C:\Fakepath\O CâNone LiteráRio E O Ensino De Literatura

2.228 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.228
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
23
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
73
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

C:\Fakepath\O CâNone LiteráRio E O Ensino De Literatura

  1. 1. Maria ENeida matos da rosa<br />O cânone literário e o ensino de literatura<br />
  2. 2. Primórdios da literatura<br />Na Antiguidade grega: LITERATURA = POESIA (épica ou dramática).<br />A Ilíada e a Odisséia, de Homero – caráter moralizante;<br />Origem da propensão educadora da literatura;<br />Interesse coletivo acima do privado.<br />
  3. 3. A despeito de considerarem a escrita em determinados momentos perigosa (vide a tragédia Hipólito) os gregos não desmereceram seu poder. Importaram um alfabeto dos fenícios, acrescentaram alguns signos para representar as vogais e trataram de difundi-lo via escola.<br /> Os estudos nas escolas atenienses incluiam quatro assuntos básicos: linguagem (grammatike), literatura (mousike), aritmética (logistike) e atletismo (gymnastike).<br />
  4. 4. A literatura no Renascimento<br />Literatura – a poesia tinha caráter íntimo e particular;<br />Na Antiguidade – predomínio do caráter comunitário e público;<br />A educação passou a ser gerenciada pelas escolas. Deixa de ser um lugar facultativo para a aprendizagem e torna-se obrigatório;<br />
  5. 5. A literatura foi integrada ao currículo escolar, dissolvendo-se entre a Gramática, a Lógica e a Retórica.<br />Só após a Revolução de 1789, os franceses introduzem na escola a literatura nacional;<br />A literatura não podia perder sua força educativa;<br />
  6. 6. A literatura se modificou – deixou de ter finalidade intelectual e ética;<br />A literatura adquire cunho linguístico;<br />A escola foi veículo de difusão – consagrar os poetas de língua nacional.<br />
  7. 7. A literatura no Brasil<br />O ensino da literatura oscila entre: conhecer a norma linguística nacional e ao mesmo tempo a história da nação.<br />Desejo de expressão nacional.<br />Literatura + identidade nacional – fio condutor das histórias da literatura (cunho ideológico).<br />
  8. 8. A literatura no Brasil<br />As principais manifestações literárias surgiram com a ocupação do território brasileiro. Literatura destinada ao público leitor curioso pelas descrições da terra;<br />Carta de Pero Vaz de Caminha, carta escrita em 1500 e publicada em 1507;<br />Anchieta (1553) – escola voltada para a catequese e ensino da língua portuguesa e escrita.<br />
  9. 9. A literatura no Brasil<br />Ensino da literatura – cunho catequético mais sistemático;<br />O caramuru (1781), de Santa Rita Durão ilustra essa situação;<br />Exposição do projeto educacional da Companhia de Jesus.<br />
  10. 10. A literatura no Brasil<br />“Durão converte Diogo Alvares Correia num pedagogo exemplar que, impressionado com a ferocidade dos índios, antropófagos e sanguinários, dispõe-se a educá-los, resgatando a suposta humanidade dos índios” (LAJOLO & ZILBERMAN, 2002, p. 20)<br />
  11. 11. Papel da escola e da literatura no Brasil<br />Escola na literatura– local de punição;<br />Literatura como escapismo;<br />Literatura – leitura obrigatória;<br />
  12. 12. Papel da escola e da literatura no Brasil<br />Exemplos na literatura nacional: Memórias de um sargento de milícias, de Manuel Antônio de Almeida, Conto de escola e Memórias póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis e O Ateneu, de Raul Pompéia.<br />O texto literário como metalinguístico.<br />
  13. 13. Papel da escola e da literatura no Brasil<br />“Franco era silencioso, como arreceado de todos, tristonho, de uma melancolia parente da imbecilidade; tinha acessos refreados de raiva, queixas que não sabia formular. Os livros, causa primeira de seus desgostos, faziam-lhe horror. A necessidade de escrever por castigo promovera nele a habilidade dos galés: adquirira um desembaraço pasmoso na faina de encher de garranchos páginas e páginas. Esta interminável escrita fizera-lhe calos aos cantos das unhas [...]” (p. 108).<br />
  14. 14. Papel da escola e da literatura no Brasil<br />É no espaço Grêmio Literário Amor ao Saber, que os alunos entram em contato maior com os livros de forma mais prazerosa e sem obrigações escolares, bem como põem em prática suas idéias num periódico:<br />“Na interessante publicação apareciam quadrinhas místicas do Ribas e sonetos lúbricos do Sanches. Barreto publicara meditações, espécie de harpa do crente em prosa arrebentada. O rodapé-romance era uma imitação d’O Guarani, emplumada de vocábulos indígenas e assinada – Aimbiré” (p. 143).<br />
