1
ENCONTROS
“TEMAS EM REFLEXÃO”
Charles Guimarães Filho
2
3
INTRODUÇÃO
Num livro da Messiânica intitulado “Explicação sobre a
Teoria de Purificação Okada” apregoa para “não discrim...
4
5
ÍNDICE
01-Raça é estímulo ao racismo 007
02- Religião é ópio do povo 027
03-Princípio da Democracia é engodo 043
04-Homo...
6
7
RAÇA
É ESTÍMULO AO RACISMO
8
9
TEMA
• Racismo
Na primeira metade do século XX, surgiu o conceito de
raça superior proveniente da ideologia nazista, que...
10
negra", um conceito que para eles não existia. Os interesses do
tráfico levavam os comerciantes a motivar a diferença é...
11
• Exemplo atual
James Watson, distinguido com o Nobel da Medicina em
1962, pela descoberta da estrutura molecular do AD...
12
educação está relacionada às oportunidades propiciadas pelo
nível econômico.
• Classificações de raças
Além da baseada ...
13
Nos anos 50, com a descoberta das influências do
ambiente na constituição pessoal, ganha força o conceito de
população ...
14
de radiação ultravioleta em nosso planeta, mostrando que o
homem evoluiu com diferentes cores de pele para se adaptar
a...
15
A primeira classificação dos homens em raças foi a "Nova
divisão da terra pelas diferentes espécies ou raças que a
habi...
16
do cruzamento do índio com o negro; cabra: oriundo do
cruzamento do mulato com o negro.
No Censo Demográfico Brasileiro...
17
Segundo os pesquisadores, as diferenças são pequenas e
não as notamos apenas no olhar: foi só medindo e comparando
os m...
18
REFLEXÃO
Mesmo com Pierre Darlu, geneticista no Laboratório de
Epidemiologia Genética de Paris, dizendo que “todas as
c...
19
serem feitos prisioneiros, estariam no mesmo patamar espiritual
que os soldados mortos em batalhas.
Pois bem, Meishu-Sa...
20
Estômago = Solo = Mundo Material
Pulmão = Lua = Mundo Atmosférico
Coração = Sol = Mundo Espiritual”
E mais adiante afir...
21
Raça Negra = Vontade = Solo = MM
Raça Branca = Razão = Lua = MA
Raça Amarela = Sentimento = Sol = ME
Provavelmente algu...
22
Por exemplo, é comum falar-se das raças de cães cuja
importante discrepância em destino foi à domesticação. Com o
passa...
23
genético” o homem de Neandertal que para sobreviver a essas
intempéries deve ter tido que raciocinar muito. Se estes se...
24
observável na história das raças brancas. Graças ao espírito
competitivo foi que a raça branca desenvolveu a cultura qu...
25
Em apenas dez países, sendo oito europeus e os dois
americanos, se detém 608 prêmios Nobel em ciências, ou seja,
quase ...
26
O evolucionismo permite dizer que não somos
descendentes dos macacos, mas sim seus primos ou até que
somos um tipo de m...
27
RELIGIÃO
É ÓPIO DO POVO
28
29
TEMA
A intolerância religiosa pode ser oriunda da ideologia ou
política em termos irracionais, sem nenhuma cientificida...
30
algumas gotas de amor, fé e esperança.” Moses Hesse, num
ensaio publicado na Suíça em 1843, também utilizou a mesma
ide...
31
Algumas religiões retrucam tal afirmativa dizendo que
uma religião equilibrada e sadia não tem como ser um ópio, será
s...
32
REFLEXÃO
Nestes 24 anos como messiânico me atrevo em dizer que
possivelmente parte dos seguidores do Messias Meishu-Sam...
33
• Religião e Política também têm de caminhar juntas
“Religião e Política” em 25 de janeiro de 1949:
“Apesar de haver um...
34
homem, ou seja, na sua alma. Purificar a alma é o método
verdadeiramente eficaz. Estou convicto de que isso só poderá s...
35
Acho desnecessário falar muito a respeito, porque se
trata de uma teoria conhecida por todos aqueles que se
interessam ...
36
“Sejam sempre homens do presente” em 11 de outubro
de 1950:
“O homem deve progredir e elevar-se continuamente,
sobretud...
37
ação tais palavras que as criaturas poderão, verdadeiramente,
ficar atualizadas. Os homens que não pensam e não agem as...
38
solução. Pretendo dissecá-los através do afiado bisturi da
crítica religiosa, resolvendo-os por meio da prática aplicad...
39
desaprovo os bonzos que fazem uso freqüente das “mentiras de
ocasião”. As conhecidas táticas empregadas pelos comercian...
40
leis, organização política e econômica, sistema social, etc.; estão
constituídos de forma extremamente satisfatória pel...
41
“Sunao”:
“Quando eu falo a jornalistas desse país [Estados Unidos
da América do Norte] sobre a finalidade da Messiânica...
42
“Só a sinceridade é capaz de resolver os problemas dos
indivíduos, do país e do mundo. A deficiência política resulta d...
43
PRINCÍPIO DA DEMOCRACIA
É ENGODO
44
TEMA
A legitimidade da democracia não parece ser contestada
por ninguém nos dias de hoje. Mas o mesmo não acontece com
...
45
não é praticamente um artifício para atrair e enganar o povo, um
chamariz através de voto.
Os pensadores italianos do s...
46
ideologias como fascismo, nazismo, comunismo, capitalismo,
anarquismo e populismo.
No que se seguem todos os citados tr...
47
REFLEXÃO
• Existem princípios inferiores e superiores.
“Até as pregações religiosas caem no exagero, mas na
realidade, ...
48
harmoniosa e feliz na Terra é despertar nos homens (...) a crença
na existência de Deus.”
Lógica Divina: o mesmo que "p...
49
• Intelecto do político seja orientado pelo teísmo e inteligência
de alto nível.
“Kan-chi é a inteligência maldosa, mui...
50
• A nação e sua gente devem se nortear pela prática da
verdade, virtude e beleza.
“Em qualquer circunstância, entretant...
51
• O fascismo e o nazismo são liderados por Satanás.
“A História registrou a passagem de muitos desses heróis
e grandes ...
52
que os próprios capitalistas e fazendeiros é que geram o
comunismo; ou seja, eles lutam contra um fantasma criado pôr
e...
53
havia quem os ajudasse, além deles próprios. Por maiores que
fossem as dificuldades, só dependiam de si mesmos. O único...
54
número de médios capitalistas, será quase impossível pensar-se
no êxito dos empreendimentos. Esta é a necessidade imedi...
55
delinquência juvenil, evitando-se, dessa forma, um negro futuro
para o Japão e para o mundo.
Essas observações que fiz ...
56
• Felizmente, ladrão não é necessário no Mundo Ideal.
“Deus construiu este mundo de tal forma que todas as
coisas sujas...
57
• Variedade de partidos e doutrina arcaica impede a
disponibilidade à verdade e a harmonia.
“De modo especial entre os ...
58
quanto no Ocidente. Que o digam todos os precursores de ideias
revolucionárias!
(...) quando se propõem preceitos altam...
59
senadores e deputados, os quais têm ligações com o povo que
governam, ou ao qual representam. Quanto mais alta for a
po...
60
• Ativismo político sem “ismos” e democracia é uma
necessidade de todos.
“Não se trata de comunismo, nem tampouco de
so...
61
HOMOSSEXUAL
É DESTINO
62
63
TEMA
• Homossexual
É alguém que: sente atração sexual por um ser do mesmo
sexo (homos = mesmo; sexus = sexo); está sob ...
64
de melhorar a sociedade; quando condenados, eram
considerados um pecado ou algum tipo de doença, sendo, em
alguns casos...
65
homossexualidade algo que não prejudica a sociedade. Em 1985,
a ABP foi seguida pelo Conselho Federal de Psicologia (CF...
66
psicologia comportamental e a biologia genética. Isso não quer
dizer que não existiram outras áreas envolvidas neste te...
67
A propriedade mais importante do sistema nervoso
central é sua plasticidade. Dos pais se herda o formato da rede
de neu...
68
adequado socialmente, mas não há quem consiga esconder de si
próprio suas preferências sexuais.
Até onde a memória alca...
69
teleológico, incoerente com a seleção natural), mas, mesmo se
tivesse este não seria a reprodução, mas apenas sua satis...
70
A principal questão a respeito das terapias de
reorientação sexual não é se conseguem alterar a orientação
sexual ou nã...
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
temas de reflexao
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

temas de reflexao

508 visualizações

Publicada em

sem comentarios

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
508
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

temas de reflexao

  1. 1. 1 ENCONTROS “TEMAS EM REFLEXÃO” Charles Guimarães Filho
  2. 2. 2
  3. 3. 3 INTRODUÇÃO Num livro da Messiânica intitulado “Explicação sobre a Teoria de Purificação Okada” apregoa para “não discriminar em razão de raça, religião, princípio político, sexo, idade, deficiência, etc.”. Logo, se pode intuir que temas relacionados aos assuntos enunciados acima sejam complexos, fundamentais e controvertidos desde as épocas mais recente até as de todos os tempos, os quais merecem reflexão nesses encontros de duas horas em todas as terceira 3ª feiras do mês no ano de 2015. Encontros “Temas em Reflexão” tem como objetivo o de procurar esclarecer estes temas a fim de contribuir na mudança de ideal, social e pessoal e assim colaborar na edificação de cidades celestiais em prol da construção do paraíso terrestre. A metodologia é a de: exposição de um desses temas pelo palestrante em cerca de uma hora; na outra hora restante ele responde às dúvidas dos presentes no local ou que estejam inscritos no site mencionado acima. Os seus nove conteúdos temáticos são: 1-Raça é estímulo ao racismo; 2-Religião é ópio do povo; 3-Sufrágio Universal é engodo; 4-Homossexual é destino; 5-Terceira Idade é egoísta; 6- Vírus da AIDS é de origem conhecida; 7-Muçulmano é incivilizado; 8- Corrupção é desenvolvida pela passividade; 9- Economia do Futuro é a do Izunomê; 10-Casamento gay é vontade humana.
  4. 4. 4
  5. 5. 5 ÍNDICE 01-Raça é estímulo ao racismo 007 02- Religião é ópio do povo 027 03-Princípio da Democracia é engodo 043 04-Homossexual é destino 061 05-Terceira Idade é poço de ignorância 083 06-Vírus da AIDS é de origem conhecida 099 07-Muçulmano é incivilizado 117 08-Corrupção é desenvolvida pela passividade 141 09-Economia do Futuro é a do Izunomê 163 10-Casamento gay é vontade humana 187
  6. 6. 6
  7. 7. 7 RAÇA É ESTÍMULO AO RACISMO
  8. 8. 8
  9. 9. 9 TEMA • Racismo Na primeira metade do século XX, surgiu o conceito de raça superior proveniente da ideologia nazista, que sustenta que os povos germânicos e nórdicos representam um ideal de "raça pura". Ele deriva da teoria racial do Século XIX, que postulou uma hierarquia de raças onde os bosquímanos da África e os aborígenes da Austrália encontravam-se no ponto mais inferior, enquanto os europeus do norte encontravam-se no topo. Dificilmente algum geneticista atual daria crédito a tal modelo hierárquico de raças — a partir dos quais são construídas as políticas de higiene racial — mas tal conceito ainda existe, principalmente entre os supremacistas brancos. O surgimento dos Movimentos negros ocorreu fortemente na segunda metade do século XX. O marco fundador destes foi atribuído ao movimento Black Power lançado nos EUA em 1960 o qual difundiu o conceito de negritude à diáspora caribenha e sul americana. No Brasil o movimento negro se revelou na década de 70 com as iniciativas políticas e culturais as quais valorizavam a negritude e promoviam a consciência negra. Por esta época se percebeu que durante a montagem do sistema escravista moderno, no qual milhões de africanos foram transferidos compulsoriamente para as Américas para o trabalho escravo, fortaleceu-se o conceito de uma "raça negra", superpondo-se a toda uma grande quantidade diferenças étnicas que existiam na África, e que ainda existem hoje. Os africanos nas sociedades que precederam o moderno sistema escravista, não se viam como "negros”. Na África, os africanos enxergavam-se a partir de identidades étnicas diferenciadas, e não de uma única "raça
  10. 10. 10 negra", um conceito que para eles não existia. Os interesses do tráfico levavam os comerciantes a motivar a diferença étnica na ponta africana do tráfico negreiro, pois os comerciantes de escravos conseguiam escravos das guerras intertribais, nas quais as tribos vencedoras vendiam os indivíduos pertencentes às tribos vencidas. Mas, ao mesmo tempo, na ponta final do processo de escravização, quando o escravo deveria ser vendido nas Américas e incorporado ao trabalho no sistema colonial, já interessava aos comerciantes e senhores de engenhos - ou ao sistema escravista, de modo geral - criar uma categoria única para os "negros" africanos, inclusive misturando africanos procedentes das várias etnias de modo a que não se concentrassem em um mesmo local indivíduos pertencentes a uma mesma etnia de origem na África, pois os vínculos de identidade poderiam favorecer as revoltas. Percebe-se, portanto, que a construção da ideia de "negro", à altura da montagem do sistema escravista, foi um processo complexo, que recobriu, embora sem eliminá-las totalmente, as etnias africanas de origem. O conceito de raças humanas também foi usado pelos regimes coloniais e pelo apartheid (na África do Sul), para perpetuar a submissão dos colonizados. Em 2001 foi articulado o plano de ação contra o racismo, discriminação social e xenofobia, articulado na África do Sul, Durbam, que teve suma importância na difusão de propostas afirmativas em outros países. No Brasil em 2003, foi sancionada a lei 10.639 com o caráter de política de educação. Esta vincula à rede de ensino a abordagem da História da África e da Cultura afro-brasileira, a fim de desmistificar as abordagens eurocêntricas sobre o negro africano e sobre o afro-brasileiro. Em 2011 a lei foi modificada incluindo o ensino das culturas indígenas brasileiras.
