Musicas e viideos

227 visualizações

Publicada em

para saber mais

Publicada em: Arte e fotografia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
227
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Musicas e viideos

  1. 1. Jataí 2014 WELLICA FERREIRA DE MORAIS SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO PEDAGOGIA PRODUÇÃO TEXTUAL
  2. 2. Jataí 2014 PRODUÇÃO TEXTUAL Trabalho de Inclusão do aluno com deficiência física na escola pública, apresentado à Universidade Norte do Paraná - UNOPAR, como requisito parcial para a obtenção de média bimestral. WELLICA FERREIRA DE MORAIS
  3. 3. SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO......................................................................................................................3 2 DESENVOLVIMENTO.........................................................................................................4 3 CONCLUSÃO.......................................................................................................................7 REFERENCIAS............................................................................................................8
  4. 4. 3 1 INTRODUÇÃO O trabalho proposto tem como objetivo demonstrar a relação existente entre a formação estética e os professores, abordando a importância dessa relação e suas vantagens para estes profissionais. Em seguida, será apresentada a uma síntese da biografia do artista brasileiro Romero Brito.
  5. 5. 4 2 DESENVOLVIMENTO Quando se propõe que haja uma formação estética para os professores, o que espera-se é que estes profissionais sejam imbuídos num desejo de levar as artes para suas vidas, extrapolando as disciplinas da escola, possibilitando aos mesmos experiências ricas e sensíveis, uma vez que, o sentido do estético pode ser baseado no artístico e também no estra-artístico. De acordo com Soares e Carvalho (2006), quando há o oferecimento dos ateliês de formação estética para as professoras, é para que possa haver uma possibilidade destas desenvolverem suas capacidades de apreciação, sensibilização e imaginação, haja vista que existe o contato direto com variadas e diversas expressões de linguagens. No mesmo sentido, oportuno se faz mencionar a afirmação de Vasque (1999, p.19): “a sensibilidade estética é um processo longo de desenvolvimento dos sentidos realizado pelo homem no processo de humanização, na relação que estabelece com a natureza, com os outros homens e consigo mesmo”. Quando está-se envolvido com a arte, o indivíduo é capaz de experimentar situações inusitadas através dos seus sentidos. É indispensável, para a vida cotidiana do professor que haja a criação, de tudo o que ele necessitará para embasar seus projetos de aulas. Nessa linha de pensamento, ressalta-se Pino (2006, p.69), quando este leciona que as funções imaginárias : [...] é a possibilidade permanente de realizar ações criadoras [...] à semelhança do que ocorre com as outras funções superiores, a função imaginária encontra seu suporte biológico na atividade imagética animal [...] e, como ocorre com todas elas, a passagem do plano natural (da imagética animal) ao plano cultural (da imagética humana) é obra de um mecanismo mediador que permite essa passagem. A função desse mecanismo é converter o biológico em cultural. O processo em que esse mecanismo opera o chamamos de mediação semiótica. As funções mencionadas apontam a relação do imaginário com o real, podendo-se indicar dois tipos de real: o natural, que se confunde com a própria natureza e do qual o homem é parte integrante, e o real humano, que é constituído por todas as produções humanas e forma o campo da cultura. Não resta dúvidas de que a formação estética é de extrema importância para os professores, pois, ao formarem os mesmos usando a educação estética a arte passa a ser uma espécie de fruidor do profissional, já que este passa
