Jornal A Família Católica, 16 edição, setembro 2014

804 visualizações

Publicada em

http://www.nossasenhoradasalegrias.com.br/

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
804
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
518
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Jornal A Família Católica, 16 edição, setembro 2014

  1. 1. IMITAÇÃO DE MARIA OBRA MODELADA PELA IMITAÇÃO DE CRISTO, por um religioso anônimo SANTOS E FESTAS DO MÊS: 03– São Pio X; 8– Natividade de Nossa Se- nhora; 12– Santíssimo Nome de Maria; 15– Festa das Sete Dores de Nossa Senhora; 18– São José de Cupertino; 21– São Mateus, apóstolo; 24– Nossa Senhora das Mer- cês; 27– São Cosme e São Da- mião; 29– Dedicação de São Miguel Arcanjo; 30– São Jerônimo. N E S T A E D I Ç Ã O : Imitação de Maria 1,2 Breve explicação do Pai Nosso 3 Fátima 4 Setembro/ 2014Edição 16 A Família CatólicaC A P E L A N O S S A S E N H O R A D A S A L E G R I A S que Deus te colocou. Ilusão é essa de se querer ser santo à sua maneira e não da maneira como Deus o queira. As coisas só são feitas com perfeição quando são feitas com o pensamento de que Deus assim as quer. O mérito das nossas ações muito menos depende da natureza das coisas que faze- mos do que do espírito que as anima e da conformidade em que estão com a vontade de Deus. Deus quer de ti uma continuidade de mínimas ações, e grandes coisas que- res fazer. Daí suce- derá que nem umas nem outras farás bem feitas. “Marta, Marta, com muitas coisas t e p r e o c u - pas” (Luc.,10,14), e logo te enganas querendo fazer mais do que Deus te pede. Contenta-te em fazendo bem aquilo que Deus te manda, com o mesmo fervor que farias algo de grandioso. Que de coisas grandiosas porventura fizera a “mulher forte” do Evangelho? Lê e verás que ela fiava, e se ocupava dos miúdos cui- dados da casa. Estar na Igreja, fazer orações, visitar os doentes, obras excelentes são, sem dúvida. Si a fizesses, porém, quando os deveres de estado te pedem qualquer outra coisa, pode- rás dizer que fazes a vontade de Deus? É mister orar, e orar sempre, tanto quanto pos- sível. Mas se o orar te leva a abandonar os deveres domésticos, não será agradável a Deus a tua oração. Quantas obras perdidas para o céu porque tiveram por princípio a Dos deveres a cumprir, conforme o estado em que nos achemos. Raramente pede Deus que lhe façamos conhecer o nosso amor por meio de ações extraordinárias. Nos mais insignificantes deveres de estado aquele amor aparece com fidelidade constante. Graças a tal fide- lidade é que Maria adquiriu méritos que a elevaram acima dos anjos. Trinta anos ficou oculta em Nazaré com o Salvador. Aí, o seu principal cuida- do era a criação do Filho, o trabalhar por merecer mais e mais a confiança de seu esposo, enfim era fornecer à família, por um trabalho con- forme as suas for- ças, o que lhe era necessário. Aprende com seu exemplo a que te deves aplicar com atenção particular, se à santidade queres chegar. Erra ainda quem refere a santidade a pra- ticas estranhas aos deveres de estado, e a estes despreza para se entregar àquelas. A maior de todas as perfeições consiste em amar o seu estado, desempenhando-lhe as obrigações, desde que esse estado esteja na ordem da Providência. Um operário a ganhar a sua vida com o suor do rosto, um pai de família que vive sem ambição, na obscuridade de uma for- tuna minguada, não estão menos obrando a sua salvação do que aqueles que se acham em profissões mais elevadas, aque- les que estão exercendo santos ministérios. Muitas vezes mesmo, eles operam a salva- ção enfrentando menores riscos. O que te parece o mais perfeito estado não significa que te seja o melhor. Este é sempre o em
