JINA morte de jesus final Irmão JIN
A morte de jesus final Irmão JINJeronimo Nunes
 
Lição 12 - A Crucificação mais Impactante do Mundo
Lição 12 - A Crucificação mais Impactante do MundoLição 12 - A Crucificação mais Impactante do Mundo
Lição 12 - A Crucificação mais Impactante do MundoÉder Tomé
 
44 1, 2 e 3 joão
44  1, 2 e 3 joão44  1, 2 e 3 joão
44 1, 2 e 3 joãoPIB Penha
 
Trabalho Cristianismo
Trabalho CristianismoTrabalho Cristianismo
Trabalho CristianismoPepe Rocker
 
Aula 3 escatologia
Aula 3   escatologiaAula 3   escatologia
Aula 3 escatologiamagnao2
 
Sinais da vinda de cristo e pós arrebatamento
Sinais da vinda de cristo e pós arrebatamentoSinais da vinda de cristo e pós arrebatamento
Sinais da vinda de cristo e pós arrebatamentoFilipe Rodrigues
 
Perseguição aos cristãos no sec. i e ii
Perseguição aos cristãos no sec. i e iiPerseguição aos cristãos no sec. i e ii
Perseguição aos cristãos no sec. i e iiWerkson Azeredo
 
Perseguição aos cristãos no sec. I e II
Perseguição aos cristãos no sec. I e IIPerseguição aos cristãos no sec. I e II
Perseguição aos cristãos no sec. I e IIWerkson Azeredo
 
Comentário: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano C
Comentário: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano CComentário: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano C
Comentário: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano CJosé Lima
 
Provas extra bíblicas da existência de Jesus Cristo
Provas extra bíblicas da existência de Jesus CristoProvas extra bíblicas da existência de Jesus Cristo
Provas extra bíblicas da existência de Jesus CristoEder L. Souza
 
Comentário: 12° Domingo Tempo Comum - Ano C
Comentário: 12° Domingo Tempo Comum - Ano C Comentário: 12° Domingo Tempo Comum - Ano C
Comentário: 12° Domingo Tempo Comum - Ano C José Lima
 
Os precursores
Os precursoresOs precursores
Os precursoresHelio Cruz
 
Os precursores
Os precursoresOs precursores
Os precursoresHelio Cruz
 
SEITAS E HERESIAS - CATOLICISMO ROMANO
SEITAS E HERESIAS - CATOLICISMO ROMANOSEITAS E HERESIAS - CATOLICISMO ROMANO
SEITAS E HERESIAS - CATOLICISMO ROMANOLeonam dos Santos
 
Por que considere o papa francisco um anticristo
Por que considere o papa francisco um anticristoPor que considere o papa francisco um anticristo
Por que considere o papa francisco um anticristoIsabel Silva
 
Lição 10 - Cristo crucificado, está consumado - LBJ 1 tr 2018
Lição 10 - Cristo crucificado, está consumado - LBJ 1 tr 2018Lição 10 - Cristo crucificado, está consumado - LBJ 1 tr 2018
Lição 10 - Cristo crucificado, está consumado - LBJ 1 tr 2018Natalino das Neves Neves
 
FUNDAMENTOS BÍBLICOS DA MISSÃO
FUNDAMENTOS BÍBLICOS DA MISSÃOFUNDAMENTOS BÍBLICOS DA MISSÃO
FUNDAMENTOS BÍBLICOS DA MISSÃOPaulo David
 

Semelhante a A Morte de Jesus na Cruz (20)

Lição 12 - A morte de Jesus
Lição 12 - A morte de JesusLição 12 - A morte de Jesus
Lição 12 - A morte de Jesus
 
LIÇÃO 12 - A MORTE DE JESUS
LIÇÃO 12 - A MORTE DE JESUSLIÇÃO 12 - A MORTE DE JESUS
LIÇÃO 12 - A MORTE DE JESUS
 
A morte de jesus final Irmão JIN
A morte de jesus final Irmão JINA morte de jesus final Irmão JIN
A morte de jesus final Irmão JIN
 
Lição 12 - A Crucificação mais Impactante do Mundo
Lição 12 - A Crucificação mais Impactante do MundoLição 12 - A Crucificação mais Impactante do Mundo
Lição 12 - A Crucificação mais Impactante do Mundo
 
