Cuidados e procedimentos de enfermagem no pré e pos parto

44.824 visualizações

Publicada em

Cuidados e procedimentos de enfermagem no pré e pós parto

Publicada em: Saúde e medicina
  • Seja o primeiro a comentar

Cuidados e procedimentos de enfermagem no pré e pos parto

  1. 1. CUIDADOS E PROCEDIMENTOS DE ENFERMAGEM NO PRÉ E POS PARTO PRÉ PARTO EXAMES  Portaria MS nº 569, de 1º de junho de 2000, a realização do exame VDRL para todas as gestantes internadas (parto ou aborto)  Realização do teste rápido do HIV para as gestantes com exame anterior a mais de 3 meses.  Controle de sinais vitais maternos (freqüência cardíaca, pressão arterial e temperatura): no momento da admissão e a cada 60 minutos.  Realização de enema glicerinado: não deve ser realizado de rotina, pois não se mostrou capaz de reduzir infecção materna ou fetal e traz desconforto à paciente.  Tricotomia: não diminui a morbidade materna e aumento o risco de contaminação do RN por HIV e Hepatite C.  Punção venosa e infusão de líquidos: não deve ser rotineiramente empregada, uma vez que cerca de 80% das pacientes admitidas em TP terão tido parto dentro de 8 horas.  Dieta: na fase ativa do trabalho de parto, os alimentos sólidos devem ser suspensos, sendo permitido, para as gestantes de baixo risco, a ingestão de líquidos (água, suco de frutas sem polpa, chá, café, refrigerante).  As gestantes de maior risco para procedimentos anestésicos (obesas, diabéticas, com vias aéreas de difícil acesso) ou para parto cirúrgico devem permanecer em jejum durante todo o trabalho de parto, evitando-se inclusive a ingestão de líquidos.  Higiene da parturiente: Durante o trabalho de parto, a gestante perde secreções pela vagina e freqüentemente apresenta sudorese, devendo ser estimulada a se higienizar. Além disso, a sensação de relaxamento físico e mental após um banho pode contribuir para o bem estar das gestantes.
  2. 2.  Posição de parturiente: Salvo raras exceções, a parturiente não deve ser obrigada a permanecer no leito. Deambular, sentar e deitar são condições que a gestante pode adotar no trabalho de parto de acordo com a sua preferência.  Partograma  Toques vaginais: a cada hora nas primeiras três horas, e a cada 2 horas no período subseqüente.  Uso da Ocitocina: diluir 10 U em 1000 ml de SG5% em bomba de infusão.  Suspender:  Mais de 5 contrações em 10 min  Contrações com duração maior que 1 min  Desaceleração nos BCfs PÓS PARTO Pós parto imediato:  Observar involução uterina, a cada 15 minutos no período de Greenberg, ao final deste período, deverá estar contraído e involuído na altura ca cicatriz umbilical;  Administrar ocitícitos e analgesia conforme prescrição médica;  Observar formação do globo de segurança de Pinard, que nos garante que não há restos placentários aderidos no miométrio;  Controle do sangramento, lembrar que a hemorragia é a principal complicação no pós imediato.  Colocar o bebê no seio da mãe, estimular aleitamento precoce.  Se parto vaginal: aplicar compressa de gelo na região perineal, para reduzir edema e dor; Se cesareana: observar sinais de sangramento em ferida operatória;  Realizar troca de forro perineal e roupa de cama sempre que apresentar manchas de sangue;
  3. 3.  Pacientes submetidas a cesareana não devem se levantar pela primeira vez sozinhas, podem apresentar hipotensão postural;  Encaminhar paciente para higiene corporal de aspersão uma hora após parto normal sem analgesia e após liberação do anestesiologista em caso de cesareana e parto com anestesia, para estimular deambulação precoce.  Fornecer informações acerca dos cuidados com o RN que reduzam os medos e mitos, de forma clara e humana, levando em conta a cultura e estilo de vida da nova família;

×