Estatistica Basica para Saude Aula 2

143 visualizações

Publicada em

Estatística Básica para Saúde Aula 2

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
143
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
0
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Estatistica Basica para Saude Aula 2

  1. 1. www.valorp.com Consultoria e Cursos Kaluce Gonçalves de Sousa Almondes Doutora em Ciência dos Alimentos Faculdade de Ciências Farmacêuticas - USP www.valorp.com contato@valorp.com Estatística Básica para Saúde Aula 02
  2. 2. www.valorp.com Tipos de variáveis Organização de banco de dados Importância da estatística Pré-requisitos Principais testes univariados (Comparação de 2 médias e de mais de 2 médias, Correlações, Associações) Outras análises importantes Agenda
  3. 3. www.valorp.com Discreta – Ex.: número de filhos Quantitativa Contínua – Ex.: IMC Nominal – Ex.: Sem excesso de peso Com excesso de peso Qualitativa Ordinal – Ex.: Baixo peso Eutrófico Excesso de peso Obesidade Tipos de variáveis
  4. 4. www.valorp.com Organização de banco de dados Identificação Sexo Nº de filhos IMC Class_IMC_Com e Sem excesso Class_IMC_Completa 1 1 1 18,2 1 1 2 2 2 20,4 1 2 3 1 3 20,0 1 2 4 2 2 14,9 1 1 5 1 5 23,3 1 2 6 1 1 31,2 2 4 7 2 2 26,8 2 3 8 2 3 16,4 1 1 9 1 4 35,2 2 4 LEGENDA: Class_IMC_Com e Sem excesso Class_IMC_Completa Categoria Referência Código Categoria Referência Código Sem excesso < 25 Kg/m2 1 Baixo Peso < 18,5 Kg/m2 1 Com excesso ≥ 25 Kg/m2 2 Eutrofia 18,5 – 24,9 Kg/m2 2 Excesso de peso 25 – 29,9 Kg/m2 3 Sexo Obesidade ≥ 30 Kg/m2 4 Feminino 1 Masculino 2 Qualitativa nominal Quantitativa discreta Quantitativa contínua Qualitativa nominal Qualitativa ordinal
  5. 5. www.valorp.com Identificação HAS DM DC Identificação Doenças 1 x 1 1 2 x x 2 6 3 x 3 1 4 x 4 3 5 x 5 2 6 x 6 1 7 x x 7 6 8 x 8 2 9 x x 9 4 10 x x x 10 7 LEGENDA: Doenças Códigos HAS 1 DM 2 DC 3 HAS e DM 4 HAS e DC 5 DM e DC 6 HAS, DM e DC 7 Organização de banco de dados
  6. 6. www.valorp.com Classificação das variáveis antropométricas Variáveis Categorias Referência Código IMC (kg/m2) Baixo Peso < 18,5 0 Eutrofia 18,5 – 24,9 1 Excesso de peso 25 – 29,9 2 Obesidade ≥ 30 3 CC (cm) Feminino Masculino Sem risco < 80 < 94 0 Risco elevado 80 – 88 94 – 102 1 Risco muito elevado ≥ 88 ≥ 102 2 % GC Feminino Masculino Risco de doenças e distúrbios associados à desnutrição ≤ 8 ≤ 5 0 Abaixo da média 9 – 22 6 -14 1 Média 23 15 2 Acima da média 24 – 31 16 – 24 3 Risco de doenças associadas à obesidade ≥ 32 ≥ 25 4 Fonte: Organização Mundial de Saúde (2000); Lohman (1992).
  7. 7. www.valorp.com 1) Comparação entre as medidas: - Maior, menor, igual; - Melhor, pior, indiferente; 2) Segurança na comparação; Grupo A – média de LDL – 135,2 mg/dL Grupo B – média de LDL – 138,4 mg/dL Será que o grupo B tem concentração média de LDL maior que o grupo A? Importância da estatística
  8. 8. www.valorp.com Importância da estatística em laboratório Coeficiente de variação: mede a precisão (reprodutibilidade) do teste. É obtido a partir da média e desvio padrão (CV= DP/média X 100). Em geral, não devem ser maior que 5%.