44 1, 2 e 3 joão
44  1, 2 e 3 joão44  1, 2 e 3 joão
44 1, 2 e 3 joão
 
O julgamento de jesus
O julgamento de jesusO julgamento de jesus
O julgamento de jesus
 
Trabalho Cristianismo
Trabalho CristianismoTrabalho Cristianismo
Trabalho Cristianismo
 
Aula 3 escatologia
Aula 3   escatologiaAula 3   escatologia
Aula 3 escatologia
 
Sinais da vinda de cristo e pós arrebatamento
Sinais da vinda de cristo e pós arrebatamentoSinais da vinda de cristo e pós arrebatamento
Sinais da vinda de cristo e pós arrebatamento
 
Perseguição aos cristãos no sec. i e ii
Perseguição aos cristãos no sec. i e iiPerseguição aos cristãos no sec. i e ii
Perseguição aos cristãos no sec. i e ii
 
Perseguição aos cristãos no sec. I e II
Perseguição aos cristãos no sec. I e IIPerseguição aos cristãos no sec. I e II
Perseguição aos cristãos no sec. I e II
 
Comentário: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano C
Comentário: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano CComentário: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano C
Comentário: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano C
 
Provas extra bíblicas da existência de Jesus Cristo
Provas extra bíblicas da existência de Jesus CristoProvas extra bíblicas da existência de Jesus Cristo
Provas extra bíblicas da existência de Jesus Cristo
 
Comentário: 12° Domingo Tempo Comum - Ano C
Comentário: 12° Domingo Tempo Comum - Ano C Comentário: 12° Domingo Tempo Comum - Ano C
Comentário: 12° Domingo Tempo Comum - Ano C
 
Os precursores
Os precursoresOs precursores
Os precursores
 
Os precursores
Os precursoresOs precursores
Os precursores
 
SEITAS E HERESIAS - CATOLICISMO ROMANO
SEITAS E HERESIAS - CATOLICISMO ROMANOSEITAS E HERESIAS - CATOLICISMO ROMANO
SEITAS E HERESIAS - CATOLICISMO ROMANO
 
Por que considere o papa francisco um anticristo
Por que considere o papa francisco um anticristoPor que considere o papa francisco um anticristo
Por que considere o papa francisco um anticristo
 
Lição 10 - Cristo crucificado, está consumado - LBJ 1 tr 2018
Lição 10 - Cristo crucificado, está consumado - LBJ 1 tr 2018Lição 10 - Cristo crucificado, está consumado - LBJ 1 tr 2018
Lição 10 - Cristo crucificado, está consumado - LBJ 1 tr 2018
 
FUNDAMENTOS BÍBLICOS DA MISSÃO
FUNDAMENTOS BÍBLICOS DA MISSÃOFUNDAMENTOS BÍBLICOS DA MISSÃO
FUNDAMENTOS BÍBLICOS DA MISSÃO
 

Mais de Wander Sousa

Lição 40 O perigo das obras da carne
Lição 40   O perigo das obras da carneLição 40   O perigo das obras da carne
Lição 40 O perigo das obras da carneWander Sousa
 
Lição 39 Integridade em tempos de crise
Lição 39   Integridade em tempos de criseLição 39   Integridade em tempos de crise
Lição 39 Integridade em tempos de criseWander Sousa
 
Lição 38 Ídolos
Lição 38   ÍdolosLição 38   Ídolos
Lição 38 ÍdolosWander Sousa
 
Lição 37 O fruto do Espírito — a plenitude de Cristo na vida do crente
Lição 37   O fruto do Espírito — a plenitude de Cristo na vida do crenteLição 37   O fruto do Espírito — a plenitude de Cristo na vida do crente
Lição 37 O fruto do Espírito — a plenitude de Cristo na vida do crenteWander Sousa
 
Lição 36 as limitações dos discípulos
Lição 36   as limitações dos discípulosLição 36   as limitações dos discípulos
Lição 36 as limitações dos discípulosWander Sousa
 
Lição 35 o cuidado com a língua
Lição 35   o cuidado com a línguaLição 35   o cuidado com a língua
Lição 35 o cuidado com a línguaWander Sousa
 
Lição 34 O propósito da tentação
Lição 34   O propósito da tentaçãoLição 34   O propósito da tentação
Lição 34 O propósito da tentaçãoWander Sousa
 
