SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
Baixar para ler offline
Viaje por todo o mundo. Leia!
Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto.
9 788576 941552
O Rei dos
O Rei dos
Canudinhos
Canudinhos
Histórias do SUl
Histórias do SUl
O REI DOS CANUDINHOS
Autor
Sandra Aymone
Coordenação editorial
Sílnia N. Martins Prado
Ilustração
Pierre Trabbold
Revisão de texto
Marcos Marcionilo
Diagramação
Linea Creativa
Realização
Fundação ducar DPaschoal
E
www.educardpaschoal.org.br
Fone: (19) 3728 8129
Esta coleção é uma homenagem ao nosso querido
colega Mateus, idealizador do projeto.
Sobre a Fundação Educar D aschoal
P
A Fundação Educar DPaschoal – investimento social do grupo DPaschoal – foi criada há 18 anos com o objetivo
de estimular pessoas a adotarem a educação para a cidadania como estratégia de transformação social e
econômica.
Em oito anos, por meio do projeto "Leia Comigo!", já editou 30 milhões de livros infantis distribuídos gratuitamente
a escolas públicas, organizações sociais e bibliotecas. Mais que isso, este projeto preocupa-se com um conteúdo
que estimule o gosto pela leitura, reforce valores e incentive a atitude cidadã.
Com a "Academia Educar", promove o desenvolvimento de jovens do Ensino Médio, tendo a escola pública como
centro de cidadania na comunidade; e com o projeto "Trote da Cidadania", forma futuros líderes socialmente
responsáveis, que utilizam sua energia para a mobilização universitária.
Esta obra foi impressa na Gráfica Editora Modelo Ltda.
em papelcartão Art Premium Tech (capa) e papel Alta Alvura (miolo),
produzidos pela Suzano Papel e Celulose a partir de florestas renováveis de eucalipto.
Cada árvore foi plantada para este fim. Esta é a 6ª edição, 1ª reimpressão,
datada de 2008, com tiragem de 18.000 exemplares.
Agradecemos aos nossos parceiros a colaboração na distribuição destes livros:
Argius Transportes Ltda., Atlas Translog, Hiperion Logística, Reunidas Catarinense,
RTE Rodonaves, Transportadora Capivari Ltda.,Transportadora JPN Ltda.,TRN Pavan.
A tiragem e a prestação de contas referentes a esta
publicação foram conferidas pela Deloitte.
Sandra Aymone
O Rei dos
O Rei dos
Canudinhos
Canudinhos
Histórias do SUl
Mateus estava brincando com o Valente, seu caminhão de
brinquedo, quando ouviu o barulho do Bruto estacionando na
frente de casa.
Bruto era como o pai, caminhoneiro, chamava seu caminhão de
verdade. Eles estavam chegando de mais uma de suas viagens.
Mateus correu e pulou no seu colo.
Fernando apertou o menino nos braços, dizendo:
E então, guri, que tal?
Mateus não entendeu e o pai explicou:
Estou voltando do Rio Grande do Sul, a terra dos gaúchos.
Lá, eles chamam menino de guri!
?
?
2
Cida, sua mulher, também veio correndo abraçá-lo e
aproveitou para fazer as perguntas de sempre:
Usou cinto de segurança? Parou num posto para dormir
todas as vezes que sentiu sono?
Claro, meu bem! Tomo todos os cuidados pra poder voltar
sempre inteirinho pra vocês! respondeu Fernando, sorrindo
e dando-lhe um beijo. Depois de tomar um banho e almoçar,
sentou-se em sua poltrona, pronto para satisfazer a
curiosidade do filho, que queria ouvir as histórias da viagem.
?
?
?
3
?
? ?
Fui levar uma carga de café até Bagé, lá na fronteira com o
Uruguai e voltei trazendo arroz. começou a contar Quando
passei pela capital, Porto Alegre, parei para encher o tanque e
quem é que eu vejo no posto? O meu colega Jorge! Ele disse que
aquele era o dia da festa de Nossa Senhora dos Navegantes.
Checamos se aquele posto era seguro para deixar o caminhão
dele. O Jorge é meio cabeça de vento! Imagine que quase
deixou os documentos dentro do caminhão! Se não fosse eu pra
lembrar... Aí fomos no Bruto, ver a festa.
4
? ? ?
? ? .
?
Eu nunca tinha visto tanta gente junta! continuou Fernando
Tinha mais de cem barcos no Rio Guaíba, cada um com um
enfeite diferente! Dizem que essa é uma das maiores festas
populares do Brasil.
