"Aspectos psicoafetivos na relação professor-aluno"

1.817 visualizações

Publicada em

Esta apresentação discute a realação professor-aluno numa perspectiva psicanalítica. (This presentation approaches the relationship between teachers and students from a psychoanalytic perspective.

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.817
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
77
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

"Aspectos psicoafetivos na relação professor-aluno"

  1. 1. ASPECTOS PSICOAFETIVOS NA RELAÇÃOPROFESSOR-ALUNO
  2. 2. É possível separar razão eemoção.Quando entro na sala de aula osproblemas ficam do lado de fora.
  3. 3. Para refletirNa sala de aula,1. Sou um professor que ....2. Gosto de ... /não gosto quando ...3. Me sinto bem quando...4. Meus colegas acham que eu ...5. Acho importante ...6. Preciso ....7. fico ...quando ...8. Meus alunos pensam que eu...9. Dizem que ...10.Não gostam quando...
  4. 4. “Todos os alunos devem prestar atenção emmim durante as aulas.”“Professora, sua aula é melhor do que a dooutro professor .”“Sua aula foi massa!”NARCISISMO
  5. 5. “Minha aula não foi boa hoje, poderia ter sidomelhor. “Por que não pesquisei melhor aqueleassunto?SUPEREGO
  6. 6. “A culpa é dele que não estuda.”/ Você nãoexplicou direito, por isso me dei mal naprova.”PROJEÇÃO
  7. 7. TRANSFERÊNCIA“Acho esseprofessor umchato.”“Esse aluno meaborrece.”
  8. 8. FREUD E A EDUCAÇÃO: Contribuições1912 – Recomendações aos médicos que exercem a Psicanálise1914 – Algumas reflexões sobre a psicologia escolar1925 – Prefácio à juventude desorientada de Aichorn1933 – Explicações, aplicações e orientações em NovasConferências Introdutórias à Psicanálise1937 – Análise terminável e interminável (psicanalisar, educar, governar)
  9. 9. Contribuições à EducaçãoInconsciente - algo que escapa ao controleconscienteTransferência - relação professor-alunoSublimação - redirecionamento das pulsõessexuais
  10. 10. O inconscienteSujeito do desconhecimento, algo sempre escapa aocontrole do consciente (ego);A educação à serviço do recalque civilização;Cabe aos educadores tentar atingir o ponto deequilíbrio nas questões educacionais.
  11. 11. A escola - grande castradora dos desejosinfantis, dando continuidade às leis paternas (acastração).Sua função é a de redirecionar, não inibir, aspulsões aniquiladoras e desgovernadas quefazem parte do próprio desenvolvimentohumano, mas que necessitam de limites eorientação para a existência da civilização.O inconsciente
  12. 12. A psicanálise tem freqüentes oportunidadesde observar o papel desempenhado pelaseveridade inoportuna e sem discernimentoda educação na produção de neuroses, ou opreço, em perda de eficiência e capacidade deprazer, que tem de ser pago pela normalidadena qual o educador insiste (FREUD, 1913).
  13. 13. A atitude de padronizar oaluno estaria perpetuando apolítica da exclusãopromovida pela sociedade.Uma política que fala dosmenos capacitados, menosinteligentes, dislexos,hiperativos, feios, pobres,crianças-problemas etc.O inconsciente
  14. 14. TransferênciaA transferência designa o processo utilizadopelos desejos inconscientes para repetir nossasexperiências infantis na relação adulta.A relação professor-aluno: a aquisição doconhecimento depende da relação do aluno comseus professores e colegas, representantes depais e irmãos.
  15. 15. Os professores ainda sãorevestidos de muitaimportância pelos alunose são figuras de poderpor serem os sucessoresdos pais. Por issoherdarão, muitas dasvezes, sentimentos deamor, orgulho, ciúme,paixão, ódio e outros.Transferência