Lição 33 Desafios de um casamento
Lição 33   Desafios de um casamentoLição 33   Desafios de um casamento
Lição 33 Desafios de um casamentoWander Sousa
 
Lição 32 Fé em meio às injustiças
Lição 32   Fé em meio às injustiçasLição 32   Fé em meio às injustiças
Lição 32 Fé em meio às injustiçasWander Sousa
 
Lição 31 As consequências das escolhas precipitadas
Lição 31   As consequências das escolhas precipitadasLição 31   As consequências das escolhas precipitadas
Lição 31 As consequências das escolhas precipitadasWander Sousa
 
Dons Ministeriais | Três aulas
Dons Ministeriais | Três aulasDons Ministeriais | Três aulas
Dons Ministeriais | Três aulasWander Sousa
 
Lição 29 Os dons espirituais
Lição 29   Os dons espirituaisLição 29   Os dons espirituais
Lição 29 Os dons espirituaisWander Sousa
 
Lição 28 O poder da evangelização na família
Lição 28   O poder da evangelização na famíliaLição 28   O poder da evangelização na família
Lição 28 O poder da evangelização na famíliaWander Sousa
 
Lição 27 Jesus e a felicidade
Lição 27   Jesus e a felicidadeLição 27   Jesus e a felicidade
Lição 27 Jesus e a felicidadeWander Sousa
 
Lição 26 Os falsos profetas
Lição 26   Os falsos profetasLição 26   Os falsos profetas
Lição 26 Os falsos profetasWander Sousa
 
Lição 25 Cuidado com as pequenas coisas
Lição 25   Cuidado com as pequenas coisasLição 25   Cuidado com as pequenas coisas
Lição 25 Cuidado com as pequenas coisasWander Sousa
 
Lição 24 Desafios de um Casamento
Lição 24   Desafios de um CasamentoLição 24   Desafios de um Casamento
Lição 24 Desafios de um CasamentoWander Sousa
 
Lição 23 Depressão, a doença da alma
Lição 23   Depressão, a doença da almaLição 23   Depressão, a doença da alma
Lição 23 Depressão, a doença da almaWander Sousa
 
Lição 22 Terceira idade
Lição 22   Terceira idadeLição 22   Terceira idade
Lição 22 Terceira idadeWander Sousa
 
Lição 21 Rebelião
Lição 21   RebeliãoLição 21   Rebelião
Lição 21 RebeliãoWander Sousa
 

Mais de Wander Sousa (20)

Lição 40 O perigo das obras da carne
Lição 40   O perigo das obras da carneLição 40   O perigo das obras da carne
Lição 40 O perigo das obras da carne
 
Lição 39 Integridade em tempos de crise
Lição 39   Integridade em tempos de criseLição 39   Integridade em tempos de crise
Lição 39 Integridade em tempos de crise
 
Lição 38 Ídolos
Lição 38   ÍdolosLição 38   Ídolos
Lição 38 Ídolos
 
Lição 37 O fruto do Espírito — a plenitude de Cristo na vida do crente
Lição 37   O fruto do Espírito — a plenitude de Cristo na vida do crenteLição 37   O fruto do Espírito — a plenitude de Cristo na vida do crente
Lição 37 O fruto do Espírito — a plenitude de Cristo na vida do crente
 
Lição 36 as limitações dos discípulos
Lição 36   as limitações dos discípulosLição 36   as limitações dos discípulos
Lição 36 as limitações dos discípulos
 
Lição 35 o cuidado com a língua
Lição 35   o cuidado com a línguaLição 35   o cuidado com a língua
Lição 35 o cuidado com a língua
 
Lição 34 O propósito da tentação
Lição 34   O propósito da tentaçãoLição 34   O propósito da tentação
Lição 34 O propósito da tentação
 
Lição 33 Desafios de um casamento
Lição 33   Desafios de um casamentoLição 33   Desafios de um casamento
Lição 33 Desafios de um casamento
 
Lição 32 Fé em meio às injustiças
Lição 32   Fé em meio às injustiçasLição 32   Fé em meio às injustiças
Lição 32 Fé em meio às injustiças
 
Lição 31 As consequências das escolhas precipitadas
Lição 31   As consequências das escolhas precipitadasLição 31   As consequências das escolhas precipitadas
Lição 31 As consequências das escolhas precipitadas
 
