I   r   R I  H.   MORGENTHAUA PO LÍTICA ENTRE           -   AS NAÇOES
""-J~{S~j:"( o                                              _                                   u                  "      ...
Coleção CLÁSSICOS IPRITI <llllI)l-:,                                                      W. F l Ir..u                    ...
FUNDAÇÃO ALEXANDRE DE GusMÃo - FUNAGPresidente: Embaixadora THEREZA MARIA MACHADO          QUINTELLAINSTITUfO DE PESQUISA ...
I   r R I      H A N S J. M O R G E N T H A UA POLÍTICA ,...,ENTRE   AS NAÇOES      A luta pelo poder epela paz  Traduzida...
~)   Alfred A. Knopf, Inc.Título Original: Politics amoug Nations: lhe Strug!!,le/ill Pouer ({I ui PeaceTradução de Oswald...
""                       SUMARIOPREFÁCIO                                                         XIPREFÁCIO À SeXIA EDIÇÀO...
PARTE TRÊs                         O Poder NacionalCAPÍTliLO VIII - A Essência do Poder Nacional.............      199CAPÍ...
PARTE SEIS       Limitações do poder nacional.·o direito internacionalCilÍTlILO    XVIII: Principais Problemas do Direito ...
PARTE NOVE      O problema da paz: a paz por meio da transformaçãoCAPÍTULO XXIX: O Estado Mundial............................
"                   PREFACIO            Hans J. Morgenthau:           Política entre as Nações                      Ronald...
XII                RONALDO MOTA SARDENBER(;mico, sua trajetória foi diretamente afetada pelas grandes crisesque atormentar...
Prefácio                                     XIIIdizem as fontes - "até" na América do Sul. Os Estados Unidos,irônico que ...
XIV                           RONALDO MOI," SA/{I)FNIlIW;arquiisolacionismo e as idéias legalistas, com amplo apelo po-pul...
Prefácio                          xvtradicionais dos cursos de relações internacionais, com ênfasenos problemas do direito...
XVI                 RONALDO MOTA SARDENBERG      1. as novas tendências estruturais na política mundial;      2. o desenvo...
Prefácio                        XVIInão comprometidas e assistência econômica. Certos temas ga-nham espaço e atenção, como...
XVIII               RONALDO MOlA SARDENBERGaperfeiçoamento conceitual é proposto com relação a temasdiversos como imperial...
Prefácio                          XIXmeiros capítulos, com ênfase na teoria realista da política inter-nacional, na ciênci...
xx                     RONALDO MOTA SARDENBERG      Também desperta continuado interesse a análise da políti-ca dos Estado...
Prefácio                                      XXIa paz -, e esquecê-lo, em função de uma leitura parcial, certa-mente desf...
XXII                     RONAWO     Morx    SAIWFNlll:l{(idemos hoje, mas, de outro, fixou um estigma que o marca ecomprom...
Prefácio               XXIIIdessas hecatombes. O idealismo privilegiava a construçãoinstitucional e jurídica da paz, em es...
XXIV                     RONALDO MOTA SARDENBERGregistraram-se antipatias e sérias divergências." Kennan nem se-quer cita ...
Prefácio                           xxv          respectivas nações e o que, na realidade, fazem, percebemos          que f...
XXVI                        RONALDO MOTA SAlmENBE}{G     É verdade, porém, que Política entre as Nações permaneceno imagin...
Prefácio                        XXVII      A comparação entre Morgenthau e Kissinger tem interesse,do ângulo tanto da teor...
XXVIII                   RONALDO MC)JA SARDENBERGdes tão diversas quanto os heróis homéricos, santos cristãos e"lobos hobb...
Prefácio                                XXIXformaram, a começar, por força do que Morgenthau chamava de"revolução colonial...
RONiL1)O MOIi SARDENBER(;     o paradigma do poder é resistente e, com adaptações, con-tinuará a ser útil por prazo indefi...
Prefácio                       XXXImultuariamente se manifestam. Há que explicitar premissas, es-clarecer conteúdos, explo...
XXXII              RONALDO MOTA SARDENBF:R(;Política entre as nações, ora traduzido, precisa ser lido comodocumento progra...
