Teologia econômica financeira

1.043 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.043
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
18
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
29
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Teologia econômica financeira

  1. 1. TEOLOGIA ECONÔMICO-FINANCEIRA
  2. 2. Noções de Teologia Econômica CONTEÚDO DO LIVRO DE JOSÉ ROBERTO OLIVEIRA CHAGASAPRESENTAÇÃO EM POWER POINT:INTRODUÃOPARTE 1 – PRINCÍPIOS DE CONTRIBUIÇÃO FINANCEIRAPARTE 2 - PRINCÍPIO DA ALEGRIA PLENA E INCONDICIONAL
  3. 3. APENAS PARA NOSSA REFLEXÃO, GOSTARÍAMOS DECITAR QUATRO FUNDAMENTOS DA TEOLOGIA FINANCEIRA,OS QUAIS REVELAM A VISÃO DE DEUS PARA AS NOSSASFINANÇAS. PARA TANTO, INICIALMENTE, ANALIZEMOS OTEXTO ABAIXO:PV 3.9-10“...9 HONRA AO SENHOR COM OS TEUS BENS, E COM AS PRIMÍCIAS DE TODA A TUA RENDA; 10 ASSIM SE ENCHERÃO DE FARTURA OS TEUS CELEIROS, E TRASBORDARÃO DE MOSTO OS TEUS LAGARES...”
  4. 4. PRIMEIRO FUNDAMENTO:O PROPÓSITO - PARA QUE SERVEM AS FINANÇAS?RESPOSTA: “PARA A GLÓRIA DE DEUS.”(RM 11.36, 1CO 10.31)
  5. 5. SEGUNDO FUNDAMENTO:O PRODUTO - QUE PARTE DAS FINANÇAS OFERTAR?RESPOSTA: “ AS PRIMÍCIAS DE TODA A NOSSARENDA
  6. 6. TERCEIRO FUNDAMENTO:QUANTO DAS PRIMÍCIAS DE TODA A NOSSA RENDADEVEMOS DEVOLVER AO SENHOR?RESPOSTA: ALÉM DO DÍZIMO, OFERTAS DECORAÇÃO (Mt 23.23, Lc 18.12)
  7. 7. QUARTO FUNDAMENTO: A PROMESSA E FONTE DOSNOSSOS RECURSOSRESPOSTA: QUANTO MAIS HONRAMOS A DEUS COMOS NOSSOS DÍZIMOS, MAIS DEUS CONTINUARÁ NOSHONRANDO
  8. 8. INTRODUÇÃO Este Trabalho Teológico sobre o Livro “Noções de Teologia Econômica” de José Roberto O. Chagas teve o propósito de abordar um tema bíblico bastante polêmico desta era pós-moderna: a contribuição financeira dos súditos de Cristo.
  9. 9. COM RELAÇÃO AS CONTRIBUIÇÕES ENTREGUES ÀSIGREJAS, NOTAMOS DOIS COMPORTAMENTOS EXTREMOS:
  10. 10. Foste-mefiel até amorte!
  11. 11. AMBIÇÃO
  12. 12. PORTANTO, TENHA CUIDADO PARA NEM SER SUBJUGADOPELO TIRANO MAMOM NEM PREGAR MAIS SOBRE A VERBA DOQUE SOBRE O VERBO
  13. 13. As contribuiçõesdos santos devem seguiro modelo de qual igreja ? Mercado da fé O qual é muitodiferente daquilo que épregado pelas igrejasconhecidas como ?
  14. 14. O DINHEIRO NA BÍBLIA É UM TEMAPOUCO COMENTADO?
  15. 15. Textos bíblicos sobre dízimos e ofertas1) O dízimo no Antigo Testamento: O dízimo de Abraão ( Gn 14:18-24 ) O dízimo de Jacó (Gn 28:18-22 ) O dízimo incorporado à lei - Lv 27:30-32 ( O dever de dizimar) - Nm 18:20-32; Ml 3.10 (Sustento do sacerdócio,da obra...) - Dt 14:28-29 – Beneficênci2) O dízimo e oferta no Novo TestamentoMt 23.23 (Ver Mt 5.17); Lc 18.9-14; 1 Co 16.2; 2Co 9.7
  16. 16. O PADRÃO DE CONTRIBUÍÇÃO DAS IGREJASPRIMITIVAS:1. Esforço cooperativo entre as várias igrejas (At 11.27-30; 2Co 8.1-3; 2Co 9.1-2);2. As igrejas eram doutrinadas no seu autosustento e na cooperação mútua, desde o momento do seu nascimento (Fl 1.3;5);3. As posses dos irmãos daquela época eram graciosamente compartilhadas (At 2.44,45; At 4.32- 35)
  17. 17. O PADRÃO DE CONTRIBUÍÇÃO DAS IGREJASPRIMITIVAS:4. Paulo recomenda aos cristãos que façam suas contribuições todos os domingos (1 Co 16.1,2)5. As coletas visavam atender também às viúvas, os órfãos, os doentes, os prisioneiros e os estrangeiros.
