Residente R1 cardiologia – André Soares Maria                                   06/03/2013
Introdução: Durante a última década a área da medicina nuclear em cardiologia que mais cresceu foi a aplicação da cintilo...
Abordagem baseada em risco noscuidados médicos O foco principal não é apenas identificar quais pacientes possuem DAC anat...
Valor prognóstico adicional Um importante objetivo da realização da cintilografia  de perfusão é o dado sobre prognóstico...
Valor adicional do GATED SPECT A fração de ejeção VE pós estresse medido pelo GATED  SPECT, possibilita informação adicio...
Risco de eventos adversos apósuma cintilografia normal De uma maneira geral pacientes com exame normal  são considerados ...
Risco de eventos adversos apósuma cintilografia normal  Estudo com 7376 pacientes com cintilografia normal.  Dividiu os ...
Como expressar a extensão eseveridade dos resulatados deperfusão miocárdica Score de pontuação:
Escore de soma Estes scores são para perfusão miocárdica o que a fração de ejeção é para funçao ventricular.
Porcentagem de miocárdio comperfusão anormal Permite uma mensuração com uma implicação mais intuitiva em relação ao escor...
Risco de eventos após exameanormal Numerosos estudos mostram relação estreita entre a  extensão e severidade da alteração...
Risco de eventos após exameanormal
Exames de perfusão com alteraçãodiscreta Pacientes com alteração discreta na perfusão têm um  risco intermediário para IA...
Exames com perfusãomoderadamente ou severamentealteradas Geralmente estes pacientes estão sob risco elevado de eventos ca...
Marcadores de risco dacintilografia além da perfusãomiocárdica Dilatação isquêmica transitória de VE (TID) Aumento da ca...
Dilatação isqêmica transitória deVE. É considerado presente quando a cavidade ventricular  parece estar aumentada na imag...
Aumento da captação pulmonar deradiotraçador O aumento na captação pulmonar de tálio após  exercicio se mostrou como fato...
Aumento da captação pulmonar deradiotraçador A evidência com agentes com tecnécio e suas implicações prognósticas tem evi...
Alteração do segmento ST duranteestresse farmacológico A depressão de segmento ST foi infrequente (17 %  tiveram um desni...
Mudanças hemodinâmicas emresposta ao estresse vasodilatador. Normalmente se espera um aumento discreto da FC e uma quada ...
Mudanças hemodinâmicas emresposta ao estresse vasodilatador Evidenciaram que tanto uma FC mais alta no repouso como um me...
Mudanças hemodinâmicas emresposta ao estresse vasodilatador  A razão entre o pico de FC com a FC de repouso foi   fator d...
Manejo do paciente póscintilografia e implicaçõesprognósticas O que fazer? TTO clínico ou CATE?
Identificação do risco potencialversus a identificação do benefíciopotencial. Houve uma mudança nas tomadas de decisão, a...
Conclusão O grande desafio para os clínicos frente ao resultado de uma cintilografia é saber interpretar corretamente o e...
Obrigado
The use of nuclear cardiology (SPECT) for clinical decisions
The use of nuclear cardiology (SPECT) for clinical decisions
The use of nuclear cardiology (SPECT) for clinical decisions
The use of nuclear cardiology (SPECT) for clinical decisions
The use of nuclear cardiology (SPECT) for clinical decisions
The use of nuclear cardiology (SPECT) for clinical decisions
The use of nuclear cardiology (SPECT) for clinical decisions
The use of nuclear cardiology (SPECT) for clinical decisions
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

The use of nuclear cardiology (SPECT) for clinical decisions

742 visualizações

Publicada em

Aspectos praticos do uso da cintilografia de perfusao miocardica nas condutas dentro da cardiologia.

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
742
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
16
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