  6. 6. 5 a observar seu entorno educacional com outros olhos, ampliando seu campo de visão, admitindo outras possibilidades de ensinar e de aprender, buscando dinamismo, pesquisa e criatividade para desenvolver seu trabalho. Sendo assim, será observado a vida e obra do artista plástico brasileiro, pintor, escultor e serígrafo Romero Britto, que tem sido consagrado no mundo inteiro pelo reconhecimento à sua arte pop. Romero Britto é natural do Recife, nasceu em 6 de outubro de 1963. Já aos 8 anos de idade começou a demonstrar seu interesse pela arte, realizando pinturas em sucatas, jornal e até em papelão. Esse interesse foi aguçado pela sua família, que sempre o presenteava com livros de arte. Quando o artista tinha apenas 14 anos de idade realizou sua primeira exibição pública, tendo seu primeiro quadro vendido para a OEA- Organização dos Estados Americanos. Ressalta-se que o artista nasceu em família pobre, estudou em escolas públicas e também obteve bolsas de estudos. Quando tinha dezessete anos de idade iniciou o Curso de Direito na Universidade Católica de Pernambuco. Romero também viajou para a Europa com o objetivo de conhecer o que ele somente conhecia pelos livros, que era a arte, tendo realizado pinturas e as exibindo por um ano em diversos países, como Alemanha, Espanha e Inglaterra. Diante disso, decidiu abandonar o curso de Direito e foi para Miami em visita a um amigo de infância, Leonardo Conte, onde fixou residência, se casou e tem um filho. No início, ele trabalhou como atendente de lanchonete, caixa de loja, ajudante de jardineiro, enfim, lutou para conquistar seu espaço. Antes de encontrar uma galeria onde pudesse exibir sua arte, o pintor começou a expor nas calçadas da Flórida, sendo depois levada sua exposição para a Steiner Gallery, onde seus trabalhos começaram a ser vendidos para entusiastas de todas as partes do mundo. Romero também iniciou uma parceria com uma loja de móveis, que vendia suas obras. E essas vendas cresceram tanto que, entusiasmado, o dono da loja decidiu alugar um espaço em um Shopping, onde foi montado o estúdio de Romero, que permaneceu ali por um período de 6 anos. E foi nesse local que Romero recebeu, do Diretor presidente da Vodka, um convite para criar uma pintura que pudesse ser usada numa campanha publicitária para o produto, tendo sido contratado pela empresa para criação de pinturas.
  7. 7. 6 Dog Blue Fonte: http://www.mundopediu.com/2013/05/obras-de-romero-britto-e-seus-nomes.html A partir daí, importantes marcas como Grand Manier, Pepsi Cola, Disney, IBM, dentre outras, começaram a incorporar pinturas do artista em seus projetos de caráter especiais. Neptune's Daughter Fonte: http://www.mundopediu.com/2013/05/obras-de-romero-britto-e-seus-nomes.html Romero se tornou um artista de renome, e tem dedicado seus esforços também para as causas filantrópicas, arrecadando, devido sua influência, fundos para diversas organizações que trabalham em diversos países.
  8. 8. 7 3 CONCLUSÃO Frente ao observado no decorrer do trabalho, foi possível extrair que, sem dúvida, a formação estética do professor possui caráter extremamente importante para o desenvolvimento profissional e pessoal deste, haja vista que, diante dos diversos tipos de entendimentos que a arte traz, é possível abrir a mente para que novos olhares e perspectivas sejam inseridas no seu contexto de ensino- aprendizagem.
  9. 9. 8 REFERÊNCIAS BRITO. Disponível em: http://www.britto.com.br/portu/romero.asp. Acesso em 16 de out. de 2014. Obras de Romero Brito. Disponível em: http://www.mundopediu.com/2013/05/obras- de-romero-britto-e-seus-nomes.html. Acesso em 20 de out. de 2014. SOARES, Maria Luiza Passos; CARVALHO, Carla. A formação estética do professor: conceitos de artes visuais. Disponível em: file:///C:/Users/USER/Downloads/1408652273953%20(2).pdf. Acesso em 16 de out. de 2014. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. Biblioteca Central. Normas para apresentação de trabalhos. 2. ed. Curitiba: UFPR, 1992. v. 2. VÁZQUEZ, Adolfo Sánchez. Um convite à estética. Trad.: Gilson Baptista Soares. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999.

×