  2. 2. vontade própria! Quantos, porém, os tesouros adquiri- dos de méritos nos exercícios de uma vida comum por- que tudo se achará assinalado no livro da vontade divi- na! Muitas pessoas que não te parecem adquirir grandes méritos, serão todavia elevadas ao céu, mais do que o pensas, por causa da fidelidade que elas tem e que não vês, aos menores deveres do seu estado. O mestre de quem fala o Evangelho diz ao seu servo: “Entra na alegria do teu mestre”, não porque fizeste grandes coisas, senão “porque foste fiel nas pequenas coisas” (Mat. 25, 21) que fizeste! De como santificar o cristão o seu trabalho e as diver- sas ocupações diárias. Maria - Meu filho, os deveres de teu estado poderão trazer-te as atenções demasiadamente cativas, isto é certo. Mas também é certo que, em deles te desobrigan- do, nem um só momento pensarás no teu Deus. O Servo - Ó Virgem sempre fiel e vigilante, dignai-vos de me ensinar como posso, a exemplo vosso, manter- me unido a Deus durante o trabalho como no exercício das funções do meu estado. Maria – Filho meu, os trabalhos manuais, as ocupa- ções mais entediantes e embaraçosas não são capazes de suspender em um homem espiritual e superior a sua união com Deus. Uma alma de hábito recolhida tem uma maravilhosa facilidade em se lembrar do pensa- mento de Deus, até nas ocasiões em que os deveres de estado mais fortemente lhe pesem, ameaçando dissipá- la. A pureza de intenções de que sabe animar cada uma das suas ações oferecendo-as a Deus, far-lhe-á evitar uma dissipação na qual frequentemente descambam as almas menos atentas. O espírito de fé e religião enobre- ce tudo, tudo adoça e tudo consagra! O que se faz com esse espírito é ação que agrada a Deus e que ele julga digna de suas recompensas. Faze para Deus o que fazem tantos outros para o P á g i n a 2 A F a m í l i a C a t ó l i c a mundo ou para algum interesse temporal. Ocupa-te do que exige o teu estado. Faze-o, porém, com vistas mais cristãs e trabalharás a um só tempo para o tempo e para a eternidade. Si te pões no trabalho por prazer, por humor, por passatempo, por costume, por algum motivo puramente humano, não sendo Deus o princípio de tuas ações, horas inteiras passarás sem que lhe dês uma só das tuas afeições. Não digas que não podes pensar em duas coisas a um só tempo. Um coração diz logo ao seu Deus tudo o que lhe quer dizer. Marta tra- balhava para Jesus; não obstante, ela estava atenta ao seu trabalho, mesmo quando Jesus lhe falava. Em meio de tuas ocupações, não é difícil que te entretenhas com as criaturas que te cercam. Faze, portanto, o mesmo com o teu Deus que está presente a tudo o que fazes. “A sua conversação”, bem diversa de tantas conver- sas humanas, “nada tem que desgoste ou desagra- de” (Sab. 8,16). Ela tem, ao contrário, a vantagem de permitir que em quaisquer gêneros de ocupações se libem as suas doçuras. Grande santo pode-se ser sem passar das coisas ba- nais, desde que sejam tais coisas feitas de uma manei- ra diferente do que faz a maioria. Na sua maioria os homens só se aplicam ao que fazem tendo em vista que é preciso fazer. Não pensam todavia no fazer por lhes ordenar Deus, e na intenção de agradar a Deus. Enquanto a ti, meu filho, dize-lhe, ao trabalhar, que sentirás prazer em obedecer à sua vontade. Dize-lhe ainda que para lhe agradar em nada diminuirias de tua aplicação até mesmo nos