Conte como os gaúchos falam! pediu Mateus
O gaúcho tem uma linguagem toda própria. Se uma coisa é
muito curta, eles dizem: “É mais curto que coice de porco!”.
Caso contrário, “É mais comprido que bombacha de gringo”.
Mateus riu e quis saber o que era bombacha.
5
Fernando pegou um folheto que tinha trazido, onde havia
desenhos do “gaúcho” e da “prenda” (que é como eles chamam
as mulheres) em seus trajes típicos. Explicou:
As bombachas são essas calças largas, apertadas acima dos
tornozelos. Eles também usam a guaiaca que é um cinturão
largo de couro com bolsos. Têm esporas nas botas e chapéu
de abas largas. A prenda usa vestido de chita e um lenço
amarrado no pescoço. Na campanha, que é como eles chamam
a zona rural, ainda se vê muita gente com essas roupas. Eles
se vestem assim também nas festas.
?
6
Cida, a mãe de Mateus, se aproximou e acrescentou:
Gaúcho adora dançar!
Lá em Bagé eu vi uma apresentação de Chula, que é dançada só
por homens. lembrou Fernando Vocês precisam ver! Eles
colocam uma lança no chão e cada dançarino fica numa ponta. Um
de cada vez, eles fazem uns passos superdifíceis, de uma ponta até
a outra da lança. É um desafio de habilidade, mais ou menos assim...
Fernando colocou um guarda-chuva no chão e começou a sapatear
ao longo dele, muito desajeitado. Cida e Mateus deram muita
risada. Num instante o “dançarino” caiu exausto na poltrona.
?
?
? ?
7
?
? ?
? ? ?
? ?
O Rio Grande do Sul é interessante porque do mesmo jeito
que conserva tradições antigas, é um estado bem moderno!
Sabiam que os gaúchos são os maiores fabricantes de calçados
do Brasil?
Ouvi dizer que eles exportam calçados para muitos países.
acrescentou Cida.
É verdade. confirmou Fernando E também são nossos
maiores produtores de soja e arroz! Além disso, possuem
grandes rebanhos de gado, de carneiros, aves e porcos.
Você comeu muito churrasco lá, pai? quis saber Mateus.
8
?
? ?
?
Ah, se comi! Até demais! Que delícia!
E você aprendeu alguma história nova? cobrou o menino.
Os gaúchos têm muitas lendas. Dessa vez, fiquei conhecendo a
da Mãe do Ouro. Dizem que muito tempo atrás, havia um grande
número de garimpeiros procurando ouro no leito dos rios lá do
Sul. Um deles era um senhor já bem velhinho, chamado Pai
Antônio. Já tinha um tempão que o coitado não conseguia
encontrar nem um farelinho de ouro e, como era muito pobre,
não sabia mais o que fazer. Certo dia, triste e desanimado, saiu
andando sem rumo pela mata. De repente, viu na sua frente uma
mulher muito linda, com uma cabeleira cor de fogo.
9
? Ao saber o motivo da sua tristeza, ela disse a ele: “Eu sou a Mãe
do Ouro! Não chore mais. Vá comprar três fitas, uma azul, uma
vermelha e uma amarela, e também um espelho”. Mais que
depressa ele trouxe o que ela havia pedido. Depois de enfeitar os
cabelos com as fitas, a Mãe do Ouro pediu que Pai Antônio a
seguisse. Parou num lugar do rio, e começou a ficar transparente
até sumir. A última coisa que ele viu foram os cabelos de fogo e as
fitas. Uma voz disse, de lá da água: “Trabalhe e será
recompensado!”. Na hora, Pai Antônio começou a trabalhar.
Naquele dia ele encontrou mais ouro do que todos os garimpeiros
juntos tinham achado em um ano inteiro!
10
Mateus adorou a história e quis saber mais.
Fernando contou também que todo gaúcho gosta muito de
tomar chimarrão, e que ele também acabou gostando dessa
bebida. Ela é feita com uma planta chamada erva-mate e
servida muito quente, sem açúcar. Mateus se encantou com
os objetos que o pai tinha trazido para tomar chimarrão em
casa: o recipiente era uma cuia marrom, num suporte
metálico. O mais bonito, no entanto, era o canudo por onde se
suga o mate. De metal prateado e brilhante, com enfeites em
relevo, ele tinha uma ponta achatada e a outra cheia de
furinhos, como um coador.
Se isso é mesmo um canudinho, só pode ser o Rei dos
Canudinhos! pensou Mateus.
?
?
11
12
Quando o pai foi descansar um pouco, o menino pegou o