  9. 9. www.valorp.com Identificação Peso Resíduo Resíduo ao quadrado 1 64 1,25 1,5625 2 71 8,25 68,0625 3 53 -9,75 95,0625 4 67 4,25 18,0625 5 55 -7,75 60,0625 6 58 -4,75 22,5625 7 77 14,25 203,0625 8 57 -5,75 33,0625 9 56 -6,75 45,5625 10 51 -11,75 138,0625 11 76 13,25 175,5625 12 68 5,25 27,5625 62,75 0 Média Resíduo Resíduo ao quadrado = (soma total)/nº de indivíduos = (valor do peso - média do peso) = resíduo x resíduo 𝑉𝑎𝑟𝑖â𝑛𝑐𝑖𝑎 = Σ 𝑑𝑜 𝑟𝑒𝑠í𝑑𝑢𝑜 𝑎𝑜 𝑞𝑢𝑎𝑑𝑟𝑎𝑑𝑜 𝑛 − 1 𝑉𝑎𝑟𝑖â𝑛𝑐𝑖𝑎 = 888,25 12 − 1 𝑉𝑎𝑟𝑖â𝑛𝑐𝑖𝑎 = 80,75 𝐷𝑒𝑠𝑣𝑖𝑜 𝑝𝑎𝑑𝑟ã𝑜 = 80,75 𝐷𝑒𝑠𝑣𝑖𝑜 𝑝𝑎𝑑𝑟ã𝑜 = 𝑉𝑎𝑟𝑖â𝑛𝑐𝑖𝑎 𝐷𝑒𝑠𝑣𝑖𝑜 𝑝𝑎𝑑𝑟ã𝑜 = 8,986 Média, variância e DP Variância: medida de dispersão que mostra quão distantes os valores estão da média Desvio padrão: é o resultado positivo da raiz quadrada da variância
  10. 10. www.valorp.com Univariados – Ex.: qui-quadrado, comparações de 2 ou mais médias, correlações. Multivariados – Ex.: regressões, análise de componentes principais. Testes estatísticos
  11. 11. www.valorp.com OBJETIVO DO ESTUDO (Ho) TESTE PARAMÉTRICO TESTE NÃO PARAMÉTRICO comparação de 2 médias (amostras independentes) t-Student Mann-Whitney comparação de 2 médias (amostras relacionadas) t-Student (pareado) Wilcoxon comparação de 3 ou mais médias (amostras independentes) análise de variância (ANOVA) Kruskal-Wallis coeficiente de correlação Pearson Spearman Teste univariados
  12. 12. www.valorp.com Normalidade Kolmogorov-Smirnov ou Shapiro-Wilk - p > 0,05 One-Sample Kolmogorov-Smirnov Test IMC N 84 Normal Parameters(a,b) Mean 18,5845 Std. Deviation 4,36485 Most Extreme Differences Absolute ,170 Positive ,170 Negative -,099 Kolmogorov-Smirnov Z 1,559 Asymp. Sig. (2-tailed) ,015 a Test distribution is Normal. b Calculated from data. p < 0,05 One-Sample Kolmogorov-Smirnov Test Energia N 74 Normal Parameters(a,b) Mean 1782,5811 Std. Deviation 426,96926 Most Extreme Differences Absolute ,059 Positive ,059 Negative -,040 Kolmogorov-Smirnov Z ,507 Asymp. Sig. (2-tailed) ,960 a Test distribution is Normal. b Calculated from data. p > 0,05
  13. 13. www.valorp.com Homogeneidade Levene - p > 0,05 p < 0,05 Test of Homogeneity of Variances Levene Statistic df1 df2 Sig. IMC 11,841 1 334 ,001 Energia 3,109 1 282 ,079 p > 0,05 Decisão Variável Normalidade Homogeneidade Compar. média Correlação IMC Não Normal Não Homogêneo Não Paramétrico Não ParamétricoEnergia Normal Homogêneo Paramétrico Por grupos: sexo, genótipo
  14. 14. www.valorp.com Decisão - Tipos de testes Comparação de médias Suposições Normalidade Homogeneidade Teste Normal Homogêneo Paramétrico Não normal Não Homogêneo Não Paramétrico Normal Não homogêneo Não paramétrico Não normal Homogêneo Paramétrico Correlações Suposição – só normalidade Variável 1 Variável 2 Teste Normal Normal Paramétrico Não normal Não normal Não paramétrico Normal Não normal Não paramétrico Não normal Normal Não Paramétrico
  15. 15. www.valorp.com Comparação de duas médias – amostras independentes
  16. 16. www.valorp.com Exemplo - Comparação de 2 médias 1) Pergunta: A média do IMC e a média da idade dos indivíduos adultos com artrite diferem entre os indivíduos do sexo feminino e masculino? 2) As variáveis IMC e idade têm distribuição normal? 3) A variáveis IMC e idade são homogêneas? 4) Decidir se o teste para comparar 2 médias será paramétrico ou não paramétrico. Variável Normalidade Homogeneidade Teste IMC Normal Homogêneo Paramétrico Idade Normal Não homogênea Não Paramétrico Testando a normalidade e a homogeneidade temos que... Obs.: O teste paramétrico para comparação de duas médias é o t de Student O teste não paramétrico para comparação de duas médias é o de Mann-Whitney
