SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 28
Baixar para ler offline
7/13/2018
1
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
PLANO MESTRE DE PRODUÇÃO
(PMP)
Master Production Schedule (MPS)
13/07/2018
1/59
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Programação da Produção
Sejam
Bem-Vindos!
13/07/2018
2/59
7/13/2018
2
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Procura emparelhar a produção com a demanda ao
menor custo possível;
A partir de um conjunto de alternativas de produção,
previamente selecionado e também da previsão da demanda
para um período de cerca de 6 a 12 meses, determina-se
quanto será produzido em cada período, contando com quais
recursos, quanto se deixará em estoque, e assim por diante;
Fornece um quadro de referência para a busca e alocação de
recursos: mão-de-obra, equipamentos, materiais, máquinas,
horas extras, subcontratações e etc;
Fornece apenas medidas consolidadas para todos os produtos
ou para algumas linhas individualizadas; a implementação
efetiva exige que haja, uma desagregação do planejamento em
produtos individuais.
Planejamento Agregado
13/07/2018
3/59
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Previsão de Demanda
Atividade do departamento de vendas;
Base para o planejamento estratégico de todas as
organizações, abrangendo as áreas:
Produção;
Planejamento Estratégico  Plano Mestre de Produção
Financeira;
Comercial;
Recursos Humanos.
Através desta previsão é possível montarmos planos
de longo prazo para as quatro áreas da organização.
Planejamento-mestre da
Produção
13/07/2018
4/59
7/13/2018
3
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Gestão de Estoques
Estoques de matérias-primas ou componentes adquiridos
costumam ser mantidos como amortizadores de custos no
momento da compra;
Adquirindo-se grandes quantidades para a realização de
economia de escala frente aos fornecedores;
Estoques de itens produzidos internamente representam
independência entre etapas de produção;
Estoques de produtos acabados representam fator de
segurança em meio a imprevisibilidades de demanda;
Causa ou efeito de problemas no sistema produtivo
Não agregam valor ao produto diretamente
Materiais adquiridos ainda não pagos Fluxo de caixa
negativo (Financeiro)
Planejamento-mestre da
Produção
13/07/2018
5/59
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Gestão de Estoques
Registro dos estoques
Bancos de dados que alimentam o PMP indicando
quantidades disponíveis
Quantidades de materiais brutos;
Quantidade de produtos componentes;
Quantidade de produtos acabados
Usados para calcular as necessidades líquidas de produção,
isto é, aquelas que, complementadas pela quantidade em
estoque, compõem as necessidades brutas.
𝑁𝑒𝑐𝑒𝑠𝑠𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒 𝑙í𝑞𝑢𝑖𝑑𝑎 𝑑𝑒 𝑝𝑟𝑜𝑑𝑢çã𝑜 =
𝑛𝑒𝑐𝑒𝑠𝑠𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒 𝑏𝑟𝑢𝑡𝑎 − 𝑒𝑠𝑡𝑜𝑞𝑢𝑒
Os dados de estoque devem estar sempre atualizados!
Planejamento-mestre da
Produção
13/07/2018
6/59
7/13/2018
4
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Planejamento-mestre da
Produção
13/07/2018
7/59
Planejamento-mestre da Produção
Longo Prazo
Médio Prazo
Curto Prazo
Plano de Produção
PMP Inicial
Viável
?
PMP Final
Programação da
Produção
Sim
Não
Faz a conexão
Direciona as etapas
de programação e
execução de
atividades
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Também conhecido como
Programa Mestre de
Produção ou Plano
Mestre de Produção, do
inglês Master Production
Schedule (MPS) é o
documento que diz quais
itens serão produzidos, e
quanto, de cada um, para
um determinado período,
cobrindo algumas poucas
semanas, podendo
chegar a 6 meses ou
mesmo um ano;
Planejamento-mestre da
Produção
13/07/2018
8/59
7/13/2018
5
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Planejamento-mestre da
Produção
13/07/2018
9/59
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Planejamento-mestre da
Produção
13/07/2018
10/59
7/13/2018
6
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
• Tarefa complexa:
– Necessidades de Produção x Capacidade Disponível;
– Muitas operações, em regime intermitente  utilização do mesmo
equipamento para diversos produtos
• O processo é conduzido por tentativas, testando-se cada
PMP para verificar a capacidade produtiva que ele exige;
• PMP
– Desmembramento do Planejamento Agregado em programações
individualizadas;
– Avaliação das necessidades imediatas de capacidade produtiva;
– Definir compras eventualmente necessárias;
– Estabelecer prioridades entre os produtos na programação.
Planejamento-mestre da
Produção
13/07/2018
11/59
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Atividades marcadamente operacionais que encerram
um ciclo de planejamento mais longo que teve início com
o Planejamento da Capacidade e a fase intermediária
com o Planejamento Agregado;
Objetivos:
Permitir que os produtos tenham a qualidade especificada;
Fazer com que máquinas e pessoas operem com os níveis
desejados de produtividade;
Reduzir os estoques e os custos operacionais;
Manter ou melhorar o nível de atendimento ao cliente.
Exige-se um balanço e um compromisso finais, entre os
vários objetivos que dificilmente poderão ser totalmente
atendidos ao mesmo tempo.
Programação e Controle da
Produção
13/07/2018
12/59
7/13/2018
7
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Planejamento-mestre da
Produção
13/07/2018
13/59
O PMP diferencia-se do plano de produção sob dois
aspectos
o nível de agregação dos produtos: famílias x itens acabados
a unidade de tempo analisada: meses x semanas
Reuniões para definição da tática a ser empregada nas
próximas semanas são realizadas periodicamente
Ao final de sua elaboração, o PMP representará os anseios
das diversas áreas da empresa não só quanto à programação
da produção da semana que entra, como também quanto ao
planejamento tático de médio prazo para as próximas
semanas
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Funções do PMP
13/07/2018
14/59
Pedidos em Carteira
Previsão da Demanda
Tempo
Quantidade
de
Vendas
1 2 3 4 5 6 7 8
Planejamento-mestre da Produção
Programação da
Produção
Análise e Validação da
Capacidade
9
7/13/2018
8
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Funções do PMP
13/07/2018
15/59
A determinação dos intervalos de tempo que irão
compor o planejamento-mestre está associada à
velocidade de fabricação dos itens incluídos no plano-
mestre e a possibilidade prática de alterar tal plano.
Normalmente, trabalha-se com intervalos de semanas.
Processos que tenham lead times muito altos se empregam
intervalos de meses e até trimestres
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Funções do PMP
13/07/2018
16/59
Porque não se emprega o lead time real como o lead
time de programação na montagem do plano?
Um sistema produtivo para trabalhar de forma organizada
necessita de um período de programação “congelado”, ou
seja, todos dentro do sistema estarão nesse período
trabalhando para atender a um plano comum, e caso esse
plano se altere a cada hora, muito provavelmente não se
conseguirá sincronizar os diferentes processos
7/13/2018
9
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Funções do PMP e ME
13/07/2018
17/59
Como tornar mais eficaz (ME) a dinâmica de passagem
do planejamento de capacidade para o de congelamento
do período de curto prazo
Melhorar o relacionamento com os clientes desenvolvendo