  18. 18. Portanto, as igrejas cristãsprimitiva compartilhavam suas possesde maneira voluntária, demostrando asua real conversão, como um ato de fé,amor e generosidade.
  19. 19. A coleta idealizada pelo Apóstolo Paulo possuiprincípios válidos para as Igrejas da Atualidade? Ouapenas visava a uma necessidade local e passageira? 1Co 16.1-4 Gl 2.10 At 11.29 Rm 15.25,26 2 Co Cap 8 – 9
  20. 20. Princípios Bíblicos da ContribuiçãoFinanceira na Teologia Paulina1. Foi uma contribuição coletiva das igrejas2. As coletas deviam ser semanais3. A doação era proporcional a renda4. Os portadores da contribuição eram aprovados pelas igreja5. Os contribuintes, apesar de tribulações e situação de pobreza, possuiam um coração generoso
  21. 21. APÓS ANOS DE PESQUISA NAS IGREJAS,OBSERVOU-SE DIVERSAS REAÇÕES COMPORTAMENTAISNOS CRENTES NO MOMENTO DO OFERTÓRIO?
  22. 22. ORAÇÃO FINGIDA
  23. 23. ALGUNS DISFARÇAM LENDO A BÍBLIA Chegou o momento do ofertório, vou ficar quetinho lendo a Bíblia
  24. 24. ALGUNS PREFEREM CONVERÇAR BOBAGEM COM QUEM ESTÁ AO LADO
  25. 25. ALGUNS PREFEREM IR AO BANHEIRO Porque será que esse irmão da frente só vai aoMeu Deus! banheiro noisso é momento dorídiculo ofertório?
  26. 26. OUTROS FICAM CONVERÇANDO NA ENTRADA DA IGREJA Vocês que estão do lado de fora da igreja converçando com o porteiro podem voltar a seus lugares, pois já terminou o recolhimento das ofertas !!!!!!
  27. 27. Princípio da Alegria Plena eIncondicional A Igreja de Jesus Cristo durante sua caminhadaterrena também enfretará adversidades; Mesmo diante do sofrimento, da crise, dasdificuldades, a Igreja deve regosijar-se; suaalegria é duradoura; A Adversidade econômico-financeira impedirá aIgreja de manisfestar generosidade e alegria se elaprópria permitir, pois pode sempre “exultar noSenhor” (Hc 3.18)
  28. 28. 1ª Lição do Princípio da AlegriaPlena e Incondicional A IGREJA DE JESUS CRISTO DURANTE SUACAMINHADA TERRENA TAMBÉM ENFRETARÁADVERSIDADES
  29. 29. QUAIS PROBLEMAS A IGREJA ENFRENTOUAO LONGO DA SUA HISTÓRIA?
  30. 30. GUERRAS (MT 24.7)
  31. 31. PERSEGUIÇÃO (AT 8.1) Cristãos no coliseu romano
  32. 32. CARÊNCIA (2 CO8.13,14) Eu sou a igreja
  33. 33. A MACEDÔNIA FOI UMA IGREJA QUEPASSOU POR MUITA TRIBULAÇÃO, SALIENTANDOQUE TAL SITUAÇÃO NÃO FOI DEVIDO APECADO, FALTA DE FÉ OU MALDIÃO. CONTUDONÃO PERDEU SEU ESPÍRITO DE GENEROSIDADE.
  34. 34. ADVERSIDADES TAMBÉM FAZEM PARTE DAVIDA CRISTÃ, PORÉM, A TEOLOGIA PÓS-MODERNA NÃO DOUTRINA OS CRENTES A LIDARCOM O INSUCESSO E COM EPISÓDIOSTRÁGICOS.
  35. 35. A IGREJA DE ESMIRNA AP 2.8-108 Ao anjo da igreja em Esmirna escreve: Isto diz oprimeiro e o último, que foi morto e reviveu:9 Conheço a tua tribulação e a tua pobreza (mas tu ésrico), e a blasfêmia dos que dizem ser judeus, e não osão, porém são sinagoga de Satanás.10 Não temas o que hás de padecer. Eis que o Diabo estápara lançar alguns de vós na prisão, para que sejaisprovados; e tereis uma tribulação de dez dias. Sê fielaté a morte, e dar-te-ei a coroa da vida.
