SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 46
Malária
• Descrição;
• Agente etiológico;
• Ciclo de vida do agente;
• Reservatório;
• Vetores;
• Modo de transmissão;
• Período de incubação;
• Período de transmissibilidade;
• Suscetibilidade e imunidade;
• Manifestações clínicas;
• Período de infecção;
• Diagnóstico laboratorial;
• Tratamento;
• Aspectos epidemiológicos;
• Vigilância Epidemiológica;
• Estratégias de prevenção;
• Prevenção para viajantes.
Descrição
Doença infecciosa febril aguda, cujos agentes etiológicos são
protozoários transmitidos por vetores.
• Ocorre com mais frequência na região amazônica;
•População de risco: Principalmente aquela que vive
em condições precárias de habitação.
Agente Etiológico
Protozoários do gênero
Plasmodium.
•P. vivax;
•P. falciparum;
•P. malariae.
Ciclo De Vida Do Parasita
Reservatório
• O homem é o único reservatório com importância
epidemiológica para a malária humana.
Vetores
• O principal vetor é o Anopheles darlingi, cujo comportamento
é extremamente antropofílico.
Vetores
• Esta espécie cria-se, normalmente, em águas de baixo fluxo,
profundas, límpidas, sombreadas e com pouco aporte de
matéria orgânica e sais.
Vetores
No país, as principais transmissoras da malária são:
•Anopheles darlingi;
•Anopheles aquasalis;
•Anopheles cruzii;
•Anopheles bellator;
•Anopheles nyssorhynchu.
Vetores
• Carapanã;
• Muriçoca;
• Sovela;
• Mosquito-prego;
• Bicuda.
Vetores
• Existem aproximadamente quatrocentas espécies neste
gênero, quarenta deles são transmissores do plasmódio e a
mais comum é a Anopheles gambiae.
A Transmissão
• Através da picada da fêmea do mosquito Anopheles, infectada
por Plasmodium.
A Transmissão
• Os vetores são mais abundantes nos horários crepusculares,
ao entardecer e ao amanhecer;
• Entretanto, são encontrados picando durante todo o período
noturno, porém em menor quantidade.
A Transmissão
• É transmitida pelo mosquito do gênero Anopheles, que após
contaminado permanece infectante por toda a sua existência;
• O Anopheles é popularmente chamado de Mosquito Prego.
A Transmissão
• Também pode ser transmitida pelo sangue por meio de
injeção, transfusão ou uso compartilhado de seringas e
agulhas;
Período de incubação
O período de incubação varia de acordo com a espécie de
plasmódio.
•P. falciparum, de 8 a 12 dias;
•P. vivax, 13 a 17;
•P. malariae, 18 a 30 dias.
Período de
transmissibilidade
• O mosquito é infectado ao sugar o sangue de uma pessoa com
gametócitos circulantes;
• Os gametócitos surgem na corrente sanguínea, em período
que varia de poucas horas até cerca de 10 dias.
Período de
transmissibilidade
• P. falciparum, o indivíduo pode ser fonte de infecção por até
1 ano;
• P. vivax, até 3 anos;
• P. malariae, por mais de 3 anos
Suscetibilidade e imunidade
• Toda pessoa é suscetível à infecção. Indivíduos que tiveram
vários episódios de malária podem atingir um estado de
imunidade parcial.
Suscetibilidade e imunidade
• Oligossintomático: Que não apresenta sintoma de nenhuma
doença;
• Subclínico: Que acontece sem manifestação de sintomas;
• Assintomático: Que não tem ou não produz os sintomas
característicos
Suscetibilidade e imunidade
As áreas de risco são determinadas pelo potencial malarígeno,
relacionado com a:
•Receptividade e vulnerabilidade da área;
•Presença, densidade e longevidade do Anopheles;
Suscetibilidade e imunidade
• A vulnerabilidade está relacionada à chegada de portadores
de malária, oriundos da região amazônica e de outros países
endêmicos.
Aspectos clínicos e laboratoriais
Manifestações clínicas
