1
Indústria Portuguesa:
A Chave da Crise
JEEC/14 – Jornadas de Engenharia Electrotécnica e Computadores do IST
2014.03.11
...
Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 2
 A Crise para a SECIL: Enquadramento
 A estratégia da SECIL
 ...
Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 3
 A Crise para a SECIL: Enquadramento
Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 4
A Crise para a SECIL: Enquadramento
2,7
3,23,43,3
3,9
4,4
5,15,3...
Capacidade de produção de Cimento ≈ 11,4 Mt
2,6 Mt
23%
8,0 Mt
Vendas de Cimento emPortugal
Vendas MI Cimpor+Secil 2013 Cap...
Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 6
 A Estratégia da SECIL
Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 7
 Procurar novos mercados através de exportação e
expansão atrav...
Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 8
 A Implementação da Estratégia
Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 9
A Implementação da Estratégia:
Aumento exportações e diversifica...
Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 10
Destino das exportações em 2013 – 1.488.000 t para 26 Países
A ...
Tunísia:
• Cimento
• Betão Pronto
• Cal Artificial
• Prefabricados de Betão
Líbano
• Cimento
• Betão-Pronto
Angola:
• Cime...
Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 12
A Implementação da Estratégia:
Redução de Custos
100
83,65
92,1...
Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 13
A Implementação da Estratégia:
Adaptação da Estrutura em Portug...
Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 14
A Implementação da Estratégia:
Adaptação da Estrutura em Portug...
Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 15
Administrador
Fábrica 1 Fábrica 2 Fábrica 3
Produção 1
Manutenç...
Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 16
 Evolução dos custos unitários do clínquer face à redução da
p...
Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 17
 Imprescindível a redução de custos por forma a competir no
me...
Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 18
90,70
87,26
89,34 89,23
86,26
89,02
49,98
40,97
47,64
49,01 48,...
Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 19
A Implementação da Estratégia:
Redução Custos Energia
Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março
2014
20
21,13%
4,67%
8,06%
61,25%
4,88%
Distribuição de Combustíevis Al...
Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 21
Chips de pneu
Fluff (têxteis de pneus)
Farinhas animais
Estilha...
Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março
2014
22
9
8
4
1
5
3
6
7
2
1
2
3
4
5
6
7
8
LENA AMBIENTE
CITRI
PRORESI
R...
Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março
2014
23
Ffuu
Resíduos Nordeste
EGSRA
Lipor
Ecoleziria
Resitejo
Ecobeirã...
Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março
2014
24
A Implementação da Estratégia:
Redução Custos Energia Térmica
Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março
2014
25
9,39
13,06
14,52
17,30
22,84
31,58
38,16
41,00
43,70
0,00
5,00
...
Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 26
100
60,85
77,40
91,84
73,85
68,83
-
20
40
60
80
100
120
2008 20...
Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março
2014
27
100
64,7
74,0
87,4
72,5
67,075,91
47,58
60,23
70,53
55,23
49,70...
Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março
2014
28
100
96,35
116,74
128,91
155,66
165,18
-
20
40
60
80
100
120
140...
Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 29
A Implementação da Estratégia:
Proj. Eficiência Energética lanç...
Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 30
A Implementação da Estratégia:
Proj. Eficiência Energética lanç...
CTEC 31
A Implementação da Estratégia:
Projecto Inovador Integrado
03-01-2014
Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 32
 Benchmark
Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 33
600
650
700
750
800
850
900
950
1000
1987 1989 1991 1993 1995 1...
Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 34
80,0
90,0
100,0
110,0
120,0
130,0
140,0
1996
1997
1998
1999
200...
Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 35
680
720
760
800
840
880
920
1990
1991
1992
1993
1994
1995
1996
...
Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 36
 Metas
Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 37
Metas 2011 - 2016
Potencial Redução Custos
 Potencial de reduç...
Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março
2014
38
A apresentação está disponível em www.secil.pt
a partir de 2014...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Chave crise

65 visualizações

Publicada em

secil desviando da crise

Publicada em: Engenharia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
65
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Chave crise

  1. 1. 1 Indústria Portuguesa: A Chave da Crise JEEC/14 – Jornadas de Engenharia Electrotécnica e Computadores do IST 2014.03.11 O caso da SECIL
  2. 2. Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 2  A Crise para a SECIL: Enquadramento  A estratégia da SECIL  A Implementação da Estratégia  O Benckmark para a Eficiência Energética  As Metas Índice
  3. 3. Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 3  A Crise para a SECIL: Enquadramento
  4. 4. Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 4 A Crise para a SECIL: Enquadramento 2,7 3,23,43,3 3,9 4,4 5,15,3 6,0 6,46,46,3 5,55,35,4 5,8 6,46,6 7,17,47,67,57,67,9 8,4 9,5 10,1 10,6 11,111,3 10,8 9,39,2 8,7 7,87,8 7,3 6,2 5,8 4,9 3,5 2,8 1972 1973 1974 1975 1976 1977 1978 1979 1980 1981 1982 1983 1984 1985 1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Consumode Cimento(Mt) Evolução do consumo no Mercado Português
  5. 5. Capacidade de produção de Cimento ≈ 11,4 Mt 2,6 Mt 23% 8,0 Mt Vendas de Cimento emPortugal Vendas MI Cimpor+Secil 2013 Capacidade não utilizada A Crise para a SECIL: Enquadramento
  6. 6. Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 6  A Estratégia da SECIL
  7. 7. Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 7  Procurar novos mercados através de exportação e expansão através de aquisições ou implementação de novas fábricas noutros Países; A Estratégia da SECIL Principais Iniciativas  Reduzir custos e emissões de CO2;  Diminuir dependência de combustíveis exógenos;  Tornar as exportações independentes do tamanho do mercado interno;  Produzir electricidade por aproveitamento calor perdido;
  8. 8. Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 8  A Implementação da Estratégia
  9. 9. Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 9 A Implementação da Estratégia: Aumento exportações e diversificação destinos 0 200.000 400.000 600.000 800.000 1.000.000 1.200.000 1.400.000 1.600.000 toneladas Exportações da SECIL
  10. 10. Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 10 Destino das exportações em 2013 – 1.488.000 t para 26 Países A Implementação da Estratégia: Aumento exportações e diversificação destinos
  11. 11. Tunísia: • Cimento • Betão Pronto • Cal Artificial • Prefabricados de Betão Líbano • Cimento • Betão-Pronto Angola: • Cimento Cabo Verde: • Inertes • Prefabricados de Betão Portugal: • Cimento • Betão-Pronto • Inertes • Argamassas • Prefabricados de Betão • Painéis de Cimento-Madeira A Implementação da Estratégia: Presença em vários países Brasil •Cimento •Betão-Pronto Presença em 6 Países
  12. 12. Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 12 A Implementação da Estratégia: Redução de Custos 100 83,65 92,18 102,30 98,42 88,20 - 20 40 60 80 100 120 2008 2009 2010 2011 2012 2013 % Evolução do Custo total na Produção de Cimento (clinquer) evolução custo total Adaptação da Estrutura: Aumento de Produtividade Redução de Custos Operacionais: Produção e Manutenção (Serviços/Materiais) Aumento da Eficiência Energética: Térmica e Eléctrica
  13. 13. Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 13 A Implementação da Estratégia: Adaptação da Estrutura em Portugal  Adaptação da Estrutura Orgânica do Negócio de Produção de Cimento em Portugal:  Passagem Estrutura Hierarquia para Estrutura Matricial;  Coordenação partilhada da Unidade de Negócio;  Estrutura suficientemente elástica capaz de se adaptar rapidamente à dimensão do mercado, nos dois sentidos;
