SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 2
Baixar para ler offline
Teses sobre Feuerbach
Karl Marx
1845

Escrito por Marx na primavera de 1845. Publicado pela primeira vez por Engels, em 1888, como apêndice
à edição em livro da sua obra Ludwig Feuerbach e o Fim da Filosofia Alemã Clássica, Estugarda 1888,
pp. 69-72. Publicado segundo a versão de Engels de 1888, em cotejo com a redação original de Marx.
Traduzido do alemão.

Fonte: The Marxists Internet Archive




1
A principal insuficiência de todo o materialismo até aos nossos dias - o de Feuerbach incluído - é que as
coisas [der Gegenstand], a realidade, o mundo sensível são tomados apenas sobre a forma do objeto [dês
Objekts] ou da contemplação [Anschauung]; mas não [são tomados] como atividade sensível humana,
praxes, não subjetivamente. Por isso aconteceu que o lado ativo foi desenvolvido, em oposição ao
materialismo, pelo idealismo - mas apenas abstratamente, pois que o idealismo naturalmente não conhece
a atividade sensível, real, como tal. Feuerbach quer objetos [Objekte] sensíveis realmente distintos dos
objetos do pensamento; mas não toma a própria atividade humana como atividade objetiva
[gegenständliche Tätigkeit]. Ele considera, por isso, na Essência do Cristianismo, apenas a atitude teórica
como a genuinamente humana, ao passo que a praxe é tomada e fixada apenas na sua forma de
manifestação sórdida e judaica. Não compreende, por isso, o significado da atividade "revolucionária", de
crítica prática.

2
A questão de saber se ao pensamento humano pertence a verdade objetiva não é uma questão da teoria,
mas uma questão prática. É na praxe que o ser humano tem de comprovar a verdade, isto é, a realidade e
o poder, o caráter terreno do seu pensamento. A disputa sobre a realidade ou não realidade de um
pensamento que se isola da praxe é uma questão puramente escolástica.

3
A doutrina materialista de que os seres humanos são produtos das circunstâncias e da educação, [de que]
seres humanos transformados são, portanto, produtos de outras circunstâncias e de uma educação mudada,
esquece que as circunstâncias são transformadas precisamente pelos seres humanos e que o educador tem
ele próprio de ser educado. Ela acaba, por isso, necessariamente, por separar a sociedade em duas partes,
uma das quais fica elevada acima da sociedade (por exemplo, em Robert Owen).

A coincidência do mudar das circunstâncias e da atividade humana só pode ser tomada e racionalmente
entendida como praxes revolucionante.
4
Feuerbach parte do fato da auto-alienação religiosa, da duplicação do mundo no mundo religioso,
representado, e num real. O seu trabalho consiste em resolver o mundo religioso na sua base mundana.
Ele perde de vista que depois de completado este trabalho ainda fica por fazer o principal. É que o fato de
esta base mundana se destacar de si própria e se fixar, um reino autônomo, nas nuvens, só se pode
explicar precisamente pela autodivisão e pelo contradizer-se a si mesma desta base mundana. É esta
mesma, portanto, que tem de ser primeiramente entendida na sua contradição e depois praticamente
revolucionada por meio da eliminação da contradição. Portanto, depois de, por exemplo a família terrena
estar descoberta como o segredo da sagrada família, é a primeira que tem, então, de ser ela mesma
teoricamente criticada e praticamente revolucionada.

5
Feuerbach, não contente com o pensamento abstrato, apela ao conhecimento sensível [sinnliche
Anschauung]; mas, não toma o mundo sensível como atividade humana sensível prática.

6
Feuerbach resolve a essência religiosa na essência humana. Mas, a essência humana não é uma abstração
inerente a cada indivíduo. Na sua realidade ela é o conjunto das relações sociais.

Feuerbach, que não entra na crítica desta essência real, é, por isso, obrigado: 1. a abstrair do processo
histórico e fixar o sentimento [Gemüt] religioso por si e a pressupor um indivíduo abstratamente -
isoladamente - humano; 2. nele, por isso, a essência humana só pode ser tomada como "espécie", como
generalidade interior, muda, que liga apenas naturalmente os muitos indivíduos.

