SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 26
Baixar para ler offline
UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE - UFCG
CENTRO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO SEMIÁRIDO –CDSA
CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO
Prof.: João Pereira Leite
TOLERÂNCIA E RUGOSIDADETOLERÂNCIA E RUGOSIDADETOLERÂNCIA E RUGOSIDADETOLERÂNCIA E RUGOSIDADETOLERÂNCIA E RUGOSIDADETOLERÂNCIA E RUGOSIDADE
NBR 6158NBR 6158
TOLERÂNCIA E RUGOSIDADETOLERÂNCIA E RUGOSIDADE
NBR 6158NBR 6158
Tolerância e rugosidadeTolerância e rugosidade
Apresentar os conceitos de tolerância
dimensional e rugosidade e sua influência na
fabricação, no controle de qualidade e na
ObjetivosObjetivos
2
fabricação, no controle de qualidade e na
manutenção de equipamentos (substituição de
peças)
A fabricação de partes constituintes de equipamentos
(peças) deve possibilitar a montagem sem a
necessidade de ajustes pós-fabricação para
minimização dos custos;
Importância do controle da tolerância e rugosidadeImportância do controle da tolerância e rugosidade
Tolerância e rugosidadeTolerância e rugosidade
3
minimização dos custos;
O controle de tolerância e rugosidade garantirá a
intercambiabilidade de peças durante operações de
concerto;
A intercambiabilidade na fabricação possibilitará a
escolha, ao acaso, de uma peça de qualquer lote de
fabricação, sem que haja o risco de uma montagem
inadequada (ou até impossível);
Os processos de fabricação, por mais eficientes que
seja, geram peças com dimensões diferentes das
nominais. Dificilmente duas peças serão “iguais” do
ponto de vista dimensional;
Importância do controle da tolerância e rugosidadeImportância do controle da tolerância e rugosidade
Tolerância e rugosidadeTolerância e rugosidade
4
ponto de vista dimensional;
A inexatidão existirá mesmo em peças
fabricadas em um mesmo lote, por um
mesmo equipamento, em condições normais
e controladas, usando a mesma matéria-
prima e o mesmo procedimento operacional.
TolerânciaTolerância
Um eixo tem a dimensão nominal de 30mm e uma luva de
31mm. Com base nestas informações podemos
concluir que a montagem da luva no eixo está
garantida?
5
TolerânciaTolerância
Um eixo tem a dimensão nominal de 30mm e uma luva de
31mm. Com base nestas informações podemos
concluir que a montagem da luva no eixo está
garantida?
NÃO!
6
NÃO!
TUDO
DEPENDERÁ
DAS
TOLERÂNCIAS
ENVOLVIDAS!
TolerânciaTolerância
DefiniçãoDefinição
Os processos de fabricação de peças inicia com a fase de
projeto, onde se especifica as características desejáveis.
7
O ATINGIMENTO OU NÃO DAS ESPECIFICAÇÕES
DEPENDERÁ DA FABRICAÇÃO DA PEÇA E VERIFICAÇÃO!
TolerânciaTolerância
DefiniçãoDefinição
Os processos de fabricação de peças e componentes
sofrem a influência de uma série de variáveis:
Homem
Tecnologia
8
Tecnologia
Ferramenta,
sistemas de controle
Procedimentos, etc.
Independente do funcionamento isolado ou em conjunto
destas peças, deve-se estabelecer uma faixa de variação
para cada uma dessas dimensões que garanta a
funcionalidade do referido elemento. A essa faixa, dá-se
o nome de tolerância.
TolerânciaTolerância
DefiniçãoDefinição
A tolerância representa o limite de inexatidão
permitido no processo de fabricação de uma peça.
9
Dimensão
nominal
Dimensão
máxima
Dimensão
mínima
TolerânciaTolerância
DefiniçãoDefinição
A tolerância representa o limite de inexatidão
permitido no processo de fabricação de uma peça.
Tolerância = 0,091
10
Dimensão
máxima
Dimensão
mínima
40,091
40,000
TolerânciaTolerância
Exatidão e precisãoExatidão e precisão
Coisas
11
Exatidão? Precisão?
Coisas
diferentes?
TolerânciaTolerância
Exatidão e precisãoExatidão e precisão
=
12
Exatidão? Precisão?
• Alta
• Baixa
• Baixa
• Baixa
• Baixa
• Alta
• Alta
• Alta
=
Exatidão é uma medida de erro
e não de incerteza.
TolerânciaTolerância
1 – DIMENSÃO NOMINAL: É a dimensão indicada no
desenho.
Ex: r = 45mm
TerminologiaTerminologia
13
2 – DIMENSÃO EFETIVA: É a dimensão obtida a partir da