  14. 14. Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 14 A Implementação da Estratégia: Adaptação da Estrutura em Portugal Administrador 1 Fábrica 1 Fábrica 2 Fábrica 3 Comercial Administrador 2 Produção 1 Manutenção 1 Qualidade 1 Ambiente & Segurança 1 Produção 2 Manutenção 2 Qualidade 2/3 Ambiente & Segurança 2/3 Produção 3 Manutenção 3 Vendas Distribuição Estrutura Inicial
  15. 15. Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 15 Administrador Fábrica 1 Fábrica 2 Fábrica 3 Produção 1 Manutenção 1/2/3 Qualidade 1/2/3 Ambiente & Segurança 1/2/3 Produção 2 Produção 3 Vendas Distribuição Direcção Geral Estrutura Adaptada A Implementação da Estratégia: Adaptação da Estrutura em Portugal
  16. 16. Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 16  Evolução dos custos unitários do clínquer face à redução da produção  Produção clínquer 2008 vs 2013: -35%  Variáveis 2008 vs 2013: -4%  Cash Costs 2008 vs 2013: -9% (totais s/amortizações) Peso relativo das principais rubricas na estrutura custos:  2008: Pessoal: 13%; Serviços externos: 26%; Variáveis: 56%  2013: Pessoal: 12%; Serviços externos: 27%; Variáveis: 59% A Implementação da Estratégia: Redução de Custos Operacionais
  17. 17. Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 17  Imprescindível a redução de custos por forma a competir no mercado de exportação  Subjacente a lógica da maximização da variabilização dos custos operacionais  Renegociação de contratos de produção e serviços manutenção;  Contratos valorizados preferencialmente com base na produção;  Redução do nível de stocks (working capital/custos de posse)  Minimização dos custos fixos e de estrutura  Redução de pessoal fixos (-30%)  Otimização dos serviços e operações transversais A Implementação da Estratégia: Redução de Custos Operacionais
  18. 18. Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 18 90,70 87,26 89,34 89,23 86,26 89,02 49,98 40,97 47,64 49,01 48,09 51,45 0,00 10,00 20,00 30,00 40,00 50,00 60,00 70,00 80,00 90,00 100,00 2008 2009 2010 2011 2012 2013 % Pesoda Energia no Custo de Produção de Cimento (Clinquer) % energia no custo variável % energia no custo total s/a A Implementação da Estratégia: Redução Custos Energia
  19. 19. Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 19 A Implementação da Estratégia: Redução Custos Energia
  20. 20. Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 20 21,13% 4,67% 8,06% 61,25% 4,88% Distribuição de Combustíevis Alternativos em Portugal Pneus BiomassaAnimal Biomassa Vegetal Combustíveis Derivados de Resíduos Resíduos Industrais Perigosos A Implementação da Estratégia: Redução Custos Energia Térmica Distribuição de Combustíveis Alternativos em Portugal
  21. 21. Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 21 Chips de pneu Fluff (têxteis de pneus) Farinhas animais Estilha de madeira RDF (Plásticos+Têxteis+Papel) Lamas oleosas Principais Combustíveis Alternativos Utilizados: A Implementação da Estratégia: Redução Custos Energia Térmica
  22. 22. Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 22 9 8 4 1 5 3 6 7 2 1 2 3 4 5 6 7 8 LENA AMBIENTE CITRI PRORESI RIBTEJO LENA AMBIENTE RESILEI Rima VALOR-RIB SEMURAL 9 Aterros: Principais Operadores CDR derivado RINP: -SGR -Ambitrena -Semural -Ecomais -EGEO -Renascimento Potencial de 250.000 t/ano A Implementação da Estratégia: Redução Custos Energia Térmica
