Saúde pública – históricos e conceitos

13.842 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
13.842
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
280
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Saúde pública – históricos e conceitos

  1. 1. TAMIRES GRÉGORIO MENEZES VICTOR SAID DOS SANTOS SOUSA VICTÓRIA BEVENUTO CABRALSAÚDE PÚBLICA: HISTÓRICO E CONCEITO SALVADOR
  2. 2. 2 2012A SAÚDE E A DOENÇA NA ANTIGUIDADE – O PENSAMENTOOCIDENTAL E ORIENTAL Antes de compreender o que é a Saúde Pública, sua necessidade para asociedade atual, quais suas funções, as obrigações do governo para com ela, entreoutros conceitos, é de indispensável importância compreender a história,desenvolvimento e a criação da Saúde Pública, objeto indispensável para todas asnações e desenvolvimento prósperos de um povo, física e psicologicamente falando. A compreensão do que vem a ser a Saúde Pública e a criação de um ramoexclusivo de estudo desta é algo recente. Porém desde a Antiguidade tem-se povosque buscavam manter a saúde individual e também de seus grupos. Um dosprimeiros povos que buscava manter a saúde de seu povo era o povo Nômade.Estes viajavam constantemente buscando alimentos, defesa do grupo e tambémpela segurança, pois este estavam constantemente sob ataque de animais, do climae também da escassez de alimentos. O povo nômade ao longo de suas incessantes viagens acabou pordesenvolver uma maior resistência e aptidão física devido ao deslocamentoconstante e contato com os mais diversos tipos de animais, plantas e ambientes.Porém apesar destes povos desenvolverem uma maior resistência, devido aosmotivos já citados, eles também acabaram por contrair doenças não característicasde seu povo, doenças contraídas tanto de outros povos, quanto transmitidas por,também já citados, plantas, animais e ambientes. Tais doenças,assim como todasas contraídas por este povo eram justificadas como sendo algo mágico,sobrenatural, de origem divina. Após o povo nômade instalar-se em um local fixo, essa civilização, assimcomo outras, justificavam as doenças como sendo decorrentes de forças externas,vindas de forças sobrenaturais ou elementos da natureza. O pensamento de que asdoenças eram causadas por elementos sobrenaturais também manteve-se nocristianismo. Mas neste as doenças eram uma punição divina, justa enviada por
  3. 3. 3Deus como forma de penitência de seus pecados. O corpo e a alma eramdominados por um mau espírito, o causador das doenças. Porém este era um pensamento Ocidental, em culturas Orientais como daíndia e China, as doenças eram causadas por um desequilíbrio dos chamados“humores”, este para a cultura ocidental são elementos que fazem parte do corpohumano e que devem estar sempre em harmonia, em equilíbrio. E este estado deequilíbrio denominado de Isomonia, é o que nós chamamos de Saúde, assim paraalguns povos ocidentais possuir Saúde significa estar em harmonia perfeita com osquatro elementos que constituem o corpo, sendo eles: Terra, Fogo, Água e Ar. Já os gregos buscavam justificar as doenças de forma racional, e através desuas buscas desenvolveram a “Medicina Racional” Esta medicina era dividida em:Alcmon, Hipócrates e Galeno. A medicina grega descartava os elementos mágicos edivinos para a doença, elas vinham das seguintes causas: vindas do Ambiente, daSazonalidade, Trabalho e Posição Social. Enquanto na a medicina Grega há muito havia progredido, no início da IdadeMédia a medicina passa a retroceder, agora a função de cura não deve-se mais aosmédicos, o cristianismo promete curar seus fiéis e a estes é dado a retenção e cura.E as doenças mais uma vez passam a ser justificadas como, no caso dos pagãos,como sendo possessão de Lúcifer ou feitiçaria e no caso dos cristãos comopenitência aos pecados, eles estavam sendo purificados. A cura dos enfermos erapor meio de milagres, estes deveriam penitenciar-se, rezando incessantemente pelacura. A o pensamento que a doença e a cura provinham de causas divinasenfraqueceram com o Renascimento Cultural, nesta época a cultura voltara-se paraa razão e ciência, o homem passou a acreditar apenas no que vê e buscandojustificativas para diversos eventos e para tal é desenvolvido a Ciência Experimental.E assim a medicina, como a ciência num todo, progrediu significativamente, emcomparação aos retrocessos já ocorridos ao longo da história. Agora o homembusca justificar racionalmente e de forma prática os eventos, antes nãocompreendidos.