Prefácio                       XXXIIIdificuldades inusitadas, para sua absorção por uma teoria dasrelações internacionais ...
XXXIV               RONALDO MOTA SARDENBERGoutro, a perpetuação da competição mundial pelos recursos na-turais, o protecio...
Prefácio                        xxxvdistintas em relação aos tempos do bilateralismo nuclear e, mes-mo, aos da ordem inter...
XXXVI                   RONALDO MOTA SARDENBERGcodificação; a redefinição dos interesses dos Estados, do siste-ma internac...
Prefácio                     XXXVIIquestões de segurança internacional, e que está empiricamentedemonstrado que, entre Est...
XXXVIII            RONALDO MOlA SARDENllER(;equivocado e muito empobrecedor que se reduzisse a polissemiada cena mundial q...
PREFÁCIO                   À SEXTA EDIÇÃO                             Kenneth W Tbompson      Na qualidade de estudante da...
XL                 A   POLÍTICA ENTRE AS NM,:()EShavia procurado manter-me razoavelmente a par da evoluçãode seu pensament...
Prefácio à Sexta Edição                XLI      Ao mesmo tempo, a quinta edição teve de ser atualizada erevista, de modo a...
PARTE 1TEORIA E PRÁTICA DA POLÍTICA       INTERNACIONAL
CAPÍTULO   I      UMA TEORIA REALISTA DA      POLÍTICA INTERNACIONAL      Este livro tem por objetivo apresentar uma teori...
H.   M()I{(;ENTIlAI:de conhecimento e de compreensão, ~l obsolescência das insti-tuições sociais ou  ~l depravação de cert...
Uma teoria realista da política internacional         5melhorar a sociedade, é necessano entender previamente asleis pelas...
6                         H.   MORGENTHAU      Para o realismo, a teoria consiste em verificar os fatos e dar aeles um sen...
Uma teoria realista da política internacional         7possível, uma vez que, sem o mesmo, não poderíamos distin-guir entr...
8                        H.   MORGENTHAUque sahemos realmente quais são os nossos próprios motivos? Eo que podemos saher d...
Uma teoria realista da política internacional          9o poder pessoal e nacional, o que não impediu que as políticasexte...
10                       H.   MORGENTHAUdistinção muito nítida entre o desejável e o possível - entre o queé desejável em ...
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Hans morgenthau
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Hans morgenthau

1.592 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.592
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
67
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Hans morgenthau

  1. 1. I r R I H. MORGENTHAUA PO LÍTICA ENTRE - AS NAÇOES
  2. 2. ""-J~{S~j:"( o _ u " I r R IA reflexão sobre a temática das relações internacionais está presente desde ospensadores da antigüídade grega, como é o caso de Tucídides. Igualmente,obras como a {/tO/M, de 1110n-ns More, e os escritos de Maquiavel, Hohhes eMontesquieu requerem, para sua melhor compreensão, urna leitura soh aótica mais ampla das relações entre estados e povos. No mundo moderno,como é sabido, a disciplina Relações Internacionais surgiu após a PrimeiraGuerra Mundial e, desde então, experimentou notável desenvolvimento, trans-formando-se em matéria indispensável para o entendimento do cenário a-tual. Assim sendo, ,lS relações internacionais constituem área essencial doconhecimento que é, ao mesmo tempo, antiga, moderna e contemporânea.No Brasil, apesar do crescente interesse nos meios acadêmico, político, em-presarial, sindical e jornalístico pelos assuntos de relações exteriores e políti-ca internacional, constata-se enorme carência bibliográfica nessa matéria.Nesse sentido, o Instituto de Pesquisa de Rclacoes Institucionais - IPRI, aEditora Universidade de Brasília e a Imprensa Oficial do Estado de São Pau-lo estabeleceram parceria para viabilizar a edicào sistemática, sob a forma decoleção, de obras b{lsicas para o estudo das rela~cles internacionais. Algumasdas obras incluídas na coleção nunca foram traduzidas para o português,como O Direito da Paz e da Guerra de Hugo Grotius, enquanto outros títulos,apesar de não serem inéditos em língua portuguesa, encontram-se esgotados,sendo de difícil acesso. Desse modo, a coleção CL·is.IJC()S /PR/ tem por ohje-tivo facilítar ao público ínteressado o acesso a obras consideradas fundamen-tais para o estudo das relacoes internacionais em seus aspectos histórico,conceitual e teórico.Cada um dos livros da coleção contará com apresentação feita por um espe- ..cialista que situará a obra em seu tempo, discutindo também sua importânciadentro do panorama geral ela reflexão sobre ,lS relações entre povos e nações.Os O.·1IJU1I·/PRIdestínam-se especialmente ao meio universitário hrasilei-ro que tem registrado, nos últimos anos, um expressivo aumento no númerode cursos de graduação e pós-graduação na área de relações internacionais.