medição com um instrumento adequado.
Ex: r = 45,007 mm
TolerânciaTolerância
3 – DIMENSÕES LIMITES: São os valores máximo e
mínimo possíveis para a dimensão efetiva.
TerminologiaTerminologia
4 – DIMENSÃO MÁXIMA: É o valor máximo admissível
para a dimensão efetiva.
dmáx
d
dmin
14
para a dimensão efetiva.
5 – DIMENSÃO MÍNIMA: É o valor mínimo admissível para
a dimensão efetiva.
dmáx
d
dmin
Várias
possibilidades
TolerânciaTolerância
6 – AFASTAMENTO: é a diferença entre as dimensões
limites e a nominal.
TerminologiaTerminologia
7 – AFASTAMENTO INFERIOR: É a diferença entre a
dimensão mínima e a nominal.
15
dimensão mínima e a nominal.
8 – AFASTAMENTO SUPERIOR: É a diferença entre a
dimensão máxima e a nominal.
A tolerância é dada pela diferença entre as dimensões
máxima e mínima ou entre os afastamentos superior e
inferior!
TolerânciaTolerância
9 – TOLERÂNCIA: é a diferença entre as dimensões
máxima e mínima ou entre os afastamentos superior e
inferior.
TerminologiaTerminologia
10 – LINHA ZERO: É a linha que indica a dimensão
16
10 – LINHA ZERO: É a linha que indica a dimensão
nominal e serve de origem aos afastamentos.
• Afastamentos acima
da linha zero serão
positivos;
• Abaixo da linha zero
serão negativos.
TolerânciaTolerância
TerminologiaTerminologia
Afast. inferior
Afast. superiorTolerância
17
Dimensão
nominal
Linha zero
Linha de centro
TolerânciaTolerância
Exemplo 1Exemplo 1
80,080
79,999
80
18
Responda:
Dimensão nominal: _____
Dimensão máxima: _____
Dimensão mínima: _____
Afastamento superior: _____
Afastamento inferior:_____
Tolerância: _____
TolerânciaTolerância
Exemplo 2Exemplo 2
0,040
40
0,001
Responda:
Dimensão nominal: _____
Dimensão máxima: _____
Dimensão mínima: _____
Afastamento superior: _____
Afastamento inferior:_____
Tolerância: _____
19
TolerânciaTolerância
Folga e interferênciaFolga e interferência
20
Os valores de tolerância indicarão se a
montagem ocorrerá com folga ou
interferência!
TolerânciaTolerância
Folga e interferênciaFolga e interferência
21
Os valores de tolerância indicarão se a
montagem ocorrerá com folga ou
interferência!
AjustesAjustes
TerminologiaTerminologia
1 – EIXO: Peça em que sua superfície externa encaixa na
superfície interna de outra peça.
As dimensões de
eixos são escritas
em letras
22
2 – FURO: Peça em que sua superfície interna encaixa na
superfície externa de outra peça.
em letras
minúsculas
As dimensões de
furos são escritas
com letras
maiúsculas
AjustesAjustes
TerminologiaTerminologia
3 – FOLGA (F): Ocorre quando a dimensão efetiva do eixo
é menor que a do furo.
• A folga máxima de um
conjunto eixo/furo ocorrerá
23
conjunto eixo/furo ocorrerá
quando da união de um furo
de dimensão máxima e um
eixo de dimensão mínima;
• E A MÍNIMA?
E quando
o eixo for
maior que
o furo?
Fmax = Dmax - dmin
AjustesAjustes
TerminologiaTerminologia
4 – INTERFERÊNCIA (I): Ocorre quando a dimensão
efetiva do eixo é maior que a do furo.
• A interferência mínima
de um conjunto eixo/furo
24
de um conjunto eixo/furo
ocorrerá quando da união
de um eixo de dimensão
mínima e um furo de
dimensão máxima;
• E A MÁXIMA?
Imin = Dmax - dmin
AjustesAjustes
DefiniçãoDefinição
Os ajustes é o comportamento de um eixo ou de um
furo de mesmas dimensões nominais.
Os ajustes podem ocorrer com:
• Folga
25
• Folga
• Interferência
• Incerto. O ajuste será incerto
quando puder ocorrer
folga ou interferência a
depender da dimensão
efetiva das peças
AjustesAjustes
EXERCÍCIOEXERCÍCIO
Em um encaixe furo/eixo de dimensão nominal 40 mm,
tendo o furo um afast. superior (As) de 0,064 mm e
inferior (Ai) de 0,025 mm e o eixo afast. Superior (as) de
0,000 mm e inferior (ai) de -0,039 mm, determine:
• O esboço do comportamento do conjunto furo/eixo
26
• O esboço do comportamento do conjunto furo/eixo
(USAR COMO BASE O SLIDE 17);
• Determinar o tipo de ajuste que ocorre (folga,
interferência ou incerto);
• Determinar as tolerâncias para o furo e para o eixo;
• Determinar as folgas ou interferências máximas e
mínimas para o conjunto.

