Romantismo no brasil segunda geração

727 visualizações

Publicada em

Material destinado aos alunos do 2o. ano do Ensino Médio - Colégio Espírita Professor Rubens Costa Romanelli

Publicada em: Educação
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
727
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
28
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • George Gordon Byron, 6º Barão Byron FRS (Londres, 22 de janeiro de 1788 — Missolonghi, 19 de abril de 1824), melhor conhecido como Lorde Byron, foi um destacado poeta britânico e uma das figuras mais influentes do romantismo, célebre por suas obras-primas, como A Peregrinação de Childe Harold e Don Juan (o último permaneceu inacabado devido à sua morte iminente). Byron é considerado como um dos maiores poetas europeus, é muito lido até os dias de hoje.
  • George Gordon Byron, 6º Barão Byron FRS (Londres, 22 de janeiro de 1788 — Missolonghi, 19 de abril de 1824), melhor conhecido como Lorde Byron, foi um destacado poeta britânico e uma das figuras mais influentes do romantismo, célebre por suas obras-primas, como A Peregrinação de Childe Harold e Don Juan (o último permaneceu inacabado devido à sua morte iminente). Byron é considerado como um dos maiores poetas europeus, é muito lido até os dias de hoje.
  • Romantismo no brasil segunda geração

    1. 1. Colégio Espírita Rubens Romanelli – 2º. Ano - EM Vamos investigar mais um assunto importante? 2º. Trimestre - 2015 O Romantismo 2ª. Geração
    2. 2. A nossa história , a nossa literatura...
    3. 3. Romantismo no Brasil O Romantismo nasce, no Brasil, poucos anos depois da nossa independência política. Por isso, as primeiras obras e os primeiros artistas românticos estão empenhados em definir um perfil da cultura brasileira em vários aspectos: a língua, a etnia, as tradições, o passado histórico, as diferenças regionais, a religião, etc. Pode-se dizer que o nacionalismo é o traço essencial que caracteriza a produção de nossos primeiros escritores românticos.
    4. 4. Momento histórico A Coroa portuguesa muda-se para o Brasil, em 1808, e eleva a colônia à categoria de Reino Unido, ao lado de Portugal e Algarves. As consequências desse fato são inúmeras. A vida brasileira altera-se profundamente, o que de certa forma contribui para o processo de Independência política da nação. As dinamizações da vida cultural da colônia e a criação de um público leitor criam algumas das condições necessárias para o florescimento de uma literatura mais consistente e orgânica do que eram as manifestações literárias dos séculos XVII e XVIII.
    5. 5. Particularidades do nosso Romantismo A Independência política, em 1822, desperta na consciência de intelectuais e artistas nacionais a necessidade de criar uma cultura brasileira identificada com suas próprias raízes históricas, linguísticas E culturais. O Romantismo assume em nossa literatura a conotação de um movimento anticolonialista e antilusitano. Portanto, um dos traços essenciais do nosso Romantismo é o nacionalismo, abrindo um leque de possibilidades a serem exploradas: a) o indianismo. b) o regionalismo. c) a pesquisa histórica, folclórica e linguística. d) crítica aos problemas nacionais. Marco inicial do Romantismo no Brasil: Suspiros poéticos e saudadesSuspiros poéticos e saudades (1836), de Gonçalves de Magalhães.
    6. 6. As gerações do Romantismo Primeira geraçãoPrimeira geração Nacionalista, indianista e religiosa. Poetas: Gonçalves Dias e Gonçalves de Magalhães. Segunda geraçãoSegunda geração Marcada pelo mal-do-século, apresenta egocen- trimo exacerbado, pessimismo, satanismo e atração pela morte. Poetas: Álvares de Azevedo, Casimiro de Abreu, Fagundes Varela e Junqueira Freire. Terceira geraçãoTerceira geração Marcada pelo condoreirismo: poesia de cunho político e social. Poeta de maior expressão: Castro Alves.
