Apostila sobre pesquisa acadêmica e normas da ABNT

2.122 visualizações

Publicada em

Esta apostila contém explicações sobre pesquisa em bases de dados e dicas para criação de expressões de busca, por meio de operadores booleanos. Além disso, contém informações e exemplos sobre as normas de citações, referências e trabalhos acadêmicos da ABNT.

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.122
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
82
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apostila sobre pesquisa acadêmica e normas da ABNT

  1. 1. NNOORRMMAASS AABBNNTT EE BBUUSSCCAA BBIIBBLLIIOOGGRRÁÁFFIICCAA BBiibblliiootteeccaa CCââmmppuuss RRiioo CCllaarroo 22001166
  2. 2. NNOORRMMAASS AABBNNTT EE BBUUSSCCAA BBIIBBLLIIOOGGRRÁÁFFIICCAA Elaborada pelos bibliotecários da Seção Técnica de Referência, Atendimento ao Usuário e Documentação – STRAUD - Biblioteca da UNESP – Câmpus de Rio Claro. EEddiiççããoo RReevviissaaddaa RRiioo CCllaarroo 22001166
  3. 3. Universidade Estadual Paulista Instituto de Biociências – Câmpus de Rio Claro Serviço Técnico de Biblioteca e Documentação Seção Técnica de Referência, Atendimento ao Usuário e Documentação Equipe de bibliotecários: Renan Carvalho Ramos (supervisor) Angela Ferraz Cristina Marchetti Maia Silvia Dias Degaspari Email: straud@rc.unesp.br Telefones: (19) 3526-9660/ 9661/ 9662/ 9663 Como referenciar esta apostila: UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA (Rio Claro). Serviço Técnico de Biblioteca e Documentação. Normas ABNT e busca bibliográfica. Ed. rev. Rio Claro, 2016. Disponível em: <http://issuu.com/bibliotecaunesprc/docs/apostila_total_2014>. Acesso em: 04 abr. 2016
  4. 4. SUMÁRIO 1 BUSCA BIBLIOGRÁFICA..........................................................................7 1.1 ESCOLHENDO AS FONTES DE INFORMAÇÃO ......................................7 1.2 TECENDO A ESTRATÉGIA DE BUSCA ....................................................8 1.2.1 Combinação de conectores ...................................................................10 1.2.2 Outros operadores..................................................................................10 1.2.2.1 O uso de aspas.........................................................................................11 1.2.2.2 Truncagem................................................................................................11 1.2.3 Posso usar as palavras-chave em português?....................................11 1.3 INDICADORES BIBLIOMÉTRICOS..........................................................11 2 NORMA ABNT NBR 14724 DE 2011: TRABALHOS ACADÊMICOS.....13 2.1 O QUE VALE PARA TODO O TRABALHO? ............................................13 2.2 MARGENS................................................................................................13 2.3 PARTES DO TRABALHO ACADÊMICO ..................................................14 2.3.1 Parte externa ...........................................................................................15 2.3.1.1 Capa .........................................................................................................15 2.3.1.2 Lombada - NBR 12225:2004 ....................................................................15 2.3.2 Parte interna............................................................................................16 2.3.2.1 Itens pré-textuais ......................................................................................16 2.3.2.1.1 Folha de rosto e ficha catalográfica.......................................................16 2.3.2.1.2 Folha de aprovação...............................................................................17 2.3.2.1.3 Dedicatória, Agradecimentos e Epígrafe ...............................................18 2.3.2.1.4 Resumo em língua vernácula (português) – NBR 6028:2003 ...............19 2.3.2.1.5 Resumo em língua estrangeira..............................................................19 2.3.2.1.6 Listas de ilustrações ..............................................................................19 2.3.2.1.7 Listas de tabelas....................................................................................20 2.3.2.1.8 Lista de abreviaturas e siglas ................................................................20 2.3.2.1.9 Lista de símbolos...................................................................................20 2.3.2.1.10 Sumário - NBR 6027:2012.....................................................................21 2.3.2.2 Parte textual..............................................................................................21 2.3.2.2.1 Numeração dos títulos da parte textual - NBR 6024:2012.....................22 2.3.2.2.2 Formatação do texto da parte textual ....................................................23 2.3.2.2.3 Ilustrações .............................................................................................24 2.3.2.2.4 Tabelas e Quadros ................................................................................25 2.3.2.3 Elementos pós-textuais.............................................................................26 2.3.2.3.1 Referências – NBR 6023:2002 ..............................................................26 2.3.2.3.2 Glossário ...............................................................................................27 2.3.2.3.3 Apêndices e Anexos..............................................................................27
  5. 5. 2.3.2.3.4 Índices ...................................................................................................27 2.4 SISTEMAS DE CHAMADA.......................................................................28 2.4.1 Sistema numérico ...................................................................................28 2.4.2 Sistema autor-data..................................................................................29 2.4.2.1 Formas de apresentação das citações no Sistema autor-data .................29 2.5 TIPOS DE CITAÇÃO ................................................................................30 2.5.1 Citação direta ..........................................................................................30 2.5.1.1 Citação direta até três linhas.....................................................................30 2.5.1.2 Citação direta com mais de três linhas .....................................................30 2.5.2 Citação indireta .......................................................................................31 2.5.3 Citação de citação ..................................................................................31 2.6 OUTROS CASOS.....................................................................................32 2.6.1 Citação de informação verbal................................................................32 2.6.2 Citação de trabalhos em fase de elaboração .......................................32 2.6.3 Citação direta com omissões e/ou acréscimo de texto.......................33 2.6.4 Citação direta com destaque de texto e/ou incorreções.....................33 2.6.5 Citação de nomes científicos.................................................................33 2.6.6 Citação traduzida ....................................................................................34 2.7 CASOS ESPECÍFICOS COM SOBRENOMES DE AUTORES ................34 2.7.1 Coincidência de sobrenomes ................................................................34 2.7.2 Datas diferentes e de um mesmo autor ou grupos de autores...........34 2.7.3 Diversos documentos de um mesmo autor e da mesma data............35 2.7.4 Citações indiretas e simultâneas, de autores diferentes. ...................35 2.7.5 Citação sem ano de publicação.............................................................35 2.8 NOTAS DE RODAPÉ................................................................................35 2.8.1 Notas explicativas...................................................................................36 2.8.2 Notas de referência.................................................................................36 2.8.2.1 Expressões latinas (ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, 2002b): ..................................................................................................36 3 NORMA ABNT NBR 6023 DE 2002: REFERÊNCIAS .............................38 3.1 PARA COMEÇAR.....................................................................................38 3.2 ORDENAÇÃO DAS REFERÊNCIAS ........................................................38 3.2.1 Ordenação alfabética..............................................................................38 3.2.2 Ordenação numérica ..............................................................................39 3.3 INDICAÇÃO DE MESES...........................................................................40 3.4 ELEMENTOS DE UMA REFERÊNCIA.....................................................40 3.4.1 Autoria .....................................................................................................40 3.4.1.1 Autor pessoa física ...................................................................................40
  6. 6. 3.4.1.1.1 Sobrenomes ..........................................................................................40 3.4.1.1.2 Mais de três autores ..............................................................................41 3.4.1.1.3 Indicação de responsabilidade ..............................................................41 3.4.1.2 Autor entidade...........................................................................................42 3.4.1.3 Sem autor/ autoria desconhecida .............................................................42 3.4.2 Título ........................................................................................................42 3.4.3 Subtítulo ..................................................................................................43 3.4.4 Edição ......................................................................................................43 3.4.5 Local.........................................................................................................43 3.4.6 Editora......................................................................................................44 3.4.7 Ausência de dados – sem local e sem editora.....................................44 3.4.8 Ano...........................................................................................................44 3.5 EXEMPLOS POR TIPO DE MATERIAIS..................................................45 3.5.1 Livros .......................................................................................................45 3.5.2 Capítulos de livros..................................................................................46 3.5.3 Artigos de periódicos .............................................................................46 3.5.4 Trabalho apresentado em evento..........................................................47 3.5.5 Trabalhos acadêmicos ...........................................................................48 3.5.6 Documentos jurídicos ............................................................................49 3.5.7 Documentos cartográficos.....................................................................50 3.5.8 Documentos de acesso em meio eletrônico ........................................51 REFERÊNCIAS.........................................................................................................53
  7. 7. 6 APRESENTAÇÃO Esse material foi elaborado com o objetivo de fornecer aos participantes dos cursos oferecidos pela Seção de Referência, um material complementar visando maior compreensão dos assuntos abordados, bem como servir como consulta posterior, facilitando assim, a rotina de estudo, pesquisa e elaboração de trabalhos pelos usuários. Essa apostila é baseada nas Normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), normas correlatas e literatura sobre pesquisa, no entanto, nos casos em que as normas se omitem, os autores desenvolveram exemplos baseados na literatura da área e na experiência. Os exemplos contidos no material correspondem principalmente aos das normas da ABNT ou dos materiais listados ao final deste documento. AATTEENNÇÇÃÃOO!! Alguns cursos de graduação e pós-graduação exigem detalhes de formatação além das Normas ABNT, portanto sempre verifique com o seu Programa de Pós-graduação ou Seção de Graduação da sua unidade sobre a necessidade de atender a regras específicas desses órgãos. Você pode consultar o site da respectiva seção ou entrar em contato diretamente. CCoonnssuullttee nnoossssaass aapprreesseennttaaççõõeess nnoo ssiittee ddaa bbiibblliiootteeccaa:: wwwwww..rrcc..uunneesspp..bbrr//bbiibblliiootteeccaa -- mmeennuu NNoorrmmaass Confira nossos perfis biblioteca 2.0 Issuu Slideshare YouTube Facebook Blog https://issuu.com/bibliotecaunesprc http://pt.slideshare.net/UnespRC https://www.youtube.com/user/BibliotecaUnespRC?feature=mhsn https://www.facebook.com/biblioteca.rioclaro https://bibliotecaunesprc.wordpress.com/
  8. 8. 7 1 BUSCA BIBLIOGRÁFICA Antes de começar a pesquisar ou escrever sobre um assunto é necessário conhecer sobre ele, sendo assim a leitura do estado da arte ou sobre o que se tem feito sobre determinado assunto é imprescindível. Esse processo costuma ser chamado de “revisão bibliográfica, “pesquisa bibliográfica” ou “levantamento bibliográfico”. Para realizar a pesquisa, o primeiro passo é definir o assunto que deseja pesquisar. No geral, a escolha do assunto não surge espontaneamente, por isso Gil (2008) sugere um levantamento bibliográfico preliminar para conhecer melhor o assunto e, assim, definir o problema de pesquisa para depois realizar uma nova busca em fontes de informação específicas: “Esse levantamento bibliográfico preliminar pode ser entendido como um estudo exploratório, posto que tem a finalidade de proporcionar a familiaridade do aluno com a área de estudo no qual está interessado, bem como sua delimitação” (GIL, 2008, p. 61). Durante o desenvolvimento do trabalho também é provável que você tenha que fazer novas buscas, por isso é importante conhecer as fontes, onde buscá-las e como pesquisá-las. 1.1 ESCOLHENDO AS FONTES DE INFORMAÇÃO Para realizar uma revisão bibliográfica é imprescindível a escolha de fontes confiáveis, sejam elas, livros, artigos, eventos. Atualmente esse processo é facilitado pelo fato de existirem bases de dados científicas de vários modelos e áreas do conhecimento que disponibilizam, principalmente, artigos e livros científicos. A biblioteca dispõe em seu site na Seção “Fontes de informação (Mapa da mina)”, um rol de fontes científicas confiáveis, separadas por seus tipos: artigos em texto completo, referenciais, teses e dissertações dentre outras. No entanto, diante do grande arcabouço de conhecimento disponível nas bases de dados, é crucial estabelecer palavras-chave e uma estratégia de busca eficaz para obter resultados pertinentes para pesquisa.