  3. 3. Coleção CLÁSSICOS IPRITI <llllI)l-:, W. F l Ir..u (j."l Iistoria do Guerra do Ielol)()//es() " "Textos Selecionados"lrcíúcio: I illio jagu.uib« Organizacl0 L pn-Iácio: Fr.mk lin TrcinE. 11. CAlm .IEAN-J(I) f[, RI )",,1-:,1..vint« A //0.1 de Crise I f) I f)-I f)YJ. lima 1//- "Textos Selecionados"troducao 00 Esnulo das !<eloÇ"()es Inter ( lrganizaçl0 L prLf:lcio: (jL!son Fonsccunacionais .Ir.Ird:icio: Eiiti Saio Nlm,":,, Ac;ld·:I.I ..J.M. KIS1/ "A Grauck: llusào"As COIIS({liÍ(~//ciosIco//(I//Iicos do la z Ird:icio: Josl ParadixoIrdjcio: Marcelo dL Iaiva Abreu TI 1< lI," MJlu·:R~n1<lNll AI{(l:" ..( i/o/lio" "Per: e c.ucrra entre os N{/t,;()es" IrLf:icio: .Io~l() Almino IrLCicio: Antonio Paim "c.onsclhos /)ijJ!o//uílicos"MAI)llIAVI·:1. vários autore-s "Escritos Selc-cicntados Organizucào l pn-fácio: Luiz Felipe ck-Pn-lácio l organi/~ll~11l:.J< )SI: AUi-.lIStl l Guillx Jl1 Scix:i» CorrêaAlbuquerque- E.II01UCII m VAITI.I1[1(;1 l (jl!1 li 11 , "I) Direit«) dos (;(///es" "() t urcito do (,//erro e do Pa : .. TI:lduçlo e prefacio: Vict-nt« Marolla Rangel Irdjcio: Celso Lrfc-r TIHl.!A ll,)!![,AI.I·)(I I li. T, lU)1 11[1.1.1. "Textos Sclc«ir mados" "hcri/os Sclecionack»:" ()rgani/~lL~l(l Lpret:lci( l: Rcn.n: lJlIlinL()rganiz~(;~10 L prd:icio: Ricardo VeleI RibeiroI{( )lltiguLsI [A:-", tlfl{(dS[IIA[1 A[l1I: m: S:I:"T PII.lmE "A 101itica eu! 1( {IS Naç: jes" "Iloj(/o I{//ll //II/{/ Pct: leI1(/I/{/ para o 10// rOI){1..PreLtcio: Ronaldo M. SardenlXrg SAI[ SI.1<) II.IA:"III K":"T "!<e()/;l!,{///izoçúo do Socicdart« I"rol)(io" ··..1 Paz 1(11)(///0 ( out n»: Escrit,»: Ioli/i- ()rganizal~Ú) L pref:ici( J: Riclrd,) C<J."" SLilLnfussPrc-l.icio: Carlos I lcnriquc- CIrlItIll 1(11)1.1:) BIIISA.IIII 1,110:1)( lIU "A Sociectcu!« .:tnctrqtncct"/)o l nrcito Naturat e dos (;e//I<;· Prd:icio Williams (joncakLs1rcl:lcio: Tc-nio SalllJlail l FelTaz .I úni: li FH:;( .1><) [ l i V[T( lIlICAIU. f », (:[AI",:T[,/ .. /)e lndis (/ Dejtrn: Bell!" "Da (,// erro " Prcfácio: Fc-rn.mdo AUgII.SO Albuquerque-IreLtcio: Dom iiio 111 )Lnl:a Ilouljo