7
Feuerbach não vê, por isso, que o próprio "sentimento religioso" é um produto social e que o indivíduo
abstrato que analisa pertence na realidade a uma determinada forma de sociedade.

8
A vida social é essencialmente prática. Todos os mistérios que seduzem a teoria para o misticismo
encontram a sua solução racional na praxe humana e no compreender desta praxe.

9
O máximo que o materialismo contemplativo [der anschauende Materialismus] consegue, isto é, o
materialismo que não compreende o mundo sensível como atividade prática, é a visão [Anschauung] dos
indivíduos isolados na "sociedade civil".

10
O ponto de vista do antigo materialismo é a sociedade "civil"; o ponto de vista do novo [materialismo é] a
sociedade humana, ou a humanidade socializada.

11
Os filósofos têm apenas interpretado o mundo de maneiras diferentes; a questão, porém, é transformá-lo.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A alienação como relação social
A alienação como relação socialA alienação como relação social
A alienação como relação socialrochamendess82
 
Gabriel Marcel e o existencialismo
Gabriel Marcel e o existencialismoGabriel Marcel e o existencialismo
Gabriel Marcel e o existencialismoBruno Carrasco
 
Cosmovisão marxista e uma breve crítica da teoria da justiça de john rawls
Cosmovisão marxista e uma breve crítica da teoria da justiça de john rawlsCosmovisão marxista e uma breve crítica da teoria da justiça de john rawls
Cosmovisão marxista e uma breve crítica da teoria da justiça de john rawlsajr_tyler
 
a sociedade segundo luhmann
a sociedade segundo luhmanna sociedade segundo luhmann
a sociedade segundo luhmannKarla Cardoso
 
Merleau Ponty (para Os Universais)
Merleau Ponty (para Os Universais)Merleau Ponty (para Os Universais)
Merleau Ponty (para Os Universais)Adriano Cunha
 
Questões de psicologia - Livro psicologias uma nova introdução
Questões de psicologia - Livro psicologias uma nova introduçãoQuestões de psicologia - Livro psicologias uma nova introdução
Questões de psicologia - Livro psicologias uma nova introduçãoStefanie Rodrigues
 
A evolução, multideterminação e processo grupal- psicologia social1
A evolução, multideterminação e processo grupal- psicologia social1A evolução, multideterminação e processo grupal- psicologia social1
A evolução, multideterminação e processo grupal- psicologia social1Daniele Rubim
 
Cap 16 Os Seguidores e os Críticos de Kant
Cap 16   Os Seguidores e os Críticos de KantCap 16   Os Seguidores e os Críticos de Kant
Cap 16 Os Seguidores e os Críticos de KantJosé Ferreira Júnior
 

Mais procurados (11)

A alienação como relação social
A alienação como relação socialA alienação como relação social
A alienação como relação social
 
Gabriel Marcel e o existencialismo
Gabriel Marcel e o existencialismoGabriel Marcel e o existencialismo
Gabriel Marcel e o existencialismo
 
Cosmovisão marxista e uma breve crítica da teoria da justiça de john rawls
Cosmovisão marxista e uma breve crítica da teoria da justiça de john rawlsCosmovisão marxista e uma breve crítica da teoria da justiça de john rawls
Cosmovisão marxista e uma breve crítica da teoria da justiça de john rawls
 
a sociedade segundo luhmann
a sociedade segundo luhmanna sociedade segundo luhmann
a sociedade segundo luhmann
 
Dialética e Materialismo
Dialética e MaterialismoDialética e Materialismo
Dialética e Materialismo
 
Merleau Ponty (para Os Universais)
Merleau Ponty (para Os Universais)Merleau Ponty (para Os Universais)
Merleau Ponty (para Os Universais)
 
