O signo linguístico em saussure, hjelmslev e

3.165 visualizações

Publicada em

0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.165
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
72
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O signo linguístico em saussure, hjelmslev e

  1. 1. O signo linguístico sob três perspectivas: Saussure, Hjelmslev e Peirce Aproximações ao “terceiro elemento”
  2. 2. Percurso...  1. Contextualização: Teoria do Signo, Ontologia e Epistemologia  2. O signo linguístico no Estruturalismo: o signo bilateral  2.1 Como reconhecer o Estruturalismo? (Gilles Deleuze)  2.2 O signo linguístico em Saussure  2.3 Crítica ao signo linguístico saussuriano em Hjelmslev  3. O signo linguístico em Peirce: outro tipo de bilateralidade  4. Considerações finais: síntese do percurso e questões em aberto
  3. 3. 1. Contextualização: Teoria do Signo, Ontologia e Epistemologia  Toda teoria do signo pressupõe e atualiza e/ou propõe uma determinada noção de realidade (dimensão ontológica) e uma noção de como o sujeito constrói conhecimentos na interação com essa realidade (dimensão epistemológica).  Ontologia e Epistemologia condicionam, em grande medida, o que pode ser ‘exigido’ do signo, a sua essência e a sua funcionalidade. Assim, por exemplo, dependerá do nosso ponto de partida ontológico e epistemológico que o signo ‘represente’ um aspecto da realidade ou que, pelo contrário, contribua para a sua ‘construção’.  Diante desse estado de coisas, optar, por exemplo, por definir uma unidade terminológica com base na fórmula “para que serve” é algo que transcende o nível puramente técnico e que se insere em um conjunto de pressupostos teóricos específicos (em detrimento de outros possíveis).
  4. 4. 2. O signo linguístico no Estruturalismo. 2.1 Como reconhecer o Estruturalismo? (Gilles Deleuze)  Ponto de partida do Estruturalismo: reconhecimento de um terceiro nível, de um terceiro “reino”:  (i) o real  (ii) o imaginário (= mental, conceitual)  (iii) o simbólico  “Além da palavra, na sua realidade e nas suas partes sonoras, além das imagens e conceitos associados à palavra, o linguista estrutural descobre um elemento de natureza completamente diferente, um objeto estrutural”
  5. 5. 2. O signo linguístico no Estruturalismo. 2.1 Como reconhecer o Estruturalismo? (Gilles Deleuze)  O nível simbólico (o objeto estrutural) possui caráter genético. A estrutura se sobrepõe (ou: subjaz) à realidade e ao mundo conceitual, seguindo uma lógica e umas regras próprias. É “o subsolo de todas as terras da realidade e de todos os céus da imaginação”.  O que a estrutura não é:  Não é uma forma sensível  Não é uma figura da imaginação (um conceito ou uma rede conceitual)  Não é uma Gestalt: uma forma ou figura geral que ordena as suas partes.  Os elementos estruturais não possuem, por si mesmos, nem forma, nem significado, nem referência, nem conteúdo, nem realidade, nem funcionalidade (gramatical, lexical, etc.).
  6. 6. 2. O signo linguístico no Estruturalismo. 2.1 Como reconhecer o Estruturalismo? (Gilles Deleuze)  O que a estrutura é:  Os elementos estruturais são posições relativas, posições definidas pela vizinhança.  Trata-se de posições vazias, anteriores às coisas, aos seres reais e aos conceitos que virão a ocupá-los.  As posições não possuem em si e por si sentido, mas geram o sentido dos elementos reais e conceituais que virão a ocupá-los.  “Há um profundo sem sentido do sentido, do qual procede o sentido mesmo”
  7. 7. 2. O signo linguístico no Estruturalismo. 2.1 Como reconhecer o Estruturalismo? (Gilles Deleuze)
  8. 8. 2. O signo linguístico no Estruturalismo. 2.1 Como reconhecer o Estruturalismo? (Gilles Deleuze) 1ª sing nom (yo, ich..) 1ª sing ac (me, mich) 1ª sing dat 2ª sing nom (tú, du..) 2ª sing ac (te, dich) 2ª sing dat 3ª sing nom (él, er..) 3ª sing ac (...) 3ª sing dat 1ª pl nom (nosotros, wir..) 1ª pl ac 1ª pl dat 2ª pl nom (vosotros, ihr..) 2ª pl ac 2ª pl dat 3ª pl nom (ellos, sie..) 3ª pl ac 3ª pl dat