objeto e mais um pacote de canudinhos de plástico, colocou
tudo no Valente e decidiu levá-los para inventar o Planeta dos
Canudinhos, onde todos os habitantes e objetos eram feitos
com canudinhos de refresco...
No fim da tarde, Fernando sentiu vontade de tomar chimarrão
e foi colocar água no fogo. Pegou o pacote de erva-mate, mas quando
foi atrás dos apetrechos, só achou a cuia. Chamou pela esposa:
Cida! Você viu a bomba que eu trouxe? Não consigo encontrar!
?
Mateus, que brincava no quarto,
escutou Fernando e levou um susto!
Seu pai tinha uma bomba! Será que era uma bomba
atômica? E ela tinha sumido! Caramba, e se explodisse?
O menino falou para o Valente:
Missão urgente! Precisamos achar essa bomba antes dela explodir!
Já sei! Vamos colocar na janela um espelho e umas fitas coloridas
para a Mãe do Ouro! Se ela ajuda a encontrar ouro, uma bomba não
vai ser difícil!
Dizendo isso, pediu à sua mãe os objetos. Pensando que era para
alguma brincadeira, dona Cida emprestou.
Na casa, todos procuravam a tal “bomba”. Até Liloca, a filha da
vizinha, que tinha vindo pedir um pouco de fermento, entrou na
dança.
?
13
A menina entrou no quarto de Mateus e viu o espelho e
as fitas na janela. Perguntou:
Que é isso, promessa?
Não. É pra Mãe do Ouro. respondeu Mateus, completando
Ela ajuda a achar coisas...
Ih, não tenho tempo pra história! disse a menina, se fazendo
de importante Você não viu a tal bomba do seu pai?
Enquanto falava, olhava em torno, até que viu a bomba de
chimarrão (o “canudo”) na carroceria do Valente.
Pela descrição, deve ser aquilo lá! disse Liloca, indo até o
objeto e pegando-o sem a menor cerimônia A sua Mãe do Ouro
ajudou mesmo!
E saiu com a bomba na mão, anunciando seu achado.
?
? ? ?
? ?
?
? ?
?
14
Então, aquele canudo era uma bomba disfarçada!? Mateus saiu
correndo atrás da menina, gritando:
Cuidado! Pode explodir!
Agarrou Liloca por trás e os dois foram para o chão, no maior
tombo! Mateus fechou os olhos e tapou os ouvidos esperando a
explosão...
Ao verem a cena, Fernando e Cida não entenderam nada. E
quando finalmente compreenderam a confusão da bomba, foi
difícil conter o riso!
Cida falou para o filho:
Querido, o nome disso é bomba, mas não é de explodir! Bomba
pode ser um monte de coisas. Igual a manga, que pode ser de
camisa e uma fruta!
?
?
15
Com vergonha do seu engano, Mateus emburrou. Não havia
quem conseguisse conversar com ele, que só aceitava a
companhia do Valente.
Mais uma vez, a Liloca entrou na história. Dizendo que ia dar
um jeito, pediu um dinheirinho ao Fernando, e disse que ia ali e
já voltava.
Pouco tempo depois, Fernando quase não acreditou quando
ouviu Mateus e Liloca conversando e dando risadas. Aproximou-
se e chamou Cida com o dedo para ver a cena: as duas crianças
estavam sentadas no chão do quarto, comendo doces.
Mateus viu os pais na porta, mostrou um doce e falou:
Olha! Descobri outra bomba que não explode! E essa é de
chocolate!...
?
16
Algumas curiosidades sobre o Rio Grande do Sul:
Antes da colonização portuguesa, os campos do Rio Grande do
Sul eram ocupados por três grupos indígenas: o gê ou tapuia, o
pampeano (charrua ou minuano) e o guarani.
Entre as lendas gaúchas, além da Mãe de Ouro, são muito
conhecidas também a do Boitatá e de Sepé Tiaraju, um índio
heróico que defendeu seu povo contra os portugueses, nas
lutas pela posse da terra.
Tendo encontrado clima propício, os imigrantes italianos
introduziram o cultivo da uva no Estado, a partir de 1875.
Hoje, a região da Serra Gaúcha é a maior produtora de vinho
do País.
No século XIX, aconteceram várias rebeliões no Estado.
A mais longa delas foi a Guerra dos Farrapos, que
durou dez anos.
O chimarrão, feito de mate
amargo, servido quente é, para
o gaúcho, o símbolo da paz, da
concórdia e da fraternidade.
Tradicionalmente é tomado em
grupo numa única cuia e pela
mesma bomba.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

