SlideShare uma empresa Scribd logo
Infestação de
animais e insetos
Kátia Teresa, Michele Marega, Sara Vital e Vinicius Lopes
Cães e Gatos
A maioria das pessoas tem animais de
estimação, e os mais comuns são os cães e
os gatos. Por mais companheiros e leais
que eles sejam, podem trazer alguns riscos
à nossa saúde, sendo os principais a raiva,
a toxoplasmose e as leishmanioses.
Raiva
Raiva Urbana
• Transmitida por cães e gatos (é a que tem maior incidência no
Brasil)
Raiva Silvestre
• Transmitida por animais silvestres (gambás, guaxinins,
raposas, etc.), principalmente pelos morcegos sugadores de
sangue.
Raiva
• Quando os sinais da moléstia de manifestam já não há
mais cura possível. Por conta disso, todo tratamento
deve ser feito durante o período de incubação.
Sinais e sintomas
Após período de extrema
excitação, ocorre paralisia
flácida da face da língua,
dos músculos da deglutição,
oculares e das
extremidades dos
membros.
Controle e
profilaxia
Toxoplasmose
Sinais e
sintomas
A toxoplasmose pode ser uma doença assintomática.
Como evitar
Toxoplasmose
Aranhas
Após a picada pode surgir
Locais onde se abrigam
Como evitar/se prevenir:
Insetos
Hoje em dia, a população de insetos vem crescendo
consideravelmente, por diversos fatores e em diversas
áreas. Há milhões de espécies em todo o mundo, com
diferentes formas, hábitos e complicações para o homem.
Consequentemente, todos nós estamos propícios a esses
males.
Pernilongos
Suas picadas podem causar
Pernilongos
• Além de provocar os sintomas citados anteriormente, alguns
mosquitos também podem transmitir doenças, causando
sintomas mais graves, podendo levar até à morte, as principais
são:
Dengue
Sinais e
sintomas
Como evitar
Febre Amarela
Sinais e sintomas
Como evitar
Leishmaniose
• Tegumentar americana:
• Visceral:
Sinais e sintomas
Comoevitar
Doença de Chagas
Locais propícios para
alojamento do mosquito
Sintomas e
consequências
• O indivíduo infectado pode passar grande parte de sua vida
sem apresentar nenhum sintoma ou complicação.
Medidas padrões
no combate a
mosquitos
Medidas caseiras
Receitaderepelentecaseirotestadoeaprovado
porlaboratóriosbiológicos:
• - 500 ml (1/2 litro) de álcool;
• - 10 gramas de cravo-da-índia;
• - 100 ml de óleo corporal.
Preparo:
• Misture o álcool e os cravos em um frasco fechado que não
deixe a luz passar; deixe a solução descansando por quatro
dias, agitando duas vezes ao dia, de manhã e à noite; após
esse período coe a solução, desprezando os cravos; em
seguida acrescente o óleo corporal e agite ligeiramente
Pulgas
Pulgas
• Curiosidade: As pulgas conseguem pular
até 18 cm de altura.
Como evitar
Medidas caseiras
Baratas
Curiosidades
• O alimento preferido das baratas é cerveja azeda quente;
• O único alimento que elas detestam é pepino;
• Podem sobreviver semanas sem água ou alimento, e até um
mês sem a cabeça;
Curiosidades
• Segundo a Food and Drugs Administration (FDA), uma barra
de chocolate comum contém, em média, 8 resíduos de
baratas.
• Há pessoas que criam a espécie barata de Madagascar como
bicho de estimação.
Ratos
A infestação de ratos pode ser
verificada através de alguns sinais:
• Presença:
Avistar ratos significa uma considerável infestação,
principalmente quando isso ocorre durante o dia;
• Fezes:
Um dos melhores indicadores de infestação, podem trazer
também a identificação da espécie presente;
• Roeduras:
Os ratos costumam roer (sem ingerir) materiais como
madeira, cabos de fiação elétrica e embalagem de alimentos
para gastar sua dentição e para chegar a alimentos.
Os ratos trazem os seguintes
prejuízos:
• Econômicos: Perda de alimentos contaminados e danificações
na rede de esgoto e nas fiações da casa;
Sanitários: Estes animais carregam micro organismos
que causam doenças muito graves como a Leptospirose
E até mesmo a peste bubônica.