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Destaque (14)

Seo
SeoSeo
Seo
 
конференція січень 2017
конференція січень 2017конференція січень 2017
конференція січень 2017
 
Sondage Harris Interactive pour « L’Émission Politique » invitée : Marine Le...
 Sondage Harris Interactive pour « L’Émission Politique » invitée : Marine Le... Sondage Harris Interactive pour « L’Émission Politique » invitée : Marine Le...
Sondage Harris Interactive pour « L’Émission Politique » invitée : Marine Le...
 
Sondage flash RMC / Atlantico / Harris Interactive - Comment les Français ont...
Sondage flash RMC / Atlantico / Harris Interactive - Comment les Français ont...Sondage flash RMC / Atlantico / Harris Interactive - Comment les Français ont...
Sondage flash RMC / Atlantico / Harris Interactive - Comment les Français ont...
 
Aulas 10, 11 e 12 - Introd. a Engenharia de Fabricação
Aulas 10, 11 e 12 - Introd. a Engenharia de FabricaçãoAulas 10, 11 e 12 - Introd. a Engenharia de Fabricação
Aulas 10, 11 e 12 - Introd. a Engenharia de Fabricação
 
Rendimiento académico.
Rendimiento académico.Rendimiento académico.
Rendimiento académico.
 
Aulas 8 e 9 - Introd. a Engenharia de Fabricação
Aulas 8 e 9 - Introd. a Engenharia de FabricaçãoAulas 8 e 9 - Introd. a Engenharia de Fabricação
Aulas 8 e 9 - Introd. a Engenharia de Fabricação
 
Introducion
IntroducionIntroducion
Introducion
 
Prizmaa
PrizmaaPrizmaa
Prizmaa
 
Abnt tolerancias geometricas
Abnt tolerancias geometricasAbnt tolerancias geometricas
Abnt tolerancias geometricas
 
Dossier
DossierDossier
Dossier
 
Aula de Tolerancia geometrica
Aula de Tolerancia geometrica  Aula de Tolerancia geometrica
Aula de Tolerancia geometrica
 
Controle de processos
Controle de processosControle de processos
Controle de processos
 
One Member - OneTree
One Member - OneTreeOne Member - OneTree
One Member - OneTree
 

Semelhante a Aulas 3 e 4 - Introd. a Engenharia de Fabricação

Semelhante a Aulas 3 e 4 - Introd. a Engenharia de Fabricação (20)

Aula metrologia .
Aula metrologia .Aula metrologia .
Aula metrologia .
 
