Ricardo Bordini do Amaral

1.701 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.701
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ricardo Bordini do Amaral

  1. 1. Saúde Bucal Coletiva para criançasde 6 a 14 anos em Americana/SPRicardo Bordini do AmaralOrientadora: Suele Manjourany Silva DuroUniversidade Federal de Pelotas-RSEspecialização em Saúde da Família - UNASUS
  2. 2. Agradecimentos Ministério da Saúde Universidade Federal de Pelotas Prefeitura Municipal de Americana Orientadora Suele Manjourany Silva Duro Equipe de profissionais da UBS 20
  3. 3. Introdução
  4. 4. Americana-SP
  5. 5. Introdução Município de Americana-SP 213.423 habitantes 15 UBS + 10 ESF
  6. 6. Introdução UBS 20: Dr. Pedro Pioli Jr Região central da cidade CNES:centro de saúde/unidade básica Realiza atenção primária e algumas especialidades
  7. 7. Introdução Seqüência do modelo de postos de saúde comum noestado de São Paulo Modelo de atenção curativo-reparador e focado noindivíduo, sem ações de prevenção e promoção àsaúde e sem trabalho com grupos da comunidade
  8. 8. Introdução Sem atividades fora da unidade de saúde Valorização do número de pacientes atendidos e donúmero de procedimentos restauradores/mutiladoresrealizados
  9. 9. Introdução Alma-Ata = promoção de saúde, educação eprevenção. MS: Atenção Primária (Básica) = conjunto de ações,individual ou coletivo, voltadas para a promoção dasaúde, a prevenção de agravos, o diagnóstico, otratamento, a reabilitação e manutenção da saúde. Atenção SB = integralidade, promoção à saúde,prevenção, tratamento e reabilitaçãosimultaneamente de forma individual e coletiva.
  10. 10. História natural e prevenção dasdoenças
  11. 11. Crianças e jovens de 6 a14 anos Prioridade clássica em odontologia Aparecimento dentição permanente Menor resistência do esmalte Bons resultados de medidas coletivas Ambiente propício a novos saberes Utilização de instalações e RH da escola(Pinto, V. G.)
  12. 12. Objetivos
  13. 13. Objetivo Geral Melhorar a atenção em saúde bucal a crianças de 6 a14 anos adscritas a uma Unidade Básica de Saúde deAmericana-SP
  14. 14. Objetivos Específicos Viabilizar ações de prevenção e promoção à saúdedentro da UBS. Implantar ações de prevenção e promoção à saúdepara crianças de 6 a 14 anos dentro do ambienteescolar. Mapear as crianças de 6 a 14 anos em riscoodontológico dentro do ambiente escolar e na UBS. Melhorar a qualidade da atenção à saúde bucal decrianças de 6 a 14 anos. Implantar/qualificar os registros das ações de saúdebucal.
  15. 15. Metas
  16. 16. Metas Incluir 100% da população de 6 a 14 anos, emtratamento odontológico na UBS, nos grupos depromoção à saúde bucal. Realizar ações preventivas coletivas em 100% dasescolas que estejam dentro da área da UBS.
  17. 17. Metas Alcançar 100% de cobertura de escovação dentalsupervisionada em crianças de 6 a 14 anos dasescolas públicas na área de cobertura da UBS. Classificar 100% das crianças de 6 a 14 anos emtratamento odontológico na UBS de acordo com orisco de cárie.
  18. 18. Metas Tratar 100% das crianças identificadas com riscoaumentado de cárie, priorizando as de mais altorisco. Implantar/monitorar 100% dos registros das açõesde saúde bucal.
  19. 19. Metodologia
  20. 20. Metodologia População-alvo: Crianças de 6 a 14 anos usuárias da UBS e criançasde 6 a 14 anos estudantes de escolas adscritas à UBS
  21. 21. Antes da intervençãoUBSTratamentoclínicoOrientaçõesnoconsultórioRetornoanualEscolasDistribuiçãode kits
  22. 22. Depois da intervençãoUBSAvaliação deriscoOrientaçõesnoconsultórioTratamentoclínicoParticipaçãonos gruposPromoçãode saúde,prevençãoEncaminhamento paranutricionistaRetornointervalosvariáveisDistribuiçãomaterialeducativoTriagem portoda equipeReorganização doprocesso detrabalhoPlanejamento dasatividades
  23. 23. Depois da intervençãoEscolasAvaliação deriscopolarizaçãoGrupos deprevenção altoriscoPalestras paraalunosATF paraAlto RiscoOrientaçãodosprofessoresEscovaçãosupervisionadaDemonstração escovaçãoMaterialeducativoExibição defilmes
  24. 24. Depois da intervençãoComunidadeIgrejaPromoção desaúde/prevençãoIgrejaAvaliação/emCaminhamentoEscolaPalestras paraas famílias
  25. 25. Resultados