  17. 17. www.valorp.com Exemplo - Comparação de 2 médias TESTE t DE STUDENT – Condição: p < 0,05 – há diferença entre os grupos; p > 0,05 – não há diferença entre os grupos
  18. 18. www.valorp.com Exemplo - Comparação de 2 médias TESTE DE MANN-WHITNEY – Condição: p < 0,05 – há diferença entre os grupos; p > 0,05 – não há diferença entre os grupos Sexo N Mean Std. Deviation Std. Error Mean Feminino 18 27,0944 8,17057 1,92582 Masculino 22 24,4682 2,82782 ,60289 Idade
  19. 19. www.valorp.com Forma de apresentar o resultado Variável Sexo n Média (DP) p Idade (anos) Feminino 18 27,09 (8,17) 0,135‡ Masculino 22 24,47 (2,83) IMC (Kg/m2) Feminino 18 21,67 (3,44) 0,433£ Masculino 22 23,64 (4,50) Tabela 01. Comparação de média das variáveis idade e IMC dos indivíduos adultos com artrite. Legenda: IMC – índice de massa corpórea; DP – desvio padrão; ‡ - teste t de Student; £ - teste de Mann-Whitney. Valor de p considerado significativo abaixo de 0,05. Resposta1: A média de idade dos indivíduos adultos com artrite não difere significativamente entre os indivíduos do sexo feminino e masculino (p = 0,135). Resposta2: A média de IMC dos indivíduos adultos com artrite não difere significativamente entre os indivíduos do sexo feminino e masculino (p = 0,433).
  20. 20. www.valorp.com Comparação de mais de duas médias – amostras independentes
  21. 21. www.valorp.com Exemplo - Comparação de mais de 2 médias 1) Pergunta: A média do IMC e a média da concentração de Se eritrocitário das mulheres com câncer de mama diferem entre os genótipos do SNP Pro198Leu? 2) As variáveis IMC e concentração de Se eritrocitário têm distribuição normal? 3) As variáveis IMC e concentração de Se eritrocitário são homogêneas? 4) Decidir se o teste para comparar mais de 2 médias será paramétrico ou não paramétrico. Variável Normalidade Homogeneidade Teste IMC Normal Homogêneo Paramétrico Se eritrocitário Normal Não homogêneo Não Paramétrico Testando a normalidade e a homogeneidade temos que... Obs.: O teste paramétrico para comparação de mais de duas médias é o ANOVA O teste não paramétrico para comparação de mais de duas médias é o Kruskal-Wallis
  22. 22. www.valorp.com Exemplo - Comparação de mais de 2 médias Detalhe importante  Uso do Pós-teste Motivo: ANOVA ou Kruskal-Wallis só dizem que há diferença, mas não mostram onde está a diferença!! Paramétricos: Bonferroni, Scheffe, Duncan, Tukey Não paramétricos: Games-Howell, Dunnett
  23. 23. www.valorp.com Exemplo - Comparação de mais de 2 médias TESTE DE ANOVA e TUKEY – Condição: p < 0,05 – há diferença entre os grupos; p > 0,05 – não há diferença entre os grupos
  24. 24. www.valorp.com Exemplo - Comparação de mais de 2 médias TESTE DE KRUSKAL-WALLIS e TUKEY – Condição: p < 0,05 – há diferença entre os grupos; p > 0,05 – não há diferença entre os grupos
  25. 25. www.valorp.com Forma de apresentar o resultado Tabela 02. Comparação de médias das variáveis IMC e Se eritrocitário de mulheres com câncer de mama de acordo com os genótipos do SNP Pro198Leu. Legenda: IMC – índice de massa corpórea; DP – desvio padrão; ‡ - teste ANOVA; £ - teste de Kruskal-Wallis. Letras iguais indicam que não há diferença significativa e letras diferentes indicam que há diferença significativa entre os grupos segundo o teste de Tukey. Valor de p considerado significativo abaixo de 0,05. Resposta1: A média de IMC das mulheres