Tolerâncias e Ajustes.pdf
Tolerâncias e Ajustes.pdfTolerâncias e Ajustes.pdf
Tolerâncias e Ajustes.pdf
 
Ficha de Tolerâncias e Ajustes en formation pdf
Ficha de Tolerâncias e Ajustes en formation pdfFicha de Tolerâncias e Ajustes en formation pdf
Ficha de Tolerâncias e Ajustes en formation pdf
 
PFPC
PFPCPFPC
PFPC
 
Aula metrologia
Aula metrologiaAula metrologia
Aula metrologia
 
Aula metrologia
Aula metrologiaAula metrologia
Aula metrologia
 
Aula metrologia
Aula metrologiaAula metrologia
Aula metrologia
 
Aula metrologia
Aula metrologiaAula metrologia
Aula metrologia
 
Aula metrologia
Aula metrologiaAula metrologia
Aula metrologia
 
5272
52725272
5272
 
NBR-6158-Sistema-de-tolerâncias-e-ajustes.pdf
NBR-6158-Sistema-de-tolerâncias-e-ajustes.pdfNBR-6158-Sistema-de-tolerâncias-e-ajustes.pdf
NBR-6158-Sistema-de-tolerâncias-e-ajustes.pdf
 
NBR-6158-Sistema-de-tolerâncias-e-ajustes.pdf
NBR-6158-Sistema-de-tolerâncias-e-ajustes.pdfNBR-6158-Sistema-de-tolerâncias-e-ajustes.pdf
NBR-6158-Sistema-de-tolerâncias-e-ajustes.pdf
 
Metrologia - BCT - Aula 09.ppt
Metrologia - BCT - Aula 09.pptMetrologia - BCT - Aula 09.ppt
Metrologia - BCT - Aula 09.ppt
 
15 dicas que você precisa saber sobre linha
15 dicas que você precisa saber sobre linha15 dicas que você precisa saber sobre linha
15 dicas que você precisa saber sobre linha
 
15 dicas que voce precisa saber sobre linha
15 dicas que voce precisa saber sobre linha15 dicas que voce precisa saber sobre linha
15 dicas que voce precisa saber sobre linha
 
NBR 6158 - Sistema de Tolerância e Ajustes.pdf
NBR 6158 - Sistema de Tolerância e Ajustes.pdfNBR 6158 - Sistema de Tolerância e Ajustes.pdf
NBR 6158 - Sistema de Tolerância e Ajustes.pdf
 
Tolerancia dimensional
Tolerancia dimensionalTolerancia dimensional
Tolerancia dimensional
 
Apostilademetrologia
ApostilademetrologiaApostilademetrologia
Apostilademetrologia
 
Nbr6158
Nbr6158Nbr6158
Nbr6158
 
Tradução
TraduçãoTradução
Tradução
 

Mais de Unidade Acedêmica de Engenharia de Produção

Mais de Unidade Acedêmica de Engenharia de Produção (20)

Aula 4 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 4 - Planejamento e Controle da Produção IIAula 4 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 4 - Planejamento e Controle da Produção II
 
Aula 3 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 3 - Planejamento e Controle da Produção IIAula 3 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 3 - Planejamento e Controle da Produção II
 
Aula 2 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 2 - Planejamento e Controle da Produção IIAula 2 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 2 - Planejamento e Controle da Produção II
 
Aula 1 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 1 - Planejamento e Controle da Produção IIAula 1 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 1 - Planejamento e Controle da Produção II
 