políticas de parcerias de longo prazo que garantam maior
visão da demanda futura para planejamento da capacidade,
bem como certeza na demanda atual para programação da
parte congelada do PMP
Implantar técnicas de chão de fábrica que aumentem a
flexibilidade do sistema produtivo na produção de pequenos
lotes, incrementando a rapidez de resposta ao mercado
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Nivelamento do PMP a
Demanda
13/07/2018
18/59
2.000 A 3.000 B 5.000 C
C B C A C B C A C B
Lotes Padrões de 1.000 itens
Lotes Únicos Variáveis
Horizonte de Programação do PMP
Plano-mestre
da
Produção
Sendo flexível, é possível explorar um conceito de planejamento
de médio prazo associado à manufatura enxuta, chamado de
nivelamento do plano-mestre a demanda
7/13/2018
10
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Nivelamento do PMP a
Demanda
13/07/2018
19/59
A grande limitação para esse tipo de programação nivelada do
PMP é obvia
onde se tinham três paradas para preparação de linha, agora
se terão 10 preparações, uma para cada um dos 10 lotes
padrões de 1.000 itens
Uma vez superada esta limitação com a implantação das
técnicas da ME voltadas para o aumento de flexibilidade e da
produção em fluxo (polivalência, ajuda mútua, layout em
serpentina, TRF, autonomação, etc.), pelo menos quatro
grandes ganhos podem ser listado
Entregas JIT para os clientes (internos ou externos)
Redução dos níveis de estoque
Lotes padrões de produção
Potencial de uso do sistema puxado no abastecimento da linha
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Funções do PMP e ME
13/07/2018
20/59
Pedidos em Carteira
Previsão da Demanda
Tempo
Quantidade
de
Vendas
1 2 3 4 5 6 7 8
Planejamento-mestre da Produção
Programação da
Produção
Nivelada
Análise e Validação da Capacidade
Tempo de Ciclo = Tempo Disponível/Demanda
Número de Kanbans = (Demanda/Lote Kanban) x Ciclo
9
7/13/2018
11
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Ciclo Virtuoso do
Nivelamento do PMP
13/07/2018
21/59
Super Mercados
Programação
Puxada
Redução dos Lead
Times
Flexibilidade
Redução dos
Lotes na
Programação
Nivelamento do
PMP a Demanda
de Curto Prazo
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Planejamento-mestre da
Produção
O PMP é constituído de registros com escala de tempo
que contém, para cada produto final:
Informações de demanda;
Estoque disponível atual
Com estas informações, o estoque disponível é
projetados à frente no tempo;
Quando não há estoque suficiente para satisfazer a
demanda futura, quantidades de pedido são inseridas
na linha do PMP
13/07/2018
22/59
7/13/2018
12
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Planejamento-mestre da
Produção
Do quadro acima:
30 unidades em estoque;
Semana 1: Demanda=10  Disponível 20;
Semana 2: Demanda=10  Disponível 10;
Semana 3: Demanda=10  Disponível 0;
PMP começa a ser operacionalizado
13/07/2018
23/59
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Planejamento-mestre da
Produção
O PMP tem como atividade gestão de pedidos, que
através de uma verificação de capacidade durante o
processo de entrada de pedido e da disponibilidade de
materiais, possibilita saber se a empresa é capaz ou não
de cumprir o prazo estipulado pelo cliente, visando
garantir o atendimento do pedido desde o processo de
vendas.
13/07/2018
24/59
7/13/2018
13
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Quando existem relativamente poucos componentes, montados
em muitas combinações diferentes para dar origem a diversos
produtos, o PMP será provavelmente montado para os
componentes e não para os produtos finais, que obedecerão
depois a um cronograma de montagem;
Táticas Básicas:
Produzir para estocar
Estoques de segurança baseados nas previsões de demanda;
Produzir apenas sob encomenda
Ordens de produção que atendem unicamente a demanda,
evitando estocagem;
Montar sob encomenda.
Produzir para estocar componentes;
Produzir apenas sob encomenda  produtos acabados
Planejamento-mestre da
Produção
13/07/2018
25/59
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Planejamento-mestre da
Produção
A figura acima é um exemplo de PMP que trabalha com
a tática de produzir para estocar. Refere-se ao item
UMPI 8 x M16, a ser manufaturado no equipamento 11
A25.
13/07/2018
26/59
7/13/2018
14
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Planejamento-mestre da
Produção
Linha 1: Capacidade Produtiva  Planejamento Estratégico de
Produção;
Linha 2: Demanda Prevista (Aumento ao longo do período
analisado);
Linha 3: Quantidades Planejadas a serem produzidas;
Linha 4: Quantidade inicial em estoque antes da aplicação do
PMP, bem como durante o PMP.
13/07/2018
27/59
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Planejamento-mestre da
Produção
Linha 5: Quantidades planejadas em estoque;
𝐸𝑠𝑡𝑜𝑞𝑢𝑒 𝑃𝑙𝑎𝑛𝑒𝑗𝑎𝑑𝑜 = 𝐷𝑒𝑚𝑎𝑛𝑑𝑎 𝑃𝑟𝑒𝑣𝑖𝑠𝑡𝑎 − (𝑃𝑟𝑜𝑑𝑢çã𝑜 𝑃𝑙𝑎𝑛𝑒𝑗𝑎𝑑𝑎 +
𝐸𝑠𝑡𝑜𝑞𝑢𝑒 𝑖𝑛𝑖𝑐𝑖𝑎𝑙)
Como podemos ver, este PMP trabalha com estoques de segurança, sempre
procurando manter um nível aproximado de 462 peças em estoque;
Caso ocorra uma grande variação de demanda ou perdas imprevistas de capacidade
de produção (falta de operador, manutenção corretiva no equipamento, etc.)
13/07/2018
28/59
7/13/2018
15
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Planejamento-mestre da
Produção
Na figura acima a tática de produzir sob encomenda;
Níveis de estoques planejados bem pequenos.
Redução de custos;
Risco de perdas em vendas
Devido a alterações significantes nas previsões de demanda ou
capacidade de produção
13/07/2018
29/59
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Planejamento-mestre da
Produção
13/07/2018
30/59
7/13/2018
16
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Planejamento-mestre da
Produção
13/07/2018
31/59
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Planejamento-mestre da
Produção
13/07/2018
32/59
7/13/2018
17
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Planejamento-mestre da
Produção
13/07/2018
33/59
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Plano de Vendas e PMP
13/07/2018
34/59
Como o PMP tem por objetivo estruturar o sistema produtivo
para atender da forma mais eficaz possível o plano de vendas
(previsão de médio prazo e pedidos em carteira) para os
períodos futuros, sua elaboração se inicia com a transformação
das informações desse plano de vendas em informações úteis à
produção
Normalmente, Marketing tem sua linguagem própria de
comunicação com o mercado e nem sempre essa é a mesma que
será utilizada no sistema produtivo para se acionar a produção
7/13/2018
18
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Plano de Vendas e PMP
13/07/2018
35/59
Uma das funções do PMP é traduzir essa linguagem de mercado
para a linguagem de produção
Outro ponto diz respeito à dinâmica de lotes econômicos de
produção, ou ainda, quando se está usando previsões de vendas
de médio prazo para famílias de produtos que deverão ser
“abertas” em produtos acabados específicos
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Plano de Vendas e PMP
13/07/2018
36/59
Lote Padrão de 120 Kg
Estoques em mãos
7/13/2018
19
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Montagem do PMP
13/07/2018
37/59
Para facilitar o tratamento das informações e informatizar o
sistema de cálculo das operações referentes à elaboração do
PMP empregam-se tabelas de dados com informações
detalhadas, período a período, por item que será planejado.