  26. 26. 1- Pacientes de 6 a 14anos da UBS nos grupos Adesão praticamente total, pois todos os pacientesque recebiam atendimento clínico eram direcionadospara os trabalhos nos grupos Reuniões realizadas em salas improvisadas Pacientes de todos os setores da UBS eram triadospara atendimento clínico ou para os grupos
  27. 27. 2-Distribuição de Kits naUBS Não foi realizada Comprometida pelo atraso na entrega do material
  28. 28. 3- Escolas que receberam aintervençãoProporção deescolas quereceberamaintervenção0,0%50,0%100,0%Mês 1 Mês 2 Mês 3 Mês 4 Faltou uma escola, aquela com menos alunos, devido àfalta de recursos humanos(125/634).
  29. 29. 4- Alunos participantes das palestrasnas escolasProporção de crianças que participaram de palestrasnas escolas0,0%50,0%100,0%Mês 1 Mês 2 Mês 3 Mês 4 Cobertura parcial devido à falta de recursoshumanos.
  30. 30. 5- Escovação nas escolasProporção de crianças que receberam escovaçãodental supervisionada nas escolas0,0%20,0%40,0%60,0%80,0%100,0%Mês 1 Mês 2 Mês 3 Mês 4 Cobertura próxima da ideal. Falta de recursoshumanos. Atraso nos materiais.
  31. 31. 6- Classificação de risco nas escolasProporção de escolares classificados quanto ao riscode odontológico0,0%20,0%40,0%60,0%80,0%100,0%Mês 1 Mês 2 Mês 3 Mês 4 Classificação quase total. Falta de recursos humanos.
  32. 32. 7- Crianças de alto risco quereceberam tratamento na UBS Baixa adesão. Pais não podem em horário comercial.P roporção de crianças de alto ris co que receberamtratamento clínico na UB S0,0%20,0%40,0%60,0%80,0%100,0%Mês 1 Mês 2 Mês 3 Mês 4
  33. 33. 8- Crianças que receberam aintervençãoProporção de crianças que receberam a intervenção0,0%50,0%100,0%Mês 1 Mês 2 Mês 3 Mês 4 Cobertura satisfatória e próxima da ideal. Falta derecursos humanos.
  34. 34. 9- Crianças que participaram deevidenciação de placa bacteriana A ação de evidenciação de placa bacteriana não foirealizada. Falta de insumos para as atividades
  35. 35. 10- Escolares classificados como altoriscoProporção de escolares classificados como alto riscoodontológico0,0%2,0%4,0%6,0%8,0%10,0%Mês 1 Mês 2 Mês 3 Mês 4 Proporção baixa e favorável à continuidade dasações preventivas.
  36. 36. Registros das ações desaúde bucal Meta alcançada com a totalidade dos pacientes comregistros adequados e disponíveis na UBS
  37. 37. Discussão
  38. 38. Aspectos qualitativos A intervenção realizada na UBS melhorousignificativamente o atendimento odontológico aoincluir o trabalho com grupos de prevenção em saúdebucal à rotina do atendimento e ao incorporar aabordagem preventiva e o monitoramento constantenas escolas ao serviço oferecido à comunidade. Equidade, adaptação à polarização Empoderamento
  39. 39. Importância da intervenção Equipe: significa a mudança de estratégia decombate às doenças bucais UBS: significa a melhora dos indicadorespreconizados como referência pelo Ministério daSaúde Comunidade: significa melhora na qualidade dosserviços prestados na área odontológica Mães: em especial significa maior atenção por partedo SUS à saúde bucal de seus filhos, pois as criançaspassam a receber monitoramento constante bemcomo o referenciamento para tratamento aosprimeiros indícios de alterações bucais
  40. 40. Incorporação do projeto aoserviço É possível, com adaptações como: Promover o tratamento clínico no horárioescolar na escola, ou na UBS oferecendotransporte para a unidade Maior agilidade na aquisição dos insumospara o projeto Maior equilíbrio na distribuição dos recursoshumanos entre a área clínica e a preventiva Melhorar infra-estrutura da UBS,escovódromo /sala de reuniões
  41. 41. Reflexão crítica sobre seu processopessoal de aprendizagem e naimplementação da intervenção Primeira experiência com EAD Metodologia nova e eficiente Grande volume de atividades Realização gradual de um projeto completo, facilitoumuito, projeto “Lego” Apoio constante dos professores e da orientadora,inclusive à noite e fds, maior que em um cursopresencial
  42. 42. Reflexão crítica sobre seu processopessoal de aprendizagem e naimplementação da intervenção Grande desenvolvimento nas áreas: Funcionamento da ESF Qualidade e monitoramento na ESF Implantação de projetos Prática clínica odontológica Sistemas de informação no SUS Relação com a comunidade
  43. 43. “Saúde Pública é a arte e aciência de se prevenirdoenças.”Charles-Edward Amory Winslow1920

×