  4. 4. FUNDAÇÃO ALEXANDRE DE GusMÃo - FUNAGPresidente: Embaixadora THEREZA MARIA MACHADO QUINTELLAINSTITUfO DE PESQUISA DE RElAÇÕES INTERNACIONAIS IPRIDiretora: Embaixadora HELOÍSA VILHENA DE ARAÚIOEDITORAE1E:JUnSEDITORA UNIVERSIDADE DE BRASÍUA - UNBDiretor: ALEXANDRE LIMAConselho Editorial: ELISABETII CANCELLI (Presidente), ALEXANDRE LIMA,ESTEvÁo CHAVES DE REZE);DE MARTINS, HENRYK SIEWIERSKI, JOS~: MARIA G. DEALMEIDAJR., MOEMA MALHEIROS PO);TES, REINHARDT ADOLfO FUCK, S~:RGIO PAULORUANET E SYLVIA FICHE]{.Imprensa tidaIIMPRENSA OFICIAL DO ESTADO DE SÃO PAULODiretor Presidente: HIJBERT ALQU~:RESDiretor Vice-Presidente: LUIZ CARLOS FIl(,EmODiretor Industrial: TEIjI TOMIOKADiretor Financeiro e Administrativo: RICHARD V AINBERG
  5. 5. I r R I H A N S J. M O R G E N T H A UA POLÍTICA ,...,ENTRE AS NAÇOES A luta pelo poder epela paz Traduzida por Oswaldo Biato da edição revisada por KENNE1H W. THOMPSON Prefácio: Ronaldo M. Sardenberg Imprensa Oficial do Estado de São Paulo Editora Universidade de BraslliaInstituto de Pesquisa de Relações Internacionais São Paulo, 2003
  6. 6. ~) Alfred A. Knopf, Inc.Título Original: Politics amoug Nations: lhe Strug!!,le/ill Pouer ({I ui PeaceTradução de Oswaldo BiatoDireitos © desta cdícào:Editora I lniversidade de BrasíliaSCS Q. 2 bloco C n", 7H, 2". andar70500-)00 Brasília, DFA presente edi~jo foi feita em forma cooperativa da EditOI~1 Universidade de Brasília como Instituto de Pesquisa de HcI~I<,Jies Intcmacionais (IPRI/FUNAGl e a Imprensa Oficial doEstado de S~lo Paulo. Todos os direitos reservados cont<1Il111 a lei. Nenhuma IXII1c destapuhlila~jo rX)(JcI~1 scr armazenada ou reproduzida por qualquer me-io sem autorizacúopor escrito c1:l Editora Universidade de Brasília.Equ ipe técn ica.Eun SAro (Planejamento cditorial lANA CLAIII lIA B. llI- Mu.o FILTu{VFHA L1iCIA (;OlIFS SFVFHOLJ.I !lA SILVA (Revisão)Fotolito, impressão e acabamento:Imprensa ticial I)ad<JS Intcrnack mais de Catak Jga(,;l< J na Pllhlicl(,;l< J(C1P1 (Câmara Hrusilcira do Livro, SP, Brasill MOlgvlllhall, Huns}. JVIH~ I A polílica LIlIIL ," lla",,vs : a Iuu: pdo poder L pc-l.: IXII. I Inns]. ,vlolgLlllhau, Iladul"lO de Oswaldo Iliato. - Ilrl.sília , lditora I nivcr-idud« dL Ikl.silJa : Impn-nx.. (Jficial do Estado de S,jo Paulo: Instituto de Pesquisa de ReLil(leS Inu-ru.uion.ux. 200:. I1 ~2 p. (CLi.ssicos IPRll Tra<.lu(j() liL : Politic.. . ~llll()llg n.nions: lhe slruggll for POCI" .uid pl~ICl·. IsllN H~-70!>O-IIH-1 (Imprensa Ofici.il do ":sudo lle s,te, Paulo) H~-H7-1HO-n-H (IIRIFlINA(;) H~-2:O-07!>:-() (Fel. lInll) I. Politka lnu-rn.nional 2. Hela;(lVS lntc-rn.niou.ux. I. Hiato, Oswaldo, li, Título. CDl: :27 Foi feito o Lkp,"siIO legal na llihlioeLI Nacion.rl. (Lei 11" IH2~. de 20 1211)071.