    7. 7. Gonçalves Dias “ Um projeto de cultura brasileira” (1823 - 1864) Filho de português com uma cafuza, o maranhense fez os primeiros estudos em seu Estado natal e completou-os em Coimbra, onde cursou Direito. De volta ao Brasil (1845), trouxe em sua bagagem boa parte de seus escritos. Fixa-se no Rio de Janeiro, e ali publica sua primeira obra Primeiros contos (1846). Fez várias viagens pelo país, incluindo a Amazônia, tendo chegado a escrever uma Dicionário da Língua tupi. Embora Gonçalves de Magalhães seja considerado o introdutor do romantismo no Brasil, foi, na verdade, Gonçalves Dias quem implantou e solidificou a poesia romântica em nossa literatura.
    8. 8. Gonçalves Dias A obra deobra de Gonçalves DiasGonçalves Dias pode ser considerada a realização dea realização de um verdadeiro projeto de construção da cultura brasileiraum verdadeiro projeto de construção da cultura brasileira. O autor, buscando captar a sensibilidade e os sentimentos decaptar a sensibilidade e os sentimentos de nosso povonosso povo, criou uma poesia voltada para o índio e para a naturezapoesia voltada para o índio e para a natureza brasileira, numa linguagem simples e acessívelbrasileira, numa linguagem simples e acessível. Seus versosversos, tais como os de sua Canção do exílio, são melódicossão melódicos e exploram métricas e ritmos variadose exploram métricas e ritmos variados. Cultivou também poemas religiosos, de fundo panteísta (adoração da natureza como divindade). Sua obra poética apresenta os gêneros lírico e épicoSua obra poética apresenta os gêneros lírico e épico. Na épica,canta os feitos heroicos de índios valorosos que substituem a figura do herói medieval europeu (I-Juca -PiramaI-Juca -Pirama e Os timbirasOs timbiras). Na lírica, os temas mais comuns são a pátria, a natureza, Deus, o índio e o amor não correspondido - em grande parte, decorrente de sua frustrada paixão por Ana Amélia do Vale.
    9. 9. Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá: As aves que aqui gorjeiam, Não gorjeiam como lá Nosso céu tem mais estrelas, Nossas várzeas têm mais flores, Nossos bosques têm mais vida, Nossa vida mais amores. Em cismar sozinho à noite, Mais prazer encontro eu lá; Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá Minha terra tem primores, Que tais não encontro eu cá; Em cismar – sozinho à noite – Mais prazer encontro eu lá; Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá. Não permita Deus que eu morra, Sem que eu volte para lá; Sem que desfrute os primores Que não encontro por cá; Sem qu’inda aviste as palmeiras Onde canta o Sábia. Canção do Exílio – Gonçalves Dias
    10. 10. Este texto é uma espécie de síntese do indianismo de Gonçalves Dias seja pela concepção épico-dramática da bravura e da generosidade de tupis e timbiras, seja pela ruptura, ainda que momentânea, da convencional coragem guerreira, seja ainda pelo belíssimo jogo de ritmos que ocorre no texto. I-Juca Pirama significa "aquele que vai morrer" ou "aquele que é digno de ser morto". Em sua abertura, o poeta apresenta o cenário onde transcorrerá a história: I-JUCA PIRAMA No meio das tabas de amenos verdores, Cercadas de troncos - cobertos de flores, Alteiam-se os tetos de altiva nação. (...) São todos Timbiras, guerreiros valentes! Seu nome lá voa na boca das gentes, Condão de prodígios, de glória e terror!
    11. 11. Em seguida, inicia-se um ritual antropofágico: "Em fundos vasos d'alvacenta argila / ferve o cauim. / Enchem-se as copas, o prazer começa, / reina o festim." O jovem prisioneiro tupi, que vai ser devorado, resolve falar antes do desenlace, e com "triste voz" narra a sua vida desventurada. Ao metro anterior, de dez sílabas poéticas, plástico e alegre, sucedem-se os versos de cinco sílabas, curtos, rápidos, sincopados. Estas variações contínuas indicam que o ritmo varia de uma parte do poema a outra, traduzindo a multiplicidade de situações do argumento.