  36. 36. A IGREJA DE LAODICÉIA AP 3.14-1714 Ao anjo da igreja em Laodicéia escreve: Isto diz oAmém, a testemunha fiel e verdadeira, o princípio dacriação de Deus:15 Conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente;oxalá foras frio ou quente!16 Assim, porque és morno, e não és quente nem frio,vomitar-te-ei da minha boca.17 Porquanto dizes: Rico sou, e estou enriquecido, e denada tenho falta; e não sabes que és um coitado, emiserável, e pobre, e cego, e nu;
  37. 37. Lembre-se de queuma igreja que não sabe oque é aflição pode sersinal de que se conformoucom este mundo (Rm 12.2)
  38. 38. O QUE A IGREJA MAIS TEM BUSCADO? Aqui Jesus prospera A qui Jesus Salva
  39. 39. QUAL É A SUA VIDEIRA VERDADEIRA?Como euamo essavideira !
  40. 40. DICIONÁRIO DA TEOLOGIA DA PROSPERIDADE
  41. 41. A – APÓSTOLO:É aquele que, cansado de serpastor, se intitula bispo . Seupróximo passo na hierarquiaeclesiástica é receber o epíteto device-Deus.
  42. 42. B - BÊNÇÃO:Aquilo que, supostamente, se podecomprar mediante a entrega dedeterminada quantia num envelope.Mas, atenção: o simples fato deentregar o envelope não traz agarantia da bênção. Pode ser que,por falta de fé de sua parte, vocênão receba.
  43. 43. C - CRENTES OUCLIENTES: Consumidores em potencial.
  44. 44. D- DEUS: Ser autômato para quem você “exige”, “determina”, e ele tem que obedecer. Não se trata do Deus Todo- Poderoso dos cristãos.
  45. 45. E - EVANGELHO: Mero pano de fundo para a difusão de doutrinas espúrias e exploração da fé.
  46. 46. F - FÉ: Sentimento que leva o fiel a colocar R$ 1000,00 num envelope e entregar ao “homem de deus”.
  47. 47. G - GRAÇA: Esqueça!!! Nada nesse mundo é de graça.
  48. 48. H - HERMENÊUTICA: A arte de distorcer textos bíblicos.
  49. 49. I- IGREJA: Hipermercado da fé. Quanto maior a oferta, maior a promessa de bênção.
  50. 50. J- JESUS: Personagem bíblico que, de vez em quando, é citado com correção. Bem de vez em quando... Raramente, eu diria...
  51. 51. L - LAVAGEMCEREBRAL: destruição da capacidade dos fiéis de fazer juízos racionais, de maneira a transformá-los em escravos da liderança.
  52. 52. M - MAMOM: O único deus.
  53. 53. N - NOVO TESTAMENTO:É até interessante. Mas o Antigotem nomes melhores paracampanhas: “Campanha Fé deAbraão”, “Jejum de Gideão”,“Fogueira Santa do Monte Sinai”,“As sete semanas do manto deElias”, “Jejum de Calebe”, e por aívai.
  54. 54. O - OFERTA: A palavra-chave do culto. É através dela que você move o coração de “d”eus.
  55. 55. Q - QUEIMAR: É o que fazem com os pedidos de oração. Talvez porque acreditem que, se não queimar, o pedido não vai ser atendido.
  56. 56. R - RHEMA:“Determine” a vitória e “tomeposse”. Afinal, você tudo podeatravés de sua confissãopositiva. (Centro de formação epropagação desta teologia)
  57. 57. S - SALVAÇÃO: Casamento, casa nova e carro do ano.
  58. 58. T - TEMPO (TEMPLO): É dinheiro.
  59. 59. U - UNGIDO:Classe “especial” de pessoas emquem não se deve tocar e que não sedeve corrigir ou criticar, por mais queestejam errados. Afinal, “ai daqueleque tocar nos meus ungidos”.Aliás, esse é o versículo preferidodeles (I Cr 16.22), usado fora decontexto para colocar medo nos fiéis.
  60. 60. V - VIDA ETERNA: Algo com o que não se deve ter preocupação. Importa é o “aqui” e o “agora”.
  61. 61. W - WHAT IS IT?: It´s a embromation. (O que é isso?? é enrrolação!)
  62. 62. X - XÔ!: Interjeição utilizada para espantar a miséria.
  63. 63. Y - YES, WE CAN!: Nada a ver com Barack Obama. Para os adeptos da Teologia da Prosperidade: Sim, nós podemos tudo! Temos poder em nossas palavras!