Ideologia e adorno
Ideologia e adornoIdeologia e adorno
Ideologia e adorno
 
Questões de psicologia - Livro psicologias uma nova introdução
Questões de psicologia - Livro psicologias uma nova introduçãoQuestões de psicologia - Livro psicologias uma nova introdução
Questões de psicologia - Livro psicologias uma nova introdução
 
A evolução, multideterminação e processo grupal- psicologia social1
A evolução, multideterminação e processo grupal- psicologia social1A evolução, multideterminação e processo grupal- psicologia social1
A evolução, multideterminação e processo grupal- psicologia social1
 
Cap 16 Os Seguidores e os Críticos de Kant
Cap 16   Os Seguidores e os Críticos de KantCap 16   Os Seguidores e os Críticos de Kant
Cap 16 Os Seguidores e os Críticos de Kant
 
A sociologia de weber
A sociologia de weberA sociologia de weber
A sociologia de weber
 

Destaque

Destaque (12)

Folleto Juegos Populares
Folleto Juegos PopularesFolleto Juegos Populares
Folleto Juegos Populares
 
Scan doc0112
Scan doc0112Scan doc0112
Scan doc0112
 
Benchmarking
BenchmarkingBenchmarking
Benchmarking
 
27 sep bq weekly the new power of cbt
27 sep bq weekly the new power of cbt27 sep bq weekly the new power of cbt
27 sep bq weekly the new power of cbt
 
Tanja Harrison
Tanja HarrisonTanja Harrison
Tanja Harrison
 
Taller algoritmos once_1
Taller algoritmos once_1Taller algoritmos once_1
Taller algoritmos once_1
 
Kiln
KilnKiln
Kiln
 
L'habilitation électrique
L'habilitation électriqueL'habilitation électrique
L'habilitation électrique
 
Grafico mensual del ibex 35 para el 30 09 2012
Grafico mensual del ibex 35 para el 30 09 2012Grafico mensual del ibex 35 para el 30 09 2012
Grafico mensual del ibex 35 para el 30 09 2012
 
K9 (1)
K9 (1)K9 (1)
K9 (1)
 
Custom Flyer Design (8.5" x 11")
Custom Flyer Design (8.5" x 11")Custom Flyer Design (8.5" x 11")
Custom Flyer Design (8.5" x 11")
 
Daka Efthalia, Heraklion. Greece
Daka Efthalia, Heraklion. GreeceDaka Efthalia, Heraklion. Greece
Daka Efthalia, Heraklion. Greece
 

Semelhante a Teses sobre Feuerbach - Karl Marx

Feuerbach ludwig principios_filosofia_futuro
Feuerbach ludwig principios_filosofia_futuroFeuerbach ludwig principios_filosofia_futuro
Feuerbach ludwig principios_filosofia_futuroHospital Dr. Hevio Auto
 
Comunicação oral feuerbach
Comunicação oral feuerbachComunicação oral feuerbach
Comunicação oral feuerbachRosane Viola
 
Sobre minha compreensão metodológica
Sobre minha compreensão metodológicaSobre minha compreensão metodológica
Sobre minha compreensão metodológicaajr_tyler
 
Parte I - Centralidade do Trabalho no Marxismo Clássico
Parte I - Centralidade do Trabalho no Marxismo ClássicoParte I - Centralidade do Trabalho no Marxismo Clássico
Parte I - Centralidade do Trabalho no Marxismo Clássicovallmachado
 
Idealismo e materialismo geografia marxista e os desafios da abstração espacial
Idealismo e materialismo geografia marxista e os desafios da abstração espacialIdealismo e materialismo geografia marxista e os desafios da abstração espacial
Idealismo e materialismo geografia marxista e os desafios da abstração espacialajr_tyler
 
[Fichamento] charlot, bernard. por uma sociologia do sujeito (33 49)
[Fichamento] charlot, bernard. por uma sociologia do sujeito (33 49)[Fichamento] charlot, bernard. por uma sociologia do sujeito (33 49)
[Fichamento] charlot, bernard. por uma sociologia do sujeito (33 49)Gabriella Vieira
 