  11. 11. 11 • Exemplo atual James Watson, distinguido com o Nobel da Medicina em 1962, pela descoberta da estrutura molecular do ADN, defende a teoria de que há diferenças de inteligência entre brancos e negros: "Os negros são menos inteligentes que os brancos". Para o cientista, de 79 anos, "toda a nossa política social é baseada no fato da inteligência dos africanos ser igual à nossa, embora todas as experiências nos digam que não é bem assim". Para completar a sua teoria, acrescenta que "embora desejasse que todos fossemos iguais, quem tem de lidar com empregados negros sabe que tal não é verdade". Definir inteligência é complicado: além do raciocínio lógico, há outras características, como a capacidade musical, que também podem ser consideradas como inteligência. Inventado no início do século passado, o teste de QI (quociente de inteligência) pretendendo medir a capacidade mental das pessoas. Mas os críticos dizem que ele só considera o raciocínio lógico-matemático, pequena parcela da inteligência. Criada na década de 1950, a Teoria das Habilidades Cognitivas diz que o homem tem 10 subtipos de inteligência, embora derivados de uma capacidade geral. É o primeiro ataque à noção de raciocínio lógico como sinônimo de inteligência. No fim dos anos 80, o pesquisador americano Howard Gardner classificou a inteligência em oito habilidades: lógico- matemática, linguística, musical, físico-cinestésica, espacial, naturalista, existencial e inteligências pessoais. Desenvolvida pelo psicólogo Daniel Goleman no fim dos anos 90, a Teoria da Inteligência Emocional usa testes para medir o quociente de inteligência emocional (QE). Os críticos argumentam que o QE só mede variações de personalidade. Na década de 1990, cientistas americanos descobrem que as pessoas mais ricas tendem a se sair melhor nos testes de QI. A conclusão: o teste era bom só para indicar que uma boa
  12. 12. 12 educação está relacionada às oportunidades propiciadas pelo nível econômico. • Classificações de raças Além da baseada em características físicas sempre houveram outras, mais relacionadas com a cultura, principalmente a religião dos "outros", como os mouros ou "infiéis", como os europeus denominavam os muçulmanos, ou os judeus. De uma maneira geral, os gregos consideravam bárbaros todos os povos que não falassem sua língua nem professassem seus valores, enquanto os egípcios inferiorizavam os hebreus, escravizando-os e tinham deles opiniões pouco lisonjeiras, mas sem fazer referências a características físicas. Cada um de nós é único, e sabemos disso por que podemos identificar perfeitamente um indivíduo por seu código genético, a não ser que tenha um gêmeo idêntico. Mas, em se tratando de grupos, sabe-se que as diferenças físicas não escondem diferenças genéticas. As populações da África Central e da Papua-Nova Guiné, parecidos fisicamente, pois viveram no mesmo tipo de meio ambiente, tem os patrimônios genéticos mais diferenciados no mundo. Assim, não existem genes raciais. Os métodos genéticos para estudar populações humanas deixaram de ser utilizados. Vários investigadores demonstraram que a distância genética é fortemente associada à distância geográfica entre as populações por bom tempo, esta associação torna-se mais forte se tivermos em conta as migrações entre continentes ao longo de toda a história da humanidade. Em 1950, retomando uma ideia da Antiguidade greco- romana, a UNESCO usa o conceito de etnia para classificar os homens com base em fatores comuns – ancestralidade, religião, cultura ou idioma – em vez de usar como base apenas a aparência física, como fazem os defensores da ideia de raça.
  13. 13. 13 Nos anos 50, com a descoberta das influências do ambiente na constituição pessoal, ganha força o conceito de população – um grupo que compartilha traços culturais, não importando a aparência física ou ancestralidade. É o critério mais aceito hoje. • Conceito clássico Classificação de grupos humanos por seus traços físicos hereditários como cor de pele, tipo de cabelo, etc. sem nenhuma discriminação baseada na suposta inferioridade de certas raças, ou seja, sem nenhuma vinculação com o racismo. Estes fenótipos seriam provenientes das interações entre informações hereditárias de um organismo contidas em seu genoma mais o ambiente, bem como discrepâncias em destino. Variação fenotípica é um pré-requisito fundamental para a evolução por seleção natural, senão vejamos. Na sua longa evolução até atingir a sua forma humana final, nosso ancestral foi se adaptando fisicamente às condições ambientais. Perdeu os pelos do corpo porque começou a fazer longas caminhadas e precisava esfriar o corpo. Sem pelo, ficou com o corpo exposto e as células que produziam melanina se espalharam por toda a pele. A mudança na coloração da pele foi descoberta em 1991 aos estudos que mostravam que pessoas de pele clara expostas à forte luz solar tinham níveis muito baixos de folato. Como a deficiência dessa substância em mulheres grávidas pode levar a graves problemas de coluna em seus filhos, e como ele é essencial em atividades que envolvam a proliferação rápida de células, tais como a produção de espermatozoides, a antropóloga concluiu que nos ambientes próximos à linha do Equador, a pele negra era uma boa forma de manter o nível de folato no corpo, garantindo assim a descendência sadia. Para provar suas teorias a respeito de cor da pele foi usado um satélite da NASA e criou um mapa de padrões
  14. 14. 14 de radiação ultravioleta em nosso planeta, mostrando que o homem evoluiu com diferentes cores de pele para se adaptar aos diferentes meio-ambientes. Assim, o homem saiu da África e chegou à Ásia, e de lá foi para a Oceania, a Europa e por fim para a América. Nas regiões menos ensolaradas, a pele negra começou a bloquear demais os raios ultravioletas, sabidamente nocivos, mas essencial para a formação da vitamina D, necessária para manter o sistema imunológico e desenvolver os ossos. Por isso, as populações que migraram para regiões menos ensolaradas desenvolveram uma pele mais clara para aumentar a absorção de raios ultravioleta. Portanto, a diferença de coloração da pele, da mais clara até a mais escura, indicaria simplesmente que a evolução do homem procurou encontrar uma forma de regular nutriente. Ao se espalhar pelo mundo, os humanos só tinham uma arma para enfrentar uma grande variedade de ambientes: sua aparência. Para enfrentar o calor excessivo, a altura ajuda a evaporar o suor, como é o caso dos quenianos. O cabelo encarapinhado ajuda a reter o suor no couro cabeludo e a resfriá-lo; o oposto vale para as populações das regiões mais frias do planeta. O corpo e a cabeça dos mongóis, que se desenvolveram por lá, tendem a ser arredondado para guardar calor, o nariz, pequeno para não congelar, com narinas estreitas para aquecer o ar que chega aos pulmões, e os olhos, alongados e protegidos do vento por dobras de pele. • Empregado na história Os egípcios classificavam os seres humanos somente com base na cor de pele: vermelho- egípcios, amarela- asiático, branco- populações do norte, preta- populações subsaarianas (corresponde à chamada África negra, assim denominada pela predominância nessa região de povos de pele escura).
  15. 15. 15 A primeira classificação dos homens em raças foi a "Nova divisão da terra pelas diferentes espécies ou raças que a habitam", publicada em 1684. No século XIX, vários naturalistas publicaram estudos sobre as "raças humanas". Nessa época, as "raças humanas" distinguiam-se não só pela cor da pele, mas também pelo tipo facial (principalmente a forma dos lábios, olhos e nariz), perfil craniano e textura e cor do cabelo. Tradicionalmente, os seres humanos foram divididos em três ou cinco grandes grupos de linhagem (dependendo de interpretação), mas a denominação de cada um – pelo motivo indicado – tem variado ao longo do tempo: Mongoloide (raça amarela): povos do leste e sudeste asiático, Oceania (malaios e polinésios) e continente americano (esquimós e ameríndios); Caucasoide (raça branca): povos de todo o continente europeu, norte da África e parte do continente asiático (Oriente Médio e norte do Subcontinente Indiano); Negroide (raça negra): povos da África Subsaariana. Os outros dois grupos de linhagem humana seriam: Australoide: sul da Índia (drávidas), negritos das Ilhas Andaman (Oceano Índico) e das Filipinas, aborígenes de Papua- Nova Guiné e da Austrália e povos melanésios da Oceania. Capoide: tribos Khoisan (extremo sul do continente africano). Apesar de poderem ser considerados como dois grupos distintos de linhagem humana, australoides e capoides também podem ser considerados como negroides, de acordo com essa mesma classificação tradicional. O geógrafo Aroldo de Azevedo classificou as "raças" no Brasil como sendo: branco, o europeu imigrado para o Brasil; negro da terra, o índio, dividido em várias nações; mulato, oriundo do cruzamento do branco com o negro; caboclo, oriundo do cruzamento do branco com o índio; cafuzo, oriundo
  16. 16. 16 do cruzamento do índio com o negro; cabra: oriundo do cruzamento do mulato com o negro. No Censo Demográfico Brasileiro em 2010 são empregadas segundo a cor ou raça as cinco categorias utilizadas nas pesquisas, pela ordem em que figuram no questionário: branca, preta, amarela, parda e indígena. Atualmente, só nos Estados Unidos se usa uma classificação da sua população em raças, alegadamente para proteger os direitos das minorias. No Brasil persiste o uso do termo na política, quando se pede "igualdade racial" ou na legislação quando se fala em "preconceito de raça", como a lei nº 12.288, de 20 de julho de 2010, que instituiu, no Brasil, o “Estatuto da Igualdade Racial”. • Exemplo atual Dos últimos 38 recordistas mundiais nos 100 metros rasos, 28 são atletas negros. Cientistas acham terem encontrado as razões pelas quais eles foram mais rápidos. Estudo feito mostra que há diferença entre negros, asiáticos e brancos na questão do comprimento dos braços e pernas e que o centro de gravidade do corpo dos negros seria mais alto, dando mais estabilidade na corrida. Desde 1968 os recordes na prova de 100 metros rasos foram quebrados por atletas negros. Isso aconteceria pela diferença que cada raça tem na sua estrutura física – então o atleta poderia ser africano, brasileiro, jamaicano, canadense ou alemão: se ele for afrodescendente, independente de sua cultura, ele terá mais chances de ser mais rápido por seu físico. Os negros tendem a ter membros mais longos, mas com uma circunferência menor. Isso afetaria o centro de gravidade de seus corpos, que seria mais alto do que se comparado com um branco ou asiático da mesma altura.
  17. 17. 17 Segundo os pesquisadores, as diferenças são pequenas e não as notamos apenas no olhar: foi só medindo e comparando os membros de atletas que chegaram a essas conclusões. O estudo analisou as medidas de soldados de 17 nações diferentes. Como os militares medem a maior parte do corpo de seus recrutas com exatidão, eles são uma fonte confiável. Depois fizeram as comparações e perceberam que as pessoas mais rápidas possuem membros longos, centro de gravidade mais alta, e que essas características são mais comuns em negros. Em contraste, os brancos possuem o tórax mais largo, tendo a vantagem em esportes aquáticos. • Noção que incentiva O termo raça, como visto, foi introduzido no século XVII e atingiu seu auge no século XIX, a partir da metade do século XX ele caiu em desuso e levado ao racismo. Deste modo, a concepção de que raça é um conceito que irmana é inútil e inconveniente, muito do superficial, dispensável e inquestionável, em outras palavras: nada de complexo, fundamental e controvertido. Por outro lado, o que se pergunta, nos dias de hoje, é: pode-se interessar por raças humanas sem ser estimulado ou até mesmo tachado de discriminação baseada na suposta inferioridade de certas raças? Acreditamos que sim e essa é a nossa tarefa, para isso vamos a ...