mais penosos trabalhos. Oferece-lhe o trabalho em união com todos os traba- lhos que Jesus sofreu por tua salvação. Se êxito tiveres dos teus trabalhos, louva Aquele de onde te vem o êxi- to. Se êxito não lucrares, porém, submete-te á mortifica- ção do insucesso ocorrido, que assim o permitiu Deus para experimentar a tua paciência. Por essa união com Deus em todas as ações, ainda as aparentemente mais vis e mesquinhas, serão eleva- das ao ponto de te fazer merecedor de um novo grau de glória no Céu. " O SantíSSimO SacramentO guarda-Se numa âmbula de ouro. Esta âmbula está coberta com uma capa de seda. Maria é como a âmbula que guarda Jesus, e José é como a capa de seda, que cobre Jesus e Maria com sua proteção." Explicação do pequeno catecismo—Pe. Jacob Hudleston Slater
  3. 3. A excelência do Santo Rosário nas orações de que é composto O Pai-Nosso, ou Oração Dominical, tem a sua primeira excelência no Seu autor, que não é um homem nem um anjo, mas o Rei dos anjos e dos ho- mens, Jesus Cristo. “Era necessário, diz São Cripriano, que Aquele que vinha dar-nos a vida da graça como Salvador, nos ensinasse a maneira de rezar como Mestre celestial.” A sabe- doria deste divino Mestre manifesta- se bem na ordem, na doçura, na força e na claridade desta divina oração. Ela é curta mas rica em ensinamen- tos, inteligível para os simples mas cheia de mistérios para os sábios. O Pai-nosso encerra todos os deve- res que devemos ter para com Deus, os atos de todas as virtudes e os pedi- dos de todas as nossas necessidades espirituais e corporais. (...) Santo Agostinho assegura que o Pai- nosso bem rezado apaga os pecados veniais. O justo tomba sete vezes, a Oração Dominical contém sete pedi- dos através dos quais ele pode reme- diar as suas quedas e fortificar-se contra os seus inimigos. É uma ora- ção curta e fácil, afim de que, assim como somos frágeis e sujeitos a mui- tas misérias, recebamos um mais rápido auxílio rezando-o mais frequen- temente e mais devotamente. Pode-se chamar ditoso a quem, re- zando a Oração do Senhor, pesa aten- tamente cada palavra; aí ele encon- trará tudo o que precisa, tudo o que pode desejar. Quando se reza esta admirável ora- ção, imediatamente se cativa o cora- ção de Deus invocando-o pelo doce nome de Pai. “Pai Nosso”, o mais ter- no de todos os pais, todo-poderoso na criação, todo admirável na conserva- ção, todo amável na Sua Providência, infinitamente bom na Redenção. Deus é nosso Pai, nós somos todos irmãos, o Céu é a nossa pátria e a nossa he- rança. Não nos inspirará isso à fé, ao amor de Deus, ao amor do próximo, e ao desprendimento de todas as coi- sas terrenas? Amemos pois um tal Pai e digamo-Lhe mil e mil vezes: “Pai nosso que estais nos Céus.” Vós que encheis o Céu e a terra pela imensi- dão da Vossa essência, que Sois oni- presente. Vós que estais nos santos por Vossa glória, nos condenados por Vossa justiça, nos justos por Vossa graça, nos pecadores por Vossa paci- ência que lhes suporta as traições, fazei com que nos lembremos sempre da nossa celeste origem, que vivamos sempre como Vossos verdadeiros fi- lhos; que tendamos sempre somente para Vós com todo o ardor da nossa vontade. “Santificado seja o Vosso nome.” O nome do Senhor é santo e temível, diz o rei profeta, e no Céu, segundo Isaí- as, ressoam louvores que os serafins não cessam de prestar à santidade do Senhor, Deus dos exércitos. Aqui se pede que toda a Terra conheça e ado- re os atributos deste Deus tão grande e tão Santo. Que Ele seja conhecido, amado e adorado pelos