  4. 4. 4CONCEITOS DE SAÚDE PÚBLICA É importante sabermos sobre alguns conceitos que existe na área da saúde,para entendermos o funcionamento dela. Para isso temos que entender,primeiramente, o que seria uma saúde pública e seus objetivos em relação àpopulação. Saúde Pública tem como objetivo nos proporcionar um bem estar físico epsicológico. Para isso ela, através do Governo e do Ministério da Saúde, recebeverbas que são destinadas a construção e melhoria de centros hospitalares públicos,à compra de medicamentos que terão sua distribuição gratuita nos centros médicospúblicos e a realização de concursos públicos para a contratação de médicosespecializados em várias áreas da saúde. Podemos perceber, nesta definição, que a Saúde Pública não está apenasrelacionada à parte social. Ela também engloba a parte política e econômica, que nocaso seriam as ações do Governo juntamente com o Ministério da Saúde. Outro conceito importante para nosso conhecimento na área da saúde ésobre o Ministério da Saúde. O Ministério da Saúde tem como foco principal planejarações que melhorem a qualidade da saúde, que é um direito de todos os cidadãos,independente da classe social. Depois de planejar essas ações, ele, com a ajudadas verbas recebidas do Governo, coloca-às em prática, melhorando os centroshospitalares públicos, efetuando anualmente compra de medicamentos e pagando osalário dos médicos, e entre outras ações. Uma das ações realizadas pelo ministério e que “acaba” com a questão dadesigualdade é a criação do Sistema Único de Saúde, o também chamado SUS. Eletem o objetivo de conceder as pessoas carentes o direito a utilização, de graça, docentro de saúde particular. Dentre essas utilizações se encontra a realização deexames especializados e também atendimentos com especialistas em áreasaprofundadas. Como sabemos é direito de todo cidadão ter uma saúde de qualidade e essasaúde tem que ser disponibilizada, pelo Governo, para todos. Só que não é o queocorre hoje no Brasil. Muitas pessoas que vão aos centros médicos públicos,
  5. 5. 5acabam não conseguindo atendimento adequado e infelizmente acabam, na maioriadas vezes, morrendo na fila de espera para atendimento. No Brasil, o descaso émuito grande. O Governo não planeja ações, juntamente com o Ministério da Saúde,para melhorias da saúde. Prometem, prometem, mas resolver que é bom nada. Issotudo que está sendo descrito reflete na utilização da saúde de hoje. A populaçãoacaba tirando do seu próprio bolso para garantirem atendimento de qualidade noscentros médicos particulares e garantirem a compra de medicamentos, que namaioria das vezes não tem nos hospitais públicos. Então essa é a situação da nossa saúde pública e esses foram os conceitosimportantes para nosso conhecimento e para o nosso entendimento sobre saúde. Saúde Pública: Tem por objetivo cuidar do bem estar físico e psicológico deuma população. Para isso disponibilizam, principalmente à população carente,centros de saúde pública com medicamentos de graça e médicos para todas asáreas de saúde, como por exemplo, cardiologista. Mas esses procedimentos só sãorealizados a partir de um financiamento do Governo que apresenta um Ministériopara a parte de saúde. Daí entra a parte econômica e política da saúde pública.Apesar de ela ser voltada ao “ramo” social, existe a parte política e econômica, nocaso o Governo. Será ele que disponibilizará a verba destinada à saúde. Ministério da Saúde: É um órgão responsável por administrar e elaborarnosso sistema de saúde, visando oferecer melhor qualidade na saúde da população.Essa administração é feita a partir da verba enviada pelo Governo e essa verba édestinada a compra de medicamentos, ao pagamento do salário dos médicos e amelhoria dos hospitais públicos. O Ministério da Saúde realiza planejamentos que beneficiam a população, jáque isso é direito de todos. Colocamos como exemplo prático o Sistema Único deSaúde, o SUS, que garante à pessoa física, no caso a população, o direito aatendimentos, de graça, em centros de saúde particulares. SUS: O Sistema Único de Saúde tem como objetivo permitir que pessoascarentes encontrem auxilio médico, de graça, em centros médicos particulares. Daívem à questão da igualdade que a Constituição de LEI Nº 8.080, DE 19 DESETEMBRO DE 1990, sobre a saúde, nos informa. Esse sistema nos ajuda em