  18. 18. 18 REFLEXÃO Mesmo com Pierre Darlu, geneticista no Laboratório de Epidemiologia Genética de Paris, dizendo que “todas as classificações tentadas até hoje tiveram como ponto comum a ocultação do caráter evolutivo do homem”, vamos tentar que não seja assim. O Messias Meishu-Sama entre 1926 a 1945 viveu no Japão nas seguintes circunstâncias. Hiroito, com a morte do pai, em 1926, assumiu o trono como imperador e inaugurou uma nova era, a era Showa. De acordo com a Constituição Japonesa de 1889, o imperador era considerado uma divindade encarnada e detinha, como tal, poderes absolutos. Tal condição é baseada em uma crença do xintoísmo segundo a qual os integrantes da Família Imperial Japonesa são descendentes do deus sol Amaterasu. O período de reinado de Hiroito anterior à Segunda Guerra Mundial é marcado pelo ultranacionalismo e imperialismo japonês. Em 1931 o Japão invadiu a Manchúria e, seis anos depois, o restante da China. Há documentos que mostram que o imperador japonês autorizou o uso de armas químicas (gás tóxico) contra os chineses, contrariando uma resolução da Liga das Nações que condenava a prática. Durante a Segunda Guerra, o Japão se aliou à Alemanha e à Itália, formando o Eixo. Em 1941 o Exército japonês atacou de surpresa a esquadra americana em Pearl Harbor, no Havaí. Nas batalhas, ficaram conhecidos os pilotos kamikazes, que cometiam suicídio arremetendo a aeronave contra embarcações inimigas. Hiroíto também incentivou o suicídio entre civis, para evitar que fossem capturados pelos americanos. O imperador garantiu que os cidadãos que cometessem suicídio, para evitar
  19. 19. 19 serem feitos prisioneiros, estariam no mesmo patamar espiritual que os soldados mortos em batalhas. Pois bem, Meishu-Sama elaborou o livro “Terapia Espiritual” em 1936 onde aconteciam os Jogos Olímpicos de Verão na Alemanha e a ditadura de Adolf Hitler que criava as premissas de seu caráter racista e militarista. Nesta época em que ele escreveu tal livro ainda não tinha o nome religioso de Meishu-Sama e nem era considerado o Messias, era apenas o fundador Mokiti Okada que havia criado a instituição religiosa Igreja Messiânica Mundial em 1935 e sofria intensas perseguições e prisões. Eis o que ele diz: “Tudo que existe no Universo tem por fundamento o Sol, a Lua e a Terra, ou seja, todas as coisas recebem as propriedades do fogo, da água e do solo, não havendo uma única exceção. Vejamos: Chinesa = Terapia do Solo; Ocidental = Terapia da Lua; Japonesa = Terapia do Sol. A Medicina Chinesa é a Terapia do Solo e tem por base o estômago. Por isso, baseia-se em remédios feitos de ervas, raízes e cascas de árvores, que provêm do solo, e tenta curar através delas, além de dieta alimentar. O solo é o produtor das coisas materiais e o estômago é o órgão exclusivo das coisas materiais, de modo que há perfeita correspondência entre ambos. A Medicina Ocidental é a Terapia da Lua, correspondendo à Noite, e tem por base o pulmão. É grande, portanto, o seu interesse pelas doenças pulmonares, e daí a importância que dá ao ar, como todos sabem. A Terapia Japonesa, que nasceu agora, é a Terapia do Sol e corresponde ao Dia. É uma terapia com base no coração, que tendia a ser negligenciado pelas terapias existentes até hoje, e tem a energia espiritual como elemento principal. Ao conjunto formado pelos três órgãos - estômago, pulmão e coração - denominamos Trilogia dos Órgãos Internos. Separados em termos de mundos, fica:
  20. 20. 20 Estômago = Solo = Mundo Material Pulmão = Lua = Mundo Atmosférico Coração = Sol = Mundo Espiritual” E mais adiante afirma algo muito enigmático para muitos: “Solo = Raça Negra Lua = Raça Branca Sol = Raça Amarela” Em 1949, Meishu-Sama ensinou que “O homem depende de seu pensamento”: Mas, o que é o pensamento para ele? Nesse mesmo ano ele explicitou no ensinamento “Os japoneses e as doenças psíquicas”: “Analisando o pensamento humano, diremos que ele é constituído de razão, sentimento e vontade, os quais levem o homem à ação. A função da parte frontal do cérebro é comandar a razão, e a da parte posterior é comandar os sentimentos. Como prova disso, o amplo desenvolvimento da parte frontal da cabeça, nas pessoas de raça branca, indica a riqueza da razão; ao contrário, as de raça amarela possuem a parte frontal estreita e a parte posterior desenvolvida, indicando a riqueza dos sentimentos. Todos sabem que a raça branca é a mais racional, e a raça amarela a mais emotiva. A razão e o sentimento estão sempre em luta dentro do homem. Se a razão vencer, não há falhas, mas a pessoa torna-se fria; se o vencedor for o sentimento, os instintos ficam em liberdade, o que é perigoso. O ideal é os dois se harmonizarem e a pessoa não pender para um só lado, mas geralmente isso não acontece. Para o sentimento ou a razão se expressam em ação, seja grande ou pequena, necessita-se da vontade (raça negra), a qual provém de uma função situada em determinado ponto da zona umbilical. Essa é a origem de todas as ações, e a união dos três elementos - razão, sentimento e vontade - constitui a trilogia do pensamento.” Em suma:
  21. 21. 21 Raça Negra = Vontade = Solo = MM Raça Branca = Razão = Lua = MA Raça Amarela = Sentimento = Sol = ME Provavelmente alguns vão achar que estamos começando a discriminação. Entre estes alguns estão certos no seu julgamento, pois estamos percebendo diferenças e quem assim não o faz tem como antônimo a confusão. Outros estão errados ao acreditar que estamos afastando ou tratando mal por características étnicas, o que é puro preconceito. Talvez estes preconceituosos confundam razão com inteligência e a tenham esta como algo máximo, desconhecendo o que Meishu-Sama ensinou em 1949 no ensinamento “As cinco inteligências”: “Há vários tipos de inteligência. Formam uma escada de cinco degraus, na seguinte ordem: Divina, sagrada, superior, ardilosa e calculista.” E para quem tenha alguma dúvida: “Analisemos, a seguir, a inteligência calculista. Todos a consideram uma inteligência superficial; seu sucesso é passageiro, resultando sempre em derrota, e os que dela se utilizam perdem a confiança dos outros. A inteligência ardilosa pode ser considerada como perversidade - é a inteligência do mal. Milhares de pessoas a empregam, quase sempre pertencentes ás classes dirigentes e intelectuais. Assim, é impossível a sociedade melhorar. Tão logo essa espécie de inteligência seja erradicada do Universo, surgirá uma sociedade sadia e países magníficos.” Para estes racistas talvez se a razão não estivesse com a Raça Branca não haveria problema nenhum. A raça é um conceito que obedece a diversos parâmetros para classificar diferentes populações de uma mesma espécie biológica de acordo com suas características fenotípicas provenientes da genética, ambiente e discrepâncias em destino.
  22. 22. 22 Por exemplo, é comum falar-se das raças de cães cuja importante discrepância em destino foi à domesticação. Com o passar do tempo, os cachorros assumiram papéis cada vez mais específicos na vida do homem: especializaram-se em diversos sistemas de caça, guarda e pastoreio de rebanhos, tração de trenós, e ainda em atividades de combate contra outros animais. Podemos considerar que a nos dias de hoje, cerca de trezentas diferentes raças de cachorros que são reconhecidas internacionalmente. E ninguém nega e nem se importa que a raça canina mais inteligente do mundo é o Border Collie, que a mais dócil é Spitz Alemão Anão, e a mais perigosa é o Ptibull. Mas, continuemos na tentativa de cumprir a nossa tarefa. Conforme o que Meishu-Sama ensinou o ser humano não é um ser apenas racional, ele é um ser pensante, isto é, racional, sentimental e volitivo, que depende da constituição da união das raças para ter ações harmoniosas ou conflituosas, equilibradas ou desproporcionais, enfim positivas ou negativas. Para que sejam positivas é necessária razão sábia espiritualista, sentimento amoroso altruístico e vontade forte agradecida. Assim, como para que sejam negativas é preciso razão ignorante materialista, sentimento irado egoísta e vontade insaciável ingrata. Obviamente que esses são os extremos, existindo uma série de pensamentos que estão entre esses extremos. Certamente que deve haver várias dúvidas no que foi dito como o do por que da raça branca ser predominantemente mais racional do que as outras, o que não quer dizer que as outras não sejam racionais, e nem que ser racional é sempre positivo (lembrar que o ignorante raciocina) ou que seja mais positivo do que os demais (observar que parece até que o sentimento é o mais significativo). Mas, tentemos a explicação. O homem quando saiu de seu lugar de nascimento, a África oriental, ele se propagou através de todo o mundo antigo, isto é, África, Europa e Ásia. Mas o norte da Europa foi inteiramente recoberto por glaciares levando a um “derivado
  23. 23. 23 genético” o homem de Neandertal que para sobreviver a essas intempéries deve ter tido que raciocinar muito. Se estes se inter- fecundaram com o Cro-magnon ou o Homo sapiens talvez não seja o mais importante, o mais significativo é que a Europa estando praticamente na zona temperada os que lá habitaram sem o avanço tecnológico atual deve ter raciocinado intensamente para se abrigar do clima como o da baixa temperatura e nevasca. Meishu-Sama faz algumas considerações sobre a raça branca. “Juízo Final”, 1950: “Pouco tempo depois, começou a chover ininterruptamente. Uns dizem que choveu durante quarenta dias; outros dizem que cem. O certo é que foi um longo período de fortes chuvas. As águas subiam cada vez mais, inundando as casas; apenas o cume das montanhas ficava de fora. Os homens tentavam entrar na arca ou refugiar-se nas montanhas, mas os animais ferozes e as cobras venenosas, querendo salvar-se, faziam o mesmo. Como a arca possuía tampa, ninguém conseguiu entrar. Famintos, os animais devoraram todos os homens; salvaram-se apenas as oito pessoas que estavam na arca. Elas são consideradas antepassados da raça branca.” “Nova Civilização de 3/3 - Cristo, o protagonista principal do controle sobre o mal”: “Foi graças ao cristianismo que a sociedade dos povos de raça branca não se tornou um mundo dominado por Satanás e conseguiu alcançar o maravilhoso progresso que se vê nos dias de hoje. Trata-se, pois, de um legado do amor cristão. Pelo exposto, creio que os leitores puderam compreender o significado do aparecimento do cristianismo.” “A Criação da Civilização”, capítulo XVII – Nutrição, década de 40: “As carnes animais estimulam a vontade de competir, que pode transformar-se em vontade de lutar. Isto é claramente
  24. 24. 24 observável na história das raças brancas. Graças ao espírito competitivo foi que a raça branca desenvolveu a cultura que hoje conhecemos. Por outro lado, entretanto, o espírito de luta tem dado margem a guerras intermináveis. Tem havido muito mais guerras entre os países civilizados do Ocidente do que entre os países do Oriente.” “A Outra Face da Doença – O homem é um poço de saúde, 1950: “Costuma-se dizer que determinados alimentos são nutritivos e que outros não o são, mas isso também é um erro. Apesar de existir alguma diferença, dependendo do clima e das características da região, todos os alimentos são produzidos de maneira adequada às pessoas aí nascidas. Os indivíduos de raça amarela alimentam-se de arroz, e os de raça branca, de trigo.” Mas, como procurar um meio de atestar a predominância da razão para a raça branca? Tomando-se o Prêmio Nobel como uma referência aos avanços científicos e/ou culturais, isto é, um conjunto de prêmios internacionais anuais concedidos para pessoas que fizeram contribuições relevantes para a humanidade em Física, Química, Fisiologia ou Medicina, Ciências Econômicas, Literatura, e Paz por comitês suecos e noruegueses. A vontade do inventor sueco Alfred Nobel estabeleceu os prêmios em 1895. Até o momento foram distribuídos 1214 prêmios sendo que 883 em ciências e 331 em cultura onde 128 em literatura e 103 em paz. Existem 191 países assim distribuídos pelos continentes: África = 53; Europa = 46; Ásia = 44; América = 34; Oceania = 14. Para se ter uma ideia geral da distribuição desses prêmios se aloca, grosso modo, a raça negra na África, a amarela na Ásia e a branca na Europa e na América (apenas Estados Unidos e Canadá). Observa-se na ciência (predominância da razão) que:
  25. 25. 25 Em apenas dez países, sendo oito europeus e os dois americanos, se detém 608 prêmios Nobel em ciências, ou seja, quase 70%: Estados Unidos = 307, Reino Unido = 94, Alemanha = 87, Suíça = 20, Rússia = 19, Países Baixos = 18, Canadá = 18, Suécia = 17, Áustria = 15, Itália = 13; Juntando Ásia e África se detém apenas a 33, isto é, não chegando a 4%. Ásia teve 29, isto é, 3%: Japão = 17, China = 5, índia = 5, Taiwan = 1, Paquistão = 1. A África teve apenas 4, isto é, 0,4%: África do Sul = 3, Egito = 1. Com isso se volta a insistir que não se está privilegiando a ciência em relação à literatura e a paz, ou a arte em geral. Aliás, diga-se de passagem, que o cientista Stephen Hawking disse: “(...) desenvolvimento da inteligência artificial completa pode significar o fim da raça humana”. Meishu-Sama no seu ensinamento “O paraíso é o mundo da arte” diz: “Costumo dizer que o Paraíso é o Mundo da Arte, mas isso não deixa de ser um conceito bastante resumido. Naturalmente, o aperfeiçoamento da Arte é desejável, seja a pintura, a escultura, a música, as artes cênicas, a dança, a literatura, a arquitetura, etc.; entretanto, para se poder falar em Paraíso, é preciso que todas as artes estejam reunidas, ou melhor, que tudo seja artístico.” Por isso é dito no livro de ensinamentos “Evangelho do Céu, volume 3 - Reino Divino”: “Para entendê-la melhor, basta pensar um pouco no desenvolvimento da civilização. Desde tempos imemoráveis, têm aparecido na raça humana personalidades altamente capazes que jamais mediram esforços para colocar em prática ideias grandiosas em benefício do progresso.” Como não levar em conta Desmond Tutu e Nelson Mandela em prol da libertação da África do Sul, ganhadores do prêmio Nobel pela paz em 1984 e 1993, respectivamente.