demanda prevista
recebimento programado
estoques em mãos e projetados
necessidade líquida
plano-mestre de produção
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Montagem do PMP
13/07/2018
38/59
LT de 1 semana
120 + 360 – 436 = 44 > 30
44 + 0 – 472 = -459 < 30
7/13/2018
20
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Montagem do PMP
13/07/2018
39/59
NL= 458
PMP = 4 x 120 = 480
> 30
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Análise e Validação da
Capacidade
13/07/2018
40/59
O objetivo é não prosseguir com um plano que trará problemas
futuros para sua operacionalização
A função da análise da capacidade produtiva do PMP consiste
em equacionar os recursos produtivos da parte variável do
plano, de forma a garantir uma passagem segura para sua parte
fixa e posterior programação da produção
ajustes de médio prazo na capacidade produtiva, que não foram
incluídos anteriormente, podem ser necessários
7/13/2018
21
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Análise e Validação da
Capacidade
13/07/2018
41/59
A análise da capacidade de produção para o plano de produção
estratégico considerou a possibilidade de trabalhar variáveis de
longo prazo
alteração nas instalações físicas, compra de equipamentos,
definição dos turnos de trabalho, admissão e treinamento da mão-
de-obra, negociações de fornecimento externo, etc.
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Análise e Validação da
Capacidade
13/07/2018
42/59
Já as decisões relativas ao PMP envolvem a negociação com
variáveis de médio prazo
formação ou uso de estoques amortecedores
definição de tempos de ciclo para as próximas semanas
necessidades de horas extras ou de jornadas flexíveis
remanejamentos de funcionários
necessidades de espaço na recepção e armazenagem dos itens
RCCP (Rough Cut Capacity Planning ou planejamento grosseiro
de capacidade) é o responsável por fazer esta análise da
capacidade
7/13/2018
22
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Cálculo da Capacidade
Produtiva
13/07/2018
43/59
1. Identificar os recursos a serem incluídos na análise. Como
forma de simplificação pode-se considerar apenas os recursos
críticos, ou gargalos
2. Obter o padrão de consumo, ou taxa de produção no caso de
máquinas, da variável que se pretende analisar (horas-
máquina/unidade, horas-homem/unidade, m3/unidade, etc.)
de cada produto acabado incluído no PMP para cada recurso.
Nesse padrão de consumo já podem estar contidas as taxas
de eficiência, de paradas para manutenção, de setups, etc.,
ou estes valores podem vir discriminados em separado para
controle
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Cálculo da Capacidade
Produtiva
13/07/2018
44/59
3. Multiplicar o padrão de consumo de cada produto para cada
recurso pela quantidade de produção prevista desse produto
no PMP para o período em que esse recurso será acionado
em função dos lead times de planejamento
4. Consolidar as necessidades de capacidade para cada recurso
em cada período
5. Comparar as disponibilidades dos recursos com as
necessidades de capacidades calculadas em cada período
para a tomada de decisão quanto a viabilidade do PMP
7/13/2018
23
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Roteiro de Fabricação e Taxas de
Produção da Família de Malhas Colmeia
13/07/2018
45/59
Item Fases Recursos
Taxa de
Produção
Lead Time de
Programação
Malha Acabada
Acabamento Rama 0,003 h/kg
1 semana
Tinturaria Jets 3 h/lote
Malha Fixada
Fixação Rama 0,002 h/kg
Purga Jets 1 h/lote
Malha Crua Malharia Teares 0,09 h/kg 1 semana
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Cálculo das Necessidades de Capacidade
nos Jets para Malha Colmeia
13/07/2018
46/59
13 14 15 16 17 18
720 960 1320 1320 1200 1200
Período
PMP Colméia (kg)
32 44 44 40 40 -
Purga 1 h/lote
Tinturaria 3 h/lote
(960/120) x 4
Carga Jets (h)
Lead Time 1 semana
7/13/2018
24
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Cálculo das Necessidades de Capacidade
nos Teares para Malha Colmeia
13/07/2018
47/59
13 14 15 16 17 18
720 960 1320 1320 1200 1200
Período
PMP Colméia (kg)
118,8 118,8 108 108 - -
Malharia 0,09 h/kg
1320 x 0,09
Carga Teares (h)
Lead Time 2 semanas
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
RCCP dos Jets após o
planejamento-mestre
13/07/2018
48/59
Rough Cut Capacity Planning
Planejamento Grosseiro de Capacidade
7/13/2018
25
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Itens Que Entram no PMP
13/07/2018
49/59
Automóvel Montado
Opcionais
Direção Hidráulica (10%)
Direção Hidráulica (30%)
Ar Condicionado
Direção Hidráulica (30%)
Ar Condicionado
Air Bag / ABS
Direção Hidráulica (30%)
Ar Condicionado
Air Bag / ABS
MP3
Cores
Azul (20%)
Cinza (10%)
Branco (20%)
Verde (10%)
Vermelho (10%)
Preto (30%)
Motores
1.8 Flex (20%)
1.4 Flex (20%)
1.0 Flex (40%)
1.0 (20%)
96 automóveis diferentes (4 x 6 x 4)
Ou ainda 12 x 12 x 4 x 4 = 13.824 !!!
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Itens Que Entram no PMP
13/07/2018
50/59
Geralmente não se planeja a formação de estoques para todas
as combinações possíveis, haja vista o grande custo de se
carregar estoques dentro do conceito de manufatura enxuta
A ideia para reduzir esse crescimento exponencial consiste em se
descer um nível no planejamento-mestre da produção
Ao invés de elaborar um PMP para cada produto acabado, se
passa a elaborar um PMP para cada opção de componente,
transformando a multiplicação de alternativas em uma soma
de alternativas
O produto acabado seria controlado por fora, com um
programa de montagem final que representaria as opções
escolhidas pelos clientes
7/13/2018
26
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Itens Que Entram no PMP
13/07/2018
51/59
96 automóveis diferentes (4 x 6 x 4)
ou 13.824
Opcionais Cores Motores
Direção Hidráulica = 500 x 1 = 500 Azul = 500 x 0,2 = 100 1.8 Flex = 500 x 0,2 = 100
Ar Condicionado = 500 x 0,9 = 450 Cinza = 500 x 0,1 = 50 1.4 Flex = 500 x 0,2 = 100
Air Bag / ABS = 500 x 0,6 = 300 Branco = 500 x 0,2 = 100 1.0 Flex = 500 x 0,4 = 200
MP3 = 500 x 0,3 = 150 Verde = 500 x 0,1 = 50 1.0 = 500 x 0,2 = 100
Vermelho = 500 x 0,1 = 50
Preto = 500 x 0,3 = 150
X 14 componentes diferentes (4 + 6 + 4)
ou 32
Previsão de Demanda de 500 automóveis
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Exercício 1
13/07/2018
52/59
A FT Ltda planejou a produção de determinado produto acabado, para ser
produzido em lotes de 60 unidades sempre que o estoque projetado para o
final do mês for igual ou menor que 10 unidades. O lead time para produzir um
lote desse produto é de um mês. Atualmente, a FT tem 20 unidades em
estoque. A previsão de vendas para os próximos 4 meses é mostrada na tabela
abaixo.
 Prepare uma escala de tempo com registro do PMP, mostrando a previsão de
vendas e o PMP deste produto
 Qual o estoque final de cada mês?
7/13/2018
27
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Exercício 1
13/07/2018
53/59
 Durante o primeiro mês, nenhuma unidade foi vendida, e a previsão de
vendas revisada para os próximos meses está na tabela abaixo. Que mudanças
ocorrem no PMP
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Exercício 1
13/07/2018
54/59
7/13/2018
28
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Exercício 1
13/07/2018
55/59
2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES
Programação da Produção
Ewerton Gomes de Oliveira, MSc.
ewerton.gomes@live.com
13/07/2018
56/59