Medidas preventivas
Pombos
• Os pombos são aves que vivem com facilidade nas cidades,
morando em edificações onde costumam fazer seus ninhos
em telhados, forros e etc. Causam prejuízos por danificar as
estruturas dos prédios;
• Como dificilmente são caçados por outros animais, sua
população cresce muito rápido ;
• O aumento de sua quantidade tornou-se um grave problema
de saúde, pois, podem causar várias doenças graves como a
Salmonelose.
Cobras e Escorpiões
Medidas preventivas
• Manter limpos quintais, jardins e terrenos baldios, não
acumulando entulho e lixo doméstico;
• Aparar a grama dos jardins e recolher as folhas caídas;
• Vedar soleiras de portas com saquinhos de areia ou friso de
borracha, colocar telas nas janelas, vedar ralos de pia, de
tanque e de chão com tela ou válvula apropriada;
Medidas preventivas
• Examinar roupas, calçados, toalhas e roupas de cama antes de
usá-las;
• Colocar o lixo em sacos plásticos, que devem ser mantidos
fechados para evitar o aparecimento de baratas, moscas e
outros insetos, que são os alimentos prediletos dos
escorpiões;
• Andar sempre calçado e usar luvas de raspa de couro ao
trabalhar com material de construção, lenha e etc.
• cuidados dos moradores:
• • Manter limpos quintais, jardins e terrenos baldios, não
acumulando entulho e lixo doméstico;
• • Colocar o lixo em sacos plásticos, que devem ser mantidos
fechados para evitar o aparecimento de baratas, moscas e
outros insetos, que são os alimentos prediletos dos
escorpiões;
O que fazer em caso de picada
de escorpião:
• Não esprema nem sugue o local da picada;
• Lave o local com água e sabão;
• Procure o serviço de emergência;
• Se há condições de segurança, leve o escorpião (vivo OU
MORTO);
Áreas de infestação de cobras
CONTROLE E PREVENÇÃO:
 Vedar frestas e buracos em paredes e assoalhos;
 Não depositar ou acumular material inútil junto à
habitação e manter sempre os arredores limpos;
• Procurar controlar o número de roedores existentes na
área de sua propriedade.
Primeiros socorros
• Hidrate a vítima com goles de água;
• Mantenha a pessoa deitada e imóvel deixando o membro
elevado;
• Lave o local com água e sabão abundantemente e cubra com
pano limpo.
O que não fazer nos primeiros
socorros:
• Não fazer torniquete ou garrote;
• Não cortar o local e nem perfurar ao redor do local da picada;
• Não colocar folhas, pó de café ou outras receitas caseiras na
ferida;
• Não oferecer bebidas alcoólicas
a vítima.
• Hidrate a vitima oferecendo lhe água.
Os principais gênerosde serpentesque
causamacidentes no Brasilsão:
Bibliografia – Animais e Insetos
• Enfermagem comunitária – Emilia Emi Kawamoto, Maria
Cristina Honório dos Santos, Thalita Maia de Mattos – EPU,
1995
• http://www.zoonoses.agrarias.ufpr.br/
• http://drauziovarella.com.br/letras/t/toxoplasmose/
Bibliografia – Mosquitos,
Pulgas e Baratas
• http://super.abril.com.br/ciencia/tudo-voce-nunca-quis-saber-
baratas-686178.shtml
• http://www.maisnatureza.com/animais/insectos/barata/
• http://www.sistemadifusoraderadio.com.br/am/open.php?idnew=1
3794
• http://www.minhavida.com.br/saude/temas/pulgas
• http://www.blupet.com.br/noticia/como-acabar-com-pulgas
• http://drauziovarella.com.br/letras/d/dengue/
• http://drauziovarella.com.br/letras/c/doenca-de-chagas/
• http://drauziovarella.com.br/letras/f/febre-amarela/
• http://www.agencia.fiocruz.br/leishmaniose
• http://drauziovarella.com.br/letras/m/malaria/
• http://www.fiocruz.br/biosseguranca/Bis/infantil/moscas.htm
• http://mundoestranho.abril.com.br/materia/como-vivem-as-moscas
Bibliografia – Ratos e Pombos
• http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/saude/vigi
lancia_em_saude/pecas_graficas/index.php?p=6755
• http://www.minhavida.com.br/saude/temas/leptospirose
• http://bvsms.saude.gov.br/bvs/dicas/238_pombos.html