  26. 26. 26 O evolucionismo permite dizer que não somos descendentes dos macacos, mas sim seus primos ou até que somos um tipo de macaco. Algo como embora 98% dos genes dos chimpanzés se assemelha com os dos homens, não somos descendentes de nossos irmãos, mas compartilhamos com eles ancestrais comuns (nossos pais). Chegando ao reino hominal, no caráter evolutivo do homem enquanto raças, diríamos que elas são irmãs descendentes da espécie humana ou simplesmente raça humana. Desse ponto de vista, raça é um conceito irmanador que está longe em ser estimulo ao racismo. Desfazendo qualquer dúvida: qualquer ser humano de qualquer raça é primo do macaco ou um tipo dele. Meishu-Sama aponta que no final todos têm mesmo fim: No ensinamento “A existência do Mundo Espiritual” em 1949, ele ensina que: “Quando o corpo carnal se torna inútil, por velhice, doença, perda de sangue, etc., o espírito o abandona e dirige-se ao Mundo Espiritual, onde passa a viver. Esse fenômeno é idêntico no mundo inteiro, seja qual for a raça.” Aponta também que as pessoas têm que aprimorar e que existem várias formas. No ensinamento “Ás vezes Deus faz uso da palavra de pessoas humildes para comunicar a sua vontade”, em 1953: “É como sempre digo: na maioria dos casos, é melhor perder. Nas discussões e coisas dessa natureza, deve-se perder, Isso é uma das formas de aprimoramento. É algo penoso ouvir atentamente a mentira do outro, mas isso também é um aprimoramento para conseguir ser calmo e tolerante. Esse é o aprimoramento verdadeiramente eficaz.” Gostaríamos de concluir com uma indagação: ao reencarnar numa determinada raça com sua predominância não seria um tipo de aprimoramento algo necessário à evolução humana?
  27. 27. 27 RELIGIÃO É ÓPIO DO POVO
  28. 28. 28
  29. 29. 29 TEMA A intolerância religiosa pode ser oriunda da ideologia ou política em termos irracionais, sem nenhuma cientificidade ou indicativa de progresso, que ocasiona prisões ilegais, espancamentos, torturas, execução injustificada, negação de benefícios e de direitos e liberdades civis, podendo também implicar em confisco de bens e destruição de propriedades, ou incitamento ao ódio, entre outras coisas. Exemplo de intolerância religiosa pode ser vista: desde a Antiguidade com a perseguição dos primeiros cristãos pelos judeus e pagãos; passando pelo século XX quando os nazistas perseguiram milhões de judeus e outras etnias não apenas devido à sua raça, mas especificamente em retaliação contra os seus ideais religiosos; até os dias de hoje com o conflito entre muçulmanos e não muçulmanos, localizado em Darfur no oeste do Sudão, onde se estima que tenham morrido 400.000 pessoas. Mas, outra coisa é a intolerância religiosa ser originária de ideologia ou política racional, científica e progressista, que leva à encarceramentos justos, negação de explorações e confisco de privilégios. Exemplo é aquela embasada na expressão "A religião é o ópio do povo" que é uma citação da “Crítica da Filosofia do Direito de Hegel” feita por Karl Marx, obra publicada em 1844. Apesar de Marx não ter sido o primeiro a utilizar a expressão, pois citações similares são encontradas em textos do século XVIII, a autoria é com frequência atribuída a ele. A comparação da religião com o ópio já tinha aparecido, por exemplo, em escritos de Kant, Feuerbach, Moses Hess e Heinrich Heine. Este último, em 1840, escreveu: “Bendita seja uma religião, que derrama no amargo cálice da humanidade sofredora algumas doces e soporíferas gotas de ópio espiritual,
  30. 30. 30 algumas gotas de amor, fé e esperança.” Moses Hesse, num ensaio publicado na Suíça em 1843, também utilizou a mesma ideia: “A religião pode fazer suportável [...] a infeliz consciência de servidão... de igual forma o ópio é de boa ajuda em angustiantes doenças.” A frase de Marx em seu contexto imediato é o seguinte: “A miséria religiosa constitui ao mesmo tempo a expressão da miséria real e o protesto contra a miséria real. A religião é o suspiro da criatura oprimida, o ânimo de um mundo sem coração e a alma de situações sem alma. A religião é o ópio do povo. A abolição da religião enquanto felicidade ilusória dos homens é a exigência da sua felicidade real. O apelo para que abandonem as ilusões a respeito da sua condição é o apelo para abandonarem uma condição que precisa de ilusões. A crítica da religião é, pois, o germe da crítica do vale de lágrimas, do qual a religião é a auréola. A crítica arrancou as flores imaginárias dos grilhões, não para que o homem os suporte sem fantasias ou consolo, mas para que lance fora os grilhões e a flor viva brote. A crítica da religião liberta o homem da ilusão, de modo que pense, atue e configure a sua realidade como homem que perdeu as ilusões e reconquistou a razão, a fim de que ele gire em torno de si mesmo e, assim, em volta do seu verdadeiro sol. A religião é apenas o sol ilusório que gira em volta do homem enquanto ele não circula em torno de si mesmo. Consequentemente, a tarefa da história, depois que o outro mundo da verdade se desvaneceu, é estabelecer a verdade deste mundo. A tarefa imediata da filosofia, que está a serviço da história, é desmascarar a auto-alienação humana nas suas formas não sagradas, agora que ela foi desmascarada na sua forma sagrada. A crítica do céu transforma-se deste modo em crítica da terra, a crítica da religião em crítica do direito, e a crítica da teologia em crítica da política."
  31. 31. 31 Algumas religiões retrucam tal afirmativa dizendo que uma religião equilibrada e sadia não tem como ser um ópio, será sim saúde para o homem na sua individualidade e na sua vida social. Mas, não negam a existência de religiões que realmente são narcóticos, provocando anestesia, dormência, euforia, dependência física e intelectual, neurose e desequilíbrio. Mas, lembram que também existem filosofias, ideologias e políticas enquadradas como ópio, como o nazismo e o próprio comunismo que devido a sua fé no ateísmo prenderam e executaram muitos cristãos. Assim, “Religião é ópio do povo” tem sido um tema complexo, fundamental e controvertido não só para religião, mas também para a filosofia, ideologia e política, há um bom tempo. Como os messiânicos têm raciocinado a respeito deste tema? Esse é o momento de procurar pensá-lo mais profundamente.
  32. 32. 32 REFLEXÃO Nestes 24 anos como messiânico me atrevo em dizer que possivelmente parte dos seguidores do Messias Meishu-Sama nunca tenha discorrido ou ouvido falar sobre este assunto numa conversa ou num trabalho, alguns talvez apenas negue ou rejeite tal enunciado sem nenhum argumento, outros que afirmam com muita convicção que religião e política não se misturam, ou seja, religião é religião, enquanto, política é política. Entretanto, quando se estuda os ensinamentos do fundador da messiânica, o Messias Meishu-Sama, pode-se começar a ficar um pouco em duvida e assim se conjecturar três pontos para serem ponderados. Quando o Messias diz que “Religião e a Arte têm de caminhar tal como as rodas de um carro.” Pode-se imaginar se Religião e Política têm de caminhar juntas. Quando Meishu-Sama concorda que “A dúvida é o princípio da crença”. Pode-se depreender que os messiânicos devam largar as suas opiniões e certezas sem nenhuma fundamentação no Fundador da Messiânica e que deixem de serem apenas devotos seguidores de rituais e superem os seus medos de perderem privilégios e seguranças apenas materiais, e passem a conhecer e praticar os ensinamentos. Apresenta-se para observações elementos da pilha de problemas a serem enfrentados.
  33. 33. 33 • Religião e Política também têm de caminhar juntas “Religião e Política” em 25 de janeiro de 1949: “Apesar de haver uma estreita relação entre Religião e Política, é estranho que isso não tenha despertado muito interesse. Na realidade, até o término da Segunda Guerra Mundial, a Política, longe de apreciar a participação da Religião, vivia oprimindo-a. Desde a Antiguidade este fenômeno se fez notar em vários lugares, registrando-se não poucos casos da quase extinção de religiões devido à violência das perseguições. No entanto, por mais que a Religião tente realizar o seu objetivo, que é a construção de um Mundo Ideal, para incrementar a felicidade do homem, torna-se evidente que ela jamais atingirá essa meta se a Política não for justa. Sendo assim, uma Política escrupulosa requer políticos íntegros e, para preencherem essa condição eles devem ser dotados de religiosidade. No Japão - desconheço a situação no estrangeiro - um erro no qual os políticos têm inclinação para incorrer é a corrupção. Pode-se dizer que isso acontece porque eles são escravos do materialismo, cuja origem está na falta de religiosidade. É desejável o aparecimento de políticos dotados de espírito religioso, pois só assim poderemos alimentar esperanças quanto ao futuro, aguardando o bom desenrolar dos destinos da Nação. No que se refere à construção de um novo Japão, é necessário, sobretudo, incutir espírito religioso nos políticos, para que seja realizada uma Política arraigada no senso religioso. Atualmente o povo vive criticando, e com razão, a degeneração da Política, as fraudes eleitorais, a prevaricação dos funcionários públicos, a degradação dos educadores, etc. Os próprios políticos, os órgãos competentes e o povo empenham- se com unhas e dentes na solução purificadora dos problemas dessa lamacenta sociedade. Infelizmente, na prevenção do crime, conta-se apenas com a força da Lei, mas esta não atinge o âmago da questão, pois a causa dos crimes está no interior do
  34. 34. 34 homem, ou seja, na sua alma. Purificar a alma é o método verdadeiramente eficaz. Estou convicto de que isso só poderá ser conseguido através de uma Fé verdadeira.” Religião e seitas” em 25 de janeiro de 1949: “Para evitar tais dificuldades, pregarei a doutrina por um novo método, de modo que ela possa ser facilmente assimilada pelas pessoas. Pretendo, ainda, do ponto de vista da Religião, publicar, gradativamente, interpretações novas sobre Política, Economia, Educação, Arte, etc.” “A verdadeira religião “daijo”, em janeiro de 1954: “(...) está próximo o advento do Paraíso Terrestre, que é o objetivo de Deus. A condição básica para a sua concretização é (...) desenvolver uma superatividade cultural que abranja todos os setores: Religião, Ciência, Política, Economia, Arte, etc.” “Transição da Noite para o dia” em 5 de fevereiro de 1947: “Há um trecho na Bíblia que diz que seria pregado o Evangelho do Paraíso ao mundo inteiro e depois viria o fim. Que quer dizer isso? Acredito firmemente que essa missão será cumprida pelos meus Ensinamentos, um livro intitulado “A Criação da Civilização”. Meu objetivo é esclarecer que a civilização atual não é a verdadeira civilização e que, nesta, a Medicina, a Política, a Educação, a Arte, etc. serão bem diferentes. • Conhecer e praticar os ensinamentos “Religião Pragmática” em 30 de maio de 1951: “O pragamtismo, doutrina sustentada inicialmente por Charles Sanders Peirce, famoso filósofo americano (1839-1914), chegou a ser uma filosofia de âmbito mundial, propagada por William james, que hoje é considerado seu criador. Dizem que pragmatismo significa utilidade prática; creio, entretanto, ser mais adequado aplicar o termo “ativismo”.
