Não nos libertamos de um hábito, atirando-o
pela janela; é preciso fazê-lo descer a escada, degrau a degrau.
Mark Twain

Q...
nossos sentimentos, mas também queremos viver em
consonância com os outros, com o grupo. Queremos
atingir as nossas própri...
variados meios e, às vezes, a todo o custo. E, assim,
tantas vezes cegos pelo desejo, deixamos que estes
meios nos conduza...
A não satisfação da necessidade real acaba por
prolongar em nós o vazio interior e a tensão que nos
impele para a resoluçã...
sequências negativas, atraindo mais problemas, já
que o seu “efeito atenuante” dura pouco tempo. Para
evitar o ciclo vicio...
O passado serve para evidenciar as nossas falhas e
dar-nos indicações para o progresso do futuro.
Henry Ford

Fazer as Paz...
demora o seu tempo. Requer maturação, muitas reflexões, novas formas de ver e de aceitar; em suma,
requer que sejamos capa...
sentir mágoa ou ressentimento - tu fizeste o que
achaste ser certo na altura devida. És humano e, por
isso, tens o direito...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

2 Capítulos do livro Estilo de Vida Positivo

309 visualizações

Publicada em

2 capítulos do livro Estilo de Vida Positivo, de Vanessa R. Dias (2013)

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
309
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
13
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