adultas com câncer de mama não difere significativamente entre os genótipos do SNP Pro198Leu (p = 0,749). Resposta2: A média da concentração de Se eritrocitário das mulheres adultas com câncer de mama difere significativamente entre os genótipos do SNP Pro198Leu (p < 0,01), sendo que a concentração de Se eritrocitário do grupo Pro/Pro foi maior que Pro/Leu e Leu/Leu e a de Pro/Leu foi maior que a de Leu/Leu (p < 0,05). Parâmetro SNP Genótipo n Média (DP) p IMC (Kg/m2) Pro198Leu Pro/Pro 10 21,80 (3,16)a 0,749‡ Pro/Leu 10 23,20 (5,77)a Leu/Leu 10 22,60 (2,72)a Se eritrocitário (ug/L) Pro198Leu Pro/Pro 10 117,91 (32,06)a < 0,01£ Pro/Leu 10 80,81 (6,03)b Leu/Leu 10 58,25 (8,82)c
  26. 26. www.valorp.com Correlações
  27. 27. www.valorp.com Exemplo - Correlação 1) Pergunta: Houve correlação entre as variáveis GPx, SOD e ORAC dos participantes considerando os grupos com indivíduos saudáveis e DCV? 2) As variáveis GPx, SOD e ORAC têm distribuição normal? 3) Decidir se o teste de correlação será paramétrico ou não paramétrico. Testando a normalidade e a homogeneidade temos que... Obs.: O teste paramétrico para correlação é o de Pearson O teste não paramétrico para correlação é o de Spearman Variável Normalidade Variável 1 Variável 2 Teste SOD Normal SOD GPx Não Paramétrico GPx Não Normal SOD ORAC Paramétrico ORAC Normal GPx ORAC Não Paramétrico
  28. 28. www.valorp.com Exemplo - Correlação DETALHES IMPORTANTES!! Obs1.: Correlação direta ou inversa. Direta - proporcionais, ou seja, quando uma aumenta a outra também aumenta (r é positivo). Inversa - inversamente proporcionais, ou seja, quando uma aumenta a outra diminui (r é negativo). Obs2.: Pearson e Spearman - significativo quando o valor de p é menor que 0,05. O valor de r representa a força da correlação, que varia de 0 a 1. Quanto mais próximo de 1 é o valor de r, mais forte é a correlação.
  29. 29. www.valorp.com Correlação de Pearson
  30. 30. www.valorp.com Correlação de Spearman
  31. 31. www.valorp.com Grupo Variáveis GPx (U/g Hb) SOD (U/g Hb) ORAC (umol equivalente de trolox/mL de plasma) Caso GPx (U/g Hb) - r = - 0,031; p =0,874£ r = 0,009; p = 0,965£ SOD (U/g Hb) - - r = 0,197; p = 0,317‡ Controle GPx (U/g Hb) - r = - 0,311; p =0,158£ r = - 0,575; p = 0,005£ SOD (U/g Hb) - - r = 0,001; p = 0,998‡ Forma de apresentar o resultado Tabela 03. Correlação entre as variáveis GPx, SOD e ORAC considerando os grupos de indivíduos saudáveis e com DCV. Legenda: GPx – Glutationa peroxidase; SOD – Superóxido dismutase; ORAC – capacidade total antioxidante; ‡ - teste de Pearson; £ - teste de Spearman. Valor de p considerado significativo abaixo de 0,05. Resposta: Houve correlação significativa apenas entre as variáveis GPx e ORAC (r = - 0,575; p < 0,01) no grupo de indivíduos saudáveis, ou seja, a medida que a variável GPx aumenta o ORAC diminui.
  32. 32. www.valorp.com Associações
  33. 33. www.valorp.com Exemplo - Associação 1) Pergunta: Houve associação estatisticamente significativa entre as variáveis sexo ou classificação de Cu eritrocitário e os grupos de indivíduos com Doença de Crohn ou controles? 2) Não precisa saber se tem distribuição normal ou homogeneidade das variâncias. 3) Os teste utilizado é o qui-quadrado e depende da quantidade de amostras nas categorias.  Se alguma das categorias apresenta menos de 5 amostras, o teste utilizado deverá ser o qui-quadrado exato de Fisher.  Se as categorias apresentam mais de 5 amostras, o teste utilizado deverá ser o qui-quadrado de Pearson.