• febre alta, acompanhada de calafrios;
• Sudorese profusa;
• Cefaleia;.
• Náuseas;
• Vômitos
• Astenia;
• Fadiga;
• Anorexia.
Período de infecção
• Mal-estar;
• Cansaço;
• Dores Musculares.
Período de infecção
• O ataque paroxístico inicia-se com calafrio, acompanhado de
tremor, com duração de 15 minutos a 1 hora;
• Na fase febril, a temperatura pode atingir 41°C. Pode ser
acompanhada de cefaleia, náuseas e vômitos.
Período de infecção
• Remissão – Declínio da temperatura. A diminuição dos
sintomas causa sensação de melhora no paciente. Contudo,
novos episódios podem ocorrer.
Diagnóstico laboratorial
• O diagnóstico de certeza da infecção malárica só é possível
pela demonstração do parasito ou de antígenos relacionados,
no sangue periférico do paciente;
• Gota espessa;
• Esfregaço delgado.
Tratamento
O tratamento visa a atingir o parasita em pontos-chave de seu
ciclo evolutivo, os quais podem ser didaticamente resumidos
em:
•Desenvolvimento de formas sexuadas dos parasitos (gametócitos);
•Interrupção da esquizogonia sanguínea, responsável pela patogenia e
manifestações clínicas da infecção.
Tratamento
• Para atingir esses objetivos, diversas drogas são utilizadas,
cada uma delas agindo de forma específica, tentando impedir
o desenvolvimento do parasito no hospedeiro.
Decisão sobre o tratamento
Deve ser precedida de informações sobre os seguintes aspectos:
•Espécie de plasmódio infectante;
•Idade do paciente;
•História de exposição anterior à infecção;
•Condições associadas;
•Gravidade da doença.
Condições que indicam a necessidade de
hospitalização
• Crianças menores de 5 anos;
• Idosos com mais de 60 anos;
• Gestantes;
• Pacientes imunodeprimidos;
• Pacientes com qualquer um dos sinais de perigo para malária
grave.
Aspectos
epidemiológicos
Os Números Da Malária
Aspectos epidemiológicos
A malária é reconhecida como grave problema de saúde pública
no mundo.
•Estimativa de 300 milhões de novos casos;
•1 milhão de mortes por ano;
•Ocorrendo em quase 50% da população;
•Mais de 109 países e territórios.
Aspectos epidemiológicos
• A região amazônica é considerada a área endêmica do país.
Em 2008, aproximadamente 97% dos casos se concentraram
em seis estados da região.
• Acre, Amapá, Amazonas,
Pará, Rondônia e Roraima – 97%
• Maranhão, Mato Grosso e Tocantins – 3%
Vigilância epidemiológica
Os objetivos da vigilância são:
•Estimar a magnitude da morbidade e mortalidade da malária;
•Identificar tendências, grupos e fatores de risco;
•Detectar surtos e epidemias;
•Recomendar as medidas de prevenção e controle;
•Avaliar o impacto das medidas de controle.
Vigilância epidemiológica
• Malária é uma doença de notificação compulsória, portanto,
todo caso suspeito deve ser notificado;
• Sivep-Malária (Sistema de Informação de Vigilância
Epidemiológica da Malária) ;
• Sinan (Sistema de Informação de Agravos de Notificação).
Vigilância epidemiológica
Estratégias de prevenção
• Uso de mosquiteiros;
• Roupas que protejam pernas e braços;
• Telas em portas e janelas;
• Uso de repelentes;
• Evitar os locais de transmissão à noite.
Prevenção para Viajantes
• Uso de roupas claras e com manga longa;
• Uso de medidas de barreira;
• Uso de repelente.
Obrigado!
Finalmente
hein...
3° Enf.B
Bibliografia
Guia de Vigilância Epidemiológica, 7° Edição – Ministério da
Saúde.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aspectos epidemiológicos das doenças transmissiveis
Aspectos epidemiológicos das doenças transmissiveisAspectos epidemiológicos das doenças transmissiveis
Aspectos epidemiológicos das doenças transmissiveisMaria Luiza
 