2 Capítulos do livro Estilo de Vida Positivo

  1. 1. Não nos libertamos de um hábito, atirando-o pela janela; é preciso fazê-lo descer a escada, degrau a degrau. Mark Twain Quando Procuramos a Felicidade Nos Sítios Errados O desejo de “ser feliz” é, atrevo-me a dizer, universal. Embora a felicidade se mascare de diferentes formas, consoante a cultura e as tradições de cada um, quase todos nós procuramos sentirmo-nos bem, em equilíbrio – connosco e com os outros. Existem muitos factores que influenciam este nosso “equilíbrio fundamental”, que nos faz sentir com “saúde”, “vigorosos” e “activos”. Por exemplo: queremos viver de acordo com as nossas crenças, com os 15
  2. 2. nossos sentimentos, mas também queremos viver em consonância com os outros, com o grupo. Queremos atingir as nossas próprias ambições e aspirações, mas também queremos conquistar metas semelhantes às das outras pessoas, para nos identificarmos e nos podermos comparar com elas. São, no fim, paradoxos atrás de paradoxos que justificam e embelezam a complexidade da nossa existência. Quando não conseguimos equilibrar as «balanças da vida» (ou, nos casos mais graves, quando não temos nada para pôr em cima das mesmas), a nossa sensação de “felicidade” começa a dissipar-se – e, a todo custo, tentamos recuperá-la; ou pelo menos temos o desejo, bem lá no nosso íntimo, de sermos felizes, de nos sentirmos novamente equilibrados. Mas nem sempre as nossas acções ou reacções são positivas, adequadas e adaptadas ao objectivo a que nos propomos ou queremos atingir – neste caso, a felicidade ou o “equilíbrio”. Nem sempre aceitamos também que as dificuldades fazem parte da vida e que estas são motivos de aprendizagem e preparação para o Futuro. Em vez de aceitarmos o que não é de todo mutável, buscamos incessante e obcessivamente a felicidade, pelos mais 16
  3. 3. variados meios e, às vezes, a todo o custo. E, assim, tantas vezes cegos pelo desejo, deixamos que estes meios nos conduzam a comportamentos, pensamentos e emoções negativas, como a frustração e a ansiedade, simplesmente porque não criámos um momento para pensar e ponderar. É a partir, então, de um ciclo vicioso de procura, busca e frustração constantes que chegamos a comportamentos de dependência, como forma de obter estados de bem-estar e «alívio». Muitas pessoas já ouviram falar ou conhecem pessoas que se “perderam” no vício do jogo, que não conseguem parar de gastar dinheiro em compras desnecessárias, que usam o álcool para “afogar” as mágoas, ou que parecem verdadeiras chaminés ambulantes e compulsivas. Todas estas situações têm, muitas vezes, um ponto em comum: há uma motivação intrínseca para satisfazer uma determinada necessidade, neste caso, a de se sentir bem, “feliz”, eliminando um problema ou tensão – mas esta necessidade surge mascarada ou é erradamente confundida, provocando em nós uma tendência para agir de forma pouco adaptativa e meramente impulsiva. 17
  4. 4. A não satisfação da necessidade real acaba por prolongar em nós o vazio interior e a tensão que nos impele para a resolução da descompensação ou da perda que sentimos. É aqui que entra em acção o ciclo dos comportamentos dependentes. O ciclo funciona da seguinte maneira: o nosso impulso conduznos a um comportamento que a curto-prazo funciona como uma “solução” para preencher o vazio interior que sentimos e eliminar a nossa tensão. Este vazio pode estar relacionado, por exemplo, com a falta de auto-estima, falta de autoconfiança, escassez de relações interpessoais, existência de ansiedade e frustrações pessoais – em suma, ausência de emoções e avaliações cognitivas positivas. Esta situação bloqueiaSugestão nos e lesa-nos, em maior ou menor grau, ao nível Realize exercício das nossas emoções, bem n.º1 do conjunto de como ao nível da qualidade actividades que se encontram no final dos nossos pensamentos e deste livro, na seccomportamentos. As “solução “ACTIVIDADES ções fáceis” (e.g. comida PARA CRESCER”. para compensar experiências negativas) e mais impulsivas podem, portanto, acarretar, por vezes, con18
  5. 5. sequências negativas, atraindo mais problemas, já que o seu “efeito atenuante” dura pouco tempo. Para evitar o ciclo vicioso da dependência, é importante que sejamos capazes de analisar as nossas reacções, emoções e acções, momento a momento, de forma não crítica – só assim poderemos, sem culpa, esboçar soluções viáveis e positivas para nós. Será que o facto de não conseguirmos comer sem parar se deve a uma disfunção neurológica, a um desequilíbrio do nosso organismo, ou a uma reacção não adaptativa a um problema ou obstáculo na nossa vida? Será que o desejo de nos embriagarmos para esquecer é um motivo para atingir um certo prazer e relaxamento, ou um sinal de que algo na nossa vida está fora do nosso controlo e que, por isso, sentimos uma grande tensão interior, a qual queremos fazer desparecer? Mantenha-se alerta e faça um rastreio constante de si mesmo. O que pensa? O que sente? Como se comporta? 19
  6. 6. O passado serve para evidenciar as nossas falhas e dar-nos indicações para o progresso do futuro. Henry Ford Fazer as Pazes Com o Passado Se calhar quase todos nós, em algum momento, tivemos o desejo de apagar certos episódios ou cenas do teatro, mais ou menos aberto, que é a nossa vida. Com o tempo aprendemos a aceitar que isso não é possível - simplesmente não podemos eliminar nada do que quer que já tenha acontecido. E, curiosamente, são as coisas que queremos apagar que mais vezes nos vêm à memória, em certas ocasiões e com tão pequenas pistas. Mas do compreender que tal possibilidade não existe ao encarar os "erros" ou os acontecimentos que pretendemos esquecer com uma certa leveza, com um certo jogo de cintura e de espírito, ainda 20
  7. 7. demora o seu tempo. Requer maturação, muitas reflexões, novas formas de ver e de aceitar; em suma, requer que sejamos capazes de “largar” os ressentimentos e as emoções negativas que nos vão consumindo a cada dia que passa. É preciso estarmos dispostos e ter vontade para realmente fazer as pazes com o passado, para nos soltarmos das amarras e das emoções negativas associadas às memórias que desejamos não recordar. Este é o passo, talvez, mais difícil, mas também o mais gratificante. Faz com que seja necessário perdoarmos - a nossa pessoa e os outros. Não será tão simples como dizer cara a cara ou frente a um espelho "eu perdoo-te" ou "eu perdoo-me"... Não! É algo que tem um tempo próprio e é pessoal. Sugestão Primeiro de tudo, é importante internalizarmos. É preciso sentirmos, construirmos diariamente o perdão dentro de nós; é preciso viver cá dentro uma realidade que nos diz «Tu já não precisas de Realize o exercício n.º2 do conjunto de actividades que se encontram no final deste livro, na secção “ACTIVIDADES PARA CRESCER”. 21
  8. 8. sentir mágoa ou ressentimento - tu fizeste o que achaste ser certo na altura devida. És humano e, por isso, tens o direito de errar e o dever de aprender com isso, para depois poderes seguir em frente». Em segundo lugar, devemos externalizar, sobretudo quando sabemos que o facto de reconhecermos que perdoamos alguém tem um significado importante e sentido para outra pessoa. Comunicar o perdão pode ser, inclusivamente, uma forma de nos libertarmos e de tornarmos válida a decisão de “deixar ir” toda a bagagem negativa que nos bloqueia. À medida que vamos aprendendo a perdoar, seja a nós próprios, a outros ou a determinados acontecimentos de vida, experimentamos paz e bem-estar. Retiramos de dentro de nós a culpa, a vergonha e a raiva que tanta energia nos retiram, para agir e nos adaptarmos de forma equilibrada às exigências do nosso dia-a-dia e das relações com os outros. No fundo… perdoar vem essencialmente de dentro e da nossa decisão de abrir mão dos ressentimentos. 22

×