Aula 6 - Gestão da Qualidade
Aula 6 - Gestão da QualidadeAula 6 - Gestão da Qualidade
Aula 6 - Gestão da Qualidade
 
Aula 3 - Gestão da Qualidade
Aula 3 - Gestão da QualidadeAula 3 - Gestão da Qualidade
Aula 3 - Gestão da Qualidade
 
Aula 2 - Gestão da Qualidade
Aula 2 - Gestão da QualidadeAula 2 - Gestão da Qualidade
Aula 2 - Gestão da Qualidade
 
Aula 1 - Gestão da Qualidade
Aula 1 - Gestão da QualidadeAula 1 - Gestão da Qualidade
Aula 1 - Gestão da Qualidade
 
Aula 4 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 4 - Projeto de Fábrica e Layout Aula 4 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 4 - Projeto de Fábrica e Layout
 
Aula 3 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 3 - Projeto de Fábrica e Layout Aula 3 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 3 - Projeto de Fábrica e Layout
 
Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout
 
Aula 2 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 2 - Projeto de Fábrica e Layout Aula 2 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 2 - Projeto de Fábrica e Layout
 
Aula 1 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 1 - Projeto de Fábrica e Layout Aula 1 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 1 - Projeto de Fábrica e Layout
 
Aula 6 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 6 - Higiene e Segurança do TrabalhoAula 6 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 6 - Higiene e Segurança do Trabalho
 
Aula 5 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 5 - Higiene e Segurança do TrabalhoAula 5 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 5 - Higiene e Segurança do Trabalho
 
Aula 4 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 4 - Higiene e Segurança do Trabalho Aula 4 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 4 - Higiene e Segurança do Trabalho
 
Aula 3.1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 3.1 - Higiene e Segurança do Trabalho Aula 3.1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 3.1 - Higiene e Segurança do Trabalho
 
Aula 3 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 3 - Higiene e Segurança do Trabalho Aula 3 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 3 - Higiene e Segurança do Trabalho
 
Aula 2 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 2 - Higiene e Segurança do Trabalho Aula 2 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 2 - Higiene e Segurança do Trabalho
 
Aula 1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 1 - Higiene e Segurança do TrabalhoAula 1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 1 - Higiene e Segurança do Trabalho
 

Último

A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfAnaGonalves804156
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 

Último (20)

