Rastreamento em animais silvestres

3.448 visualizações

Publicada em

Rastreamento em animais silvestres

Publicada em: Educação
0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.448
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
17
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Rastreamento em animais silvestres

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIAINSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDEDEPARTAMENTO DE BIOFUNÇÃOBIOFÍSICA IISEMINÁRIO III UNIDADESalvador, BA / 2013
  2. 2. ALUNOSAna Carolyne Santana dos Santos SilvaAlisson JhonanthanGéssica Emily da Silva OliveiraLuiz Eduardo Miranda da SilvaMaria Karolina Sena Santa RosaUdimila Oliveira SantosAtividade apresentado aUniversidade Federal daBahia, como critério deavaliação da disciplinaBiofísica II, do curso deMedicina Veterinária soborientação da ProfessoraVilma Barreto.
  3. 3. INTRODUÇÃORastreabilidade- Representaa capacidade de traçar o caminho da história, ,aplicação, uso e localização de uma mercadoriaindividual ou de um conjunto de características demercadorias, através da impressão de números deidentificação.
  4. 4. Animais silvestres (ou selvagens) todos os animaisque vivem ou nascem em um ecossistema natural.INTRODUÇÃO
  5. 5. O QUE É RFID? Tecnologia de identificação que utiliza frequência derádio para transmissão de dados.
  6. 6. Teve início durante a Segunda GuerraMundial, usado por: japoneses,americanos e ingleses paraidentificação de aeronaves.COMO SURGIU?
  7. 7. APLICAÇÃOAnimalIdentificação de gado, animais silvestres,animais domésticos, extinção,zoológicos, movimentos migratórios,pesquisa cientifica
  8. 8. AnilhasMÉTODOS USADOS PARA ORASTREAMENTOSão anéis colocados na perna das avesque servem para identificar cadaindividuo, como uma carteira deidentidade.Através do anilhamento é possívelrealizar diversos estudos relacionadosao comportamento, dinâmica depopulação, sobrevivência,monitoramento e manejo de aves.
  9. 9. É um micro-circuito eletrônico, éencapsulado em bio-vidro cirúrgicomicrorevestido em capa depolipropileno biocompatível eantimigratório para uso em animais.MicrochipMÉTODOS USADOS PARA ORASTREAMENTO
  10. 10. GPSMÉTODOS USADOS PARA ORASTREAMENTOO Sistema de PosicionamentoGlobal (GPS) é baseado emsistema de navegação por satéliteque fornece a localização einformações de tempo, emqualquer lugar em ou perto daTerra.
  11. 11. FUNCIONALIDADE DO MONITORAMENTOconhecer todos os possíveiscomportamentos e vivências dosanimais.
  12. 12. METODO DE RASTREAMENTOMAIS UTILIZADO:TELIMETRIA
  13. 13. TELIMETRIARadiotelemetria é uma ferramentausada para obter informaçõesnecessárias para conservar e manejaras espécies selvagens.Para alguns animais a ferramenta pode elucidar erevelar segredos de suas histórias de vida.
  14. 14. Marco inicial- Monitoramento viaradio de pilotos de teste da Marinha dosEUAapós II guerra mundial.Primeiros animais na década de 50:RadiotelemetriaRadio-telemetry – coleta de dados (medidas) via rádioTELIMETRIA
  15. 15. - Uso de satéliteRadar harmônico - Radar potente (transmissor e receptor na faixa de micro-ondas)FUNCIONAMENTOÉ feito através detransmissores e receptores desinaisVHF/UHF ou via Satélite.
  16. 16. OUTRAS FORMAS DE UTILIZAÇÃOMigração e reproduçãoUso do hábitat após desmatamentoUso do hábitat durante ciclo de vidaEfeitos de barreirasConhecer suas temperaturas corporais, e seus batimentoscardíacos.
  17. 17. MOVIMENTO DE AVESÁGUIA PESCADORA
  18. 18. TRANSMISSORESSão os equipamentos carregadospelos animais;Emitem radiação eletromagnética(ondas de rádio) – Sinal,Bip ouPulso;
  19. 19. COLAR MOCHILA IMPLANTADOS
  20. 20. COLAR MOCHILA
