Bio impedancia

4.452 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Tecnologia, Espiritual
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.452
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
102
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Bio impedancia

  1. 1. Bioimpedância Fabiano Salgueirosa Kelly C. Polli Luis Mascarenhas
  2. 2. Composição Corporal <ul><li>Composição corporal pode se entendida como a quantificação dos principais componentes estruturais do corpo humano. O tamanho e a forma corporais são determinados basicamente pela carga genética e formam a base sobre a qual são dispostos, em proporções variadas, os três maiores componentes estruturais do corpo humano: osso, músculo e gordura. Estes componentes são também as maiores causas da variação na massa corporal. </li></ul>(Malina,1969)
  3. 3. Modelos (Ellis,2000)
  4. 4. Métodos de Avaliação da Composição Corporal (Petroski, 2003)
  5. 5. Histórico <ul><li>As primeiras pesquisas com o propósito científicos da utilização da biopedância para a analise da composição corporal aconteceu no inicio dos anos 80 p Nyboer (1991). </li></ul>Por volta da década de 60, desenvolveu-se o medidor portátil de bioimpedância, útil na estimativa da composição corporal (Carvalho & Pires-Neto, 1999). Fricke (1925) relata a natureza de condutibilidade e de capacitância dos tecidos biológicos.
  6. 6. Pressupostos A bioimpedância baseia-se na analise da estimativa da composição corporal através da condutibilidade e da resistência promovida pelos diversos tecidos corporais a variação da freqüência da corrente elétrica. (Baumgartner, 1996) 1. O formato do corpo humano assemelha-se a um cilindro com comprimento e área de secção transversal uniformes.
  7. 7. <ul><li>Tecidos que contenha mais água e eletrólitos como o fluido cérebro-espinhal, sangue, músculos, são altos condutores elétricos, contudo gordura, ossos, e o ar que preenche alguns espaços do corpo (pulmão) são de alta resistência a corrente elétrica. </li></ul>2. Partindo do pressupostos que o corpo seja um cilindro perfeito, o fluxo de corrente através do corpo é diretamente proporcional ao comprimento do condutor e inversamente proporcional a sua secção transversal. (Heyward & Stolarczyk, 2000)
  8. 8. Conceitos A corrente elétrica sempre flui pelo caminho de menor resistência . Impedância (Z): e´a freqüência que dependente da oposição de condução do fluxo de alternância da corrente eletricidade que é composta de dois fatores a Resistência e a Reatância. Matematicamente : Z = (R 2 + Xc 2 ) 1/2
  9. 9. <ul><li>Resistência (R): é a oposição pura do fluxo da corrente elétrica. </li></ul><ul><li>Reatância (Xc): é uma oposição “imaginária” adicionada que é definida como a recíproca da capacitância ou processo de polarização. (membrana da célula) </li></ul>Matematicamente : Z = (R 2 + Xc 2 ) 1/2
  10. 11. Lei de Ohm’s e´a resistência entre dois pontos em um condutor.
  11. 12. A condutibilidade dos tecidos biológicos é praticamente iônica ou seja as cargas elétricas são transferidas pela ionização dos sais, bases, ácidos dissolvidos no fluido corporal. Portanto a condutibilidade biológica é diretamente proporcional a quantidade do volume de fluido corporal. (Kushner ,1992).
  12. 13. Impedância e MLG no Tronco e Segmentos Bracco et al. (1996)
  13. 14. Tipos de Aparelhos Bipolar Bipolar Tetrapolar
  14. 15. Equações de Estimativa <ul><li>Crianças – Kushner (1992), Lohman (1992). </li></ul><ul><li>Adultos - Tanaka et al. (1992), Segal et al. (1988). </li></ul><ul><li>Idosos – Lohman (1992), Gray et al. (1989). </li></ul><ul><li>Obesos – Gray et al. (1989). </li></ul><ul><li>Atletas – Lukaski (1987), Oppliger et al. (1991). </li></ul>
  15. 16. Equações de Estimativa <ul><li>Crianças – Yonamine & Pires-Neto (2000). </li></ul><ul><li>Universitários – Carvalho & Pires-Neto (1999). </li></ul><ul><li>Marques (2000) validou em amostra brasileira as equações de Stolarczyk et al. (1987) e Lohman (1992) para mulheres adultas. </li></ul>