    12. 12. Meu canto de morte Guerreiros, ouvi: Sou filho das selvas, Nas selvas cresci; Guerreiros, descendo Da tribo tupi Da tribo pujante, Que agora anda errante Por fado inconstante, Guerreiros, nasci: Sou bravo, sou forte, Sou filho do Norte; Meu canto de morte, Guerreiros, ouvi.
    13. 13. O índio tupi no seu canto de morte lembra o velho pai, cego e débil, vagando sozinho, sem amparo pela floresta, e pede para viver: Deixai-me viver! (...) Não vil, não ignavo,* Mas forte, mas bravo, Serei vosso escravo: Aqui virei ter. Guerreiros, não choro; Do pranto que choro; Se a vida deploro, Também sei morrer. * Ignavo: preguiçoso.
    14. 14. O chefe timbira manda soltá-lo. Não quer "com carne vil enfraquecer os fortes". Solto, o jovem tupi perambula pela floresta até encontrar o pai. Este, pelo cheiro das tintas utilizadas no ritual, pelo apalpar do crânio raspado do filho, e por algumas perguntas sem resposta, desconfia de uma terrível fraqueza diante dos inimigos. Pede então que o rapaz o leve até a aldeia timbira. Lá chegando, exige, em nome da honra tupi, que a cerimônia antropofágica ritual seja completada e que o filho seja morto. Mas o chefe timbira recusa-se, acusando o guerreiro tupi de ter chorado covardemente diante de toda a aldeia. Neste momento, o velho cego amaldiçoa o seu descendente:
    15. 15. Tu choraste em presença da morte? Na presença de estranhos choraste? Não descende o cobarde do forte; Pois choraste, meu filho não és! Possas tu, descendente maldito De uma tribo de nobres guerreiros, Implorando cruéis forasteiros, Seres presa de vis Aimorés. (...) Sê maldito, e sozinho na terra; Pois que a tanta vileza chegaste, Que em presença da morte choraste, Tu, cobarde, meu filho não és.
    16. 16. Mal termina a maldição, o velho escuta o grito de guerra do filho. Ouvindo o rumor da batalha, os sons de golpes, o pai percebe que o filho está lutando para manter a honra tupi, até que o chefe timbira manda seus guerreiros pararem, pois o jovem inimigo se batia com tamanha coragem que se mostrava digno do ritual antropofágico. Com lágrimas de alegria o velho tupi exclama: "Este, sim, que é meu filho muito amado!"
    17. 17. Como chave de ouro do poema, ocorre uma transposição temporal no seu último canto. O leitor fica sabendo que os acontecimentos dramáticos vividos pelos dois tupis já tinham ocorrido muito tempo e que tudo aquilo era matéria evocada pela memória de um velho timbira: Um velho timbira, coberto de glória, guardou a memória do moço guerreiro, do velho Tupi! E à noite, nas tabas, se alguém duvidava     do que ele contava, Dizia prudente: - Meninos, eu vi!
    18. 18. Segunda fase: O Ultra-Romantismo “Desinteresse pela vida político-social, retorno a si mesmo, atitude profundamente pessimista diante da vida, tédio, falta de perspectivas, sonho com amores impossíveis, espera da morte.”