  16. 16. SublimaçãoMecanismo que consiste nasubstituição de numaatividade social emoralmente inaceitável poroutra, moral e socialmenteaceitável.
  17. 17. As obras de arte, asciências, a religião, aFilosofia, as invenções,as instituições sociais epolíticas sãosublimações, modos desubstituição do desejosexual de seus autores.Sublimação
  18. 18. A criança pequena que gosta de se ocupar com os própriosexcrementos não tem que renunciar totalmente a este prazer afim de escapar à condenação dos educadores. Pode procurar umprazer substituto, por exemplo, deixar de brincar com a urina ecom as fezes, fazendo como substituição o brincar com areia eágua e, segundo as oportunidades que se lhe deparam, fazconstruções num caixote de areia, escava canteiros no jardim,constrói canais, ou como fazem as meninas pequenas, aprende alavar a roupa das suas bonecas. A alegria com o sujar persisteainda (...) no pintar com tintas e lápis de cor. Em cada uma destasatividades (...) sente a criança parte do prazer gozadoprimitivamente (FREUD, A. 1973, p.39).Sublimação
  19. 19. Aprender requer a transformação e oredirecionamento de energias.Sublimação
  20. 20. A sublimação possibilita aentrada da criança nomundo do adulto, atravésda firmação decompromisso com oestatuto da civilização,através da internalizaçãoe aceitação dos códigosmorais e éticos, eprincipalmente daeducação escolar.
  21. 21. E a psicanálise pode também demonstrar quepreciosas contribuições para a formação do carátersão realizadas por esses instintos associais eperversos na criança, se não forem submetidos àrepressão, e sim desviados de seus objetivosoriginais para outros mais valiosos, através doprocesso conhecido como sublimação (FREUD,1913).Sublimação
  22. 22. Cabe ao professor oportunizar a canalização dapulsão em sublimação. Para que isso aconteça, énecessário que o educador use estratégias variadas.Brincadeiras, atividades esportivas, musica, dança,atividades de leitura (contos em geral), escrita,passeios, vídeos, feira de ciências e tantas outrasatividades e recursos que possam tornar o processode ensino-aprendizagem mais criativo para aluno eprofessor.Sublimação
  23. 23. O mal estar na educaçãoAs novas subjetividadesSociedade individualista - a faltaA lei do desejo –PRAZER x REALIDADEO desamparo – perda de referências
  24. 24. O mal estar na educaçãoO professor deve ficar atento e reconhecer osseus conflitos, a sua incongruência e até mesmosos seus gestos, pois ensinamos mesmo aquilo quenão queremos. Antes de conhecer o aluno épreciso que o professor conheça a si mesmo eesteja atento à sua prática, seus pensamento edesejos.
  25. 25. O mal estar na educaçãoÉ necessário inovar, ao invés de repetir; arriscar aoinvés de ficar no lugar de conforto, da repetição.Implicar-se!Lembrar-se: é preciso lidar com a diferença, com afalta, com os limites, com a própria castração.
  26. 26. DE QUE FORMA O PROFESSOR PODERIAINCREMENTAR SUA PRÁTICA E VIABILIZAR OPROCESSO DE ENSINO-APRENDIZGEM ,MANTENDO UM CLIMA DE RESPEITO EAMIZADE?Responder em gruposEscrever em tópicos;Trocar ideias com os colegas
  27. 27. 1. Ensinar a pensar;2. Facilitar a compreensão da tarefa;3. Favorecer a participação e a autonomia;4. Propor tarefas interessantes e ajustá-las àspossibilidades e à realidade do aluno;5. Favorecer a cooperação entre os colegas;6. Propiciar experiências de êxito;7. Manifestar expectativas positivas em relação aotrabalho do aluno;8. Cuidar da auto-estima do aluno E DA SUA!Sugestões
  28. 28. Para finalizarElabore um texto no qual estejamrelacionados os aspectos discutidos nessadisciplina (subjetividade, motivação,afetividade), articulando com uma situaçãovivenciada em sala de aula.

×