  9. 9. 8 Tecendo a estratégia de busca Sabendo o que se quer procurar e onde procurar, agora é hora de planejar como procurar. Agora se fará uso do que se chama estratégia de busca, que é a forma como você vai buscar as informações nas bases. Nesse momento, você deve definir as suas palavras-chave, pois não usamos frases e sim palavras que se relacionam com a sua pesquisa. Quando estiver fazendo o levantamento bibliográfico preliminar é possível que você tenha menos palavras-chave, mas conforme você tiver mais contato com as informações, terá condições de especificar sua pesquisa. Vamos exemplificar que um pesquisador deseja saber sobre “portadores de Parkinson na Educação de jovens e adultos”. Ele pode extrair as seguintes palavras- chave: Educação, Adultos, Parkinson Sugere-se listar as palavras e seus respectivos sinônimos, em português, inglês e espanhol ou outra língua que for necessária. Education, Adults, Parkinson E para combinar as palavras-chave, a maioria das bases utiliza os chamados operadores booleanos, que seguem a lógica de conjuntos, geralmente nas bases eles são usados em inglês, veja cada um deles: • AND (em português E): este operador restringe a pesquisa, quando se utiliza o E com duas palavras-chave serão buscadas apenas materiais que tenham simultaneamente as duas palavras. Educação AND Adultos
  10. 10. 9 Neste exemplo o pesquisador não deseja materiais sobre a educação de crianças, ele deseja apenas materiais sobre a educação de adultos. *Em algumas bases o operador AND é default, ou seja, mesmo se ele não for incluído na busca, a base o incluirá automaticamente entre os termos. • OR (em português OU): Esse conector amplia o resultado da pesquisa. Os resultados terão a primeira palavra ou a outra ou as duas palavras ou expressões. Esse conector é útil para quando se deseja buscar palavras sinônimas. Idoso OR Terceira idade No exemplo acima o pesquisador quer saber tudo relacionado aos idosos e se por acaso algum material use o termo “terceira idade” em vez de “idoso” ele também aparecerá nos resultados. • NOT (em português NÃO): esse operador serve para excluir resultados que geralmente estão relacionados ao assunto que deseja procurar, mas não estão no foco da pesquisa. Por exemplo, caso uma pesquisador queira saber sobre Parkinson, mas não em idosos ele pode fazer uma combinação como a abaixo: Parkinson NOT idoso
  11. 11. 10 1.1.1 Combinação de conectores Dependendo da especificidade e da base em que será realizada a pesquisa, os conectores poderão ser combinados dando origem a um resultado mais preciso. Exemplo: Parkinson NOT (idoso OR terceira idade) - nesse caso serão recuperados os artigos que tratam de Parkinson, porém sem as palavras-chave: idoso ou terceira idade. OBSERVAÇÃO Os parênteses servem para separar os conjuntos e priorizar as expressões, se não forem usados, a busca obedecerá a ordem de prioridade dos operadores booleanos. Consulte o item ajuda da base de dados para saber mais sobre a ordem de prioridade dos operadores. Voltando ao exemplo do pesquisador, caso ele queira saber sobre portadores de Parkinson na Educação de adultos, mas que não seja idoso poderia usar a seguinte estratégia: (Educação AND adultos) AND Parkinson NOT (idoso OR terceira idade) 1.1.2 Outros operadores Outros operadores que não são considerados booleanos, porém são muito úteis são as aspas e a truncagem.
  12. 12. 11 1.1.2.1 O uso de aspas As aspas (“ “) indicam que o pesquisador deseja buscar uma expressão específica, que nem sempre é resolvida pelo uso do conector AND. Um exemplo clássico é o da expressão “Educação Física”. Se o pesquisador usar apenas o conector AND, ele poderá receber como resultados materiais que falem sobre Educação da ciência exata Física, porém se ele usar as aspas “Educação Física” receberá materiais que tratam sobre área do conhecimento de Educação Física. 1.1.2.2 Truncagem Algumas bases oferecem o recurso de truncagem, onde você pode procurar apenas por um radical de palavras, geralmente são usados os caracteres *, ? ou $., dependerá de cada base. Para saber mais sobre isso, consulte o menu ajuda ou dicas de pesquisa da base de dados. Exemplos: Geograf? recupera geografia, geográfica, geográfico, e mais palavras que tenham o radical geograf. Outro tipo de truncagem é quando não se tem certeza do uso de um caractere ou conjunto de carácteres no meio de uma palavra. Exemplos: V?gotsk? recupera Vygotsky, Vygotskii, Vigotski e Vygotski. 1.1.3 Posso usar as palavras-chave em português? Se a base de dados que você estiver utilizando for internacional recomenda- se usar os termos em inglês, pois mesmo se houver artigos em português na base, eles estarão com o título, resumo e palavras-chave em inglês. No Portal de Periódicos da Capes recomenda-se o uso de palavras-chave em inglês. 1.2 INDICADORES BIBLIOMÉTRICOS Para saber sobre indicadores bibliométricos consulte os tutoriais disponíveis no perfil do youtube da biblioteca:
  13. 13. 12 Fator de impacto e Qualis Capes https://www.youtube.com/watch?v=OMVAGGb-4tQ Índice H https://www.youtube.com/watch?v=OWqSBmO1tPE
  14. 14. 13 2 NORMA ABNT NBR 14724 DE 2011: TRABALHOS ACADÊMICOS Esta norma especifica os princípios gerais para a elaboração e formatação de trabalhos acadêmicos ou de conclusão de curso, dissertações, teses e outros. 2.1 O QUE VALE PARA TODO O TRABALHO? O trabalho deve ser impresso em papel A4 branco ou reciclado e o texto digitado em cor preta, podendo utilizar outras cores somente para as ilustrações. Todo o texto deve ser digitado com espaçamento 1,5 entre as linhas, exceto para as citações com mais de três linhas, notas de rodapé, referências, legendas e fontes de tabelas e ilustrações, que devem ter espaço simples. Iniciar cada capítulo em uma nova folha. O tamanho de fonte recomendado para todo trabalho é 12, inclusive para títulos, exceto citações com mais de três linhas, notas de rodapé, paginação, legendas e fontes de tabelas e ilustrações. Você pode imprimir na frente ou frente e verso da folha. Sendo que, se optar pela impressão frente e verso, somente os itens textuais e pós-textuais poderão ser impressos desse modo, pois os pré-textuais devem ser impressos somente na frente (com exceção da ficha catalográfica que deverá ser impressa no verso da folha de rosto). Os títulos das seções primárias devem começar no anverso (frente) da folha. 2.2 MARGENS OOrrddeennaaççããoo DDiirreeiittaa EEssqquueerrddaa SSuuppeerriioorr IInnffeerriioorr FFrreennttee 2 3 3 2 VVeerrssoo 3 2 3 2 Se optar por usar impressão frente e verso coloque o número de página na frente no canto superior direito e no verso no canto superior esquerdo. OBSERVAÇÃO Se não for possível manter em um mesmo arquivo a parte pré-textual, textual e pós-textual com as configurações necessárias de cada parte para margens, recomenda-se fazer a parte pré-textual em um arquivo separado, porém nesse caso não é possível utilizar o sumário automático.
