Dinâmica climática do Sul

747 visualizações

Publicada em

Discussão sobre a dinâmica climática da região Sul do Brasil com base na Zona de convergência do Atlântico Sul.

Publicada em: Ciências
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
747
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
424
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Dinâmica climática do Sul

  1. 1. Santos Elaborado em 2012/Publicado em 2015 Universo Redeck http://universoredeck.blogspot.com.br/
  2. 2. Para Kodama as Zonas de Convergências Sub-Tropicais só se formam quando duas condições estão satisfeitas:  Escoamento de ar quente e úmido, em baixos níveis, em direção as altas latitudes.  Jato sub-tropical em alta altitude em direção a baixas latitudes. Essas duas condições combinadas intensificam a nebulosidade e as atividades convectivas desses sistemas. No caso da Zona de Convergência do Atlântico Sul, além dessas condições, existe a influência nos locais de passagem desse sistema, além da convecções do centro-oeste do Pacifico, principalmente da Zona de Convergência do Pacifico Sul.
  3. 3. Animação de formação de um sistema de ZCAS com imagens de satélite GOES-12 no canal infravermelho, que ocorreu no período de 17 a 22 de janeiro de 2009. Fonte das imagens:http://ciencia.hsw.uol.com.br/frente-fria6.htm.
  4. 4. Quanto a orientação da ZCAS:  A orientação da Zona de Convergência do Atlântico Sul ocorre em áreas com baixo relevo.  Os Andes libera um padrão de divergência de ar na direção da Zona de Convergência do Atlântico Sul, assim contribuindo para a intensificação e o deslocamento desse sistema para a direção sudeste.
  5. 5. Quanto a orientação da ZCAS:  A orientação da Zona de Convergência do Atlântico Sul ocorre em áreas com baixo relevo.  Os Andes libera um padrão de divergência de ar na direção da Zona de Convergência do Atlântico Sul, assim contribuindo para a intensificação e o deslocamento desse sistema para a direção sudeste.
  6. 6. Representação da ciclogenese do litoral de Santa Catarina, usando imagens do Google Mapas.
  7. 7. Furacão Catarina em 2004. Fonte: http://earthobservatory.nasa.gov/IOTD/view.php?id=4349.
  8. 8. Foto: Ulisses Job, março/2004. Fonte:http://diariocatarinense.clicrbs.com.br/sc/noticia/2009/03/apos- cinco-anos-do-furacao-catarina-autoridades-estudam-medidas-preventivas-2455840.html
  9. 9. Temperatura  Quente durante o verão e frio durante o inverno, chegando a atingir medidas negativas com a invasão de massas polares. Pluviosidade  A pluviosidade média anual oscila entre 1.250 e 2.000mm. Exceto:  No litoral do Paraná e oeste de santa Catarina é superior a 2000mm.  Norte do Paraná e litoral de Santa Catarina é inferior a 1500mm.
  10. 10. Figura 8
  11. 11. Figura 9
  12. 12. Figura 10
  13. 13. Figura 5
  14. 14. Figura 7
  15. 15. Figura 6
  16. 16. RERY, Jonas Teixeira. Dinâmica Climática da Região Sul do Brasil. Revista Brasileira de Climatologia, v. 1, n. 1, dez. 2005. AYOADE, J. O. Introdução a climatologia para trópicos. 4. ed. Rio de Janeiro: Bertrannd Brasil, 1996.

×