    19. 19. O Ultra-Romantismo Nas décadas de 50 e 60 do século XIXdécadas de 50 e 60 do século XIX, forma-se nos meios universitários de São Paulo e Rio de Janeiro um novo grupo de poetas, que vai dar origem à segunda geração da poesia românticasegunda geração da poesia romântica brasileirabrasileira. Esses poetas, na maioria, eram jovens que levavam uma vida desregrada, dividida entre os estudos acadêmicos, o ócio, o caos amoroso e a leitura de obras literárias europeias. Com estilo de Byron e Mussetestilo de Byron e Musset, essa geração caracterizava-secaracterizava-se pelo espírito do “mal-do-século”,pelo espírito do “mal-do-século”, uma onda de pessimismo doentio diante do mundo que se traduzia no apego a certos valores decadentes tais como a bebida, o vício, e na atração pela noite e pela morte. Os ultra-românticos desprezavamdesprezavam certos temas e posturas da primeira geração, como o nacionalismo e o indianismonacionalismo e o indianismo. AcentuavamAcentuavam traços como o subjetivismo, o egocentrismo e o sentimentalismotraços como o subjetivismo, o egocentrismo e o sentimentalismo, ampliando a experiência da sondagem interiorexperiência da sondagem interior e preparando terreno para a investigação psicológica que caracterizará o Realismo.
    20. 20. O medo de amar Quanto ao amor, os ultra-românticos possuem uma visão dualista, que envolve atração e medo, desejo e culpa. Os ultra-românticos temem a realização amorosa. O ideal feminino é normalmente associado a figuras incorpóreas ou assexuadas, como anjo, criança, virgem, etc., e as referências ao amor físico se dão apenas de modo indireto, sugestivo ou superficialmente. No fogo vivo eu me abrasara inteiro! Ébrio e sedento na fugaz vertigem Vil, machucava com meu dedo impuro As pobres flores da grinalda virgem! Vampiro infame, eu sorveria em beijos Toda a inocência que teu lábio encerra, E tu serias no lascivo abraço Anjo enlodado nos pauis da terra Se de ti fujo é que te adoro e muito, És bela - eu moço; tens amor, eu - medo!... Lascivo: sensual pauis: brejo
    21. 21. Álvares de Azevedo É a principal expressão da geração ultra-romântica de nossa poesia. Paulista, fez os estudos básicos no Rio de janeiro e cursava o quinto ano de Direito em São Paulo quando sofreu um acidente, cujas complicações o levaram à morte, aos 20 anos de idade. O escritor cultivou a poesia, a prosa e o teatro. Toda a sua produção - sete livros, discursos e cartas - foi escrita em apenas quatro anos, período em que era estudante universitário. (1831 - 1852)
    22. 22. As faces de Ariel e Caliban A característica intrigante de sua obra reside na articulação consciente de um projeto literário baseado na com tradição, talvez a contradição que ele próprio sentido como adolescente. Esse aspecto é visível nas partes que formam sua principal obra poética: Lira dos vinte anosLira dos vinte anos. A primeira e a terceira partes mostram um Álvares de Azevedo adoles- cente, casto, sentimental e ingênuo. Ele mesmo chama a essas partes de as faces de ArielAriel, isto, é a face do bem. Quando se abre a segunda parte da Lira dos vinte anosLira dos vinte anos, contudo, o leitor depara com um segundo prefácio da obra, com os seguintes dizeres: Cuidado, leitor, ao voltar esta página! Aqui dissipa-se o mundo viosionário e platônico. Vamos entrar num mundo novo (...) Quase que depois de Ariel esbarramos em Caliban. (...) Nos meu lábios onde suspirava a monotonia amorosa, vem a sátira que morde. Com esse comentário o poeta introduz o leitor no mundo de CalibanCaliban, que retratam um mundo decadente, povoado de viciados, bêbados e prostitutas, de andarilhos solitários, sem vínculos e sem destino: Noite na tavernaNoite na taverna e MacárioMacário.
    23. 23.  Lira dos vinte anos ARIEL E CALIBAN  As poesias são escritas sob o signo das entidades místicas Ariel e Caliban, que foram tomadas emprestadas da peça A Tempestade, de William Shakespeare. Pode-se dizer que, grosso modo, Ariel representa a face do bem e Caliban, a do mal. Em Lira dos Vinte Anos , esses personagens encarnam as duas facetas exploradas pelo autor na primeira e na segunda partes do livro.
