População de rua e a Copa do Mundo de 2014

598 visualizações

Publicada em

Apresentação feita em 17/06/2013 por Robson Mendonça à Câmara Municipal de São Paulo.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
598
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

População de rua e a Copa do Mundo de 2014

  1. 1. POPULAÇÃO DE RUA E A COPA 2014Mas de Cem milhões de pessoas vivem nas ruas em todomundo
  2. 2. A primeira tentativa de abrigar moradores de rua aconteceuna Inglaterra, no século XVI. O ato de morar na rua é umfenômeno mundial.De acordo com a ONU, existem cerca de mais de cemmilhões de pessoas vivendo nas ruas das grandes cidadesdo planeta. Trabalhadores, mas desempregados: essa éuma das realidades do morador de rua da grande SãoPaulo, a maior cidade do país.E numa metrópole, que acolhe brasileiros de todo o país etambém estrangeiros, a realidade de suas ruas não édiferente das demais cidades do país.
  3. 3. CRIANÇAS E ADOLESCENTES QUE SÃO REFÉNS DOSTRAFICANTES POR ABANDONO DOS GAVERNANTES EM NOMEDO ECA “ESTATUTO DA CRIANÇA E ADOLESCENTES”.
  4. 4. O Retrato do Brasil que “NÃO QUEREMOS”.
  5. 5. “O Brasil precisa ser reavaliado constantemente, poisaqui é nossa casa, nosso pequeno mundo. Paravivermos melhor, necessitamos de uma compreensãodos nossos fatos e de uma reação por parte do nossopovo”. DALMO DALLARI, um dos mais brilhantesjuristas brasileiros, autor de diversoslivros, colaborador da Constituinte de 1988
  6. 6. Violência SocialViolência contra a pessoa humana é tudo aquilo que atenta contraa integridade física ou psíquica da pessoa ou contra a suadignidade. Normalmente o que vai para as manchetes de jornais éa violência física, de um indivíduo contra outro e em situaçõesisoladas.
  7. 7. Como isto é que tem mais realce, é disto que se fala mais. É muitocomum que as pessoas, quando falam sobre violência, ou queremalguma coisa contra ela, pensem imediatamente numa açãopolicial: "é preciso mais polícia para acabar com a violência; épreciso que a polícia seja mais violenta para acabar com aviolência."
  8. 8. É preciso se dar conta da outra espécie de violência: a violênciaque eu chamaria de institucional, que é decorrente de uma ordemsocial injusta ou da existência de governos injustos. São duascoisas que comumente se conjugam: a ordem injusta e o governoinjusto. E isto significa uma violência profunda, ampla, que, emgrande parte, é a causa da primeira violência.
  9. 9. Ordem Social e jurídica injustaComeçaria mencionando algumas situações deviolência, começando pela referência a uma ordem social ejurídica injusta. Estou plenamente consciente de que em termosjurídicos nós estamos vivendo um momento revolucionário nomundo, no fim de um ciclo histórico.
  10. 10. Direitos negadosA questão da previdência, por exemplo, é chocantepelos efeitos sociais. Deve ser vista por dois ângulos:há uma brutal sonegação de contribuição àprevidência, há um número enorme de empresas quedescontam do empregado e ficam com o dinheiro. Porque não se fiscaliza, se corrige, com rigor? No outrolado, trata-se o aposentado como um criminoso. Istotudo é feito com base na lei. Ainda indo adiante nisto,temos a questão da propriedade. A Propriedade, noBrasil, tem sido mais um privilégio do que um direito.Quantos brasileiros não têm, sequer, a hipótese desonhar com sua casa própria? No entanto, nóssabemos que todos os seres humanos necessitam deuma casa.
  11. 11. "Lei do mercado é quando eu vou ganhar, não importa a pessoahumana. Então, uma política baseada nas leis do mercadofatalmente é uma política injusta."
  12. 12. Governo InjustoVoltando à questão das violências impostas pelo governoinjusto, enfatizo a opção política do governo pelos objetivoseconômicos e financeiros, com absoluto desprezo pelo aspectohumano. Não importa se é justo ou injusto. Importa se produzdinheiro, se atrai investimento, capitais. Se isto vai gerardesemprego, injustiça, nem se discute.
  13. 13. Quem são os responsáveisSão todos os que promovem as injustiças sociais e se beneficiamdelas, a começar pela sociedade capitalista, que manda edesmanda no país. Ela governa como presidente absoluta. Elaexecuta as políticas econômicas e financeiras que estão atreladasao EU QUERO MAIS. O comércio não tem uma política social.Tudo é estabelecido visando a resultados financeiros ecomprometendo a área social.
  14. 14. O Congresso é omisso porque nãofaz leis. As medidas provisóriasvigoram por vários anos,alternando apenas um parágrafo,mensalmente. Em terceiro lugar, osculpados são os juízes e TribunaisSuperiores, pois infelizmenteexistem juízes que abrem mão dalegalidade e aceitam a razão doEstado.
  15. 15. ParticipaçãoAs violências sociais não são necessáriaspara o Brasil. Esta é a grande conclusão. Foiuma opção que os governos fizeram. OBrasil não necessita rastejar; temos todasas potencialidades para progredir.Precisamos tomar consciência e reagir aisto. O povo tem que ser sujeito de suaprópria história e os governos devemrespeitar o povo. Somente assim criaremospossibilidades para conquistar a paz.
  16. 16. UM PAÍS QUE NÃO INVESTE NA CULTURA DO SEU POVO ÉUM PAIS MISERAVEL E INJUSTO, ONDE AS CRIANÇAS EADOLESCENTES QUE VIVEM NAS RUA SERÃO OSMORADORES DE RUA QUE NÃO TEM DIREITO A CULTURA.
  17. 17. “QUANDO O SONHOÉ TÃO GRANDE AREALIDADEAPRENDE”Valter Hugo Mãe.

×