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula de higiene corporal 2012 cópia
Aula de higiene corporal 2012   cópiaAula de higiene corporal 2012   cópia
Aula de higiene corporal 2012 cópia
Alexsandro Ribeiro
 
Limpeza e higienização hospitalar
Limpeza e higienização hospitalarLimpeza e higienização hospitalar
Limpeza e higienização hospitalar
B&R Consultoria Empresarial
 
Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...
Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...
Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...
Conceicao Cavalcante
 
POWER CONCORRENTE E TERMINAL - HIGIENE.ppt
POWER CONCORRENTE E TERMINAL - HIGIENE.pptPOWER CONCORRENTE E TERMINAL - HIGIENE.ppt
POWER CONCORRENTE E TERMINAL - HIGIENE.ppt
ricardocruz350504
 
Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem
resenfe2013
 
Assepsia e anti-sepsia em cirurgia
Assepsia e anti-sepsia em cirurgiaAssepsia e anti-sepsia em cirurgia
Assepsia e anti-sepsia em cirurgia
Gustavo Santos
 
2o ano.bioquimica.seminario de pratica coleta
2o ano.bioquimica.seminario de pratica   coleta2o ano.bioquimica.seminario de pratica   coleta
2o ano.bioquimica.seminario de pratica coleta
rasg75
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
Sheilla Sandes
 
Higiene hospitalar ieda
Higiene  hospitalar iedaHigiene  hospitalar ieda
Higiene hospitalar ieda
Ieda Noronha
 
Assepsia+e
Assepsia+eAssepsia+e
Historia da Enfermagem
Historia da EnfermagemHistoria da Enfermagem
Historia da Enfermagem
Célia Costa
 
Roedores e artropodes
Roedores e artropodesRoedores e artropodes
Roedores e artropodes
Fernanda Marinho
 
Leishmaniose visceral
Leishmaniose visceralLeishmaniose visceral
Leishmaniose visceral
HIAGO SANTOS
 
BIOSSEGURANÇA.pptx
BIOSSEGURANÇA.pptxBIOSSEGURANÇA.pptx
BIOSSEGURANÇA.pptx
MaryCosta54
 
HistóRia Da Enfermagem No Brasil
HistóRia Da Enfermagem No BrasilHistóRia Da Enfermagem No Brasil
HistóRia Da Enfermagem No Brasil
Eduardo Gomes da Silva
 
Aula higienização das mãos
Aula higienização das mãosAula higienização das mãos
Aula higienização das mãos
Proqualis
 
Ua 3.slides
Ua 3.slidesUa 3.slides
Ua 3.slides
ITHPOS
 
Assepsia e antissepsia
Assepsia e antissepsiaAssepsia e antissepsia
Assepsia e antissepsia
Fernando de Oliveira Dutra
 
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em SaúdeAula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Jesiele Spindler
 
Aula 1 o ..
Aula 1 o ..Aula 1 o ..
Aula 1 o ..
Vanessa Farias
 

Mais procurados (20)

Aula de higiene corporal 2012 cópia
Aula de higiene corporal 2012   cópiaAula de higiene corporal 2012   cópia
Aula de higiene corporal 2012 cópia
 
Limpeza e higienização hospitalar
Limpeza e higienização hospitalarLimpeza e higienização hospitalar
Limpeza e higienização hospitalar
 
Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...
Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...
Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...
 
POWER CONCORRENTE E TERMINAL - HIGIENE.ppt
POWER CONCORRENTE E TERMINAL - HIGIENE.pptPOWER CONCORRENTE E TERMINAL - HIGIENE.ppt
POWER CONCORRENTE E TERMINAL - HIGIENE.ppt
 
Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem
 
Assepsia e anti-sepsia em cirurgia
Assepsia e anti-sepsia em cirurgiaAssepsia e anti-sepsia em cirurgia
Assepsia e anti-sepsia em cirurgia
 
2o ano.bioquimica.seminario de pratica coleta
2o ano.bioquimica.seminario de pratica   coleta2o ano.bioquimica.seminario de pratica   coleta
2o ano.bioquimica.seminario de pratica coleta
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
 
Higiene hospitalar ieda
Higiene  hospitalar iedaHigiene  hospitalar ieda
Higiene hospitalar ieda
 
Assepsia+e
Assepsia+eAssepsia+e
Assepsia+e
 
Historia da Enfermagem
Historia da EnfermagemHistoria da Enfermagem
Historia da Enfermagem
 
Roedores e artropodes
Roedores e artropodesRoedores e artropodes
Roedores e artropodes
 
Leishmaniose visceral
Leishmaniose visceralLeishmaniose visceral
Leishmaniose visceral
 
BIOSSEGURANÇA.pptx
BIOSSEGURANÇA.pptxBIOSSEGURANÇA.pptx
BIOSSEGURANÇA.pptx
 
HistóRia Da Enfermagem No Brasil
HistóRia Da Enfermagem No BrasilHistóRia Da Enfermagem No Brasil
HistóRia Da Enfermagem No Brasil
 
Aula higienização das mãos
Aula higienização das mãosAula higienização das mãos
Aula higienização das mãos
 
Ua 3.slides
Ua 3.slidesUa 3.slides
Ua 3.slides
 
Assepsia e antissepsia
Assepsia e antissepsiaAssepsia e antissepsia
Assepsia e antissepsia
 
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em SaúdeAula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
 
Aula 1 o ..
Aula 1 o ..Aula 1 o ..
Aula 1 o ..
 