  15. 15. 14 Para juntar 2 ou mais arquivos em PDF, acesse o site: http://smallpdf.com/pt/juntar-pdf ou consulte: LINKS AUXLILIARES no site da Biblioteca. 2.3 PARTES DO TRABALHO ACADÊMICO A norma NBR 14724 divide o trabalho acadêmico em duas partes: externa e interna, sendo que a parte interna é dividida em: Pré-textual, Textual e Pós-textual. No quadro abaixo cada parte é apresentada com seus respectivos itens. Alguns elementos obrigatórios não são exigidos em TCC, portanto verifique com a Seção de Graduação sobre a obrigatoriedade de alguns elementos como Folha de aprovação e Resumo em língua estrangeira. PARTES DO TRABALHO ACADÊMICO PARTE EXTERNA Capa Lombada (opcional) PARTE INTERNA Pré-Textuais Folha de Rosto e Ficha catalográfica (versão final) Folha de aprovação Dedicatória (opcional) Agradecimentos (opcional) Epígrafe (opcional) Resumo em português Resumo em língua estrangeira Listas de ilustrações (opcional) Listas de tabelas (opcional) Lista de abreviaturas e siglas (opcional) Lista de símbolos (opcional) Sumário Textuais Introdução Desenvolvimento Conclusão Pós-textual Referências Bibliografia Consultada (opcional) Glossário (opcional) Apêndice (opcional) Anexo (opcional) Índice (opcional)
  16. 16. 15 2.3.1 Parte externa São os itens externos do trabalho acadêmico: capa e lombada. 2.3.1.1 Capa De acordo com a ABNT, a capa deve conter o Nome da instituição (opcional), Nome do autor, Título do trabalho e subtítulo (se houver), Cidade de defesa e ano. A capa não é contada para fins de paginação. OBSERVAÇÃO Alunos do IB e do IGCE da UNESP - câmpus de Rio Claro devem verificar o modelo de capa no site das respectivas Seções de Graduação e Pós- graduação. 2.3.1.2 Lombada - NBR 12225:2004 Esse item é opcional e as informações que constam são respectivamente: o autor, o título e a editora – podem ser colocados na horizontal ou vertical. Nas dissertações e teses da Unesp geralmente são inseridas as informações na lombada, sendo autoria e título impressos do alto para o pé.
  17. 17. 16 2.3.2 Parte interna 2.3.2.1 Itens pré-textuais Não são elencados no Sumário. São contados com exceção da capa (parte externa) e da ficha catalográfica. A contagem inicia a partir da folha de rosto, porém não há numeração das páginas dos itens pré-textuais. A numeração começará a aparecer na parte textual (a partir da Introdução). Os títulos desses itens são centralizados e não numerados. *A Folha de Aprovação, a Dedicatória e a Epígrafe não recebem título. 2.3.2.1.1 Folha de rosto e ficha catalográfica De acordo com a ABNT, a frente da folha de rosto deve conter os elementos obrigatórios para identificação da obra: o nome do autor, o título do trabalho, subtítulo (se houver deve ser precedido de dois pontos), número de volumes (se houver), natureza, nome do orientador e coorientador (se houver), local (cidade) e data. O verso deve conter a ficha catalográfica que é elaborada por um bibliotecário. Os estudantes, docentes e funcionários da UNESP Rio Claro podem solicitar a confecção da Ficha pelo link: http://www2.rc.unesp.br/biblioteca/novo3s- stati/ficha_catalografica/usuario/. Para mais informações, consulte o site da biblioteca. OBSERVAÇÃO Alunos do IB e do IGCE da UNESP - câmpus de Rio Claro devem verificar o modelo de folha de rosto no site das respectivas Seções de Graduação e Pós- graduação.
  18. 18. 17 2.3.2.1.2 Folha de aprovação Deve conter: dados da folha de rosto seguidos dos dados relacionados à banca examinadora como nome, titulação, instituição e campo para assinatura dos membros. OBSERVAÇÃO Alunos do IB e do IGCE devem verificar o modelo de folha de rosto no site das respectivas Seções de Pós- graduação. Alunos de graduação deverão verificar a necessidade de elaboração dessa folha. *Natureza é o texto indicativo do tipo de trabalho acadêmico, o objetivo ao qual se destina e o nome da área de concentração e o nome da instituição a qual será submetido (UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA, 2010, p. 13).
  19. 19. 18 2.3.2.1.3 Dedicatória, Agradecimentos e Epígrafe São itens opcionais, a Dedicatória e a Epígrafe não recebem título, já os Agradecimentos recebem título. A escrita é livre para os agradecimentos e dedicatória, no entanto há um padrão de formatação consolidado para estes itens, como pode ser visto abaixo. A epígrafe deve ser elaborada de acordo com a norma de citações (com a referência da obra na lista de referências) e deve estar relacionada ao conteúdo do trabalho.
  20. 20. 19 2.3.2.1.4 Resumo em língua vernácula (português) – NBR 6028:2003 O resumo deve ser feito em um único parágrafo de até 500 palavras, seguido das palavras-chave (de 3 a 5 palavras) que são separadas entre si por ponto (.). Essas palavras podem ser simples ou compostas. 2.3.2.1.5 Resumo em língua estrangeira O resumo em língua estrageira é idêntico ao em língua portuguesa, mas traduzido para língua estrangeira (confirme com os órgãos competentes de sua instituição qual o idioma exigido). Este resumo deve ser colocado na folha seguinte ao resumo em língua vernácula. PPaarraa aa eellaabboorraaççããoo ddaass lliissttaass ddeessccrriittaass aa sseegguuiirr nnããoo hháá uumm nnúúmmeerroo mmíínniimmoo ddee iitteennss ddeeffiinniiddoo ppeellaa AABBNNTT,, ppoorréémm rreeccoommeennddaa--ssee qquuee aa ppaarrttiirr ddee 44 ffiigguurraass oouu ttaabbeellaass sseejjaamm ccrriiaaddaass aass rreessppeeccttiivvaass lliissttaass.. 2.3.2.1.6 Listas de ilustrações Item opcional, sendo apresentada na sequência em que as ilustrações aparecem no texto. Pode ser feita uma lista única para todas as ilustrações ou uma para cada tipo de ilustração (quadro, gráfico, figura); podendo ou não estar na mesma folha. Devem ser elencadas na ordem que aparecem no texto e numeradas em algarismo arábico. Figura 1 – Geomorfologia da região..............................................................20
  21. 21. 20 2.3.2.1.7 Listas de tabelas Item opcional e formatada assim como a Lista de ilustrações, porém elenca exclusivamente as tabelas. Deve ser elaborada de acordo com a ordem apresentada no texto, com cada item designado por seu nome específico, seguido do respectivo número da página. Tabela 1 - Título da tabela.............................................................................25 2.3.2.1.8 Lista de abreviaturas e siglas Item opcional. A lista de abreviaturas e siglas “Consiste na relação alfabética das abreviaturas e siglas usadas no texto, seguidas das palavras ou expressões correspondentes, por extenso.” (ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, 2011, p. 8). ABNT............................................Associação Brasileira de Normas Técnicas IBGE.............................................Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 2.3.2.1.9 Lista de símbolos Item opcional. É elaborada elencando os símbolos na ordem que aparecem no texto e seu significado.
  22. 22. 21 2.3.2.1.10 Sumário - NBR 6027:2012 É a “[...] enumeração das divisões, seções e outras partes do trabalho, na mesma ordem e grafia em que a matéria nele se sucede” (ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, 2012b, p. 1) seguida do respectivo número da página. Havendo mais de um volume, em cada um deve constar o Sumário completo do trabalho. Os elementos pré-textuais não são elencados no sumário. A palavra Sumário deve ficar centralizada e recomenda-se utilizar a mesma tipologia de letra dos títulos e subtítulos que é usada no texto. O Sumário é o último elemento pré- textual. 2.3.2.2 Parte textual Na parte textual está o texto de sua pesquisa. Conforme Dupas (2010, p. 22) “[...] na parte textual encontramos a originalidade e a contribuição da pesquisa à sociedade”, sendo assim quanto ao conteúdo da norma apenas orienta que o trabalho deve ser composto de “[...] uma parte introdutória, que apresenta os objetivos do trabalho e razões de sua pesquisa; o desenvolvimento, que detalha a pesquisa ou estudo realizado; e uma parte conclusiva” (ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, 2011, p. 8).
