Como Lidar com as Frustrações - Sêneca

1.306 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.306
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
62
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
34
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Como Lidar com as Frustrações - Sêneca

  1. 1. COMO LIDAR COM AS FRUSTRAÇÕES Sêneca
  2. 2. BIOGRAFIA  Nasce em Córdova (Espanha) em 4 a.C.  Foi exilado na Córsega em 41 d.C.  Em 49 d.C. assume a educação de Nero.  Em 54 d.C. assume a função de conselheiro de Nero.  condenado ao suicídio, morre em 65 d.C.
  3. 3. “Onde está sua filosofia, perguntou ele, e o que foi feito da decisão de jamais se deixarem abater diante a iminência de qualquer desgraça que,durante tantos anos, todos vêm incentivando uns aos outros a manter? Certamente ninguém ignorava que Nero era cruel! Acrescentou. Depois de matar a mãe e o irmão, só lhe restava matar seu conselheiro e preceptor.”
  4. 4. OBRAS  Cartas a Lucíolo  Questões Naturais  Consolação a Políbio  Consolação a Márcia  Consolação a Hélvia  Da ira  Da Providência  Da Constância da Sabedoria  Do Ócio  Da Tranquilidade da Alma  Da Vida em Retiro  Da Clemência  Da Brevidade da Vida  Medeia  Fedra  Hércules  Agamenon  Otávia  Édipo
  5. 5. ESTRUTURA DA FRUSTRAÇÃO Realidade Desejo raiva ansiedade choque decepção
  6. 6. SÊNECA CONCEBE A FILOSOFIA COMO DISCIPLINA PARA AJUDAR O SER HUMANO A SUPERAR OS CONFLITOS ENTRE OS DESEJOS E A REALIDADE
  7. 7. “ Devo minha vida à [filosofia], e esta é a menor de minhas obrigações de gratidão para com ela.”
  8. 8. Tese: suportamos melhor as frustrações para as quais no preparamos e que compreendemos; somos atingidos por aquelas que menos esperamos e não conseguimos entender
  9. 9. A filosofia deve nos harmonizar com as reais dimensões da realidade e nos preparar para que nossos desejos batam com a maior suavidade possível contra o muro inflexível da realidade.
  10. 10. RAIVA Perdemos as chaves do carro. Não conseguimos encontrar o controle remoto. A estrada está engarrafada. O restaurante está cheio.
  11. 11. RAIVA A fúria é causada por uma convicção, quase cômica em suas origens otimistas (por mais trágicas que sejam suas consequências), de que uma determinada frustração não consta do contrato da vida. mudar essa ideia = mudar a propensão à ira
  12. 12. RAIVA Devemos reconciliar-nos com a imperfectibilidade necessária da existência. “É surpreendente que o iníquo cometa iniquidades, ou é inédito o fato de seu inimigo tentar prejudicá-lo ou seu amigo aborrecê-lo, ou seu filho cometer erros?”
  13. 13. CHOQUE  Inocência.  Futuro formulado com base na probabilidade.
  14. 14. CHOQUE “Nada deve ser inesperado para nós. Nossas mentes devem projetar-se no tempo para rever todos os problemas e devemos considerar não o que costuma acontecer, mas o que pode acontecer.”
  15. 15. ANSIEDADE As coisas ruins irão talvez acontecer, mas é improvável serem tão ruins quanto tememos que sejam.
  16. 16. ANSIEDADE “Se você deseja acabar com todas as preocupações, parta do princípio de que aquilo que teme que possa acontecer certamente irá acontecer.”
  17. 17. ANSIEDADE – FRENTE À POBREZA A doutrina considera a riqueza um productum, alguma coisa preferida – nem essencial, nem um crime. Os estoicos podem viver com as mesmas dádivas que a Fortuna concede aos tolos. Suas casas podem ser luxuosas e sua mobília bela. Apenas um único detalhe os qualifica como sábios: como reagem à pobreza súbita. Podem abandonar a casa e a criadagem sem ódio ou desespero.
  18. 18. ANSIEDADE “Nunca confiei na Fortuna, mesmo quando ela parecia estar oferecendo paz. Todas aquelas bênçãos que generosamente derramou sobre mim – riquezas, cargos, prestigio – releguei de tal maneira que ela pudesse retomá-las sem me causar aflições. Mantive sempre grande distância entre mim e seus favores. Ela apenas tirou-me o que havia concedido, portanto nada arrancou de mim.”
  19. 19. SENSAÇÃO DE SE ESTAR SENDO ALVO DE ZOMBARIA Objetos inanimados.  O cavalo de Ciro. Seres vivos.  O julgamento de Piso.
  20. 20. SENSAÇÃO DE SE ESTAR SENDO ALVO DE ZOMBARIA Sempre que algo nos magoa, somos tentados a acreditar que o que nos magoou teve a intenção de fazê-lo. “ a fim de “ – “e”
  21. 21. SENSAÇÃO DE SE ESTAR SENDO ALVO DE ZOMBARIA  Devemos nos empenhar em erguer um muro em volta de nossas impressões iniciais e nos recusar a agir com base em seu julgamento precipitado.  Devemos ser amigo de nós mesmos.
  22. 22. SENSAÇÃO DE SE ESTAR SENDO ALVO DE ZOMBARIA “Deixemos o caos reinar por toda parte desde, que não perturbe nosso equilíbrio interior.”
  23. 23. AS LIÇÕES DE SÊNECA DEVEMOS ACEITAR TODAS AS FRUSTRAÇÕES ?
  24. 24. AS LIÇÕES DE SÊNECA A sabedoria está em distinguir corretamente as situações em que estamos livres para moldar a realidade de acordo com nossos desejos daquelas que nos obrigam a aceitar o imutável com tranquilidade.
  25. 25. AS LIÇÕES DE SÊNECA Podemos, com a mesma facilidade, cometer o mesmo erro, ao aceitarmos o desnecessário e negarmos o possível, e negarmos o necessário e desejarmos o impossível. Cabe à capacidade de raciocínio estabelecer a distinção.
  26. 26. AS LIÇÕES DE SÊNECA A razão :  nos capacita a teorizar acerca da rota da carroça;  nos permite determinar quando nossos desejos estão em conflito irrevogável com a realidade.
  27. 27. CONCLUSÃO Talvez sejamos impotentes para alterar determinados acontecimentos, mas permanecemos livres para escolher que atitude tomar em relação a eles, e em nossa aceitação o espontânea da necessidade encontramos uma liberdade caracteristicamente humana.

×