Comunicação não violenta pode transformar modelo punitivo nas escolas

502 visualizações

Publicada em

Comunicação não violenta pode transformar modelo punitivo nas escolas.
Comunicação não violenta.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
502
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Comunicação não violenta pode transformar modelo punitivo nas escolas

  1. 1. COMUNICAÇÃO NÃO-VIOLENTA PODE TRANSFORMAR MODELO PUNITIVO DAS ESCOLAS INSTITUIÇÃO: NOVA FACULDADE PROFESSOR: VILMAR VILAÇA ALUNOS: MICHELLY SOUZA PRISCILA SILVA STEFANE EVANGELISTA SUÉLEN CRISTINA TIAGO LUIS SOARES
  2. 2. COMUNICAR O que significa “Comunicar”? - Trocar - Transmitir - Dar - Estar aberto para - Confiar - Estar ligado a Comunicar implica estar ligado a outra pessoa; implica uma partilha entre as partes.
  3. 3. PROCESSO EDUCATIVO • É perante a constatação da existência de conflito e da necessidade da sua resolução positiva na escola que os professores poderão ver, neste momento, que a teoria pratica da comunicação não violenta é uma oportunidade de mudar, de crescer e de poder aumentar o seu grau de envolvimento e motivação juntos aos alunos. • Através de técnicas de comunicação não violenta, os envolvidos decidem coletivamente como lidar com circunstâncias decorrentes do ato danoso e suas implicações para o futuro, com vistas a alcançar uma boa reflexão, a restauração e a responsabilização, permitindo o fortalecimento das relações e dos laços comunitários.  A escola é palco de uma diversidade de conflitos, sobretudo os de relacionamento, pois nela convivem pessoas de variadas idades, origens, sexos, etnias e condições socioeconômicas e culturais.
  4. 4. ORIGEM DA COMUNICAÇÃO NÃO- VIOLENTA (CNV)  Criado pelo americano Marshall Rosenberg.  Começou a pesquisar os fatores que afetam a capacidade humana de se manter compassivo, desenvolveu uma abordagem específica de comunicação (falar e ouvir).
  5. 5. DEFINIÇÃO DA COMUNICAÇÃO NÃO-VIOLENTA (CNV)  A Comunicação Não-Violenta é um processo de entendimento que facilita a harmonização de suas necessidades com as necessidades de outras pessoas, de uma maneira empática.  A CNV começa por assumir que somos todos compassivo por natureza e que estratégicas violentas verbais ou físicas, são aprendidas, ensinadas e apoiadas pela cultura dominante.
  6. 6. COMUNICAÇÃO NÃO-VIOLENTA PODE SER:  A CNV pode ser aproveitada por todas as pessoas, não somente aquelas que lidam com situações de conflito ou que atravessam um impasse com alguém significativo.  Ela exige bastante prática, esforço, paciência, dedicação e envolvimento verdadeiro.
  7. 7. A CNV aplica-se eficazmente a todos os níveis de comunicação e a diversas situações • Escolas • Famílias • Relacionamentos íntimos • Organizações e instituições • Terapia e aconselhamento • Negociações comerciais • Disputas e conflitos diversos
  8. 8. OBJETIVO DA COMUNICAÇÃO NÃO-VIOLENTA  Resgatar o que há de mais verdadeiro nas pessoas, suas emoções, e expressões com honestidade, ajudando os outros com real empatia, ou seja, mergulhando nas verdadeiras necessidades do outro.
  9. 9. A COMUNICAÇÃO NÃO- VIOLENTA ESTÁ BASEADA EM: OBSERVAÇÃO SENTIMENTO NECESSIDADEPEDIDO
  10. 10. COMUNICAÇÃO NÃO-VIOLENTA  OBSERVAÇÃO de maneira descritiva e não julgadora. Consideramos ótimos observadores da realidade, mas não percebemos a sutil diferença em afirmar.
  11. 11. COMUNICAÇÃO NÃO-VIOLENTA  SENTIMENTO como nos sentimos em relação ao que estamos observando ? Nossos sentimentos resultam de como escolhemos receber as ações e falas dos outros. Podemos reagir de várias formas, culpar a nós mesmos, culpar os outros, escutar os nossos próprios sentimentos e necessidades, escutar os sentimentos e necessidades dos outros.
  12. 12. COMUNICAÇÃO NÃO-VIOLENTA  NECESSIDADES quais valores e desejos geram nossos sentimentos? Quando nos comunicamos a partir de nossas necessidades, sentimentos e desejos, temos mais chance de ser atendidos do que quando usamos julgamentos e avaliações.
  13. 13. COMUNICAÇÃO NÃO-VIOLENTA  PEDIDOS claros e específicos.  Aparentemente conseguimos forçar as pessoas a fazerem coisas que sejam de nossa vontade, principalmente quando um pedido oculta uma exigência ameaçadora.
  14. 14. ``O que almejo em minha vida é compaixão, um fluxo entre mim e os outros com base numa entrega mútua, do fundo do coração.`` Marshall Rosenberg
  15. 15. REFERÊNCIAS CONSULTADAS Texto:  Wikipédia, a enciclopédia livre. http://pt.wikipedia.org/wiki/Comu nica%C3%A7%C3%A3o_n% C3%A3o_violenta  Livro Comunicação Não Violenta - Marshall B. Rosenberg. Imagens:  http://www.simoniaquino.com. br/uploads/1/5/7/0/15703816/5 450588.png?385  http://www.babelio.com/users/ AVT_Marshall-B- Rosenberg_2904.jpeg  http://2.bp.blogspot.com/- _9cpjzObvuc/TbakDNSvQVI/A AAAAAAAAa4/gJzxG9gEQzA/ s1600/comunicacao.jpg  http://www.brancabarao.com.b r/_libs/imgs/final/226.jpg

×