  7. 7. "" SUMARIOPREFÁCIO XIPREFÁCIO À SeXIA EDIÇÀO XXXIX PARTE UM Teoria e prática da política internacionalCAPíTULO I - Uma Teoria Realista da Política Internacio-nal 3CAPÍTULO II - A Ciência da Política Internacional.......... 29 PARTI DOIS Política internacional entendida como uma luta pelo poderCAPÍTULO III - Poder Político 49CAPÍTULO IV - A Luta pelo Poder: a Política do statusquo H7CAIÍT[ LO V - A Luta pelo Poder: o Imperialismo.......... 97CAPÍT[ ILO VI - A Luta pelo Poder: Política de Prestígio.. 147CAPÍTI !LO VII - O Elemento Ideológico na Política Inter-nacional 173
  8. 8. PARTE TRÊs O Poder NacionalCAPÍTliLO VIII - A Essência do Poder Nacional............. 199CAPÍTULO IX - Elementos do Poder Nacional................ 215CAPÍTULO X - Avaliação do Poder Nacional................... 295 PARTE QllATRO Limitações do Poder Nacional: O Equilíbrio de PoderCAPÍTULO XI - O Equilíbrio de Poder 321CAPÍTULO XII - Métodos Diferentes do Equilíbrio de Po-der 339CAPÍTULO XIII - A Estrutura do Equilíbrio de Poder 375CAPÍTULO XIV - A Avaliação do Equilíbrio de Poder..... 3B3 PARTE CINC:O Limitações do poder nacional: moralidade internacional e opinião pública mundialCAPÍTULO XV - Moralidade, Costumes e a Lei como Mo-deradores do Poder 421CAPÍTULO XVI - Moralidade Internacional...................... 429CAPÍTULO XVII - Opinião Pública Mundial.............. 483
  9. 9. PARTE SEIS Limitações do poder nacional.·o direito internacionalCilÍTlILO XVIII: Principais Problemas do Direito Inter-nacional 505CAPÍTULO XIX: Soberania 567 PARTE SETE Política internacional no mundo contemporâneo XX: A Nova Força Moral do Universalismo Na-CAIÍTI f LOcionalista 603CAPÍTllLO XXI: O Novo Equilíbrio de Poder 621CAPÍTI:LO XXII: Guerra Total 679 PAlrlT Orro () problema da paz: paz por meio da limitaçâoCAIÍTULO XXIII: Desarmamento...................................... 721CAlíTllLO XXIV: Segurança 7H3CAPÍTIILO XXV: Solução Judicial...................................... H03CAPÍTl:1.O XXVI: Mudança Pacífica H19CIÍTIILO XXVII: Governo Internacional........................ H33CAPÍTl;LO XXVIII: O Governo Internacional: as NaçõesUnidas H67
  10. 10. PARTE NOVE O problema da paz: a paz por meio da transformaçãoCAPÍTULO XXIX: O Estado Mundial................................. 90SCAPíTULO XXX: A Comunidade Mundial......................... 937 PARTE DEZ () problema da paz: a paz por meio da acomodaçâoCAPÍTULO XXXI: Diplomacia 967CAPíTULO XXXII: O Futuro da Diplomacia 991Glossário Histórico 1025Bibliografia 1049Índice Onomústico................................................................. 1OH,)
  11. 11. " PREFACIO Hans J. Morgenthau: Política entre as Nações Ronaldo Mota Sardenberg Política entre as Nações é exemplo de empreendimento inte-lectual comprometido, que n~10 esconde sua opção conservadorae ativista. Renova conceitualmente o estudo das relações entre osEstados, explícita preocupações a elas subjacentes e esclareceidéias emergentes na política internacional da época. Por isso,n~10 espanta que, em poucos anos, haja-se tornado referênciaobrigatória; sua leitura com proveito n~10 exige concordância nemcom as premissas nem com as conclusões do autor. O diplomata,o estrategista, () investigador e o estudante das relações interna-cionais, o jornalista, o homem do direito e o filósofo político,todos, com certeza encontrarão na obra um repositório preciosode informacoes e ensinamentos sobre um modelo de análise davida internacional - a teoria moderna do realismo político - euma inspiração para a comparação entre idéias e fatos do passa-do e os desafios internacionais que estão à frente. A obra é inseparável do homem, e Política entre as Naçõessegue ~I risca essa regra. A produção intelectual e o desempenhopolítico ancoram-se solidamente na biografia de cada um. A ex-periência pessoal e () tempo de Hans J. Morgenthau ajudam aentender seus escritos e atribulações. Como indivíduo e acadê-I I{onaldo M. Sarck-nbc-rg. diplomata de carreira, entre outros postos diplomáticos quechefiou. inclui se miss.io brusik-ir.: junto "1 ()rg:lI1iza(:o das Na(úes I nidas, tendopresidido cru v.irias ocasi()es o Conselho de Seguran,a da UNI. Foi se(Tet:üio deAssuntos htratlgicos da Presidência da l{lpúhlica e ministro da Cii:ncia e Tecnologia.