pagãos, pelos turcos, pelos judeus, pelos bárbaros e por todos os infiéis. Que todos os ho- mens O sirvam e O glorifiquem com uma Fé viva, uma Esperança firme, uma Caridade ardente, e na renúncia a toda a mentira. Em uma palavra, que todos os homens sejam santos porque Ele próprio é Santo. “Venha a nós o Vosso reino.” O mes- mo é dizer que reineis em nossas al- mas por Vossa graça, durante a vida, afim que mereçamos, após a nossa morte, reinar convosco em Vosso Rei- no, que é a soberana e eterna felicida- de; felicidade na qual cremos, espera- mos e desejamos, e que nos está pro- metida pela bondade do Pai, que nos foi adquirida pelos méritos do Filho e que nos é revelada pelas luzes do Espírito Santo. “Seja feita a Vossa vontade assim na Terra como no Céu.” De fato, nada pode afastar-se às disposições da Providência que tudo previu e dispôs antes dos acontecimentos. Nenhum obstáculo pode afastá-Lo do fim a que Se propôs, e quando pedimos a Deus que Sua vontade seja feita, não é por- que creiamos, diz Tertuliano, que al- guém se possa opor com sucesso à execução dos Seus desígnios, mas que aquiescemos humildemente a tudo aquilo que possa ordenar a nos- so respeito; que cumprimos sempre e em todas as coisas Sua santíssima vontade, que nos é conhecida pelos mandamentos, com tanta prontidão, amor e constância, quanto os Anjos e os Bem-aventurados Lhe obedecem no céu. “O pão nosso de cada dia nos dai hoje.” Jesus Cristo ensina-nos a pedir a Deus tudo o que é necessário à vida do corpo e à vida da alma. Com estas palavras da Oração Dominical, fazemos a humilde confissão da nos- sa miséria e rendemos homenagem à Providência, declarando que cre- mos e queremos obter da Sua bon- dade todos os bens temporais. Sob o nome de pão nós pedimos o que é simplesmente necessário à vida, o supérfluo não está contido. Este pão pedimo-Lo hoje, o mesmo é dizer que limitamos ao presente todos os nos- sos cuidados, confiando à Providên- cia o amanhã. Pedimos o pão de ca- da dia, confessando assim nossas necessidades que sempre renascem e mostrando a contínua dependência em que estamos da proteção e do socorro de Deus. “Perdoai-nos as nossas dívidas assim como nós perdoamos aos nos- sos devedores.” Nossos pecados, diziam Santo Agostinho e Tertuliano, são dívidas que contraímos para com Deus, e Sua justiça exige o pagamen- to até o último óbolo. Portanto temos todas essas tristes dívidas. Malgrado o número das nossas iniquidades, aproximemo-nos pois d’Ele com con- fiança e digamos-Lhe com verdadeiro arrependimento: Pai nosso que es- tais nos céus, perdoai-nos os peca- dos do nosso coração e da nossa boca, os pecados de atos ou de omissões que nos tornam infinita- mente culpados aos olhos de Vossa justiça, porque como filhos de um pai clemente e misericordioso, perdoa- mos por obediência e por caridade àqueles que nos ofendem. “E não nos deixeis” por causa da nossa infidelidade às Vossas graças, “cair em tentação” do mundo, do demônio e da carne; “mas livrai-nos do mal”, que é o pecado, do mal das penas temporais e das penas eter- nas, que fizemos por merecer. “Amém”. Palavra de uma grande consolação, que é, diz São Jerônimo, como um selo que Deus põe no fim dos nossos pedidos para nos assegu- rar de que nos escutou, como se Ele mesmo nos respondesse: Assim seja! Que seja feito como pedistes, em verdade o haveis obtido, pois tal é o significado desta palavra: Amém. Crawley-BoeveyBreve explicação do Pai-Nosso Segredo admirável do santíssimo rosário para se converter e se salvar— S. Luís G. Montfort