Destaque

Roedores
RoedoresRoedores
Roedores
Cms Nunes
 
Roedores sinantrópicos estudo de aspectos biológicos para subsidiar o progr...
Roedores sinantrópicos   estudo de aspectos biológicos para subsidiar o progr...Roedores sinantrópicos   estudo de aspectos biológicos para subsidiar o progr...
Roedores sinantrópicos estudo de aspectos biológicos para subsidiar o progr...
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 
Ordem lagomorpha (leporídeos; família ochotonidae; família leporidae; coelhos...
Ordem lagomorpha (leporídeos; família ochotonidae; família leporidae; coelhos...Ordem lagomorpha (leporídeos; família ochotonidae; família leporidae; coelhos...
Ordem lagomorpha (leporídeos; família ochotonidae; família leporidae; coelhos...
Alexandre Queiroz
 
Toxoplasmose slide 93
Toxoplasmose slide 93Toxoplasmose slide 93
Toxoplasmose slide 93
Rubiene Vieira
 
0508 Controle de artrópodes e roedores - Rose
0508 Controle de artrópodes e roedores - Rose0508 Controle de artrópodes e roedores - Rose
0508 Controle de artrópodes e roedores - Rose
laiscarlini
 
Controle de roedores
Controle de roedoresControle de roedores
Controle de roedores
Rodrigo Alves
 
Apresentação em PowerPoint (rato)
Apresentação em PowerPoint (rato)Apresentação em PowerPoint (rato)
Apresentação em PowerPoint (rato)
sergiopcr
 
Aij 2015
Aij 2015Aij 2015
Aij 2015
pauloalambert
 
Leishmaniose tegumentar e visceral
Leishmaniose tegumentar e visceral Leishmaniose tegumentar e visceral
Leishmaniose tegumentar e visceral
Lauriete Damaris Jesus Freitas
 

Destaque (9)

Roedores
RoedoresRoedores
Roedores
 
Roedores sinantrópicos estudo de aspectos biológicos para subsidiar o progr...
Roedores sinantrópicos   estudo de aspectos biológicos para subsidiar o progr...Roedores sinantrópicos   estudo de aspectos biológicos para subsidiar o progr...
Roedores sinantrópicos estudo de aspectos biológicos para subsidiar o progr...
 
Ordem lagomorpha (leporídeos; família ochotonidae; família leporidae; coelhos...
Ordem lagomorpha (leporídeos; família ochotonidae; família leporidae; coelhos...Ordem lagomorpha (leporídeos; família ochotonidae; família leporidae; coelhos...
Ordem lagomorpha (leporídeos; família ochotonidae; família leporidae; coelhos...
 
Toxoplasmose slide 93
Toxoplasmose slide 93Toxoplasmose slide 93
Toxoplasmose slide 93
 
0508 Controle de artrópodes e roedores - Rose
0508 Controle de artrópodes e roedores - Rose0508 Controle de artrópodes e roedores - Rose
0508 Controle de artrópodes e roedores - Rose
 
Controle de roedores
Controle de roedoresControle de roedores
Controle de roedores
 
Apresentação em PowerPoint (rato)
Apresentação em PowerPoint (rato)Apresentação em PowerPoint (rato)
Apresentação em PowerPoint (rato)
 
Aij 2015
Aij 2015Aij 2015
Aij 2015
 
Leishmaniose tegumentar e visceral
Leishmaniose tegumentar e visceral Leishmaniose tegumentar e visceral
Leishmaniose tegumentar e visceral
 

Semelhante a Infestação de Insetos e Ratos

O que é dengue?
O que é dengue?O que é dengue?
O que é dengue?
Mob Dengue Bahia
 
Aula 08 - Controle de Vetores.pptx
Aula 08 - Controle de Vetores.pptxAula 08 - Controle de Vetores.pptx
Aula 08 - Controle de Vetores.pptx
GrazieliSiqueira1
 
Higiene habitação
Higiene habitaçãoHigiene habitação
Higiene habitação
Rosa Vinteesete
 
Pulgas: Como Eliminar
Pulgas: Como EliminarPulgas: Como Eliminar
Pulgas: Como Eliminar
Mundo dos Animais
 