  12. 12. XII RONALDO MOTA SARDENBER(;mico, sua trajetória foi diretamente afetada pelas grandes crisesque atormentaram o século XX, como a afirmação do nazi-fascis-mo, o drama da guerra mundial e a guerra fria, materializada nastensões da confrontação Leste-Oeste e no terror nuclear. Nascidoem 1904, alemão de família judaica, com parcos recursos e decultura assimilada, deixou, no tenebroso ano de 1932, sua terra àcata de emprego intelectualmente produtivo. Esperava passaralgum tempo em Genebra. Nunca mais retornou à Alemanha. Educado nas Universidades de Berlim, Frankfurt e Muni-que, já sua tese - A PunçdoIudicial Iruernacional: Natureza eLimites - denotava um interesse central pelo direito internacio-nal público. Admitido, em 1927, à Ordem dos Advogados, che-gou a presidir, como interino, o Tribunal do Trabalho de Frank-furt. Fortemente marcado por sua formação germânica,Morgenthau reverenciava o professor de história da arte, HeinrichWolmin, e Hermann Oncken, que o introduziu ao estudo dapolítica externa de Bismarck, hem como Rothenbucher, que oaproximou do pensamento de Max Weher. A esse propósito, érevelador o que relata seu assistente de pesquisa e co-autorKenneth W. Thompson. Durante os seus muitos anos na Univer-sidade de Chicago, Morgenthau nunca entrou em seu gabinetesem antes deter-se diante de uma fotografia de Oncken, na ga-leria de retratos dos professores visitantes. No início da década dos 30, o fato de ser judeu só reduziasuas já escassas oportunidades profissionais. Com Adolf Hitler eseus sequazes no poder em Berlim, tornava-se inviável voltar aopaís. No Instituto Graduado de Relações Internacionais, de Ge-nebra, viu-se diante de dificuldades lingüísticas e financeiras,hem como de desentendimentos sohre o modo de entender odireito internacional. Mencionam-se, a propósito, o clima políti-co reinante no Instituto e a oposição que lhe era movida porprofessores e estudantes nazistas de origem alemã. Conseqüen-temente, em 1934, Morgenthau já buscava, por meio de cartas,emprego na Palestina, na Pérsia e no Afeganistão, e - como
  13. 13. Prefácio XIIIdizem as fontes - "até" na América do Sul. Os Estados Unidos,irônico que seja, não lhe pareciam atraentes, dado o vigor dacompetição naquele país. Preferia a Europa e, em segundo lu-gar, a Palestina. Em 1935, mudou-se para Madri para ocupar posição noInstituto de Estudos Internacionais e Econômicos. Foi feliz naEspanha; mas, no ano seguinte, quando visitava a Itália, em luade mel, desencadeou-se a Guerra Civil espanhola e, de novo,não houve como retornar. Passou mais de ano em peregrinaçãopor diferentes cidades européias - Amsterdã, Merano, Haia,Genehra, Paris. Finalmente, decidiu-se pelos EUA, para ondeseguiu, com a mulher, após superarem dificuldades quanto àconcessão de vistos. Fixou-se em 1937, em Nova York, no Brooklin College, emais tarde nas Universidades do Kansas, em Montaria (939) eChicago 0943-71), na qual conheceu seus anos de maior im-pacto público. Depois, esteve associado com o City College deNova York e com a New School for Social Research. Faleceu em19HO. Sua filosofia política desenvolveu-se, no quadro, primeiro,das vicissitudes, derivadas da