Aula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia BásicaAula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia BásicaJaqueline Almeida
 
Parasitologia - Malaria
Parasitologia - MalariaParasitologia - Malaria
Parasitologia - MalariapHrOzEn HeLL
 
Esquistossomose
EsquistossomoseEsquistossomose
Esquistossomose3a2011
 
Aula 8 epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
Aula 8   epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveisAula 8   epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
Aula 8 epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveisMario Gandra
 
História Natural da doença-Epidemiologia
História Natural da doença-EpidemiologiaHistória Natural da doença-Epidemiologia
História Natural da doença-EpidemiologiaSamuel J. Tacuana
 
Malária: Quadro clínico, diagnóstico e tratamento. Atualização
Malária: Quadro clínico, diagnóstico e tratamento. AtualizaçãoMalária: Quadro clínico, diagnóstico e tratamento. Atualização
Malária: Quadro clínico, diagnóstico e tratamento. AtualizaçãoYoan Rodriguez
 
Introdução a Parasitologia
Introdução a ParasitologiaIntrodução a Parasitologia
Introdução a ParasitologiaSafia Naser
 
DOENÇA DE CHAGAS
DOENÇA DE CHAGAS DOENÇA DE CHAGAS
DOENÇA DE CHAGAS Sandra Tomaz
 
Aula n° 4 leishmaniose
Aula n° 4   leishmanioseAula n° 4   leishmaniose
Aula n° 4 leishmanioseGildo Crispim
 
Protozoários - Parasitologia
Protozoários - ParasitologiaProtozoários - Parasitologia
Protozoários - ParasitologiaRaphael Machado
 
Aula n° 6 toxoplasma
Aula n° 6   toxoplasmaAula n° 6   toxoplasma
Aula n° 6 toxoplasmaGildo Crispim
 

Mais procurados (20)

Aspectos epidemiológicos das doenças transmissiveis
Aspectos epidemiológicos das doenças transmissiveisAspectos epidemiológicos das doenças transmissiveis
Aspectos epidemiológicos das doenças transmissiveis
 
Aula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia BásicaAula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia Básica
 
Parasitologia - Malaria
Parasitologia - MalariaParasitologia - Malaria
Parasitologia - Malaria
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
 
Esquistossomose
EsquistossomoseEsquistossomose
Esquistossomose
 
Resumo Malária
Resumo MaláriaResumo Malária
Resumo Malária
 
Aula 8 epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
Aula 8   epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveisAula 8   epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
Aula 8 epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
 
Seminário malária
Seminário maláriaSeminário malária
Seminário malária
 
História Natural da doença-Epidemiologia
História Natural da doença-EpidemiologiaHistória Natural da doença-Epidemiologia
História Natural da doença-Epidemiologia
 
Indicadores de Saúde
Indicadores de SaúdeIndicadores de Saúde
Indicadores de Saúde
 
Malária: Quadro clínico, diagnóstico e tratamento. Atualização
Malária: Quadro clínico, diagnóstico e tratamento. AtualizaçãoMalária: Quadro clínico, diagnóstico e tratamento. Atualização
Malária: Quadro clínico, diagnóstico e tratamento. Atualização
 
Introdução a Parasitologia
Introdução a ParasitologiaIntrodução a Parasitologia
Introdução a Parasitologia
 
Parasitoses humanas
Parasitoses humanasParasitoses humanas
Parasitoses humanas
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 
DOENÇA DE CHAGAS
DOENÇA DE CHAGAS DOENÇA DE CHAGAS
DOENÇA DE CHAGAS
 
Aula n° 4 leishmaniose
Aula n° 4   leishmanioseAula n° 4   leishmaniose
Aula n° 4 leishmaniose
 
Protozoários - Parasitologia
Protozoários - ParasitologiaProtozoários - Parasitologia
Protozoários - Parasitologia
 
Aula n° 6 toxoplasma
Aula n° 6   toxoplasmaAula n° 6   toxoplasma
Aula n° 6 toxoplasma
 
Arboviroses
ArbovirosesArboviroses
Arboviroses
 

Destaque (8)

A malária
A maláriaA malária
A malária
 
Malária.
Malária.Malária.
Malária.
 
Acoes de controle de endemias malaria
Acoes de controle de endemias malariaAcoes de controle de endemias malaria
Acoes de controle de endemias malaria
 
10 historiada malaria
10 historiada malaria10 historiada malaria
10 historiada malaria
 
Elaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESME
Elaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESMEElaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESME
Elaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESME
 
Plasmodium,malaria
Plasmodium,malaria Plasmodium,malaria
Plasmodium,malaria
 
Enterobactérias
EnterobactériasEnterobactérias
Enterobactérias
 
Malária
MaláriaMalária
Malária
 

Semelhante a Malária: Guia completo sobre a doença

Semelhante a Malária: Guia completo sobre a doença (20)

Malária
MaláriaMalária
Malária
 
Seminário - Tema: Malária
Seminário - Tema: MaláriaSeminário - Tema: Malária
Seminário - Tema: Malária
 
Malária e Febre Amarela
Malária e Febre AmarelaMalária e Febre Amarela
Malária e Febre Amarela
 
ace conteudo.pptx
ace conteudo.pptxace conteudo.pptx
ace conteudo.pptx
 
Febre amarela
Febre amarelaFebre amarela
Febre amarela
 
Plasmodium e malária
Plasmodium e  malária Plasmodium e  malária
Plasmodium e malária
 