  23. 23. 22 2.3.2.2.1 Numeração dos títulos da parte textual - NBR 6024:2012 Na parte textual os títulos e seus respectivos subtítulos devem ser numerados com algarismos arábicos e alinhados à margem esquerda (não use recuos). Os títulos são separados da numeração por apenas um espaço (não usar pontos, traços, parênteses, etc.), os pontos são utilizados apenas entre os indicativos das subdivisões das seções conforme a ilustração ao lado: Os títulos são numerados de acordo com as divisões e subdivisões do texto, chamadas de Seções, que se dividem em Seções Primárias (que são os capítulos, ex: Introdução), Secundárias (subdivisões das primárias), Terciárias (subdivisões das secundárias), e assim por diante até no máximo às Seções Quinárias. Se forem necessárias mais subdivisões além das quinárias, a norma permite o uso de alíneas. As alíneas são utilizadas para os assuntos de uma seção que não possuam títulos próprios. Elas são indicadas em letras minúsculas seguidas de um parêntese, com recuo à margem esquerda. O texto que antecede as alíneas termina em dois pontos e “[...] o texto da alínea deve começar por letra minúscula e terminar com ponto-e-vírgula, exceto a última alínea que termina em ponto final.” (ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, 2012a, p.3). texto texto texto: a) texto texto texto; b) texto texto. As subalíneas, subdivisão das alíneas, são indicadas pelo uso do hífen seguido de espaço e com recuo em relação à alínea. O texto que antecede a subalínea deve terminar em dois pontos e o texto da alínea deve iniciar com letra minúscula e
  24. 24. 23 terminar com ponto e vírgula, com exceção da última que termina em ponto final. (ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, 2012a). a) texto texto texto: - texto texto texto; - texto texto texto. A Indicação das partes do texto deve ser feita conforme abaixo (ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, 2012a): na seção 4.... ver 4.2.... Na alínea a, da seção 2.1 Na primeira subalínea, da seção b... 2.3.2.2.2 Formatação do texto da parte textual Assim como recomendado para todo o trabalho, na parte textual é indicado o uso de fonte 12 inclusive para os títulos. No entanto há exceções: citações de mais de três linhas, notas de rodapé, legendas de figuras e notas de referência devem usar um tamanho menor, sendo recomendado usar 11 ou 10 (deve-se padronizar o mesmo tamanho em todos esses itens). A norma não indica o uso de uma determinada fonte, no entanto, recomenda-se o uso de fontes simples e sem ornamentos como Times New Roman ou Arial. No texto deve ser usada a entrelinha (espaçamento) de 1,5. Entretanto, assim como no tamanho da fonte há as mesmas exceções: citações de mais de três linhas, notas de rodapé, legendas de figuras e referências devem ter entrelinha simples (1,0). Quanto aos títulos de seção ou subseção, deve ser deixado antes e depois, um espaço em branco de 1,5.
  25. 25. 24 2.3.2.2.3 Ilustrações São desenhos, esquemas, fluxogramas, fotografias, gráficos, mapas, organogramas, plantas, quadros, retratos e outros. O título das ilustrações, de acordo com a atualização da norma em 2011, aparece na parte superior (letra tamanho 12) como mostra a figura abaixo: A fonte e as eventuais legendas ou notas aparecem na parte inferior com letra menor que a do texto (tamanho 11 ou 10). A indicação de fonte deve ser formatada como uma citação (Autor, ano e página) e é obrigatória, portanto, caso você seja o autor da ilustração, podem ser usadas expressões como: “Elaborado pelo autor”, “Dados da pesquisa”, etc. Quanto à denominação das ilustrações (figuras, ilustrações, quadros, gráficos) fica a critério do autor. A exceção são as tabelas que devem obedecer à norma própria do IBGE. Apenas é importante lembrar que se você usar denominações diferentes e se optar pelo uso de listas de ilustrações, deverá fazer uma lista para cada tipo de ilustração. Senão, opte por denominá-las todas com o mesmo termo.
  26. 26. 25 2.3.2.2.4 Tabelas e Quadros Os quadros são tratados como ilustrações, já as tabelas são formatadas de acordo com a Norma de Apresentação Tabular do IBGE, que pode ser consultada neste link: http://migre.me/3VpVC. QQuuaaddrroo XX TTaabbeellaa QQuuaaddrroo: Maioria é discursivo- textos como informação central e fechado nas laterais. TTaabbeellaa: Não discursiva – dados numéricos como informação central; aberta nas laterais. Exemplo de Quadro
  27. 27. 26 Exemplo de tabela 2.3.2.3 Elementos pós-textuais Após a parte conclusiva de seu texto termina a Parte textual e se inicia a Pós-textual; nessa parte os itens são paginados, com os títulos centralizados e sem indicadores numéricos. No entanto, diferentemente dos pré-textuais, na parte pós-textual, a paginação continua a ser numerada e os itens aparecem no sumário. A parte pós-textual é composta de seis itens, sendo que apenas a lista de referências obrigatória. 2.3.2.3.1 Referências – NBR 6023:2002 Nas referências são elencadas as obras citadas no texto. Mais detalhes veja o capítulo “Norma ABNT NBR 6023 de 2002: Referências”.
  28. 28. 27 OBSERVAÇÃO Bibliografia consultada é um item opcional e deve ser elaborada de acordo com a ABNT NBR 6023 em uma folha separada, nela são elencadas as obras não citadas no texto, mas que de alguma forma contribuíram para o desenvolvimento do trabalho. 2.3.2.3.2 Glossário O autor pode utilizar um glossário caso no texto do trabalho exista abundância de termos ou palavras de uso restrito e técnico. As palavras ou expressões técnicas devem ser apresentadas em ordem alfabética seguidas pela definição de cada termo. 2.3.2.3.3 Apêndices e Anexos Caracterizam-se por documentos que complementam o trabalho e não fazem parte do texto principal. Ilustrações e tabelas também podem ser colocadas como anexo ou apêndice. Sua denominação difere nas seguintes características: O APÊNDICE é um documento que você elaborou, enquanto que o ANEXO é um documento elaborado por outro autor. São identificados por letras alfabéticas maiúsculas; caso as letras alfabéticas não sejam suficientes, podem ser dobradas (AA, AB). Os títulos ficam como nos exemplos: APÊNDICE A – Roteiro de entrevistas para os professores ANEXO AB – Roteiro de avaliação do acervo (SILVA, 2000, p. 25) 2.3.2.3.4 Índices Elemento opcional. Os índices são ordenados alfabeticamente remetendo a página onde o assunto, termo ou autor são apresentados.
  29. 29. 28 3 NORMA ABNT NBR 10520 DE 2002: CITAÇÕES Citação é a menção, no texto, de uma informação extraída de outra fonte (documentos, palestras, conferências, etc.); é dar o devido crédito ao autor da ideia (UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA, 2010). É obrigatório apresentar a referência completa da fonte de qualquer documento citado direta ou indiretamente. A autoria representada na citação deverá ser a mesma que inicia a referência ao final do trabalho. As citações podem aparecer antes ou depois do texto citado (a critério do autor). A citação pode ser apresentada no texto ou em notas de rodapé. A chamada das citações no texto pode ser realizada por dois sistemas: sistema numérico e autor data. 2.4 SISTEMAS DE CHAMADA Os sistemas de chamada são as formas que sinalizamos a autoria de uma determinada citação para sua respectiva referência. De acordo com a ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (2002) podem ser usados dois tipos de sistemas de chamada: o numérico e o autor-data. 2.4.1 Sistema numérico No sistema numérico a “[...] indicação da fonte é feita por uma numeração única, em algarismos arábicos, remetendo à lista de referências” (ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, 2002b). A numeração pode estar em sobrescrito1 ou entre parênteses (1). SSiisstteemmaa nnuumméérriiccoo SSoobbrreessccrriittoo “A estrutura narrativa de segue o modelo folhetinesco.”1 EEnnttrree ppaarrêênntteesseess “A estrutura narrativa de segue o modelo folhetinesco.” (1)
  30. 30. 29 OBSERVAÇÃO Neste caso, as referências serão organizadas ao final do trabalho pela ordem numérica, ou seja, a ordem em que aparecem no texto. Para mais informações, consulte o item 3.2.2 Ordenação numérica. 2.4.2 Sistema autor-data A chamada de citação, no sistema autor-data, deverá conter os seguintes elementos respectivamente: a) Sobrenome do(s) autor(es) ou nome da Instituição (como iniciar a referência) ou 1ª palavra do título (em MAIÚSCULO), seguida de reticências e entre parênteses; b) Data; c) Páginas inicial e final para citações diretas (opcional para citações indiretas). 2.4.2.1 Formas de apresentação das citações no Sistema autor-data No sistema autor-data, existe duas formas de apresentação: dentro e fora dos parênteses. Como regra geral deve-se usar letras maiúsculas dentro dos parênteses e fora dos parênteses, somente a primeira letra do sobrenome em letra maiúscula. Veja no quadro abaixo exemplos para cada caso: Caso Dentro dos parênteses Fora dos parênteses 1 autor pessoa física (SILVA, 2001, p. 16-27) Silva (2001, p.16-17) 2 ou 3 autores pessoa física (LOPES; CARNEIRO, 2003, p. 86-87) Pires, Souza e Rocha (2001, p. 102) Mais de 3 autores (CHRISTOFOLETTI et al., 1999, p. 76) Pode-se citar todos os nomes em vez de usar “et al.” ficando a cargo do autor Christofoletti et al. (1999, p.76) Não usar o “et al.” em itálico Instituição governamental (BRASIL, 2000) (SÃO PAULO, 2012) De acordo com a Lei de Direitos Autorais (BRASIL, 2000) Costuma-se escrever o nome da lei ou do
  31. 31. 30 Iniciar pela jurisdição/local (conforme NBR 6023) órgão seguido da chamada entre parênteses Instituição (UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA, 2000) Universidade Estadual Paulista (2000) Sem autor (GEOMORFOLOGIA..., 2001, p. 10) Primeira palavra do título em maiúsculas seguida de reticências. Não usar esse tipo de chamada fora dos parênteses. 2.5 TIPOS DE CITAÇÃO As citações podem ser apresentadas da seguinte forma: Citação Direta Direta de até três linhas Direta com mais de três linhas Citação Indireta Citação de Citação 2.5.1 Citação direta Reprodução exata do original, respeitando-se até eventuais incoerências, erros de ortografia e/ou concordância do texto original. É obrigatória a indicação de páginas. O tamanho da citação determina sua forma de apresentação (com até três linhas ou mais). 2.5.1.1 Citação direta até três linhas Incorporada ao parágrafo, com letra igual ao texto (tamanho 12) e entre “aspas duplas”. Segundo Guarechi (1985, p.15) “[...] a escola de Frankfurt sustenta que a sociedade capitalista entrou num estágio radicalmente diferente [...].” 2.5.1.2 Citação direta com mais de três linhas Separadas do texto com recuo de 4 cm da margem esquerda, letra menor que a do texto (tamanho 10 ou 11), espaçamento simples e sem aspas. Exemplo: Segundo Lima (1984, p. 98-99):
  32. 32. 31 [...] observam desnivelamentos brutais, dentro de uma sociedade, nos graus de maturação psicológica, é que esta sociedade não sistematizou a institucionalizou os instrumentos de estimulação do crescimento mental de todos os indivíduos das novas gerações. 2.5.2 Citação indireta Consiste em um resumo ou paráfrase de um trecho de determinada obra. É utilizada quando se tratar de texto muito longo, do qual se quer extrair apenas algumas ideias básicas fundamentais. Pode ser utilizada para citações de mais de uma obra ao mesmo tempo. É opcional a indicação de páginas. Não se utiliza “aspas”. Segundo Dulac (1932), o cinema é uma arte e uma indústria. A cibernética é resultante da colaboração entre um biólogo e um matemático (LIMA, 1984). Assim como o samba é um produto de cultura totalmente brasileira, o rock e o tango são estrangeiros (VALENTE JUNIOR, 2012, p. 4). 2.5.3 Citação de citação Transcrição direta ou indireta de um texto em que não se teve acesso ao documento original. É citar um autor que foi citado no documento que se tem em mãos. Aplica-se a mesma forma de apresentação para dentro e fora dos parênteses. Citar primeiro o autor da ideia original, a expressão latina apud (, seguido da citação da obra consultada. No modelo serial de leitura de Gough (1972 apud NARDI, 1993), o ato de ler envolve um processamento serial que começa com uma fixação ocular sobre o texto, prosseguindo da esquerda para a direita de forma linear. Observações e dicas importantes sobre a citação de citação: Elaborar referência somente da obra que se tem em mãos (consultada). A palavra “apud” não vem em itálico.