The use of nuclear cardiology (SPECT) for clinical decisions

  1. 1. Residente R1 cardiologia – André Soares Maria 06/03/2013
  2. 2. Introdução: Durante a última década a área da medicina nuclear em cardiologia que mais cresceu foi a aplicação da cintilografia miocárdica com SPECT para definição de prognóstico de pacientes com DAC conhecida ou suspeita.
  3. 3. Abordagem baseada em risco noscuidados médicos O foco principal não é apenas identificar quais pacientes possuem DAC anatômica mas identificar quais pacientes estão em risco de desenvolvimento de eventos cardiovasculares graves, exemplo IAM ou morte por causas cardivasculares, e como evitar ou minimizar a ocorrência destes eventos.
  4. 4. Valor prognóstico adicional Um importante objetivo da realização da cintilografia de perfusão é o dado sobre prognóstico que o exame acrescenta aos dados conhecidos previamente ao exame. Este dado depende da soma de outros dados prognósticos de cada paciente, ex: história clínica prévia, resultado de outros testes de estresse.
  5. 5. Valor adicional do GATED SPECT A fração de ejeção VE pós estresse medido pelo GATED SPECT, possibilita informação adicional importante em relação aos defeitos de perfusão para predição de morte de origem cardiovascular. Outros estudos posteriores confirmaram o valor prognóstico do GATED SPECT.
  6. 6. Risco de eventos adversos apósuma cintilografia normal De uma maneira geral pacientes com exame normal são considerados de baixo risco para eventos cardiovasculares graves (IAM ou morte de causa cardiovascular). Porém na dependência de fatores de risco cardiovasculares dos pacientes este risco pode sofrer grande variação.
  7. 7. Risco de eventos adversos apósuma cintilografia normal  Estudo com 7376 pacientes com cintilografia normal.  Dividiu os pacientes em grupos de acordo com fatores de risco para doença cardiovascular.
  8. 8. Como expressar a extensão eseveridade dos resulatados deperfusão miocárdica Score de pontuação:
  9. 9. Escore de soma Estes scores são para perfusão miocárdica o que a fração de ejeção é para funçao ventricular.
  10. 10. Porcentagem de miocárdio comperfusão anormal Permite uma mensuração com uma implicação mais intuitiva em relação ao escore de soma.
  11. 11. Risco de eventos após exameanormal Numerosos estudos mostram relação estreita entre a extensão e severidade da alteração de perfusão e um aumento progressivo no risco de mortalidade cardiovascular. Mais uma vez a interpretação precisa dos exames alterados depende da associação com outros fatores prognósticos dos pacientes.
  12. 12. Risco de eventos após exameanormal
  13. 13. Exames de perfusão com alteraçãodiscreta Pacientes com alteração discreta na perfusão têm um risco intermediário para IAM porém baixo risco para morte cardiovascular. (2,7 % x 0,8 % de risco anual). Estes pacientes são candidatos a tratamento clinico agressivo e controle de fatores de risco.
  14. 14. Exames com perfusãomoderadamente ou severamentealteradas Geralmente estes pacientes estão sob risco elevado de eventos cardiovasculares e tendem a ir para CATE.
  15. 15. Marcadores de risco dacintilografia além da perfusãomiocárdica Dilatação isquêmica transitória de VE (TID) Aumento da captação pulmonar de radiotraçador.
  16. 16. Dilatação isqêmica transitória deVE. É considerado presente quando a cavidade ventricular parece estar aumentada na imagem de estresse. É causada pela isquemia subendocárdica. É um marcador prognóstico independente, geralmente os pacientes com TID apresentam doença multivascular grave com estenose crítica em muitos casos.
  17. 17. Aumento da captação pulmonar deradiotraçador O aumento na captação pulmonar de tálio após exercicio se mostrou como fator prognóstico adverso. É devido ao aumento da pressão capilar pulmonar.
  18. 18. Aumento da captação pulmonar deradiotraçador A evidência com agentes com tecnécio e suas implicações prognósticas tem evidência fraca, com alguns estudos com resultados conflitantes.
  19. 19. Alteração do segmento ST duranteestresse farmacológico A depressão de segmento ST foi infrequente (17 % tiveram um desnivel de pelo menos 1 mm e 5,3% 2 mm). Porém foi considerado um preditor de mau prognóstico tanto na análise univarida com na multivariada. Outros estudos posteriores confirmaram estes dados.
  20. 20. Mudanças hemodinâmicas emresposta ao estresse vasodilatador. Normalmente se espera um aumento discreto da FC e uma quada da PA (principalmente sistólica) com a infusão da adenosina e/ou dipiridamol.
  21. 21. Mudanças hemodinâmicas emresposta ao estresse vasodilatador Evidenciaram que tanto uma FC mais alta no repouso como um menor aumento da FC durante a infusão de adenosina são ppreditores de DAC mais grave em mulheres
  22. 22. Mudanças hemodinâmicas emresposta ao estresse vasodilatador  A razão entre o pico de FC com a FC de repouso foi fator de mau prognóstico.  Os pacientes que tinham uma dificuldade no aumento da FC durante a infusão de adenosina.
  23. 23. Manejo do paciente póscintilografia e implicaçõesprognósticas O que fazer? TTO clínico ou CATE?
  24. 24. Identificação do risco potencialversus a identificação do benefíciopotencial. Houve uma mudança nas tomadas de decisão, ao invés de uma decisão baseada no risco do paciente hoje se preconiza uma conduta embasada no benefício potencial
  25. 25. Conclusão O grande desafio para os clínicos frente ao resultado de uma cintilografia é saber interpretar corretamente o exame, levando-se em conta todas as variáveis de cada paciente que iram determinar seu prognóstico, e saber escolher a melhor estratégia de tratamento que reduza a ocorrência futura de eventos cardiovasculares.
  26. 26. Obrigado

×