Gradiente latitudinal de diversidade

2.183 visualizações

Publicada em

Obrigado pela atenção.

Publicada em: Ciências
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.183
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.563
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Gradiente latitudinal de diversidade

  1. 1. Santos Elaborado em 22 jun. 2013. http://universoredeck.blogspot.com.br/
  2. 2.  Gradiente Latitudinal de diversidade: a Biodiversidade aumenta conforme diminui a latitude. Fonte:BROWN,J.&LOMOLINO,M.Biogeografia.Ed.FUNPEC.RibeirãoPreto,SP.2006.Pag.44. →AumentodaLatitude→ →Aumentodavariedadedeespécies→
  3. 3.  Distribuição das borboletas rabo-de- andorinha. Fonte: http://olhares.uol.com.br/borboleta-rabo-de-andorinha-foto5357484.html Fonte: BROWN, J. & LOMOLINO, M. Biogeografia. Ed. FUNPEC. Ribeirão Preto, SP. 2006. Pag. 46.
  4. 4.  A relação entre diversidade de plantas e latitude é mais irregular.Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Avenue_of_the_Giants_Sequoia_sempervirens.jpg Fonte: BROWN, J. & LOMOLINO, M. Biogeografia. Ed. FUNPEC. Ribeirão Preto, SP. 2006. Pag. 48.
  5. 5.  A diversidade de plantas esta relacionada com a produtividade potencial, que associa-se ao clima: quente, úmido e “livre” de variações sazonais. Fonte: BROWN, J. & LOMOLINO, M. Biogeografia. Ed. FUNPEC. Ribeirão Preto, SP. 2006. Pag. 49.
  6. 6.  Tais condições climáticas (quente, úmida e de temperatura uniforme) provocam grandes massas de vegetação, denominadas estruturas. Fonte: BROWN, J. & LOMOLINO, M. Biogeografia. Ed. FUNPEC. Ribeirão Preto, SP. 2006. Pag. 50. Fonte: http://mustseebrazil.com/manaus/manaus- floresta-amazonica-arvores-2/ 50 M 3,6 a 50 M ESTRUTURA DA AMAZONIA Dossel
  7. 7.  A estrutura afeta a umidade, as temperaturas e a intensidade de luz do interior da floresta, criando um “microclima”. Fonte: BROWN, J. & LOMOLINO, M. Biogeografia. Ed. FUNPEC. Ribeirão Preto, SP. 2006. Pag. 50. ESTRUTURA DA VEGETAÇÃO DE GRASSLAND Fonte:http://environment.nationalgeographic.com/envir onment/habitats/grassland-profile/
  8. 8.  Quanto mais complexa for a estrutura vegetal, maior a quantidade de espécies de animais, por oferecer maiores possibilidades em condições de alimento, movimento e abrigo. Fonte: BROWN, J. & LOMOLINO, M. Biogeografia. Ed. FUNPEC. Ribeirão Preto, SP. 2006. Pag. 51. Fonte:http://eco4u.wordpress.co m/2012/11/27/manejo-florestal- afeta-avifauna-amaznica/
  9. 9.  A Terra, em geral, pode sustentar mais criaturas pequenas do que as grandes, assim uma estrutura pequena para um humano é grande para uma formiga, por exemplo. Fonte: BROWN, J. & LOMOLINO, M. Biogeografia. Ed. FUNPEC. Ribeirão Preto, SP. 2006. Pag. 51.
  10. 10.  porém, existem grupos de espécies animais que são mais diversificadas nas áreas temperadas do que nas tropicais, como as afídias.  Além das condições climáticas, existem também fatores historicamente evolucionista que contribuíram para uma maior biodiversidade nas áreas tropicais.  O surgimento das primeiras floríferas foi nas áreas tropicais.
  11. 11.  As vegetações temperadas enfrentaram maiores distúrbios com glaciações, ajudando a diminuir sua biodiversidade. Elaboração: Tiágo Gomes dos Santos. Com base nas imagens do Google Maps e dos dados do capitulo 3 do livro Biogeografia.
  12. 12. BROWN, J. & LOMOLINO, M. Padrões de biodiversidade. In: ______. Biogeografia. Ed. FUNPEC. Ribeirão Preto, SP. 2006. p. 38-62. MARTINS, Fernando Roberto; SANTOS, Flavio Antonio Maës dos. Técnicas Usuais de Estimativa da Biodiversidade. Revista Holos. Departamento de Botânica, Universidade Estadual de Campinas,1999. BUTLER, Rhett A. O que é o dossel?. Mongabay. Tradução de Dr. Henrique Nascimento. Disponível em <http://world.mongabay.com/brazilian/004.html>. Acessado em 22 jul. 2013.

×