  33. 33. 32 Opcionalmente pode ser inserida em nota de rodapé a referência da obra de onde foi extraída a citação original. É opcional a indicação de páginas para a obra que contém a citação original e obrigatória para a obra em mãos em casos de citação direta. Utilizar somente para documentos de difícil localização, documentos antigos e de manuseio restrito, como obras raras; e quando apresentar uma barreira linguística que dificulta uma interpretação fiel. Nos demais casos recomenda-se que seja evitada. 2.6 OUTROS CASOS 2.6.1 Citação de informação verbal Para citar dados obtidos em palestras, debates, reuniões, aulas, etc., inserir após a informação citada e dentro dos parênteses, a expressão “informação verbal”, apresentando os dados referentes à citação em nota de rodapé. Exemplo: Este fenômeno, porém, foi observado por outros pesquisadores em monoinfectados (informação verbal)1 _______________________ 1 Informação fornecida por Bart Haagmans, durante Congresso de Infectologia em Montreal, 2005. 2.6.2 Citação de trabalhos em fase de elaboração Aplicar as mesmas regras acima, com a expressão “em fase de elaboração”. Determinou-se a composição fitoquímica de fração não volátil da fruta fennel e avaliou-se a atividade antioxidadnete (em fase de elaboração)1 _______________________ 1 MARINO, S. et al. Phenolic gycosides from Foeniculum vulgare fruit and evaluation of antioxidative. Artigo aprovado para publicação no periódico Phytochemistry, New York, 2007.
  34. 34. 33 2.6.3 Citação direta com omissões e/ou acréscimo de texto As omissões/supressões são utilizadas desde que não percam o sentido do texto original, sendo representadas por reticências entre colchetes [...], podendo estar no início, meio e/ou final do texto. “[...] a desconstrução do logocentrismo não é uma psicanálise da filosofia” (DERRIDA, 1967, p. 293). Os acréscimos ou comentários em uma citação direta são indicados entre colchetes [...]. “[...] não se mova [como se isso fosse possível], faça de conta que está morta.” (CLARAC; BONNIN, 1985, p. 72). 2.6.4 Citação direta com destaque de texto e/ou incorreções Ênfases ou destaques deverão ser indicados em grifo, negrito ou itálico; Quando houver aspas nos trechos citados, substituí-las por aspas simples; Quando o destaque estiver no texto citado, acrescentar a expressão “grifo do autor”, ao final da citação; Quando o destaque for dado no momento da transcrição para valorizar uma ideia, acrescentar a expressão “grifo nosso”. “[...] a desconstrução uma literatura independente, diversa, de vez que, aparecendo classicismo como manifestação de passado colonial [...]” (CANDIDO, 1983, p. 12, grifo do autor). “Se existe alguém de quem não aceitamos um não, é porque, na verdade, entregamos o controle de nossa vida a essa pessoa” (CLOUD, 1999, p. 129, grifo nosso). 2.6.5 Citação de nomes científicos Quando nomes científicos aparecem em trecho citado, devem ser grafados em itálico. Ressalta-se que o biopesticida se demonstrou eficaz no combate ao ácaro-rajado (Tretanychus urticae) (SCHMIDT, 2007)
  35. 35. 34 2.6.6 Citação traduzida Para citações de trechos traduzidos pelo autor, inserir a expressão “tradução nossa”, ao final da citação. Recomenda-se colocar o trecho original em nota de rodapé. “[...] princípios de design e da arquitetura para os ambientes digitais” (ROSENFELD; MORVILLE, 2002, p. 4, tradução nossa)1 . _______________________ 1 principles of design and architecture for the digital enviroment. 2.7 CASOS ESPECÍFICOS COM SOBRENOMES DE AUTORES 2.7.1 Coincidência de sobrenomes Quando houver uma citação de autores diferentes com o mesmo sobrenome, diferenciar pelas letras iniciais dos prenomes, e se mesmo assim coincidir, apresentar os prenomes por extenso. (ROQUETE, C., 1998) (ROQUETE, D., 1998) (ROQUETE, Walter, 1991) (ROQUETE, Wilson, 1987) 2.7.2 Datas diferentes e de um mesmo autor ou grupos de autores Indicar o(s) autor(es) e os respectivos anos de publicações em ordem cronológica. Recurso utilizado nas citações indiretas. (ALMEIDA, 1986, 1990, 1995) (OLIVEIRA; FERREIRA; COSTA, 1995, 1999, 2004) Brachof et al. (1987, 1994)
  36. 36. 35 2.7.3 Diversos documentos de um mesmo autor e da mesma data Diferenciar pelo acréscimo de letras minúsculas após a data e sem espaço. Incluir as letras também nas referências. (OLIVEIRA, 2000a) (OLIVEIRA, 2000b) (OLIVEIRA, 2000c) 2.7.4 Citações indiretas e simultâneas, de autores diferentes. Seguir ordem alfabética (do primeiro autor), separadas por ponto e vírgula. (BENTON, 1984; KNOX, 2003; MEZIROW, 1991) (CROSS; LINX; ARYES, 1984; DIAS; SÁ, 2000) 2.7.5 Citação sem ano de publicação Utilizar o mesmo recurso das referências (NBR 6023), ou seja, incluir a data aproximada/provável entre colchetes. “Através do desenho infantil, descobriu as etapas da construção da imagem mental e as primeiras articulações do pensamento intuitivo” (LIMA, [198-], p. 143). 2.8 NOTAS DE RODAPÉ São indicações, observações ou complementações que não são incluídas no texto para não interromper a sequência lógica da leitura. Se adotar o sistema numérico de citações, não utilizar notas de rodapé. Formas de apresentação: indicadas por um número sobrescrito1 , ou na linha do texto entre parênteses (2) ; separadas do texto por um traço contínuo de 5 cm- utilizar recurso Nota de rodapé do Word; grafadas em fonte menor que a do texto (recomenda-se letra tamanho 10 ou 11); espaçamento simples;
  37. 37. 36 As notas de rodapé podem ser de dois tipos: explicativas e de referência. 2.8.1 Notas explicativas São comentários ou observações pessoais do autor do trabalho. _______________________ 1 Veja-se como exemplo desse tipo de abordagem o estudo de Netzer (1976). 2 Encontramos esse tipo de perspectiva na 2ª parte do verbete referido na nota anterior, em grande parte do estudo de Tahner (1952). 3 Trabalho realizado com o auxílio financeiro da FAPESP. 2.8.2 Notas de referência As referências podem ser apresentadas em notas de rodapé. A numeração é feita por algarismos arábicos, devendo ter numeração única e consecutiva para cada capítulo. A primeira citação de uma obra, em nota de rodapé, deve ter sua referência completa. _______________________ 1 FARIA, José Eduardo (Org.). Direitos humanos, direitos sociais e justiça. São Paulo: Malheiros, 1994. São utilizadas para remeter a outras obras ou partes de obras onde o assunto foi abordado. Utilizam-se expressões latinas para evitar repetições. A primeira vez que aparecer a referência, esta deverá ser completa. 2.8.2.1 Expressões latinas (ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, 2002b): a) citado por- apud; b) mesmo autor- Id.; c) na mesma obra- Ibid.; d) obra citada- op. cit.;
  38. 38. 37 e) em diversas passagens- passim; f) no lugar citado- loc. cit.; g) confira- Cf.; h) seguinte ou que se segue- et seq. _______________________ 1 FARIA, José Eduardo (Org.). Direitos humanos, direitos sociais e justiça. São Paulo: Malheiros, 1994. 1ª vez que aparece no texto 2 Id., 2000, p.25 3 Ibid., p.190 4 FARIA, op. cit., p. 40 5 FARIA, 1997, passim 6 FARIA, loc. cit. 7 ADORNO, 1992, p. 38 8 Cf. ADORNO, 1995. 9 ADORNO, 1998, p. 17 et seq.