  35. 35. 35 Acho desnecessário falar muito a respeito, porque se trata de uma teoria conhecida por todos aqueles que se interessam pela Filosofia. O que desejo falar agora, é sobre o pragmatismo religioso. Já me referi uma vez a esse tema, mas torno a abordá-lo, para melhor compreensão. Quando falamos em ativismo religioso, temos a impressão de que todas as religiões estejam praticando ações de Fé. Todos conhecem propagandas por escrito, sermões verbais, orações, cultos, rituais religiosos, ascetismo e mortificações; infelizmente, porém, as religiões ainda não atingiram a vida prática. Em verdade, não passam de cultura mental. O pragmatismo filosófico introduz a Filosofia na vida prática, acentuando, neste ponto, o caráter americano. Pretendo fazer o mesmo, com uma diferença: fundir a Religião e a vida prática, tornando-as íntimas e inseparáveis. Deixemos, pois, de ostentar virtudes, de isolar-nos, de ser teóricos como foram até hoje os religiosos, e sejamos iguais às pessoas comuns. Para tanto, é preciso que eliminemos toda afetação religiosa e procedamos sempre de acordo com o senso comum, a ponto de tornar a Fé imperceptível aos outros. Isso vem a ser a apropriação completa da Fé. Com essa explicação, creio que puderam entender o que vem a ser ativismo religioso.” “Benefícios materiais” em novembro de 1950 “Se fizerem uma profunda análise da Igreja Messiânica Mundial, compreenderão que ela não só é de caráter popular como teórico. Podemos dizer mesmo que é uma Ultra-Religião, inédita para a humanidade. E não é só isso. O que defendemos não se restringe apenas à Religião. Nosso objetivo é dar a mais alta diretriz ao campo da Medicina, da Agricultura, da Arte, da Educação, da Economia, da Política, enfim, a tudo quanto diz respeito ao homem. Em suma: queremos colocar a teoria em prática, de maneira que a Fé seja vivida no nosso dia-a-dia.”
  36. 36. 36 “Sejam sempre homens do presente” em 11 de outubro de 1950: “O homem deve progredir e elevar-se continuamente, sobretudo aqueles que possuem fé. Entretanto, quando tocamos em assuntos religiosos, as pessoas costumam julgar-nos antiquados e conservadores. Não podemos negar que essa é uma tendência dos fiéis em geral; porém, com os messiânicos, dá-se justamente o contrário, ou melhor, eles devem esforçar-se para ser o contrário. Observemos a Natureza. Ela procura renovar-se e progredir constantemente, sem um minuto de interrupção. O número de seres humanos aumenta de ano para ano. As terras vão sendo exploradas todos os anos. Vemos maiores e melhores vias de transportes – obras cuja construção demonstra crescente arrojo arquitetônicio – e maquinarias cada vez mais perfeitas. As ervas e as árvores crescem em direção ao Céu. Tudo isso mostra que nada regride. Ora, se tudo continua evoluindo, é natural que os homens também devam evoluir continuamente, seguindo o exemplo da Natureza. Nesse sentido, eu mesmo faço esforço para elevar-me e progredir cada vez mais; este mês, mais do que no mês anterior; este ano, mais do que no ano passado. Mas progredir somente na parte material, isto é, nos negócios, na profissão e na posição social, não passa de algo sem base, algo demasiado superficial, como uma planta sem raiz. É indispensável o progresso de espírito, isto é, a elevação da individualidade. Portanto, devemos prosseguir passo a passo, pacientemente, visando à perfeição, principalmente no que se refere à espiritualidade. Com a elevação gradual do espírito, a personalidade também florescerá e, sem dúvida alguma, essa atitude de contínuo progresso conquistará a confiança do próximo, facilitará os empreendimentos e tornará a pessoa feliz. Os jovens da atualidade talvez encarem estas palavras como moral antiquada e já superada; entretanto, é pondo em
  37. 37. 37 ação tais palavras que as criaturas poderão, verdadeiramente, ficar atualizadas. Os homens que não pensam e não agem assim, desejando evoluir apenas materialmente, ficam estacionados. Não progridem nem são progressistas. Parecem-me antiquadíssimos, observados deste ponto de vista. Seus pensamentos e assuntos são sempre os mesmos, não apresentam nada de especial. Palestrar com essas pessoas não me desperta nenhum interesse, pois elas se limitam a assuntos triviais, não falando de Religião, de Política, de Filosofia e muito menos de Arte. O ideal seria que todos os fiéis da nossa Igreja se interessassem em progredir e elevar-se cada vez mais. Como visamos a corrigir a civilização errônea e construir um mundo ideal, os messiânicos devem procurar, nesta época de transição do mundo, ser sempre homens atualizados, vivendo em sintonia com o século XXI, que se aproxima. Eis o sentido do meu costumeiro conselho: sejam homens do presente.” “Religião teórica e religião prática” em 20 de abril de 1949: “A tais religiões, que destoam da realidade, dou o nome de religiões teóricas. Assim sendo, se pretende salvar de verdade os concidadãos, a teoria apenas não basta. É preciso, custe o que custar, lançar-se de frente ao dia-a-dia do povo e nele ser absorvido, a ponto de que fé e cotidiano se igualem. A isto chamo de religião prática. Qual seria essa linha de ação? Citemos o exemplo da carestia oriunda da inflação, uma das dificuldades cruciais do Japão de hoje, e a sua causa, que se acha na política alimentar do governo; há ainda outras implicações que a ela se relacionam, como a questão trabalhista, a prevenção da criminalidade, o saneamento dos círculos políticos, a questão da tuberculose e tantas outras. Tem-se, na realidade, uma pilha de problemas a exigir urgente
  38. 38. 38 solução. Pretendo dissecá-los através do afiado bisturi da crítica religiosa, resolvendo-os por meio da prática aplicada na vida.” • Elementos problemáticos a serem enfrentados “O hábito da mentira” em 5 de setembro de 1951: “Entre as várias espécies de hábitos, existe um, pouco percebido, que é o da mentira. O homem moderno mente demais, baseando-se na idéia errônea de que está bem sucedido. A maioria, acostumada a esse mau hábito, nem seuqer toma consciência de que está mentindo. Quando isso ocorre com os meus subalternos, costumo chamar-lhes a atenção, mas muitos deles parecem ter perdido a noção da diferença entre a verdade e a mentira. Só percebem haver mentido e pedem desculpas depois de eu lhes ministrar uma lição bem clara a respeito. O hábito faz com que o povo moderno se perca, incapaz de distinguir os limites entre a mentira e a verdade. Deixarei de lado as mentiras inconseqüentes, que não merecem análise especial, para cuidar das maiores, mais graves, por serem conscientes e premeditadas. Entre elas, começaremos por analisar as mentiras proferidas pelos políticos. Estes, muitas vezes, são censurados por deixarem de cumprir as promessas de uma boa política e planejamento, feitas durante pomposas propagandas eleitorais. Há, também, muitos parlamentares que desprezam os compromissos assumidos com os seus eleitores, julgando essa atitude perfeitamente normal. Existem educadores cujos atos contradizem a grandeza de suas palavras, e é comum os jornais publicarem artigos de caráter duvidoso. As propagandas exageradas não constituem exceção. Os impostos representam o maior problema. É uma competição de mentiras, entre fiscais e contribuintes, de caráter sumamente complicado e desagradável. Há médicos que mentem, dando esperanças a pacientes incuráveis. Também
  39. 39. 39 desaprovo os bonzos que fazem uso freqüente das “mentiras de ocasião”. As conhecidas táticas empregadas pelos comerciantes são mentiras aceitas pelo público. Com estas variedades, embora resumidas, podemos afirmar que o mundo é um complexo de mentiras. Talvez achem incrível o fato de um promotor mentir, mas isso acontece de vez em quando. A prova se evidencia no notável esforço que o Ministério Público vem empregando, baseado em suposições, para criar criminosos, desde a ocorrência de um caso até o julgamento final. Sempre que isso se repete, penso insistentemente no motivo de tanto interesse em culpar cidadãos inocentes. É realmente um enigma, para o qual não existe explicação. A profissão de promotor exige a condenação de um criminoso, mas a condenação de um inocente foge ao nosso raciocínio. É difícil saber prontamente se um suspeito é ou não responsável por um crime, mas creio ser possível distinguir o branco do preto, após uma breve investigação. O desejo de mentir parte do pensamento otimista segundo o qual é impossível a mentira vir à luz. A teoria da inexistência de Deus favorece o argumento de que a mentira perfeita é sinal de inteligência - o que constitui um erro gravíssimo, existência de Deus é uma realidade, e a mentira, mesmo bem pregada, é passageira, estando sempre sujeita a ser descoberta. Isso acarreta um grande prejuízo a quem mente, porque, contrariando seu objetivo primordial, a pessoa se expões à vergonha de ter o seu crédito destruído e ser-lhe imposto um castigo. O mentiroso pensa que Deus não existe, simplesmente porque Ele é invisível. Neste ponto, iguala-se aos selvagens, que não acreditam na existência do ar porque não o vêem. Pobre homem civilizado, completamente mergulhado no hábito da mentira!” “A civilização selvagem" em 25/03/53. “Em seguida, falarei sobre a falta de racionalidade na sociedade atual. Olhando exteriormente, todos os países têm
  40. 40. 40 leis, organização política e econômica, sistema social, etc.; estão constituídos de forma extremamente satisfatória pela Ciência e pela inteligência humana, mas as características selvagens dos homens que os administram manifestam-se em todos os lugares. Uma vez retirada à máscara, a irracionalidade aparece numa quantidade exorbitante e assustadora. Na política, por exemplo, observando o estado da Assembleia, pode-se perceber que a linguagem e as atitudes abusivas não parecem adequadas a uma reunião de pessoas de alto nível. O tumulto é tão insuportável, que a gente tem a impressão de estar vendo uma multidão de velhacos. O regime parlamentar está constituído de forma bem racional, mas também é destruído pelas características selvagens dos seus componentes. Os membros dos partidos políticos pensam em primeiro lugar no seu próprio beneficio, em segundo lugar no beneficio do partido, e em terceiro lugar é que vão pensar no beneficio dos cidadãos. É um assunto problemático, pois essas pessoas se vangloriam, dizendo-se representantes do povo no Congresso.” “Aura” em 5 de fevereiro de 1947: “(...) se a política de uma nação é ruim, é porque a aura de seus governantes é fina, assim como também a do povo, que sofre as consequências dessa má política.” “Encosto espiritual”: “Hoje, muito se fala em desmoralização das opiniões, aumento da criminalidade e degradação política. Todos esses assuntos têm estreita relação com as doenças mentais, cujas causas estão na parte física e, ao mesmo tempo, relacionadas ao fenômeno do encosto espiritual.” “Instinto e abstinência” em 24 de dezembro de 1952: “Com a política e as ideias contemporâneas ocorre o mesmo. Os erros nascem das posições definidas – esquerda ou direita, capitalismo ou comunismo. Com essa definição, está se estabelecendo um limite e, decorrências disso, os choques serão inevitáveis.”
  41. 41. 41 “Sunao”: “Quando eu falo a jornalistas desse país [Estados Unidos da América do Norte] sobre a finalidade da Messiânica e a construção do Tijyotengoku (Reino do Céu na Terra) em Hakone e Atami, ouvem tudo e concordam com as minhas ideias sem contestação. Pelo mesmo motivo, possuem também poucos partidos políticos, cujo número não passa de dois ou três. Já, neste aspecto, os japoneses são bem diferentes dos anglo- saxões. Mais divergentes, criam oposição a tudo; eis por que no Japão existem muitas religiões e um número bem maior de facções políticas.” “Ódio ao mal” em 25 de fevereiro de 1951: “Na política, que sempre funciona muito mal, o descalabro é evidente. A maioria dos políticos e funcionários públicos é corrupta. Ex-dirigentes de sociedades são denunciados por escândalos de suborno e prevaricação. A onda de crimes avoluma-se dia a dia. Segundo a opinião geral, surge dar fim à delinquência juvenil, evitando-se, dessa forma, um negro futuro para o Japão e para o mundo.” “Elo Espiritual” em 25 de outubro de 1949: “(...) se for homem público, como prefeito de uma cidade, governador de estado, primeiro-ministro, presidente, imperador, etc., tem elos espirituais com todos aqueles que estão sob sua administração ou governo. Quanto mais elevada à posição do homem, maior se torna o número de seus elos espirituais. Sendo assim, a personalidade de um líder tem que ser nobre, porque, se no seu espírito houver impurezas, isso se refletirá nocivamente sobre grande número de pessoas, atuando sobre o pensamento delas. O primeiro-ministro de um país, por exemplo, deve ser um homem de grande personalidade; além de muita sabedoria, deve ter muita sinceridade. Caso contrário, o pensamento do povo se deteriora, a moral relaxa, e o número de criminosos torna-se cada vez maior.” “Sinceridade” em 25 de janeiro de 1949:
  42. 42. 42 “Só a sinceridade é capaz de resolver os problemas dos indivíduos, do país e do mundo. A deficiência política resulta da falta de sinceridade. A pobreza material e a corrupção moral também têm a mesma origem. Enfim, todos os problemas são gerados pela falta de sinceridade. Religião, Educação e Arte que não se alicerçam na sinceridade, passam a representar meras formas sem conteúdo. Homens, a chave de todos os problemas está na sinceridade.” No livro “Pão Nosso de Cada Dia”: Os problemas de uma país não são solucionados Porque falta sinceridade Aqueles que o administram. Está chegando o momento De surgirem, neste mundo, pessoas sinceras, Mesmo sem nome e nem posição.”