  64. 64. Z - ZOE:Você é um pequeno-deus andandosobre a terra, assim como Jesus ofoi (dizem eles). Afinal, a própriavida de Deus está em você! (Zoe:livro propagador destas heresias,escrito por Kenneth Hagin)
  65. 65. VOCÊ TAMBÉM É ADEPTO DESSA TEOLOGIA?
  66. 66. 2ª Lição do Princípio da AlegriaPlena e Incondicional MESMO DIANTE DO SOFRIMENTO, DA CRISE,DAS DIFICULDADES, A IGREJA DEVE REGOSIJAR-SE; SUA ALEGRIA É DURADOURA (2 CO 4.16-18;AP 21.4)
  67. 67. A CRISE, POR MAIS ACENTUADA QUESEJA, PODE SER TRANSFORMADA EMOPORTUNIDADE DE ADORAÇÃO A DEUS! O POVO DE DEUS PRECISAREDESCOBRIR ESSA VERDADE BÍBLICA.
  68. 68. Jó, mesmo na aflição, adorou a Deus ...Nu saí do ventre de minha mãe, e nu tornarei para lá. O Senhor deu, e o Senhor tirou; bendito seja o nome do Senhor...
  69. 69. A VIÚVA POBRE TAMBÉM FOI UM EXEMPLO DE ADORAÇÃO ...Buscai primeiro oseu reino e a suajustiça, e todas estascoisas vos serãoacrescentadas (Mt6.33)
  70. 70. O Apóstolo Paulo Quem nosseparará do amor deCristo? a tribulação,ou a angústia, ou aperseguição, ou afome, ou a nudez, ouo perigo, ou aespada? Em todas estascoisas somos maisque vencedores, poraquele que nosamou (Rm 8.35, 37)
  71. 71. A graça de Deus se manifestou na Macedônia, pois, no que tange às questões desolidariedade financeira, era generosa, voluntária, alegre e empática; mesmodiante de muita tribulação. Tudo isto nos revela Paulo em 2 Co 8.1-4 que diz:1 Também, irmãos, vos fazemos conhecer a graça de Deus que foi dada às igrejasda Macedônia;2 como, em muita prova de tribulação, a abundância do seu gozo e sua profundapobreza abundaram em riquezas da sua generosidade.3 Porque, dou-lhes testemunho de que, segundo as suas posses, e ainda acima dassuas posses, deram voluntariamente,4 pedindo-nos, com muito encarecimento, o privilégio de participarem desteserviço a favor dos santos;
  72. 72. 3ª Lição do Princípio da Alegria Plena eIncondicional A adversidade econômico-financeira impedirá aigreja de manisfestar generosidade e alegria se elaprópria permitir, pois, pode sempre “ exultar nosenhor”.
  73. 73. Será que a alegria e felicidadesão a mesma coisa?
  74. 74. Segundo David R. Verman,a felidade depende deacontecimentos agradáveis anossa vida
  75. 75. Tomando o conceito defelicidade de David R.Verman, como podemosevitar a insatisfação,frustração ou infelicidade?
  76. 76. Qual o fundamento da nossa alegria? Nossa alegria está baseada no amor,na graça, nas bênçãos, nas promessas e na presença de Deus
  77. 77. Fundamentação bíblica da nossa alegria(1 Pe 1.3-8)3 Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que,segundo a sua grande misericórdia, nos regenerou para uma vivaesperança, pela ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos,4 para uma herança incorruptível, incontaminável e imarcescível,reservada nos céus para vós,5 que pelo poder de Deus sois guardados, mediante a fé, para asalvação que está preparada para se revelar no último tempo;6 na qual exultais, ainda que agora por um pouco de tempo, sendonecessário, estejais contristados por várias provações,7 para que a prova da vossa fé, mais preciosa do que o ouro queperece, embora provado pelo fogo, redunde para louvor, glória e honrana revelação de Jesus Cristo;8 a quem, sem o terdes visto, amais; no qual, sem agora o verdes, mascrendo, exultais com gozo inefável e cheio de glória,
  78. 78. Quanto a obra do Senhor, aalegria e generosidade devem andarjuntas.
  79. 79. As igrejas da Macedônia eram alegres e generosasII Coríntios 8.1-31 Também, irmãos, vos fazemos conhecer a graçade Deus que foi dada às igrejas da Macedônia;2 como, em muita prova de tribulação, a abundânciado seu gozo e sua profunda pobreza abundaram emriquezas da sua generosidade.3 Porque, dou-lhes testemunho de que, segundo assuas posses, e ainda acima das suas posses, deramvoluntariamente,

×