Da relação entre os conceitos fundamentais de rrpp marcondes

195 visualizações

Publicada em

Grupo: Graciele Firmino, Katrine de Oliveira, Matheus Serdeira, Meliscia Gonçalves e Victor Lacerda.

Publicada em: Marketing
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
195
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Da relação entre os conceitos fundamentais de rrpp marcondes

  1. 1. “Migrando da noção de segmentos de consumo para a de públicos de interesse no ambiente de mudança radical das organizações”
  2. 2.  “Em tempos de incerteza, de mudança de paradigmas, de desregulamentação dos mercados nacionais e de globalização, às organizações (...) cabe adaptar-se ao saber acumulado sobre mercados e consumo (...)” (Relações Públicas e Marketing, pg 83).  As organizações passam a se mostrar mais, a se comunicar diretamente com o consumidor, adotando um modelo de transparência administrativa onde a esfera pública é passiva de explicação em relação às ações da empresa.
  3. 3.  Marketing e Relações Públicas são funções que se correlacionam com o fato de atuarem diretamente e estrategicamente nesse campo atual de mudanças.  “John Naisbitt afirmava, já em 1982, em seu livro “Megatendências”, que a sociedade passava por grandes transformações, por tendências genéricas (ou megatendências), cujos reflexos na administração das empresas e dos países seriam profundos e marcantes: - Da tecnologia simples para a alta tecnologia; - Das hierarquias para a comunicação lateral intensiva; - Da opção dual (isto ou aquilo) para a opção múltipla.”
  4. 4.  De acordo com o escritor e futurista norte- americano Alvin Toffler, a sociedade do futuro será extremamente dinâmica e mutável, com transformações contínuas e aceleradas, fazendo com que as organizações, para acompanharem essa intensa movimentação, transformem-se em mecanismos inovadores, temporários e antiburocráticos, ou seja, deverão ser práticas e ágeis.
  5. 5.  Toffler também aborda a questão das transformações na estrutura interna das organizações, com cargos que mudam semanalmente, funções que se mesclam e perdem nomenclaturas e características até então únicas e restritivas.  Há ainda a formação de equipes transitórias, funcionando com espécies de “força-tarefa”, cujos membros se juntam para solucionar um problema específico e se separam, estando sempre em movimento, tanto empresarialmente quanto geograficamente. Eles são característicos dessa nova realidade que procura contornar a burocracia e dinamizar os processos, melhorando a qualidade de todas as etapas do processo decisório.
  6. 6.  Esse ambiente de mudanças intensas também é acompanhado pela imprevisibilidade e complexidade, o que faz com que se procure rever todos os estudos científicos a fim de se chegar à conclusões de previsibilidade. A velocidade dessas transformações acaba impedindo que seja feito um planejamento estático ou qualquer outra limitação, não havendo embasamento nos acontecimentos do passado nem compreensão do futuro.
  7. 7.  Surgem durante a Ditadura Militar – Transição entre os anos 1960/70;  Marketing: ligado a industrialização e ao “Milagre Econômico”;  Relações Públicas: ligada ao regime governamental;  Após a fase inicial: Busca pelo reconhecimento das profissões;
  8. 8.  Cândido Teobaldo: Doutor em Comunicação, com habilitação em Relações Públicas. Criador do curso de RP na Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP).
  9. 9.  Walter Poyares – Relações Públicas. criador do primeiro departamento de RP e Promoções na imprensa brasileira;
  10. 10.  Manoel Maria de Vasconcellos - Um dos fundadores dos pensamentos e das práticas mercadológicas no Brasil e o primeiro diretor da Faculdade de Comunicação Social, criada em 1986, na UERJ.
  11. 11.  Reconhecimento da profissão de Relações Públicas nos âmbitos acadêmicos e empresariais após meados dos anos 1980;  Crise na área de Marketing desde os anos 1990. Necessidade de mudança das práticas da atividade para conquistar novamente o seu espaço;  Aproximação dos conceitos de MKT aos de RP: Comunicação de massa, “fatias” de consumidores e venda.
  12. 12.  Agente regulador do mercado  Macromarketing  Micromarketing McCarthy:
  13. 13.  Forças positivas na economia  Transformações sociais  Funções além da venda
  14. 14.  Lucro coletivo  Valor X preço  Opinião  O cliente é o chefe “Servindo-o bem, serviremos igualmente bem a nós mesmos.” McCarthy
  15. 15.  PRODUTO O que é ofertado? Público compra satisfação.  PONTO Onde/ quando o consumidor deseja ter o produto.  PROMOÇÃO Comunicação entre vendedor e comprador  PREÇO Não é o fator determinante na compra, porém é um fator de qualificação. Exemplo: Compra compulsiva PRODUTO – PONTO – PROMOÇÃO – PREÇO
  16. 16.  Apesar do “sistema” proposto por McCathy ter sido ampliado, pelo desmembramento dos 4 componentes principais, a ideia original ainda se adequa a análise mercadológica atual de qualquer serviço, ideia, produto ou instituição.  Modelo proposto por Raimar Richers, professor da Escola de Administração de Empresas da Fundação Getúlio Vargas, em São Paulo (EAESP/FGV)
  17. 17.  ANÁLISE Pesquisas em geral Desenvolvimento de produto/serviço  ADAPTAÇÃO Tornar o produto ou serviço, o mais habituado ao que o mercado demanda  AÇÃO Ativação de distribuição, divulgação, promoção e vendas  AVALIAÇÃO Levantamento dos dados acerca da aceitação ou não do produto/serviço no mercado Feedback servirá para aperfeiçoamento
  18. 18.  Post Place (pós Venda);  Providers (fornecedores);  People (pessoal da empresa);  Positioning ( posicionamento da marca na mente do consumidor);  Protection (tudo relacionado a cumprimento de leis em defesa do consumidor);
  19. 19.  Phocus (concetração de esforço no Core Business da operação);  Percognition (ou gestão de conhecimento e inteligência competitiva que apoiam uma operação de marketing);  E com pensamento semelhante a que o marketing dá à propaganda, é inserido um décimo-segundo “P”: Powerbrandig.  Powerbranding (é reconhecimento do peso - e do preço - imposto pelas marcas no mercado)
  20. 20.  http://www.conceitoeditorial.com.br/produtos- detalhes.php?filtro=&cod_produto=6&cod_categoria=1  http://www.cpdcom.inf.br/website/html/pag3.html  http://propmark.com.br/mercado/10377:morre-no-rio-aos-89-anos- walter-poyares  http://www2.metodista.br/agenciarp/personalidades_candidoteobaldo.h tm  http://www.portal-rp.com.br/bibliotecavirtual/memoria/0057.htm  http://observatoriodacomunicacao.org.br/clippings/o-marketing-e-a- mensagem-apesar-do-anglicismo-uma-boa-conceituacao/  https://www.facebook.com/pages/Manoel-Maria-de- Vasconcellos/271910109600266?fref=nf  MARCONDES, Manoel – Relações Públicas e Marketing
  21. 21.  Graciele Firmino  Katrine Oliveira  Matheus Serdeira  Meliscia Soares  Victor de Lacerda

×