12.24 oficina dos brinquedos
12.24   oficina dos brinquedos12.24   oficina dos brinquedos
12.24 oficina dos brinquedos
Sílvia Bastos
 
A Galinha Que Sabia Ler
A Galinha Que Sabia LerA Galinha Que Sabia Ler
A Galinha Que Sabia Ler
Graça Sousa
 

Mais procurados (16)

4 projetos sobre bondade
4 projetos sobre bondade4 projetos sobre bondade
4 projetos sobre bondade
 
O gato que fugiu do museu
O gato que fugiu do museuO gato que fugiu do museu
O gato que fugiu do museu
 
27 folclore
27 folclore27 folclore
27 folclore
 
Chapeuzinho de palha e o primeiro livro_ Livro ampliado para baixa visão
Chapeuzinho de palha e o primeiro livro_ Livro ampliado para baixa visãoChapeuzinho de palha e o primeiro livro_ Livro ampliado para baixa visão
Chapeuzinho de palha e o primeiro livro_ Livro ampliado para baixa visão
 
A gritadeira
A gritadeiraA gritadeira
A gritadeira
 
Folclore
FolcloreFolclore
Folclore
 
Cumbuca ouro web
Cumbuca ouro webCumbuca ouro web
Cumbuca ouro web
 
Chegadas e despedidas
Chegadas e despedidasChegadas e despedidas
Chegadas e despedidas
 
Muito mais que um jardim
Muito mais que um jardimMuito mais que um jardim
Muito mais que um jardim
 
Sugestões de problemas criados a partir do gênero.
Sugestões de problemas criados a partir do gênero.Sugestões de problemas criados a partir do gênero.
Sugestões de problemas criados a partir do gênero.
 
Coleção Valores para mudar o mundo: Livro Fadas ou Borboletas
Coleção Valores para mudar o mundo: Livro Fadas ou BorboletasColeção Valores para mudar o mundo: Livro Fadas ou Borboletas
Coleção Valores para mudar o mundo: Livro Fadas ou Borboletas
 
3 perguntas do rei
3 perguntas do rei3 perguntas do rei
3 perguntas do rei
 
12.24 oficina dos brinquedos
12.24   oficina dos brinquedos12.24   oficina dos brinquedos
12.24 oficina dos brinquedos
 
Projeto Recontando Histórias
Projeto Recontando HistóriasProjeto Recontando Histórias
Projeto Recontando Histórias
 
A Galinha Que Sabia Ler
A Galinha Que Sabia LerA Galinha Que Sabia Ler
A Galinha Que Sabia Ler
 
2010 2011 ursitos]
2010 2011 ursitos]2010 2011 ursitos]
2010 2011 ursitos]
 

Semelhante a 52 rei dos canudos para site1

As estradas de couro - uma história sobre simplicidade
As estradas de couro - uma história sobre simplicidadeAs estradas de couro - uma história sobre simplicidade
As estradas de couro - uma história sobre simplicidade
Marisa Seara
 
ADIVINHE O QUE É... FOLCLORE ( Fundação Educar)
ADIVINHE O QUE É... FOLCLORE ( Fundação Educar)ADIVINHE O QUE É... FOLCLORE ( Fundação Educar)
ADIVINHE O QUE É... FOLCLORE ( Fundação Educar)
Nádia Rabelo
 
F. educar adivinhe o que é... folclore
F. educar   adivinhe o que é... folcloreF. educar   adivinhe o que é... folclore
F. educar adivinhe o que é... folclore
Nádia Rabelo
 
Leitura recreativa do livro «os sapatos do pai natal», de josé fanha, pelo 5.º h
Leitura recreativa do livro «os sapatos do pai natal», de josé fanha, pelo 5.º hLeitura recreativa do livro «os sapatos do pai natal», de josé fanha, pelo 5.º h
Leitura recreativa do livro «os sapatos do pai natal», de josé fanha, pelo 5.º h
becreluisdeloureiro
 
12.23 entrevista com o pai natal
12.23   entrevista com o pai natal12.23   entrevista com o pai natal
12.23 entrevista com o pai natal
Sílvia Bastos
 
Uma aventura na terra dos direitos
Uma aventura na terra dos direitosUma aventura na terra dos direitos
Uma aventura na terra dos direitos
ermelinda mestre
 

Semelhante a 52 rei dos canudos para site1 (20)

De volta para o para
De volta para o paraDe volta para o para
De volta para o para
 
As estradas de couro - uma história sobre simplicidade
As estradas de couro - uma história sobre simplicidadeAs estradas de couro - uma história sobre simplicidade
As estradas de couro - uma história sobre simplicidade
 
Livro a5
Livro a5Livro a5
Livro a5
 
Livro a5
Livro a5Livro a5
Livro a5
 
Os direitos das crianças
Os direitos das criançasOs direitos das crianças
Os direitos das crianças
 
Uma Aventura na Terra dos Direitos, de Paula Guimarães
Uma Aventura na Terra dos Direitos, de Paula GuimarãesUma Aventura na Terra dos Direitos, de Paula Guimarães
Uma Aventura na Terra dos Direitos, de Paula Guimarães
 
Jornal Fala Zezinho - 1ª edição - Suplemento especial Jornal Fala José - 4ª e...
Jornal Fala Zezinho - 1ª edição - Suplemento especial Jornal Fala José - 4ª e...Jornal Fala Zezinho - 1ª edição - Suplemento especial Jornal Fala José - 4ª e...
Jornal Fala Zezinho - 1ª edição - Suplemento especial Jornal Fala José - 4ª e...
 