  21. 21. Para água: Podem ser colocados dentro ou fora do animal.Duração aproximadamente 2 anos.Ar ou terra: Podem ser colocados dentro ou fora do animalDuração: aproximadamente 4 anos.TRANSMISSORES
  22. 22. PRIMEIRA ONÇA PINTADA A SERRASTREADA
  23. 23. RECEPTORESExistem vários tipos de receptorescom capacidade de monitorar apenasum ou centenas de animais ao mesmotempo e ainda armazenar dados dapesquisa em arquivos.
  24. 24. RECEPTORES
  25. 25. TRANSMISSORES E RECEPTORESLEITOR DE MICROCHIP
  26. 26. APLICAÇÃO
  27. 27. DESVANTAGENSIncomodo no animal;Expulsão do aparelho pelo organismo;Deslocamento do local original de implantação;Infecção Por Introdução de bactérias.
  28. 28. ANALISE DE DADOSOs dados obtidos através da radiotelemetria podemser analisados com o auxilio de calculadora, mapas,fotografias áreas e imagens de satélite.
  29. 29. CONCLUSÃO TELIMETRIAÉ a ferramenta mais adequada para aaquisição de dados de animais devida livre sem alterar ocomportamento e a fisiologia dosmesmos.
  30. 30. BIOPIRATARIA
  31. 31. TRÁFICO DE ANIMAISDos animais silvestres comercializados no Brasil, estima-seque 30% sejam exportados. O principal fluxo do comércioilegal nacional é no eixo Rio-São Paulo. Grande parte dafauna silvestre é contrabandeada diretamente para paísesvizinhos, através de fronteiras fluviais e secas.•O comércio ilegal de animais silvestres movimenta cerca deUS$ 10 bilhões por ano em todo o mundo.•80% dos animais morrem antes de chegar ao “consumidorfinal”.•95% do comércio de animais silvestres brasileirosé ilegal.
  32. 32. IBAMAInstituto Brasileiro do MeioAmbiente e dos RecursosNaturais Renováveis
  33. 33. CETAS (Centro de Triagem deAnimais Silvestres)-Com intuito de monitorar algumasespécies nativas ameaçadas áextinção para facilitar o manejo comas mesmasIBAMACENAP Centro Especializado comatuação em todo o territórionacional, atualmente integrantedo Instituto Chico Mendes deConservação da Biodiversidade –ICMBio
  34. 34. Tamar-ICMBio - Criado em 1980,pelo antigo Instituto Brasileiro deDesenvolvimento Florestal-IBDF,estuda deslocamento das tartarugasmarinhas, através do monitoramentopor satélite.IBAMA
  35. 35. TRABALHO EM CAMPOVISITAAOIBAMA
  36. 36. CURIOSIDADEAtualmente estão sendo implantadosmicrochips em animais domésticos, emalgumas cidades brasileiras esse método esta setornando lei.Vamos mostrar o passo a passo de umaimplantação em um cachorro:
  37. 37. 1.Scaneie o animal parachecar se não hánenhum microchip jáimplantado. 2. Scaneie o microchippara verificar se onúmero está correto. 3. O microchip deve seraplicado no dorso entreas escápulas.PROCEDIMENTO PARAIMPLANTAÇÃO
  38. 38.  4. Use a mão para sentir olocal da implantação. 5. Desinfete a pele nolocal de implantaçãousando algodão saturadoem álcool. 6. Com uma das mãos,levante a pele do animalno local da implantação.PROCEDIMENTO PARAIMPLANTAÇÃO
  39. 39.  7. Insira a agulha a umanglo de 45°C com oêmbolo da seringa paracima. 8. empurre rapida-menteo êmbolo da seringa atéo final e retire a agulha. 9.Scaneie a area paraassegurar que omicrochip pode ser lido.PROCEDIMENTO PARAIMPLANTAÇÃO
  40. 40. FUNCIONALIDADEEssas informações são adicionadas há umbanco de dados, facilitando em caso de oanimal se perder ou em caso de roubo.Os estudiosos dessa área almejam um banco dedados mundial para assim efetuar diversaspesquisas como por exemplo entre raças eregiões.
  41. 41. Fichadecadastro
  42. 42. CONCLUSÃOApesar de ser uma prática poucodifundida nacionalmente emundialmente, é de extrema importânciaa realização dessa prática parapreservação do nosso ecossistema e dabiodiversidade.
  43. 43. ALÉM DO TRABALHOVIEMOS COM O OBJETIVODE PROMOVER UMAREFLEXÃO:

×