  6. 6. 6relação a exames que não podem ser realizados nos centros públicos, em consultasespecializadas que não são realizados, na maioria das vezes, nos centros públicos eentres outras necessidades que só podemos realizar em centros particulares. Seesse sistema não existisse muito provavelmente a gente pagaria todas essasconsultas, todos os exames realizados e entre outros serviços. Mas não podemosesquecer que esse sistema algumas vezes passa por problemas que precisamurgentemente ser solucionados para que não tenha um índice muito alto de óbitos. Utilização da Saúde Pública: A saúde pública hoje está sendo utilizada,mas a maioria das pessoas prefere pagar, em centros de saúde particular, peloatendimento, do que passar pelo sufoco de um parente seu vim a óbito. Essepensamento ocorre porque a saúde pública está passando por vários problemas quenão estão sendo solucionados pelo Ministério da Saúde e pelo Governo. A maioriadestes problemas está relacionada com o atendimento precário, a falta demedicamentos, forçando a população a comprar nas farmácias mais próximas desua casa, e a falta de médicos.SUS - UM DIREITO QUE NOS É NEGADO Com a criação do Ministério da Saúde em 1953, o povo começou a acreditarque em breve teriam um sistema de saúde digno de primeiro mundo. Porém, com opassar dos anos, viram essa fantasia se esvair rapidamente. O principal motivo defato é a negligência já que o sistema único de saúde, que foi implementada em 1988continua, em 2012 tão desorganizado quanto era quando foi criado, há 24 anos outalvez esteja pior, já que agora não falta somente organização. Faltam agoraequipamentos, leitos hospitalares e principalmente médicos e equipesespecializadas no tratamento dos pacientes. Uma coisa é o que eles dizem quefazem, isto é: propaganda, prevenção e atendimento médico de qualidade, e outracompletamente diferente é a realidade que são filas enormes para conseguirsomente 100 fichas para poder ser atendido, o que deixa a maioria da população noolho da rua, doente sem ser atendida.
  7. 7. 7 Quem mais sofre com isso é o povo que acorda durante a madrugada parapegar a fila sem ter a certeza de que serão realmente atendidos, e caso sejamatendidos se esse atendimento será de qualidade com garantia de que não serãoenviados a outra fila como, por exemplo, a fila de transplante, na qual se morreantes que o órgão chegue para a cirurgia, como em um caso que não veio a públicode um homem que era o primeiro da fila, porém morreu uma semana antes de que oseu transplante fosse realizado. Todavia de acordo com a definição, o ministério da saúde tem como funçãoreceber a verba e distribuir entre os órgãos públicos garantindo assim a manutençãode equipamentos e a especialização de mão de obra garantindo assim o modeloideal de saúde, mas na teoria tudo é fácil, e na pratica que se descobrem osproblemas que no caso do Brasil são o enriquecimento ilícito, a impunidade, odesvio de verba, caixa dois e quantos números mais der para por aumentando assimo lucro pessoal, o aumento de mais de 60% no salário dos senadores e os 32ministros dos quais 10 já caíram nas malhas da lei, que de vez em quando aquinesse país faz jus ao ditado “Tarda, mas não falha”. Com isso os resultados são quase instantâneos e se forma uma populaçãocom saúde prejudicada, pois as únicas coisas que o governo se esforça em se fazersaber são as campanhas de vacinação e os hospitais para quando se está doente.Volta e meia aparece também uma campanha estimulando o uso de camisinha, eessa é uma das maiores campanhas do ministério, causando assim uma diminuiçãodos casos de HIV já que há um aumento no uso de métodos de proteção para asDST’s. Todos esses problemas não querem dizer que o Brasil não tem evoluído emsaúde, pois vem aumentando bastante as tecnologias para tais hospitais, porémainda se está longe do ideal, e somente quando pararem de considerar o pacientecomo algo bem menos valioso do que um número é para este país teremos umasaúde pública de qualidade.
  8. 8. 8REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICASMINISTÉRIO DA SAÚDE. Avaliação Normativa do Programa Saúde da Famíliano Brasil. Brasília: Editora MS, 2004.SCLIA, Moacyr. História e Conceito de Saúde. Disponível em:<www.ebah.com.br>. Acessado em: 10 de março de 2012.POLIGNANO, Marcus Vinícius. História das Políticas de Saúde no Brasil: UmaPequena Revisão. Disponível em: <www.medicina.ufmg.br>. Acessado em: 10 deMarço de 2012.CASA OSWALDO CRUZ (COC) – Memória da Tuberculose Disponível em:<www.coc.fiocruz.br>. Acesso em: 10 de março 2012.FINKELMAN, Jacobo. Caminhos da Saúde Pública no Brasil. Editora Fio Cruz,2002.

×