  23. 23. Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 23 Ffuu Resíduos Nordeste EGSRA Lipor Ecoleziria Resitejo Ecobeirão BravalA B C D E F G H I J K Resialentejo Tratolixo Gesamb Amcal Ambilital A B C D E FG H J K I 1 2 3 4 56 7 8 9 10 11 AdP Resulima Valorsul Valnor Valorlis ERSUC Resistrela Suldouro Valorminho1 2 3 4 5 6 7 8 Resinorte 9 Amarsul10 Algar11 CDR derivados de RSU - Sistemas Gestoras de RSU Potencial de 1500.000 t/ano A Implementação da Estratégia: Redução Custos Energia Térmica
  24. 24. Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 24 A Implementação da Estratégia: Redução Custos Energia Térmica
  25. 25. Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 25 9,39 13,06 14,52 17,30 22,84 31,58 38,16 41,00 43,70 0,00 5,00 10,00 15,00 20,00 25,00 30,00 35,00 40,00 45,00 50,00 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 % Evolução da Utilização de Combustíveis Alternativos na SECIL em Portugal Taxa de substituição (calor) A Implementação da Estratégia: Redução Custos Energia Térmica
  26. 26. Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 26 100 60,85 77,40 91,84 73,85 68,83 - 20 40 60 80 100 120 2008 2009 2010 2011 2012 2013 % Evolução do Custo da Energia Térmica a Produção de Cimento (clinquer) evolução custo energia térmica A Implementação da Estratégia: Redução Custos Energia Térmica
  27. 27. Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 27 100 64,7 74,0 87,4 72,5 67,075,91 47,58 60,23 70,53 55,23 49,70 0 20 40 60 80 100 120 2008 2009 2010 2011 2012 2013 % ComparaçãoCusto Térmico Real com Combustíevis Alternativos vs Custo Térmicocom Combustível Coque % evolução custo térmico só com coque 6 % % evolução custo real face ao coque A Implementação da Estratégia: Redução Custos Energia Térmica
  28. 28. Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 28 100 96,35 116,74 128,91 155,66 165,18 - 20 40 60 80 100 120 140 160 180 2008 2009 2010 2011 2012 2013 % Evolução do Custo da Energia Eléctrica a Produção de Cimento (clinquer) evolução custo energia eléctrica A Implementação da Estratégia: Redução Custos Energia Eléctrica
  29. 29. Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 29 A Implementação da Estratégia: Proj. Eficiência Energética lançado em 2012
  30. 30. Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 30 A Implementação da Estratégia: Proj. Eficiência Energética lançado em 2012
  31. 31. CTEC 31 A Implementação da Estratégia: Projecto Inovador Integrado 03-01-2014
  32. 32. Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 32  Benchmark
  33. 33. Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 33 600 650 700 750 800 850 900 950 1000 1987 1989 1991 1993 1995 1997 1999 2001 2003 2005 2007 2009 2011 2013 Kcal/Kgclk Consumo específico de Energia Térmica SECIL Média GNR - EU-27 Benchmark: Energia Térmica
  34. 34. Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 34 80,0 90,0 100,0 110,0 120,0 130,0 140,0 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 kWh/t Consumo específico de Energia Eléctrica Global Benchmark EU-27 Benchmark: Energia Eléctrica
  35. 35. Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 35 680 720 760 800 840 880 920 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 kgCO2/tclkCz Emissões Específicas de CO2 por tonelada de clínquer SECIL GNR EU-27 Benchmark: Emissões de CO2
  36. 36. Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 36  Metas
  37. 37. Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 37 Metas 2011 - 2016 Potencial Redução Custos  Potencial de redução de custos anual de -8 M€ Portugal Cimento SECIL Unidades 2011 2016 Substituição Alternativos % 38,16 70 Energia Térmica MJ/kg 3686 3490 Energia Eléctrica Kwh/t 108,2 100 Emissão CO2 tCO2/tclinquer 0,813 0,73 Intergração Clinquer % 74,18 72 Energia Eléctrica c/ WHR Kwh/t 108,2 85
  38. 38. Instituto Superior Técnico – JEEC/14 - 11 de Março 2014 38 A apresentação está disponível em www.secil.pt a partir de 2014.03.12

×