  15. 15. A leitura...<br />Para Ricardo Piglia (2006), “a leitura é ao mesmo tempo a construção de um universo e um refúgio diante da hostilidade do mundo” (p. 29);<br />
  16. 16. Papel da escola e da literatura no Brasil<br />Problema do final do século XIX = problema atual;<br />Leituras obrigatórias na escola;<br />Lista de livros mais lidos;<br />Eleição do cânone – seleção e exclusão promovida pelas histórias da literatura;<br />
  17. 17. Papel da escola e da literatura no Brasil<br />O escritores em suas obras também fazem uma espécie de seleção de seus pares . N’OAteneu, na abertura solene do Grêmio, o palestrante Dr. Cláudio, escolhe o que para ele, seria o melhor de nossa literatura. Com efeito, elenca os seguintes nomes e movimentos literários: “[a] galhofa de Gregório de Matos e Antônio José, a epopéia de Durão, o idílio da escola mineira, a unção de Sousa Caldas e São Carlos, a influência de Magalhães, os ensaios do romance nacional, a glória de Gonçalves Dias e José de Alencar” (p. 151).<br />
  18. 18. Papel da escola e da literatura no Brasil<br />Obras não-eruditas são consideradas imperfeitas e inferiores.<br />“...a Grande Literatura convive com outras literaturas, de menor prestígio, mas de grande apelo. Entre um e outro conjunto de livros (consagrados e não consagrados), a escola tende a aproximar-se da opinião dos intelectuais e esquecer – ou pior, estigmatizar – o gosto das pessoas comuns” (ABREU, 2006, p. 110).<br />
  19. 19. Possíveis soluções<br />Mudanças no critério de avaliação na eleição do canône;<br />Discutir o que é literatura, pois ela é um fenômeno cultural e histórico e, portanto, passível de receber diferentes definições em diferentes épocas e por diferentes grupos sociais;<br />Levar em conta o horizonte de expectativas do leitor – Estética da Recepção;<br />
  20. 20. Possíveis soluções<br />Trazer à baila textos escritores por mulheres (sobre mulheres), negros, pobres, enfim toda a sorte de temas e gêneros marginalizados e que fazem parte do cotidiano de muitas pessoas que afirmam não gostar da literatura. Solução proposta por Márcia Abreu e que parece se coadunar com a intenção dos Estudos Culturais (identidade, temas raciais e sexuais);<br />Ler os clássicos, mas antes oportunizar que outros textos também façam parte do sistema literário;<br />
  21. 21. Possíveis soluções: novos suportes<br />Escrita e leitura não se ressentirão da mudança de suporte?<br /> Novos suportes implicam novas opções. Por exemplo, a simultaneidade evidencia mais propriamente o trabalho em hipertexto. O fazer literário alcança a interatividade com o usuário.<br /> A lógica do capitalismo, fundada na obsolescência programada, sugere que o livro não vai desaparecer, porque encontrará seu nicho no sistema. Talvez se torne ainda mais elitizado; ou, pelo contrário, ameaçado de desaparecimento, providencie no barateamento do custo e à renovação da popularidade.<br />
  22. 22. Possíveis soluções<br />“É preciso dessacralizar a literatura liberá-la de seus tabus sociais, abrindo caminho para o segredo de sua potência. Então talvez será possível refazer não a história da literatura, mas a história dos homens em sociedade, segundo o diálogo dos criadores de palavras, mitos e idéias com seus contemporâneos e com a posteridade, que agora chamamos literatura” (ESCARPIT)<br />
  23. 23. Referências bibliográficas<br />ABREU, Márcia. Cultura letrada. Literatura e leitura. São Paulo: Editora Unesp, 2006.<br />CANDIDO, Antonio. Literatura e sociedade. São Paulo: T.A Queiroz Editor, 2000.<br /> ESCARPIT, Robert. Sociologia de la literatura. Espanha: OikosTau, s.d.<br />LAJOLO, M. & ZILBERMAN, R. O preço da leitura. Leis e números por detrás das letras. São Paulo: Ática, 2001.<br />PIGLIA, Ricardo. O último leitor. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.<br />POMPÉIA, Raul. , 1981. O Ateneu. Crônica de Saudades. Organização de Afrânio Coutinho. V. II. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira.<br />_____. A leitura rarefeita. Leitura e livro no Brasil. São Paulo: Ática, 2002.<br />ZILBERMAN, Regina. A leitura e o Ensino da Literatura. São Paulo: Contexto, 1988.<br />

×