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a 03 PMP.pdf

Planejamento e controle da produção – wikipédia, a enciclopédia livre
Planejamento e controle da produção – wikipédia, a enciclopédia livre Planejamento e controle da produção – wikipédia, a enciclopédia livre
Planejamento e controle da produção – wikipédia, a enciclopédia livre Lucas Braga
 
V Lean Day Unicamp - Notas de Palestras -
V Lean Day Unicamp - Notas de Palestras - V Lean Day Unicamp - Notas de Palestras -
V Lean Day Unicamp - Notas de Palestras - Fredjoger Mendes
 
Introdução planejamento agregado
Introdução planejamento agregadoIntrodução planejamento agregado
Introdução planejamento agregadoMoises Ribeiro
 
Gestão de Projetos Hibrida
Gestão de Projetos HibridaGestão de Projetos Hibrida
Gestão de Projetos HibridaAragon Vieira
 
Gestão dinâmica planejamento e controle de produção - suporte microsiga ,cr...
Gestão dinâmica   planejamento e controle de produção - suporte microsiga ,cr...Gestão dinâmica   planejamento e controle de produção - suporte microsiga ,cr...
Gestão dinâmica planejamento e controle de produção - suporte microsiga ,cr...Lucas Braga
 
Vi Seminario Pmi (SP): Portfolio e Corrente Critica
Vi Seminario Pmi (SP): Portfolio e Corrente CriticaVi Seminario Pmi (SP): Portfolio e Corrente Critica
Vi Seminario Pmi (SP): Portfolio e Corrente CriticaPeter Mello
 
U1S1 - PPCP no contexto estratégico.pdf
U1S1 - PPCP no contexto estratégico.pdfU1S1 - PPCP no contexto estratégico.pdf
U1S1 - PPCP no contexto estratégico.pdfCelsoCiamponi1
 
Apresentação cadeia de suprimentos
Apresentação cadeia de suprimentosApresentação cadeia de suprimentos
Apresentação cadeia de suprimentosLuana Cruz
 
Webaula 50 - Como Definir e Controlar o Escopo de um Projeto – O Papel Fundam...
Webaula 50 - Como Definir e Controlar o Escopo de um Projeto – O Papel Fundam...Webaula 50 - Como Definir e Controlar o Escopo de um Projeto – O Papel Fundam...
Webaula 50 - Como Definir e Controlar o Escopo de um Projeto – O Papel Fundam...Projetos e TI
 
Manutenção Mecânica Seis Sigma Rodrigo Barcelos
Manutenção Mecânica Seis Sigma Rodrigo BarcelosManutenção Mecânica Seis Sigma Rodrigo Barcelos
Manutenção Mecânica Seis Sigma Rodrigo BarcelosRodrigo Barcelos
 
TCC - Gerenciamento de Projetos X Educação corporativa
TCC - Gerenciamento de Projetos X Educação corporativaTCC - Gerenciamento de Projetos X Educação corporativa
TCC - Gerenciamento de Projetos X Educação corporativaPaula Mendes
 

Semelhante a 03 PMP.pdf (20)

Planejamento e controle da produção – wikipédia, a enciclopédia livre
Planejamento e controle da produção – wikipédia, a enciclopédia livre Planejamento e controle da produção – wikipédia, a enciclopédia livre
Planejamento e controle da produção – wikipédia, a enciclopédia livre
 
V Lean Day Unicamp - Notas de Palestras -
V Lean Day Unicamp - Notas de Palestras - V Lean Day Unicamp - Notas de Palestras -
V Lean Day Unicamp - Notas de Palestras -
 
Aula 2 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 2 - Planejamento e Controle da Produção IIAula 2 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 2 - Planejamento e Controle da Produção II
 
Apres future pms
Apres future pmsApres future pms
Apres future pms
 
Apres future pms
Apres future pmsApres future pms
Apres future pms
 
Introdução planejamento agregado
Introdução planejamento agregadoIntrodução planejamento agregado
Introdução planejamento agregado
 
Pcp aula1
Pcp aula1Pcp aula1
Pcp aula1
 
Gestão de Projetos Hibrida
Gestão de Projetos HibridaGestão de Projetos Hibrida
Gestão de Projetos Hibrida
 
Aula Uniopet 21 05-2019
Aula Uniopet 21 05-2019Aula Uniopet 21 05-2019
Aula Uniopet 21 05-2019
 
Introdução
IntroduçãoIntrodução
Introdução
 
PHMarcomini 18set15
PHMarcomini 18set15PHMarcomini 18set15
PHMarcomini 18set15
 
Gestão dinâmica planejamento e controle de produção - suporte microsiga ,cr...
Gestão dinâmica   planejamento e controle de produção - suporte microsiga ,cr...Gestão dinâmica   planejamento e controle de produção - suporte microsiga ,cr...
Gestão dinâmica planejamento e controle de produção - suporte microsiga ,cr...
 
Vi Seminario Pmi (SP): Portfolio e Corrente Critica
Vi Seminario Pmi (SP): Portfolio e Corrente CriticaVi Seminario Pmi (SP): Portfolio e Corrente Critica
Vi Seminario Pmi (SP): Portfolio e Corrente Critica
 
U1S1 - PPCP no contexto estratégico.pdf
U1S1 - PPCP no contexto estratégico.pdfU1S1 - PPCP no contexto estratégico.pdf
U1S1 - PPCP no contexto estratégico.pdf
 
Apresentação cadeia de suprimentos
Apresentação cadeia de suprimentosApresentação cadeia de suprimentos
Apresentação cadeia de suprimentos
 
Webaula 50 - Como Definir e Controlar o Escopo de um Projeto – O Papel Fundam...
Webaula 50 - Como Definir e Controlar o Escopo de um Projeto – O Papel Fundam...Webaula 50 - Como Definir e Controlar o Escopo de um Projeto – O Papel Fundam...
Webaula 50 - Como Definir e Controlar o Escopo de um Projeto – O Papel Fundam...
 
Manutenção Mecânica Seis Sigma Rodrigo Barcelos
Manutenção Mecânica Seis Sigma Rodrigo BarcelosManutenção Mecânica Seis Sigma Rodrigo Barcelos
Manutenção Mecânica Seis Sigma Rodrigo Barcelos
 
Gerenciamento de Múltiplos Projetos
Gerenciamento de Múltiplos ProjetosGerenciamento de Múltiplos Projetos
Gerenciamento de Múltiplos Projetos
 
TCC - Gerenciamento de Projetos X Educação corporativa
TCC - Gerenciamento de Projetos X Educação corporativaTCC - Gerenciamento de Projetos X Educação corporativa
TCC - Gerenciamento de Projetos X Educação corporativa
 
Planejamento e controle
Planejamento e controlePlanejamento e controle
Planejamento e controle
 

Mais de VilsonBernardoStollm

Manuseio-de-Produtos-Quimicos_94d7ebdc92b14a72ad18614532e446ab.ppt
Manuseio-de-Produtos-Quimicos_94d7ebdc92b14a72ad18614532e446ab.pptManuseio-de-Produtos-Quimicos_94d7ebdc92b14a72ad18614532e446ab.ppt
Manuseio-de-Produtos-Quimicos_94d7ebdc92b14a72ad18614532e446ab.pptVilsonBernardoStollm
 
A utilizao dos EPIS No espao de Trabalho.pptx
A utilizao dos EPIS No espao de Trabalho.pptxA utilizao dos EPIS No espao de Trabalho.pptx
A utilizao dos EPIS No espao de Trabalho.pptxVilsonBernardoStollm
 
PROTECAO CONTRA INCENDIO E EXPLOSOES.pdf
PROTECAO CONTRA INCENDIO E EXPLOSOES.pdfPROTECAO CONTRA INCENDIO E EXPLOSOES.pdf
PROTECAO CONTRA INCENDIO E EXPLOSOES.pdfVilsonBernardoStollm
 
Nova_NR_18_a06b2957a1d9458fa2d44d693c76ed1f.pptx
Nova_NR_18_a06b2957a1d9458fa2d44d693c76ed1f.pptxNova_NR_18_a06b2957a1d9458fa2d44d693c76ed1f.pptx
Nova_NR_18_a06b2957a1d9458fa2d44d693c76ed1f.pptxVilsonBernardoStollm
 