Apresentaçãopalestradengue.ppt
Apresentaçãopalestradengue.pptApresentaçãopalestradengue.ppt
Apresentaçãopalestradengue.ppt
ProfessoraMicaele
 
Todos no combate à dengue - nova ideia.
Todos no combate à dengue -  nova ideia.Todos no combate à dengue -  nova ideia.
Todos no combate à dengue - nova ideia.
CRISTIANESOUZA887252
 
Apresentação sobre arboviroses: Dengue.ppt
Apresentação sobre arboviroses: Dengue.pptApresentação sobre arboviroses: Dengue.ppt
Apresentação sobre arboviroses: Dengue.ppt
ALucasBarros
 
Apresentaçãopalestradengue.ppt
Apresentaçãopalestradengue.pptApresentaçãopalestradengue.ppt
Apresentaçãopalestradengue.ppt
EvertonMonteiro19
 
Apresentaçãopalestradengue.ppt
Apresentaçãopalestradengue.pptApresentaçãopalestradengue.ppt
Apresentaçãopalestradengue.ppt
ArthurSerra3
 
Parasitologia 3 pet
Parasitologia 3 petParasitologia 3 pet
Parasitologia 3 pet
PenhaDeAndrade
 
Acidentes por animais peçonhentos
Acidentes por animais peçonhentosAcidentes por animais peçonhentos
Acidentes por animais peçonhentos
Nathy Oliveira
 
Palestra Infantil Dengue.ppt sobre arboviroses
Palestra Infantil Dengue.ppt sobre arbovirosesPalestra Infantil Dengue.ppt sobre arboviroses
Palestra Infantil Dengue.ppt sobre arboviroses
RODRIGOALMEIDADESOUZ2
 
Medidas de controle veotorial e de animais sinant´ropicos
Medidas de controle veotorial e de animais sinant´ropicosMedidas de controle veotorial e de animais sinant´ropicos
Medidas de controle veotorial e de animais sinant´ropicos
Danylla de Medeiros Medeiros
 
Como Acabar com Pulgas
Como Acabar com PulgasComo Acabar com Pulgas
Como Acabar com Pulgas
Alexandre Ronk
 
7º ano cap 7 reino protoctistas
7º ano cap 7  reino protoctistas7º ano cap 7  reino protoctistas
7º ano cap 7 reino protoctistas
ISJ
 
Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
Mariinazorzi
 
Febre aftose
Febre aftoseFebre aftose
Febre aftose
Ivaristo Americo
 
Dengue
DengueDengue
Dengue p alestra
Dengue p alestraDengue p alestra
Dengue p alestra
mobilizacaoser6
 
PRIMEIROS SOCORROS.pptx
PRIMEIROS SOCORROS.pptxPRIMEIROS SOCORROS.pptx
PRIMEIROS SOCORROS.pptx
MIRIAN FARIA
 

Semelhante a Infestação de Insetos e Ratos (20)

O que é dengue?
O que é dengue?O que é dengue?
O que é dengue?
 
Aula 08 - Controle de Vetores.pptx
Aula 08 - Controle de Vetores.pptxAula 08 - Controle de Vetores.pptx
Aula 08 - Controle de Vetores.pptx
 
Higiene habitação
Higiene habitaçãoHigiene habitação
Higiene habitação
 
Pulgas: Como Eliminar
Pulgas: Como EliminarPulgas: Como Eliminar
Pulgas: Como Eliminar
 
Apresentaçãopalestradengue.ppt
Apresentaçãopalestradengue.pptApresentaçãopalestradengue.ppt
Apresentaçãopalestradengue.ppt
 
Todos no combate à dengue - nova ideia.
Todos no combate à dengue -  nova ideia.Todos no combate à dengue -  nova ideia.
Todos no combate à dengue - nova ideia.
 
Apresentação sobre arboviroses: Dengue.ppt
Apresentação sobre arboviroses: Dengue.pptApresentação sobre arboviroses: Dengue.ppt
Apresentação sobre arboviroses: Dengue.ppt
 
Apresentaçãopalestradengue.ppt
Apresentaçãopalestradengue.pptApresentaçãopalestradengue.ppt
Apresentaçãopalestradengue.ppt
 
Apresentaçãopalestradengue.ppt
Apresentaçãopalestradengue.pptApresentaçãopalestradengue.ppt
Apresentaçãopalestradengue.ppt
 
Parasitologia 3 pet
Parasitologia 3 petParasitologia 3 pet
Parasitologia 3 pet
 
Acidentes por animais peçonhentos
Acidentes por animais peçonhentosAcidentes por animais peçonhentos
Acidentes por animais peçonhentos
 