A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 

Aulas 3 e 4 - Introd. a Engenharia de Fabricação

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE - UFCG CENTRO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO SEMIÁRIDO –CDSA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Prof.: João Pereira Leite TOLERÂNCIA E RUGOSIDADETOLERÂNCIA E RUGOSIDADETOLERÂNCIA E RUGOSIDADETOLERÂNCIA E RUGOSIDADETOLERÂNCIA E RUGOSIDADETOLERÂNCIA E RUGOSIDADE NBR 6158NBR 6158 TOLERÂNCIA E RUGOSIDADETOLERÂNCIA E RUGOSIDADE NBR 6158NBR 6158
  • 2. Tolerância e rugosidadeTolerância e rugosidade Apresentar os conceitos de tolerância dimensional e rugosidade e sua influência na fabricação, no controle de qualidade e na ObjetivosObjetivos 2 fabricação, no controle de qualidade e na manutenção de equipamentos (substituição de peças)
  • 3. A fabricação de partes constituintes de equipamentos (peças) deve possibilitar a montagem sem a necessidade de ajustes pós-fabricação para minimização dos custos; Importância do controle da tolerância e rugosidadeImportância do controle da tolerância e rugosidade Tolerância e rugosidadeTolerância e rugosidade 3 minimização dos custos; O controle de tolerância e rugosidade garantirá a intercambiabilidade de peças durante operações de concerto; A intercambiabilidade na fabricação possibilitará a escolha, ao acaso, de uma peça de qualquer lote de fabricação, sem que haja o risco de uma montagem inadequada (ou até impossível);
  • 4. Os processos de fabricação, por mais eficientes que seja, geram peças com dimensões diferentes das nominais. Dificilmente duas peças serão “iguais” do ponto de vista dimensional; Importância do controle da tolerância e rugosidadeImportância do controle da tolerância e rugosidade Tolerância e rugosidadeTolerância e rugosidade 4 ponto de vista dimensional; A inexatidão existirá mesmo em peças fabricadas em um mesmo lote, por um mesmo equipamento, em condições normais e controladas, usando a mesma matéria- prima e o mesmo procedimento operacional.
  • 5. TolerânciaTolerância Um eixo tem a dimensão nominal de 30mm e uma luva de 31mm. Com base nestas informações podemos concluir que a montagem da luva no eixo está garantida? 5
  • 6. TolerânciaTolerância Um eixo tem a dimensão nominal de 30mm e uma luva de 31mm. Com base nestas informações podemos concluir que a montagem da luva no eixo está garantida? NÃO! 6 NÃO! TUDO DEPENDERÁ DAS TOLERÂNCIAS ENVOLVIDAS!
  • 7. TolerânciaTolerância DefiniçãoDefinição Os processos de fabricação de peças inicia com a fase de projeto, onde se especifica as características desejáveis. 7 O ATINGIMENTO OU NÃO DAS ESPECIFICAÇÕES DEPENDERÁ DA FABRICAÇÃO DA PEÇA E VERIFICAÇÃO!
  • 8. TolerânciaTolerância DefiniçãoDefinição Os processos de fabricação de peças e componentes sofrem a influência de uma série de variáveis: Homem Tecnologia 8 Tecnologia Ferramenta, sistemas de controle Procedimentos, etc. Independente do funcionamento isolado ou em conjunto destas peças, deve-se estabelecer uma faixa de variação para cada uma dessas dimensões que garanta a funcionalidade do referido elemento. A essa faixa, dá-se o nome de tolerância.
  • 9. TolerânciaTolerância DefiniçãoDefinição A tolerância representa o limite de inexatidão permitido no processo de fabricação de uma peça. 9 Dimensão nominal Dimensão máxima Dimensão mínima
  • 10. TolerânciaTolerância DefiniçãoDefinição A tolerância representa o limite de inexatidão permitido no processo de fabricação de uma peça. Tolerância = 0,091 10 Dimensão máxima Dimensão mínima 40,091 40,000
  • 11. TolerânciaTolerância Exatidão e precisãoExatidão e precisão Coisas 11 Exatidão? Precisão? Coisas diferentes?
  • 12. TolerânciaTolerância Exatidão e precisãoExatidão e precisão = 12 Exatidão? Precisão? • Alta • Baixa • Baixa • Baixa • Baixa • Alta • Alta • Alta = Exatidão é uma medida de erro e não de incerteza.
  • 13. TolerânciaTolerância 1 – DIMENSÃO NOMINAL: É a dimensão indicada no desenho. Ex: r = 45mm TerminologiaTerminologia 13 2 – DIMENSÃO EFETIVA: É a dimensão obtida a partir da medição com um instrumento adequado. Ex: r = 45,007 mm