  43. 43. 43 PRINCÍPIO DA DEMOCRACIA É ENGODO
  44. 44. 44 TEMA A legitimidade da democracia não parece ser contestada por ninguém nos dias de hoje. Mas o mesmo não acontece com seu exercício. Há pouca inconsistência lógica nos princípios políticos, embora a inconsistência seja gritante quando se tenta aplicá-los ao caso concreto. Um desses princípios mais conhecido é o citado por Abraham Lincoln, 16º presidente dos Estados Unidos, posto que ocupou de 4 de março de 1861 até seu assassinato em 15 de abril de 186: “A democracia é o governo do povo, pelo povo, para o povo.” Mas, o que é democracia, governo e povo? Democracia é um regime político em que todos os cidadãos elegíveis participam igualmente no governo (poder de regrar uma sociedade política) através do sufrágio universal, isto é, do direito de voto a todos os indivíduos considerados intelectualmente maduros (em geral os adultos). Já povo é, usualmente, concebido como um conjunto de indivíduos que, num dado momento histórico, constitui uma nação. Se, por vezes, esta coincide com a totalidade de um território a ela associada, como normalmente acontece, é também o conjunto dos cidadãos de um país. Mais tarde, Lincoln diria: “Quase todos os homens são capazes de suportar adversidades, mas se quiser por à prova o caráter de um homem, dê-lhe poder.”. Então é possível conjecturar, por exemplo, a honestidade e sinceridade dos governantes do executivo, legislativo e judiciário, bem como se eles vão conseguir aplicar o princípio da democracia na sociedade. Ou se isso que serve de base a um regime político
  45. 45. 45 não é praticamente um artifício para atrair e enganar o povo, um chamariz através de voto. Os pensadores italianos do século XX Vilfredo Pareto e Gaetano Mosca (independentemente) argumentaram que a democracia era ilusória, e servia apenas para mascarar a realidade da regra de elite. Na verdade, eles argumentaram que a oligarquia da elite é a lei inflexível da natureza humana, em grande parte devido à apatia e divisão das massas (em oposição à unidade, a iniciativa e a unidade das elites), e que as instituições democráticas não fariam mais do que mudar o exercício do poder de opressão à manipulação. Como Louis Brandeis uma vez profetizou, "Podemos ter democracia ou podemos ter riqueza concentrada nas mãos de uns poucos, mas não podemos ter as duas coisas”. Hoje todos os partidos políticos no Canadá são cautelosos sobre as críticas de alto nível de imigração, porque, como observou The Globe and Mail, "no início de 1990, o antigo Partido da Reforma foi marcado como 'racista' por sugerir que os níveis de imigração deveriam ser reduzidos de 250.000 a 150.000." Como o professor de Economia Don J. DeVoretz destacou: "Em uma democracia liberal como o Canadá, o seguinte paradoxo persiste. Mesmo que a maioria dos entrevistados respondendo sim à pergunta: 'Há muitas imigrantes chegando a cada ano?' Números de imigrantes continuam a subir até que um conjunto crítico de custos econômicos apareça'". Alguns acham que a democracia é o regime ideal. Outros que não se encontrou alternativa melhor já que as outras opções como ditadura, absolutismo e autoritarismo são desastrosas. Há os que tentam aperfeiçoá-la desde adjetivando-a de direta e indireta, ou até os que sugerem que ninguém pode ser reeleito, inclusive o partido para que não haja perpetuação no poder. Ainda tem os que defendem a invalidação de partidos com
  46. 46. 46 ideologias como fascismo, nazismo, comunismo, capitalismo, anarquismo e populismo. No que se seguem todos os citados trechos entre aspas são de autoria do Messias Meishu-Sama, não se citará a fonte para não sobrecarregar o texto.
  47. 47. 47 REFLEXÃO • Existem princípios inferiores e superiores. “Até as pregações religiosas caem no exagero, mas na realidade, estão apenas transmitindo princípios inferiores. Por exemplo, há volumes de oitenta e quatro mil sutras, que mesmo assim, quase nada transmitem. Se pudessem ser comparados a metais, corresponderiam ao ferro. (...) Mesmo em conversas, nota-se que são raras as pessoas capazes de tocar no ponto fundamental de um assunto, e a maioria delas fica só girando em torno do tema, falando exageradamente. Inclusive, percebo esse problema entre os japoneses que, por terem vivido quase três séculos sob o domínio do Feudalismo - regime que lhes ensinou a mentir - não têm condições de expor apenas o ponto focal de uma conversa.” “Atualmente, há um esforço conjunto de países em prol da educação, bem como a firme atuação de outros órgãos que visam ao desenvolvimento correto do pensamento e a mudanças no coração do povo. Entretanto, caso não se consiga erradicar, na própria raiz, as ideias ateístas, será como pegar água com um escorredor. E mesmo uma inteligência superior, caso esteja unicamente voltada a princípios materialistas, obviamente, vai fazer uso muito mais do lado do mal. Daí também a razão do aumento dos crimes de natureza intelectual, à medida que a civilização progride. Por isso, venho alertando os que dominam o poder: não há mais cabimento em se cultivar tamanha ignorância!” “Mas de que modo será possível a anulação de tanta maldade? O recurso para isso consiste em se manter bem clara a ideia de que o princípio básico para se obter uma vida
  48. 48. 48 harmoniosa e feliz na Terra é despertar nos homens (...) a crença na existência de Deus.” Lógica Divina: o mesmo que "princípio divino que rege o Universo". “Lei de Causa e Efeito: princípio universal preconizado no seguinte provérbio: "cada um colhe o que planta". Então, de acordo com essa lógica, toda ação - boa ou má - tem, inevitavelmente, suas consequências. Nuvens Espirituais: "máculas que recobrem a alma do ser humano (centelha divina) geradas pela violação dos princípios da Lei Divina, isto é, princípio estabelecido por Deus no momento da criação que através dele o Universo se movimenta e evolui. É inviolável e imutável.". Seu processo assemelha-se ao que ocorre no plano físico quando, muitas vezes, nuvens recobrem os raios solares, impedindo-os de iluminara Terra. De forma idêntica, quando alguém possui nuvens espirituais, perde a capacidade de discernir entre o Bem e o Mal, o certo e o errado, por falta de Luz para isso.” “Então, o ponto mais importante consiste em não se rotular os acontecimentos segundo o princípio shojo (limitante em demasia) - tão característico do pensamento humano -, que cria suas próprias razões, aceitando-as como verdade incontestável, prática que acaba por nos levar a cometer graves erros.” “Mesmo que uma grande purificação venha a ocorrer, tudo o que houver de bom permanecerá, devido ao Princípio de Continuidade na Natureza, e esse conhecimento tem de ser parte integrante de nosso ser. (...) O ser humano é o agente responsável por essa construção e, por isso, deverá selar um compromisso com o progresso, mesmo porque não é nada bom mantermo-nos estacionados num mesmo ponto.”
  49. 49. 49 • Intelecto do político seja orientado pelo teísmo e inteligência de alto nível. “Kan-chi é a inteligência maldosa, muito comum entre os intelectuais e as classes dirigentes, razão por que a sociedade não pode melhorar. Somente com a aniquilação desse Tie maligno poderá surgir uma sociedade pura e alegre e uma nação digna. Mas haverá algum meio de aniquilá-lo? Não é difícil, desde que o Tie maldoso seja radicalmente destruído. Isto, porém, é impossível sem uma poderosa atividade religiosa que consiga despertar a crença na existência de Deus.” “Se vocês observarem bem atentamente, notarão que as reuniões dos deputados no Congresso duram muitas horas e eles não conseguem chegar a um resultado satisfatório. Assim acontece porque os homens em geral têm a cabeça cheia de nuvens, criadas pelas toxinas dos muitos remédios que tomaram. (...) No decorrer das discussões, o clima assemelha-se ao de uma briga em que cada qual defende ardorosamente a sua opinião, julgando ser a única verdadeira. (...) Diante desse comportamento, torna-se difícil elogiar a cabeça dos políticos atuais, que ficam perdendo tempo, fazendo um esforço desnecessário e prolongando inutilmente o período de funcionamento do Congresso. Muito me admira como os deputados têm tanto tempo a perder. Penso mesmo que eles gostam dessas contendas intermináveis; não imaginam que, agindo assim, estão prejudicando o povo. Por isso, é muito importante nos dias de hoje, cada um se preocupar um pouco mais com o aprimoramento de sua maneira de pensar.”
  50. 50. 50 • A nação e sua gente devem se nortear pela prática da verdade, virtude e beleza. “Em qualquer circunstância, entretanto, o objetivo de Deus Supremo continua sendo a criação do mundo ideal, pleno de Verdade, Virtude e Beleza. E para concretizar o Seu plano, o Criador vem preparando todas as condições até que o tempo adequado se faça presente. Por sua vez, a humanidade precisa reconhecer que o momento já está chegando; cada pessoa deve, portanto, começar uma revolução dentro de si mesma.” • Democracia ainda é fraca. “Não sou o único, entretanto, a pensar que a democracia ainda não criou raízes firmes. Muitos resquícios de feudalismo ainda subsistem em várias camadas da sociedade japonesa.” “Os membros dos partidos políticos pensam em primeiro lugar no seu próprio beneficio, em segundo lugar no beneficio do partido, e em terceiro lugar é que vão pensar no beneficio dos cidadãos. É um assunto problemático, pois essas pessoas se vangloriam, dizendo-se representantes do povo no Congresso.” • A prática do princípio da democracia e a gestão na condução de nação se assemelha na atualidade a tapeação de meninos. "Ao examinar todas as facetas da civilização contemporânea, não posso deixar de pensar na medicina mo num engodo para crianças. O mesmo digo quanto à política (...) parecem obra de uma criança travessa do primário.”