Palestra Infantil Dengue.ppt sobre arboviroses
Palestra Infantil Dengue.ppt sobre arbovirosesPalestra Infantil Dengue.ppt sobre arboviroses
Palestra Infantil Dengue.ppt sobre arboviroses
 
Medidas de controle veotorial e de animais sinant´ropicos
Medidas de controle veotorial e de animais sinant´ropicosMedidas de controle veotorial e de animais sinant´ropicos
Medidas de controle veotorial e de animais sinant´ropicos
 
Como Acabar com Pulgas
Como Acabar com PulgasComo Acabar com Pulgas
Como Acabar com Pulgas
 
7º ano cap 7 reino protoctistas
7º ano cap 7  reino protoctistas7º ano cap 7  reino protoctistas
7º ano cap 7 reino protoctistas
 
Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
 
Febre aftose
Febre aftoseFebre aftose
Febre aftose
 
Dengue
DengueDengue
Dengue
 
Dengue p alestra
Dengue p alestraDengue p alestra
Dengue p alestra
 
PRIMEIROS SOCORROS.pptx
PRIMEIROS SOCORROS.pptxPRIMEIROS SOCORROS.pptx
PRIMEIROS SOCORROS.pptx
 

Mais de Vinicius Lopes

Parkinson
ParkinsonParkinson
Parkinson
Vinicius Lopes
 
Gestão Da Qualidade [ETEC KK]
Gestão Da Qualidade [ETEC KK]Gestão Da Qualidade [ETEC KK]
Gestão Da Qualidade [ETEC KK]
Vinicius Lopes
 
Malária [ETEC KK]
Malária [ETEC KK]Malária [ETEC KK]
Malária [ETEC KK]
Vinicius Lopes
 
Aterosclerose [ETEC KK]
Aterosclerose [ETEC KK]Aterosclerose [ETEC KK]
Aterosclerose [ETEC KK]
Vinicius Lopes
 
Doenças Prevalentes da Infância [ETEC CARLOS DE CAMPOS]
Doenças Prevalentes da Infância [ETEC CARLOS DE CAMPOS]Doenças Prevalentes da Infância [ETEC CARLOS DE CAMPOS]
Doenças Prevalentes da Infância [ETEC CARLOS DE CAMPOS]
Vinicius Lopes
 
Sistemas Operacionais [ETEC DE ITAQUERA]
Sistemas Operacionais [ETEC DE ITAQUERA]Sistemas Operacionais [ETEC DE ITAQUERA]
Sistemas Operacionais [ETEC DE ITAQUERA]
Vinicius Lopes
 
Intranet [ETEC DE ITAQUERA]
Intranet [ETEC DE ITAQUERA]Intranet [ETEC DE ITAQUERA]
Intranet [ETEC DE ITAQUERA]
Vinicius Lopes
 
Esterilização por Peróxido de Hidrogênio [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]
Esterilização por Peróxido de Hidrogênio [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]Esterilização por Peróxido de Hidrogênio [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]
Esterilização por Peróxido de Hidrogênio [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]
Vinicius Lopes
 
Colecistite Aguda [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]
Colecistite Aguda [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]Colecistite Aguda [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]
Colecistite Aguda [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]
Vinicius Lopes
 

Mais de Vinicius Lopes (9)

Parkinson
ParkinsonParkinson
Parkinson
 
Gestão Da Qualidade [ETEC KK]
Gestão Da Qualidade [ETEC KK]Gestão Da Qualidade [ETEC KK]
Gestão Da Qualidade [ETEC KK]
 
Malária [ETEC KK]
Malária [ETEC KK]Malária [ETEC KK]
Malária [ETEC KK]
 
Aterosclerose [ETEC KK]
Aterosclerose [ETEC KK]Aterosclerose [ETEC KK]
Aterosclerose [ETEC KK]
 
Doenças Prevalentes da Infância [ETEC CARLOS DE CAMPOS]
Doenças Prevalentes da Infância [ETEC CARLOS DE CAMPOS]Doenças Prevalentes da Infância [ETEC CARLOS DE CAMPOS]
Doenças Prevalentes da Infância [ETEC CARLOS DE CAMPOS]
 
Sistemas Operacionais [ETEC DE ITAQUERA]
Sistemas Operacionais [ETEC DE ITAQUERA]Sistemas Operacionais [ETEC DE ITAQUERA]
Sistemas Operacionais [ETEC DE ITAQUERA]
 