  9. 9. 2.2 O signo linguístico em Saussure  Saussure concebe a língua (langue) como estrutura (ou, na terminologia dele: como um sistema), formada por posições ordenadas em séries (subsistemas). Tanto a forma quanto o sentido (conteúdo) de um signo linguístico são determinados pela posição (relativa, isto é, de vizinhança) que ocupam numa estrutura (ou subestrutura da langue). Assim, um /m/ que não esteja em oposição (em vizinhança) a um /n/ ou a um /ɱ/ não é uma labial nasal, mas apenas uma nasal; um que não esteja em oposição a um ou a um não é um smiley, mas simplesmente um rosto. A identidade formal, bem como a identidade semântica são constituídas no sistema, na estrutura, a partir da posição que ocupa um elemento e as relações que contrai com os elementos vizinhos (= valor).
  10. 10. 2.2 O signo linguístico em Saussure  O sistema (a estrutura linguística e a suas substruturas) fragmenta e parcela o fluxo continuo e difuso das nossas impressões e pensamentos em unidades conceituais (significados) delimitadas por certas caraterísticas opositivas. Da mesma forma, secciona o fluxo continuo e difuso do espectro sonoro em unidades formais definidas (significantes).  O signo linguístico em Saussure é binário (bilateral): o signo se constitui pela associação entre um significado e um significante. Essa associação, o ato da semiose, se estabelece de forma arbitrária (e, a princípio, em cada língua natural de forma particular).
  11. 11. 2.3 Crítica ao signo linguístico saussuriano em Hjelmslev (Prolegômenos a uma teoria da linguagem)  (1) A afirmação de que cada signo tem duas partes, um significado e um significante, que se associam uma à outra no ato da semiose, gera o seguinte paradoxo teórico: que uma coisa se associe a uma outra pressupõe a existência de ambas antes do processo de associação. Saussure nega essa existência pré-semiótica de significado e significante. Contudo, não se incomoda com a inconsistência lógica que deriva de falar da associação de duas entidades que separadas não existem.  (2) Hjelmslev tenta desfazer esse paradoxo propondo uma diferenciação entre sentido (ou substância do conteúdo) e forma do conteúdo. A substância tem caráter pré-linguístico, enquanto que a forma do conteúdo é imposta pela língua.
  12. 12. 2.3 Crítica ao signo linguístico saussuriano em Hjelmslev  Exemplo: I do not know. Je ne sais pas. Eu não sei. A presidente da República inaugura o Estádio Nacional. O estádio nacional foi inaugurado pela presidente da República. A substância do conteúdo é a mesma, muda, porém, a forma do conteúdo.
  13. 13. 2.3 Crítica ao signo linguístico saussuriano em Hjelmslev  (3) Finalmente, cabe destacar que o conceito de arbitrariedade também gera uma incongruência lógica significativa no modelo de Saussure. Uma associação arbitrária (entre significado e significante) pressupõe um processo de convencionalização entre os usuários duma língua. A convencionalização e, conseguintemente, a associação arbitrária não podem ser geradas dentro do sistema, da estrutura, mas fora dela, na comunicação.
  14. 14. 3. O signo linguístico em Peirce: outro tipo de bilateralidade  Peirce abandona a noção estruturalista da bilateralidade do signo, retirando dele o conceito como parte imanente. O objeto conceitual passa agora a ser algo externo.  O signo peirciano substitui o objeto conceitual pelo significado (interpretant, signification). Nasce, assim, uma nova bilateralidade, constituída agora por um aspecto formal do signo (representamen) e o seu significado.  O representamen é definido em Peirce como aquele aspecto do signo que permite que seja percebido: a sua perceptibilidade. Algo imperceptível ou dificilmente perceptível não pode ser utilizado como signo.
  15. 15. 3. O signo linguístico em Peirce: outro tipo de bilateralidade  O interpretant, significado, corresponde a aquele aspecto do signo que possibilita a sua interpretação: a sua interpretabilidade.  É importante observar que a semiose em Peirce é algo externo ao próprio signo, enquanto depende de um ato de percepção e de um processo de interpretação, isto é, de atividades desenvolvidas pelos usuários em um processo de comunicação. O signo passa a ser um produto de processos comunicativos e não mais um pré-requisito para que eles aconteçam. Essa primazia da comunicação sobre o signo e a sua semiose significa também que o signo é dependente de diasistemas: o signo é diatópico, diastrático, diafásico, diageracional, etc. O signo é um produto de práticas sociais, se apresenta como um sócio-signo (ou um etno-signo).