  16. 17. Procedimentos pré-teste: • Manter-se em jejum pelo menos nas 4 horas que antecedem o teste; • Não realizar atividades físicas extenuantes nas 24 horas anteriores ao teste; • Urinar pelo menos 30 minutos antes do teste; • Não ingerir bebidas alcoólicas nas 48 horas anteriores ao teste; • Não utilizar medicamentos diuréticos nos 7 dias que antecedem o teste. • Permanecer, pelo menos, 5 a 10 minutos deitado em decúbito dorsal, em total repouso antes da execução do teste. (Heyward & Stolarczyk, 2000; Costa, 2001)
  17. 18. Colocação dos Eletrodos
  18. 19. RESUMO DE FATORES QUE AFETAM A MEDIDA DA IMPEDÂNCIA BIOELÉTRICA SM = Sem mudanças a = Valhalla > RJL b = Folicular > pré – menstrual c =Menstrual > folicular d = 14 o C > 35 o C FATOR EFEITO NA RESISTÊNCIA EFEITO NA MLG (kg) REFERÊNCIA Tipo de analisador Valhalla vs. RJL  16 – 18 a  1,0 – 1,3 Graves et al. (1989) Comer ou beber nas últimas 4 h  13 - 17  1,5 Deurenberg et al (1988) Desidratação  40  5,0 Lukaski (1986) Exercício Aeróbico Baixa Intensidade SM SM Deurenberg et al (1988) Moderada a alta intensidade  50 - 70  12,0 Khaled et al (1988) Lukaski (1986) Ciclo menstrual Folicular vs. pré-menstrual  5,8 b SM Gleichauf & Rose (1989) Menstrual vs. folicular  7 c SM Colocação do Eletrodo  10  70 SM 11 Elsen Et al (1985) Lukaski (1986) Configuração do Eletrodo       Ipsilateral Vs. contralateral SM   SM   Lukaski (1986) Lado direito vs. esquerdo SM SM Graves et al. (1989) Temperatura do Ambiente 14 o C vs 35 o C  35 d  2,2 Caton et al (1988)
  19. 20. Vantagens • Não requer um alto grau de habilidade do avaliador. • É confortável e não-invasiva. • Pode ser utilizada na avaliação da composição corporal de indivíduos obesos. • Possui equações específicas a diferentes grupos populacionais. Desvantagens • Depende de grande colaboração por parte do avaliado. • Apresenta custo mais elevado que a outras técnicas duplamente indiretas. • É altamente influenciado pelo estado de hidratação do avaliado. • Nem sempre os equipamentos dispõem das equações adequadas aos indivíduos que pretendemos avaliar. (Heyward & Stolarczyk, 2000; Costa, 2001)
  20. 21. BAUMGARTNER, J. A. Electrical Impedance and Total Body Electrical Conductivity. In: ROCHE, A. F. ; HEYMSFIELG, S. B. & LOHMAN, T. G. Human Body Composition. Human Kinetics Books. Champaign, Illinois, 1996. BRACCO, D. et al. Segmental Body Composition Assessed by Bioeletrical Impedance Analisis and DEXA in Humans. J. Appl. Physiol. 81 (6): 2580-2587, 1996. CARVALHO, A. B. R.; PIRES-NETO, C. S. Composição Corporal Através dos Métodos de Pesagem Hidrostática e Impedância Bioelétrica em Universitários. v.1. n.1. p.18-23., 1999. COSTA, R. F. A Impedância Bioelétrica e Suas Aplicações Para a Educação Física e Áreas Afins. Revista de Educação Física da Cidade de São Paulo . v.1. n. 1. p.43-50, 2000. ELLIS, K. J. Human Body Composition: In Vivo Methods. Physiological Reviews . V.80 n.2, 2000 HEYWARD, V. H.; STOLARCZYK, L. M. Avaliação da Composição Corporal Aplicada. 1. ed. São Paulo: Manole, 2000. KUSHNER, R. F. Bioeléctrical Impedance Analysis: A Review of Principles and Applications. J. Am. Coll. Nutr. 1992, 11 (2), p. 199 - 209. LUKASKI, H. C. Use of the Tetrapolar Bioelectrical Impedance Method to Assess Human Body Composition. in Ed. by Norgan, N. G. Euro-nut report 8, A Concerned action Project on Nutrition in the European Community. Human Body Composition and Fat Distribution. 1985. REFERÊNCIAS
  21. 22. MALINA, R. M. Quantification of fat, muscle and bone. Clinical Orthopaedic and Related Research, v65, p. 9-38, 1969. MARQUES, M. B.; HEYWARD, V.; PAIVA, C. E. Validação Cruzada de Equações de Bio-Impedância em Mulheres Brasileiras por Meio de Absotometria Radiológica de Dupla Energia (DXA). Revista Brasileira de Ciência e Movimento . v.8. n.4. p.14-20, 2000. PETROSKI, É. L. Antropometria: Técnicas e Padronizações. 2 ed. Porto Alegre: Pallotti, 2003. YONAMINE, R. S. Desenvolvimento e validação de modelos matemáticos para estimar a massa corporal magra de meninos, de 12 a 14 anos, por densimetria e impedância bioelétrica. (Tese de Doutorado), UFSM, RS, 2000.

×