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptxAULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
 
Controle Sanitário de Viajantes: doenças e agravos de transmissão respiratória
Controle Sanitário de Viajantes: doenças e agravos de transmissão respiratóriaControle Sanitário de Viajantes: doenças e agravos de transmissão respiratória
Controle Sanitário de Viajantes: doenças e agravos de transmissão respiratória
 
Malária
MaláriaMalária
Malária
 
FEBRE AMARELA
FEBRE AMARELAFEBRE AMARELA
FEBRE AMARELA
 
Semninário Febre Amarela
Semninário Febre AmarelaSemninário Febre Amarela
Semninário Febre Amarela
 
Coronavírus, Rotavírus e Hepatite
Coronavírus, Rotavírus e HepatiteCoronavírus, Rotavírus e Hepatite
Coronavírus, Rotavírus e Hepatite
 
Viroses
VirosesViroses
Viroses
 
Saúde da família e Dengue - Intensivo Estado
Saúde da família e Dengue - Intensivo EstadoSaúde da família e Dengue - Intensivo Estado
Saúde da família e Dengue - Intensivo Estado
 
Curso Online 1 - Dengue.pptx
Curso Online 1 - Dengue.pptxCurso Online 1 - Dengue.pptx
Curso Online 1 - Dengue.pptx
 
Gripe comum, suina e aviaria
Gripe comum, suina e aviariaGripe comum, suina e aviaria
Gripe comum, suina e aviaria
 
Aula 2 virus
Aula 2   virusAula 2   virus
Aula 2 virus
 
Trabalho da feira da cultura centro oeste (801)
Trabalho da feira da cultura centro  oeste (801)Trabalho da feira da cultura centro  oeste (801)
Trabalho da feira da cultura centro oeste (801)
 
ebola
 ebola ebola
ebola
 
Leptospirose Rodrigo.pptx
Leptospirose  Rodrigo.pptxLeptospirose  Rodrigo.pptx
Leptospirose Rodrigo.pptx
 

Mais de Vinicius Lopes

Gestão Da Qualidade [ETEC KK]
Gestão Da Qualidade [ETEC KK]Gestão Da Qualidade [ETEC KK]
Gestão Da Qualidade [ETEC KK]Vinicius Lopes
 
Aterosclerose [ETEC KK]
Aterosclerose [ETEC KK]Aterosclerose [ETEC KK]
Aterosclerose [ETEC KK]Vinicius Lopes
 
Infestação de Insetos e Ratos
Infestação de Insetos e RatosInfestação de Insetos e Ratos
Infestação de Insetos e RatosVinicius Lopes
 
Doenças Prevalentes da Infância [ETEC CARLOS DE CAMPOS]
Doenças Prevalentes da Infância [ETEC CARLOS DE CAMPOS]Doenças Prevalentes da Infância [ETEC CARLOS DE CAMPOS]
Doenças Prevalentes da Infância [ETEC CARLOS DE CAMPOS]Vinicius Lopes
 
Sistemas Operacionais [ETEC DE ITAQUERA]
Sistemas Operacionais [ETEC DE ITAQUERA]Sistemas Operacionais [ETEC DE ITAQUERA]
Sistemas Operacionais [ETEC DE ITAQUERA]Vinicius Lopes
 
Intranet [ETEC DE ITAQUERA]
Intranet [ETEC DE ITAQUERA]Intranet [ETEC DE ITAQUERA]
Intranet [ETEC DE ITAQUERA]Vinicius Lopes
 
Esterilização por Peróxido de Hidrogênio [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]
Esterilização por Peróxido de Hidrogênio [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]Esterilização por Peróxido de Hidrogênio [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]
Esterilização por Peróxido de Hidrogênio [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]Vinicius Lopes
 
Colecistite Aguda [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]
Colecistite Aguda [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]Colecistite Aguda [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]
Colecistite Aguda [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]Vinicius Lopes
 

Mais de Vinicius Lopes (9)

Parkinson
ParkinsonParkinson
Parkinson
 
Gestão Da Qualidade [ETEC KK]
Gestão Da Qualidade [ETEC KK]Gestão Da Qualidade [ETEC KK]
Gestão Da Qualidade [ETEC KK]
 
Aterosclerose [ETEC KK]
Aterosclerose [ETEC KK]Aterosclerose [ETEC KK]
Aterosclerose [ETEC KK]
 
Infestação de Insetos e Ratos
Infestação de Insetos e RatosInfestação de Insetos e Ratos
Infestação de Insetos e Ratos
 