Dons Ministeriais | Três aulas
Dons Ministeriais | Três aulasDons Ministeriais | Três aulas
Dons Ministeriais | Três aulas
 
Lição 29 Os dons espirituais
Lição 29   Os dons espirituaisLição 29   Os dons espirituais
Lição 29 Os dons espirituais
 
Lição 28 O poder da evangelização na família
Lição 28   O poder da evangelização na famíliaLição 28   O poder da evangelização na família
Lição 28 O poder da evangelização na família
 
Lição 27 Jesus e a felicidade
Lição 27   Jesus e a felicidadeLição 27   Jesus e a felicidade
Lição 27 Jesus e a felicidade
 
Lição 26 Os falsos profetas
Lição 26   Os falsos profetasLição 26   Os falsos profetas
Lição 26 Os falsos profetas
 
Lição 25 Cuidado com as pequenas coisas
Lição 25   Cuidado com as pequenas coisasLição 25   Cuidado com as pequenas coisas
Lição 25 Cuidado com as pequenas coisas
 
Lição 24 Desafios de um Casamento
Lição 24   Desafios de um CasamentoLição 24   Desafios de um Casamento
Lição 24 Desafios de um Casamento
 
Lição 23 Depressão, a doença da alma
Lição 23   Depressão, a doença da almaLição 23   Depressão, a doença da alma
Lição 23 Depressão, a doença da alma
 
Lição 22 Terceira idade
Lição 22   Terceira idadeLição 22   Terceira idade
Lição 22 Terceira idade
 
Lição 21 Rebelião
Lição 21   RebeliãoLição 21   Rebelião
Lição 21 Rebelião
 

Último

RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familiaRESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familiamaysa997520
 
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxLição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxCelso Napoleon
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivoInsituto Propósitos de Ensino
 
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxLição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxCelso Napoleon
 
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptxO concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptxPIB Penha
 
Oração Alma De Cristo
Oração Alma De CristoOração Alma De Cristo
Oração Alma De CristoNilson Almeida
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - IntroduçãoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - IntroduçãoInsituto Propósitos de Ensino
 

Último (11)

RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familiaRESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
 
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxLição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02
 
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxLição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
 
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptxO concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01
 
Oração Alma De Cristo
Oração Alma De CristoOração Alma De Cristo
Oração Alma De Cristo
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - IntroduçãoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03
 
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdfO Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
 

