SLF-Tabloide_Fila5

22 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
22
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
0
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

SLF-Tabloide_Fila5

  1. 1. Quer evoluir na corrida?Saiba o que o treino funcional pode fazer por você Test drive Testamos o FXT Energized Full Pág. 4 VEMTREINAR AGOSTO/2016 By
  2. 2. VEM TREINAR Você mais forte e mais eficiente na corrida A gachamentos, flexões, corda, saltos. Exercícios simples como esses podem fazer mais pela sua corrida do que você imagina. O treinamento funcional se mostrou uma poderosa arma para os corredores. Ao trocar o trabalho muscular isolado e movimentos que envolvem um eixo predefinido (algo que a imensa maioria dos aparelhos encontrados nas academias faz) por exercícios que trabalham o corpo como uma unidade, o corredor acaba por estimular e desenvolver diferen- tes capacidades físicas, entre elas flexibilidade, coordenação motora, força, equilíbrio e resistência, essenciais para quem corre. 2
  3. 3. “O treino funcional melhora a mobilidade das articulações e fortalece o core. Qualquer músculo cuja ação mexe com o nosso centro de gravidade (em torno do umbigo, por- tanto, músculos que se ligam a pélvis, quadril, caixa torá- cica e coluna) é considerado parte do core. Esses múscu- los controlam o movimento da pélvis, coluna e quadril. Quando fortalecidos, geram mais força aplicada ao chão, promovendo uma passada energeticamente mais efi- ciente”, explica ao Vem Treinar o treinador americano Pete McCall. Mais: ao fortalecer a postura estática e em movi- mento, o treino funcional também ajuda a melhorar a mecânica de corrida. O resultado é não só o aumento do desempenho, mas a redução do risco de lesões. FILA FXT ENERGIZED FULL R$229 Mônica Peçanha é professora de educação física e corredora Achei o Energized Full bastante confortável, seguro e também muito ele- gante e sofisticado. Utilizei o tênis na academia, na ginástica e nos treinos funcionais. No treinamento funcional pude comprovar sua estabilidade e conforto. A sola segura bem e ele não deforma durante os movimentos. Ele se mostrou excelente, por exemplo, em movimentos que exigem equilí- brio, coordenação, alinhamento e força. Mandou muito bem! Muita gente pode achar que ele é meio rígido, mas é a pro- posta do modelo, que tem de ser assim para que o prati- cante possa fazer movimentos que exigem estabilidade. Design ........................5 Estabilidade ��������������4 Segurança �����������������4 Conforto ��������������������4 Leveza .......................3 ANDRÉJOAQUIM TestDrive 3
  4. 4. VEM TREINAR EQUIPAMENTO KR3 Panther Energized Full Guarde estas informações: quanto mais leve o seu tênis de corrida for, melhor. Um estudo publicado na revista Sports Medicine analisou a relação entre o peso do cal- çado e a economia de corrida e constatou que quanto menos pesado ele é, menor o custo energético da corrida. Ou seja, o peso tem relação direta com a performance. Desenvolvido com o endosso do Fila Running Team, com- posto por atletas africanos que moram e treinam no Brasil, a ter- ceira atualização do Kenya Racer (KR3) está ainda mais leve (só 176 g!) e conta com duas novas cores, homenagem da marca às maiores honrarias dadas aos atletas por seu desempenho: as medalhas de ouro e prata. Nos últimos anos, os tradicionais exercícios com carga foram sendo progressivamente subs- tituídos pelos movimentos funcionais. A ideia é simples: quando você corre, muitos e diferentes músculos são acionados. Portanto, faz mais sen- tido pensar no corpo como uma unidade e, assim, fortalecê-lo integralmente. A linha FXT (Fila Cross Training) é voltada para quem foi buscar nos exercícios funcionais uma maneira de construir um corpo mais coordenado e veloz e para quem busca também versatilidade, con- forto e personalidade para o dia a dia. CONHEÇA OS MODELOS: Superconfortável, o Panther é bem espaçoso, ou seja, se ajusta aos pés sem apertá-los. Também superconfor- tável, pode ser usado na acade- mia para trei- nos leves. 4
  5. 5. @filabr /fila.br
  6. 6. VEM TREINAR Faça você mesmoExercícios funcionais para corredores, por quem entende do assunto Confira o treino elaborado por Ricardo Mitsuo, professor do estúdio Strong Funcional, em São Paulo (SP). Você pode fazê-lo diariamente ou alternar com as sessões de corrida. Faça de 3 a 4 séries por exercício. Quandoaumentaracarga “A percepção de esforço, aliada à boa execução do movimento, é um dos princi- pais parâme- tros para a alteração da carga”, explica Ricardo Mitsuo. Ou seja, se você está execu- tando o movi- mento com qualidade e da forma correta sem se sentir fadigado na última série, pode acres- centar mais carga. Por que fazer: o deadlift estimula bas- tante a região lombar (saiba que dores na lombar são uma das principais queixas de corredores). Seguido do deslocamento, reforça o trabalho de estabilidade do