Doenças Prevalentes da Infância [ETEC CARLOS DE CAMPOS]
Doenças Prevalentes da Infância [ETEC CARLOS DE CAMPOS]Doenças Prevalentes da Infância [ETEC CARLOS DE CAMPOS]
Doenças Prevalentes da Infância [ETEC CARLOS DE CAMPOS]
 
Sistemas Operacionais [ETEC DE ITAQUERA]
Sistemas Operacionais [ETEC DE ITAQUERA]Sistemas Operacionais [ETEC DE ITAQUERA]
Sistemas Operacionais [ETEC DE ITAQUERA]
 
Intranet [ETEC DE ITAQUERA]
Intranet [ETEC DE ITAQUERA]Intranet [ETEC DE ITAQUERA]
Intranet [ETEC DE ITAQUERA]
 
Esterilização por Peróxido de Hidrogênio [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]
Esterilização por Peróxido de Hidrogênio [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]Esterilização por Peróxido de Hidrogênio [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]
Esterilização por Peróxido de Hidrogênio [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]
 
Colecistite Aguda [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]
Colecistite Aguda [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]Colecistite Aguda [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]
Colecistite Aguda [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]
 

Malária: Guia completo sobre a doença

  • 2. • Descrição; • Agente etiológico; • Ciclo de vida do agente; • Reservatório; • Vetores; • Modo de transmissão; • Período de incubação; • Período de transmissibilidade; • Suscetibilidade e imunidade; • Manifestações clínicas;
  • 3. • Período de infecção; • Diagnóstico laboratorial; • Tratamento; • Aspectos epidemiológicos; • Vigilância Epidemiológica; • Estratégias de prevenção; • Prevenção para viajantes.
  • 4. Descrição Doença infecciosa febril aguda, cujos agentes etiológicos são protozoários transmitidos por vetores. • Ocorre com mais frequência na região amazônica; •População de risco: Principalmente aquela que vive em condições precárias de habitação.
  • 5. Agente Etiológico Protozoários do gênero Plasmodium. •P. vivax; •P. falciparum; •P. malariae.
  • 6. Ciclo De Vida Do Parasita
  • 7. Reservatório • O homem é o único reservatório com importância epidemiológica para a malária humana.
  • 8. Vetores • O principal vetor é o Anopheles darlingi, cujo comportamento é extremamente antropofílico.
  • 9. Vetores • Esta espécie cria-se, normalmente, em águas de baixo fluxo, profundas, límpidas, sombreadas e com pouco aporte de matéria orgânica e sais.
  • 10. Vetores No país, as principais transmissoras da malária são: •Anopheles darlingi; •Anopheles aquasalis; •Anopheles cruzii; •Anopheles bellator; •Anopheles nyssorhynchu.
  • 11. Vetores • Carapanã; • Muriçoca; • Sovela; • Mosquito-prego; • Bicuda.
  • 12. Vetores • Existem aproximadamente quatrocentas espécies neste gênero, quarenta deles são transmissores do plasmódio e a mais comum é a Anopheles gambiae.
  • 13.
  • 14. A Transmissão • Através da picada da fêmea do mosquito Anopheles, infectada por Plasmodium.
  • 15. A Transmissão • Os vetores são mais abundantes nos horários crepusculares, ao entardecer e ao amanhecer; • Entretanto, são encontrados picando durante todo o período noturno, porém em menor quantidade.
  • 16. A Transmissão • É transmitida pelo mosquito do gênero Anopheles, que após contaminado permanece infectante por toda a sua existência; • O Anopheles é popularmente chamado de Mosquito Prego.
  • 17. A Transmissão • Também pode ser transmitida pelo sangue por meio de injeção, transfusão ou uso compartilhado de seringas e agulhas;
  • 18. Período de incubação O período de incubação varia de acordo com a espécie de plasmódio. •P. falciparum, de 8 a 12 dias; •P. vivax, 13 a 17; •P. malariae, 18 a 30 dias.
  • 19. Período de transmissibilidade • O mosquito é infectado ao sugar o sangue de uma pessoa com gametócitos circulantes; • Os gametócitos surgem na corrente sanguínea, em período que varia de poucas horas até cerca de 10 dias.
  • 20. Período de transmissibilidade • P. falciparum, o indivíduo pode ser fonte de infecção por até 1 ano; • P. vivax, até 3 anos; • P. malariae, por mais de 3 anos