A Morte de Jesus na Cruz

  • 1. Escola Bíblica Dominical A Morte de Jesus Lição 12
  • 2. OEvangelhoSegundoLucas “E, clamando Jesus com grande voz, disse: Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito. E, havendo dito isso, expirou” (Lc 23.46).
  • 3. OEvangelhoSegundoLucas Jesus não morreu como mártir ou herói, mas como o Salvador da humanidade.
  • 4. OEvangelhoSegundoLucas Apresentar a causa primeira que levou Jesus à cruz: os nossos pecados.
  • 5. OEvangelhoSegundoLucas Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:  I. Pontuar as aflições de Cristo de caráter interno e externo.  II. Explicar a dramaticidade do relato da traição de Jesus.  III. Relacionar os dois tipos de julgamentos de Jesus, o religioso e o político.  IV. Ensinar sobre o método e o significado da crucificação e morte de Cristo.
  • 6. OEvangelhoSegundoLucas I. AS ÚLTIMAS ADVERTÊNCIAS E RECOMENDAÇÕES 1. Aflição interior. 2. Aflição exterior. II – JESUS É TRAÍDO E PRESO 1. A ambição. 2. A negociação. III – JULGAMENTO E CONDENAÇÃO DE JESUS 1. Na esfera religiosa. 2. Na esfera política. IV – A CRUCIFICAÇÃO E A MORTE DE JESUS 1. O método. 2. O significado.
  • 7. OEvangelhoSegundoLucas Jesus Cristo foi crucificado e morto pelos pecados de toda a humanidade.
  • 8. OEvangelhoSegundoLucas Os momentos que antecederam à prisão e julgamento de Jesus foram extremamente difíceis e penosos para Ele e seus seguidores. As autoridades judaicas já haviam decidido, em concílio, pela sua morte, e esperavam apenas o momento oportuno para isso. Não intentavam realizar o ato durante a Páscoa, para não causar tumulto.
  • 9. OEvangelhoSegundoLucas Nesse momento surge Judas Iscariotes, um dos doze discípulos, com a proposta de entregar Jesus a esses líderes. E foi o que ele fez. Preso, Jesus logo é submetido a um julgamento que o condenou e o entregou para ser crucificado! Pregado na cruz, Jesus, o homem perfeito, sentiu as dores dos cravos e o peso do pecado da humanidade.
  • 11. OEvangelhoSegundoLucas Sabendo que era chegada a sua hora, Jesus trata de dar as últimas advertências e recomendações aos seus discípulos. Todos os evangelistas registram a advertência que Jesus fez a Pedro (Mt 26.31-35; Mc 14.27-31; Lc 22.31-34; Jo 13.36-38). 1. Aflição interior
  • 12. OEvangelhoSegundoLucas Faltava pouco para o Mestre ser preso, e tanto Ele quanto seus discípulos iriam passar por um conflito interior sem precedentes. Daí a necessidade de estarem preparados espiritualmente para esse momento (Mt 26.41). 1. Aflição interior
  • 13. OEvangelhoSegundoLucas Pedro é avisado de que Satanás o queria peneirar (Lc 22.31-34). No Monte das Oliveiras, pouco antes de sua prisão, Ele advertiu a todos sobre a necessidade da oração para suportar as provações que se avizinhavam (Lc 22.39-46). 1. Aflição interior
  • 14. OEvangelhoSegundoLucas Podemos falhar e muitas vezes falhamos, entretanto, não é por falta de aviso. 1. Aflição interior
  • 15. OEvangelhoSegundoLucas O texto de Lucas 22.35-38 tem chamado a atenção dos estudiosos da Bíblia. Estaria Jesus aqui pregando a luta armada? Não! Isso pelo simples fato de que o uso da força como parte do seu Reino é frontalmente contrário aos seus ensinos (Mt 5.9; 22.39). 2. Aflição exterior
  • 16. OEvangelhoSegundoLucas Jesus cita a profecia de Isaías 53.12 como se cumprindo naquele momento, e os discípulos, solidários com a sua missão, sofreriam as suas consequências. 2. Aflição exterior
  • 17. OEvangelhoSegundoLucas Assim como o seu Mestre, eles também seriam afligidos exteriormente com as consequências da prisão. Deveriam, portanto, estar preparados para aquele momento. Jesus seria contado com os malfeitores e seus discípulos seriam identificados da mesma forma (Mc 14.69). 2. Aflição exterior
  • 18. OEvangelhoSegundoLucas SINOPSE DO TÓPICO (1) Antes de ser preso, Jesus deu advertências e recomendações para seus discípulos, pois sabia das aflições internas e externas que eles padeceriam.
  • 19. OEvangelhoSegundoLucas A crucificação Os cidadãos romanos, via de regra, não tinham de enfrentar a crucificação, a menos que fossem condenados por alta traição. A cruz estava reservada para os não cidadãos romanos, sujeitos das províncias em que eram criminosos perigosos, líderes revolucionários e escravos. Leia mais em Guia Cristão de Leitura da Bíblia, CPAD, p. 94.