Intranet [ETEC DE ITAQUERA]
Intranet [ETEC DE ITAQUERA]Intranet [ETEC DE ITAQUERA]
Intranet [ETEC DE ITAQUERA]
 
Esterilização por Peróxido de Hidrogênio [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]
Esterilização por Peróxido de Hidrogênio [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]Esterilização por Peróxido de Hidrogênio [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]
Esterilização por Peróxido de Hidrogênio [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]
 
Colecistite Aguda [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]
Colecistite Aguda [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]Colecistite Aguda [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]
Colecistite Aguda [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]
 

Último

A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
walterjose20
 
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Lenilson Souza
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagemSistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
BarbaraKelle
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
jhordana1
 
VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdfVIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
kailanejoyce4
 
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
jhordana1
 
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  FaciaAULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
AntonioXavier35
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de espaços    e equipamentoshigienização de espaços    e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 

Último (9)

A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
 
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagemSistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
 
VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdfVIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
 
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
 
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  FaciaAULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de espaços    e equipamentoshigienização de espaços    e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 

Infestação de Insetos e Ratos

  • 1. Infestação de animais e insetos Kátia Teresa, Michele Marega, Sara Vital e Vinicius Lopes
  • 2. Cães e Gatos A maioria das pessoas tem animais de estimação, e os mais comuns são os cães e os gatos. Por mais companheiros e leais que eles sejam, podem trazer alguns riscos à nossa saúde, sendo os principais a raiva, a toxoplasmose e as leishmanioses.
  • 4. Raiva Urbana • Transmitida por cães e gatos (é a que tem maior incidência no Brasil)
  • 5. Raiva Silvestre • Transmitida por animais silvestres (gambás, guaxinins, raposas, etc.), principalmente pelos morcegos sugadores de sangue.
  • 6. Raiva • Quando os sinais da moléstia de manifestam já não há mais cura possível. Por conta disso, todo tratamento deve ser feito durante o período de incubação.
  • 8. Após período de extrema excitação, ocorre paralisia flácida da face da língua, dos músculos da deglutição, oculares e das extremidades dos membros.
  • 11. Sinais e sintomas A toxoplasmose pode ser uma doença assintomática.
  • 15. Após a picada pode surgir
  • 16. Locais onde se abrigam
  • 18. Insetos Hoje em dia, a população de insetos vem crescendo consideravelmente, por diversos fatores e em diversas áreas. Há milhões de espécies em todo o mundo, com diferentes formas, hábitos e complicações para o homem. Consequentemente, todos nós estamos propícios a esses males.
  • 21. Pernilongos • Além de provocar os sintomas citados anteriormente, alguns mosquitos também podem transmitir doenças, causando sintomas mais graves, podendo levar até à morte, as principais são:
  • 35. Sintomas e consequências • O indivíduo infectado pode passar grande parte de sua vida sem apresentar nenhum sintoma ou complicação.
  • 38. Receitaderepelentecaseirotestadoeaprovado porlaboratóriosbiológicos: • - 500 ml (1/2 litro) de álcool; • - 10 gramas de cravo-da-índia; • - 100 ml de óleo corporal. Preparo: • Misture o álcool e os cravos em um frasco fechado que não deixe a luz passar; deixe a solução descansando por quatro dias, agitando duas vezes ao dia, de manhã e à noite; após esse período coe a solução, desprezando os cravos; em seguida acrescente o óleo corporal e agite ligeiramente
  • 41. • Curiosidade: As pulgas conseguem pular até 18 cm de altura.
  • 45. Curiosidades • O alimento preferido das baratas é cerveja azeda quente; • O único alimento que elas detestam é pepino; • Podem sobreviver semanas sem água ou alimento, e até um mês sem a cabeça;