Livro armazem colombo parte
Livro armazem colombo parteLivro armazem colombo parte
Livro armazem colombo parte
 
ADIVINHE O QUE É... FOLCLORE ( Fundação Educar)
ADIVINHE O QUE É... FOLCLORE ( Fundação Educar)ADIVINHE O QUE É... FOLCLORE ( Fundação Educar)
ADIVINHE O QUE É... FOLCLORE ( Fundação Educar)
 
27 folclore
27 folclore27 folclore
27 folclore
 
Beto brrasil em adivinhe o que é... folclore
Beto brrasil em adivinhe o que é... folcloreBeto brrasil em adivinhe o que é... folclore
Beto brrasil em adivinhe o que é... folclore
 
F. educar adivinhe o que é... folclore
F. educar   adivinhe o que é... folcloreF. educar   adivinhe o que é... folclore
F. educar adivinhe o que é... folclore
 
Hora do conto
Hora do contoHora do conto
Hora do conto
 
Leitura recreativa do livro «os sapatos do pai natal», de josé fanha, pelo 5.º h
Leitura recreativa do livro «os sapatos do pai natal», de josé fanha, pelo 5.º hLeitura recreativa do livro «os sapatos do pai natal», de josé fanha, pelo 5.º h
Leitura recreativa do livro «os sapatos do pai natal», de josé fanha, pelo 5.º h
 
A historia que_mora_nas_coisas_web
A historia que_mora_nas_coisas_webA historia que_mora_nas_coisas_web
A historia que_mora_nas_coisas_web
 
Vila criança
Vila criançaVila criança
Vila criança
 
10 sonhos de_natal
10 sonhos de_natal10 sonhos de_natal
10 sonhos de_natal
 
Adivinhe o que é folclore - livro de atividades
Adivinhe o que é folclore - livro de atividadesAdivinhe o que é folclore - livro de atividades
Adivinhe o que é folclore - livro de atividades
 
12.23 entrevista com o pai natal
12.23   entrevista com o pai natal12.23   entrevista com o pai natal
12.23 entrevista com o pai natal
 
Uma aventura na terra dos direitos
Uma aventura na terra dos direitosUma aventura na terra dos direitos
Uma aventura na terra dos direitos
 

Mais de Vanessa Reis (20)

Lápis cor de pele
Lápis cor de peleLápis cor de pele
Lápis cor de pele
 
A bruxa e o caldeirão josé leon machado
A bruxa e o caldeirão josé leon machadoA bruxa e o caldeirão josé leon machado
A bruxa e o caldeirão josé leon machado
 
001casafeia
001casafeia001casafeia
001casafeia
 
19 livro o grande dia
19 livro  o grande dia19 livro  o grande dia
19 livro o grande dia
 
48 juca brasileiro e o hino nacional
48 juca brasileiro e o hino nacional48 juca brasileiro e o hino nacional
48 juca brasileiro e o hino nacional
 
17 livro felizborboletas
17 livro felizborboletas17 livro felizborboletas
17 livro felizborboletas
 
001casafeia
001casafeia001casafeia
001casafeia
 
23 a voz_da_estrela pdf
23 a voz_da_estrela pdf23 a voz_da_estrela pdf
23 a voz_da_estrela pdf
 
Bruna e a galinha dangola
Bruna e a galinha dangolaBruna e a galinha dangola
Bruna e a galinha dangola
 
A bruxa esbrenhuxa
A bruxa esbrenhuxaA bruxa esbrenhuxa
A bruxa esbrenhuxa
 
A caracol sonhadora
A caracol sonhadoraA caracol sonhadora
A caracol sonhadora
 
De hora em hora ruth rocha
De hora em hora   ruth rochaDe hora em hora   ruth rocha
De hora em hora ruth rocha
 
Cerno do futuro hist e geo
Cerno do futuro hist e geoCerno do futuro hist e geo
Cerno do futuro hist e geo
 
Manual de alfabetizacao
Manual de alfabetizacaoManual de alfabetizacao
Manual de alfabetizacao
 