ADMINISTRACAO_DE_RECURSOS_MATERIAIS (1).pdf
ADMINISTRACAO_DE_RECURSOS_MATERIAIS (1).pdfADMINISTRACAO_DE_RECURSOS_MATERIAIS (1).pdf
ADMINISTRACAO_DE_RECURSOS_MATERIAIS (1).pdfVilsonBernardoStollm
 
A_LOGISTICA_EMPRESARIAL_VISTA_COMO_ESTRA (1).pdf
A_LOGISTICA_EMPRESARIAL_VISTA_COMO_ESTRA (1).pdfA_LOGISTICA_EMPRESARIAL_VISTA_COMO_ESTRA (1).pdf
A_LOGISTICA_EMPRESARIAL_VISTA_COMO_ESTRA (1).pdfVilsonBernardoStollm
 
BLOQUEIO-DE-FONTES-DE-ENERGIAS-NR10_cd95cb6a9513495482271f2e989811ef.ppt
BLOQUEIO-DE-FONTES-DE-ENERGIAS-NR10_cd95cb6a9513495482271f2e989811ef.pptBLOQUEIO-DE-FONTES-DE-ENERGIAS-NR10_cd95cb6a9513495482271f2e989811ef.ppt
BLOQUEIO-DE-FONTES-DE-ENERGIAS-NR10_cd95cb6a9513495482271f2e989811ef.pptVilsonBernardoStollm
 
5 Razes Para Voc Proteger Suas MOS.ppt
5  Razes  Para  Voc  Proteger  Suas  MOS.ppt5  Razes  Para  Voc  Proteger  Suas  MOS.ppt
5 Razes Para Voc Proteger Suas MOS.pptVilsonBernardoStollm
 
a seguranca do trabalho em minas de carvao.pdf
a seguranca do trabalho em minas de carvao.pdfa seguranca do trabalho em minas de carvao.pdf
a seguranca do trabalho em minas de carvao.pdfVilsonBernardoStollm
 
a seguranca do trabalho em minas de carvao.pdf
a seguranca do trabalho em minas de carvao.pdfa seguranca do trabalho em minas de carvao.pdf
a seguranca do trabalho em minas de carvao.pdfVilsonBernardoStollm
 
as ferramentas usadas na prevenção.pdf
as ferramentas usadas na prevenção.pdfas ferramentas usadas na prevenção.pdf
as ferramentas usadas na prevenção.pdfVilsonBernardoStollm
 
a importancia da inspecao de extintores.pdf
a importancia da inspecao de extintores.pdfa importancia da inspecao de extintores.pdf
a importancia da inspecao de extintores.pdfVilsonBernardoStollm
 

Mais de VilsonBernardoStollm (20)

Manuseio-de-Produtos-Quimicos_94d7ebdc92b14a72ad18614532e446ab.ppt
Manuseio-de-Produtos-Quimicos_94d7ebdc92b14a72ad18614532e446ab.pptManuseio-de-Produtos-Quimicos_94d7ebdc92b14a72ad18614532e446ab.ppt
Manuseio-de-Produtos-Quimicos_94d7ebdc92b14a72ad18614532e446ab.ppt
 
A utilizao dos EPIS No espao de Trabalho.pptx
A utilizao dos EPIS No espao de Trabalho.pptxA utilizao dos EPIS No espao de Trabalho.pptx
A utilizao dos EPIS No espao de Trabalho.pptx
 
PROTECAO CONTRA INCENDIO E EXPLOSOES.pdf
PROTECAO CONTRA INCENDIO E EXPLOSOES.pdfPROTECAO CONTRA INCENDIO E EXPLOSOES.pdf
PROTECAO CONTRA INCENDIO E EXPLOSOES.pdf
 
Apresentao_JLucioGeraldi_prep.pdf
Apresentao_JLucioGeraldi_prep.pdfApresentao_JLucioGeraldi_prep.pdf
Apresentao_JLucioGeraldi_prep.pdf
 
APR MANUTENO MECNICA.doc
APR MANUTENO MECNICA.docAPR MANUTENO MECNICA.doc
APR MANUTENO MECNICA.doc
 
MAPA RISCO POSTO.doc
MAPA RISCO POSTO.docMAPA RISCO POSTO.doc
MAPA RISCO POSTO.doc
 
Nova_NR_18_a06b2957a1d9458fa2d44d693c76ed1f.pptx
Nova_NR_18_a06b2957a1d9458fa2d44d693c76ed1f.pptxNova_NR_18_a06b2957a1d9458fa2d44d693c76ed1f.pptx
Nova_NR_18_a06b2957a1d9458fa2d44d693c76ed1f.pptx
 
ADMINISTRACAO_DE_RECURSOS_MATERIAIS (1).pdf
ADMINISTRACAO_DE_RECURSOS_MATERIAIS (1).pdfADMINISTRACAO_DE_RECURSOS_MATERIAIS (1).pdf
ADMINISTRACAO_DE_RECURSOS_MATERIAIS (1).pdf
 
A_LOGISTICA_EMPRESARIAL_VISTA_COMO_ESTRA (1).pdf
A_LOGISTICA_EMPRESARIAL_VISTA_COMO_ESTRA (1).pdfA_LOGISTICA_EMPRESARIAL_VISTA_COMO_ESTRA (1).pdf
A_LOGISTICA_EMPRESARIAL_VISTA_COMO_ESTRA (1).pdf
 
BLOQUEIO-DE-FONTES-DE-ENERGIAS-NR10_cd95cb6a9513495482271f2e989811ef.ppt
BLOQUEIO-DE-FONTES-DE-ENERGIAS-NR10_cd95cb6a9513495482271f2e989811ef.pptBLOQUEIO-DE-FONTES-DE-ENERGIAS-NR10_cd95cb6a9513495482271f2e989811ef.ppt
BLOQUEIO-DE-FONTES-DE-ENERGIAS-NR10_cd95cb6a9513495482271f2e989811ef.ppt
 
5 Razes Para Voc Proteger Suas MOS.ppt
5  Razes  Para  Voc  Proteger  Suas  MOS.ppt5  Razes  Para  Voc  Proteger  Suas  MOS.ppt
5 Razes Para Voc Proteger Suas MOS.ppt
 
E-book-Oficial.pdf
E-book-Oficial.pdfE-book-Oficial.pdf
E-book-Oficial.pdf
 
a seguranca do trabalho em minas de carvao.pdf
a seguranca do trabalho em minas de carvao.pdfa seguranca do trabalho em minas de carvao.pdf
a seguranca do trabalho em minas de carvao.pdf
 
a seguranca do trabalho em minas de carvao.pdf
a seguranca do trabalho em minas de carvao.pdfa seguranca do trabalho em minas de carvao.pdf
a seguranca do trabalho em minas de carvao.pdf
 
as ferramentas usadas na prevenção.pdf
as ferramentas usadas na prevenção.pdfas ferramentas usadas na prevenção.pdf
as ferramentas usadas na prevenção.pdf
 
acidentetrabalho.pdf
acidentetrabalho.pdfacidentetrabalho.pdf
acidentetrabalho.pdf
 
a importancia da inspecao de extintores.pdf
a importancia da inspecao de extintores.pdfa importancia da inspecao de extintores.pdf
a importancia da inspecao de extintores.pdf
 
4 ARTIGO CLASSE INCENDIOS.pdf
4 ARTIGO CLASSE INCENDIOS.pdf4 ARTIGO CLASSE INCENDIOS.pdf
4 ARTIGO CLASSE INCENDIOS.pdf
 
GRO_Comentado_16jun20.pdf
GRO_Comentado_16jun20.pdfGRO_Comentado_16jun20.pdf
GRO_Comentado_16jun20.pdf
 