  16. 16. 3. O signo linguístico em Peirce: outro tipo de bilateralidade  Inserido em e decorrente de práticas comunicativas reais, o signo linguístico se caracteriza por uma “abertura multidimensional” (Umberto Eco), que torna metodologicamente inadequado o uso de modelos de equivalência na descrição semiótica ou terminológica (mãe = mulher que tem filhos). Privilegiam-se agora modelos que descrevem o signo como instrução para a execução de processos de interpretação inferencial em contextos comunicativos reais.  Pierce propõe uma taxonomia dos signos de acordo com a natureza do seu significado, isto é, daquilo que possibilita a interpretabilidade do signo e, portanto, a sua participação em processos de inferência. Os signos podem ser sintomas, ícones ou símbolos.
  17. 17. 3. O signo linguístico em Peirce: outro tipo de bilateralidade  (1) Sintomas: algo perceptível é (ou se converte em) um sintoma se permite a realização de inferências causais. Dizemos que a febre é um sintoma de infeção num organismo, porque somos capazes de reconstruir uma causa (infeção) a partir do seu efeito (febre); a inferência causal converte a fumaça em sintoma do fogo, o barulho da agua em sintoma da proximidade do rio, etc. Também podemos dizer que a febre, a fumaça e o barulho da agua indicam a existência, respectivamente, da infeção, do fogo e do rio. Sintomas têm, portanto, caráter indexical. Outra caraterística importante dos sintomas reside em que eles são produzidos apenas no ato da interpretação: as suas olheiras se convertem em um sintoma só no momento em que eu as percebo e interpreto como um efeito do seu cansaço. O sintoma não é apto para a comunicação intencional. E, finalmente, cabe destacar que, sob uma perspectiva sintomática, é impossível não comunicar.
  18. 18. 3. O signo linguístico em Peirce: outro tipo de bilateralidade  (2) Ícones: algo perceptível é (ou se converte em) um ícone quando é utilizado para provocar no outro um determinado processo de inferência por associação (ou semelhança). Ícones são ‘verdadeiros signos’, no sentido de que são usados em processos comunicativos completos, isto é, processos que compreendem a expressão de uma intenção comunicativa, por parte de um emissor, e um processo de compreensão por inferência, por parte de um receptor do signo. Ícones são, portanto, signos intencionais. Quando durante a nossa conversa pelo whatsapp te mando um ,tenho a intenção de que você compreenda que eu estou furioso, mediante a identificação de que existe uma semelhança entre esse emoticon e o rosto que habitualmente tem uma pessoa furiosa. A princípio, um ícone não precisa de regras ou convenções. Basta a existência de uma semelhança entre a forma e o que pretende ser comunicado. Ícones podem, porem, sofrer processos de convencionalização e transformar-se em símbolos.
  19. 19. 3. O signo linguístico em Peirce: outro tipo de bilateralidade  (3) Símbolos: o que converte algo perceptível num símbolo? A resposta não pode ser a “arbitrariedade” da relação entre a forma do perceptível e o que se pretende comunicar. Se esse vínculo for arbitrário - ou sempre arbitrário – seria impossível inferir de uma forma o que o emissor pretende nos comunicar. Isto é, ‘arbitrário’ não pode ser interpretado neste contexto como ‘o que resulta do arbítrio ou capricho de alguém”. O que converte algo perceptível num símbolo é o seguimento de regras no seu uso, ou seja, a convencionalidade do uso. Eu profiro a palavra ‘fumar’ para iniciar no meu interlocutor um processo de inferência que tenha como resultado a atualização, na sua mente, do conceito de FUMAR, baseado na regra ‘a palavra fumar serve, na nossa comunidade de fala, para designar o conceito FUMAR’. Nesse sentido, o símbolo peirciano se aproxima à ideia de significado de Wittgenstein: “O significado de uma palavra é o seu uso na língua”.
  20. 20. Considerações finais: síntese do percurso e questões em aberto  (i) Da estrutura à comunicação.  (ii) Do valor ao significado.  (iii) Da primazia do signo à primazia da comunicação.  (iv) Do signo estático ao signo em transformação (metamorfoses do signo).  (v) O signo no contexto social do seu uso.  (vi)...

×