  39. 39. 38 3 NORMA ABNT NBR 6023 DE 2002: REFERÊNCIAS “Esta norma estabelece os elementos a serem incluídos em referências” e tem como objetivo principal orientar na elaboração e padronização das referências do material utilizado na produção do seu trabalho (ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, 2002a, p.1). AAATTTEEENNNÇÇÇÃÃÃOOO!!! RREEFFEERRÊÊNNCCIIAASS:: rreellaaççããoo ddee oobbrraass cciittaaddaass eemm sseeuu ttrraabbaallhhoo –– lliissttaa oobbrriiggaattóórriiaa.. BBIIBBLLIIOOGGRRAAFFIIAA CCOONNSSUULLTTAADDAA:: rreellaaççããoo ddee oobbrraass lliiddaass,, ppoorréémm nnããoo cciittaaddaass nnoo ttrraabbaallhhoo –– lliissttaa ooppcciioonnaall.. OBERVAÇÃO: Atualmente é utilizada somente a terminologia “Referências” e não mais “Referências Bibliográficas”. 3.1 PARA COMEÇAR... Anotar os dados da publicação após a consulta de qualquer documento. Para documentos disponíveis online, anotar o endereço eletrônico completo (URL) e a data do acesso. Escolher um tipo de destaque para suas referências, que deverá ser negrito, itálico ou sublinhado e adotar esse padrão para todas. Utilizar nas referências espaço simples de entrelinhas (espaçamento 1,0). Separar as referências entre si por um espaço simples em branco. Alinhar sempre à esquerda (não justificar). 3.2 ORDENAÇÃO DAS REFERÊNCIAS 3.2.1 Ordenação alfabética A lista de referências é organizada ao final do trabalho ou do capítulo em ordem alfabética, em seguida por título. Exemplo: No texto:
  40. 40. 39 Para Gramsci (1978) uma concepção de mundo crítica e coerente pressupõe a plena consciência de nossa historicidade, da fase de desenvolvimento por ela representada [...] Nesse universo, o poder decisório está centralizado nas mãos dos detentores do poder econômico e na dos tecnocratas dos organismos internacionais (DREIFUSS, 1996). Na lista de referências: DREIFUSS, R. A era das perplexidades: mundialização, globalização e planetarização. Petrópolis: Vozes, 1996. GRAMSCI, A. Concepção dialética da história. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978. 3.2.2 Ordenação numérica De acordo com a ordem que aparecer no texto, mas não utilizar essa ordenação quando houver notas de rodapé. No texto: Para Gramsci1 uma concepção de mundo crítica e coerente pressupõe a plena consciência de nossa historicidade, da fase de desenvolvimento por ela representada [...]. Nesse universo, o poder decisório está centralizado nas mãos dos detentores do poder econômico e na dos tecnocratas dos organismos internacionais.2 Na lista de referências: 1 GRAMSCI, A. Concepção dialética da história. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978. 2 DREIFUSS, R. A era das perplexidades: mundialização, globalização e planetarização. Petrópolis: Vozes, 1996.
  41. 41. 40 3.3 INDICAÇÃO DE MESES Deve ser feita de forma abreviada e no idioma original da publicação. Essa indicação é a mesma para data de publicação ou de acesso, para documentos disponíveis em meio eletrônico. A abreviatura é composta pelas três primeiras letras seguidas de ponto final (.), com exceção o mês de maio. Em português: jan. fev. mar. abr. maio jun. jul. ago. set. out. nov. dez. Para outros idiomas, consultar o Anexo A (normativo) da NBR6023. 3.4 ELEMENTOS DE UMA REFERÊNCIA 3.4.1 Autoria A indicação de autoria pode ser feita por nomes pessoais ou de entidades. 3.4.1.1 Autor pessoa física Entrar pelo SOBRENOME tudo em letras maiúsculas, seguido dos prenomes abreviados ou por extenso. Se houver mais de um autor, deve separá-los por ponto e vírgula ( ; ). Ex.: SILVA, P.; SANTOS, J.; LOPES, P. AAATTTEEENNNÇÇÇÃÃÃOOO!!! VVooccêê ddeevveerráá ooppttaarr ppoorr iinnsseerriirr ooss pprreennoommeess ddooss aauuttoorreess ppoorr eexxtteennssoo oouu aabbrreevviiaaddooss ee aaddoottaarr eessssee ppaaddrrããoo ppaarraa ttooddaass aass rreeffeerrêênncciiaass.. 3.4.1.1.1 Sobrenomes sobrenomes compostos, ligados ou não por hífen devem permanecer juntos na indicação de autoria; geralmente são formados de um substantivo e adjetivo. Ex.: CASTELO BRANCO, C.; SCHIMIDT-NIELSEN, K não considerar designação de parentesco como último sobrenome. Ex.: COSTA NETO, R. nomes em chinês são formados com o sobrenome antecedendo o prenome, portanto não necessita ser invertido. Ex.: Lin Huang Xeng = LIN, H. X.
  42. 42. 41 o prefixo em sobrenomes no idioma inglês, faz parte do sobrenome. Ex.: O’CONNOR, L. em idioma espanhol, deve-se iniciar pelo penúltimo sobrenome. Ex.: DIAZ MENENDES, J. IIDDIIOOMMAA IINNIICCIIAARR PPEELLOO PPRREEFFIIXXOO NNÃÃOO IINNIICCIIAARR PPEELLOO PPRREEFFIIXXOO PPoorrttuugguuêêss (nomes de origem estrangeira, de acordo com o uso da língua) Todos AAlleemmããoo Am, Im, Vom, Zum, Zur von, Von der, zu EEssppaannhhooll La, Los de, de las, de las, de los, del FFrraannccêêss La, Le, L’, Des, Du de, d’ HHoollaannddêêss ee FFllaammeennggoo Ver Todos os demais IInnggllêêss Todos IIttaalliiaannoo A, D’, Da, De, Dell, Della, Di, Li, Lo 3.4.1.1.2 Mais de três autores MONTEIRO, S. et al. - recomenda-se indicar o primeiro autor seguido da expressão “et al.” em minúsculo e sem itálico. AAATTTEEENNNÇÇÇÃÃÃOOO!!! LLeemmbbrree--ssee:: ccaassoo ccoonnssiiddeerree iimmppoorrttaannttee,, éé ppeerrmmiittiiddoo iinnsseerriirr ttooddooss ooss aauuttoorreess nnaass cciittaaççõõeess ee nnaass rreeffeerrêênncciiaass.. 3.4.1.1.3 Indicação de responsabilidade Para alguns tipos de responsabilidade como organizador, editor, coordenador e compilador, acrescenta-se a expressão indicativa, abreviada e entre parênteses, sempre iniciando em letra maiúscula e no singular, ou seja, se houver mais de um autor com a mesma responsabilidade, não indicá-la no plural. MOORE, W. (Ed.) MARCONDES, R.; LIMA, I. N. de (Coord.)
  43. 43. 42 3.4.1.2 Autor entidade Quando a autoria for de órgãos governamentais ou privados, a entrada principal é pelo seu nome geralmente por extenso e tudo em letras maiúsculas. Caso a instituição seja mais conhecida pela sigla, pode-se iniciar pela sigla. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS EMBRAPA Se houver duplicidade, diferenciar pelo nome do local entre parênteses. CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA (São Paulo) CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA (Brasília) 3.4.1.3 Sem autor/ autoria desconhecida Quando não for identificada uma autoria pessoal ou institucional, entre diretamente pelo título do documento com a primeira palavra em letra maiúscula; na citação, iniciar também com a primeira palavra do título em letra maiúscula, dentro dos parênteses e, seguido de reticências. TROPICA color encyclopedia of exotic plants and trees from the tropics and subtropics. East Rutherford: Roehrs, 1978 Citação no texto: (TROPICA…, 1978) 3.4.2 Título O título deve ser indicado somente com a primeira letra da primeira palavra em maiúscula, além de nomes próprios, siglas e títulos de periódicos. TIRAPELI, P. (Org.). Arte sacra colonial: barroco memória viva. LOCATELLI, A. C. et al. Comportamento reprodutivo e materno... Revista Brasileira de Agrociência, Pelotas, v.4, n.4, p. 316-323, 2013. O título deverá estar no idioma original. BAKER, J. J. W., ALLEN, G. E. Hypothesis, prediction and implication in biology. Reading: Addison-Wesley, 1968. 143 p.