Evangelista,p. a interpretação fenomenológica de heidegger da primeira epísto...
Evangelista,p. a interpretação fenomenológica de heidegger da primeira epísto...Evangelista,p. a interpretação fenomenológica de heidegger da primeira epísto...
Evangelista,p. a interpretação fenomenológica de heidegger da primeira epísto...Érika Renata
 
Trabalho de filosofia e educação.jaspers
Trabalho de filosofia e educação.jaspersTrabalho de filosofia e educação.jaspers
Trabalho de filosofia e educação.jaspersJas-1970
 
Giovanetti. psicologia existencial e espiritualidade
Giovanetti. psicologia existencial e espiritualidadeGiovanetti. psicologia existencial e espiritualidade
Giovanetti. psicologia existencial e espiritualidadeÉrika Renata
 
Jardim, le. a preocupação liberadora no contexto da prática terapeutica
Jardim, le. a preocupação liberadora no contexto da prática terapeuticaJardim, le. a preocupação liberadora no contexto da prática terapeutica
Jardim, le. a preocupação liberadora no contexto da prática terapeuticaÉrika Renata
 
Fenomenologia para filosofia
Fenomenologia para filosofiaFenomenologia para filosofia
Fenomenologia para filosofiaufmt
 
Introdução psi social.pdf
Introdução psi social.pdfIntrodução psi social.pdf
Introdução psi social.pdfEraldo Carlos
 
O conceito de sujeito na introducao da filosofia do espirito
O conceito de sujeito na introducao da filosofia do espiritoO conceito de sujeito na introducao da filosofia do espirito
O conceito de sujeito na introducao da filosofia do espiritoFrederico Garcia Brito
 

Semelhante a Teses sobre Feuerbach - Karl Marx (20)

Feuerbach ludwig principios_filosofia_futuro
Feuerbach ludwig principios_filosofia_futuroFeuerbach ludwig principios_filosofia_futuro
Feuerbach ludwig principios_filosofia_futuro
 
Educacao e formacao_humana
Educacao e formacao_humanaEducacao e formacao_humana
Educacao e formacao_humana
 
Vygotsky
VygotskyVygotsky
Vygotsky
 
Leibniz Monadologia
Leibniz   MonadologiaLeibniz   Monadologia
Leibniz Monadologia
 
Comunicação oral feuerbach
Comunicação oral feuerbachComunicação oral feuerbach
Comunicação oral feuerbach
 
Sobre minha compreensão metodológica
Sobre minha compreensão metodológicaSobre minha compreensão metodológica
Sobre minha compreensão metodológica
 
Parte I - Centralidade do Trabalho no Marxismo Clássico
Parte I - Centralidade do Trabalho no Marxismo ClássicoParte I - Centralidade do Trabalho no Marxismo Clássico
Parte I - Centralidade do Trabalho no Marxismo Clássico
 
Idealismo e materialismo geografia marxista e os desafios da abstração espacial
Idealismo e materialismo geografia marxista e os desafios da abstração espacialIdealismo e materialismo geografia marxista e os desafios da abstração espacial
Idealismo e materialismo geografia marxista e os desafios da abstração espacial
 
[Fichamento] charlot, bernard. por uma sociologia do sujeito (33 49)
[Fichamento] charlot, bernard. por uma sociologia do sujeito (33 49)[Fichamento] charlot, bernard. por uma sociologia do sujeito (33 49)
[Fichamento] charlot, bernard. por uma sociologia do sujeito (33 49)
 
Evangelista,p. a interpretação fenomenológica de heidegger da primeira epísto...
Evangelista,p. a interpretação fenomenológica de heidegger da primeira epísto...Evangelista,p. a interpretação fenomenológica de heidegger da primeira epísto...
Evangelista,p. a interpretação fenomenológica de heidegger da primeira epísto...
 