  51. 51. 51 • O fascismo e o nazismo são liderados por Satanás. “A História registrou a passagem de muitos desses heróis e grandes homens. Temporariamente, foram bem sucedidos, mas todos, sem exceção, acabaram malogrando. Observando-os sob o ponto de vista espiritual, vemos que foram todos possuídos por uma grande entidade do reino demoníaco. O interessante é que, de início, tudo lhes corre bem, mas, a certo ponto, infalivelmente malogram. O espírito encostado então se afasta imediatamente. O Kaiser, Mussolini e Hitler constituem exemplos relevantes. Após o malogro, ficaram como que abobalhados, parecendo outra pessoa. Isto sempre acontece após o afastamento de um grande espírito diabólico.” O comunismo é um movimento político-social místico egoísta que impõe idéias. “Tenho certeza de que um dia [o comunismo] vai sucumbir por se tratar de um movimento político-social repleto de impurezas. Não está enraizado, na sua estrutura, o desejo de fazer a maioria das pessoas felizes ou de contribuir de verdade para o progresso do mundo. Seus dirigentes não medem as consequências quando matam pessoas inocentes, visando apenas a benefícios próprios. Em determinadas circunstâncias, agem como se fossem grandes disciplinadores, mas, de fato, só querem impor as próprias ideias. Então, quando organizações dessa ordem chegam ao fim, é certo que prevaleceu a justiça.” • O capitalismo é um materialismo apegado à exploração desmesurada. “Como resultado da exploração dos capitalistas, dos fazendeiros e de outras pessoas que fazem o que bem entendem em nome de seus próprios interesses, os trabalhadores, sem alternativa, para se autodefenderem, acabam enfrentando-os em movimentos de grupo. Nesse sentido, não será exagero dizer
  52. 52. 52 que os próprios capitalistas e fazendeiros é que geram o comunismo; ou seja, eles lutam contra um fantasma criado pôr eles mesmos.” “Através da Revelação Divina visualizei esse país (Estados Unidos) e, num futuro próximo ele se encontrará frente a grandes problemas, podendo ser considerados sem precedentes.” • O anarquismo é algo fora do limite “Após a guerra, estabeleceu-se a democracia no Japão, e assim nos libertamos do despotismo. Isso foi muito bom; pena é que se tenha ido além dos limites e chegado à situação presente, ou seja, a uma sociedade predisposta à anarquia.” • O populismo é manutenção do poder por meio de mandato democrático-autoritário e política social assistencialista. “(...) existem os desempregados, viúvas, etc., que vivem na dependência da ajuda do governo, dos serviços sociais e da assistência de instituições. Onde quer que se observe, parece que nada é possível sem a ajuda de terceiros; consequentemente, não podemos deixar de ficar espantados com o caráter dependente dos japoneses. Nos Estados Unidos, a situação é muito diferente. Entende-se isto analisando a história de sua formação. No começo do século XVII, centenas de puritanos da Inglaterra emigraram para a América sem levar quase nada. Desbravaram as montanhas e os campos desabitados e, com sacrifício e esforço, conseguiram construir, em pouco mais de duzentos anos, a nação civilizada que vemos atualmente. Por isso, é natural que haja uma diferença tão grande entre o pensamento dos americanos e o pensamento dos japoneses. Os americanos não tinham em quem se apoiar, mesmo que quisessem; não
  53. 53. 53 havia quem os ajudasse, além deles próprios. Por maiores que fossem as dificuldades, só dependiam de si mesmos. O único recurso era produzir algo a partir do nada com a própria força. É por esse motivo que sinto realmente uma grande admiração pelos americanos. Se o povo japonês, pelas críticas que tem sofrido, pretende reconstruir este país, precisa, antes de tudo, seguir o espírito desbravador do povo americano. Estou certo de que a introdução desse pensamento é muito mais eficaz que a introdução de capital. É o método fundamental, pois está baseado na Verdade de que o espírito domina a matéria. Entretanto, podemos dizer que, entre os intelectuais do Japão, quase ninguém percebe isso. Mesmo nos órgãos de comunicação, o que se faz é incentivar o espírito de dependência. Talvez eu esteja exagerando, mas essa característica é própria dos pedintes acovardados, que compram a compaixão das pessoas. Além disso, quando alguém não atende suas exigências conforme eles desejam, os japoneses reclamam, queixam-se, revoltam-se e, por fim, com a ajuda de terceiros, tentam até derrubar esse alguém. Parecem não perceber que, em conseqüência disso, também estão derrubando a si próprios. Com efeito, não há tolice igual. Pode-se até dizer que, com essa atitude, não só se torna difícil reconstruir o Japão, mas até mesmo manter a situação atual. Quase sempre fazem-se greves como único meio de resolver os problemas existentes entre empregados e empregadores. Talvez seja algo inevitável, mas, pensando bem, o que pode acontecer é o seguinte: quanto mais se faz greve, mais a empresa regride, e o resultado é a diminuição da receita e, logicamente, do salário dos empregados. É o mesmo que a pessoa apertar o seu próprio pescoço. Quando se leva em conta essa situação, apesar de os grandes capitalistas serem um tanto indesejáveis na conjuntura atual, chega-se à conclusão de que, se não surgir um grande
  54. 54. 54 número de médios capitalistas, será quase impossível pensar-se no êxito dos empreendimentos. Esta é a necessidade imediata para os dias atuais.” “Aos políticos, cabe esquecerem-se de si próprios, pondo a felicidade do povo acima de tudo e erigindo-se como exemplos de boa conduta. O povo também deve praticar boas ações e esforçar-se constantemente para desenvolver sua inteligência. Sabemos que serão mais felizes aqueles que praticarem maior número de ações louváveis." “Este princípio também se aplica ao país e à sociedade. O maior problema é o conflito existente no setor industrial, entre patrões e operários. A administração da produção efetuada por estes últimos é o que há de mais reprovável, porque se afasta completamente da ordem.” “O desrespeito à Lei não trará boas consequências, mesmo num regime democrático.” “Pelo exposto, a Política também precisará estar estruturada em três camadas, para uma boa atuação. Se assim não for, haverá distúrbios e incompreensão, o que gerará conflitos (...) a classe média, entre o povo, tem a função de harmonizar as classes alta e baixa.” E o que se vê privilegiar os ricos há ponto de se ver a notável desigualdade social, dar migalhas para os menos favorecidos para obtenção de votos e sufocar a classe média inclusive com impostos. • Regimes democráticos têm ocultado dominação, exploração e hegemonia. “Na política, que sempre funciona muito mal, o descalabro é evidente. A maioria dos políticos e funcionários públicos é corrupta. Ex-dirigentes de sociedades são denunciados por escândalos de suborno e prevaricação. A onda de crimes avoluma-se dia a dia. Segundo a opinião geral, surge dar fim à
  55. 55. 55 delinquência juvenil, evitando-se, dessa forma, um negro futuro para o Japão e para o mundo. Essas observações que fiz cuidadosamente demonstram que o mal não é odiado. Os funcionários públicos conservam o autoritarismo feudal. Esfriam-se as relações entre familiares e aumenta a crise entre os educando, por ter-se abraçado a democracia de maneira deturpada. A bela capa da democracia oculta à exploração dos impostos e o sofrimento do povo sob a opressão do poder burocrático. O número de problemas desagradáveis é tal, que se torna difícil relacioná-los. A causa de tudo isto é uma generalizada despreocupação quanto ao sentido de justiça, acrescida do egoísmo de muitas criaturas, erroneamente consideradas “experientes”. Todavia, examinando os fatos, vemos que a sociedade atual não poderia possuir outras características. Chega a ser lógico. Em todas as épocas, os jovens possuem vigoroso senso de justiça e ódio ao mal. Ao deixarem os bancos escolares, no entanto, enfrentam uma realidade tão inesperada, que golpeia todas as suas convicções, dissolve seus velhos ideais e exige a reformulação de seus valores, para que eles adquiram a chamada “experiência da vida”. Qualquer manifestação do espírito de justiça cria mal-entendidos, suscita antipatia de superiores hierárquicos e dificulta-lhes o sucesso na profissão. Qualquer intenção de justiça é considerada como pedantismo ou inexperiência. A essa altura, o sentimento de justiça é posto de lado, num canto do coração, sendo substituído pelo “senso prático”. Considera-se, então, que o jovem se aprimorou na arte de viver em sociedade. Não digo que isto seja propriamente mau; contudo, o aumento de pessoas acomodadas afrouxa a estrutura da sociedade e facilita o aparecimento de corruptos e criminosos. A nossa realidade social torna patente o que acabo de afirmar.”
  56. 56. 56 • Felizmente, ladrão não é necessário no Mundo Ideal. “Deus construiu este mundo de tal forma que todas as coisas sujas fossem limpas. Por conseguinte, conseguir entender isso, realmente, é o ponto de vista amplo. Porém, não se deve falar muito sobre esse assunto porque, senão, acabarão pensando que o ladrão também é necessário. Podem interpretar erroneamente, logo, essas coisas devem ser compreendidas internamente.” • Esperteza e fraude são o que comanda as eleições. “No caso das eleições é a mesma coisa. Realmente, as leis e o controle são extremamente rigorosos e minuciosos, mas isso é apenas na aparência; na realidade, é considerado esperto aquele que consegue ludibriar a lei.” “Atualmente o povo vive criticando, e com razão, a degeneração da Política, as fraudes eleitorais, a prevaricação dos funcionários públicos, a degradação dos educadores, etc..” • Quando os sistemas e regimes vão maus é devido o governo e o povo terem aura debilitada. “Quando a política de um país vai mal, com certeza, seus dirigentes e representantes, bem como o povo, que sofre as consequências da má administração, têm aura fina. É um processo inevitável.”
  57. 57. 57 • Variedade de partidos e doutrina arcaica impede a disponibilidade à verdade e a harmonia. “De modo especial entre os japoneses, tal hábito tornou- se comum. Na verdade, é um indício de que a maioria segue inconscientemente a linha da inversão da verdade. (...) Já, neste aspecto, os japoneses são bem diferentes dos anglo-saxões. Mais divergentes, criam oposição a tudo; eis por que no Japão existem muitas religiões e um número bem maior de facções políticas.” • A revolução cultural do Messias é atacada pelos políticos diante de uma ralé enganada. “Criar o Mundo de Miroku é transformar o mundo infernal em paradisíaco. Por isso, ocorrerá uma grande revolução jamais vista desde o início da humanidade. Não há nenhuma revolução tão grande como esta e, ao mesmo tempo, tão fácil de ser realizada.” “Há tempo, estou alertando para a chegada de um período de terror. Agora sinto que está próximo. O povo, contudo, ainda não percebeu as mudanças que começam a ocorrer.” “Os políticos do Japão, por exemplo, quando entram em contato com a Messiânica, julgam-na extremamente supersticiosa e lançam críticas através da impressa falada e escrita. Há, inclusive, alguns grupos que proíbem as pessoas de se aproximarem de nós. Por sua vez, o povo, enganado, não consegue compreender a verdade por nós divulgada; fica receoso e não faz referência alguma à Messiânica. Então, observando mais atentamente os fatos, podemos perceber que a maioria dos intelectuais, embora sem querer, impede a criação da nova cultura. Essa mesma atitude está presente tanto no Oriente
  58. 58. 58 quanto no Ocidente. Que o digam todos os precursores de ideias revolucionárias! (...) quando se propõem preceitos altamente inovadores sugerindo mudanças nas posturas preestabelecidas, seus autores são vítimas de perseguições e ataques cruéis, chegando, muitas vezes, a fatalidades irreversíveis. Foi o que aconteceu com Jesus, Sócrates, Galileu, Copérnico, Lutero, além de outros. Imaginem, então, os Ensinamentos da Messiânica! São conceitos bem mais revolucionários que os dos meus predecessores. Estão dois séculos à frente dos conhecimentos vigentes.” • Cargos e postos são ocupados por apegados, ardilosos e criminosos. “Muitos políticos, por exemplo, deixam de afastar-se da vida pública no momento oportuno, devido exatamente ao excesso de apego a uma posição de destaque. Chegam, por isso, às vezes, a situações deploráveis.” “(...) o problema não envolve apenas as pessoas das classes inferiores; ele vem de cima, começando por ministros, políticos, deputados e funcionários públicos, e atingindo até famosos empresários. Podemos dizer que poucas são as pessoas que não cometem crimes. Acontece que os criminosos que se mostram abertamente como tal, são apenas uma parte; costuma-se mesmo dizer que os que foram agarrados pelas malhas da lei não tiveram sorte, o que prova a existência de muitos crimes submersos, que não vêm à tona.” • Dirigentes e representantes do público têm que possuir caráter elevado e grande sabedoria. “O mesmo se pode dizer das personalidades públicas, como chefes de Estado, ministros, governadores, prefeitos,
  59. 59. 59 senadores e deputados, os quais têm ligações com o povo que governam, ou ao qual representam. Quanto mais alta for a posição ocupada por alguém, maior o número de elos espirituais existentes. Por isso, os dirigentes devem ter um caráter nobre para poderem exercer condignamente a sua função na sociedade.” • O extremismo partidário é prejudicial ao país e o povo, a solução é o método ‘Izunomê’. “Em síntese, 'lzunome' significa 'princípio imparcial', isto é, manter-se sempre no centro. Não é 'Shojo' nem 'Daijo': é Shojo e Daijo simultaneamente, ou seja, significa não tender aos extremos, nem decidir-se de maneira impensada. Naturalmente não podemos fugir à decisão de determinadas questões, mas a dificuldade está no julgamento. O espírito de ‘lzunome' assemelha-se à arte culinária: o alimento deve ser temperado na justa medida - nem doce, nem salgado. Assemelha-se também ao clima - nem quente, nem frio. É o clima agradável da primavera e do outono. Se os homens adotassem esse espírito e agissem de acordo com ele, seriam estimados por todos e tudo lhes correria bem. Entretanto, os homens de hoje mostram acentuada tendência ao radicalismo. Temos melhor exemplo na Política. Os políticos professam princípios radicais, denominando-os de partido direitista ou esquerdista. Como esses pensamentos estão associados à obstinação, eles vivem em conflitos. E tudo isso prejudica grandemente o país e o povo. O método 'lzunome' deveria ser adotado na Política; contudo, há pouca probabilidade de aparecerem políticos ou partidos que tenham consciência disso. A guerra origina-se, também, do choque gerado pela imposição de princípios extremistas.”
  60. 60. 60 • Ativismo político sem “ismos” e democracia é uma necessidade de todos. “Não se trata de comunismo, nem tampouco de socialismo, capitalismo ou democracia. Nascerá (...) a manifestação de uma profunda Administração de Deus.”