ascensão, do declínio e da quedado Terceiro Reich e, segundo, da irrupção dos poderes norte-americano e soviético no plano mundial. Como nota Walker,-Iao chegar aos EUA, Morgenthau deparou-se com visões pecu-liares do mundo, em especial no Meio Oeste. Naquela época, osEUA caminhavam para uma forma de envolvimento nas ques-toes européias e, em última instância, de predomínio mundial.Nesse contexto, duas correntes extremistas se entrechocavam: o2 Casou-se com Irma Thorman, que namorava desde 1)24 l com quem havia trocadomais de mil cartas. Irma o auxiliava financcirumcntc. Os vistos norte-americanosforam conscguido-, graças à intc-rvcniência dl um parente rico dela, nos EIJA., V. Thomas C. Walker. "Iruroduction: Morgcnthaus Dual Approach to lntcrnationalto Intcmationai Rclations" em lntcrnational Studics Notes, da Intcrnational SrudiesAxsr xiution (lSA l. vol. n. número I. I )<)). A primeira promovida por Robert McCormicke a segunda patrocinada pelo Comitô para Colocar a Guerra Fora da LLi.
  14. 14. XIV RONALDO MOI," SA/{I)FNIlIW;arquiisolacionismo e as idéias legalistas, com amplo apelo po-pular, que viam no enquadramento jurídico a possível soluçãopara os problemas da paz e da segurança internacionais. Nomesmo campus em Chicago, coexistiam horror e fascinação coma guerra. Embora excessivamente restrito, este sumário ilumina atrajetória de Morgenthau. Naturalizado norte-americano em1943, pertenceu à geração de intelectuais e pesquisadores eu-ropeus que, fustigados pelo terror nazista, encontraram, naoutra margem do Atlântico, espaço e oportunidades para de-senvolver seus talentos. A partir da publicação, em 194H, daPolítica entre as Nações, sua obra magna, Morgenthau tornou-se um dos mais respeitados cientistas políticos norte-america-nos, como pioneiro na articulação da teoria realista das rela-çoes internacionais, pela qual orientaram-se as pesquisas e odebate político nos EUA, e em menor grau na Europa, duranteo longo período da guerra fria. Foi representativo da imigraçãobem-sucedida. * Com o subtítulo A luta pelo poder e pela paz. a Políticaentre as Nações conheceu seis edições (e numerosas reimprecs-soes) - em 194H, 1954, 1960, 1967, 1973, 197H e 19H5, comsucessivas revisões. A origem do livro, como modestamente re-gistra, na apresentação da primeira edição, encontra-se princi-palmente em notas, compiladas pelos seus melhores estudantes(pois ele mesmo não as utilizava), das aulas e palestras que derano último trimestre de 1946. Seu texto original cobre matérias, Infmma,úes hiogr:tfk~ls colhidas principalmente na Encvctopaedia Bntannica (htip: www.brüannica.com l: em Kcnncth W. Thompson, "lhe Writing oI "Politks amongNations": Its Origins and Sourcc-s, em internationat Stndies Notes e em iV1or,gelllhall sOel)ssev, "puper" preparado para o painel: Traochng ldentities. Gender. Culture alieilixpertcnccs o/f)isjJ/ace/llelll ({I lhe 391h A 1IIIIIal C()//wlllioll cftbe lntcrnational SI 11d iesAssociation. Minneapolis, March. I<)<)H (http: www.um-t.unívie.ac.at). Correntes fe-ministas norte-americanas hoje afirmam que esse êxito era muito mais freqüenteentre os homens que entre as mulheres. C0!110 txce,;10, citam llannah Arendt.