Trabalho de filosofia e educação.jaspers
Trabalho de filosofia e educação.jaspersTrabalho de filosofia e educação.jaspers
Trabalho de filosofia e educação.jaspers
 
Fronteiras do Corpo [1999-2015].pdf
Fronteiras do Corpo [1999-2015].pdfFronteiras do Corpo [1999-2015].pdf
Fronteiras do Corpo [1999-2015].pdf
 
filosofia
filosofiafilosofia
filosofia
 
Giovanetti. psicologia existencial e espiritualidade
Giovanetti. psicologia existencial e espiritualidadeGiovanetti. psicologia existencial e espiritualidade
Giovanetti. psicologia existencial e espiritualidade
 
Artigo filosofia
Artigo filosofiaArtigo filosofia
Artigo filosofia
 
Jardim, le. a preocupação liberadora no contexto da prática terapeutica
Jardim, le. a preocupação liberadora no contexto da prática terapeuticaJardim, le. a preocupação liberadora no contexto da prática terapeutica
Jardim, le. a preocupação liberadora no contexto da prática terapeutica
 
Fenomenologia para filosofia
Fenomenologia para filosofiaFenomenologia para filosofia
Fenomenologia para filosofia
 
John Locke
John LockeJohn Locke
John Locke
 
Introdução psi social.pdf
Introdução psi social.pdfIntrodução psi social.pdf
Introdução psi social.pdf
 
O conceito de sujeito na introducao da filosofia do espirito
O conceito de sujeito na introducao da filosofia do espiritoO conceito de sujeito na introducao da filosofia do espirito
O conceito de sujeito na introducao da filosofia do espirito
 

Mais de UJS_Maringa

Princípios básicos do comunismo - Engels
Princípios básicos do comunismo - EngelsPrincípios básicos do comunismo - Engels
Princípios básicos do comunismo - EngelsUJS_Maringa
 
Prefácio à primeira edição alemã do primeiro volume de O Capital - Karl Marx
Prefácio à primeira edição alemã do primeiro volume de O Capital - Karl MarxPrefácio à primeira edição alemã do primeiro volume de O Capital - Karl Marx
Prefácio à primeira edição alemã do primeiro volume de O Capital - Karl MarxUJS_Maringa
 
O papel do trabalho na transformação do macaco em homem engels
O papel do trabalho na transformação do macaco em homem   engelsO papel do trabalho na transformação do macaco em homem   engels
O papel do trabalho na transformação do macaco em homem engelsUJS_Maringa
 
O método da economia política marx
O método da economia política   marxO método da economia política   marx
O método da economia política marxUJS_Maringa
 
O 18 de brumário de louis bonaparte karl marx
O 18 de brumário de louis bonaparte   karl marxO 18 de brumário de louis bonaparte   karl marx
O 18 de brumário de louis bonaparte karl marxUJS_Maringa
 
Marx e o reino da consciência gramsci
Marx e o reino da consciência   gramsciMarx e o reino da consciência   gramsci
Marx e o reino da consciência gramsciUJS_Maringa
 
Karl marx esboço bibliográfico e exposição do marxismo - lênin
Karl marx   esboço bibliográfico e exposição do marxismo - lêninKarl marx   esboço bibliográfico e exposição do marxismo - lênin
Karl marx esboço bibliográfico e exposição do marxismo - lêninUJS_Maringa
 
Introducao ao metodo da teoria social ou introducao ao metodo de marx
Introducao ao metodo da teoria social ou introducao ao metodo de marxIntroducao ao metodo da teoria social ou introducao ao metodo de marx
Introducao ao metodo da teoria social ou introducao ao metodo de marxUJS_Maringa
 
Esquerdismo, doença infantil do comunismo
Esquerdismo, doença infantil do comunismoEsquerdismo, doença infantil do comunismo
Esquerdismo, doença infantil do comunismoUJS_Maringa
 
Carta para joseph bloch engels
Carta para joseph bloch   engelsCarta para joseph bloch   engels
Carta para joseph bloch engelsUJS_Maringa
 