Ficha de leitura 2
Ficha de leitura 2Ficha de leitura 2
Ficha de leitura 2
 
Fichas de leitura 1
Fichas de leitura 1Fichas de leitura 1
Fichas de leitura 1
 
Textos coloridos para leitura pdf
Textos coloridos para leitura   pdfTextos coloridos para leitura   pdf
Textos coloridos para leitura pdf
 
Livro assim assado
Livro assim assadoLivro assim assado
Livro assim assado
 
Matilde vai para o jd da infancia
Matilde vai para o jd da infanciaMatilde vai para o jd da infancia
Matilde vai para o jd da infancia
 
Malala a menina que queria ir para a escola
Malala a menina que queria ir para a escolaMalala a menina que queria ir para a escola
Malala a menina que queria ir para a escola
 

Último

Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
andreaLisboa7
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
sfwsoficial
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 

Último (20)

HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 

52 rei dos canudos para site1

  • 1. Viaje por todo o mundo. Leia! Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto. 9 788576 941552 O Rei dos O Rei dos Canudinhos Canudinhos Histórias do SUl Histórias do SUl
  • 2. O REI DOS CANUDINHOS Autor Sandra Aymone Coordenação editorial Sílnia N. Martins Prado Ilustração Pierre Trabbold Revisão de texto Marcos Marcionilo Diagramação Linea Creativa Realização Fundação ducar DPaschoal E www.educardpaschoal.org.br Fone: (19) 3728 8129 Esta coleção é uma homenagem ao nosso querido colega Mateus, idealizador do projeto. Sobre a Fundação Educar D aschoal P A Fundação Educar DPaschoal – investimento social do grupo DPaschoal – foi criada há 18 anos com o objetivo de estimular pessoas a adotarem a educação para a cidadania como estratégia de transformação social e econômica. Em oito anos, por meio do projeto "Leia Comigo!", já editou 30 milhões de livros infantis distribuídos gratuitamente a escolas públicas, organizações sociais e bibliotecas. Mais que isso, este projeto preocupa-se com um conteúdo que estimule o gosto pela leitura, reforce valores e incentive a atitude cidadã. Com a "Academia Educar", promove o desenvolvimento de jovens do Ensino Médio, tendo a escola pública como centro de cidadania na comunidade; e com o projeto "Trote da Cidadania", forma futuros líderes socialmente responsáveis, que utilizam sua energia para a mobilização universitária. Esta obra foi impressa na Gráfica Editora Modelo Ltda. em papelcartão Art Premium Tech (capa) e papel Alta Alvura (miolo), produzidos pela Suzano Papel e Celulose a partir de florestas renováveis de eucalipto. Cada árvore foi plantada para este fim. Esta é a 6ª edição, 1ª reimpressão, datada de 2008, com tiragem de 18.000 exemplares. Agradecemos aos nossos parceiros a colaboração na distribuição destes livros: Argius Transportes Ltda., Atlas Translog, Hiperion Logística, Reunidas Catarinense, RTE Rodonaves, Transportadora Capivari Ltda.,Transportadora JPN Ltda.,TRN Pavan. A tiragem e a prestação de contas referentes a esta publicação foram conferidas pela Deloitte. Sandra Aymone O Rei dos O Rei dos Canudinhos Canudinhos Histórias do SUl
  • 3. Mateus estava brincando com o Valente, seu caminhão de brinquedo, quando ouviu o barulho do Bruto estacionando na frente de casa. Bruto era como o pai, caminhoneiro, chamava seu caminhão de verdade. Eles estavam chegando de mais uma de suas viagens. Mateus correu e pulou no seu colo. Fernando apertou o menino nos braços, dizendo: E então, guri, que tal? Mateus não entendeu e o pai explicou: Estou voltando do Rio Grande do Sul, a terra dos gaúchos. Lá, eles chamam menino de guri! ? ? 2 Cida, sua mulher, também veio correndo abraçá-lo e aproveitou para fazer as perguntas de sempre: Usou cinto de segurança? Parou num posto para dormir todas as vezes que sentiu sono? Claro, meu bem! Tomo todos os cuidados pra poder voltar sempre inteirinho pra vocês! respondeu Fernando, sorrindo e dando-lhe um beijo. Depois de tomar um banho e almoçar, sentou-se em sua poltrona, pronto para satisfazer a curiosidade do filho, que queria ouvir as histórias da viagem. ? ? ? 3