  15. 15. Prefácio xvtradicionais dos cursos de relações internacionais, com ênfasenos problemas do direito, organismos internacionais e históriadiplomática, mas se inicia com uma síntese notável da influên-cia do Poder na órbita internacional. Não se deixe escapar a dinâmica do pensamento deMorgenthau, que evoluía com a transformação da problemáticainternacional. Em sua longa trajetória, soube ele reagir, de modocriativo, às fases diferenciadas da guerra fria. Entretanto, soube,também, manter-se fiel ao conjunto de princípios e metodologiasque, desde a primeira publicação, norteou sua visão do mundo. O texto da Política entre as Nações enriqueceu-se com revi-sões a cada edição. Ao lado de idéias aparentemente simples, oleitor encontra inesperados níveis de complexidade. Já na segun-da edição, de 1954, explícita-se que seus verdadeiros e confiáveisalicerces intelectuais e políticos são os vinte anos de dedicaçãodo autor a seus temas preferenciais e à própria natureza da polí-tica internacional. Morgenthau admite que sua reflexão fora soli-tária e ineficaz, já que "uma concepção falsa de política externa,posta em prática pelas democracias ocidentais," havia levado, deforma inevitável, ã ameaça do totalitarismo e, finalmente, ã Se-gunda Guerra Mundial. A seu juízo, na ocasião da primeira edi-ção, ainda dominava tal concepção, que qualifica também de"perniciosa". Reconhecia-se como pessoalmente engajado e po-lêmico, por atacá-Ia, em seu livro, de modo frontal e assinalavaser tão radical em relação aos erros de tal concepção quanto aosde sua própria filosofia. Seis anos mais tarde, contudo, proclama-va vitória, e sublinhava que, com a posição alcançada, sua teoriapassava, daquele momento em diante, a necessitar apenas deconsolidação e adaptação a novas experiências. As alterações textuais, introduzidas em 1954, revelam níti-da preocupação em manter a atualidade da análise e explorar asnovas perspectivas mundiais. Tais alterações tomam nota, comoassinala, de quatro experiências políticas que haviam emergidodesde 1948, a saber:
  16. 16. XVI RONALDO MOTA SARDENBERG 1. as novas tendências estruturais na política mundial; 2. o desenvolvimento da "revolução colonial"; 3. o estabelecimento de instituições supranacionais; e 4. as atividades das Nações Unidas. Reconhece que, em 1948,os sinais indicavam que a bipolaridade (nuclear) se transforma-ria em um sistema de dois blocos antagônicos, mas que tendên-cias posteriores haviam tomado sentido menos claro, e até cem-trário, como ocorreu com a disseminação da revolução colonialna Ásia e na África e a emergência de instituições supranacionais,como a Comunidade Européia do Carvão e do Aço e a OTAN(sic). Identifica o autor, como diferença básica entre a primeirae a segunda edições, o fato de que aquela se voltava mais paraa ohsolescência do Estado nacional soberano e esta se dirigia àsemergentes instituições supranacionais. Essa observação preco-ce tem interesse, por ser muito mais freqüente associar a teoriarealista e o primado do Poder ao auge do Estado, e não à suasuperação, Outra dimensão, que, naquele momento, emergia, éa da luta pelas mentes (e corações), para além dos aspectostradicionais e materiais da guerra e da diplomacia. Interessa ain-da sua reavaliaçào do papel das Nações Unidas, antes cercadasde esperanças, ou ilusões, e agora encaradas pelo lado de suasrealizações, que, porém, já se distinguiam do otimismo das ex-pectativas iniciais. Com franqueza, correlaciona essa mudançade enfoque com os desenvolvimentos multilaterais, decorrentesda guerra da Coréia. Importantes refinamentos são introduzidos na segunda edi-ção, os quais, como observa, refletem a evolução de seu pensa-mento. Acrescenta um capítulo introdutório, no qual elabora eesclarece elementos fundamentais de sua filosofia política, com aaplicação aos acontecimentos correntes de noções como poderpolítico, imperialismo, cultura, opinião pública mundial, desar-mamento e segurança coletiva. São inseridos e discutidos tam-bém os conceitos, então novos, de contenção, guerra fria, nações