  • 21. Suscetibilidade e imunidade • Toda pessoa é suscetível à infecção. Indivíduos que tiveram vários episódios de malária podem atingir um estado de imunidade parcial.
  • 22. Suscetibilidade e imunidade • Oligossintomático: Que não apresenta sintoma de nenhuma doença; • Subclínico: Que acontece sem manifestação de sintomas; • Assintomático: Que não tem ou não produz os sintomas característicos
  • 23. Suscetibilidade e imunidade As áreas de risco são determinadas pelo potencial malarígeno, relacionado com a: •Receptividade e vulnerabilidade da área; •Presença, densidade e longevidade do Anopheles;
  • 24. Suscetibilidade e imunidade • A vulnerabilidade está relacionada à chegada de portadores de malária, oriundos da região amazônica e de outros países endêmicos.
  • 25. Aspectos clínicos e laboratoriais
  • 26. Manifestações clínicas • febre alta, acompanhada de calafrios; • Sudorese profusa; • Cefaleia;. • Náuseas; • Vômitos • Astenia; • Fadiga; • Anorexia.
  • 27. Período de infecção • Mal-estar; • Cansaço; • Dores Musculares.
  • 28. Período de infecção • O ataque paroxístico inicia-se com calafrio, acompanhado de tremor, com duração de 15 minutos a 1 hora; • Na fase febril, a temperatura pode atingir 41°C. Pode ser acompanhada de cefaleia, náuseas e vômitos.
  • 29. Período de infecção • Remissão – Declínio da temperatura. A diminuição dos sintomas causa sensação de melhora no paciente. Contudo, novos episódios podem ocorrer.
  • 30. Diagnóstico laboratorial • O diagnóstico de certeza da infecção malárica só é possível pela demonstração do parasito ou de antígenos relacionados, no sangue periférico do paciente; • Gota espessa; • Esfregaço delgado.
  • 31. Tratamento O tratamento visa a atingir o parasita em pontos-chave de seu ciclo evolutivo, os quais podem ser didaticamente resumidos em: •Desenvolvimento de formas sexuadas dos parasitos (gametócitos); •Interrupção da esquizogonia sanguínea, responsável pela patogenia e manifestações clínicas da infecção.
  • 32. Tratamento • Para atingir esses objetivos, diversas drogas são utilizadas, cada uma delas agindo de forma específica, tentando impedir o desenvolvimento do parasito no hospedeiro.
  • 33. Decisão sobre o tratamento Deve ser precedida de informações sobre os seguintes aspectos: •Espécie de plasmódio infectante; •Idade do paciente; •História de exposição anterior à infecção; •Condições associadas; •Gravidade da doença.
  • 34. Condições que indicam a necessidade de hospitalização • Crianças menores de 5 anos; • Idosos com mais de 60 anos; • Gestantes; • Pacientes imunodeprimidos; • Pacientes com qualquer um dos sinais de perigo para malária grave.
  • 35.
  • 37. Aspectos epidemiológicos A malária é reconhecida como grave problema de saúde pública no mundo. •Estimativa de 300 milhões de novos casos; •1 milhão de mortes por ano; •Ocorrendo em quase 50% da população; •Mais de 109 países e territórios.
  • 38. Aspectos epidemiológicos • A região amazônica é considerada a área endêmica do país. Em 2008, aproximadamente 97% dos casos se concentraram em seis estados da região. • Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia e Roraima – 97% • Maranhão, Mato Grosso e Tocantins – 3%
  • 39. Vigilância epidemiológica Os objetivos da vigilância são: •Estimar a magnitude da morbidade e mortalidade da malária; •Identificar tendências, grupos e fatores de risco; •Detectar surtos e epidemias; •Recomendar as medidas de prevenção e controle; •Avaliar o impacto das medidas de controle.
  • 40. Vigilância epidemiológica • Malária é uma doença de notificação compulsória, portanto, todo caso suspeito deve ser notificado; • Sivep-Malária (Sistema de Informação de Vigilância Epidemiológica da Malária) ; • Sinan (Sistema de Informação de Agravos de Notificação).
  • 42.
  • 43. Estratégias de prevenção • Uso de mosquiteiros; • Roupas que protejam pernas e braços; • Telas em portas e janelas; • Uso de repelentes; • Evitar os locais de transmissão à noite.
  • 44. Prevenção para Viajantes • Uso de roupas claras e com manga longa; • Uso de medidas de barreira; • Uso de repelente.
  • 46. Bibliografia Guia de Vigilância Epidemiológica, 7° Edição – Ministério da Saúde.