  • 4. ? ? ? Fui levar uma carga de café até Bagé, lá na fronteira com o Uruguai e voltei trazendo arroz. começou a contar Quando passei pela capital, Porto Alegre, parei para encher o tanque e quem é que eu vejo no posto? O meu colega Jorge! Ele disse que aquele era o dia da festa de Nossa Senhora dos Navegantes. Checamos se aquele posto era seguro para deixar o caminhão dele. O Jorge é meio cabeça de vento! Imagine que quase deixou os documentos dentro do caminhão! Se não fosse eu pra lembrar... Aí fomos no Bruto, ver a festa. 4 ? ? ? ? ? . ? Eu nunca tinha visto tanta gente junta! continuou Fernando Tinha mais de cem barcos no Rio Guaíba, cada um com um enfeite diferente! Dizem que essa é uma das maiores festas populares do Brasil. Conte como os gaúchos falam! pediu Mateus O gaúcho tem uma linguagem toda própria. Se uma coisa é muito curta, eles dizem: “É mais curto que coice de porco!”. Caso contrário, “É mais comprido que bombacha de gringo”. Mateus riu e quis saber o que era bombacha. 5
  • 5. Fernando pegou um folheto que tinha trazido, onde havia desenhos do “gaúcho” e da “prenda” (que é como eles chamam as mulheres) em seus trajes típicos. Explicou: As bombachas são essas calças largas, apertadas acima dos tornozelos. Eles também usam a guaiaca que é um cinturão largo de couro com bolsos. Têm esporas nas botas e chapéu de abas largas. A prenda usa vestido de chita e um lenço amarrado no pescoço. Na campanha, que é como eles chamam a zona rural, ainda se vê muita gente com essas roupas. Eles se vestem assim também nas festas. ? 6 Cida, a mãe de Mateus, se aproximou e acrescentou: Gaúcho adora dançar! Lá em Bagé eu vi uma apresentação de Chula, que é dançada só por homens. lembrou Fernando Vocês precisam ver! Eles colocam uma lança no chão e cada dançarino fica numa ponta. Um de cada vez, eles fazem uns passos superdifíceis, de uma ponta até a outra da lança. É um desafio de habilidade, mais ou menos assim... Fernando colocou um guarda-chuva no chão e começou a sapatear ao longo dele, muito desajeitado. Cida e Mateus deram muita risada. Num instante o “dançarino” caiu exausto na poltrona. ? ? ? ? 7
  • 6. ? ? ? ? ? ? ? ? O Rio Grande do Sul é interessante porque do mesmo jeito que conserva tradições antigas, é um estado bem moderno! Sabiam que os gaúchos são os maiores fabricantes de calçados do Brasil? Ouvi dizer que eles exportam calçados para muitos países. acrescentou Cida. É verdade. confirmou Fernando E também são nossos maiores produtores de soja e arroz! Além disso, possuem grandes rebanhos de gado, de carneiros, aves e porcos. Você comeu muito churrasco lá, pai? quis saber Mateus. 8 ? ? ? ? Ah, se comi! Até demais! Que delícia! E você aprendeu alguma história nova? cobrou o menino. Os gaúchos têm muitas lendas. Dessa vez, fiquei conhecendo a da Mãe do Ouro. Dizem que muito tempo atrás, havia um grande número de garimpeiros procurando ouro no leito dos rios lá do Sul. Um deles era um senhor já bem velhinho, chamado Pai Antônio. Já tinha um tempão que o coitado não conseguia encontrar nem um farelinho de ouro e, como era muito pobre, não sabia mais o que fazer. Certo dia, triste e desanimado, saiu andando sem rumo pela mata. De repente, viu na sua frente uma mulher muito linda, com uma cabeleira cor de fogo. 9
  • 7. ? Ao saber o motivo da sua tristeza, ela disse a ele: “Eu sou a Mãe do Ouro! Não chore mais. Vá comprar três fitas, uma azul, uma vermelha e uma amarela, e também um espelho”. Mais que depressa ele trouxe o que ela havia pedido. Depois de enfeitar os cabelos com as fitas, a Mãe do Ouro pediu que Pai Antônio a seguisse. Parou num lugar do rio, e começou a ficar transparente até sumir. A última coisa que ele viu foram os cabelos de fogo e as fitas. Uma voz disse, de lá da água: “Trabalhe e será recompensado!”. Na hora, Pai Antônio começou a trabalhar. Naquele dia ele encontrou mais ouro do que todos os garimpeiros juntos tinham achado em um ano inteiro! 10 Mateus adorou a história e quis saber mais. Fernando contou também que todo gaúcho gosta muito de tomar chimarrão, e que ele também acabou gostando dessa bebida. Ela é feita com uma planta chamada erva-mate e servida muito quente, sem açúcar. Mateus se encantou com os objetos que o pai tinha trazido para tomar chimarrão em casa: o recipiente era uma cuia marrom, num suporte metálico. O mais bonito, no entanto, era o canudo por onde se suga o mate. De metal prateado e brilhante, com enfeites em relevo, ele tinha uma ponta achatada e a outra cheia de furinhos, como um coador. Se isso é mesmo um canudinho, só pode ser o Rei dos Canudinhos! pensou Mateus. ? ? 11