  • 14. TolerânciaTolerância 3 – DIMENSÕES LIMITES: São os valores máximo e mínimo possíveis para a dimensão efetiva. TerminologiaTerminologia 4 – DIMENSÃO MÁXIMA: É o valor máximo admissível para a dimensão efetiva. dmáx d dmin 14 para a dimensão efetiva. 5 – DIMENSÃO MÍNIMA: É o valor mínimo admissível para a dimensão efetiva. dmáx d dmin Várias possibilidades
  • 15. TolerânciaTolerância 6 – AFASTAMENTO: é a diferença entre as dimensões limites e a nominal. TerminologiaTerminologia 7 – AFASTAMENTO INFERIOR: É a diferença entre a dimensão mínima e a nominal. 15 dimensão mínima e a nominal. 8 – AFASTAMENTO SUPERIOR: É a diferença entre a dimensão máxima e a nominal. A tolerância é dada pela diferença entre as dimensões máxima e mínima ou entre os afastamentos superior e inferior!
  • 16. TolerânciaTolerância 9 – TOLERÂNCIA: é a diferença entre as dimensões máxima e mínima ou entre os afastamentos superior e inferior. TerminologiaTerminologia 10 – LINHA ZERO: É a linha que indica a dimensão 16 10 – LINHA ZERO: É a linha que indica a dimensão nominal e serve de origem aos afastamentos. • Afastamentos acima da linha zero serão positivos; • Abaixo da linha zero serão negativos.
  • 18. TolerânciaTolerância Exemplo 1Exemplo 1 80,080 79,999 80 18 Responda: Dimensão nominal: _____ Dimensão máxima: _____ Dimensão mínima: _____ Afastamento superior: _____ Afastamento inferior:_____ Tolerância: _____
  • 19. TolerânciaTolerância Exemplo 2Exemplo 2 0,040 40 0,001 Responda: Dimensão nominal: _____ Dimensão máxima: _____ Dimensão mínima: _____ Afastamento superior: _____ Afastamento inferior:_____ Tolerância: _____ 19
  • 20. TolerânciaTolerância Folga e interferênciaFolga e interferência 20 Os valores de tolerância indicarão se a montagem ocorrerá com folga ou interferência!
  • 21. TolerânciaTolerância Folga e interferênciaFolga e interferência 21 Os valores de tolerância indicarão se a montagem ocorrerá com folga ou interferência!
  • 22. AjustesAjustes TerminologiaTerminologia 1 – EIXO: Peça em que sua superfície externa encaixa na superfície interna de outra peça. As dimensões de eixos são escritas em letras 22 2 – FURO: Peça em que sua superfície interna encaixa na superfície externa de outra peça. em letras minúsculas As dimensões de furos são escritas com letras maiúsculas
  • 23. AjustesAjustes TerminologiaTerminologia 3 – FOLGA (F): Ocorre quando a dimensão efetiva do eixo é menor que a do furo. • A folga máxima de um conjunto eixo/furo ocorrerá 23 conjunto eixo/furo ocorrerá quando da união de um furo de dimensão máxima e um eixo de dimensão mínima; • E A MÍNIMA? E quando o eixo for maior que o furo? Fmax = Dmax - dmin
  • 24. AjustesAjustes TerminologiaTerminologia 4 – INTERFERÊNCIA (I): Ocorre quando a dimensão efetiva do eixo é maior que a do furo. • A interferência mínima de um conjunto eixo/furo 24 de um conjunto eixo/furo ocorrerá quando da união de um eixo de dimensão mínima e um furo de dimensão máxima; • E A MÁXIMA? Imin = Dmax - dmin
  • 25. AjustesAjustes DefiniçãoDefinição Os ajustes é o comportamento de um eixo ou de um furo de mesmas dimensões nominais. Os ajustes podem ocorrer com: • Folga 25 • Folga • Interferência • Incerto. O ajuste será incerto quando puder ocorrer folga ou interferência a depender da dimensão efetiva das peças
  • 26. AjustesAjustes EXERCÍCIOEXERCÍCIO Em um encaixe furo/eixo de dimensão nominal 40 mm, tendo o furo um afast. superior (As) de 0,064 mm e inferior (Ai) de 0,025 mm e o eixo afast. Superior (as) de 0,000 mm e inferior (ai) de -0,039 mm, determine: • O esboço do comportamento do conjunto furo/eixo 26 • O esboço do comportamento do conjunto furo/eixo (USAR COMO BASE O SLIDE 17); • Determinar o tipo de ajuste que ocorre (folga, interferência ou incerto); • Determinar as tolerâncias para o furo e para o eixo; • Determinar as folgas ou interferências máximas e mínimas para o conjunto.