O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Comunicação não violenta pode transformar modelo punitivo nas escolas

649 visualizações

Publicada em

Comunicação não violenta pode transformar modelo punitivo nas escolas.
Comunicação não violenta.

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Comunicação não violenta pode transformar modelo punitivo nas escolas

  1. 1. COMUNICAÇÃO NÃO-VIOLENTA PODE TRANSFORMAR MODELO PUNITIVO DAS ESCOLAS INSTITUIÇÃO: NOVA FACULDADE PROFESSOR: VILMAR VILAÇA ALUNOS: MICHELLY SOUZA PRISCILA SILVA STEFANE EVANGELISTA SUÉLEN CRISTINA TIAGO LUIS SOARES
  2. 2. COMUNICAR O que significa “Comunicar”? - Trocar - Transmitir - Dar - Estar aberto para - Confiar - Estar ligado a Comunicar implica estar ligado a outra pessoa; implica uma partilha entre as partes.
  3. 3. PROCESSO EDUCATIVO • É perante a constatação da existência de conflito e da necessidade da sua resolução positiva na escola que os professores poderão ver, neste momento, que a teoria pratica da comunicação não violenta é uma oportunidade de mudar, de crescer e de poder aumentar o seu grau de envolvimento e motivação juntos aos alunos. • Através de técnicas de comunicação não violenta, os envolvidos decidem coletivamente como lidar com circunstâncias decorrentes do ato danoso e suas implicações para o futuro, com vistas a alcançar uma boa reflexão, a restauração e a responsabilização, permitindo o fortalecimento das relações e dos laços comunitários.  A escola é palco de uma diversidade de conflitos, sobretudo os de relacionamento, pois nela convivem pessoas de variadas idades, origens, sexos, etnias e condições socioeconômicas e culturais.
  4. 4. ORIGEM DA COMUNICAÇÃO NÃO- VIOLENTA (CNV)  Criado pelo americano Marshall Rosenberg.  Começou a pesquisar os fatores que afetam a capacidade humana de se manter compassivo, desenvolveu uma abordagem específica de comunicação (falar e ouvir).
  5. 5. DEFINIÇÃO DA COMUNICAÇÃO NÃO-VIOLENTA (CNV)  A Comunicação Não-Violenta é um processo de entendimento que facilita a harmonização de suas necessidades com as necessidades de outras pessoas, de uma maneira empática.  A CNV começa por assumir que somos todos compassivo por natureza e que estratégicas violentas verbais ou físicas, são aprendidas, ensinadas e apoiadas pela cultura dominante.
  6. 6. COMUNICAÇÃO NÃO-VIOLENTA PODE SER:  A CNV pode ser aproveitada por todas as pessoas, não somente aquelas que lidam com situações de conflito ou que atravessam um impasse com alguém significativo.  Ela exige bastante prática, esforço, paciência, dedicação e envolvimento verdadeiro.
  7. 7. A CNV aplica-se eficazmente a todos os níveis de comunicação e a diversas situações • Escolas • Famílias • Relacionamentos íntimos • Organizações e instituições • Terapia e aconselhamento • Negociações comerciais • Disputas e conflitos diversos
  8. 8. OBJETIVO DA COMUNICAÇÃO NÃO-VIOLENTA  Resgatar o que há de mais verdadeiro nas pessoas, suas emoções, e expressões com honestidade, ajudando os outros com real empatia, ou seja, mergulhando nas verdadeiras necessidades do outro.
  9. 9. A COMUNICAÇÃO NÃO- VIOLENTA ESTÁ BASEADA EM: OBSERVAÇÃO SENTIMENTO NECESSIDADEPEDIDO
  10. 10. COMUNICAÇÃO NÃO-VIOLENTA  OBSERVAÇÃO de maneira descritiva e não julgadora. Consideramos ótimos observadores da realidade, mas não percebemos a sutil diferença em afirmar.
  11. 11. COMUNICAÇÃO NÃO-VIOLENTA  SENTIMENTO como nos sentimos em relação ao que estamos observando ? Nossos sentimentos resultam de como escolhemos receber as ações e falas dos outros. Podemos reagir de várias formas, culpar a nós mesmos, culpar os outros, escutar os nossos próprios sentimentos e necessidades, escutar os sentimentos e necessidades dos outros.
  12. 12. COMUNICAÇÃO NÃO-VIOLENTA  NECESSIDADES quais valores e desejos geram nossos sentimentos? Quando nos comunicamos a partir de nossas necessidades, sentimentos e desejos, temos mais chance de ser atendidos do que quando usamos julgamentos e avaliações.
  13. 13. COMUNICAÇÃO NÃO-VIOLENTA  PEDIDOS claros e específicos.  Aparentemente conseguimos forçar as pessoas a fazerem coisas que sejam de nossa vontade, principalmente quando um pedido oculta uma exigência ameaçadora.
  14. 14. ``O que almejo em minha vida é compaixão, um fluxo entre mim e os outros com base numa entrega mútua, do fundo do coração.`` Marshall Rosenberg
  15. 15. REFERÊNCIAS CONSULTADAS Texto:  Wikipédia, a enciclopédia livre. http://pt.wikipedia.org/wiki/Comu nica%C3%A7%C3%A3o_n% C3%A3o_violenta  Livro Comunicação Não Violenta - Marshall B. Rosenberg. Imagens:  http://www.simoniaquino.com. br/uploads/1/5/7/0/15703816/5 450588.png?385  http://www.babelio.com/users/ AVT_Marshall-B- Rosenberg_2904.jpeg  http://2.bp.blogspot.com/- _9cpjzObvuc/TbakDNSvQVI/A AAAAAAAAa4/gJzxG9gEQzA/ s1600/comunicacao.jpg  http://www.brancabarao.com.b r/_libs/imgs/final/226.jpg

×