  4. 4. A F a m í l i a C a t ó l i c aE d i ç ã o 1 6 Edição: Capela Nossa Senhora das Alegrias - Vitória, ES. http:/www.nossasenhoradasalegrias.com.br Entre em contato conosco pelo e-mail: jornalafamiliacatolica@gmail.com O benefício mais importante que resultará da Consagração da Rússia, depois da glória que dará a Deus e da honra que dará à Santíssima Virgem, será a salvação das almas. "Procurai primeiro o Reino de Deus e a Sua justiça, e o resto ser-vos-á dado por acréscimo" (Mt. 6:33). A Irmã Lúcia disse: "A minha missão não é indicar ao mundo os casti- gos materiais que certamente virão se o mundo não rezar e fizer penitência. Não! A minha missão é indicar a todos o perigo iminente em que estamos de perder as nossas almas por toda a eternidade se nos obstinarmos no pecado." Na Sua aparição de 13 de Julho de 1917 aos três pastorinhos, depois de lhes apresentar uma visão do inferno, Nossa Senhora de Fátima explicou: "Vistes o inferno, para onde vão as almas dos po- bres pecadores. Para as salvar, Deus quer estabe- lecer no mundo a devoção a Meu Imaculado Cora- ção. Se fizerem o que Eu vos disser, salvar-se-ão muitas almas e terão paz." Pelo triunfo do Imaculado Coração de Nossa Se- nhora, que acompanhará a Consagração da Rússia, salvar-se-ão almas sem conta. Através deste ato o mundo será dramaticamente liberto dos erros da Rússia, e virá uma grande era de paz. O mundo re- conhecerá isto como sendo obra da Bem- Aventurada Virgem Maria. E então, confrontados com o amor sem limites e a solicitude maternal que assim demonstrou, os pobres pecadores voltar-se- ão para o Imaculado Coração de Maria, pedindo-lhe socorro para as suas vidas, e pelas suas orações e devoção a Ele obterão as graças necessárias para se converterem a si e aos seus próximos, salvando- se assim do inferno muitas almas. O mundo ficará dramaticamente diferente duran- te o Triunfo do Imaculado Coração de Maria. Para começar, todo o mundo converter-se-á à Fé Católi- ca. Continuará a haver pecados e transgressões, porque o homem continuará a ter uma natureza caída; mas, ao contrário do que se passa no nosso mundo presente, anti-cristão e anti-católico – que trabalha ativamente para afastar as almas de Deus – durante o Triunfo de Maria, governos católi- cos, instituições católicas e uma sociedade católi- ca trabalharão juntos para que as almas se aproxi- mem cada vez mais do seu Criador, fonte e meio de toda a graça, através da Bem-Aventurada Vir- gem Maria. A paz que teremos durante o Triunfo de Nossa Senhora será manifestada nas amizades, nas famí- lias, na comunidade, no Estado, na nação e no mundo; no governo, nas finanças, na economia, no comércio, nos negócios e nas instituições de ensi- no (que reconhecerão o Reinado Social de Cristo e conduzir-se-ão de acordo com ele); na tecnologia (que será usada para promover a verdade e a justi- ça, o bem e a paz) e nas artes e espetáculos (que refletirão a beleza e a verdade de Deus). A verdade e a justiça prevalecerão por todo o mundo. A vi- da inteira de cada um de nós orientar-se-á por Je- sus Cristo e a Bem-Aventurada Virgem Maria, e exprimir-se-á em crer na Fé Católica e viver se- gundo ela, e nas suas orações católicas, tan- to públicas como privadas. Assim, no meio destes frutos do prometido Triunfo de Nossa Senhora, as almas terão mais facilidade em viver uma vida au- tenticamente católica. E então, como Nossa Se- nhora nos disse, "salvar-se-ão muitas almas e tere- mos paz." Pe. Gruner Fonte: www.fatima.org. SALVAR-SE-ÃO MUITAS ALMAS!

×