CR 9060 - Hidráulico-br-02.pptx
CR 9060 - Hidráulico-br-02.pptxCR 9060 - Hidráulico-br-02.pptx
CR 9060 - Hidráulico-br-02.pptx
 

Último

Estatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animalEstatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animalleandroladesenvolvim
 
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animalFISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animalPauloHenrique154965
 
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAMMODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAMCassio Rodrigo
 
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaLEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaGuilhermeLucio9
 
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréEletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréGuilhermeLucio9
 
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdfPLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdfAroldoMenezes1
 
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraTecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraGuilhermeLucio9
 
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfAulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfMateusSerraRodrigues1
 
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxResistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxjuliocameloUFC
 

Último (9)

Estatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animalEstatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animal
 
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animalFISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
 
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAMMODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
 
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaLEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
 
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréEletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
 
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdfPLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
 
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraTecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
 
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfAulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
 
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxResistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
 

03 PMP.pdf

  • 1. 7/13/2018 1 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES PLANO MESTRE DE PRODUÇÃO (PMP) Master Production Schedule (MPS) 13/07/2018 1/59 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Programação da Produção Sejam Bem-Vindos! 13/07/2018 2/59
  • 2. 7/13/2018 2 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Procura emparelhar a produção com a demanda ao menor custo possível; A partir de um conjunto de alternativas de produção, previamente selecionado e também da previsão da demanda para um período de cerca de 6 a 12 meses, determina-se quanto será produzido em cada período, contando com quais recursos, quanto se deixará em estoque, e assim por diante; Fornece um quadro de referência para a busca e alocação de recursos: mão-de-obra, equipamentos, materiais, máquinas, horas extras, subcontratações e etc; Fornece apenas medidas consolidadas para todos os produtos ou para algumas linhas individualizadas; a implementação efetiva exige que haja, uma desagregação do planejamento em produtos individuais. Planejamento Agregado 13/07/2018 3/59 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Previsão de Demanda Atividade do departamento de vendas; Base para o planejamento estratégico de todas as organizações, abrangendo as áreas: Produção; Planejamento Estratégico  Plano Mestre de Produção Financeira; Comercial; Recursos Humanos. Através desta previsão é possível montarmos planos de longo prazo para as quatro áreas da organização. Planejamento-mestre da Produção 13/07/2018 4/59
  • 3. 7/13/2018 3 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Gestão de Estoques Estoques de matérias-primas ou componentes adquiridos costumam ser mantidos como amortizadores de custos no momento da compra; Adquirindo-se grandes quantidades para a realização de economia de escala frente aos fornecedores; Estoques de itens produzidos internamente representam independência entre etapas de produção; Estoques de produtos acabados representam fator de segurança em meio a imprevisibilidades de demanda; Causa ou efeito de problemas no sistema produtivo Não agregam valor ao produto diretamente Materiais adquiridos ainda não pagos Fluxo de caixa negativo (Financeiro) Planejamento-mestre da Produção 13/07/2018 5/59 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Gestão de Estoques Registro dos estoques Bancos de dados que alimentam o PMP indicando quantidades disponíveis Quantidades de materiais brutos; Quantidade de produtos componentes; Quantidade de produtos acabados Usados para calcular as necessidades líquidas de produção, isto é, aquelas que, complementadas pela quantidade em estoque, compõem as necessidades brutas. 𝑁𝑒𝑐𝑒𝑠𝑠𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒 𝑙í𝑞𝑢𝑖𝑑𝑎 𝑑𝑒 𝑝𝑟𝑜𝑑𝑢çã𝑜 = 𝑛𝑒𝑐𝑒𝑠𝑠𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒 𝑏𝑟𝑢𝑡𝑎 − 𝑒𝑠𝑡𝑜𝑞𝑢𝑒 Os dados de estoque devem estar sempre atualizados! Planejamento-mestre da Produção 13/07/2018 6/59
  • 4. 7/13/2018 4 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Planejamento-mestre da Produção 13/07/2018 7/59 Planejamento-mestre da Produção Longo Prazo Médio Prazo Curto Prazo Plano de Produção PMP Inicial Viável ? PMP Final Programação da Produção Sim Não Faz a conexão Direciona as etapas de programação e execução de atividades 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Também conhecido como Programa Mestre de Produção ou Plano Mestre de Produção, do inglês Master Production Schedule (MPS) é o documento que diz quais itens serão produzidos, e quanto, de cada um, para um determinado período, cobrindo algumas poucas semanas, podendo chegar a 6 meses ou mesmo um ano; Planejamento-mestre da Produção 13/07/2018 8/59
  • 5. 7/13/2018 5 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Planejamento-mestre da Produção 13/07/2018 9/59 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Planejamento-mestre da Produção 13/07/2018 10/59
  • 6. 7/13/2018 6 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES • Tarefa complexa: – Necessidades de Produção x Capacidade Disponível; – Muitas operações, em regime intermitente  utilização do mesmo equipamento para diversos produtos • O processo é conduzido por tentativas, testando-se cada PMP para verificar a capacidade produtiva que ele exige; • PMP – Desmembramento do Planejamento Agregado em programações individualizadas; – Avaliação das necessidades imediatas de capacidade produtiva; – Definir compras eventualmente necessárias; – Estabelecer prioridades entre os produtos na programação. Planejamento-mestre da Produção 13/07/2018 11/59 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Atividades marcadamente operacionais que encerram um ciclo de planejamento mais longo que teve início com o Planejamento da Capacidade e a fase intermediária com o Planejamento Agregado; Objetivos: Permitir que os produtos tenham a qualidade especificada; Fazer com que máquinas e pessoas operem com os níveis desejados de produtividade; Reduzir os estoques e os custos operacionais; Manter ou melhorar o nível de atendimento ao cliente. Exige-se um balanço e um compromisso finais, entre os vários objetivos que dificilmente poderão ser totalmente atendidos ao mesmo tempo. Programação e Controle da Produção 13/07/2018 12/59
  • 7. 7/13/2018 7 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Planejamento-mestre da Produção 13/07/2018 13/59 O PMP diferencia-se do plano de produção sob dois aspectos o nível de agregação dos produtos: famílias x itens acabados a unidade de tempo analisada: meses x semanas Reuniões para definição da tática a ser empregada nas próximas semanas são realizadas periodicamente Ao final de sua elaboração, o PMP representará os anseios das diversas áreas da empresa não só quanto à programação da produção da semana que entra, como também quanto ao planejamento tático de médio prazo para as próximas semanas 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Funções do PMP 13/07/2018 14/59 Pedidos em Carteira Previsão da Demanda Tempo Quantidade de Vendas 1 2 3 4 5 6 7 8 Planejamento-mestre da Produção Programação da Produção Análise e Validação da Capacidade 9