  • 8. 12 Quando o pai foi descansar um pouco, o menino pegou o objeto e mais um pacote de canudinhos de plástico, colocou tudo no Valente e decidiu levá-los para inventar o Planeta dos Canudinhos, onde todos os habitantes e objetos eram feitos com canudinhos de refresco... No fim da tarde, Fernando sentiu vontade de tomar chimarrão e foi colocar água no fogo. Pegou o pacote de erva-mate, mas quando foi atrás dos apetrechos, só achou a cuia. Chamou pela esposa: Cida! Você viu a bomba que eu trouxe? Não consigo encontrar! ? Mateus, que brincava no quarto, escutou Fernando e levou um susto! Seu pai tinha uma bomba! Será que era uma bomba atômica? E ela tinha sumido! Caramba, e se explodisse? O menino falou para o Valente: Missão urgente! Precisamos achar essa bomba antes dela explodir! Já sei! Vamos colocar na janela um espelho e umas fitas coloridas para a Mãe do Ouro! Se ela ajuda a encontrar ouro, uma bomba não vai ser difícil! Dizendo isso, pediu à sua mãe os objetos. Pensando que era para alguma brincadeira, dona Cida emprestou. Na casa, todos procuravam a tal “bomba”. Até Liloca, a filha da vizinha, que tinha vindo pedir um pouco de fermento, entrou na dança. ? 13
  • 9. A menina entrou no quarto de Mateus e viu o espelho e as fitas na janela. Perguntou: Que é isso, promessa? Não. É pra Mãe do Ouro. respondeu Mateus, completando Ela ajuda a achar coisas... Ih, não tenho tempo pra história! disse a menina, se fazendo de importante Você não viu a tal bomba do seu pai? Enquanto falava, olhava em torno, até que viu a bomba de chimarrão (o “canudo”) na carroceria do Valente. Pela descrição, deve ser aquilo lá! disse Liloca, indo até o objeto e pegando-o sem a menor cerimônia A sua Mãe do Ouro ajudou mesmo! E saiu com a bomba na mão, anunciando seu achado. ? ? ? ? ? ? ? ? ? ? 14 Então, aquele canudo era uma bomba disfarçada!? Mateus saiu correndo atrás da menina, gritando: Cuidado! Pode explodir! Agarrou Liloca por trás e os dois foram para o chão, no maior tombo! Mateus fechou os olhos e tapou os ouvidos esperando a explosão... Ao verem a cena, Fernando e Cida não entenderam nada. E quando finalmente compreenderam a confusão da bomba, foi difícil conter o riso! Cida falou para o filho: Querido, o nome disso é bomba, mas não é de explodir! Bomba pode ser um monte de coisas. Igual a manga, que pode ser de camisa e uma fruta! ? ? 15
  • 10. Com vergonha do seu engano, Mateus emburrou. Não havia quem conseguisse conversar com ele, que só aceitava a companhia do Valente. Mais uma vez, a Liloca entrou na história. Dizendo que ia dar um jeito, pediu um dinheirinho ao Fernando, e disse que ia ali e já voltava. Pouco tempo depois, Fernando quase não acreditou quando ouviu Mateus e Liloca conversando e dando risadas. Aproximou- se e chamou Cida com o dedo para ver a cena: as duas crianças estavam sentadas no chão do quarto, comendo doces. Mateus viu os pais na porta, mostrou um doce e falou: Olha! Descobri outra bomba que não explode! E essa é de chocolate!... ? 16 Algumas curiosidades sobre o Rio Grande do Sul: Antes da colonização portuguesa, os campos do Rio Grande do Sul eram ocupados por três grupos indígenas: o gê ou tapuia, o pampeano (charrua ou minuano) e o guarani. Entre as lendas gaúchas, além da Mãe de Ouro, são muito conhecidas também a do Boitatá e de Sepé Tiaraju, um índio heróico que defendeu seu povo contra os portugueses, nas lutas pela posse da terra. Tendo encontrado clima propício, os imigrantes italianos introduziram o cultivo da uva no Estado, a partir de 1875. Hoje, a região da Serra Gaúcha é a maior produtora de vinho do País. No século XIX, aconteceram várias rebeliões no Estado. A mais longa delas foi a Guerra dos Farrapos, que durou dez anos. O chimarrão, feito de mate amargo, servido quente é, para o gaúcho, o símbolo da paz, da concórdia e da fraternidade. Tradicionalmente é tomado em grupo numa única cuia e pela mesma bomba.