Carta a pável v annenkov marx
Carta a pável v annenkov   marxCarta a pável v annenkov   marx
Carta a pável v annenkov marxUJS_Maringa
 
As três fontes e as três partes constitutivas do marxismo lênin
As três fontes e as três partes constitutivas do marxismo   lêninAs três fontes e as três partes constitutivas do marxismo   lênin
As três fontes e as três partes constitutivas do marxismo lêninUJS_Maringa
 

Mais de UJS_Maringa (12)

Princípios básicos do comunismo - Engels
Princípios básicos do comunismo - EngelsPrincípios básicos do comunismo - Engels
Princípios básicos do comunismo - Engels
 
Prefácio à primeira edição alemã do primeiro volume de O Capital - Karl Marx
Prefácio à primeira edição alemã do primeiro volume de O Capital - Karl MarxPrefácio à primeira edição alemã do primeiro volume de O Capital - Karl Marx
Prefácio à primeira edição alemã do primeiro volume de O Capital - Karl Marx
 
O papel do trabalho na transformação do macaco em homem engels
O papel do trabalho na transformação do macaco em homem   engelsO papel do trabalho na transformação do macaco em homem   engels
O papel do trabalho na transformação do macaco em homem engels
 
O método da economia política marx
O método da economia política   marxO método da economia política   marx
O método da economia política marx
 
O 18 de brumário de louis bonaparte karl marx
O 18 de brumário de louis bonaparte   karl marxO 18 de brumário de louis bonaparte   karl marx
O 18 de brumário de louis bonaparte karl marx
 
Marx e o reino da consciência gramsci
Marx e o reino da consciência   gramsciMarx e o reino da consciência   gramsci
Marx e o reino da consciência gramsci
 
Karl marx esboço bibliográfico e exposição do marxismo - lênin
Karl marx   esboço bibliográfico e exposição do marxismo - lêninKarl marx   esboço bibliográfico e exposição do marxismo - lênin
Karl marx esboço bibliográfico e exposição do marxismo - lênin
 
Introducao ao metodo da teoria social ou introducao ao metodo de marx
Introducao ao metodo da teoria social ou introducao ao metodo de marxIntroducao ao metodo da teoria social ou introducao ao metodo de marx
Introducao ao metodo da teoria social ou introducao ao metodo de marx
 
Esquerdismo, doença infantil do comunismo
Esquerdismo, doença infantil do comunismoEsquerdismo, doença infantil do comunismo
Esquerdismo, doença infantil do comunismo
 
Carta para joseph bloch engels
Carta para joseph bloch   engelsCarta para joseph bloch   engels
Carta para joseph bloch engels
 
Carta a pável v annenkov marx
Carta a pável v annenkov   marxCarta a pável v annenkov   marx
Carta a pável v annenkov marx
 
As três fontes e as três partes constitutivas do marxismo lênin
As três fontes e as três partes constitutivas do marxismo   lêninAs três fontes e as três partes constitutivas do marxismo   lênin
As três fontes e as três partes constitutivas do marxismo lênin
 