  • 8. 7/13/2018 8 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Funções do PMP 13/07/2018 15/59 A determinação dos intervalos de tempo que irão compor o planejamento-mestre está associada à velocidade de fabricação dos itens incluídos no plano- mestre e a possibilidade prática de alterar tal plano. Normalmente, trabalha-se com intervalos de semanas. Processos que tenham lead times muito altos se empregam intervalos de meses e até trimestres 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Funções do PMP 13/07/2018 16/59 Porque não se emprega o lead time real como o lead time de programação na montagem do plano? Um sistema produtivo para trabalhar de forma organizada necessita de um período de programação “congelado”, ou seja, todos dentro do sistema estarão nesse período trabalhando para atender a um plano comum, e caso esse plano se altere a cada hora, muito provavelmente não se conseguirá sincronizar os diferentes processos
  • 9. 7/13/2018 9 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Funções do PMP e ME 13/07/2018 17/59 Como tornar mais eficaz (ME) a dinâmica de passagem do planejamento de capacidade para o de congelamento do período de curto prazo Melhorar o relacionamento com os clientes desenvolvendo políticas de parcerias de longo prazo que garantam maior visão da demanda futura para planejamento da capacidade, bem como certeza na demanda atual para programação da parte congelada do PMP Implantar técnicas de chão de fábrica que aumentem a flexibilidade do sistema produtivo na produção de pequenos lotes, incrementando a rapidez de resposta ao mercado 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Nivelamento do PMP a Demanda 13/07/2018 18/59 2.000 A 3.000 B 5.000 C C B C A C B C A C B Lotes Padrões de 1.000 itens Lotes Únicos Variáveis Horizonte de Programação do PMP Plano-mestre da Produção Sendo flexível, é possível explorar um conceito de planejamento de médio prazo associado à manufatura enxuta, chamado de nivelamento do plano-mestre a demanda
  • 10. 7/13/2018 10 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Nivelamento do PMP a Demanda 13/07/2018 19/59 A grande limitação para esse tipo de programação nivelada do PMP é obvia onde se tinham três paradas para preparação de linha, agora se terão 10 preparações, uma para cada um dos 10 lotes padrões de 1.000 itens Uma vez superada esta limitação com a implantação das técnicas da ME voltadas para o aumento de flexibilidade e da produção em fluxo (polivalência, ajuda mútua, layout em serpentina, TRF, autonomação, etc.), pelo menos quatro grandes ganhos podem ser listado Entregas JIT para os clientes (internos ou externos) Redução dos níveis de estoque Lotes padrões de produção Potencial de uso do sistema puxado no abastecimento da linha 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Funções do PMP e ME 13/07/2018 20/59 Pedidos em Carteira Previsão da Demanda Tempo Quantidade de Vendas 1 2 3 4 5 6 7 8 Planejamento-mestre da Produção Programação da Produção Nivelada Análise e Validação da Capacidade Tempo de Ciclo = Tempo Disponível/Demanda Número de Kanbans = (Demanda/Lote Kanban) x Ciclo 9
  • 11. 7/13/2018 11 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Ciclo Virtuoso do Nivelamento do PMP 13/07/2018 21/59 Super Mercados Programação Puxada Redução dos Lead Times Flexibilidade Redução dos Lotes na Programação Nivelamento do PMP a Demanda de Curto Prazo 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Planejamento-mestre da Produção O PMP é constituído de registros com escala de tempo que contém, para cada produto final: Informações de demanda; Estoque disponível atual Com estas informações, o estoque disponível é projetados à frente no tempo; Quando não há estoque suficiente para satisfazer a demanda futura, quantidades de pedido são inseridas na linha do PMP 13/07/2018 22/59
  • 12. 7/13/2018 12 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Planejamento-mestre da Produção Do quadro acima: 30 unidades em estoque; Semana 1: Demanda=10  Disponível 20; Semana 2: Demanda=10  Disponível 10; Semana 3: Demanda=10  Disponível 0; PMP começa a ser operacionalizado 13/07/2018 23/59 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Planejamento-mestre da Produção O PMP tem como atividade gestão de pedidos, que através de uma verificação de capacidade durante o processo de entrada de pedido e da disponibilidade de materiais, possibilita saber se a empresa é capaz ou não de cumprir o prazo estipulado pelo cliente, visando garantir o atendimento do pedido desde o processo de vendas. 13/07/2018 24/59
  • 13. 7/13/2018 13 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Quando existem relativamente poucos componentes, montados em muitas combinações diferentes para dar origem a diversos produtos, o PMP será provavelmente montado para os componentes e não para os produtos finais, que obedecerão depois a um cronograma de montagem; Táticas Básicas: Produzir para estocar Estoques de segurança baseados nas previsões de demanda; Produzir apenas sob encomenda Ordens de produção que atendem unicamente a demanda, evitando estocagem; Montar sob encomenda. Produzir para estocar componentes; Produzir apenas sob encomenda  produtos acabados Planejamento-mestre da Produção 13/07/2018 25/59 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Planejamento-mestre da Produção A figura acima é um exemplo de PMP que trabalha com a tática de produzir para estocar. Refere-se ao item UMPI 8 x M16, a ser manufaturado no equipamento 11 A25. 13/07/2018 26/59
  • 14. 7/13/2018 14 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Planejamento-mestre da Produção Linha 1: Capacidade Produtiva  Planejamento Estratégico de Produção; Linha 2: Demanda Prevista (Aumento ao longo do período analisado); Linha 3: Quantidades Planejadas a serem produzidas; Linha 4: Quantidade inicial em estoque antes da aplicação do PMP, bem como durante o PMP. 13/07/2018 27/59 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Planejamento-mestre da Produção Linha 5: Quantidades planejadas em estoque; 𝐸𝑠𝑡𝑜𝑞𝑢𝑒 𝑃𝑙𝑎𝑛𝑒𝑗𝑎𝑑𝑜 = 𝐷𝑒𝑚𝑎𝑛𝑑𝑎 𝑃𝑟𝑒𝑣𝑖𝑠𝑡𝑎 − (𝑃𝑟𝑜𝑑𝑢çã𝑜 𝑃𝑙𝑎𝑛𝑒𝑗𝑎𝑑𝑎 + 𝐸𝑠𝑡𝑜𝑞𝑢𝑒 𝑖𝑛𝑖𝑐𝑖𝑎𝑙) Como podemos ver, este PMP trabalha com estoques de segurança, sempre procurando manter um nível aproximado de 462 peças em estoque; Caso ocorra uma grande variação de demanda ou perdas imprevistas de capacidade de produção (falta de operador, manutenção corretiva no equipamento, etc.) 13/07/2018 28/59
  • 15. 7/13/2018 15 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Planejamento-mestre da Produção Na figura acima a tática de produzir sob encomenda; Níveis de estoques planejados bem pequenos. Redução de custos; Risco de perdas em vendas Devido a alterações significantes nas previsões de demanda ou capacidade de produção 13/07/2018 29/59 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Planejamento-mestre da Produção 13/07/2018 30/59
  • 16. 7/13/2018 16 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Planejamento-mestre da Produção 13/07/2018 31/59 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Planejamento-mestre da Produção 13/07/2018 32/59
  • 17. 7/13/2018 17 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Planejamento-mestre da Produção 13/07/2018 33/59 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Plano de Vendas e PMP 13/07/2018 34/59 Como o PMP tem por objetivo estruturar o sistema produtivo para atender da forma mais eficaz possível o plano de vendas (previsão de médio prazo e pedidos em carteira) para os períodos futuros, sua elaboração se inicia com a transformação das informações desse plano de vendas em informações úteis à produção Normalmente, Marketing tem sua linguagem própria de comunicação com o mercado e nem sempre essa é a mesma que será utilizada no sistema produtivo para se acionar a produção