  61. 61. 61 HOMOSSEXUAL É DESTINO
  62. 62. 62
  63. 63. 63 TEMA • Homossexual É alguém que: sente atração sexual por um ser do mesmo sexo (homos = mesmo; sexus = sexo); está sob a condição da homossexualidade, ou seja, de um modo de ser; pratica o homossexualismo, isto é, maneira de pensar e proceder. Homossexualidade é uma das quatro principais categorias de orientação sexual, juntamente com a heterossexualidade, a bissexualidade e a assexualidade. Enquanto orientação sexual, ela se refere a padrão duradouro de experiências sexuais, afetivas e românticas principalmente ou exclusivamente entre pessoas do mesmo sexo. O primeiro registro de uma união homossexual da história foi o de Khnumhotep e Niankhkhnum que foram serventes confidentes do rei Niuserré do Egito durante a V dinastia - cerca de 2400 a.C. O par é retratado durante um beijo na mais íntima pose na arte egípcia, e na tumba são mostrados se abraçando e de mãos dadas. Em culturas influenciadas pelas religiões abraâmicas, a lei e a igreja estabeleciam a sodomia como uma transgressão contra a lei divina ou um crime contra a natureza. A condenação do sexo anal entre homens, no entanto, é anterior à crença cristã. Muitas figuras históricas, como Sócrates, tiveram termos como homossexual ou bissexual aplicados a eles. No entanto, o homossexualismo esteve presente em todos os continentes. Ao longo da história da humanidade, os aspectos individuais da homossexualidade foram admirados, tolerados ou condenados, de acordo com as normas sexuais vigentes nas diversas culturas e épocas em que ocorreram. Quando admirados, esses aspectos eram entendidos como uma maneira
  64. 64. 64 de melhorar a sociedade; quando condenados, eram considerados um pecado ou algum tipo de doença, sendo, em alguns casos, proibidos por lei. Antigamente conhecida por nomes como "pecado nefando" ou "terceiro sexo", só em 1869, na Alemanha, o amor entre pessoas do mesmo sexo recebeu o nome científico de "homossexualismo". O médico, seu criador, que seria ele próprio homossexual, visava apresentar a atração pelo mesmo sexo como inata, portanto natural e não adquirida, para assim afastar a culpa por sua prática. Tal intenção lhe valeu a simpatia do mundo científico progressista da época. Na verdade, o tiro saiu pela culatra, pois o conceito científico foi englobado pela psiquiatria. Com isso, o amor entre pessoas do mesmo sexo deixou de ser matéria de pecado para tornar-se doença e, portanto, passível de tratamentos. Sua condenação transferiu-se da esfera da religião para a ciência, de modo que os padres foram substituídos pelos médicos como seus algozes. Desde meados do século XX a homossexualidade tem sido gradualmente desclassificada como doença e descriminalizada em quase todos os países desenvolvidos e na maioria do mundo ocidental. Atualmente, as principais organizações internacionais de saúde (incluindo as de psicologia) afirmam que ser homossexual ou bissexual é uma característica compatível com uma saúde mental e um ajustamento social completamente normal; tais instituições médicas também não recomendam que as pessoas tentem alterar a sua orientação sexual. Desde 1973 a homossexualidade não é mais classificada como um transtorno pela Associação Americana de Psiquiatria. Em 1975, a Associação Americana de Psicologia adotou o mesmo procedimento ao deixar de considerar a homossexualidade uma doença. No Brasil, em 1984, a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) posicionou-se contra a discriminação e considerou a
  65. 65. 65 homossexualidade algo que não prejudica a sociedade. Em 1985, a ABP foi seguida pelo Conselho Federal de Psicologia (CFP), que deixou de considerar a homossexualidade um desvio sexual e, em 1999, estabeleceu regras para a atuação dos psicólogos em relação às questões de orientação sexual, declarando que "a homossexualidade não constitui doença, nem distúrbio e nem perversão" e que os psicólogos não colaborarão com eventos e serviços que proponham tratamento e/ou cura da homossexualidade. No dia 17 de maio de 1990, a Assembleia-geral da Organização Mundial de Saúde retirou a homossexualidade da sua lista de doenças mentais, a Classificação Internacional de Doenças. Por fim, em 1991, a Anistia Internacional passou a considerar a discriminação contra os homossexuais uma violação aos direitos humanos. Entretanto, o estatuto jurídico das relações homossexuais ainda varia muito de país para país. Enquanto em alguns países o casamento entre pessoas do mesmo sexo é legalizado, em outros, certos comportamentos homossexuais são crimes com penalidades severas, incluindo a pena de morte (o Irã condena homossexuais ao enforcamento, enquanto a Arábia Saudita os apedreja). A prevalência da homossexualidade entre os humanos é difícil de determinar com precisão; na sociedade ocidental moderna, os principais estudos indicam uma prevalência de 2% a 13% de indivíduos homossexuais na população, enquanto outros estudos sugerem que aproximadamente 22% da população apresente algum grau de tendência homossexual. • Genética e/ou comportamento? A religião foi a primeira área do conhecimento humano a apresentar argumentos em relação ao homossexualismo. Mais tarde, com o desenvolvimento científico, vieram basicamente a
  66. 66. 66 psicologia comportamental e a biologia genética. Isso não quer dizer que não existiram outras áreas envolvidas neste tema como ambiente, neurociência, sexologia, antropologia, sociologia, demografia e direito. Grosso modo se pode dizer que existem os que acham que os homossexuais já nascem assim. Outros, ao contrário, dizem que a conjunção do ambiente social com a figura dominadora do genitor do sexo oposto é que são decisivos na expressão da homossexualidade masculina ou feminina. Como separar o patrimônio genético herdado involuntariamente de nossos antepassados da influência do meio foi uma discussão que monopolizou o estudo do comportamento humano durante pelo menos dois terços do século XX. Os defensores da origem genética da homossexualidade usam como argumento os trabalhos que encontraram maior prevalência de homossexualidade em irmãos gêmeos univitelinos criados por famílias diferentes sem nenhum contato pessoal. Porém as evidências suportam a afirmação que “ninguém nasce gay”, pois como negar que a figura excessivamente protetora da mãe, aliada à do pai pusilânime, seja comum a muitos homens homossexuais? Ou que uma ligação forte com o pai tenha influência na definição da sexualidade da filha? Mais tarde, com os avanços dos métodos de neuro- imagem, alguns autores procuraram diferenças na morfologia do cérebro que explicassem o comportamento homossexual. Os que defendem a influência do meio têm ojeriza aos argumentos genéticos, para eles, o comportamento humano é de tal complexidade que fica ridículo limitá-lo à bioquímica da expressão de meia dúzia de genes. Alguns consideram essa discussão antiquada. Tão inútil insistir nela como discutir se a música escutada ao longe vem do piano ou do pianista.
  67. 67. 67 A propriedade mais importante do sistema nervoso central é sua plasticidade. Dos pais se herda o formato da rede de neurônios trazida ao mundo. No decorrer da vida, entretanto, os sucessivos impactos do ambiente provocam tamanha alteração plástica na arquitetura dessa rede primitiva que ela se torna absolutamente irreconhecível e original. Ainda que existam irmãos geneticamente iguais, jamais se podem evitar as diferenças dos estímulos que moldarão a estrutura microscópica de seus sistemas nervosos. Da mesma forma, mesmo que o oposto fosse possível – garantir estímulos ambientais idênticos para dois recém-nascidos diferentes – nunca se obteria duas pessoas iguais por causa das diferenças na constituição de sua circuitaria de neurônios. Por isso, é impossível existirem dois habitantes na Terra com a mesma forma de agir e de pensar. Tapando o olho esquerdo de um recém-nascido por 30 dias, a visão daquele olho jamais se desenvolverá em sua plenitude. Estimulado pela luz, o olho direito enxergará normalmente, mas o esquerdo não. Ao nascerem, os neurônios das duas retinas eram idênticos, porém os que permaneceram no escuro perderam a oportunidade de ser ativados no momento crucial. Tem sentido, nesse caso, perguntar o que é mais importante para a visão: os neurônios ou a incidência da luz na retina? Em matéria de comportamento, o resultado do impacto da experiência pessoal sobre os eventos genéticos, embora seja mais complexo e imprevisível, é regido por interações semelhantes. No caso da sexualidade, para voltar ao tema, uma mulher com desejo sexual por outras pode muito bem se casar e até ser fiel a um homem, mas jamais deixará de se interessar por mulheres. Quantos homens casados vivem experiências homossexuais fora do casamento? Teoricamente, cada um tem discernimento para escolher o comportamento pessoal mais
  68. 68. 68 adequado socialmente, mas não há quem consiga esconder de si próprio suas preferências sexuais. Até onde a memória alcança, sempre existiram maiorias de mulheres e homens heterossexuais e uma minoria de homossexuais. O espectro da sexualidade humana é amplo e de alta complexidade, no entanto; vai dos heterossexuais empedernidos aos que não têm o mínimo interesse pelo sexo oposto. Entre os dois extremos, em gradações variadas entre a hetero e a homossexualidade, oscilam os menos ortodoxos. Como o presente não faz crer que essa ordem natural vá se modificar, por que é tão difícil aceitar a riqueza da biodiversidade sexual de nossa espécie? Por que insistir no preconceito contra um fato biológico inerente à condição humana? • Comum e/ou natural? A parte que tantos outros decidem ignorar, é que ninguém nasce heterossexual também. Afinal, como brilhantemente apontou Freud, se vai indagar sobre as causas da homossexualidade, é igualmente pertinente se indagar sobre quais são as causas da heterossexualidade, já que "o interesse sexual exclusivo do homem pela mulher é também um problema que exige esclarecimento, e não uma evidencia indiscutível que se possa atribuir a uma atração de base química". O argumento de que a homossexualidade não é natural porque não leva à reprodução, não apenas ignora um grande número de comportamentos sexuais que também não levam à reprodução (sexo com métodos contraceptivos, em períodos inférteis, com pessoas inférteis, após a menopausa, anal, masturbação, etc.) como pressupõe que o instinto sexual tem como objetivo a reprodução. Dizer que o instinto sexual tem um objetivo já é certamente incorreto (é um pensamento
  69. 69. 69 teleológico, incoerente com a seleção natural), mas, mesmo se tivesse este não seria a reprodução, mas apenas sua satisfação. Basta lembrar que para Freud a homossexualidade é tão natural quanto à heterossexualidade e foi militante em sua época, fazendo frente a seus colegas que se recusavam a dar o título de psicanalista a homossexuais, assinando uma petição pela revisão do código penal e a supressão do delito da homossexualidade entre adultos que consentem, dentre outros. Não se pode esquecer também que em 1935, ele escreve uma carta endereçada a uma mãe que havia lhe solicitado ajuda em relação às condutas e comportamentos que ela considerava anormais por parte de seu filho. Ao que Freud respondeu: “Eu creio compreender, após ler sua carta, que seu filho é homossexual. Fiquei muito surpreso pelo fato que a senhora não mencionou esse termo nas informações que deu sobre ele. Posso eu, vos perguntar por que evitou esta palavra? A homossexualidade não é evidentemente uma vantagem, mas não há nada do que sentir vergonha. Ela não é nem um vício, nem uma desonra e não poderíamos qualificá-la de doença. Muitos indivíduos altamente respeitáveis, nos tempos antigos e modernos, foram homossexuais, como Platão, Michelangelo e Leonardo da Vinci. É uma grande injustiça perseguir a homossexualidade como crime e também uma crueldade”. • Deixar de ser ou continuar sendo? A orientação sexual é algo mais complexo do que características inatas ou uma escolha. Diz-se que alguém tem determinada orientação sexual numa interseção entre como ele se comporta e, principalmente, como ele se vê. Se alguém diz que não é mais homossexual porque não mais tem relações com pessoas do mesmo sexo e não se considera mais homossexual, então não há nada que legitime dizer que ele ainda é homossexual. E existem muitas pessoas que se dizem ex-gays.
  70. 70. 70 A principal questão a respeito das terapias de reorientação sexual não é se conseguem alterar a orientação sexual ou não, mas sim por que se deveria fazer isso. Estas não são questões estritamente científicas, mas morais, éticas e, mais especificamente, teorias morais que orientam nossas escolhas sobre o que deve ser feito. Há quem acredite que a ciência não pode arbitrar questões como estas, pois o papel da ciência seria descrever como as coisas são e não como elas deveriam ser. A respeito do por que, é relevante ressaltar, por exemplo, que quase todos proponentes das terapias de reorientação sexual são religiosos que justificam sua reivindicação com base em doutrinas religiosas. Estas doutrinas geralmente se referem à homossexualidade como “abominação”, “não natural” ou “doença”. Como já foi esclarecido, a Psicologia não dá respaldo para essas crenças, pelo contrário, traz evidências do exato oposto e, em parte por este motivo, há décadas não mais a entende como uma patologia. Seria um contrassenso uma terapia com objetivo de tratar algo que, por si só, não tem justificativa para ser tratado - a não ser a desaprovação moral de um grupo de pessoas. Seria algo análogo a propor uma terapia que trate o gosto por música porque um grupo de pessoas (por maior que seja) acha que gostar de música é errado. Por isso mesmo, alguns proponentes dessa terapia tentam convencer com a alegação de que alguém pode sofrer com sua homossexualidade, como as próprias pessoas com convicções religiosas que a condenam, e querer, por vontade própria, se ver livre de seus desejos homossexuais. Este é o argumento mais forte a favor das terapias de reorientação sexual. Mesmo assim, não é lá muito bom. Pois: - Pelas razões já expostas, temos fortes motivos para acreditar que sempre existirão pessoas homossexuais ou no mínimo com fortes desejos homossexuais;

×