  34. 34. www.valorp.com Legenda: * - Teste de qui-quadrado de Pearson; Valor de p considerado significativo abaixo de 0,05. Forma de apresentar o resultado Tabela 04. Distribuição dos indivíduos com Doença de Crohn e controles de acordo com a classificação de sexo Resposta1: Não houve associação significativa entre as variáveis sexo e grupo, pois o valor de p foi maior que 0,05. Assim, o fato de ser do sexo feminino ou masculino não está associado a ter a doença de Crohn. Grupos Sexo Total p* Feminino Masculino n % n % n % Doença de Crohn 18 60,00 12 40,00 30 50,00 0,071 Controles 11 36,67 19 63,33 30 50,00
  35. 35. www.valorp.com Legenda: * - Teste de qui-quadrado exato de Fisher; Valor de p considerado significativo abaixo de 0,05. Forma de apresentar o resultado Tabela 05. Distribuição dos indivíduos com Doença de Crohn e controles de acordo com a classificação de Cu eritrocitário Resposta1: Houve associação significativa entre as variáveis Cu eritrocitário e grupo, pois o valor de p foi menor que 0,05. Assim, o fato de ter deficiência em Cu eritrocitário está associado a ter a doença de Crohn. Variável Classificação Cu eritrocitário (ug/dL) Total p* Deficiência Normal n % n % n % Grupo Doença de Crohn 29 96,67 1 3,33 30 50,00 < 0,001* Controle 0 0,00 30 100,00 30 50,00
  36. 36. www.valorp.com Forma de apresentar o resultado 29 96.67 1 3.33 30 50.00 0 0.00 30 100.00 30 50.00 0 20 40 60 80 100 120 n % n % n % Deficiência Normal Cu eritrocitário (ug/dL) Total Doença de Crohn Controle Variável Classificação Cu eritrocitário (ug/dL) Total p* Deficiência Normal n % n % n % Grupo Doença de Crohn 29 96,67 1 3,33 30 50,00 < 0,001* Controle 0 0,00 30 100,00 30 50,00
  37. 37. www.valorp.com Outros testes interessantes!!
  38. 38. www.valorp.com Qui-quadrado de McNemar Bolacha recheada com nescau: Dos 80 indivíduos 39 mudaram, destes 27 (69,23%) passaram a não consumir bolacha recheada com nescau entre o almoço e o jantar e 12 (30,77%) passaram a consumir bolacha recheada com nescau entre o almoço e o jantar. Houve diferença significativa nessa mudança de hábito (p = 0,025).
  39. 39. www.valorp.com Comparação de 2 médias para amostras relacionadas Variável Antes Depois P Se plasmático (ug/L) 75,00 (14,23) 113,45 (19,73) 0,001‡ MDA (uMol/L) 1,38 (0,33) 1,52 (0,49) 0,433£ Tabela 07. Medidas de tendência central e dispersão das variáveis Se plasmático e ORAC antes e após a suplementação com castanha do Brasil. Legenda: Valores expressos como Média (Desvio padrão); MDA – malodiadeído; ‡ - teste t de Student para amostras pareadas; £ - teste de Wilcoxon. Valor de p considerado significativo abaixo de 0,05. Resposta1: A média de Se plasmático após a suplementação com castanha do Brasil foi significativamente maior que antes da suplementação (p = 0,001). Resposta2: A média de MDA não diferiu significativamente antes e após a suplementação com castanha do Brasil (p = 0,433).
  40. 40. www.valorp.com Outros formas de apresentação dos dados!!
  41. 41. www.valorp.com Análise Descritiva Sexo Idade- 24 casos; - 60 controles;
  42. 42. www.valorp.com Valor Máximo Valor Mínimo 3º Quartil Mediana ou 2ºQ 1º Quartil Box Plot
  43. 43. www.valorp.com Análise Descritiva IMC Zn e Grupos
  44. 44. www.valorp.com Análise Descritiva Legenda: ¥ - EAR (39 mg/dia) e RDA (45 mg/dia) para o sexo feminino e masculino com idade entre 9 e 13 anos; * - EAR (63 mg/dia) e RDA (75 mg/dia) para o sexo masculino com idade entre 14 e 18 anos; Figura 2. Distribuição dos indivíduos de acordo com a classificação do sexo e do consumo de vitamina C segundo a EAR e RDA
  45. 45. www.valorp.com Análise Descritiva r = 0,741; p < 0,001 Figura 1. Distribuição dos indivíduos de acordo com as concentrações de ORAC e SOD
  46. 46. www.valorp.com Consultoria e Cursos Kaluce Gonçalves de Sousa Almondes Doutora em Ciência dos Alimentos Faculdade de Ciências Farmacêuticas - USP Estatística Básica www.valorp.com

×