  • 18. 7/13/2018 18 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Plano de Vendas e PMP 13/07/2018 35/59 Uma das funções do PMP é traduzir essa linguagem de mercado para a linguagem de produção Outro ponto diz respeito à dinâmica de lotes econômicos de produção, ou ainda, quando se está usando previsões de vendas de médio prazo para famílias de produtos que deverão ser “abertas” em produtos acabados específicos 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Plano de Vendas e PMP 13/07/2018 36/59 Lote Padrão de 120 Kg Estoques em mãos
  • 19. 7/13/2018 19 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Montagem do PMP 13/07/2018 37/59 Para facilitar o tratamento das informações e informatizar o sistema de cálculo das operações referentes à elaboração do PMP empregam-se tabelas de dados com informações detalhadas, período a período, por item que será planejado. demanda prevista recebimento programado estoques em mãos e projetados necessidade líquida plano-mestre de produção 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Montagem do PMP 13/07/2018 38/59 LT de 1 semana 120 + 360 – 436 = 44 > 30 44 + 0 – 472 = -459 < 30
  • 20. 7/13/2018 20 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Montagem do PMP 13/07/2018 39/59 NL= 458 PMP = 4 x 120 = 480 > 30 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Análise e Validação da Capacidade 13/07/2018 40/59 O objetivo é não prosseguir com um plano que trará problemas futuros para sua operacionalização A função da análise da capacidade produtiva do PMP consiste em equacionar os recursos produtivos da parte variável do plano, de forma a garantir uma passagem segura para sua parte fixa e posterior programação da produção ajustes de médio prazo na capacidade produtiva, que não foram incluídos anteriormente, podem ser necessários
  • 21. 7/13/2018 21 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Análise e Validação da Capacidade 13/07/2018 41/59 A análise da capacidade de produção para o plano de produção estratégico considerou a possibilidade de trabalhar variáveis de longo prazo alteração nas instalações físicas, compra de equipamentos, definição dos turnos de trabalho, admissão e treinamento da mão- de-obra, negociações de fornecimento externo, etc. 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Análise e Validação da Capacidade 13/07/2018 42/59 Já as decisões relativas ao PMP envolvem a negociação com variáveis de médio prazo formação ou uso de estoques amortecedores definição de tempos de ciclo para as próximas semanas necessidades de horas extras ou de jornadas flexíveis remanejamentos de funcionários necessidades de espaço na recepção e armazenagem dos itens RCCP (Rough Cut Capacity Planning ou planejamento grosseiro de capacidade) é o responsável por fazer esta análise da capacidade
  • 22. 7/13/2018 22 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Cálculo da Capacidade Produtiva 13/07/2018 43/59 1. Identificar os recursos a serem incluídos na análise. Como forma de simplificação pode-se considerar apenas os recursos críticos, ou gargalos 2. Obter o padrão de consumo, ou taxa de produção no caso de máquinas, da variável que se pretende analisar (horas- máquina/unidade, horas-homem/unidade, m3/unidade, etc.) de cada produto acabado incluído no PMP para cada recurso. Nesse padrão de consumo já podem estar contidas as taxas de eficiência, de paradas para manutenção, de setups, etc., ou estes valores podem vir discriminados em separado para controle 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Cálculo da Capacidade Produtiva 13/07/2018 44/59 3. Multiplicar o padrão de consumo de cada produto para cada recurso pela quantidade de produção prevista desse produto no PMP para o período em que esse recurso será acionado em função dos lead times de planejamento 4. Consolidar as necessidades de capacidade para cada recurso em cada período 5. Comparar as disponibilidades dos recursos com as necessidades de capacidades calculadas em cada período para a tomada de decisão quanto a viabilidade do PMP
  • 23. 7/13/2018 23 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Roteiro de Fabricação e Taxas de Produção da Família de Malhas Colmeia 13/07/2018 45/59 Item Fases Recursos Taxa de Produção Lead Time de Programação Malha Acabada Acabamento Rama 0,003 h/kg 1 semana Tinturaria Jets 3 h/lote Malha Fixada Fixação Rama 0,002 h/kg Purga Jets 1 h/lote Malha Crua Malharia Teares 0,09 h/kg 1 semana 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Cálculo das Necessidades de Capacidade nos Jets para Malha Colmeia 13/07/2018 46/59 13 14 15 16 17 18 720 960 1320 1320 1200 1200 Período PMP Colméia (kg) 32 44 44 40 40 - Purga 1 h/lote Tinturaria 3 h/lote (960/120) x 4 Carga Jets (h) Lead Time 1 semana
  • 24. 7/13/2018 24 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Cálculo das Necessidades de Capacidade nos Teares para Malha Colmeia 13/07/2018 47/59 13 14 15 16 17 18 720 960 1320 1320 1200 1200 Período PMP Colméia (kg) 118,8 118,8 108 108 - - Malharia 0,09 h/kg 1320 x 0,09 Carga Teares (h) Lead Time 2 semanas 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES RCCP dos Jets após o planejamento-mestre 13/07/2018 48/59 Rough Cut Capacity Planning Planejamento Grosseiro de Capacidade
  • 25. 7/13/2018 25 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Itens Que Entram no PMP 13/07/2018 49/59 Automóvel Montado Opcionais Direção Hidráulica (10%) Direção Hidráulica (30%) Ar Condicionado Direção Hidráulica (30%) Ar Condicionado Air Bag / ABS Direção Hidráulica (30%) Ar Condicionado Air Bag / ABS MP3 Cores Azul (20%) Cinza (10%) Branco (20%) Verde (10%) Vermelho (10%) Preto (30%) Motores 1.8 Flex (20%) 1.4 Flex (20%) 1.0 Flex (40%) 1.0 (20%) 96 automóveis diferentes (4 x 6 x 4) Ou ainda 12 x 12 x 4 x 4 = 13.824 !!! 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Itens Que Entram no PMP 13/07/2018 50/59 Geralmente não se planeja a formação de estoques para todas as combinações possíveis, haja vista o grande custo de se carregar estoques dentro do conceito de manufatura enxuta A ideia para reduzir esse crescimento exponencial consiste em se descer um nível no planejamento-mestre da produção Ao invés de elaborar um PMP para cada produto acabado, se passa a elaborar um PMP para cada opção de componente, transformando a multiplicação de alternativas em uma soma de alternativas O produto acabado seria controlado por fora, com um programa de montagem final que representaria as opções escolhidas pelos clientes
  • 26. 7/13/2018 26 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Itens Que Entram no PMP 13/07/2018 51/59 96 automóveis diferentes (4 x 6 x 4) ou 13.824 Opcionais Cores Motores Direção Hidráulica = 500 x 1 = 500 Azul = 500 x 0,2 = 100 1.8 Flex = 500 x 0,2 = 100 Ar Condicionado = 500 x 0,9 = 450 Cinza = 500 x 0,1 = 50 1.4 Flex = 500 x 0,2 = 100 Air Bag / ABS = 500 x 0,6 = 300 Branco = 500 x 0,2 = 100 1.0 Flex = 500 x 0,4 = 200 MP3 = 500 x 0,3 = 150 Verde = 500 x 0,1 = 50 1.0 = 500 x 0,2 = 100 Vermelho = 500 x 0,1 = 50 Preto = 500 x 0,3 = 150 X 14 componentes diferentes (4 + 6 + 4) ou 32 Previsão de Demanda de 500 automóveis 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Exercício 1 13/07/2018 52/59 A FT Ltda planejou a produção de determinado produto acabado, para ser produzido em lotes de 60 unidades sempre que o estoque projetado para o final do mês for igual ou menor que 10 unidades. O lead time para produzir um lote desse produto é de um mês. Atualmente, a FT tem 20 unidades em estoque. A previsão de vendas para os próximos 4 meses é mostrada na tabela abaixo.  Prepare uma escala de tempo com registro do PMP, mostrando a previsão de vendas e o PMP deste produto  Qual o estoque final de cada mês?
  • 27. 7/13/2018 27 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Exercício 1 13/07/2018 53/59  Durante o primeiro mês, nenhuma unidade foi vendida, e a previsão de vendas revisada para os próximos meses está na tabela abaixo. Que mudanças ocorrem no PMP 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Exercício 1 13/07/2018 54/59
  • 28. 7/13/2018 28 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Exercício 1 13/07/2018 55/59 2017 | UNINORTE / LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES Programação da Produção Ewerton Gomes de Oliveira, MSc. ewerton.gomes@live.com 13/07/2018 56/59