Teses sobre Feuerbach - Karl Marx

  • 1. Teses sobre Feuerbach Karl Marx 1845 Escrito por Marx na primavera de 1845. Publicado pela primeira vez por Engels, em 1888, como apêndice à edição em livro da sua obra Ludwig Feuerbach e o Fim da Filosofia Alemã Clássica, Estugarda 1888, pp. 69-72. Publicado segundo a versão de Engels de 1888, em cotejo com a redação original de Marx. Traduzido do alemão. Fonte: The Marxists Internet Archive 1 A principal insuficiência de todo o materialismo até aos nossos dias - o de Feuerbach incluído - é que as coisas [der Gegenstand], a realidade, o mundo sensível são tomados apenas sobre a forma do objeto [dês Objekts] ou da contemplação [Anschauung]; mas não [são tomados] como atividade sensível humana, praxes, não subjetivamente. Por isso aconteceu que o lado ativo foi desenvolvido, em oposição ao materialismo, pelo idealismo - mas apenas abstratamente, pois que o idealismo naturalmente não conhece a atividade sensível, real, como tal. Feuerbach quer objetos [Objekte] sensíveis realmente distintos dos objetos do pensamento; mas não toma a própria atividade humana como atividade objetiva [gegenständliche Tätigkeit]. Ele considera, por isso, na Essência do Cristianismo, apenas a atitude teórica como a genuinamente humana, ao passo que a praxe é tomada e fixada apenas na sua forma de manifestação sórdida e judaica. Não compreende, por isso, o significado da atividade "revolucionária", de crítica prática. 2 A questão de saber se ao pensamento humano pertence a verdade objetiva não é uma questão da teoria, mas uma questão prática. É na praxe que o ser humano tem de comprovar a verdade, isto é, a realidade e o poder, o caráter terreno do seu pensamento. A disputa sobre a realidade ou não realidade de um pensamento que se isola da praxe é uma questão puramente escolástica. 3 A doutrina materialista de que os seres humanos são produtos das circunstâncias e da educação, [de que] seres humanos transformados são, portanto, produtos de outras circunstâncias e de uma educação mudada, esquece que as circunstâncias são transformadas precisamente pelos seres humanos e que o educador tem ele próprio de ser educado. Ela acaba, por isso, necessariamente, por separar a sociedade em duas partes, uma das quais fica elevada acima da sociedade (por exemplo, em Robert Owen). A coincidência do mudar das circunstâncias e da atividade humana só pode ser tomada e racionalmente entendida como praxes revolucionante.
  • 2. 4 Feuerbach parte do fato da auto-alienação religiosa, da duplicação do mundo no mundo religioso, representado, e num real. O seu trabalho consiste em resolver o mundo religioso na sua base mundana. Ele perde de vista que depois de completado este trabalho ainda fica por fazer o principal. É que o fato de esta base mundana se destacar de si própria e se fixar, um reino autônomo, nas nuvens, só se pode explicar precisamente pela autodivisão e pelo contradizer-se a si mesma desta base mundana. É esta mesma, portanto, que tem de ser primeiramente entendida na sua contradição e depois praticamente revolucionada por meio da eliminação da contradição. Portanto, depois de, por exemplo a família terrena estar descoberta como o segredo da sagrada família, é a primeira que tem, então, de ser ela mesma teoricamente criticada e praticamente revolucionada. 5 Feuerbach, não contente com o pensamento abstrato, apela ao conhecimento sensível [sinnliche Anschauung]; mas, não toma o mundo sensível como atividade humana sensível prática. 6 Feuerbach resolve a essência religiosa na essência humana. Mas, a essência humana não é uma abstração inerente a cada indivíduo. Na sua realidade ela é o conjunto das relações sociais. Feuerbach, que não entra na crítica desta essência real, é, por isso, obrigado: 1. a abstrair do processo histórico e fixar o sentimento [Gemüt] religioso por si e a pressupor um indivíduo abstratamente - isoladamente - humano; 2. nele, por isso, a essência humana só pode ser tomada como "espécie", como generalidade interior, muda, que liga apenas naturalmente os muitos indivíduos. 7 Feuerbach não vê, por isso, que o próprio "sentimento religioso" é um produto social e que o indivíduo abstrato que analisa pertence na realidade a uma determinada forma de sociedade. 8 A vida social é essencialmente prática. Todos os mistérios que seduzem a teoria para o misticismo encontram a sua solução racional na praxe humana e no compreender desta praxe. 9 O máximo que o materialismo contemplativo [der anschauende Materialismus] consegue, isto é, o materialismo que não compreende o mundo sensível como atividade prática, é a visão [Anschauung] dos indivíduos isolados na "sociedade civil". 10 O ponto de vista do antigo materialismo é a sociedade "civil"; o ponto de vista do novo [materialismo é] a sociedade humana, ou a humanidade socializada. 11 Os filósofos têm apenas interpretado o mundo de maneiras diferentes; a questão, porém, é transformá-lo.