  • 21. A traição de Jesus é um dos relatos mais dramáticos e tristes que o Novo Testamento registra. Jesus foi traído por alguém que compartilhava da sua intimidade (Sl 41.9). Judas, conforme relata Lucas, foi escolhido pelo próprio Cristo para ser um dos seus apóstolos (Lc 6.16). 1. A ambição
  • 22. O que levou, portanto, Judas a agir dessa forma? Os textos paralelos sobre o relato da traição mostram que Judas era avarento, amava o dinheiro e a ambição o levou a entregar o Senhor (Jo 12.4- 6). 1. A ambição
  • 23. Há muito, os líderes religiosos procuravam uma oportunidade para matar Jesus, mas além de não encontrá-la, eles ainda temiam o povo (Mt 26.3-5; Lc 22.2). Lucas mostra que o Diabo entra em cena para afastar esse obstáculo (Lc 22.3-6). 2. A negociação
  • 24. O terceiro Evangelho já havia mostrado, por ocasião da tentação, que o Diabo tinha se apartado de Jesus até o momento oportuno (Lc 4.13). Sabendo que Judas estava dominado pela ambição, Satanás incita-o a procurar os líderes religiosos para vender Jesus (Lc 22.2-6). 2. A negociação
  • 25. O preço foi acertado em 30 moedas de prata (Mt 26.15). Quando o responsabiliza por seu ato, a Escritura mostra que Judas não estava predestinado a ser o traidor de Jesus (Mc 14.21). Ele o fez porque não vigiou (Lc 6.13; 22.40). 2. A negociação Quem não vigia termina vendendo ou negociando a sua fé.
  • 26. OEvangelhoSegundoLucas SINOPSE DO TÓPICO (2) A ambição de Judas fez com que ele negociasse a prisão do Mestre e, finalmente, o traísse.
  • 27. OEvangelhoSegundoLucas 1. Na esfera religiosa 2. Na esfera política.
  • 28. OEvangelhoSegundoLucas Os conflitos entre Jesus e os líderes religiosos de Israel começaram muito cedo (Mc 3.6). As libertações, as curas e autoridade com que transmitia a Palavra de Deus fez com que as multidões passassem a seguir a Jesus (Lc 5.1). 1. Na esfera religiosa
  • 29. OEvangelhoSegundoLucas Essa popularidade entre as massas provocou inveja e ciúme dos líderes religiosos que perdiam espaço a cada dia (Jo 12.19). Para esses líderes, alguma coisa deveria ser feita e com esse intuito reuniram o Sinédrio. A decisão foi pela morte de Jesus (Jo 11.47-57). 1. Na esfera religiosa
  • 30. OEvangelhoSegundoLucas O passo seguinte foi fazer um processo formal contra Jesus, onde Ele seria falsamente acusado de ser um sedicioso que fizera Israel se desviar. 1. Na esfera religiosa
  • 31. OEvangelhoSegundoLucas Para os líderes religiosos, Jesus era um herege, acusado de ter blasfemado, e que deveria ser tirado de cena a qualquer custo, mesmo que fosse a morte. Todavia, Israel nos dias de Jesus estava sob a dominação romana e os líderes judeus não poderiam conquistar o seu intento sem a aprovação do Império (Jo 18.31). 2. Na esfera política
  • 32. OEvangelhoSegundoLucas Lucas deixa claro que a acusação dos líderes judeus feita a Jesus era tríplice: desviar a nação; proibir os judeus de pagarem impostos a Roma e afirmar que Ele, e não César, era rei (Lc 23.2,5,14). Em outras palavras, Jesus foi acusado de sedição. 2. Na esfera política
  • 33. OEvangelhoSegundoLucas Desviar os judeus de sua fé não era crime para Roma, mas a sedição, fazer o povo se levantar contra o império, era! Jesus, portanto, estaria levando os seus discípulos a uma revolta política. Os romanos não toleravam nenhuma forma de levante contra o Estado e estipulavam para esse tipo de crime a pena capital. 2. Na esfera política
  • 34. OEvangelhoSegundoLucas SINOPSE DO TÓPICO (3) O julgamento de Jesus deu-se em duas esferas: a religiosa e a política.
  • 36. OEvangelhoSegundoLucas A pena capital imposta pelo Império Romano aos condenados se dava através da crucificação. Os pesquisadores são unânimes em afirmar que essa era a mais cruel e dolorosa forma de execução! 1. O método
  • 37. OEvangelhoSegundoLucas Josefo, historiador judeu, informa que antes da execução, os condenados eram açoitados e submetidos a todo tipo de tortura e depois crucificados do lado oposto dos muros da cidade. 1. O método
  • 38. OEvangelhoSegundoLucas Cícero, historiador romano, ao se referir à crucificação, afirmou que não havia palavra para descrever ato tão horrendo. A mensagem do Império Romano era clara — isso aconteceria com quem se levanta contra o Estado. 1. O método