    24. 24. Lira dos vinte anos Com Ariel estão os temas caros ao Romantismo, como: -o amor, -a mulher, -e Deus. trabalhados num viés platônico e sentimental. A mulher assume caráter sobre-humano de virgem angelical, objeto amoroso de um encontro que, para a angústia do eu lírico, nunca se realiza.
    25. 25. Pálida, à luz da lâmpada sombria,  Sobre o leito de flores reclinada, Como a lua por noite embalsamada, Entre as nuvens do amor ela dormia! Era a virgem do mar, na escuma fria Pela maré das águas embalada! Era um anjo entre nuvens d'alvorada Que em sonhos se banhava e se esquecia! Era mais bela! o seio palpitando Negros olhos as pálpebras abrindo Formas nuas no leito resvalando Não te rias de mim, meu anjo lindo! Por ti - as noites eu velei chorando, Por ti - nos sonhos morrerei sorrindo!
    26. 26. Lira dos vinte anos Caliban Calibam, por sua vez, é a face sarcástica, irônica e autocrítica do fazer poético. Sobressaem os temas: -melancolia, -tristeza, -morbidez e -Satã. A primeira parte recebe uma influência mais idealizada e terna, típica dos franceses Musset e Lamartine; a segunda, irônica e satânica, vem diretamente do poeta Lord Byron. 
    27. 27. Ela! É Ela! É Ela! É Ela! É ela! é ela! murmurei tremendo,  E o eco ao longe murmurou - é ela!  Eu a vi... minha fada aérea e pura -  A minha lavadeira na janela! Dessas águas-furtadas  onde eu moro  Eu a vejo estendendo no telhado  Os vestidos de chita, as saias brancas;  Eu a vejo e suspiro enamorado! Esta noite eu ousei mais atrevido  Nas telhas que estalavam nos meus passos  Ir espiar seu venturoso sono,  Vê-la mais bela de Morfeu nos braços! Como dormia! que profundo sono!...  Tinha na mão o ferro do engomado...  Como roncava maviosa  e pura!...  Quase caí na rua desmaiado! [...]
    28. 28. Noite na Taverna Basicamente, o livro trata de contos macabros revelados pelos diversos personagens que dividem uma mesa na taverna. Enquanto bebem, ele apresentam suas narrativas e revelam os sentimentos mais apaixonados e devassos, por meio de personagens capazes de realizar atos profanos como morte, traição, antropofagia, incesto e suicídio. Por fim, o livro liga todas as narrativas num desfecho igualmente extremo e teatral. Leia mais em:  http://www.baixaki.com.br/download/noite-na-taverna.htm#ixzz3qEVz
    29. 29. Macário Esta é uma peça de teatro de Álvares de Azevedo, passada em dois atos. No primeiro ato o estudante Macário chega a uma taverna para passar a noite e começa a conversar com um estranho. Este estranho revela ser Satã e leva-lhe a uma cidade, possivelmente São Paulo, pois na narrativa não fica muito claro. A cidade era caracterizada pela devassidão, era povoada por prostitutas e estudantes, onde Macário tem uma alucinação envolvendo sua mãe.  Macário, acorda na pensão e a empregada reclama que ele dormiu logo após comer, portanto, é muito provável que tenha tido um pesadelo. Ele acha que foi tudo um sonho, mas ambos veem pegadas de pés de cabra queimadas no chão. 
    30. 30. Macário O segundo ato se passa na Itália e, ao invés de esclarecer a história, acentua a confusão. Macário e outros estudantes aparecem em cena, confusos, deprimidos e em busca do amor puro e virginal. Seu amigo Penseroso acaba matando-se por amor, enquanto Macário está bêbado.  A peça, então, acaba com Macário sendo levado por Satã a uma orgia num bar, que parece ser resíduo do conto Noite na Taverna. Fonte:  http://pt.shvoong.com/entertainment/plays/1658239-mac%C3%A1rio/#

    ×