  44. 44. 43 Títulos de periódicos devem ser abreviados de acordo com a NBR6032 ou consulte o Catálogo Coletivo Nacional de Publicações Periódicas: http://ccn.ibict.br/busca.jsf. Rev. Bras. Agrocienc. AAATTTEEENNNÇÇÇÃÃÃOOO!!! LLeemmbbrree--ssee:: ppaarraa lliivvrrooss,, oo ddeessttaaqquuee sseerráá ssoommeennttee ppaarraa oo ttííttuulloo ddaa oobbrraa;; nnoo ccaassoo ddee aarrttiiggooss ddee ppeerriióóddiiccooss,, oo ddeessttaaqquuee ddeevveerráá sseerr ppaarraa oo ttííttuulloo ddoo ppeerriióóddiiccoo.. Para títulos muito longos, uma opção é suprimir as últimas palavras e colocar reticências. GONÇALVES, Paulo Eiró (Org.). A criança: perguntas e respostas... 3.4.3 Subtítulo O subtítulo deve ser indicado com todas as palavras em minúscula, com exceção de nomes próprios e siglas. Não deve ter destaque na referência. E é separado do título por dois pontos (:). GONÇALVES, Paulo Eiró (Org.) A criança: perguntas e respostas. 3.4.4 Edição Indicar no idioma original, no seguinte formato: 2. ed. 6. ed. rev. e aum. – informações adicionais da edição abreviadas 5th ed. – idioma inglês 3.4.5 Local É a cidade onde a obra foi publicada. Para homônimos de cidades, colocar a sigla correspondente ao estado. Ex.: Rio Claro, SP
  45. 45. 44 3.4.6 Editora Colocar como consta no documento, suprimindo natureza comercial, se dispensável. SOUZA, A. J. Números primos. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2000. 3.4.7 Ausência de dados – sem local e sem editora Caso falte algum desses elementos na referência, uma opção é colocar a sigla correspondente entre colchetes [ ]. Local - Utilize a sigla [S.l.] OS GRANDES clássicos das poesias líricas. [S.l.]: Ex Libris, 1981. Editora - Utilize a sigla [s.n.] FRANCO, I. Discursos: de outubro de 1992 a agosto de 1993. Brasília, DF: [s.n.], 1993 Caso não tenha local e editora – Utilize a sigla [S.l.: s.n.] GONÇALVES, F. B. A história de Mirador. [S.l.: s.n.], 1993. 3.4.8 Ano Quando não for identificado o ano de publicação ou copyright é obrigatório inserir uma data possível entre colchetes como nos exemplos: [2011?] data provável; [2011] data certa não identificada no item; [201- ] década certa; [201-?] década provável; [18- ] século certo; [18-?] século provável [ca. 2005] data aproximada
  46. 46. 45 AAATTTEEENNNÇÇÇÃÃÃOOO!!! NNããoo uuttiilliizzaarr aa ssiiggllaa ss..dd.. 3.5 EXEMPLOS POR TIPO DE MATERIAIS 3.5.1 Livros São incluídos também guias, manuais e outros tipos de monografias publicadas. São elementos da referência: AUTOR. Título do livro em destaque: subtítulo, se houver. Edição na língua do texto. Cidade de Publicação: Editora, ano. (Série ou Coleção, v.). Notas. Elementos complementares, como série ou coleção e notas, não são considerados essenciais, porém acrescentados a estes, permitem melhor caracterização do documento. Optar por colocar número total de páginas ou não em todas as referências de sua lista. Para documentos em meio eletrônico, acrescentar as expressões: Disponível em: <url>. Acesso em: dia mês abrev. e ano. OBSERVAÇÃO: Colocar o endereço eletrônico completo para acesso ao documento e não da página inicial do site. AAATTTEEENNNÇÇÇÃÃÃOOO!!! FFoorrmmaattoo ddaa ddaattaa ddee aacceessssoo:: ddiiaa mmêêss aabbrreevv.. aannoo -- sseemm bbaarrrraass nneemm ttrraaççooss.. GOMES, L. G. F. F. Novela e sociedade no Brasil. Niterói: EdUFF, 1998. IBICT. Manual de normas de editoração do IBICT. 2. ed. Brasília, DF, 1993. 41 p. PERFIL da administração pública paulista. 6. ed. São Paulo: FUNDAP, 1994. 317 p. Inclui índice. SPINDEL, Arnaldo. O que é socialismo. São Paulo: Brasiliense, 1980. 79 p. (Coleção primeiros passos,1) ALVES, Castro. Navio negreiro. [S.l.]: Virtual Books, 2000. Disponível em: <http://www.terra.com.br/virtualbooks/freebook/port/Lport2/navionegreiro.htm>. Acesso em: 10 jan. 2013.
  47. 47. 46 3.5.2 Capítulos de livros São incluídos capítulos ou partes de uma obra com título e autoria próprios. São elementos essenciais da referência: AUTOR do capítulo. Título do capítulo sem destaque. In: AUTOR, do Livro. Título do livro em destaque: subtítulo. Edição na língua do texto. Cidade de Publicação: Editora, ano. intervalo de páginas. Neste tipo de referência é obrigatório colocar o intervalo de páginas ou outra forma de individualizar a parte como: o capítulo ou a parte. Colocar o endereço eletrônico e data de acesso para documentos disponíveis online. A palavra “In” não é em itálico. AAATTTEEENNNÇÇÇÃÃÃOOO!!! QQuuaannddoo oo aauuttoorr ddoo ccaappííttuulloo ffoorr oo mmeessmmoo ddoo lliivvrroo,, aaccrreesscceennttaarr uumm ttrraaççoo ddee 66 uunnddeerrlliinneess ((____________)) nnoo lluuggaarr ddoo nnoommee ddoo aauuttoorr ddoo lliivvrroo.. ROMANO, Giovanni. Imagens da juventude na era moderna. In: LEVI, G.; SCHMIDT, J. (Org.). História dos jovens 2. São Paulo: Companhia das Letras, 1996. p. 7-16. COLLINS, C. H. Escherichia, Citrobacter, Klebsiella and Enterobacter. In:______. Collins and Lyne’s microbiological methods. 7th ed. Oxford: Butterworth- Heinemann, 1995. p. 305-312. 3.5.3 Artigos de periódicos São incluídos artigos de revistas e jornais e partes de publicações periódicas em geral. São elementos essenciais da referência: AUTOR do artigo. Título do artigo sem destaque. Título do periódico em destaque, Cidade de publicação, volume, número, intervalo de páginas, mês abreviado (se houver) e ano. Neste tipo de referência é obrigatório colocar página inicial e final do artigo.
  48. 48. 47 Colocar o endereço eletrônico e data de acesso para documentos disponíveis online. O título do periódico pode ser abreviado ou não, mas se optar por abreviar adote este padrão em todas as referências. Utilize a norma NBR 6032 para abreviação de títulos de periódicos. Para consultar o local/cidade ou outras informações sobre o periódico consulte o CCN (http://ccn.ibict.br/busca.jsf) ou Ulrichs http://www.ulrichsweb.com (para periódicos internacionais – acesso restrito Unesp). A indicação de volumes e números deverá ser feita em algarismos arábicos. Algumas revistas não possuem informações de ano, volume ou número. Inserir apenas as informações que constam na publicação. Para referências de jornais, acrescentar dados complementares (final da referência) como Seção, Caderno ou parte do jornal e a página correspondente. AAATTTEEENNNÇÇÇÃÃÃOOO!!! CCaassoo aa rreevviissttaa tteennhhaa oo nnúúmmeerroo DDOOII ddee iiddeennttiiffiiccaaççããoo,, iinnsseerriirr oo eennddeerreeççoo aappóóss aa oobbsseerrvvaaççããoo:: Disponível em: http://dx.doi.org/ número doi COSTA, M. I. M.; DIAS, C. M. S. B. A prática da psicoterapia infantil na visão de terapeutas nas seguintes abordagens: psicodrama, gestalt terapia e centrada na pessoa. Estudos de Psicologia, Campinas, v. 22, n. 1, p. 20-35, 2005. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/S0103-166X2005000100006> . Acesso em: 21 dez 2012. NAVES, P. Lagos andinos dão banho de beleza. Folha de S. Paulo, São Paulo, 28 jun. 1999. Folha Turismo, Caderno 8, p.13. 3.5.4 Trabalho apresentado em evento Inclui trabalhos apresentados em eventos (anais, atas, proceedings e outros). São elementos essenciais da referência:
  49. 49. 48 AUTOR do trabalho. Título do trabalho sem destaque. In: NOME DO EVENTO EM CAIXA ALTA, n. (número do evento em algarismo arábico e ponto), ano, Cidade onde realizou o evento. Anais/Proceedings/Resumos... Cidade de publicação: Editora, ano de publicação. intervalo de páginas. Neste tipo de referência é obrigatório colocar intervalo de páginas.. Colocar o endereço eletrônico e data de acesso para documentos disponíveis online. As reticências são utilizadas para não repetir o nome do evento, caso o título dos anais seja diferente, colocá-lo por extenso e completo. Destaque para o nome da publicação (Anais...). AAATTTEEENNNÇÇÇÃÃÃOOO!!! UUttiilliizzaarr aallggaarriissmmoo aarráábbiiccoo sseegguuiiddoo ddee ppoonnttoo ffiinnaall ((..)) ppaarraa iinnddiiccaarr oo nnúúmmeerroo ddoo eevveennttoo.. GARCIA M.,O. Formación, actividades y perspectivas de las profesionales en nutrición. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE NUTRICIONISTAS, 3., 1965, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Nutricionistas, 1968. p. 283-292. SABROZA, P. C. Globalização e saúde: impacto nos perfis epidemiológicos das populações. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE EPIDEMIOLOGIA, 4., 1998, Recife. Anais eletrônicos... Rio de Janeiro: ABRASCO, 1998, p. 68-82. Disponível em: <http://www.abrasco.com.br/epirio98/sbrza.pdf>. Acesso em: 21 jan. 1998. 3.5.5 Trabalhos acadêmicos São incluídos teses, dissertações, trabalhos de conclusão de curso (TCC) e outros tipos de trabalhos acadêmicos. São elementos essenciais da referência: AUTOR. Título do trabalho em destaque: subtítulo se houver. Ano do depósito. Número de folhas, volumes ou páginas. Tipo de trabalho (Grau e área de conhecimento) – Instituição, Cidade de Defesa, ano de defesa. Colocar o endereço eletrônico e data de acesso para documentos disponíveis online. Sempre coloque o nome da instituição por extenso, caso haja subordinações (Departamentos, Institutos...) colocar do menor para o maior. Ex.: Instituto de Biociências, Universidade Estadual Paulista. Ano de depósito: ano que consta na folha de rosto