  • 46. Curiosidades • Segundo a Food and Drugs Administration (FDA), uma barra de chocolate comum contém, em média, 8 resíduos de baratas. • Há pessoas que criam a espécie barata de Madagascar como bicho de estimação.
  • 47. Ratos
  • 48. A infestação de ratos pode ser verificada através de alguns sinais: • Presença: Avistar ratos significa uma considerável infestação, principalmente quando isso ocorre durante o dia; • Fezes: Um dos melhores indicadores de infestação, podem trazer também a identificação da espécie presente; • Roeduras: Os ratos costumam roer (sem ingerir) materiais como madeira, cabos de fiação elétrica e embalagem de alimentos para gastar sua dentição e para chegar a alimentos.
  • 49. Os ratos trazem os seguintes prejuízos: • Econômicos: Perda de alimentos contaminados e danificações na rede de esgoto e nas fiações da casa; Sanitários: Estes animais carregam micro organismos que causam doenças muito graves como a Leptospirose E até mesmo a peste bubônica.
  • 51.
  • 52.
  • 53.
  • 54.
  • 55.
  • 56.
  • 57.
  • 59. • Os pombos são aves que vivem com facilidade nas cidades, morando em edificações onde costumam fazer seus ninhos em telhados, forros e etc. Causam prejuízos por danificar as estruturas dos prédios;
  • 60. • Como dificilmente são caçados por outros animais, sua população cresce muito rápido ; • O aumento de sua quantidade tornou-se um grave problema de saúde, pois, podem causar várias doenças graves como a Salmonelose.
  • 62. Medidas preventivas • Manter limpos quintais, jardins e terrenos baldios, não acumulando entulho e lixo doméstico; • Aparar a grama dos jardins e recolher as folhas caídas; • Vedar soleiras de portas com saquinhos de areia ou friso de borracha, colocar telas nas janelas, vedar ralos de pia, de tanque e de chão com tela ou válvula apropriada;
  • 63. Medidas preventivas • Examinar roupas, calçados, toalhas e roupas de cama antes de usá-las; • Colocar o lixo em sacos plásticos, que devem ser mantidos fechados para evitar o aparecimento de baratas, moscas e outros insetos, que são os alimentos prediletos dos escorpiões; • Andar sempre calçado e usar luvas de raspa de couro ao trabalhar com material de construção, lenha e etc.
  • 64. • cuidados dos moradores: • • Manter limpos quintais, jardins e terrenos baldios, não acumulando entulho e lixo doméstico; • • Colocar o lixo em sacos plásticos, que devem ser mantidos fechados para evitar o aparecimento de baratas, moscas e outros insetos, que são os alimentos prediletos dos escorpiões;
  • 65. O que fazer em caso de picada de escorpião: • Não esprema nem sugue o local da picada; • Lave o local com água e sabão; • Procure o serviço de emergência; • Se há condições de segurança, leve o escorpião (vivo OU MORTO);
  • 67. CONTROLE E PREVENÇÃO:  Vedar frestas e buracos em paredes e assoalhos;  Não depositar ou acumular material inútil junto à habitação e manter sempre os arredores limpos; • Procurar controlar o número de roedores existentes na área de sua propriedade.
  • 68. Primeiros socorros • Hidrate a vítima com goles de água; • Mantenha a pessoa deitada e imóvel deixando o membro elevado; • Lave o local com água e sabão abundantemente e cubra com pano limpo.
  • 69. O que não fazer nos primeiros socorros: • Não fazer torniquete ou garrote; • Não cortar o local e nem perfurar ao redor do local da picada; • Não colocar folhas, pó de café ou outras receitas caseiras na ferida; • Não oferecer bebidas alcoólicas a vítima. • Hidrate a vitima oferecendo lhe água.
  • 70. Os principais gênerosde serpentesque causamacidentes no Brasilsão:
  • 71.
  • 72. Bibliografia – Animais e Insetos • Enfermagem comunitária – Emilia Emi Kawamoto, Maria Cristina Honório dos Santos, Thalita Maia de Mattos – EPU, 1995 • http://www.zoonoses.agrarias.ufpr.br/ • http://drauziovarella.com.br/letras/t/toxoplasmose/
  • 73. Bibliografia – Mosquitos, Pulgas e Baratas • http://super.abril.com.br/ciencia/tudo-voce-nunca-quis-saber- baratas-686178.shtml • http://www.maisnatureza.com/animais/insectos/barata/ • http://www.sistemadifusoraderadio.com.br/am/open.php?idnew=1 3794 • http://www.minhavida.com.br/saude/temas/pulgas • http://www.blupet.com.br/noticia/como-acabar-com-pulgas • http://drauziovarella.com.br/letras/d/dengue/ • http://drauziovarella.com.br/letras/c/doenca-de-chagas/ • http://drauziovarella.com.br/letras/f/febre-amarela/ • http://www.agencia.fiocruz.br/leishmaniose • http://drauziovarella.com.br/letras/m/malaria/ • http://www.fiocruz.br/biosseguranca/Bis/infantil/moscas.htm • http://mundoestranho.abril.com.br/materia/como-vivem-as-moscas
  • 74. Bibliografia – Ratos e Pombos • http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/saude/vigi lancia_em_saude/pecas_graficas/index.php?p=6755 • http://www.minhavida.com.br/saude/temas/leptospirose • http://bvsms.saude.gov.br/bvs/dicas/238_pombos.html