Violência na mídia e os efeitos sobre as crianças

1.059 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.059
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
13
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Violência na mídia e os efeitos sobre as crianças

  1. 1. QUINTA-FEIRA, OUTUBRO 14, 2010
  2. 2. Como resultado de 15 anos de pesquisas sobre o impacto de programasviolentos sobre as crianças, foi criado, em 1969, um comitê científicopara analisar assuntos relacionando à televisão e comportamento social(o Surgeon General’s Scientific Advisory Committee on Television andSocial Behavior). A comissão analisou as respostas da violência a partirdas mudanças de atitudes, valores e comportamento dostelespectadores.
  3. 3. Um relatório feito em 1982, com base nos dados colhidos por essecomitê, resultou em um trabalho feito pelo Instituto Americano deSaúde Mental, em que foram identificados os principais efeitos daexposição à violência televisionada nas crianças: (1) Elas podem ficarmenos sensíveis à dor e ao sofrimento alheio; (2) pode haver aumentodo sentimento de medo relacionado ao mundo ao seu entorno; (3) épossível que a agressividade e comportamentos violentos para comoutros indivíduos aumentem.
  4. 4. Pesquisas feitas por especialistas como Rowell Huesmann, LeonardEron e outros, apontaram que crianças, nos primeiros anos de escola,que ficam expostas a muitas horas de violência na TV, têm maiortendência a comportamentos agressivos durante a adolescência. Ao observar esses mesmos indivíduos na idade adulta, Huesmann e Eron chegaram à conclusão de que aqueles que haviam sido expostos – na idade de 8 anos – a muitas horas de programas televisivos violentos, tinham mais problemas com infração de leis e violência.
  5. 5. Entretanto, comportamentos agressivos na infância não tinham relaçãocom maior interesse por programas televisivos violentos naadolescência. Essa última constatação aponta no sentido de que assistirà televisão tem relações com a violência quando essas crianças setornam mais velhas, mas a agressividade na infância nãonecessariamente resulta em indivíduos agressivos.
  6. 6. Mais recentemente, os videogames se tornaram um fenômeno mundial.Entretanto, há poucos estudos efetivos sobre o assunto. Um dessesestudos, feito por Craig Anderson e uma equipe de pesquisadores,mostrou que jogos violentos podem aumentar os pensamentos,sentimentos e comportamentos agressivos de um determinadoindivíduo. Essa tendência foi observada tanto em experimentos delaboratório como na vida cotidiana desses indivíduos que participaramda pesquisa.
  7. 7. Outro estudo, feito anteriormente por Anderson, apontou que osvideogames violentos podem ser mais impactantes do que programastelevisivos ou filmes violentos, pois há o elemento da interatividadeenvolvido, o que faz que o jogador se identifique com o agressor.
  8. 8. Anderson e outros pesquisadores também estão focando pesquisassobre como letras de música envolvendo palavras relacionadas àviolência podem afetar o comportamento de adultos e crianças. Em umdesses estudos, feito em 2003, e que partiu de dados colhidos entreestudantes do ensino médio americano, Anderson observou quemúsicas com letras violentas aumentavam pensamentos e emoçõesagressivos e que havia relação direta com o tipo de música ouvida.
  9. 9. “Uma conclusão importante dessa e de outras pesquisas sobreentretenimento midiático é que os temas apresentados aosconsumidores resultam em determinadas respostas”, diz Anderson.“Essa mensagem é importante para todos aqueles que consomem essetipo de entretenimento, mas especialmente para os pais de crianças eadolescentes.”
  10. 10. Pesquisa feita nos EUA mostra que uma típica criança americana assistea aproximadamente 28 horas de televisão por semana (4 horas por dia)e, portanto, já assistiu por volta de 8 mil assassinatos quando atinge os11 anos de idade. E mais: a maioria dos assassinos representados na TVconsegue se safar da responsabilidade pelos seus atos em 75% doscasos, ao mesmo tempo em que não mostram qualquer remorso ouarrependimento moral pelo ocorrido.
  11. 11. Dessa forma, a socialização televisiva da violência pode fazer que essascrianças fiquem imunes à brutalidade e à agressividade, enquantooutras podem ter mais sentimentos de medo relacionando o perigo àvivência social.
  12. 12. Com as pesquisas claramente apontando que programas televisivosviolentos podem levar a comportamentos agressivos, a AssociaçãoAmericana de Psicologia (APA) distribuiu, em 1985, uma série dediretrizes informando às produtoras de TV e ao público em geral sobre opotencial perigo da exposição de crianças à violência na televisão. Em 1992, um Comitê sobre Televisão e Sociedade da APA publicou um relatório que confirmava a relação entre violência televisiva e agressividade. [...]
  13. 13. (O Que Eu Tenho)Nota: “E não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos,renovando a vossa mente, a fim de poderdes discernir qual é a vontadede Deus, o que é bom, agradável e perfeito” (Romanos 12:2, A Bíblia deJerusalém). “No amor não há medo antes o perfeito amor lança fora omedo” (1 João 4:18). Que nossos filhos tenham mais contato com Deus,com o amor e menos com a violência que gera violência e medo.[MB]
  14. 14. O Conexão Advir é uma forma encontrada por mim, Marcelo dosSantos Silveira (adventista, brasileiro, alagoano, maceioense e acimade tudo isso, filho de Deus e resgatado por Jesus) de expressar aminha opinião em relação ao mundo cristão evangélico. As opiniõesaqui apresentadas podem não refletir a opinião oficial da minhacongregação, nem com seus líderes. A missão maior do Conexão Advir,é pregar a volta de Jesus e seu Amor para conosco. Bem como alertaros irmãos dos possíveis lobos e ladrões que cercam o aprisco doSenhor.

×