  50. 50. 49 Ano de defesa: ano que consta na folha de aprovação Geralmente o ano de depósito e defesa são iguais, mesmo assim, deve-se repetir essa informação. AAATTTEEENNNÇÇÇÃÃÃOOO!!! AA ppaarrttiirr ddee 22001111,, ccoomm aa aattuuaalliizzaaççããoo ddaa NNBBRR1144772244 éé ppeerrmmiittiiddoo iimmpprriimmiirr ooss eelleemmeennttooss tteexxttuuaaiiss ee ppóóss--tteexxttuuaaiiss ddee uumm ttrraabbaallhhoo aaccaaddêêmmiiccoo ffrreennttee ee vveerrssoo,, ppaarraa eesstteess ddooccuummeennttooss aa iinnddiiccaaççããoo sseerráá ddee ppáággiinnaass ((pp..)) ee nnããoo ffoollhhaass ((ff..)).. SENNE JUNIOR, M. Instrumentação sísmica para centrais nucleares. 1989. 96 f. Dissertação (Mestrado em Ciência e Tecnologia) - Escola de Engenharia, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1988. MORGADO, M. L. C. Reimplante dentário. 1990. 51 f. Trabalho de Conclusão de curso (Especialização) – Faculdade de Odontologia, Universidade Camilo Castelo Branco, São Paulo, 1990. 3.5.6 Documentos jurídicos São incluídos decretos, leis, resoluções, constituição, súmula e documentos legislativos em geral, publicados em diários oficiais ou em outros tipos de documentos (em formato de livros, por exemplo). São elementos da referência: JURISDIÇÃO (ou cabeçalho da entidade). Título. Notas complementares (se houver). Local: Editora, data. Endereço eletrônico e data de acesso (se houver). Colocar o endereço eletrônico e data de acesso para documentos disponíveis online. O nome da jurisdição corresponde à unidade geográfica (país, estado, cidade) No caso de Constituições e suas emendas, entrar pelo nome da jurisdição e o título, acrescenta-se a palavra Constituição, seguida do ano de promulgação, entre parênteses. Quando necessário, acrescentar elementos complementares. As referências de legislação podem variar de acordo com o tipo de obra em que foi publicada, sendo assim, a referência deverá estar de acordo com o tipo de publicação (periódico, livro, etc.) O destaque dependerá do tipo de publicação. Veja exemplos abaixo:
  51. 51. 50 BRASIL. Código civil. 46. ed. São Paulo: Saraiva, 2006. BRASIL. Medida Provisória nº 1.569-9, de 11 de dezembro de 1997. Estabelece multa em operações de importação e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 14 dez. 1997. Seção 1, p. 29514. SÃO PAULO (Estado). Decreto nº 42.822, de 20 de janeiro de 1998. Dispõe sobre a desativação de unidades administrativas e da outras providencias. Lex: coletânea de legislação e jurisprudência, São Paulo, v. 62, n. 3, p. 217-220, 1998. BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Sumula nº 14. Não é admissível, por ato administrativo, restringir, em razão da idade, inscrição em concurso público. Brasília, DF, 1994. Disponível em: <http://www.tru.br/jurisnet/sumus.html>. Acesso em: 29 jan. 2008. 3.5.7 Documentos cartográficos São incluídos materiais cartográficos (mapas, atlas, globo, fotografia aérea) em geral. São elementos essenciais da referência: AUTOR. Título do documento cartográfico em destaque: subtítulo se houver. Cidade de Publicação: Editora, ano. Designação específica: número e tipo de unidade física, indicação de cor, altura x largura em cm x cm. Escala. Colocar o endereço eletrônico e data de acesso para documentos disponíveis online. Quando necessário, acrescentar os elementos complementares à referência para melhor identificação do documento. AAATTTEEENNNÇÇÇÃÃÃOOO!!! OOss eelleemmeennttooss ddaa ddeessiiggnnaaççããoo eessppeeccííffiiccaa ddeeppeennddeerrããoo ddoo ttiippoo ddee ddooccuummeennttoo.. BRASIL. Ministério da Agricultura. Divisão de Pesquisa Pedológica. Levantamento de reconhecimento dos solos do nordeste do Estado do Paraná. Curitiba, 1971. 1 mapa, color., 55 cm x 87 cm. Escala 1:300.000. (Boletim Técnico, 16). FLORIDA MUSEUM OF NATURAL HISTORY. 1931-2000 Brazil’s shark attacks. Gainesvielle, [2000]. 1 mapa, color. Escala 1:40.000.000. Disponível em: <http://www.flmnh.ufl.edu/fish/Sharks/statistics/Gattack/map/Brazil.jpg>. Acesso em: 18 jan. 2012.
  52. 52. 51 GOOGLE MAPS. [Cidade de Rio Claro- SP]. [c2016]. Nota (opcional). Disponível em: < https://www.google.com.br/maps/place/Rio+Claro,+SP/@-22.3956726,- 47.7061215,11z/data=!3m1!4b1!4m2!3m1!1s0x94c7dba833b7ed7d:0xeff01d8a3c639 a61>. Acesso em 27 jan. 2016. 3.5.8 Documentos de acesso em meio eletrônico São incluídos publicações online e sites de internet em geral. São elementos essenciais da referência: AUTORIA (se houver). Título da informação ou do site. Versão (se houver). Disponível em: <url>. Acesso em: dia mês abrev. e ano. Muitos documentos não possuem autoria (principalmente informações de sites), então iniciar a referência pelo título da informação/publicação ou do site. Caso a data de publicação ou de copyright não seja localizada, pode-se indicar a data de atualização, data provável (item 5.4.8) ou deixar somente a data de acesso. É comum documentos de internet não apresentar a página, então recomenda-se inserir uma Nota na referência (após a data e antes da expressão Disponível em) explicando que o documento não é paginado. [...], Rio Claro, 2012. Sem paginação. Disponível em: <http://www.rc.unesp.br/biblioteca/>. Acesso em: 01 fev. 2013. AAATTTEEENNNÇÇÇÃÃÃOOO!!! QQuuaannddoo aa rreeffeerrêênncciiaa ffoorr iinniicciiaaddaa ppeelloo ttííttuulloo,, nnããoo hhaavveerráá ddeessttaaqquuee nnaa rreeffeerrêênncciiaa.. GOVERNO quer elevar número de aeroportos regionais de 130 para 210 até 2014. Disponível em: <http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/agencia- estado/2012/04/16/governo-que-elevar-numero-de-aeroportos-regionais.htm>. Acesso em: 16 abr. 2012. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA (Rio Claro). Conheça o câmpus da Unesp de Rio Claro. [2012]. Disponível em: <http://www.rc.unesp.br/>. Acesso em: 16 abr. 2012. GALERIA virtual de arte do Vale do Paraíba. São José dos Campos: Fundação Cultural Cassiano Ricardo, 1998. Apresenta reproduções virtuais de obras de artistas plásticos do Vale do Paraíba. Disponível em: <http://www.virtualvale.com.br/galeria>. Acesso em: 27 nov. 1998.
  53. 53. 52 GOOGLE. Google Earth. Version 7.1.2.2041. c2013. Nota (opcional). Disponível em: <https://www.google.com/earth/>. Acesso em: 10 set. 2014. UNIVERSIDADE Estadual Paulista (Rio Claro). In:WIKIPÉDIA: a enciclopédia livre. 2014. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/Universidade_Estadual_Paulista_(Rio_Claro)>. Acesso em: 10 set. 2014. UNESP. Biblioteca (Rio Claro). Mendeley vídeo aula. 2014 (da postagem do vídeo ou a data do vídeo, caso tenha). Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=gUGPY8g0w6k>. Acesso em: 27 jan. 2016. UNESP. Biblioteca (Rio Claro). Você sabe como acessar os e-books?#parte1. 2014. Blog Biblioteca Unesp Rio Claro. (opcional) Disponível em: <https://bibliotecaunesprc.wordpress.com/2014/12/02/voce-sabe-como-acessar-os- e-books-parte1/>. Acesso em: 27 jan. 2016.
  54. 54. 53 REFERÊNCIAS ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6023: informação e documentação: referências: elaboração. Rio de Janeiro, 2002a. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6024: informação e documentação: numeração progressiva das seções de um documento: apresentação. Rio de Janeiro, 2012a. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6027: informação e documentação: sumário: apresentação. Rio de Janeiro, 2012b. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10520: informação e documentação: citações em documentos: apresentação. Rio de Janeiro, 2002b. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 14724: informação e documentação: trabalhos acadêmicos: apresentação. Rio de Janeiro, 2011. DUPAS, M. A. Pesquisando e normalizando: noções básicas e recomendações úteis para a elaboração de trabalhos científicos. São Carlos: EDUFSCar, 2010. (Série Apontamentos). GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2008. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. Normas para publicações da Unesp. São Paulo: Unesp, 2010. 2 v.

×