tronco, igualmente importante para o corredor. DEADLIFT SEGUIDO DE FARMER’S WALK DESLOCAMENTO COM CANGALHA Em pé, com os ombros e a coluna reta, desça o tronco, mantendo-o estável. Os braços devem estar estendidos. Fique com o quadril inclinado a 45º (acima da linha dos joelhos). Volte à posição inicial. Apoie a cangalha abaixo da cervical. Caminhe por 40 s com o abdome contraído, para garantir que o tronco se mantenha estável. Use uma carga correspondente ao seu peso (se você pesa 70 kg, ela terá o mesmo peso). Se não tiver uma can- galha à mão, use uma barra ou um varão de cortina que resista à colocação de duas sacolas pesadas (uma em cada ponta). Neste caso, a carga deverá ser um pouco menor que a indicada. Por que fazer: reforça a estabilidade do tronco e fortalece o core, ambos fundamentais para a manutenção de uma boa postura na corrida. Em cada série, repita: ◗ 8 vezes, com uma carga de 10 kg (iniciantes) ◗ 12 vezes, com uma carga de 10 kg (intermediários) ◗ 10 vezes, com carga maior que 10 kg (avançados) ◗ Agora, segure 2 halteres de 5 kg e caminhe por 40 s, mantendo o tronco bem firme e as costas retas. Se não tiver halteres, use kettlebells, caneleiras ou até sacos de arroz de 5 kg. 6
  7. 7. Faça o agachamento com o tronco ereto, sem incliná-lo para a frente. Flexione o quadril até abaixo da linha dos joelhos. Em seguida, rea- lize os saltos, mantendo o tronco ereto na subida. Se não tiver uma caixa, faça em um banco de concreto ou outro similar, mas que seja pesado o bastante para não sair do lugar. Por que fazer: fortalece quadril e glúteos (musculatura que ajuda a impulsionar o corpo durante a corrida). Além disso, como o core é bastante solicitado, faz com que o corpo aprenda a se esta- bilizar durante o movimento. O resultado é a melhora da postura. KETTLEBELL SWING (KB) AGACHAMENTO E SALTO NA CAIXA O KB é o movimento mais básico envolvendo o kettlebell. Consiste em usar a força do quadril para gerar potência suficiente para elevar o kettlebell para cima. Quem trabalha é o quadril e não os braços! O importante é manter a coluna e os ombros alinhados. Ajuste a carga de acordo com o seu nível de condicionamento. Em cada série, repita: ◗ 12 vezes (iniciantes) ◗ 20 vezes (intermediários) ◗ 30 vezes (avançados) Atenção à posição dos joelhos! Eles devem estar flexionados a 45º. Por que fazer: esse combo fortalece quadril, glúteos e quadríceps. Trabalhar a musculatura do quadril ajuda a aumentar a estabili- dade das articulações da região e também dos joelhos. Já o forta- lecimento do quadríceps é fundamental para que o corredor ganhe impulsão a cada passada. Por fim, os saltos, além de trabalharem a parte cardiorrespiratória, aprimoram a potência muscular, o que se reflete no aumento da velocidade das passadas. Em cada série, repita: ◗ Só o agachamento livre, sem o salto, 15 vezes (iniciantes) ◗ 5 agachamentos livres + 5 saltos (intermediários) ◗ Agachamento alternado com salto, de 10 a 15 vezes (avançados) Ofuncionalmeajudou FOTOS:ARQUIVOPESSOAL “Sofri uma entorse grave no pé direito, o que me impediu de correr por um bom tempo. Pratico funcional 3 vezes por semana, 1 hora por dia. Me apaixonei pela prática, pois ela ajudou, inclusive, a reduzir as intermitentes dores decor- rentes dessa lesão. O funcional também me ajudou a não perder condicionamento, tanto que, quando voltei para a corrida, não senti nenhum desconforto muscular ou respiratório: eu me senti bem e fiquei muito feliz! Percebi que o funcional tem outras vantagens, entre elas melhorar o sistema cardior- respiratório, além de forta- lecer e tonificar a muscula- tura. Ele me deu fôlego para correr, fortaleceu articula- ções, joelhos, quadril e outros membros exigidos pela corrida.” Vanessa Sreitag Neermann, Joinville (SC), corre há 6 anos e pratica funcional há 3 anos “Faço funcional de 3 a 4 vezes por semana. Com ele, ganhei mais condicio- namento, resistência, massa magra e maior controle da frequência cardíaca. Nos treinos de corrida, consigo dar sprints por mais tempo e sem me cansar tanto. A minha mobilidade também melhorou em 80%, princi- palmente na parte poste- rior dos membros infe- riores, pois antes tinha pouquíssima flexibilidade.” Jonathan Santana, São Paulo (SP), corredor há 6 anos, pratica funcional há 2,5 anos “Mesmo morando em uma cidade que não tem muitos aclives acentuados, meu objetivo são provas de montanha. Como elas exigem resistência, procurei realizar treinos funcionais e educa- tivos focados. Senti uma grande melhora na corrida, principalmente no aumento de força muscular, no ganho de flexibilidade e na maior coordenação dos movi- mentos em diferentes relevos. Também ganhei mais força e resistência nas princi- pais regiões musculares responsáveis pela estabili- zação durante os movi- mentos da corrida.” Matheus Sebastian Telles, Foz do Iguaçu (PR), corre há 6 anos e pratica funcional há 3 anos 7
  8. 8. @filabr /fila.br

×