  • 39. OEvangelhoSegundoLucas Jesus, portanto, sofreu os horrores da cruz. De acordo com os Evangelhos, Ele foi açoitado, escarnecido, ridicularizado, blasfemado, torturado, forçado a levar a cruz e por fim crucificado (Jo 19.1-28). 1. O método
  • 40. OEvangelhoSegundoLucas Para muitos críticos, Jesus não passou de um mártir como foram tantos outros líderes judeus que viveram antes dEle. Todavia, a teologia lucana depõe contra essa ideia. 2. O significado
  • 41. OEvangelhoSegundoLucas O que se espera da morte de um mártir não pode ser encontrado na narrativa da morte de Jesus. Para Lucas, Jesus morreu vicariamente pela humanidade. 2. O significado
  • 42. OEvangelhoSegundoLucas A relação que Lucas faz do relato da paixão com a narrativa do Servo Sofredor de Isaías 53 mostra isso. O Servo sofredor, Jesus, justifica a muitos. 2. O significado
  • 43. OEvangelhoSegundoLucas O caráter universal da salvação presente em Isaías 53 aparece também em Lucas. Jesus, portanto, é o Servo Sofredor que se humilha até à morte de cruz, mas é exaltado e glorificado por Deus pela obra que realizou. 2. O significado
  • 44. OEvangelhoSegundoLucas SINOPSE DO TÓPICO (4) O método usado para matar Jesus foi a crucificação, denotando que o Senhor morreu vicariamente pela humanidade.
  • 45. OEvangelhoSegundoLucas A figura de um cordeiro ou cabrito sacrificado como parte do drama da salvação e da redenção remonta à Páscoa (Êx 12.1-13). Deus veria o sangue aspergido e ‘passaria por cima’ daqueles que eram protegidos por sua marca. Quando o crente do Antigo Testamento colocava as suas mãos no sacrifício, o significado era muito mais que identificação (isto é: ‘Meu sacrifício’). Era um substituto sacrificial (isto é: ‘Sacrifico isto em meu lugar’).
  • 46. OEvangelhoSegundoLucas Embora não se deva forçar demais as comparações, a figura é claramente transferida a Cristo no Novo Testamento. João Batista apresentou-o, anunciando: ‘Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo’ (Jo 1.29). Em Atos 8, Filipe aplica às boas novas a respeito de Jesus a profecia de Isaías que diz que o Servo seria levado como um cordeiro ao matadouro (Is 53.7). Paulo se refere a Cristo como ‘nossa páscoa’ (1Co 5.7). Pedro afirma que fomos redimidos ‘com o precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro imaculado e incontaminado’ (1Pe 1.19)” (HORTON, Stanley (Ed). Teologia Sistemática: Uma perspectiva pentecostal 1ª Edição. RJ: CPAD, 1996, p.352).
  • 47. OEvangelhoSegundoLucas Conclusão É um fato histórico que Jesus foi condenado pelos líderes religiosos e executado pelas leis romanas. Todavia, devemos lembrar de que a causa primeira que levou Jesus de fato à cruz foram os nossos pecados (Is 53.5). O apóstolo Paulo também destaca esse fato: “Àquele que não conheceu pecado, o fez pecado por nós; para que, nele, fôssemos feitos justiça de Deus” (2Co 5.21). A cruz resolveu o problema do pecado, e todos nós finalmente pudemos desfrutar a paz com Deus (Rm 5.1). Deus seja louvado.
  • 48. OEvangelhoSegundoLucas Perguntas Pedro é avisado de que Satanás o queria peneirar (Lc 22.31-34). No Monte das Oliveiras, pouco antes de sua prisão, Ele advertiu a todos sobre a necessidade da oração para suportar as provações que se avizinhavam (Lc 22.39-46). Conforme a lição, que alerta Jesus fez aos discípulos antes de ser traído?
  • 49. OEvangelhoSegundoLucas Perguntas Através de Judas, os líderes religiosos compraram Jesus (Lc 22.2-6) pelo preço de 30 moedas de prata (Mt 26.15). Quanto à condenação capital, o acusaram injustamente de sedição. Qual foi a forma que os líderes acharam para, injustamente, entregar Jesus?
  • 50. OEvangelhoSegundoLucas Perguntas Religiosa e política. Quais são as duas esferas nas quais se deu a traição de Jesus?
  • 51. OEvangelhoSegundoLucas Perguntas A pena capital imposta pelo Império Romano aos condenados se dava através da crucificação. Qual era o método usado pelos romanos para executar os condenados?
  • 52. OEvangelhoSegundoLucas Perguntas Resposta livre. O que a crucificação de Jesus representa para você?
  • 53. OEvangelhoSegundoLucas Estudo disponível no Facebook www.facebook.com/EBDFrutosparaVida Necessário baixar o aplicativo slideshare para visualização em smartphones e tablets
  • 54. OEvangelhoSegundoLucas Próxima aula Lição 13 A Ressurreição de Jesus Convide alguém para estudar conosco!